Douglas e ketly

303 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • nota 10 molecada me adiciona no face msn doug.japa@hotmail.com
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
303
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Douglas e ketly

  1. 1. Reprodução da tartaruga marinha.• As fêmeas atingem a maturidade sexual por volta dos 30 anos de idade. Nesta fase, ela retorna para a praia onde nasceu para depositar os ovos. Estima-se que entre 100 filhotes nascidos, apenas um chegará a vida adulta.• Possuem um comportamento solitário e vivem grande parte do tempo submersas nas águas dos oceanos.• O acasalamento das tartarugas ocorre nas águas costeiras ou profundas dos oceanos.• Dependendo da espécie, a cor das tartarugas pode variar do marrom ao verde.• Possuem sistemas de audição e visão bem desenvolvidos.• Em função da caça predatória por vários anos, grande parte das espécies encontra- se em situação de extinção.• CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS:• Peso: em média de 300 a 600 (animal adulto) Comprimento: pode atingir até 2 metros de comprimento e 1,5 metros de largura (depende da espécie) Reprodução: fecundação interna com 3 a 5 desovas numa mesma temporada de reprodução.
  2. 2. Reprodução do JacaréA reprodução nos jacarés, em geral, ocorre no período de julho a outubro. A maturidade sexual chega aos sete anos para a fêmea e para o macho aos dez. Os filhotes nascem com a aparência igual a dos pais, porém com apenas 25 cm de comprimento. Nesta fase, a alimentação é de insetos, sapos, ratos e peixes.
  3. 3. Reprodução do tucano• Sua reprodução ocorre no final da primavera e a fêmea bota de 2 a 4 ovos em ninhos localizados no alto dos troncos das árvores. O casal se reveza na tarefa de chocar os ovos, os quais eclodem entre 16 e 20 dias. Quando nascem, sua aparência é desproporcional; seu bico é grande e o corpo, pequeno; os olhos só abrem após três semanas e os pais cuidam de seus filhotes até eles saírem dos ninhos, o que ocorre em seis semanas. A coloração do bico só é definida meses após o nascimento.O tucano-toco ainda não é uma espécie ameaçada de extinção, entretanto tem sido capturado e traficado para outros países a fim de ser vendido em lojas de animais. Isto tem, como consequência, a diminuição de sua população nas florestas, pondo em risco a variabilidade genética, como também a morte de muitos animais durante o transporte.
  4. 4. Reprodução dos PingüinsHá espécies de pingüins cujos pares reprodutores acasalam para toda a vida enquanto que outros fazem-no apenas durante uma época de reprodução. Normalmente, os progenitores cooperam nos cuidados com os ovos e com os juvenis. A forma do ninho varia, segundo a espécie de pingüim: alguns cavam uma pequena fossa, outros constroem o ninho com pedras e outros utilizam uma dobra de pele que possuem ventralmente para cobrir o ovo. Normalmente, o macho fica com o ovo e mantém-no quente, e a fêmea dirige-se para o mar com vista a encontrar alimento. Quando no seu regresso, o filhote terá alimento e então os papéis invertem-se: a fêmea fica em terra e o macho vai à procura de alimentos.
  5. 5. Reprodução da Serpente• O pulmão esquerdo é muito pequeno ou mesmo ausente, uma vez que o corpo em forma tubular requer que todos os órgãos sejam compridos e estreitos. Para que caibam no corpo, só um pulmão funciona. Além disso muitos dos órgãos que são pares, como os rins ou órgãos reprodutivos estão distribuídos ao longo do corpo de modo que um esteja à frente do outro, sendo um exemplo de excepção da simetria bilateral . As serpentes usam um vasto número de modos de reprodução. Todas usam fertilização interna, conseguida por meio de hemipénis bifurcados, que são armazenados invertidamente na cauda do macho. A maior parte das serpentes põe ovos e a maior parte destas abandona-os pouco depois de os pôr; no entanto, algumas autores entendem que essas espécies são ovovivíparas e retém os ovos dentro dos seus corpos até estes se encontrarem prestes a eclodir.• Recentemente, foi confirmado que várias espécies de cobras desenvolvem os seus descendentes completamente dentro de si, nutrindo-os através de uma placenta e um saco amniótico. A retenção de ovos e os partos ao vivo são normalmente, mas não exclusivamente, associados a climas frios, sendo que a retenção dos descendentes dentro da fêmea permite-lhe controlar as suas temperaturas com maior eficácia do que se estes se encontrassem no exterior.
  6. 6. Ketly Eduarda e Douglas Machado

×