SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
A Provisão de Deus em
Tempos Difíceis
4º Trimestre de 2016
Lição 2
09 outubro 2016
"E o mundo passa, e a sua
concupiscência; mas aquele que faz
a vontade de Deus permanece para
sempre.“ (1 João 2.17)
TEXTO ÁUREO
Prof.CelsoNapoleon
2
A Igreja de Jesus Cristo é o farol
para Um mundo em trevas e
decaído.
VERDADE PRÁTICA
Prof.CelsoNapoleon
3
OBJETIVO GERAL
Prof.CelsoNapoleon
4
Mostrar que Deus tem provisão,
mesmo em um mundo em crise,
para aqueles que creem.
I – Reconhecer a provisão divina em um mundo
em crise;
II – Compreender que o mundo atual está
caótico;
III - Explicar as características do mundo atual.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Prof.CelsoNapoleon
5
1 E PARTINDO de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao
deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do mês
segundo, depois de sua saída da terra do Egito.
2 E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e
contra Arão no deserto.
3 E os filhos de Israel disseram-lhes: Quem dera tivéssemos morrido
por mão do SENHOR na terra do Egito, quando estávamos sentados
junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque
nos tendes trazido a este deserto, para matardes de fome a toda esta
multidão.
4 Então disse o SENHOR a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos
céus, e o povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Prof.CelsoNapoleon
6
Êxodo 16.1-15
que eu o prove se anda em minha lei ou não.
5 E acontecerá, no sexto dia, que prepararão o que colherem; e será o
dobro do que colhem cada dia.
6 Então disseram Moisés e Arão a todos os filhos de Israel: À tarde
sabereis que o SENHOR vos tirou da terra do Egito,
7 E amanhã vereis a glória do SENHOR, porquanto ouviu as vossas
murmurações contra o SENHOR. E quem somos nós, para que
murmureis contra nós?
8 Disse mais Moisés: Isso será quando o SENHOR à tarde vos der carne
para comer, e pela manhã pão a fartar, porquanto o SENHOR ouviu as
vossas murmurações, com que murmurais contra ele. E quem somos
nós? As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Prof.CelsoNapoleon
7
Êxodo 16.1-15
SENHOR.
9 Depois disse Moisés a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de
Israel: Chegai-vos à presença do SENHOR, porque ouviu as vossas
murmurações.
10 E aconteceu que, quando falou Arão a toda a congregação dos
filhos de Israel, e eles se viraram para o deserto, eis que a glória do
SENHOR apareceu na nuvem.
11 E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:
12 Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel. Fala-lhes,
dizendo: Entre as duas tardes comereis carne, e pela manhã vos
fartareis de pão; e sabereis que eu sou o SENHOR vosso Deus.
13 E aconteceu que à tarde subiram codornizes, e cobriram o arraial; e
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Prof.CelsoNapoleon
8
Êxodo 16.1-15
pela manhã jazia o orvalho ao redor do arraial.
14 E quando o orvalho se levantou, eis que sobre a face do deserto
estava uma coisa miúda, redonda, miúda como a geada sobre a terra.
15 E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto?
Porque não sabiam o que era. Disse-lhes pois Moisés: Este é o pão que
o SENHOR vos deu para comer.
16 Esta é a palavra que o SENHOR tem mandado: Colhei dele cada um
conforme ao que pode comer, um ômer por cabeça, segundo o número
das vossas almas; cada um tomará para os que se acharem na sua
tenda.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Prof.CelsoNapoleon
9
Êxodo 16.1-15
Podemos ver a
provisão de
Deus mesmo
vivendo em um
mundo em
crise.
PONTO CENTRAL
10
Prof.CelsoNapoleon
INTRODUÇÃO
Estamos vivendo em um mundo em
crise. Mas o Reino de Deus não está
em crise. Não podemos nos esquecer
que não estamos sozinhos nesse
mundo tenebroso. O Senhor Jesus
prometeu estar conosco até a
consumação dos séculos. Mesmo
vivendo em um mundo decaído,
podemos contar com a proteção,
provisão e cuidado do Pai Celeste.
Prof.CelsoNapoleon
11
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 1. A provisão de Deus no deserto.
12
Temos um Deus que supre as
nossas necessidades. Durante
quarenta anos o Senhor sustentou
o seu povo no deserto. Todos os
dias, com exceção do sábado, os
israelitas recebiam o maná e
codornizes para o seu sustento
(Êx 16). A provisão era diária. Não
faltou água, alimento roupa e
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 1. A provisão de Deus no deserto.
13
calçado até o dia em que chegaram
à Terra Prometida. Porém, no meio
do povo de Deus sempre há
pessoas incrédulas e
murmuradoras. Os israelitas não
demonstraram gratidão pela
provisão divina; diante de alguma
dificuldade, logo murmuravam e
reclamavam de Deus. Qual tem sido
sua atitude diante das crises?
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 2. A provisão de Deus para Elias em
Querite (1 Rs 17.1-6).
14
Certo dia, Elias profetizou para o rei
Acabe dizendo que não choveria
por um bom período de tempo.
Acabe sabia que a falta de chuva ia
mexer com a economia do seu
reino. Haveria um período difícil de
escassez. Então, Deus mandou que
o profeta Elias se escondesse junto
ao ribeiro de Querite (v. 3). Elias
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 2. A provisão de Deus para Elias em
Querite (1 Rs 17.1-6).
15
obedeceu a Deus. A obediência nos
faz experimentar a provisão de
Deus. Quem está em desobediência
dificilmente desfrutará da provisão
divina. O servo do Senhor bebia das
águas do ribeiro, e a cada manhã
comia da comida que os corvos lhe
traziam. Elias experimentou a
provisão de Deus
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em
Sarepta (1 Rs 17.8-16).
16
Elias não podia aparecer
publicamente, pois Acabe estava à
sua procura. Depois que o riacho de
Querite secou, Deus ordenou que o
seu profeta se dirigisse à aldeia de
Sarepta. Perto dos portões da
cidade, ele encontrou uma viúva
que recolhia gravetos. Como no
ribeiro de Querite, a provisão de
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em
Sarepta (1 Rs 17.8-16).
17
Deus veio de forma inusitada. Deus
havia utilizado corvos para
alimentar o profeta. Agora uma
viúva deveria cuidar de Elias. Em
geral, as viúvas dependiam dos seus
filhos e parentes para sua
