Aula celulas tronco

2.645 visualizações

Publicada em

Descrição e entendimento dos conceitos de célula tronco

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.645
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula celulas tronco

  1. 1. Células Tronco
  2. 2. Introdução • As células tronco se apresentam como uma fonte potencialmente ilimitada de tecidos para transplante. • Podem ser definidas como células com grande capacidade de proliferação e auto- renovação, capacidade de responder a estímulos externos e dar origem a diferentes linhagens celulares mais especializadas.
  3. 3. CÉLULAS TRONCO • Nova era – medicina regenerativa • Aumento da perspectiva de vida e controle das principais moléstias infecto contagiosas • Doenças degenerativas e envelhecimento são hoje a maior causa de óbito e as células tronco surgem como controle e sobrevida e melhora da qualidade de vida
  4. 4. O mecanismo de atuação das CTs ainda é desconhecido. Postula-se 3 meios: • Célula tronco se transformando em outros tecidos, • Célula tronco se fundindo com células diferenciadas ( transplante) ou • Células especializadas estariam secretando fatores que induziriam um processo natural de regeneração do órgão afetado.
  5. 5. Classificação • Estão divididas em dois tipos principais : • Células tronco embrionárias – derivam dos blastocistos e podem, em teoria, dar origem a todos os tipos de célula em um organismo. • Células tronco adultas – derivam de tecido maduro e , normalmente, apresentam espectro restrito de diferenciação possível ( ex. células tronco epidérmicas)
  6. 6. Células tronco embrionárias : • Retiradas de embriões humanos • São células: Totipotentes = habilidade de uma única célula de se expandir em número, diferenciar-se em tecidos embrionários e desenvolver-se em um organismo
  7. 7. Células tronco embrionárias : Pluripotentes = habilidade para se diferenciar em qualquer das 3 camadas germinativas: • Endodérmica • Mesodérmica • Ectodérmica
  8. 8. Células tronco embrionárias : • As primeiras divisões celulares dão origem a cinqüenta a cem células aparentemente idênticas após a fecundação. • Dentre essas células, existem os blastocistos que podem ser retirados do embrião e colocados em placa de cultura.
  9. 9. Células tronco embrionárias : • Elas podem se manter indiferenciadas ou se multiplicar indefinidamente. • Essas células são conhecidas como células- tronco embrionárias, tendo como característica principal sua pluripotência.
  10. 10. Células tronco embrionárias : • Apresentam as seguintes capacidades: retornar ao desenvolvimento normal colonizando diferentes tecidos do embrião  responder aos diferentes estímulos in vivo se diferenciando desorganizadamente e levando à formação de teratomas, tumores que apresentam diversos tipos de tecidos.
  11. 11. Células tronco embrionárias : • Hoje, somos capazes de transformar estas células em diferentes tecidos. Assim, representam um grande potencial em medicina regenerativa, tanto como fonte de tecidos para transplantes quanto como modelo para estudo do desenvolvimento embrionário humano.
  12. 12. Terapia celular com CTs embrionárias • Antes de começarmos testes clínicos injetando CTs embrionárias em pacientes, algumas questões fundamentais devem ser resolvidas :
  13. 13. Segurança dessas células. • Antes de injetar estas células no paciente, tem-se, primeiro, induzi-las no laboratório a se transformar no tipo celular que interessa. Caso contrário, no organismo elas se multiplicam e podem se diferenciar descontroladamente formando tumores.
  14. 14. Compatibilidade entre as CTs embrionárias e o paciente • O que poderia ser garantido através da técnica de clonagem terapêutica. • É importante ressaltar que, apesar da clonagem terapêutica resolver a questão compatibilidade das CTs embrionárias, infelizmente ela não pode ser utilizada em indivíduos com doenças genéticas.
  15. 15. Compatibilidade entre as CTs embrionárias e o paciente • Portanto, a melhor alternativa para o tratamento de doenças genéticas com CTs é conseguir um doador aparentado, que tem maior chance de ser compatível com o paciente.
  16. 16. Células tronco adultas : • ADULTAS - Retiradas de tecido humano (pluripotentes) – Medula óssea – Sangue – Pele – Fígado – Cordão umbilical / Placenta (limitação)
  17. 17. Células tronco adultas : • Nos últimos anos, vem se mostrando indicações de um potencial muito mais amplo de diferenciação, sendo capazes de dar origem a tecidos diferentes daqueles onde elas residem.
  18. 18. • Demonstrou-se que na medula óssea do camudongo existem células com uma enorme capacidade de diferenciação in vivo. • Quando injetadas em camundongos receptores, estas CTs derivadas da medula óssea se diferenciaram em células epiteliais do fígado, pulmão, trato gastrointestinal e pele, além é claro de células hematopoéticas do receptor.
  19. 19. Terapia Celular com CTs adultas • Transplantes de células-tronco adultas são realizados desde a década de 1950 na forma de transplantes de medula óssea para o tratamento de diferentes doenças que afetam o sistema hematopoiético.
  20. 20. Terapia Celular com CTs adultas • A partir do final década de 1980, o sangue do cordão umbilical e placentário de recém – nascidos tornou-se uma fonte alternativa de CTs hematopoéticas
  21. 21. Algumas vantagens das CT do cordão umbilical e placentário sobre a medula óssea : • não necessita de uma compatibilidade completa entre doador e receptor • apresenta menor risco de desenvolvimento da doença enxerto versus hospedeiro • está disponível imediatamente quando necessário, ao contrário dos bancos de medula óssea, que armazenam somente dados sobre o doador.
  22. 22. Bibliográfia • Tsao H. Células tronco - Visão Geral.J. Watch Dermatology,2008;16(7/8):51-53 • Pereira LV. A importância do uso das células tronco para a saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva,2008;13(1):7-14 • Bittencourt RAC, Pereira HR, Felisbino SL, Murador P, Oliveira APE, Deffune E. Isolation of bone marrow mesenchymalstem cells. Acta Ortop Bras, 2006;14(1):22-24

×