SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Ciências . Aula 01 Neurociências   Como funciona a memória?
Ciências . Aula 01 Neurociências   Base do sistema nervoso: o neurônio A célula fundamental do Sistema Nervoso é o neurônio, que é capaz de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de impulsos nervosos. Organiza-se em três regiões: a dos dendritos, filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados; a do corpo celular, região de maior volume onde se encontra o núcleo da célula; e a do axônio, uma região filamentosa única e alongada que emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade. O impulso sempre percorre o neurônio iniciando pelos seus dendritos, passando pelo corpo celular e indo em direção ao fim do axônio. O axônio é envolvido pelas células de Schwann, que produzem a bainha de mielina (lipídio que age como isolante elétrico otimizando a condução do impulso nervoso). Entre uma célula de Schwann e outra existe um curto setor desprovido de mielina com aparência de um estrangulamento. Cada um destes setores é denominado um nódulo de Ranvier.
Ciências . Aula 01 Neurociências   Base do sistema nervoso: o neurônio
Ciências . Aula 01 Neurociências   Sinapse nervosa Sinapses nervosas são os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores. As sinapses ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre elas (fenda sináptica). Dos axônios, são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso nervoso de um neurônio para o outro.
Ciências . Aula 01 Neurociências   Sinapse nervosa
Ciências . Aula 01 Neurociências   Divisões anatômicas do Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema  Nervoso Central Encéfalo Medula espinhal Cérebro Cerebelo Tronco encefálico Mesencéfalo Ponte Bulbo
Ciências . Aula 01 Neurociências   Lobos cerebrais
Ciências . Aula 01 Neurociências   Áreas do cérebro
Ciências . Aula 01 Neurociências   Estrutura cerebelar O cerebelo é a parte do encéfalo responsável pela manutenção do equilíbrio e postura corporal, controle do tônus muscular e dos movimentos voluntários, bem como pela aprendizagem motora. O termo cerebelo deriva do latim e significa "pequeno cérebro". Embora represente apenas 10% do volume total do cérebro, contêm aproximadamente metade do número de neurônios do cérebro.
Ciências . Aula 01 Neurociências   Tronco encefálico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ciências . Aula 01 Neurociências   Tronco encefálico
Ciências . Aula 01 Neurociências   Medula espinhal
Ciências . Aula 01 Neurociências   Arco reflexo O arco reflexo é a via que um nervo reflexo segue. Um exemplo é o reflexo patelar.  1.  Uma percussão no joelho estimula receptores sensitivos, gerando um sinal nervoso.  2.  O sinal percorre ao longo de uma via nervosa até a medula espinhal.  3.  Na medula espinhal, o sinal é transmitido do nervo sensorial ao nervo motor.  4.  O nervo motor envia o sinal de volta a um músculo da coxa.  5.  O músculo contrai, fazendo com que a perna se desloque para frente. Todo reflexo ocorre sem envolvimento do cérebro.
Ciências . Aula 01 Neurociências   Mal de Alzheimer
Ciências . Aula 01 Neurociências   Mal de Alzheimer
Ciências . Aula 01 Neurociências   Esclerose múltipla (E.M.)
Ciências . Aula 01 Neurociências   Doença de Parkinson (DP) A Doença de Parkinson é uma moléstia degenerativa do sistema nervoso que afeta cerca de 1% dos indivíduos acima dos 60 anos. As principais manifestações da DP são: tremor, rigidez e lentidão de movimentos. Em aproximadamente 80% dos casos a doença inicia-se por tremor, afetando uma das mãos. Sabe-se que a DP é devida a uma perda de neurônios em uma região do cérebro chamada substância negra. Esses neurônios produzem um neurotransmissor denominado dopamina, que é essencial para que os movimentos sejam normais. A causa dessa perda neuronal ainda é desconhecida, mas fatores de ordem genética e ambientais também parecem estar envolvidos. O tratamento dos sintomas da DP consiste basicamente na reposição de dopamina.
Ciências . Aula 01 Neurociências   Depressão: o mal do século A depressão é um distúrbio da emoção que afeta o corpo, o humor e o pensamento: altera o apetite e o sono, a forma como a pessoa se sente e como pensa. Não é uma tristeza passageira, não é sinal de fraqueza pessoal ou uma condição que possa ser revertida com força de vontade. Sua característica essencial é o humor deprimido ou triste na maior parte do tempo, por um período prolongado. A maioria das pessoas com depressão também tem acentuada redução da capacidade de sentir prazer e padrões negativos de pensamento.  O custo econômico da depressão, considerando-se a perda de produtividade e as conseqüências sociais, é muito elevado e o custo em sofrimento humano é incalculável. Mais de 60% dos suicídios são atribuíveis à depressão. A maioria das pessoas deprimidas não procura tratamento médico e, das que procuram, apenas metade são diagnosticadas como tal.
Ciências . Aula 01 Neurociências   E a memória? Existem dois sistemas básicos de memória: a implícita e a explícita. A explícita é capaz de guardar acontecimentos do dia-a-dia, do passado, das nossas vidas e, ao mesmo tempo, nos permite lembrar que um elefante é um elefante e não uma capivara. Isto é: a memória explícita é consciente. Já a memória implícita é inconsciente. Ela é responsável pela execução de gestos, pelo jeito de andar, sorrir, tocar piano, andar de bicicleta. Mas como o cérebro arquiva as novas informações? Através das sinapses nervosas. Alguns neurônios podem estabelecer até 50.000 sinapses simultâneas. Quando iniciamos um processo de arquivamento de uma informação, uma nova sinapse é ativada ou criada. Assim sendo, quanto maior o número de sinapses, maior será a capacidade de memória. O sistema nervoso apresenta uma plasticidade impressionante. Quer testá-la? Então que tal exercitar a memória?
Ciências . Aula 01 Neurociências   Usando a cuca... Como o cérebro memoriza uma nova informação?  Quais são as estruturas  cerebrais utilizadas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemglauciacorreaperes
 