sobrevivência. Ao chegar à casa da
viúva, Elias lhe pede água e pão. A
mulher respondeu que não tinha
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em
Sarepta (1 Rs 17.8-16).
18
pão. Em sua casa, havia apenas um
punhado de farinha e um pouco de
azeite. Então, o profeta desafia
aquela mulher a assar primeiro um
pão para ele. A mulher acreditou na
palavra do profeta. Para ver a
provisão divina é preciso crer. A
provisão de Deus veio para Elias e
para viúva que o acolheu.
Prof.CelsoNapoleon
I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO
CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em
Sarepta (1 Rs 17.8-16).
19
A farinha e o azeite da mulher não
se acabaram até o dia em que as
chuvas voltaram a cair.
Prof.CelsoNapoleon
SÍNTESE DO TÓPICO (1)
Prof.CelsoNapoleon
20
Podemos experimentar a
provisão divina mesmo
vivendo em um mundo
caótico.
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
Não há que duvidar que o tempo todo Deus sabia como
alimentaria os israelitas no deserto. Quando murmuraram, o
Senhor revelou seu plano de fornecer pão dos céus para
colherem a porção para cada dia. Até no fornecimento de
pão Deus faria uma prova: Queria ver se o povo andaria em
sua lei ou não. No sexto dia, as pessoas achariam
quantidade suficiente de pão para durar dois dias, em
cumprimento da lei do sábado.
Deus queria que estes israelitas soubessem que aquele que
os tirou do Egito ainda estava com eles. À tarde sabereis e
Prof.CelsoNapoleon
21
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
amanhã vereis. A glória mencionada no versículo 7 diz
respeito à realização da mão de Deus no suprimento do pão,
ao passo que a glória referida no versículo 10 era a
manifestação especial de Deus na nuvem.
Moisés repreendeu os israelitas por murmurarem contra ele
e Arão, pois nada significavam — era Deus quem os
conduziriam. Quando Deus lhes desse carne e pão para
comer, eles saberiam que o Senhor ouviria as murmurações
feitas contra ele. De certo modo, fornecer comida desta
maneira era uma repreensão. Deus não forneceu comida só
Prof.CelsoNapoleon
22
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
porque reclamaram; Ele queria que soubessem que Ele era
o Senhor e que não estava contra seus servos, mas contra
quem murmurava.
Os filhos de Israel seriam humilhados diante de Deus. Arão
os reuniu, dizendo: Chegai-vos para diante do Senhor,
porque ouviu as vossas murmurações. Quando se
aproximaram e olharam para o deserto, de repente a glória
do Senhor apareceu na nuvem. A prova inconfundível da
presença de Deus na coluna de fogo autenticou as palavras
de Moisés e preparou o povo para a glória mais encoberta
Prof.CelsoNapoleon
23
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
de milagre que ocorreria. A glória do Senhor deu a estes
fracos seguidores de Deus de ver o mal dos seus corações
quando contemplassem a fidelidade de Deus para com eles.
Com a realização do milagre da carne e do pão, eles
saberiam que o Senhor era o seu Deus. Ele teve paciência
com estes crentes fracos, cuja fé necessitava de crescimento;
em outra época, depois de terem tempo para amadurecer
(Nm 14.11,12), eles foram punidos por causa da
permanência na incredulidade" (Comentário Bíblico Beacon.
l.ed. Vol 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp. 175,76).
Prof.CelsoNapoleon
24
CONHEÇA MAIS
*Uma grande estiagem
"Baal e Aserá eram deidades da natureza, suspeitos de controlar as
chuvas e a fertilidade da terra. Ao anunciar uma estiagem no nome
do Senhor, Elias demonstrou conclusivamente que lahweh, e não
Baal, é supremo. Para conhecer mais leia, Guia do Leitor da Bíblia,
CPAD, p.234.
Prof.CelsoNapoleon
25
Prof.CelsoNapoleon
26
“Satanás é o deus deste século.
Ele é o responsável pelas
diferentes tragédias que
assolam a humanidade”.
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
27
1. O mundo jaz do Maligno.
João, o apóstolo de Jesus Cristo,
declarou qual é a situação deste
mundo: "Sabemos que somos de
Deus e que todo o mundo está no
maligno" (1 Jo 5.19). Satanás é o
deus deste século. Ele é o
responsável pelas diferentes
tragédias que assolam a
humanidade. Muitos podem dizer
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
28
1. O mundo jaz do Maligno.
que as tragédias e as crises são
resultado apenas da ação do
homem, mas não podemos nos
esquecer de que Satanás usa os
homens para matar, roubar e
destruir (Jo 10.10).
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
29
2. O mundo globalizado.
Com certeza você já deve ter
ouvido falar a respeito da
globalização. Mas sabe o que
significa? Existem vários conceitos
para definir esse termo. Vejamos
o conceito segundo o dicionário
Houaiss: "Ato ou efeito de
globalizar(-se). Espécie de
mercado financeiro mundial
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
30
2. O mundo globalizado.
criado a partir da união dos
mercados de diferentes países e
da quebra das fronteiras entre
esses mercados." A ideia de
globalização surgiu da
consolidação do sistema
capitalista, e um dos seus
objetivos é a padronização de
ideias e valores.
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
31
3. Tempo de mudanças.
Ao longo da sua história, a
humanidade experimentou
diferentes transformações na
área tecnológica, científica,
económica e social. Essas
mudanças acabaram trazendo
crises de ordem social,
económica e política.
A era moderna foi marcada
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
32
3. Tempo de mudanças.
pelo avanço do conhecimento
científico, pelo advento da
industrialização, pela
predominância da luta
ideológica e, especialmente,
pela expansão da fé cristã,
como também pela
proliferação das seitas e das
religiões orientais.
II-UM MUNDOCAÓTICO
Prof.CelsoNapoleon
33
3. Tempo de mudanças.
Na atualidade, temos
experimentado o progresso
cientifico e tecnológico, mas
também crises económicas e
éticas sem precedentes. O
apóstolo Paulo, profeticamente,
falou a respeito desses tempos,
referindo-se a eles como
trabalhosos e difíceis.
SÍNTESE DO TÓPICO (2)
Prof.CelsoNapoleon
34
O mundo está caótico,
estamos vivendo tempo
difíceis.
SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ
"Novo Cenário Mundial"
A unificação das duas Alemanhas; o desmantelamento do
