Comunicação CIEC

945 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
945
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Comunicação CIEC

    1. 1. <ul><li>A P r o m o ção </li></ul><ul><li>da S aúd e </li></ul><ul><li>n a E .I. </li></ul><ul><li>Elaboração de um instrumento </li></ul><ul><li>que privilegia as práticas dos educadores </li></ul>Glicéria Gil José Alves Diniz
    2. 2. A Saúde Das Crianças No mundo real Uma infância saudável?
    3. 3. Na infância as crianças começam a aprender sobre si e sobre o mundo que as rodeia.
    4. 4. Com que mundo real se deparam as crianças?
    5. 5. Um mundo de riscos
    6. 6. <ul><li>- riscos perinatais </li></ul><ul><li>- riscos familiares </li></ul><ul><li>- riscos ambientais </li></ul><ul><li>- riscos sociais </li></ul><ul><li>(Dryden, 1998; Davis, 1999; Fonseca, 1999; Small & Memo, 2002; Garbarino, 2000) </li></ul>
    7. 7. <ul><li>Um mundo fora de controle </li></ul><ul><li>A incerteza como factor constante </li></ul><ul><li>As inovações tecnológicas </li></ul><ul><li>Respostas sociais aceleradas </li></ul>Riscos Sociais Globais Ulrich Beck em Maio de 2006
    8. 8. 1 facto
    9. 9. Aaron Antonovsky (paradigma salutogénico, 1990) Estamos todos num rio que corre, no perigoso rio da vida e não na sua margem.
    10. 10. 2 questões
    11. 11. Qual o grau de perigosidade deste rio?
    12. 12. Qual o nosso nível de competências como nadadores?
    13. 13. O que podemos fazer?
    14. 14. Estratégias Promover o sentido de coerência Prevenir os comportamentos de risco
    15. 15. Temos nas nossas mãos a responsabilidade e o dever de zelar pelo futuro saudável das novas gerações .
    16. 16. Como podemos tornar a infância mais saudável?
    17. 17. Através de práticas e actividades Promotoras de Saúde
    18. 18. A EpS integra-se nas áreas de Formação Pessoal e Social e do Conhecimento do Mundo
    19. 19. Área de Formação Pessoal e Social Formar cidadãos conscientes e solidários
    20. 20. Área do Conhecimento do Mundo Proteger a saúde Prevenir a doença
    21. 21. Compreensão da realidade envolvente Relação construtiva com o ambiente Tomada de decisões com responsabilidade e autonomia
    22. 22. Objectivo deste estudo
    23. 23. Analisar as práticas de Promoção da Saúde que são desenvolvidas pelos educadores de infância.
    24. 24. Modelo teórico Formação PS O sentido de auto-eficácia Educador de Infância Necessidades saúde crianças Planificação Práticas Promotoras de Saúde
    25. 25. Como iremos obter a informação?
    26. 26. Inquérito por Questionário
    27. 27. Numa 1ª fase…
    28. 28. Criamos as condições necessárias Para a Elaboração do Questionário
    29. 29. Estado da Arte
    30. 30. Formação inicial e contínua - Formação e preparação inadequada. (Summerfield,1992) - A disciplina de EpS ou similar aparece descontextualizada nos planos de estudo das ESEs. (Gil, 2007) - Relação positiva entre a experiência profissional/ habilitações académicas e as práticas educativas. (McMullen & Alat, 2002) - A formação contínua na área da saúde influencia a adopção de práticas promotoras de saúde. ( Myers-Clack & Christopher, 2001)
    31. 31. Necessidades de Saúde - Conveniência da adequação da prática pedagógica às necessidades diagnosticadas nas crianças. (Hill, 2000) - Conveniência da promoção de competências psicossociais que ajudem as crianças a enfrentar as exigências da vida diária. (Carrondo, 2006) - O diagnóstico das necessidades de saúde permite uma intervenção educativa atempada que minimiza problemas de desenvolvimento. (Matos, 2005; Matos, Carvalhosa & Diniz, 2002; Hogan et al, 2000)
    32. 32. Planificação na área da PS - Desinteresse dos educadores pela temática é um obstáculo à implementação de actividades promotoras de saúde. (Hill, 2000) - Relação positiva entre as directrizes dos orgãos de gestão e a implementação de projectos de EpS nas escolas. (Hill, 2000) - Relação positiva entre o planeamento na área da PS e as práticas pedagógicas. (Pereira, 2000)