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de NeuropsicologiaSlides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de NeuropsicologiaTeresa Andrade
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoangelafreire
 
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência Paulo Pedro P. R. Costa
 
4846801 neuropsicologia
4846801 neuropsicologia4846801 neuropsicologia
4846801 neuropsicologiaPatty Nery
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroIFRS - Campus Sertão
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARAntónia Rocha
 
Neurônios Espelho
Neurônios EspelhoNeurônios Espelho
Neurônios Espelhomayarafn
 
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagem
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagemO funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagem
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagemMaria Aparecida Capellari
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamEmanuel F. da Conceição António
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebrodavidaaduarte
 
Neuropsicologia disturbios de aprendizagem
Neuropsicologia disturbios de aprendizagemNeuropsicologia disturbios de aprendizagem
Neuropsicologia disturbios de aprendizagemLuciene Oliveira
 
Neuropsicologia e Educação
Neuropsicologia e EducaçãoNeuropsicologia e Educação
Neuropsicologia e EducaçãoJhonatan Max
 

Mais procurados (20)

Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de NeuropsicologiaSlides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educação
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Cérebro e Aprendizagem
Cérebro e AprendizagemCérebro e Aprendizagem
Cérebro e Aprendizagem
 
Neuropsicologia para Educadores
Neuropsicologia para EducadoresNeuropsicologia para Educadores
Neuropsicologia para Educadores
 
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência
Neuropsicologia da consciência, funções executivas e inteligência
 
4846801 neuropsicologia
4846801 neuropsicologia4846801 neuropsicologia
4846801 neuropsicologia
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagem
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
Neurônios Espelho
Neurônios EspelhoNeurônios Espelho
Neurônios Espelho
 
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagem
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagemO funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagem
O funcionamento do cerebro no processo ensino aprendizagem
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
 
