DENDÊ EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NA        AGRICULTURA FAMILIAREXPERIÊNCIAS COM INTERCULTIVOS EM DENDEZAIS NA             ...
DIVERSIDADE DE OLEAGINOSAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NA BAHIA
Dendê – Produção Agrícola/Territórios – Ano 2007                        Área colhida   Participação   Produção de   Partic...
RENDIMENTO EM ÓLEO COM BASE NA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA                 Potencial                                         ...
CARACTERÍSTICAS DAS PROGÊNIES DURA DELI, DURA DUMPY, TENERA EXISTENTES  NO GERMOPLASMA DA CEPLAC E DURA            SUBESPO...
Rendimentos Comparativos                                 Dura (t)       Tenera (t)Peso do cacho                      10   ...
PARTES DO FRUTO DE ONDE SE EXTRAEM    OS       ÓLEOS DE DENDÊ E PALMISTE                               palmistepolpaFonte:...
Produções anuais de cachos de dendê              Tratamentos                                                              ...
Produtividade total (t/ha) em experimentos de renovação sob                         dendezais velhos  Sistema          Pal...
Projeto – Estudo de Viabilidade Agroindustrial eEconômica da Produção de Biodiesel a Partir doÓleo de Dendê na Região Sul ...
Distribuição espacial dos cultivos dentro do bloco de renovação gradual com intercultivos
CONSIDERAÇÕES FINAIS• A agricultura familiar dispõe de espaço          físico   para   a  modernização da atividade dendeí...
PRENSA MANUAL HIDRÁULICA
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo

598 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
598
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - Experências com intercultivos em dendezais na Bahia - José Roberto Vieira de Melo

