Paradigma metodológico descritivo
      Estudos Ex Post Facto
      Métodos de Investigação em Psicologia
        Universi...
Conteúdos
           Investigação dentro do Paradigma Descritivo
            Panorâmica geral
            Estudos Ex Pos...
Paradigma metodológico descritivo
     Ausência de manipulação da VI
        O investigador não altera activamente a rea...
Testar      • Estudos Ex
                        hipóteses       Post Facto


                             Descrever
     ...
Estudos Ex Post Facto




5   Célia Sales - UAL       Abr-10
O parente pobrezinho…
     Há estudos que se situam no paradigma descritivo que,
      embora não manipulem variáveis, us...
Desenhos EX POST FACTO
     Desenhos “depois do facto” (ou retrospectivos)
        a VI, ou suposta “causa”, já acontece...
Desenhos EX POST FACTO
     Tenta-se que os grupos a comparar sejam o mais equivalentes
      possível.
     Usam-se téc...
Desenhos EX POST FACTO
        Case-control design
    Até que ponto as pessoas que sofreram de abusos sexuais na infância...
Exercício:
        Suponha que conhece vários casos de violência
         doméstica, e parece-lhe que é provocada pelo
  ...
Se observar mais violência doméstica no grupo “exposto”
ao consumo de drogas, o que pode concluir?

      O consumo de dr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desenhos Ex Post Facto 2010

5.111 visualizações

Publicada em

Desenhos Ex Post Facto

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.111
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenhos Ex Post Facto 2010

  1. 1. Paradigma metodológico descritivo Estudos Ex Post Facto Métodos de Investigação em Psicologia Universidade Autónoma de Lisboa Professora Doutora Célia M.D. Sales
  2. 2. Conteúdos Investigação dentro do Paradigma Descritivo  Panorâmica geral  Estudos Ex Post Facto 2 Célia Sales - UAL Abr-10
  3. 3. Paradigma metodológico descritivo  Ausência de manipulação da VI  O investigador não altera activamente a realidade que investiga; não cria uma situação artificial para testar um efeito  O investigar estuda a realidade “existente”  Apenas se aproxima da realidade, observa, faz registos, mede e estuda as relações entre as variáveis  As perguntas / hipóteses a que responde não permitem inferir causas 3 Célia Sales - UAL Abr-10
  4. 4. Testar • Estudos Ex hipóteses Post Facto Descrever populações • Investigação Paradigma através de amostras por inquérito Descritivo Outros 4 Célia Sales - UAL Abr-10
  5. 5. Estudos Ex Post Facto 5 Célia Sales - UAL Abr-10
  6. 6. O parente pobrezinho…  Há estudos que se situam no paradigma descritivo que, embora não manipulem variáveis, usam uma lógica parecida com os desenhos experimentais ou quasi-experimentais. Porquê?  Na verdade, gostariam de investigar relações de causa-efeito mas não podem porque a VI não se pode manipular (porque é impossível, ou porque não é ético). Ex:  O efeito da violência doméstica sobre o equilíbrio emocional dos filhos  A influência dos maus-tratos durante a infância sobre a adaptação à escola 6 Célia Sales - UAL Abr-10
  7. 7. Desenhos EX POST FACTO  Desenhos “depois do facto” (ou retrospectivos)  a VI, ou suposta “causa”, já aconteceu  Os seus efeitos (VD) também já aconteceram  Lógica:  É a mesma lógica de comparação do grupo experimental (neste caso, diríamos do grupo EXPOSTO), com o grupo de controle (digamos, grupo NÃO-EXPOSTO à suposta causa)  Um dos desenhos mais comuns é o “case-control design”  É muito comum também em medicina (investigação epidemiológica) 7 Célia Sales - UAL Abr-10
  8. 8. Desenhos EX POST FACTO  Tenta-se que os grupos a comparar sejam o mais equivalentes possível.  Usam-se técnicas de maximização da validade interna, como nos desenhos experimentais. Ex:  Selecção aleatória do grupo de controle  Emparelhamento dos participantes quanto a variáveis que possam afectar a suposta VD  Técnica “Double-bind”  Aleatorização de ordem de apresentação de instrumentos de medição, etc 8 Célia Sales - UAL Abr-10
  9. 9. Desenhos EX POST FACTO Case-control design Até que ponto as pessoas que sofreram de abusos sexuais na infância têm comportamento sexual promíscuo? Acontecimento anterior (“VI”) Momento da Investigação Grupo 1 Exposição Promisc. sexual Grupo 2 - Não promisc. sexual Promiscuidade sexual idade adulta 9 Célia Sales - UAL Abr-10
  10. 10. Exercício:  Suponha que conhece vários casos de violência doméstica, e parece-lhe que é provocada pelo consumo de drogas na família.  Questão: Até que ponto o consumo de drogas pode provocar violência doméstica?  Formule uma hipótese  Identifique a VI e a VD  Como faria para responder a esta questão? Como testar esta hipótese? Qual o delineamento metodológico?  O que poderia concluir? 10 Célia Sales - UAL Abr-10
  11. 11. Se observar mais violência doméstica no grupo “exposto” ao consumo de drogas, o que pode concluir?  O consumo de drogas aumenta a violência doméstica  A violência doméstica está associada ao consumo de drogas  O consumo de drogas parece potenciar a violência doméstica  Os resultados sugerem que o consumo de drogas na família está associado ao aumento da violência doméstica 11 Célia Sales - UAL Abr-10

×