Educação Infantil, Especial, Na Terceira Idade, e Online.

107 visualizações

Publicada em

Trabalho de conclusão do curso (TCC). Centro Cultural Brasil. Santo Domingo, República Dominicana. "Educação"

Autores:
Educação Infantil
Cristina Peralta
Carolina Slaiman
Yudilemny Gómez

Educação Especial:
Alba Tolentino
Oscar Díaz
Margarita Mejía

Educação Na Terceira Idade:
Yaneris Cruz
Arabeska Polanco
Euris Cedeño

Educação Online
Ana Vasquez
Gamal Mendoza
Silvio Genao

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação Infantil, Especial, Na Terceira Idade, e Online.

  1. 1. Educação é o processo onde são transmitidos conhecimentos, valores, habilidades, crenças e outras coisas a um grupo de pessoas. Infantil é período do nascimento até a puberdade. Por tanto, a educação infantil é o processo de ensino a crianças.
  2. 2. Está dividida em duas etapas: EDUCAÇÃO INICIAL (Pré-escolar e primária): Para crianças de três meses a seis anos de idade, etapa onde o desenvolvimento da criança é baseado em jogos, leitura, desenho e utiliza as capacidades para ter uma boa aprendizagem. Este estágio da educação está dividido em creche e pré-escola, mas esta divisão muda segundo o país.
  3. 3. EDUCAÇÃO BÁSICA (do segundo ao sexto ano): Esta é para crianças entre os seis e onze e/ou doze anos. Esta etapa é considerada como obrigatória e é a que segue a educação inicial; tem elementos básicos das principais matérias: matemática, língua portuguesa, ciências sociais, entre outras. É vista como a base do ensino do indivíduo e, segundo especialistas da área, está diretamente ligado ao desenvolvimento da criança.
  4. 4. MUDANÇA DO SISTEMA EDUCATIVO INFANTIL NA REPÚBLICA DOMINICANA. Na República Dominicana, por mais de uma década houve um movimento social chamado de “Luta por 4% do PIB para a educação” para o cumprimento da lei 66-97 que foi aprovada no ano 2012, para investir 4% do Produto Interno Bruto na educação. Isto criou de forma imediata uma mudança na estrutura do sistema educativo infantil.
  5. 5. Em agosto de 2013 foi apresentado o primeiro relatório de seguimento e, no nível de educação básica, destacou-se dentre as conclusões, um avanço substancial no redesenho do currículo educativo. Na estrutura anterior o Nível Básico agrupava uma população heterogênea composta por crianças entre 6 e 12 anos e adolescentes dentre 13 e 14 anos. A nova estrutura do Nível Básico só agrupa uma população estudantil de crianças entre 6 e 12 anos.
  6. 6. Segundo a UNESCO no ano 2010, a República Dominicana ocupava o 146° lugar dentre os 148 países com a pior qualidade na educação, numa avaliação comparada com outros países da América Latina. O nível de desempenho dos estudantes dominicanos na educação básica era crítico, um assunto preocupante porque sua capacidade só alcançava desenvolver habilidades muito simples.
  7. 7. CAUSAS PARA A EVASÃO ESCOLAR INFANTIL A evasão escolar infantil é influenciada tanto pelas circunstâncias da escola como pelo meio social, cultural e familiar. Na República Dominicana os baixos rendimentos econômicos das famílias, além da desigualdade de gênero conjugam-se em fatores sociais que empurram a meninos e meninas a abandonar o sistema educativo para inserir-se de forma prematura ao sistema trabalhista.
  8. 8. Os meninos são os que mais deixam a escola, e a maior motivação é a econômica. Essas crianças, muitas vezes, têm que trabalhar e se veem na necessidade de abandonar os estudos em idade precoce. No caso das meninas um fator que influencia na evasão escolar é a responsabilidade de cuidar de casa. O desinteresse de muitos pais, professores e alunos deve ser transformado em preocupação consciente, diante um problema cuja responsabilidade não é totalmente do estudante. Todos devemos fazer algo para contribuir com diminuição a deserção escolar.
  9. 9. Segundo a guia de estudos: “Educação especial e os diferentes tipos de necessidades especiais” do Instituto Prominas, as crianças com necessidades especiais são aquelas que, por alguma espécie de limitação, requerem certas modificações ou adaptações no programa de ensino, a fim de que possam atingir seu potencial máximo. Essas limitações podem decorrer de problemas visuais, auditivos, mentais ou motores, bem como de condições ambientais desfavoráveis. EDUCAÇÃO ESPECIAL NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS (NEE)