império soviético; o fim oficial da política do Apartheid na
África do Sul; as disputas étnicas e territoriais em regiões
como a Bósnia Ezergovina; o conflito entre judeus e árabes
pelo reconhecimento de um Estado Palestino; a Guerra do
Golfo, que, com o final da guerra fria entre os Estados Unidos
e a União Soviética, fez nascer um novo oponente para os
americanos; a luta por reconhecimento por parte do povo e a
democratização das antigas ditaduras latino-americanas são
Prof.CelsoNapoleon
35
SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ
"Novo Cenário Mundial"
apenas alguns dos exemplos das mudanças que têm ocorrido
no cenário mundial. Com a formação de blocos de países,
como o MCE — Mercado Comum Europeu (conhecido
também como Unidade Europeia); o NAFTA — North
American Free Trade Agreement, ou Acordo de Livre
Comércio da América do norte e o MERCOSUL (do qual o
Brasil é importante membro), entre outros, as relações entre
os países deixaram de ser meramente bilaterais.
Elas passaram a fazer parte de um contexto muito maior, no
Prof.CelsoNapoleon
36
SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ
"Novo Cenário Mundial"
qual a globalização de mercados é a principal prioridade. Em
blocos, os países menos fragilizados diante de potências
economicamente mais forte, e com maior poder de barganha"
(AYRES, Antônio Tadeu. Reflexos da Globalização sobre a
Igreja: Até que ponto as últimas tendências mundiais afetam
o Corpo de Cristo? 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.20).
Prof.CelsoNapoleon
37
“Deus, o Criador, é o
soberano. Deus, o Pai, tornou
seu Filho Jesus, a razão e o
centro de toda a criação.”
Prof.CelsoNapoleon
38
1. Uma sociedade centrada no homem.
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
39
Vivemos em uma sociedade em que o
antropocentrismo prevalece. A palavra
antropos significa "homem", e
antropocentrismo traz a ideia do
homem como o centro de tudo. Certo
filósofo pré-socrático declarou que ”o
homem é a medida de todas as coisas".
Tal ideia faz do homem o centro do
Universo. Sabemos que o homem é
falho e finito. Deus, o Criador, é o
1. Uma sociedade centrada no homem.
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
40
soberano. Deus, o Pai, tornou seu Filho
Jesus, a razão e o centro de toda a
criação. Paulo, escrevendo aos
Colossenses afirmou: "Ele é antes de
todas as coisas, e todas as coisas
subsistem por Ele" (Cl 1.17). Os
humanistas, na verdade são "amantes
de si mesmos"(2 Tm 3.2). O humanismo
deve ser repudiado pela liderança da
igreja e por seus membros.
2. Uma sociedade relativista.
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
41
O relativismo ético e moral nega a
existência de verdades absolutas,
especialmente, os princípios e ensinos
imutáveis da Palavra de Deus. O certo e o
errado se confundem, pois as verdades
passam a ser relativas. Aqui" há a negação
de qualquer lei superior para orientar a vida
das pessoas. Por isso cremos que o
relativismo tem causado danos aos crentes
em nossos dias.
3. Uma sociedade secularizada
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
42
Segundo o pastor
Claudionor de Andrade o
secularismo é a "doutrina
que ignora os princípios
espirituais na condução
dos negócios humanos".
Essa doutrina também
perverte os nossos valores
cristãos. Ela corrompe as
3. Uma sociedade secularizada
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
43
verdades bíblicas para
perverter a igreja e
desviá-la da fé cristã,
pois o secularismo
valoriza a forma em
detrimento do
conteúdo.
3. Uma sociedade secularizada
III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL
Prof.CelsoNapoleon
44
SÍNTESE DO TÓPICO (3)
Prof.CelsoNapoleon
45
O antropocentrismo, o
relativismo e a secularização são
características do mundo atual.
SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO
Importante observar que o conceito de antropocentrismo,
relativismos e secularismo, veja as definições:
Antropocentrismo - "[Do gr. an- tropos, homem; do gr. kentron,
centro + ismo]. Perspectiva teológica-filosófica que coloca o homem
como centro do universo, descartando, na prática, a ideia de um
Deus bom, justo e que se interessa pelos negócios humanos. O
antropocentrismo leva sempre em consideração o que declarou o
filósofo grego Pitágoras: ‘O homem é a medida de todas as coisas.‘
Relativismo - [Do lat. relativas]. Concepção filosófica segundo a
qual nada é definitivamente certo nem absoluto, por depender de
contingências e condicionamentos. Sob esta ótica, caem por terra
Prof.CelsoNapoleon
46
SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO
os princípios éticos da verdade. O relativismo moral tem sido
utilizado pelos ditadores para destruir os princípios da liberdade e
da fé em Deus.
Secularismo - [Do lat. seculu+is- mo]. Doutrina que ignora os
princípios espirituais na condução dos negócios humanos. O
secularismo, ou materialismo, tem o homem, e somente o homem,
como a medida de todas as coisas. Pode ser considerado sinónimo
de humanismo" (ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário
Bíblico Teológico. 8.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp. 45,253,261).
Prof.CelsoNapoleon
47
CONCLUSÃO
Prof.CelsoNapoleon
48
Mesmo vivendo em um mundo em
crise, podemos contar com a provisão
de Deus. Vivemos neste mundo, mas
não podemos concordar com a sua
maneira de pensar (Rm 12.2). Temos
que priorizar e manter sempre o
fundamento do Evangelho que
recebemos.
Prof.CelsoNapoleon
49
• CPAD. Lições Bíblicas: Lições do 4º trimestre de 2016 , Rio
de Janeiro - RJ .
• Celso Napoleon
Theology from Cicero Canuto de Lima, current FAESP -
Evangelical School of São Paulo. Technical Administration
at State Center for Technological Education Paula Souza.
Administration Graduating in UNESP - Universidade
Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campus
Tupã.
Telefone: (Celular): (14) 98126-7935
e-mail: celsonapoleon@hotmail.com
Face: www.facebook.com/celsonapoleon
Church: www.facebook.com/ieaduniverso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese
16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese
16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguesePing Ponga
 