  1. 1. DENDÊ EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NA AGRICULTURA FAMILIAREXPERIÊNCIAS COM INTERCULTIVOS EM DENDEZAIS NA BAHIA JOSÉ ROBERTO VIEIRA DE MELO Belém – PA, nov/2011
  2. 2. DIVERSIDADE DE OLEAGINOSAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NA BAHIA
  3. 3. Dendê – Produção Agrícola/Territórios – Ano 2007 Área colhida Participação Produção de Participação Territórios (ha) (%) cachos (t) (%)Recôncavo 830 1,57 4.122 2,02Baixo Sul 48.853 92,31 180.792 88,72Litoral Sul 2.846 5,38 17.240 8,46Extremo Sul 372 0,70 1.536 0,75Médio Rio de 28 - 114 -ContasEstado da Bahia 52.922 100 203.773 100 Fonte: IBGE-PAM 2009
  4. 4. RENDIMENTO EM ÓLEO COM BASE NA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA Potencial Classes de rendimento PMST (t/ha/ano) Rendimento em óleo (t/ha/ano) Rendimento teórico máximo 44 18.5 Teorico Melhores rendimentos experimentais: Melhores plantas individuais 12.2 Genético Progenies selecionadas 10.0 Melhores parcelas/ano 39 8.6 Agronömico Bons rendimentos comerciais: Malasia, solos litorâneos 32 5.0-6.0 Rendimento médio nacional: Malásia-plantios comerciais 20 3.7 climática Zona Nigeria-plantios comerciais 20 1.6-2.0 Domesticação Nigeria-plantas nativas 0.2 n Fonte: Henson (1991) e Corley (1998)
  5. 5. CARACTERÍSTICAS DAS PROGÊNIES DURA DELI, DURA DUMPY, TENERA EXISTENTES NO GERMOPLASMA DA CEPLAC E DURA SUBESPONTÂNEO PROGÊNIES PMF MF CF AF OMSDURA DELI 15,7 63,5 28,8 7,8 71,1DURA DUMPY 14,9 63,5 28,6 8,2 72,0TENERA 13,4 87,6 5,7 6,6 72,2SUBESPONTÂNEO 12,0 51,2 38,5 10,5 71,0PMF = peso médio do fruto (g), MF = mesocarpo do fruto (%), CF = casca do fruto(%), AF = amêndoa do fruto (%) e OMS = óleo no mesocarpo seco do fruto (%).
  6. 6. Rendimentos Comparativos Dura (t) Tenera (t)Peso do cacho 10 10Peso dos frutos 6 6Mesocarpo no fruto 1,8 4,8Rendimento de óleo 1 2Área (ha) 4 0,5
  7. 7. PARTES DO FRUTO DE ONDE SE EXTRAEM OS ÓLEOS DE DENDÊ E PALMISTE palmistepolpaFonte: Jonas de Souza, 2004
  8. 8. Produções anuais de cachos de dendê Tratamentos Anos Média N P2O5 K2O 5º 6º 7º 8º Kg/ha t/ha 0 0 0 4,2 5,5 6,4 11,5 6,9 60 0 120 6,3 5,6 7,8 11,4 7,8 60 60 0 11,7 8,8 14,3 17,0 12,9 0 60 120 11,3 7,9 10,7 17,5 11,8 60 60 120 13,3 8,9 12,5 21,9 14,2 60 60 240 12,4 6,9 12,6 15,9 11,9 120 60 120 9,6 8,2 13,1 17,3 12,1 60 120 120 10,5 8,1 11,7 20,4 12,7 60 60 120(1) 11,6 9,1 17,3 20,3 14,6 60 60 120(2) 12,8 7,5 14,7 18,0 13,3 60 60 120(3) 13,5 8,9 14,9 19,6 14,2 60 60 120(4) 11,2 7,3 10,8 17,9 11,8 DMS 5% 3,0 2,8 2,8 5,8 1,6C.V. % 29,7 29,3 28,9 26,1 30,8 (1)60 kg/ha de MgO/ano (2)60 kg/ha de MgO/ano + 20 kg/ha de fritas (FTE) BR-8 bianualmente. (3)20 kg/ha de fritas (FTE) BR 8 bianualmente (4)1.000 kg/há de calcário dolomítico em 1976 D.M.S.: diferença mínima significativa pelo teste de Tukey Fonte: Chepote, R. bras. Ci. Solo, 12:257-262, 1988
  9. 9. Produtividade total (t/ha) em experimentos de renovação sob dendezais velhos Sistema Palmas Palmas novas Total de velhasintercultivo 1953/56 53/56 59/60 60/61 61/62 62/63 1953/63 3/3 - 24,5 11,9 8,9 12,5 13,1 70,9 2/3 2,8 19,5 10,8 9,3 11,4 12,5 66,3 1/3 9,8 18,3 11,1 10,1 12,2 13.2 74,7 0/3 17,2 12,7 9,6 9,6 12,1 13,0 74,23/3 – eliminação de 100% na época do plantio; 2/3 – eliminação de 2/3 no plantio e 1/3 12meses após; 1/3 – eliminação de 1/3 no plantio, 1/3 12 meses após o plantio e 1/3 aos 24meses após o plantio; e 0/3 – eliminação de 1/3 aos 12 meses, 1/3 aos 24 meses e 1/3 aos 36meses.
  10. 10. Projeto – Estudo de Viabilidade Agroindustrial eEconômica da Produção de Biodiesel a Partir doÓleo de Dendê na Região Sul da Bahia
  11. 11. Distribuição espacial dos cultivos dentro do bloco de renovação gradual com intercultivos
  12. 12. CONSIDERAÇÕES FINAIS• A agricultura familiar dispõe de espaço físico para a modernização da atividade dendeícola.• Os dendezais subespontâneos devem ser renovados gradualmente, utilizando-se intercultivos temporários (abacaxí ou mandioca) ou permanentes (cacau ou cupuaçu).• O repovoamento vegetal com dendezeiros facilitaria a instalação de intercultivos no período de imaturidade produtiva do dendezal.• A tradição no cultivo e a oportunidade atual levará a agricultura familiar a ter um papel importante no estabelecimento de SAFs com dendê.
  13. 13. PRENSA MANUAL HIDRÁULICA

×