    33. 33. Sentido de auto-eficácia - Menor sentido de auto-eficácia origina um menor empenhamento e possível rejeição de tarefas. (Bandura,1986) - Um sentido de auto-eficácia mais elevado origina padrões de intervenção mais eficazes. (Gibson & Dembo,1984; Pajares, 1992) - Relação positiva entre a auto-eficácia dos professores e o sucesso educativo dos alunos. (Gibson & Dembo, 1984 )
    34. 34. 8 educadores de Infância
    35. 35. Análise qualitativa
    36. 36. Opinião e colaboração dos Especialistas Teresa Vasconcelos ESE de Lisboa MªJoão Cardona ESE de Santarém Assunção Folque U. Évora Isabel Lopes da Silva Universidade de Lisboa Helena Quintas Universidade de Algarve Teresa Sarmento Universidade do Minho Helena Martins Universidade do Algarve
    37. 37. <ul><li>O QPSEI é constituído por 87 itens </li></ul><ul><li>distribuídos por 3 blocos </li></ul><ul><li>Dados demográficos 11 itens </li></ul><ul><li>Escala de likert </li></ul><ul><li>Questões fechadas e questão aberta 10 itens </li></ul>Formação em PS 13 itens NS das crianças 13 itens Planificação 20 itens Sentido de auto-eficácia 20 itens
    38. 38. QPSEI
    39. 39. Resultados
    40. 40. 41 educadores Idade M= 35,07 Anos de serviço M= 5,17 Junho/Julho de 2007 Teste
    41. 41. 29 educadores Setembro 2007 Reteste
    42. 42. Características Psicométricas Teste-reteste α = 0,92 Análise da consistência Interna α = 0,83
    43. 43. Sub-escala nº itens (α) Amplitude das Amplitude das correlações correlações inter-itens item-total ______________________________________________________________________ Formação 11 0,36 -0,40 – 0,34 -0,38 – 0,68 Necessidades S. 12 0,46 -0,32 – 0,72 -0,44 – 0,68 Planificação 20 0,42 -0,18 – 0,44 -0,00 – 0,53 Auto-eficácia 20 0,92 0,31 – 0,81 0,38 – 0,82 Escala Total 63 0,83 Análise da consistência interna do QPSEI
    44. 44. Sub-escala nº itens (α) Amplitude das Amplitude das correlações correlações inter-itens item-total ______________________________________________________________________ Formação 5 0,58 0,11 – 0,29 0,00 – 0,55 Necessidades S. 8 0,78 0,19 – 0,72 0,33 – 0,69 Planificação 8 0,50 0,03 – 0,44 0,78 – 0,38 Auto-eficácia 20 0,92 0,31 – 0,81 0,38 – 0,82 Escala Total 41 0,89 Análise da consistência interna do QPSEI
    45. 45. Conclusões
    46. 46. <ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul>
    47. 47. <ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul><ul><li>O valor de alfa para o total das escalas é satisfatório. </li></ul>
    48. 48. <ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul><ul><li>O valor de alfa para o total das escalas é satisfatório. </li></ul><ul><li>O estudo psicométrico permitiu seleccionar os melhores itens a integrar na versão final. </li></ul>
    49. 49. <ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul><ul><li>O valor de alfa para o total das escalas é satisfatório. </li></ul><ul><li>O estudo psicométrico permitiu seleccionar os melhores itens a integrar na versão final. </li></ul><ul><li>O valor alfa no teste-reteste permite afirmar que o QPSEI é um instrumento fidedigno. </li></ul>
    50. 50. <ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul><ul><li>O valor alfa para o total das escalas é satisfatório. </li></ul><ul><li>O estudo psicométrico permitiu seleccionar os melhores itens a integrar na versão final. </li></ul><ul><li>O valor alfa no teste-reteste permite afirmar que o QPSEI é um instrumento fidedigno. </li></ul><ul><li>Estima adequadamente o modo como os educadores desenvolvem as suas práticas de PS. </li></ul>
    51. 51. <ul><li>O valor de alfa para o total das escalas é satisfatório. </li></ul><ul><li>O QPSEI apresenta algumas fragilidades na consistência interna das 2 sub-escalas (formação e planificação). </li></ul><ul><li>O valor alfa no teste-reteste permite afirmar que o QPSEI é um instrumento fidedigno. </li></ul><ul><li>O estudo psicométrico permitiu seleccionar os melhores itens a integrar na versão final. </li></ul><ul><li>Estima adequadamente o modo como os educadores desenvolvem as suas práticas de PS. </li></ul><ul><li>Vem colmatar uma importante necessidade dos investigadores e educadores, uma vez que é o primeiro instrumento construído em Portugal para este propósito. </li></ul>
    52. 52. Obrigada

    ×