Psicologia: cérebro
Psicologia: cérebroPsicologia: cérebro
Psicologia: cérebro
 
Neuropsicologia disturbios de aprendizagem
Neuropsicologia disturbios de aprendizagemNeuropsicologia disturbios de aprendizagem
Neuropsicologia disturbios de aprendizagem
 
Neuropsicologia e Educação
Neuropsicologia e EducaçãoNeuropsicologia e Educação
Neuropsicologia e Educação
 

Destaque

Coach jotta araújo pdf pessoal
Coach jotta araújo  pdf pessoalCoach jotta araújo  pdf pessoal
Coach jotta araújo pdf pessoalJotta Araújo
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoPastor Paulo Francisco
 
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABER
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABERCBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABER
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABERInes Cozzo Olivares
 
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"Jean-Jacques Pinto
 
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 080904 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809Teresa Monteiro
 
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociência
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociênciaNeurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociência
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociênciaBilly Nascimento
 
Neuronios grupo 1 12 b
Neuronios   grupo 1 12 bNeuronios   grupo 1 12 b
Neuronios grupo 1 12 bprincessbabs
 
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo Clínica Higashi
 
Nutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissoresNutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissoresClínica Higashi
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrostvf
 
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.ppt
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.pptDistúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.ppt
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.pptMônica Magalhães
 
Curso de oratoria
Curso de oratoriaCurso de oratoria
Curso de oratoriaJoao Balbi
 

Destaque (20)

Apresentação Cristiane Melo Palestras
Apresentação Cristiane Melo PalestrasApresentação Cristiane Melo Palestras
Apresentação Cristiane Melo Palestras
 
Coach jotta araújo pdf pessoal
Coach jotta araújo  pdf pessoalCoach jotta araújo  pdf pessoal
Coach jotta araújo pdf pessoal
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
 
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABER
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABERCBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABER
CBTD Edição 2003 - Palestra Magna SABER E NÃO FAZER, AINDA É NÃO SABER
 
Ampliando a visão
Ampliando a visãoAmpliando a visão
Ampliando a visão
 
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"
Resumo da conferencia "PSICANÁLISE E NEUROCIÊNCIAS"
 
I Jornada em NeuroEducação
I Jornada em NeuroEducaçãoI Jornada em NeuroEducação
I Jornada em NeuroEducação
 
Cerebelo
CerebeloCerebelo
Cerebelo
 
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 080904 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809
04 Sn Treina Os Lobos Cerebrais Cerebrais Tc 0809
 
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociência
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociênciaNeurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociência
Neurociência e Comportamento I: Aula 1 - História da neurociência
 
Neuronios grupo 1 12 b
Neuronios   grupo 1 12 bNeuronios   grupo 1 12 b
Neuronios grupo 1 12 b
 
Brodmann e penfield
Brodmann e penfieldBrodmann e penfield
Brodmann e penfield
 
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo
Estudo da Medicina Antienvelhecimento no Mundo
 
Nutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissoresNutrição cerebral e neurotransmissores
Nutrição cerebral e neurotransmissores
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Seminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barrosSeminário prof. dra. daniela barros
Seminário prof. dra. daniela barros
 
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.ppt
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.pptDistúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.ppt
Distúrbios de aprendizagem e linguagem no ambiente escolar.ppt
 
Palestra Oratória
Palestra Oratória Palestra Oratória
Palestra Oratória
 
Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
Curso de oratoria
Curso de oratoriaCurso de oratoria
Curso de oratoria
 

Semelhante a Como funciona a memória

AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptxFabianoDoVale
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1Marcelo Zanotti da Silva
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoCarolina Cruz
 
Apostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaApostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaOmep Cuiabá
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonalHugo Martins
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoLuis Silio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoLuis Silio
 
1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptx1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptxMaria Barbosa
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoEgberto Neto
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalLeonardo Alves
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonalleonorsm
 
Aula 20 sistema nervoso
Aula 20   sistema nervosoAula 20   sistema nervoso
Aula 20 sistema nervosoJonatas Carlos
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSimone Maia
 

