Daniela

593 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
593
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
260
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Daniela

  1. 1. Tradições da Páscoa Continente
  2. 2. Em Portugal Continental em quase todas as zonas o Domingo de Páscoa, começava com toda agente a despertar mais cedo, pois não havia tempo a perder. As donas de casa apressavam o almoço e davam os últimos retoques nas respectivas casas.
  3. 3. PÁSCOA- O RITUALDAS AMÊNDOAS (ANTIGASTRADIÇÕES)
  4. 4. Na Figueira da Foz, antigamente, desde o início da Quaresma até ao Domingo de Ramos, aquele que fosse o primeiro a chamar «padrinho» ou a «pedir as amêndoas» a quem encontrasse ao sair de casa tinha direito a recebê-las no domingo de Páscoa. Costume idêntico regista-se ainda hoje em Monsanto (Beira Baixa), praticado pelos mais idosos que, à laia de brincadeira, lembrando tempos antigos, dizem ao encontrar alguém conhecido após as «aleluias», na noite de Sábado Santo: «Belamente se passou a Quaresma, passe para cá as amêndoas!» – como era costume dizer então.
  5. 5. Outro jogo/ritual da Quaresma com o nome «gancho dos compadres», acontecia nas aldeias do concelho de Alenquer (Estremadura), consistindo a praxe em duas pessoas (geralmente um rapaz e uma rapariga), na Quarta-Feira de Cinzas assumirem o «contrato» de ficarem «compadres». Como assentimento, enganchavam os dedos mindinhos de ambos. A partir desse momento sempre que um deles fosse o primeiro a ver o outro, dizia: «Contratar, contratar, ao almoço e ao jantar, quando eu te mandar rezar, reza!» Repetia-se isto tantas vezes quantas as que acontecia encontrarem-se. Havia quem chegasse a esconder-se para apanhar o «compadre» ou a comadre» de surpresa e somar pontos.
  6. 6. O jogo era interrompido na Quinta e na Sexta-Feira Santa, para recomeçar no Sábado Santo e terminar no domingo de Páscoa. Se ganhava o «compadre», a «comadre» oferecia-lhe um folar, se acontecia o contrário, era o «compadre» que oferecia amêndoas à «comadre».
  7. 7. Em Afife (Minho) era hábito nesta quadra as raparigas oferecerem ovos aos rapazes, pedindo-lhes em troca um presente de amêndoas.
  8. 8. Na Sertã (Beira Baixa) eram os rapazes a oferecer em primeiro lugar as amêndoas às raparigas, para que estas lhas retribuíssem depois com bolos especialmente feitos para esta ocasião. Também em Nisa (Alto Alentejo) se cumpria o ritual de serem os rapazes a oferecerem às namoradas um pacote de amêndoas na Semana Santa. O cerimonial desta oferta repetia-se em Estremoz (ainda no Alto Alentejo), na Quinta- Feira Santa depois da missa, à porta da igreja.
  9. 9. Refira-se, por isso, o antigo uso verificado em Beja (Baixo Alentejo) na Quinta-Feira Santa, durante a cerimónia do «lava-pés» («lava-pedes» no dizer local). Nesse dia, as senhoras da melhor sociedade levavam à igreja salvas de prata com amêndoas – os «caroços de alcorça» –, recheadas com ovos- moles ou com chocolate, destinadas a treze idosos do lar da Misericórdia. Os pobres recebiam ainda vestuário completo, uma esmola em dinheiro e uma «maçã de alcorça» (ou alcorce) em tamanho natural. As treze «maçãs» (tal como o número de idosos a simbolizar Cristo e os Apóstolos), eram dispostas numa salva de prata, sobre uma credência apropriada para o efeito.
  10. 10. No final da cerimónia cada idoso oferecia a sua «maçã» ao mesário, em casa do qual, nesse dia, todos eram recebidos para jantar, como mandava a tradição. Ainda em Beja, as «amêndoas de alcorce» eram distribuídas aos «anjinhos» para que se «aquietassem e seguissem sossegados nas procissões».
  11. 11. O bacalhau reina o ano inteiro. É um hábito herdado da igreja na Idade Média, quando o calendário impunha restrições alimentares que duravam quase um terço do ano, obrigando as pessoas a comer peixe. Mas há outras receitas na Páscoa portuguesa como o bolo folar, da região de Trás-os-Montes, um tipo de empadão recheado de guisado de frango. Para a sobremesa, os tradicionais da doçaria portuguesa, desde massa de amêndoas, doce de gemas de ovos ou ovos de chocolate.
  12. 12. A tradição em redor da Páscoa traz também consigo a gastronomia típica desta celebração religiosa bastante popular em Portugal e no mundo. Vejamos que pratos tradicionais da Páscoa se preparam no país.
  13. 13. É comum em todo o país comer-se o borrego ou cabrito (assado ou ensopado). Na região do Porto é popular o lombo de boi, também conhecido como “boi da Páscoa” e, na zona da Beira Litoral, a chanfana (já apresentada na nossa rota de sabores) e o leitão assado. Em Trás-os-Montes, o folar de carne e o Alentejo é famoso pelos pratos de cordeiro.
  14. 14. No que diz respeito às sobremesas, não podemos deixar de mencionar os 3 doces típicos tradicionais da Páscoa: o folar (havendo vários tipos, como o folar doce e o folar gordo)
  15. 15. As amêndoas e o chocolate.
  16. 16. Há mais doces, claro: na região do Minho, por exemplo, é tradicional comer-se o pão de ló.
  17. 17. Páscoa em Portugal É nesta altura em que se limpam muito bem as casas, se pintam (ou caiam, nas zonas em que isso é habitual) e se arranjam pois irá passar o Compasso (a Visita Pascal), que é uma ida do padre a cada casa para abençoar (e benzer) aquele lar e os que ali vivem.
  18. 18. Tudo isto ligado à Ressurreição de Cristo e à celebração da Vida.
  19. 19. Para além de todas as celebrações e significados da Páscoa, em Portugal é também uma festa especial dos padrinhos (e madrinhas). Luz Sacrifício de Cristo Nascimento de novos Cristãos Nova vida Ressurreição de Cristo Jesus escolheu o pão e o vinho para espalhar o amor
  20. 20. Tradicionalmente, para além das amêndoas (porque parecem ovos pequeninos) e dos ovos (símbolo da vida), existe o pão-de-ló e os folares que se oferecem às crianças (especialmente pelos padrinhos).
  21. 21. Estes doces também estão em cada casa para receber o Compasso. É um sinal de hospitalidade para o padre e os seus acompanhantes (que, para não ficarem embuchados, têm também à disposição um copinho de licor ou um cálice de vinho do Porto).
  22. 22. Os folares, como sabem, têm um ou mais ovos dentro - e lá voltamos aos símbolos da Páscoa.
  23. 23. Antes da Páscoa, na Quaresma, o tempo é de jejum - evita-se comer carne e a ementa das sextas-feiras deve ser peixe (bem, na verdade, não deve é ser carne) por respeito, pois foi na sexta-feira que Jesus foi crucificado e morreu.
  24. 24. Mas como no Domingo de Páscoa se celebra a festa da Ressurreição (voltar à vida, ressuscitar), volta a comer-se carne: cabrito ou borrego, como se fazia nos tempos antigos. E os doces, claro, que incluem todos os tradicionais e os folares, como dissemos.
  25. 25. Também acontece em muitas localidades celebrar-se a Semana Santa (a semana em que Jesus foi preso, julgado e condenado) com procissões de velas, à noite, ou representações teatrais (populares) desses acontecimentos.

×