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISELIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISEAndrew Guimarães
 
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016Pr. Andre Luiz
 
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela família
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela famíliaLição 8 - Rute, Deus trabalha pela família
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela famíliaAilton da Silva
 
Ebd aula 3 4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.
Ebd aula 3  4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.Ebd aula 3  4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.
Ebd aula 3 4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovados
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovadosDeserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovados
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovadosMarcos De Oliveira Leite
 
A vinha de nabote
A vinha de naboteA vinha de nabote
A vinha de nabotecesarsilas
 
As Consequências das Escolhas Precipitadas
As Consequências das Escolhas PrecipitadasAs Consequências das Escolhas Precipitadas
As Consequências das Escolhas PrecipitadasMárcio Martins
 
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)Paulo Dias Nogueira
 
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de Lealdade
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de LealdadeLição 6 - Jônatas, Um Exemplo de Lealdade
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de LealdadeÉder Tomé
 
8) principio do fim a besta e a prostituta
8) principio do fim   a besta e a prostituta8) principio do fim   a besta e a prostituta
8) principio do fim a besta e a prostitutaJean Jorge Silva
 
Lição 8 Abigail, um Caráter Conciliador
Lição 8 Abigail, um Caráter ConciliadorLição 8 Abigail, um Caráter Conciliador
Lição 8 Abigail, um Caráter ConciliadorÉder Tomé
 
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016Pr. Andre Luiz
 
Lição 7 a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de naboteLição 7 a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de naboteDaniel Viana
 
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da bestaJean Jorge Silva
 
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da fé
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da féLição 3 - Abraão, a esperança do pai da fé
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da féAilton da Silva
 
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...Daniel Felipe Kroth
 
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIEL
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIELNÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIEL
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIELIsrael Evangelista Dias
 

Mais procurados (20)

16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese
16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese
16 Rute, uma história de amor / 16 ruth a love story portuguese
 
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISELIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 1 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
 
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016
Abraão, a esperança do pai da fé - Lição 03 - 4º Trimestre de 2016
 
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela família
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela famíliaLição 8 - Rute, Deus trabalha pela família
Lição 8 - Rute, Deus trabalha pela família
 
Ebd aula 3 4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.
Ebd aula 3  4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.Ebd aula 3  4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.
Ebd aula 3 4°trimestre 2016 Abraão,a esperança do Pai da fé.
 
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovados
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovadosDeserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovados
Deserto uma escola para muitos,onde poucos são aprovados
 
A vinha de nabote
A vinha de naboteA vinha de nabote
A vinha de nabote
 
As Consequências das Escolhas Precipitadas
As Consequências das Escolhas PrecipitadasAs Consequências das Escolhas Precipitadas
As Consequências das Escolhas Precipitadas
 
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
 
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de Lealdade
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de LealdadeLição 6 - Jônatas, Um Exemplo de Lealdade
Lição 6 - Jônatas, Um Exemplo de Lealdade
 
LBA LIÇÃO 6 - Deus, o nosso provedor
LBA LIÇÃO 6 - Deus, o nosso provedorLBA LIÇÃO 6 - Deus, o nosso provedor
LBA LIÇÃO 6 - Deus, o nosso provedor
 
8) principio do fim a besta e a prostituta
8) principio do fim   a besta e a prostituta8) principio do fim   a besta e a prostituta
8) principio do fim a besta e a prostituta
 
Lição 8 Abigail, um Caráter Conciliador
Lição 8 Abigail, um Caráter ConciliadorLição 8 Abigail, um Caráter Conciliador
Lição 8 Abigail, um Caráter Conciliador
 
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016
As Consequências das Escolhas Precipitadas - Lição 5 - 4º Trimestre 2016
 
Desejosepulcral
DesejosepulcralDesejosepulcral
Desejosepulcral
 
Lição 7 a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de naboteLição 7 a vinha de nabote
Lição 7 a vinha de nabote
 
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta
9) Escatologia Princípio do Fim - 666, a marca da besta
 
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da fé
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da féLição 3 - Abraão, a esperança do pai da fé
Lição 3 - Abraão, a esperança do pai da fé
 
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...
LIÇÃO 03 - ABRAÃO, A ESPERANÇA DO PAI DA FÉ / SUBSÍDIOS / REVISTA DA CLASSE A...
 
