Amostragem de solo

933 visualizações

Publicada em

amostragem de solo

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Amostragem de solo

  1. 1. AMOSTRAGEM DE SOLO Pedro Marques da SilveiraIII Encontro de Laboratório do PAQLF Goiânia GO 16/09/2009
  2. 2. ANÁLISE DO SOLO:OBJETIVO: Conhecer o grau de fertilidade para umaadequada recomendação de corretivos e fertilizantes.AMOSTRAGEM: Coleta de amostras representativas
  3. 3. X=R+EX = Valor médio de determinada característicaR = Valor médio RealE = Erro AmostragemE Determinação ou AnalíticoAmostragem 80-85 %Analítico 20-15 %(5% em bons Laboratórios)A partir de uma amostra não representativa de um solo, nunca seterá uma adequada estimativa da fertilidade média por maispreciso que seja o método de análise e Laboratório.
  4. 4. 1 haMASSA CAMADA 0-20 CM = 2.000.000 KgMASSA AMOSTRA PARA LABORATÓRIO = 0,5 KgMASSA AMOSTRA ANALISADA = 0,01 KgACERTO COM BASE AMOSTRA = MILAGRE
  5. 5. PLANO DE AMOSTRAGEM:SEPARAÇÃO DE ÁREAS UNIFORMESUniformidade: Topografia Vegetação Cor do Solo Definida pelas Textura características e Uso não pelo tamanho Produtividade
  6. 6. TIPOS DE AMOSTRA AMOSTRA COMPOSTA : AMOSTRA SIMPLESRecomendação:10 a 30 SIMPLES para formar 1COMPOSTA TAMANHO DA ÁREARecomendação: 1 COMPOSTA para cada 10 a 15 ha
  7. 7. VARIABILIDADE HORIZONTAL VARIABILIDADE VERTICAL
  8. 8. FIG. 1. Distribuição espacial dos valores de pH do solo em diferentes sistemas de preparo e profundidade de amostragem (A=arado, C=plantio direto; 1=0-5cm, 2=5-20cm de profundidade).
  9. 9. FÓRMULA DE CLINE 2 ⎛ TxCV ⎞N=⎜ ⎟ ⎝ D ⎠N = NÚMERO DE SUBAMOSTRAST = VALOR DE TESTE (95% de probabilidade)CV = COEFICIENTE DE VARIAÇÃOD = % DE VARIAÇÃO (erro)
  10. 10. Tabela 1. Número mínimo de subamostras necessário para estimar o pHnos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%pH Arado 4,0 3 1 1 1 1 1 Grade 4,1 3 1 1 1 1 1 P.direto 5,4 5 2 1 1 1 1
  11. 11. Tabela 2. Número mínimo de subamostras necessário para estimar o Canos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%Ca2+ Arado 19,6 67 17 8 5 3 2 Grade 16,8 48 12 6 3 2 2 P.direto 18,2 58 15 7 4 3 2
  12. 12. Tabela 3. Número mínimo de subamostras necessário para estimar o Pnos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%P Arado 59,8 572 143 64 36 23 16 Grade 22,1 79 20 9 5 4 3 P.direto 63,2 640 160 72 40 26 18
  13. 13. Tabela 4. Coeficientes de variação de P em solos com mais de cinco anosem diferentes sistemas de cultivo e respectivo numero de subamostras Coeficiente de variação Número subamostrasAutor Manejo do solo P Mehlich-1 P Mehlich-1 D=10 % D=20 %Salet el al. (1996) Convencional 34 37 9 Plantio Direto 76 170 43Souza 1992 Convencional 25 20 5 Plantio Direto 32 50 13
  14. 14. Tabela 5. Número mínimo de subamostras necessário para estimar o Knos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%K+ Arado 36,3 211 53 24 14 9 6 Grade 40,6 264 66 30 17 11 8 P.direto 28,5 131 33 15 9 6 4
  15. 15. Tabela 6. Número mínimo de subamostras necessário para estimar a MOnos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%MO Arado 8,8 12 3 1 1 1 1 Grade 6,7 7 2 1 1 1 1 P.direto 7,9 10 3 2 1 1 1
  16. 16. Tabela 7. Número mínimo de saubamostras necessário para estimar aARGILA nos tratamentos arado, grade e plantio direto durante 6 anos.Variável Tratamento C.V. Número de subamostras referente à variação em torno da média 5% 10% 15% 20% 25% 30%Argila Arado 8,6 12 3 2 1 1 1 Grade 8,0 11 3 2 1 1 1 P.direto 11 3 2 1 1 1 1
