Relato professora rosemeri krumenaur

611 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
157
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relato professora rosemeri krumenaur

  1. 1. Leitura & escrita: construindo palavras e conceitos Durante muitos anos desenvolvi projetos voltados para a área de literatura, com os quais pude constatar que a leitura é um mundo sem limites, e que os alunos são protagonistas dessa história, revelando talentos e habilidades que em meio a tantas tarefas e rotinas de sala de aula, ficam no anonimato. No entanto eu sentia necessidade de ir além e fazer com que eles descobrissem que a escrita é parte integrante e fundamental desse processo de aprendizagem. Quando comuniquei aos alunos que estávamos participando da Olimpíada de Língua Portuguesa, percebi certa insegurança, talvez por pensarem não ser possível produzir textos tão bem elaborados, como se exige no concurso. Alguns até comentaram que viram na televisão os ganhadores da última edição da Olimpíada, lendo suas produções, mas ter um texto selecionado em nossa escola, para eles parecia algo muito distante. Além do fato de morarmos em uma região do país que para muitos, não há educação de qualidade, ou que isso só é possível vindo de escolas particulares. No entanto, sempre acreditei no potencial dos meus alunos, e a cada atividade desenvolvida percebia a vontade que sentiam em expor suas ideias e aprimorar suas produções. Então começariam os primeiros artigos de opinião. Um dos problemas enfrentados foi o fato de que a maioria dos alunos não tinha o hábito de ler jornais ou revistas, muitos relatavam que também não tinham paciência para assistir ao um telejornal. Em conjunto com as professoras de língua portuguesa da escola, elaboramos um projeto e implantamos uma sala de leitura. Local agradável e apropriado, frequentado pelos alunos para leituras específicas, conforme o planejamento de cada professor. Durante as oficinas os alunos tiveram contato com textos variados, sendo reportagens de revistas, jornais e artigos de opinião. Percebi neles um amadurecimento e a consciência de que a leitura é imprescindível para a construção do conhecimento, e consequentemente, a qualidade de suas produções escritas estaria vinculada à prática da leitura. Além da coletânea de textos propostos, outros textos interessantes também foram lidos e discutidos em sala de aula durante as oficinas, a exemplo
  2. 2. dos artigos de opinião sobre a redução da maioridade penal e o sistema de cotas nas universidades. Ambos os textos geraram muita polêmica e dividiram opiniões. Mas observei que os alunos já possuíam argumentações mais fundamentadas e não apenas a exposição de seu ponto de vista sobre os assuntos apresentados. Em conjunto com as discussões dos temas principais, também foram abordadas questões relacionadas à Educação pública e privada, política, estrutura familiar e o sistema penitenciário do Brasil. Durante a realização das oficinas abordamos vários aspectos relativos à nossa cidade, mas quando trabalhamos o texto “Corrupção cultural ou organizada?”, o qual a leitura foi acompanhada pelo áudio, percebi uma mudança de comportamento nos alunos, pois todos ficaram bem atentos, acredito que pela intensidade da narração e o efeito que ela causou ao texto. Após a leitura, os mesmos sentiram certa indignação pelo fato de nos preocuparmos mais com as microcorrupções “culturais”, as quais nos fazem esquecer a grande corrupção. Dessa forma surgiu um interessante debate em que foram apresentados exemplos de corrupção, não somente no que diz respeito à nossa cidade, como também ao cenário nacional. Tal discussão proporcionou a socialização de informações, assim como o aprimoramento do senso crítico dos alunos, os quais queriam provar a todo custo que sua opinião era a mais convincente. Senti nesse momento que poderiam construir argumentos bem fundamentados. Uma atividade que considerei bem significativa foi o estudo do texto “O lugar onde eu vivo” (página 134 do Caderno do Professor). Seguindo as orientações para execução dessa etapa, os alunos foram percebendo as inadequações do texto e identificando facilmente as falhas na construção do mesmo. O que ficou mais evidente quando comparado ao texto reformulado. Os alunos já estavam adaptados a produzir textos do tipo dissertativoargumentativo, mas com o artigo de opinião perceberam a necessidade de buscar elementos mais estruturados para fundamentar o texto. Identificar a questão polêmica foi mais fácil após os debates e as atividades em grupo, pois puderam observar aspectos relevantes de nossa cidade, principalmente no que diz respeito à violência e ao trânsito caótico, que infelizmente fazem muitas vítimas a cada ano, Então, seria necessário ter uma visão mais critica do
  3. 3. assunto, pois essas questões de causa e consequência já não passariam despercebidas no dia a dia. O processo de reescrita dos textos, foi um pouco mais difícil, pois os alunos tiveram que rever além dos aspectos linguísticos e estruturais habituais, certas afirmações e generalizações utilizadas como sendo verdades absolutas, em relação aos problemas encontrados em nossa cidade, tais como: violência, trânsito, infraestrutura urbana, saneamento básico, economia e corrupção. Outra dificuldade encontrada por alguns foi a de formular os contra-argumentos, mas no decorrer das atividades naturalmente foi suprida. Como forma de agradecimento a todos os alunos que participaram das oficinas, solicitei à rede de televisão local, uma entrevista com nossa aluna semifinalista e seus colegas de classe. Foi um momento muito especial, pois eles entenderam que não estava sendo celebrado apenas o mérito da Giulia pela sua classificação, mas principalmente a experiência que cada um obteve durante a realização desse projeto. Recentemente recebi dessa mesma turma uma homenagem em que os alunos escreveram: “Professora! Obrigado por fazer do aprendizado não só um trabalho, mas um contentamento. Por fazer com que nos sentíssemos pessoas de valor; por nos ajudar a descobrir o que fazer de melhor e, assim, fazê-lo cada vez melhor. Por resolver o que achávamos complicado. Obrigado por nos convencer de que éramos melhores do que suspeitávamos.” Assim percebi que mesmo diante de tantas adversidades, tantas diferenças, toda a experiência vale a pena e nos traz um grande aprendizado que será útil para toda nossa vida. As expectativas são grandes quanto à participação na Oficina Regional da Olimpíada, sabemos que será um momento muito especial, não só pela troca de experiências e aprimoramento, mas também pelo fato de termos acreditado nesse sonho, pois chegarmos à etapa semifinal, já é um prêmio! É o reconhecimento de um trabalho de muito esforço e dedicação. Escrever não é uma tarefa fácil. “Torce, aprimora, alteia, lima”. Enfim, estamos diante de mais um desafio: a classificação para a etapa final. Um momento de extrema importância para nós, pois sabemos que há muitas pessoas que estão torcendo e acreditando que isso será possível.

×