Exame clínico na enfermagem         Prof. Jorge Luiz LimaIntrodução  Potter (2002, p.03) afirma que para ajudar uma pessoa...
Avaliação geral   O exame deve ser céfalo-caudal;   Sempre inspecionar, palpar, percutir e auscultar, com   exceção do abd...
Técnica e preparo Ambiente deve ser tranqüilo ; Assegurar a privacidade do cliente; Lavar as mãos antes e depois; Preparo ...
Material          Balança;          Esteto,          Esfigmomanômetro;          Lupa;          Espátula;          Termômet...
Estômago e duodeno                     jorgeluizlima@vm.uff.brLinhas                     jorgeluizlima@vm.uff.br          ...
Inspeção A inspeção consiste no processo de observação. Um exame visual das partes do corpo; Deve-se perceber os sinais pr...
Modalidades de palpação   Leve   Profunda   Bimanual                                                   jorgeluizlima@vm.uf...
Percussão Para Potter (2002, p. 39): percussão é bater no corpo com as pontas dos dedos para demarcar (...) muita prática ...
Timpanismo na     ascite.                                           Sinal de piparote                                     ...
Tórax  Tipos de tórax;                    jorgeluizlima@vm.uff.brTipos de tórax                    jorgeluizlima@vm.uff.br...
Manobra de Ruault                               jorgeluizlima@vm.uff.brManobra de expansib.pulmonar                       ...
Palpação de gânglios                               jorgeluizlima@vm.uff.brÁreas para a ausculta (pulm)                    ...
Focos        Aórtico IIEID                                            Pulmonar II EIE   Tricúspide ao lado   direito do ap...
Percussão : tórax  Pulmão;  Coração;  Fígado.                                                      jorgeluizlima@vm.uff.br...
Palpação superficial 1cm ProfundaMais demorada 2,5 cm                                        jorgeluizlima@vm.uff.br      ...
Palpação do baço                   jorgeluizlima@vm.uff.br                   jorgeluizlima@vm.uff.br                      ...
Palpação do fígado BimanualMétodo      deMathieu.                                      jorgeluizlima@vm.uff.br Sinal de Bl...
Manobra de RouvisingCeco       Impulsionar o ar com as pontas dos dedos até o ponto       de inserção do apêndice.        ...
Exame genital  Feminino: Inspeção e palpação (genital ou/ anal) : buscar  sinais e sintomas de afecções. Exame das mamas. ...
Bibliografia  BEVILACQUA et al. Manual do exame clínico. 11. ed. Rio de  Janeiro: Cultura médica, 1997.  EPSTEIN et al. Ex...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ex.clin.enf.aulageral

561 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
561
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ex.clin.enf.aulageral