  10. 10. TIPOS DE NEE: 1. As NEE Permanentes: são os problemas que apresentam uma pessoa durante toda sua vida. Por exemplo: Superdotação, Déficit de atenção com hiperatividade, Paralisia cerebral, Autismo, Síndrome de down, Dificuldades alfabetização (Dislexia, Disgrafia, Disortográfica), Cegueira, Dificuldades em matemáticas. 2. As NEE Transitórias: são os problemas de aprendizagem que se apresentam durante o período escolar, porém, precisam de uma atenção específica, elas são: Deficiências emocionais, Fobia, Deficiências de aprendizagem, Déficit de atenção, Deficiências de comportamento.
  11. 11. NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA REPÚBLICA DOMINICANA: A educação é um direito fundamental reconhecido e consagrado em declarações universais, tratados internacionais. É dever de todo o Estado garantir o ensino fundamental da população. Mas ainda em muitos países a educação é um problema sem a devida atenção, um direito negado para muitos, especialmente para pessoas com necessidade de educação especial. A necessidade de educação especial na República Dominicana, ainda é um grande desafio especialmente aquelas de caráter permanente. Embora o país conte com instituições de apoio para pessoas, o Ministério de Educação não tem fixado uma politica de frente ao problema.
  12. 12. O sistema educativo na RD é excludente porque o país não tem desenhando políticas ao respeito, porém não temos escolas nem professores com o preparo preciso para o manejo do tema. Atualmente o currículo das universidades não oferece formatura em educação especial, mesmo que 10% das pessoas com discapacidade estejam na idade escolar, segundo estabelece o Censo Nacional de População e Moradia.
  13. 13. O QUE DIZEM AS PESSOAS SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REPÚBLICA DOMINICANA? Finalmente alguns dominicanos foram entrevistados de forma individual a respeito da educação especial, e aqui temos os comentários: 1. Um jovem chamado Josué falou: “A meu ver, a educação especial na República dominicana é o mais escasso e difícil, já que precisa de muitos recursos, não só econômicos senão também na preparação das pessoas destinadas a proporcionar educação especial”. 2. Uma estudante universitária chamada Yuleisy falou; “a educação especial nosso país não tem tido muito progresso, pelo menos não o suficiente”.
  14. 14. 1. Uma médica chamada Estherliby falou; “a República Dominicana não tem nenhum progresso, porque os líderes não colocam interesse neste tema embora tenhamos muitas crianças especiais muito inteligentes as quais precisam de uma educação especial”. 2. Uma professora chamada Laisa falou; “ainda como país temos que crescer porque temos muitos tabus, as pessoas com pouca educação se negam a aceitar as limitações dos seus filhos e por isso não colocam interesse em essas desordens”. 3. Uma médica chamada Johanny falou; “acho que a Educação especial tem alcançado progresso porque conheço pessoas com cegueira que agora mesmo estão recebendo atenção em diferentes escolas”.
  15. 15. Em geral, segundo a pesquisa sobre o tema das necessidades educativas especiais, podemos dizer que, embora tenhamos progredido nesta área, a educação especial ainda é um desafio para o governo dominicano, devido ao fato de não responder de acordo à realidade da situação. Uns dos poucos progressos são as poucas instituições que existem, mas elas não têm a cobertura total das necessidades atuais. Existindo ainda uma carência relacionada aos centros especiais com estrutura física adequada, materiais e pessoal qualificado para lidar com as diferentes necessidades.
  16. 16. EDUCAҪÃO NA TERCEIRA IDADE O direito à educação não deve estar sujeito a qualquer limite de idade. Para os idosos este direito tem um significado especial, pois representa uma oportunidade para a atualização, participação social e reafirmação do seu potencial. Para as pessoas que passam por essa fase da vida, a educação pode contribuir para o desenvolvimento de uma cultura de envelhecimento saudável e aumentar a qualidade de vida, o que pode ser expressado em padrões mais elevados de saúde, felicidade e bem- estar.
  17. 17. A Andragogia (conjunto de técnicas de ensino destinadas à educação de pessoas adultas) tem base em estudos que partem da perspectiva da psicologia, e busca o fornecimento das ferramentas educacionais para resolver complexos processos de aprendizagem e oferece a oportunidade para o adulto que decide aprender, a participar ativamente na sua própria aprendizagem e se envolver em planejamento, programação, execução e avaliação das atividades educativas, em igualdade de condições com seus colegas participantes e o facilitador.