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIEL
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIELNÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIEL
NÃO VENDO, NÃO TROCO, NÃO EMPRESTO, SOU FIEL
 

Destaque

Conflito e Ação Social
Conflito e Ação SocialConflito e Ação Social
Conflito e Ação SocialCelso Napoleon
 
Curso para pregadores completo
Curso para pregadores completoCurso para pregadores completo
Curso para pregadores completoFeed Net
 
Lição 12 novos céus e nova terra
Lição 12 novos céus e nova terraLição 12 novos céus e nova terra
Lição 12 novos céus e nova terraCelso Napoleon
 
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de Ti
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de TiHino 677 - Eu Quero Desfrutar de Ti
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de TiPowerPoint Gospel
 
Sinceridade - Alisson e Neide
Sinceridade - Alisson e NeideSinceridade - Alisson e Neide
Sinceridade - Alisson e NeidePowerPoint Gospel
 

Destaque (8)

Conflito e Ação Social
Conflito e Ação SocialConflito e Ação Social
Conflito e Ação Social
 
Curso para pregadores completo
Curso para pregadores completoCurso para pregadores completo
Curso para pregadores completo
 
Lição 12 novos céus e nova terra
Lição 12 novos céus e nova terraLição 12 novos céus e nova terra
Lição 12 novos céus e nova terra
 
João Viu - Andréa Fontes
João Viu - Andréa FontesJoão Viu - Andréa Fontes
João Viu - Andréa Fontes
 
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de Ti
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de TiHino 677 - Eu Quero Desfrutar de Ti
Hino 677 - Eu Quero Desfrutar de Ti
 
João Guimarães Rosa
João Guimarães RosaJoão Guimarães Rosa
João Guimarães Rosa
 
Sinceridade - Alisson e Neide
Sinceridade - Alisson e NeideSinceridade - Alisson e Neide
Sinceridade - Alisson e Neide
 
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
 

Semelhante a Provisão Divina em Tempos Difíceis

E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02
E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02Joel Silva
 
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptxJoel Silva
 
Ebd aula 2 4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.
Ebd aula 2  4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.Ebd aula 2  4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.
Ebd aula 2 4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS antonio vieira
 
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeis
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeisLição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeis
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeisAilton da Silva
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosGerson G. Ramos
 
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.pptOEVANGELHODOREINORES
 
Lição 2 - Deus, o Primeiro Evangelista
Lição 2 - Deus, o Primeiro EvangelistaLição 2 - Deus, o Primeiro Evangelista
Lição 2 - Deus, o Primeiro EvangelistaErberson Pinheiro
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011jesmioma
 
Milagres 2 milagre após milagre
Milagres 2   milagre após milagreMilagres 2   milagre após milagre
Milagres 2 milagre após milagreMiriã Luz
 
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016Pr. Andre Luiz
 
A peregrinação de israel no deserto até o sinai
A peregrinação de israel no deserto até o sinaiA peregrinação de israel no deserto até o sinai
A peregrinação de israel no deserto até o sinaiMarli Leta
 
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 

Semelhante a Provisão Divina em Tempos Difíceis (20)

E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02
E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02E.b.d   adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02
E.b.d adultos 4ºtrimestre 2016 lição 02
 
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 02.pptx
 
Ebd aula 2 4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.
Ebd aula 2  4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.Ebd aula 2  4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.
Ebd aula 2 4°trimestre 2016 A proviisão de Deus em tempos difíceis.
 
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
Liçao 2 A PROVISÃO DE DEUS EM TEMPOS DIFÍCEIS
 
Daniel 12
Daniel 12Daniel 12
Daniel 12
 
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeis
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeisLição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeis
Lição 2 - A provisão de Deus em tempos dificeis
 
A familia que sobreviveu ao dilúvel
A familia que sobreviveu ao dilúvel A familia que sobreviveu ao dilúvel
A familia que sobreviveu ao dilúvel
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
 
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt
02- A Centralidade Bíblica do Reino de Deus.ppt
 
3 03 c_quaresma
3 03 c_quaresma3 03 c_quaresma
3 03 c_quaresma
 
Lição 2 - Deus, o Primeiro Evangelista
Lição 2 - Deus, o Primeiro EvangelistaLição 2 - Deus, o Primeiro Evangelista
Lição 2 - Deus, o Primeiro Evangelista
 
Isaias 7
Isaias 7Isaias 7
Isaias 7
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Milagres 2 milagre após milagre
Milagres 2   milagre após milagreMilagres 2   milagre após milagre
Milagres 2 milagre após milagre
 
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016
Deus o nosso provedor - Lição 06 - 4º Trimestre 2016
 
A peregrinação de israel no deserto até o sinai
A peregrinação de israel no deserto até o sinaiA peregrinação de israel no deserto até o sinai
A peregrinação de israel no deserto até o sinai
 
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...
EBD CPAD Lições bíblicas 4° trimestre 2015 lição 7 a família que sobreviveu a...
 
Lição 7 o diluvio
Lição 7 o diluvioLição 7 o diluvio
Lição 7 o diluvio
 
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.
Ebd 4°trimestre 2016 aula 6 Deus: o nosso provedor.
 

Mais de Celso Napoleon

Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxCelso Napoleon
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxCelso Napoleon
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxCelso Napoleon
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxCelso Napoleon
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxCelso Napoleon
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxCelso Napoleon
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxCelso Napoleon
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxCelso Napoleon
 

Mais de Celso Napoleon (20)

Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptxLesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
Lesson 2 - The Choice between the Narrow Gate and the Wide Gate.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptxLesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
Lesson 1- The Beginning of the Walk.pptx
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptxLição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
Lição 13 - O Poder de Deus na Missão da Igreja.pptx
 
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptxLesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
Lesson 12 - The Role of Preaching in Worship.pptx
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
 
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptxLesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
Lesson 11 - The Worship of the Christian Church.pptx
 
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptxLição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
Lição 11 - O Culto da Igreja Cristã.pptx
 
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptxLesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
Lesson 9 - Baptism – The First Ordinance of the Church.pptx
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
 
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptxLesson 8 - Discipline in the Church.pptx
Lesson 8 - Discipline in the Church.pptx
 
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptxLesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
Lesson 7 - The Ministry of the Church.pptx
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
 
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptxLição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
Lição 7 - O Ministério da Igreja - 18fev2024.pptx
 
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptxLesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
Lesson 6 - Church: Organism and Organization.pptx
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
 
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptxLesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
Lesson 5 - The Mission of the Church of Christ.pptx
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