Semelhante a Como funciona a memória (20)

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
 
Psicofisiologia
Psicofisiologia Psicofisiologia
Psicofisiologia
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
 
Apostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologiaApostila neuropsicologia
Apostila neuropsicologia
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptx1._sistema_neurologico.pptx
1._sistema_neurologico.pptx
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
 
Aula 20 sistema nervoso
Aula 20   sistema nervosoAula 20   sistema nervoso
Aula 20 sistema nervoso
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 

Mais de Colégio Adventista de Planaltina CEAP (11)

Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
GenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese ProteicaGenéTico e Síntese Proteica
GenéTico e Síntese Proteica
 
Simuladoenem2009 Linguagense Codigos
Simuladoenem2009 Linguagense CodigosSimuladoenem2009 Linguagense Codigos
Simuladoenem2009 Linguagense Codigos
 
Simuladoenem2009 Linguagense Codigos
Simuladoenem2009 Linguagense CodigosSimuladoenem2009 Linguagense Codigos
Simuladoenem2009 Linguagense Codigos
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
Simuladoenem2009 Cienciasda Natureza
Simuladoenem2009 Cienciasda NaturezaSimuladoenem2009 Cienciasda Natureza
Simuladoenem2009 Cienciasda Natureza
 
2º vestibular 2008
2º vestibular 20082º vestibular 2008
2º vestibular 2008
 
PAS 3ª Etapa 2008
PAS 3ª Etapa 2008PAS 3ª Etapa 2008
PAS 3ª Etapa 2008
 
PAS 2ª Etapa 2008
PAS 2ª Etapa 2008PAS 2ª Etapa 2008
PAS 2ª Etapa 2008
 

Como funciona a memória

  • 1. Ciências . Aula 01 Neurociências Como funciona a memória?
  • 2. Ciências . Aula 01 Neurociências Base do sistema nervoso: o neurônio A célula fundamental do Sistema Nervoso é o neurônio, que é capaz de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de impulsos nervosos. Organiza-se em três regiões: a dos dendritos, filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados; a do corpo celular, região de maior volume onde se encontra o núcleo da célula; e a do axônio, uma região filamentosa única e alongada que emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade. O impulso sempre percorre o neurônio iniciando pelos seus dendritos, passando pelo corpo celular e indo em direção ao fim do axônio. O axônio é envolvido pelas células de Schwann, que produzem a bainha de mielina (lipídio que age como isolante elétrico otimizando a condução do impulso nervoso). Entre uma célula de Schwann e outra existe um curto setor desprovido de mielina com aparência de um estrangulamento. Cada um destes setores é denominado um nódulo de Ranvier.
  • 3. Ciências . Aula 01 Neurociências Base do sistema nervoso: o neurônio
  • 4. Ciências . Aula 01 Neurociências Sinapse nervosa Sinapses nervosas são os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores. As sinapses ocorrem no "contato" das terminações nervosas (axônios) com os dendritos. O contato físico não existe realmente, pois ambas estruturas estão próximas, mas há um espaço entre elas (fenda sináptica). Dos axônios, são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam receptores nos dendritos e assim transmitem o impulso nervoso de um neurônio para o outro.
  • 5. Ciências . Aula 01 Neurociências Sinapse nervosa
  • 6. Ciências . Aula 01 Neurociências Divisões anatômicas do Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula espinhal Cérebro Cerebelo Tronco encefálico Mesencéfalo Ponte Bulbo
  • 7. Ciências . Aula 01 Neurociências Lobos cerebrais
  • 8. Ciências . Aula 01 Neurociências Áreas do cérebro
  • 9. Ciências . Aula 01 Neurociências Estrutura cerebelar O cerebelo é a parte do encéfalo responsável pela manutenção do equilíbrio e postura corporal, controle do tônus muscular e dos movimentos voluntários, bem como pela aprendizagem motora. O termo cerebelo deriva do latim e significa "pequeno cérebro". Embora represente apenas 10% do volume total do cérebro, contêm aproximadamente metade do número de neurônios do cérebro.