  1. 1. Exame clínico na enfermagem Prof. Jorge Luiz LimaIntrodução Potter (2002, p.03) afirma que para ajudar uma pessoa a manter, aumentar e recuperar o nível de saúde, o enfermeiro deve ser capaz de estabelecer os julgamentos clínicos adequados. Identificação de problemas Evolução do quadro Prescrição de cuidados jorgeluizlima@vm.uff.br 1
  2. 2. Avaliação geral O exame deve ser céfalo-caudal; Sempre inspecionar, palpar, percutir e auscultar, com exceção do abdome; Verificar simetria de ambos os lados do corpo; Proceder a educação e orientação ao autocuidado; Usar abreviaturas e termos técnicos nas orientações; Considerar fatores que enfureciam nos sinais vitais. jorgeluizlima@vm.uff.brPosições Sentada Supina Em pé Dependerá de como e quando é realizado o exame. Algunsclientes podem sentar-se outros estão restritos ao leito. jorgeluizlima@vm.uff.br 2
  3. 3. Técnica e preparo Ambiente deve ser tranqüilo ; Assegurar a privacidade do cliente; Lavar as mãos antes e depois; Preparo psicológico; Ajudar o cliente a subir e descer da mesa de exame; Aquecer estetoscópio. jorgeluizlima@vm.uff.brPreparo do cliente Explicar a finalidade do exame; Ao examinar cada sistema orgânico, explicar com maior detalhe; Deixar o cliente relaxado e manter o contato visual; Nunca forçar o cliente a continuar; Adaptar a velocidade do exame de acordo com a tolerância física e emocional do cliente; Acompanhar as expressões faciais do cliente; Ao examinar a genitália (caso o cliente permita), manter uma terceira pessoa de preferência do mesmo sexo do cliente. jorgeluizlima@vm.uff.br 3
  4. 4. Material Balança; Esteto, Esfigmomanômetro; Lupa; Espátula; Termômetro; Fita métrica; Lanterna; Luvas (em caso de precaução de contato). OBS: esses são os principais instrumentos. jorgeluizlima@vm.uff.br Considerações anatômicas-Áreas anatômicas do tórax jorgeluizlima@vm.uff.br 4
  5. 5. Estômago e duodeno jorgeluizlima@vm.uff.brLinhas jorgeluizlima@vm.uff.br 5
  6. 6. Inspeção A inspeção consiste no processo de observação. Um exame visual das partes do corpo; Deve-se perceber os sinais precoces de anormalidades; A prática leva o enfermeiro a perceber as variações de uma pessoa para a outra. jorgeluizlima@vm.uff.brPalpação A palpação envolve o uso do sentido do tato: avalia-se resistência, elasticidade, aspereza, textura e mobilidade. As pontas dos dedos são utilizadas para avaliar, textura, forma, tamanho e consistência. O dorso da mão avalia a temperatura. A palma da mão e sensível a vibração. jorgeluizlima@vm.uff.br 6
  7. 7. Modalidades de palpação Leve Profunda Bimanual jorgeluizlima@vm.uff.brÁreas e critérios de avaliaçãoPele Temperatura, hidratação, resistencia, textura, tensão e elasticidade, sensibilidade.Fígado e Tamanho, forma, sensibilidade, presençaintestino ou ausência de massa.Pulmões Vibração de sons locais.Tireóide e Aumento, simetria, mobilidade, tamanho,linfonodos sensibilidade, localização.Artérias Amplitude, freq., ritmo do pulso, elasticidade arterial. Tamanho, forma, tônus, sensibilidade eMúsculos rigidez. jorgeluizlima@vm.uff.br 7
  8. 8. Percussão Para Potter (2002, p. 39): percussão é bater no corpo com as pontas dos dedos para demarcar (...) muita prática é necessária para se tornar competente na percussão. São cinco os sons básicos da percussão: Timpânico: como um tambor (víscera vazia) Ressonância: oco (pulmão normal) Hiper-ressonante: pulmão enfisematoso; Maciço: sólido (víscera cheia, ou fígado); Som claro: músculo. jorgeluizlima@vm.uff.brPercussão Fígado menor que o normal jorgeluizlima@vm.uff.br 8
  9. 9. Timpanismo na ascite. Sinal de piparote jorgeluizlima@vm.uff.brAusculta É a audição dos sons produzidos pelo corpo. A maioria deles é audível com o estetoscópio. Dicas: Prestar atenção no som, assim como em suas características; O sino do estetoscópio deve ser utilizado para auscultar sons mais graves (sons cardíacos anormais). Usar o diafragma para sons cardíacos, intestinais e pulmonares normais. Caracterizando o som: sopro, borbulhante, ruído hidroaéreo. A duração é curta, média ou longa? Os sons são hiperativos ou hipoativos? jorgeluizlima@vm.uff.br 9
  10. 10. Tórax Tipos de tórax; jorgeluizlima@vm.uff.brTipos de tórax jorgeluizlima@vm.uff.br 10
  11. 11. Manobra de Ruault jorgeluizlima@vm.uff.brManobra de expansib.pulmonar jorgeluizlima@vm.uff.br 11
  12. 12. Palpação de gânglios jorgeluizlima@vm.uff.brÁreas para a ausculta (pulm) jorgeluizlima@vm.uff.br 12
  13. 13. Focos Aórtico IIEID Pulmonar II EIE Tricúspide ao lado direito do apêndice xifóideA semiologia é a mesma não muda oque difere são os biotipos da pessoasonde o local de ausculta pode ser Mitral V IEEreferida nos livros como base doapêndice, ao lado direito ou 4º espaçoIE como afirma potter. O importante éavaliar o biotipo de cada pessoa. jorgeluizlima@vm.uff.br Frêmito tátil Avaliar se há diferença de vibração. jorgeluizlima@vm.uff.br 13
  14. 14. Percussão : tórax Pulmão; Coração; Fígado. jorgeluizlima@vm.uff.brAbdome Inspeção; (estrias, cicatrizes, retrações) Tipo: normal, globoso, batráquio, pendular, avental, escavado. Palpação; (massas, dor?) Percussão; (sons característicos) Ausculta. (ruídos hidroaéreos de 3 a 5 p/ min) jorgeluizlima@vm.uff.br 14
  15. 15. Palpação superficial 1cm ProfundaMais demorada 2,5 cm jorgeluizlima@vm.uff.br jorgeluizlima@vm.uff.br 15
  16. 16. Palpação do baço jorgeluizlima@vm.uff.br jorgeluizlima@vm.uff.br 16
  17. 17. Palpação do fígado BimanualMétodo deMathieu. jorgeluizlima@vm.uff.br Sinal de Blumberg Ponto de McBurney Sinal de Blumberg: dor crônica quando aperta e aguda quando solta abruptamente. jorgeluizlima@vm.uff.br 17
  18. 18. Manobra de RouvisingCeco Impulsionar o ar com as pontas dos dedos até o ponto de inserção do apêndice. jorgeluizlima@vm.uff.br Ausculta do atrito aórtico jorgeluizlima@vm.uff.br 18
  19. 19. Exame genital Feminino: Inspeção e palpação (genital ou/ anal) : buscar sinais e sintomas de afecções. Exame das mamas. Masculino Inspeção e palpação: uretra e dorso do pênis. Exame prostático após 35 anos.Exame MMII jorgeluizlima@vm.uff.brRevisão Pontos-chave Conceitos-chave Nomenclatura Lavagem das mãos; Desinfecção dos instrumentos. jorgeluizlima@vm.uff.br 19
  20. 20. Bibliografia BEVILACQUA et al. Manual do exame clínico. 11. ed. Rio de Janeiro: Cultura médica, 1997. EPSTEIN et al. Exame clínico. 2.ed. Rio de Janeiro: Artmed, 1998. POTTER, P. Semiologia em enfermagem. 4.ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2002. jorgeluizlima@vm.uff.br 20

×