Provisão Divina em Tempos Difíceis

  • 1. A Provisão de Deus em Tempos Difíceis 4º Trimestre de 2016 Lição 2 09 outubro 2016
  • 2. "E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.“ (1 João 2.17) TEXTO ÁUREO Prof.CelsoNapoleon 2
  • 3. A Igreja de Jesus Cristo é o farol para Um mundo em trevas e decaído. VERDADE PRÁTICA Prof.CelsoNapoleon 3
  • 4. OBJETIVO GERAL Prof.CelsoNapoleon 4 Mostrar que Deus tem provisão, mesmo em um mundo em crise, para aqueles que creem.
  • 5. I – Reconhecer a provisão divina em um mundo em crise; II – Compreender que o mundo atual está caótico; III - Explicar as características do mundo atual. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Prof.CelsoNapoleon 5
  • 6. 1 E PARTINDO de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do mês segundo, depois de sua saída da terra do Egito. 2 E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão no deserto. 3 E os filhos de Israel disseram-lhes: Quem dera tivéssemos morrido por mão do SENHOR na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque nos tendes trazido a este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão. 4 Então disse o SENHOR a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Prof.CelsoNapoleon 6 Êxodo 16.1-15
  • 7. que eu o prove se anda em minha lei ou não. 5 E acontecerá, no sexto dia, que prepararão o que colherem; e será o dobro do que colhem cada dia. 6 Então disseram Moisés e Arão a todos os filhos de Israel: À tarde sabereis que o SENHOR vos tirou da terra do Egito, 7 E amanhã vereis a glória do SENHOR, porquanto ouviu as vossas murmurações contra o SENHOR. E quem somos nós, para que murmureis contra nós? 8 Disse mais Moisés: Isso será quando o SENHOR à tarde vos der carne para comer, e pela manhã pão a fartar, porquanto o SENHOR ouviu as vossas murmurações, com que murmurais contra ele. E quem somos nós? As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Prof.CelsoNapoleon 7 Êxodo 16.1-15
  • 8. SENHOR. 9 Depois disse Moisés a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de Israel: Chegai-vos à presença do SENHOR, porque ouviu as vossas murmurações. 10 E aconteceu que, quando falou Arão a toda a congregação dos filhos de Israel, e eles se viraram para o deserto, eis que a glória do SENHOR apareceu na nuvem. 11 E o SENHOR falou a Moisés, dizendo: 12 Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel. Fala-lhes, dizendo: Entre as duas tardes comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão; e sabereis que eu sou o SENHOR vosso Deus. 13 E aconteceu que à tarde subiram codornizes, e cobriram o arraial; e LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Prof.CelsoNapoleon 8 Êxodo 16.1-15
  • 9. pela manhã jazia o orvalho ao redor do arraial. 14 E quando o orvalho se levantou, eis que sobre a face do deserto estava uma coisa miúda, redonda, miúda como a geada sobre a terra. 15 E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes pois Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer. 16 Esta é a palavra que o SENHOR tem mandado: Colhei dele cada um conforme ao que pode comer, um ômer por cabeça, segundo o número das vossas almas; cada um tomará para os que se acharem na sua tenda. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Prof.CelsoNapoleon 9 Êxodo 16.1-15
  • 10. Podemos ver a provisão de Deus mesmo vivendo em um mundo em crise. PONTO CENTRAL 10 Prof.CelsoNapoleon
  • 11. INTRODUÇÃO Estamos vivendo em um mundo em crise. Mas o Reino de Deus não está em crise. Não podemos nos esquecer que não estamos sozinhos nesse mundo tenebroso. O Senhor Jesus prometeu estar conosco até a consumação dos séculos. Mesmo vivendo em um mundo decaído, podemos contar com a proteção, provisão e cuidado do Pai Celeste. Prof.CelsoNapoleon 11
  • 12. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 1. A provisão de Deus no deserto. 12 Temos um Deus que supre as nossas necessidades. Durante quarenta anos o Senhor sustentou o seu povo no deserto. Todos os dias, com exceção do sábado, os israelitas recebiam o maná e codornizes para o seu sustento (Êx 16). A provisão era diária. Não faltou água, alimento roupa e Prof.CelsoNapoleon
  • 13. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 1. A provisão de Deus no deserto. 13 calçado até o dia em que chegaram à Terra Prometida. Porém, no meio do povo de Deus sempre há pessoas incrédulas e murmuradoras. Os israelitas não demonstraram gratidão pela provisão divina; diante de alguma dificuldade, logo murmuravam e reclamavam de Deus. Qual tem sido sua atitude diante das crises? Prof.CelsoNapoleon
  • 14. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 2. A provisão de Deus para Elias em Querite (1 Rs 17.1-6). 14 Certo dia, Elias profetizou para o rei Acabe dizendo que não choveria por um bom período de tempo. Acabe sabia que a falta de chuva ia mexer com a economia do seu reino. Haveria um período difícil de escassez. Então, Deus mandou que o profeta Elias se escondesse junto ao ribeiro de Querite (v. 3). Elias Prof.CelsoNapoleon
  • 15. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 2. A provisão de Deus para Elias em Querite (1 Rs 17.1-6). 15 obedeceu a Deus. A obediência nos faz experimentar a provisão de Deus. Quem está em desobediência dificilmente desfrutará da provisão divina. O servo do Senhor bebia das águas do ribeiro, e a cada manhã comia da comida que os corvos lhe traziam. Elias experimentou a provisão de Deus Prof.CelsoNapoleon
  • 16. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em Sarepta (1 Rs 17.8-16). 16 Elias não podia aparecer publicamente, pois Acabe estava à sua procura. Depois que o riacho de Querite secou, Deus ordenou que o seu profeta se dirigisse à aldeia de Sarepta. Perto dos portões da cidade, ele encontrou uma viúva que recolhia gravetos. Como no ribeiro de Querite, a provisão de Prof.CelsoNapoleon
  • 17. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em Sarepta (1 Rs 17.8-16). 17 Deus veio de forma inusitada. Deus havia utilizado corvos para alimentar o profeta. Agora uma viúva deveria cuidar de Elias. Em geral, as viúvas dependiam dos seus filhos e parentes para sua sobrevivência. Ao chegar à casa da viúva, Elias lhe pede água e pão. A mulher respondeu que não tinha Prof.CelsoNapoleon
