O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 31 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Quem viu também gostou (20)

Semelhante a Ai ad aula 2_parte1 (20)

Anúncio

Mais de Claudio Diniz - Designer Gráfico (20)

Ai ad aula 2_parte1

  1. 1. Arquitetura da Informação - Origem e Desenvolvimento ©2012 Cláudio Diniz Alves e Janicy Rocha
  2. 2. A Internet “atualmente é vista como o canal de comunicação de informações que obteve o maior sucesso dos últimos tempos, transformando-se num problema relevante para pesquisa na área da Ciência da Informação”. ARAÚJO, V. M. R. H; FREIRE, I. M. A Rede Internet como Canal de Comunicação, na Perspectiva da Ciência da Informação. Transinformação, Campinas, v. 8, n. 2, p. 45-55, maio/ago. 1996.
  3. 3. O uso das denominações internet e web como sinônimos é frequente, porém incorreto. A internet é a rede global de computadores, conectados através de uma infraestrutura de hardware e software, cujas primeiras conexões foram estabelecidas nos EUA, no final dos anos 1960. A world wide web foi criada no final dos anos 1980 e é um subconjunto da informações disponíveis na internet, organizadas em documentos interligados por hiperlinks e acessíveis através de softwares específicos”. FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2011. 239p. [p. 55]
  4. 4. Em meados do anos 90, com os grandes investimentos das empresas para desenvolver seus websites e novos negócio na Web, a forma de desenvolvimento de websites evoluiu para metodologias formais e multi- disciplinares. Foi nesse momento que surgiram as primeiras tentativas de aplicar conceitos de Arquitetura de Informação no design de websites com o objetivo de melhorar a organização das suas informações. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  5. 5. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Segundo literatura da área, o termo arquitetura da informação foi popularizado por Richard Saul Wurman em meados da década de 1960. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  6. 6. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Em 1976 ele organizou uma conferência em que o tema principal era The Information Architecture. Wurman transformou a arquitetura de informação em seu objeto de estudo com a finalidade de organizar informações de forma que seus usuários pudessem acessá-la com facilidade. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  7. 7. COMO SURGIU O TERMO ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO? Nessa conferência, comentou sobre a prática do profissional arquiteto da informação enfatizando os processos de estruturação e desenho de informações. Wurman era arquiteto. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  8. 8. Richard Saul Wurman
  9. 9. A prática do Design de Informação (Infodesign) é muito mais antiga que a da ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO... Visa tratar a informação visual. O Design Gráfico estrutura e formada a informaçao visual, tratando a relação entre imagem e texto. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 5]
  10. 10. Os conceitos de Wurman foram inicialmente aplicados na organização de materiais gráficos, como guias, mapas e Atlas, mas se espalharam por diversos outros campos, que vão desde a organização do layout de museus até a estruturação de imagens radiográficas para uso médico. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 61]
  11. 11. A história da AI envolve várias disciplinas como design, ergonomia, usabilidade, interação humano-computador, computação, entre outras. A evolução da AI não é linear, cronológica. CAMARGO, L. S. de A. de; VIDOTTI, S. A. B. G. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 232p. [pág. 6]
  12. 12. Em 1994, Louis Rosenfeld e Peter Morville, ambos com formação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, fundaram a Argus Associates, a primeira empresa dedicada exclusivamente a trabalhar com Arquitetura de Informação na Web. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  13. 13. A ação pioneira da Argus logo foi seguida por outras empresas especializadas em projetos de websites como a Sapient, Scient, Viant, Agency.com, IXL, marchFIRST, Rare Medium, Zefer, Luminant e Razorfish. Todas elas adotaram formalmente a Arquitetura de Informação como uma disciplina necessária para a execução de seus projetos. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  14. 14. Em 1998, ROSENFELD e MORVILLE publicaram a primeira edição do livro Information Architecture for the World Wide Web. A segunda edição foi publicada em 2002 e a terceira em novembro de 2006. Apelidado de livro do “urso polar”, esse livro marca o início da Arquitetura de Informação na Web e rapidamente se tornou a principal referência sobre o assunto. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 60]