  • 10.
  • 11. Ciências . Aula 01 Neurociências Tronco encefálico
  • 12. Ciências . Aula 01 Neurociências Medula espinhal
  • 13. Ciências . Aula 01 Neurociências Arco reflexo O arco reflexo é a via que um nervo reflexo segue. Um exemplo é o reflexo patelar. 1. Uma percussão no joelho estimula receptores sensitivos, gerando um sinal nervoso. 2. O sinal percorre ao longo de uma via nervosa até a medula espinhal. 3. Na medula espinhal, o sinal é transmitido do nervo sensorial ao nervo motor. 4. O nervo motor envia o sinal de volta a um músculo da coxa. 5. O músculo contrai, fazendo com que a perna se desloque para frente. Todo reflexo ocorre sem envolvimento do cérebro.
  • 14. Ciências . Aula 01 Neurociências Mal de Alzheimer
  • 15. Ciências . Aula 01 Neurociências Mal de Alzheimer
  • 16. Ciências . Aula 01 Neurociências Esclerose múltipla (E.M.)
  • 17. Ciências . Aula 01 Neurociências Doença de Parkinson (DP) A Doença de Parkinson é uma moléstia degenerativa do sistema nervoso que afeta cerca de 1% dos indivíduos acima dos 60 anos. As principais manifestações da DP são: tremor, rigidez e lentidão de movimentos. Em aproximadamente 80% dos casos a doença inicia-se por tremor, afetando uma das mãos. Sabe-se que a DP é devida a uma perda de neurônios em uma região do cérebro chamada substância negra. Esses neurônios produzem um neurotransmissor denominado dopamina, que é essencial para que os movimentos sejam normais. A causa dessa perda neuronal ainda é desconhecida, mas fatores de ordem genética e ambientais também parecem estar envolvidos. O tratamento dos sintomas da DP consiste basicamente na reposição de dopamina.
  • 18. Ciências . Aula 01 Neurociências Depressão: o mal do século A depressão é um distúrbio da emoção que afeta o corpo, o humor e o pensamento: altera o apetite e o sono, a forma como a pessoa se sente e como pensa. Não é uma tristeza passageira, não é sinal de fraqueza pessoal ou uma condição que possa ser revertida com força de vontade. Sua característica essencial é o humor deprimido ou triste na maior parte do tempo, por um período prolongado. A maioria das pessoas com depressão também tem acentuada redução da capacidade de sentir prazer e padrões negativos de pensamento. O custo econômico da depressão, considerando-se a perda de produtividade e as conseqüências sociais, é muito elevado e o custo em sofrimento humano é incalculável. Mais de 60% dos suicídios são atribuíveis à depressão. A maioria das pessoas deprimidas não procura tratamento médico e, das que procuram, apenas metade são diagnosticadas como tal.
  • 19. Ciências . Aula 01 Neurociências E a memória? Existem dois sistemas básicos de memória: a implícita e a explícita. A explícita é capaz de guardar acontecimentos do dia-a-dia, do passado, das nossas vidas e, ao mesmo tempo, nos permite lembrar que um elefante é um elefante e não uma capivara. Isto é: a memória explícita é consciente. Já a memória implícita é inconsciente. Ela é responsável pela execução de gestos, pelo jeito de andar, sorrir, tocar piano, andar de bicicleta. Mas como o cérebro arquiva as novas informações? Através das sinapses nervosas. Alguns neurônios podem estabelecer até 50.000 sinapses simultâneas. Quando iniciamos um processo de arquivamento de uma informação, uma nova sinapse é ativada ou criada. Assim sendo, quanto maior o número de sinapses, maior será a capacidade de memória. O sistema nervoso apresenta uma plasticidade impressionante. Quer testá-la? Então que tal exercitar a memória?
  • 20. Ciências . Aula 01 Neurociências Usando a cuca... Como o cérebro memoriza uma nova informação? Quais são as estruturas cerebrais utilizadas?