  • 18. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em Sarepta (1 Rs 17.8-16). 18 pão. Em sua casa, havia apenas um punhado de farinha e um pouco de azeite. Então, o profeta desafia aquela mulher a assar primeiro um pão para ele. A mulher acreditou na palavra do profeta. Para ver a provisão divina é preciso crer. A provisão de Deus veio para Elias e para viúva que o acolheu. Prof.CelsoNapoleon
  • 19. I - PROVISÃO DIVINA EM UM MUNDO CAÓTICO 3. A provisão de Deus para Elias em Sarepta (1 Rs 17.8-16). 19 A farinha e o azeite da mulher não se acabaram até o dia em que as chuvas voltaram a cair. Prof.CelsoNapoleon
  • 20. SÍNTESE DO TÓPICO (1) Prof.CelsoNapoleon 20 Podemos experimentar a provisão divina mesmo vivendo em um mundo caótico.
  • 21. SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO Não há que duvidar que o tempo todo Deus sabia como alimentaria os israelitas no deserto. Quando murmuraram, o Senhor revelou seu plano de fornecer pão dos céus para colherem a porção para cada dia. Até no fornecimento de pão Deus faria uma prova: Queria ver se o povo andaria em sua lei ou não. No sexto dia, as pessoas achariam quantidade suficiente de pão para durar dois dias, em cumprimento da lei do sábado. Deus queria que estes israelitas soubessem que aquele que os tirou do Egito ainda estava com eles. À tarde sabereis e Prof.CelsoNapoleon 21
  • 22. SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO amanhã vereis. A glória mencionada no versículo 7 diz respeito à realização da mão de Deus no suprimento do pão, ao passo que a glória referida no versículo 10 era a manifestação especial de Deus na nuvem. Moisés repreendeu os israelitas por murmurarem contra ele e Arão, pois nada significavam — era Deus quem os conduziriam. Quando Deus lhes desse carne e pão para comer, eles saberiam que o Senhor ouviria as murmurações feitas contra ele. De certo modo, fornecer comida desta maneira era uma repreensão. Deus não forneceu comida só Prof.CelsoNapoleon 22
  • 23. SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO porque reclamaram; Ele queria que soubessem que Ele era o Senhor e que não estava contra seus servos, mas contra quem murmurava. Os filhos de Israel seriam humilhados diante de Deus. Arão os reuniu, dizendo: Chegai-vos para diante do Senhor, porque ouviu as vossas murmurações. Quando se aproximaram e olharam para o deserto, de repente a glória do Senhor apareceu na nuvem. A prova inconfundível da presença de Deus na coluna de fogo autenticou as palavras de Moisés e preparou o povo para a glória mais encoberta Prof.CelsoNapoleon 23
  • 24. SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO de milagre que ocorreria. A glória do Senhor deu a estes fracos seguidores de Deus de ver o mal dos seus corações quando contemplassem a fidelidade de Deus para com eles. Com a realização do milagre da carne e do pão, eles saberiam que o Senhor era o seu Deus. Ele teve paciência com estes crentes fracos, cuja fé necessitava de crescimento; em outra época, depois de terem tempo para amadurecer (Nm 14.11,12), eles foram punidos por causa da permanência na incredulidade" (Comentário Bíblico Beacon. l.ed. Vol 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp. 175,76). Prof.CelsoNapoleon 24
  • 25. CONHEÇA MAIS *Uma grande estiagem "Baal e Aserá eram deidades da natureza, suspeitos de controlar as chuvas e a fertilidade da terra. Ao anunciar uma estiagem no nome do Senhor, Elias demonstrou conclusivamente que lahweh, e não Baal, é supremo. Para conhecer mais leia, Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p.234. Prof.CelsoNapoleon 25
  • 26. Prof.CelsoNapoleon 26 “Satanás é o deus deste século. Ele é o responsável pelas diferentes tragédias que assolam a humanidade”.
  • 27. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 27 1. O mundo jaz do Maligno. João, o apóstolo de Jesus Cristo, declarou qual é a situação deste mundo: "Sabemos que somos de Deus e que todo o mundo está no maligno" (1 Jo 5.19). Satanás é o deus deste século. Ele é o responsável pelas diferentes tragédias que assolam a humanidade. Muitos podem dizer
  • 28. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 28 1. O mundo jaz do Maligno. que as tragédias e as crises são resultado apenas da ação do homem, mas não podemos nos esquecer de que Satanás usa os homens para matar, roubar e destruir (Jo 10.10).
  • 29. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 29 2. O mundo globalizado. Com certeza você já deve ter ouvido falar a respeito da globalização. Mas sabe o que significa? Existem vários conceitos para definir esse termo. Vejamos o conceito segundo o dicionário Houaiss: "Ato ou efeito de globalizar(-se). Espécie de mercado financeiro mundial
  • 30. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 30 2. O mundo globalizado. criado a partir da união dos mercados de diferentes países e da quebra das fronteiras entre esses mercados." A ideia de globalização surgiu da consolidação do sistema capitalista, e um dos seus objetivos é a padronização de ideias e valores.
  • 31. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 31 3. Tempo de mudanças. Ao longo da sua história, a humanidade experimentou diferentes transformações na área tecnológica, científica, económica e social. Essas mudanças acabaram trazendo crises de ordem social, económica e política. A era moderna foi marcada
  • 32. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 32 3. Tempo de mudanças. pelo avanço do conhecimento científico, pelo advento da industrialização, pela predominância da luta ideológica e, especialmente, pela expansão da fé cristã, como também pela proliferação das seitas e das religiões orientais.
  • 33. II-UM MUNDOCAÓTICO Prof.CelsoNapoleon 33 3. Tempo de mudanças. Na atualidade, temos experimentado o progresso cientifico e tecnológico, mas também crises económicas e éticas sem precedentes. O apóstolo Paulo, profeticamente, falou a respeito desses tempos, referindo-se a eles como trabalhosos e difíceis.
  • 34. SÍNTESE DO TÓPICO (2) Prof.CelsoNapoleon 34 O mundo está caótico, estamos vivendo tempo difíceis.