  17. 17. TEOR DE P (mg dm -3)PLANTIO CONVENCIONAL PLANTIO DIRETO0-5 cm = 16,7 0-5 cm = 21,55-10 cm = 16,3 5-10 cm = 23,410-20 cm = 11,3 10-20 cm= 7,3
  18. 18. CFS RS/SC:Amostragens do solo na camada de 0-10 cm noplantio diretoOutras Regiões: 0-20 cmNecessidade de intensificar a pesquisa decalibração das análises de solo no sistemaplantio direto.
  19. 19. Tabela 8. Valores médios de P, em diferentes profundidades deamostragem do solo, nos sistemas de preparo arado de aiveca eplantio direto durante 6 anos. (1) Tratamento Variável Arado 0-20 cm 9,4 c Plantio direto 0-10 cm 26,2 a Plantio direto 0-20 cm 15,5 bc Plantio direto 5-20 cm 13,3 c Plantio direto 10-20 cm 9,3 c
  20. 20. Tabela 9. Valores médios de pH, em diferentes profundidades deamostragem do solo, nos sistemas de preparo arado de aiveca eplantio direto durante 6 anos. (1) Tratamento Variável Arado 0-20 cm 5,6 a Plantio direto 0-10 cm 5,4 a Plantio direto 0-20 cm 5,1 b Plantio direto 5-20 cm 5,1b Plantio direto 10-20 cm 5,2 b
  21. 21. Tabela 10. Valores médios de Ca, em diferentes profundidades deamostragem do solo, nos sistemas de preparo arado de aiveca eplantio direto durante 6 anos. Tratamento Variável Arado 0-20 cm 18 a Plantio direto 0-10 cm 18 a Plantio direto 0-20 cm 14 b Plantio direto 5-20 cm 13 b Plantio direto 10-20 cm 13 b
  22. 22. Tabela 11. Valores médios de Mg, em diferentes profundidades deamostragem do solo, nos sistemas de preparo arado de aiveca eplantio direto durante 6 anos. Tratamento Variável Arado 0-20 cm 9,1 ab Plantio direto 0-10 cm 9,6 a Plantio direto 0-20 cm 7,1 bc Plantio direto 5-20 cm 6,6 c Plantio direto 10-20 cm 6,8 bc
  23. 23. Tabela 12. Valores médios de K, em diferentes profundidades deamostragem do solo, nos sistemas de preparo arado de aiveca eplantio direto. (1) Tratamento Variável Arado 0-20 cm 5,6 a Plantio direto 0-10 cm 5,4 a Plantio direto 0-20 cm 5,1 b Plantio direto 5-20 cm 5,1b Plantio direto 10-20 cm 5,2 b
  24. 24. RECOMENDAÇÕESQue cada amostra simples tenha o mesmo volume e amistura seja a mais homogênea possível e coletada àmesma profundidade.Variabilidade> Plantio direto> Solos Argilosos> Solos AluviaisRecomenda-se que os pontos de coleta sejamdistribuídos percorrendo-se a gleba em ziguezague.
  25. 25. Evitar acidentes na área como estradas, formigueiro,cupinzeiro, locais de queimada e deposito de fezes empastagens.Remover resíduos vegetais sobre o soloFreqüência da amostragem (1 a 4 anos)Existe menor variabilidade entre amostras obtidas acurta distância entre si.Amostragem: culturas anuais fruteiras
  26. 26. Trado: perda da camada superficial (1 a 2 cm)Pá de corte é a mais indicada para a amostragem desolo no sistema plantio direto.Pá de corte: Fatia de solo de 3-5 cm de espessura e7-10 cm de largura
  27. 27. Tabela 13. Coeficiente de variação para diferentes equipamentos emlavouras no sistema plantio direto com diferentes modos de adubação.Modo de adubação Equipamento coleta Coeficiente de variação (%)Lanço Trado de rosca 47 Pá de corte 33Linha Trado de rosca 67 Pá de corte 33Fonte: Schindwein & Anghinoni (2002)
  28. 28. OBRIGADOPedro Marques da SilveiraEmbrapa Arroz e Feijãopmarques@cnpaf.embrapa.br(62) 3533-2179 / 9633-4566

×