  15. 15. ROSENFELD MORVILLE
  16. 16. O livro do “urso polar”
  17. 17. A primeira conferência internacional sobre Arquitetura de Informação da American Society for Information Science (ASIS) ocorreu em abril de 2000 com o nome Defining Information Architecture (Definindo a Arquitetura de Informação). Desde então a ASIS realiza anualmente o IA Summit, a mais importante conferência internacional sobre o tema. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  18. 18. Em 2002 surgiu a primeira comunidade formal de profissionais de Arquitetura de Informação, o Asilomar Institute for Information Architecture (AIfIA) que, em 2005, mudou seu nome para Information Architecture Institute. É uma organização sem fins lucrativos composta por voluntários e dedica-se ao avanço e promoção da Arquitetura da Informação. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  19. 19. A Argus Associates encerrou suas atividades em março de 2001, junto com várias das empresas citadas devido a estratégias de negócios imaturas que não conseguiram atravessar a explosão da bolha da Internet. Mas os conceitos da Arquitetura de Informação continuam a ser fundamentais no design de websites. REIS, G. A. Centrando a Arquitetura de Informação no usuário. São Paulo: Universidade de São Paulo – USP. Escola de Comunicação e Artes. SP, 2007. (Dissertação de Mestrado). 250p. [pág. 62]
  20. 20. Nos dias 19 e 20 de outubro de 2007, foi realizado em São Paulo o 1. Encontro Brasileiro de Arquitetura de o Informação (EBA, sigla depois alterada para EBAI). Objetivos: • Fortalecer as comunidades de arquitetos de informação brasileira e internacional e promover um maior intercâmbio de ideias com profissionais de outras partes do mundo; • Promover um amplo debate sobre a disciplina e seu papel no design de produtos digitais e espaços físicos; • Incentivar o interesse de uma nova geração de estudantes e jovens profissionais a adotarem práticas e metodologias desta área como parte de seus trabalhos.
  21. 21. O IX Encontro Nacional de Ciência da Informação (ENANCIB)4, aprovou em 28 de julho de 2008 o texto “Reflexões sobre Fundamentos da Arquitetura da Informação”, que em suas considerações finais continha a seguinte asserção: (...) a fundamentação da arquitetura da informação vem, de fato, da fundamentação da ciência da informação. Sua área de investigação é mais particular, porem os resultados buscados, assim como os problemas pesquisados, estão inseridos nos objetos nucleares da pesquisa da ciência da informação (ROBREDO et al. p. 9). ROBREDO, J.; LINS, G.S; TEIXEIRA, F.A.G.;CARLAN, E.; CÂMARA Jr., A.T. da. Reflexões sobre Fundamentos de Arquitetura da Informação. IN: Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ENANCIB), 9. Anais...São Paulo SP, 28 de setembro – 1o de outubro de 2008. (GT1 – Estudos Históricos e Epistemológicos da Informação).
  22. 22. A revista Veja de 26 de novembro de 2008 publicou um artigo sobre novas profissões, e a Arquitetura de Informação estava entre as mencionadas. A pesquisa de Guilhermo Reis (2008) sobre o perfil dos arquitetos de informação no Brasil revela que a maior parte dos profissionais encontra-se em São Paulo e Rio de Janeiro, e possuem elevado grau de instrução e, dos que atuam na área, a maior parte é autodidata ou aprendeu o ofício nas empresas em que trabalham.
  23. 23. Destacam-se no Brasil alguns estudiosos que têm pesquisado profundamente a disciplina, o seu desenvolvimento e sua aplicação no País. Entre estes se destacam Luiz Agner (PUC-RIO), Guilhermo Reis (USP) e Anamaria de Moraes (PUC-RIO). Também destacam-se Liriane Camargo e Silvana Vidotti. Observa-se, também, a criação de blogs e sites brasileiros que discutem o assunto e disponibilizam artigos e novidades.
  24. 24. AGNER REIS
  25. 25. Livro de Luiz Agner, 2009 (com prefácio de Peter Morville)
  26. 26. Livro de Liriane Camargo e Silvana Vidotti, 2011
  27. 27. Fim da primeira parte desta aula.

×