  18. 18. A primeira Universidade da Terceira Idade foi criada em 1973, pelo professor François Vellas, em Toulouse (França), com os seguintes objetivos: • Proporcionar o acesso ao patrimônio cultural da humanidade; • Contribuir para a prevenção do declínio psicossocial; • Contribuir para a investigação científica sobre o envelhecimento; • Treinar a população para a sua reintegração social e envolvimento da comunidade; • Contribuir para uma nova arte de viver na velhice.
  19. 19. EDUCAҪÃO DA TERCEIRA IDADE NA REPÚBLICA DOMINICANA A Educação da terceira idade começou na República Dominicana com as Escolas de Emergência criadas pela Lei 543, em 3 de setembro de 1941. Desde então, este tipo de educação tem tido um processo de constante reforma curricular. Na década de 80 as escolas populares davam aulas para adultos durante a noite em clubes, igrejas e centros comunitários. A equipe de trabalho estava composta de sacerdotes e outros profissionais de diversas áreas que residiam nos mesmos lugares onde operavam escolas de aprendizagem.
  20. 20. No ano 2000 ocorreu um dos processos mais importantes de reforma educativa dominicana, permitindo o desenvolvimento de um programa especialmente projetado para a educação de jovens e adultos, que levou à reforma da Lei Geral de Educação, com o qual a educação de adultos alcançou o nível de subsistema legal.
  21. 21. Hoje em dia, já contamos com os seguintes programas e universidades enfocadas na educação de adultos: Programa de Alfabetização e Educação Básica de Adultos (PRALEB), a Jornada Nacional de Alfabetização (JNA), o Programa Alfabetização da Zona Fronteira e Samaná (PROALFSA), Quisqueya Aprende Contigo, Universidade Aberta Para Adultos (UAPA), Universidade da Terceira Idade (UTE), entre outras. Atualmente, a UTE, tem já arredor de 6,500 graduados.
  22. 22. Educação OnLine A educação on-line é uma modalidade da educação a distância que usa ferramentas tecnológicas da informação e comunicação para realizar o processo de ensino- aprendizagem. O conceito de educação on-line não é o mesmo que educação a distância, embora às vezes sejam utilizados como sinônimos. Esta última engloba a utilização dos recursos disponíveis na internet para a distribuição de conhecimento ou de um programa educativo tanto na forma presencial como a distância, e ainda a combinação destas duas modalidades.
  23. 23. As tecnologias na educação do futuro também se multiplicam e se integram; tornam-se mais audiovisuais, instantâneas e abrangentes. Permitindo como vantagem proporcionar ampliação do contato entre professor/tutor e alunos, e estes com os colegas de turma em tempo real, ou seja, a comunicação e interação acontece de forma sincrônica através dos recursos disponíveis.
  24. 24. Esta modalidade de educação é extremamente variada, flexível e personalizada, isto é, adaptada ao perfil e momento de cada aluno. A projeção da International Data Corporation (IDC Group) refere que a educação pela internet é um mercado que deve crescer no mundo todo quase quatro vezes em quatro anos, passando de US$ 6.6 bilhões em 2002 para US$ 23.7 bilhões em 2006.
  25. 25. O quadro abaixo apresenta as semelhanças e diferenças entre a educação a distância e a educação on-line. Educação On-Line Educação a Distância Relações horizontais Relações verticais Superam as distâncias Auto- avaliação, informativa Avaliação unidirecional Utiliza-se o computador com acesso a internet. Internet Internet, livros, TV, radio, correio Construção de conhecimento através da interatividade. Construção Instrução Mediação no processo de aprendizagem. Conteúdo redefinido com a interatividade Conteúdo previamente definido (fixo) Ambientes virtuais de aprendizagem. Interativa Unidirecional Diferenças básicas Semelhanças
  26. 26. Em nosso pais, “Segundo a MESCYT educação a distância é uma forma de aprendizagem onde atividades educativas são realizadas em diferentes espaços e tempos entre professores e alunos, de modo que enfatiza o uso de meios diversos, recursos, tecnologias e suporte para alcançar a auto-aprendizagem”. Tipos de ensino de acordo a modalidade educacionais: 1. Educação virtual: é a educação a distância em que a aprendizagem é mediada por tecnologias associadas à eletrônica e digital, também aos espaços virtuais e redes que incorporam o ensino. 2. Blended Educação: é uma comunicação harmoniosa entre a experiência da sala de aula e a ausência dela. Este método é caracterizado pela frequência do contato entre professor e aluno. 3. Educação aberta: refere-se a um ensino flexível, que envolve diferentes formas de abertura, espaços de tempo, conteúdo curriculares, formas e estilos de aprendizagem. Neste método o estudante tem a liberdade de escolher o esquema de treinamento, mas com um tipo de análise para determinar o nível de aprendizagem.

×