  • 35. SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ "Novo Cenário Mundial" A unificação das duas Alemanhas; o desmantelamento do império soviético; o fim oficial da política do Apartheid na África do Sul; as disputas étnicas e territoriais em regiões como a Bósnia Ezergovina; o conflito entre judeus e árabes pelo reconhecimento de um Estado Palestino; a Guerra do Golfo, que, com o final da guerra fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, fez nascer um novo oponente para os americanos; a luta por reconhecimento por parte do povo e a democratização das antigas ditaduras latino-americanas são Prof.CelsoNapoleon 35
  • 36. SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ "Novo Cenário Mundial" apenas alguns dos exemplos das mudanças que têm ocorrido no cenário mundial. Com a formação de blocos de países, como o MCE — Mercado Comum Europeu (conhecido também como Unidade Europeia); o NAFTA — North American Free Trade Agreement, ou Acordo de Livre Comércio da América do norte e o MERCOSUL (do qual o Brasil é importante membro), entre outros, as relações entre os países deixaram de ser meramente bilaterais. Elas passaram a fazer parte de um contexto muito maior, no Prof.CelsoNapoleon 36
  • 37. SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ "Novo Cenário Mundial" qual a globalização de mercados é a principal prioridade. Em blocos, os países menos fragilizados diante de potências economicamente mais forte, e com maior poder de barganha" (AYRES, Antônio Tadeu. Reflexos da Globalização sobre a Igreja: Até que ponto as últimas tendências mundiais afetam o Corpo de Cristo? 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p.20). Prof.CelsoNapoleon 37
  • 38. “Deus, o Criador, é o soberano. Deus, o Pai, tornou seu Filho Jesus, a razão e o centro de toda a criação.” Prof.CelsoNapoleon 38
  • 39. 1. Uma sociedade centrada no homem. III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 39 Vivemos em uma sociedade em que o antropocentrismo prevalece. A palavra antropos significa "homem", e antropocentrismo traz a ideia do homem como o centro de tudo. Certo filósofo pré-socrático declarou que ”o homem é a medida de todas as coisas". Tal ideia faz do homem o centro do Universo. Sabemos que o homem é falho e finito. Deus, o Criador, é o
  • 40. 1. Uma sociedade centrada no homem. III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 40 soberano. Deus, o Pai, tornou seu Filho Jesus, a razão e o centro de toda a criação. Paulo, escrevendo aos Colossenses afirmou: "Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele" (Cl 1.17). Os humanistas, na verdade são "amantes de si mesmos"(2 Tm 3.2). O humanismo deve ser repudiado pela liderança da igreja e por seus membros.
  • 41. 2. Uma sociedade relativista. III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 41 O relativismo ético e moral nega a existência de verdades absolutas, especialmente, os princípios e ensinos imutáveis da Palavra de Deus. O certo e o errado se confundem, pois as verdades passam a ser relativas. Aqui" há a negação de qualquer lei superior para orientar a vida das pessoas. Por isso cremos que o relativismo tem causado danos aos crentes em nossos dias.
  • 42. 3. Uma sociedade secularizada III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 42 Segundo o pastor Claudionor de Andrade o secularismo é a "doutrina que ignora os princípios espirituais na condução dos negócios humanos". Essa doutrina também perverte os nossos valores cristãos. Ela corrompe as
  • 43. 3. Uma sociedade secularizada III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 43 verdades bíblicas para perverter a igreja e desviá-la da fé cristã, pois o secularismo valoriza a forma em detrimento do conteúdo.
  • 44. 3. Uma sociedade secularizada III - CARATERÍSTICAS DO MUNDO ATUAL Prof.CelsoNapoleon 44
  • 45. SÍNTESE DO TÓPICO (3) Prof.CelsoNapoleon 45 O antropocentrismo, o relativismo e a secularização são características do mundo atual.
  • 46. SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO Importante observar que o conceito de antropocentrismo, relativismos e secularismo, veja as definições: Antropocentrismo - "[Do gr. an- tropos, homem; do gr. kentron, centro + ismo]. Perspectiva teológica-filosófica que coloca o homem como centro do universo, descartando, na prática, a ideia de um Deus bom, justo e que se interessa pelos negócios humanos. O antropocentrismo leva sempre em consideração o que declarou o filósofo grego Pitágoras: ‘O homem é a medida de todas as coisas.‘ Relativismo - [Do lat. relativas]. Concepção filosófica segundo a qual nada é definitivamente certo nem absoluto, por depender de contingências e condicionamentos. Sob esta ótica, caem por terra Prof.CelsoNapoleon 46
  • 47. SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO os princípios éticos da verdade. O relativismo moral tem sido utilizado pelos ditadores para destruir os princípios da liberdade e da fé em Deus. Secularismo - [Do lat. seculu+is- mo]. Doutrina que ignora os princípios espirituais na condução dos negócios humanos. O secularismo, ou materialismo, tem o homem, e somente o homem, como a medida de todas as coisas. Pode ser considerado sinónimo de humanismo" (ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Bíblico Teológico. 8.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp. 45,253,261). Prof.CelsoNapoleon 47
  • 48. CONCLUSÃO Prof.CelsoNapoleon 48 Mesmo vivendo em um mundo em crise, podemos contar com a provisão de Deus. Vivemos neste mundo, mas não podemos concordar com a sua maneira de pensar (Rm 12.2). Temos que priorizar e manter sempre o fundamento do Evangelho que recebemos.
  • 49. Prof.CelsoNapoleon 49 • CPAD. Lições Bíblicas: Lições do 4º trimestre de 2016 , Rio de Janeiro - RJ . • Celso Napoleon Theology from Cicero Canuto de Lima, current FAESP - Evangelical School of São Paulo. Technical Administration at State Center for Technological Education Paula Souza. Administration Graduating in UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campus Tupã. Telefone: (Celular): (14) 98126-7935 e-mail: celsonapoleon@hotmail.com Face: www.facebook.com/celsonapoleon Church: www.facebook.com/ieaduniverso