Guia Essencial de EPIs

64 visualizações

Publicada em

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) são dispositivos que são empregados
com o intuito de proteger o usuário contra os riscos de saúde e manter sua
integridade física e mental nos espaços laborais. Os EPIs diminuem os riscos ou
os eliminam por completo, a depender de cada caso e da área a ser protegida. Por
conta disso, reúnem um grande número de artigos, como aventais, máscaras,
capacetes, botas, protetores de ouvido, respiradores, luvas, mangotes, uniformes,
cintos de segurança, vestuário de alta visibilidade, etc.
Tornar o ambiente de trabalho seguro é algo de alta importância para o empregador
porque ele consegue conservar a saúde e o bem-estar de seus funcionários,
conquistando o respeito e mais apoio dentro de sua empresa ou indústria. A produtividade
vai continuar em boa escala, já que os serviços não serão interrompidos
por conta de vários acidentes ou eventos danosos à equipe. Futuramente, o
empresário também não terá que se deparar com reclamações trabalhistas que
reivindiquem indenizações por danos e lesões de seus ex-empregados. E vale ainda
ter em mente que a legislação brasileira impõe ao empregador o dever do fornecimento
e fiscalização do bom uso dos EPIs a seus funcionários.
O fornecimento dos EPIs abrange — para o empregador — o suprimento de instruções
de como usá-los, os procedimentos de manuseio e manutenção, o treinamento
da equipe, a supervisão para incentivar as pessoas a trabalharem de forma
segura e responsável e as boas práticas de estocagem dos equipamentos. Por
isso, o empregador deve se inteirar sobre a legislação que trata desse assunto,
sobre os tipos de EPIs e o que fazer para selecionar os dispositivos ideais para
reduzir ou cortar os riscos nos locais de trabalho em seu negócio.
Veja neste e-book informações sobre Legislação, Categorias de Produtos e as melhores
práticas para a Compra de EPIs e garanta a segurança dos colaboradores
de sua empresa e o bom cumprimento da legislação

Publicada em: Vendas
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
64
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guia Essencial de EPIs

  1. 1. Legislação | Categorias | Compra eficiente Guia Essencial de EPIs
  2. 2. 2 Introdução ...................................................... 3 Legislação ......................................................4 Categorias ...................................................... 6 Proteção dos Olhos ............................................ 8 Proteção de Cabeça ........................................... 9 Proteção Respiratória ........................................ 10 Proteção Auditiva ................................................. 11 Proteção de Tronco ............................................ 12 Proteção de Mãos e Braços .......................... 13 Proteção de Pés e Pernas ............................... 14 Como escolher o EPI ideal .................... 16 Conclusão ...................................................... 18 Quem Somos ............................................... 20 Sumário
  3. 3. 3 Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) são dispositivos que são empre- gados com o intuito de proteger o usuário contra os riscos de saúde e manter sua integridade física e mental nos espaços laborais. Os EPIs diminuem os riscos ou os eliminam por completo, a depender de cada caso e da área a ser protegida. Por conta disso, reúnem um grande número de artigos, como aventais, máscaras, capacetes, botas, protetores de ouvido, respiradores, luvas, mangotes, uniformes, cintos de segurança, vestuário de alta visibilidade, etc. Tornar o ambiente de trabalho seguro é algo de alta importância para o emprega- dor porque ele consegue conservar a saúde e o bem-estar de seus funcionários, conquistando o respeito e mais apoio dentro de sua empresa ou indústria. A pro- dutividade vai continuar em boa escala, já que os serviços não serão interrompi- dos por conta de vários acidentes ou eventos danosos à equipe. Futuramente, o empresário também não terá que se deparar com reclamações trabalhistas que reivindiquem indenizações por danos e lesões de seus ex-empregados. E vale ain- da ter em mente que a legislação brasileira impõe ao empregador o dever do for- necimento e fiscalização do bom uso dos EPIs a seus funcionários. O fornecimento dos EPIs abrange — para o empregador — o suprimento de ins- truções de como usá-los, os procedimentos de manuseio e manutenção, o treina- mento da equipe, a supervisão para incentivar as pessoas a trabalharem de forma segura e responsável e as boas práticas de estocagem dos equipamentos. Por isso, o empregador deve se inteirar sobre a legislação que trata desse assunto, sobre os tipos de EPIs e o que fazer para selecionar os dispositivos ideais para reduzir ou cortar os riscos nos locais de trabalho em seu negócio. Veja neste e-book informações sobre Legislação, Categorias de Produtos e as me- lhores práticas para a Compra de EPIs e garanta a segurança dos colaboradores de sua empresa e o bom cumprimento da legislação. Boa leitura! Introdução
  4. 4. 4 Legislação
  5. 5. 5 Além disso, a disciplina mais relevante que trata do tema está nas Normas Regu- lamentadoras nº 6 e 9. Essa última refere-se ao Programa de Prevenção de Ris- cos Ambientais, apontando o uso de EPIs como uma das medidas protetivas em questão. Mas a NR 6 é a principal legislação sobre a utilização do EPI, indicando todos os pontos decisivos sobre sua aplicação, exigências e responsabilidades de cada parte envolvida nessa utilização. De qualquer forma, é conveniente lembrar que os EPIs só devem ser necessários se houver a comprovação de que não será possível a adoção de medidas de pro- teção coletiva (EPCs), a fim de controlar ou suprimir os riscos nos espaços de tra- balhos. Assim é que vai-se passar à seleção do EPI mais adequado tecnicamente ao risco que o trabalhador está exposto e à sua atividade, levando em conta vários aspectos, mas, sobretudo, o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido pelo dispositivo — segundo opinião do próprio usuário. Art. 166 — A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamentos de pro- teção individual adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes e danos à saúde dos empregados. Art. 167 — O equipamento de proteção só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação do Ministério do Trabalho. A legislação brasileira começa a falar sobre EPIs já na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), indicando a obrigatoriedade de a empresa fornecer os equipamen- tos de forma gratuita aos trabalhadores e certos parâmetros de qualidade para os dispositivos, mediante Certificado de Aprovação (CA) emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Veja o que diz os artigos 166 e 167 da CLT, reportados a seguir: Legislação
  6. 6. 6 Categorias
  7. 7. 7 Categorias de EPIs Mesmo que as empresas apliquem controles de engenharia e processos de tra- balho seguros, alguns perigos podem permanecer no ambiente profissional. Al- guns fatores podem afetar os trabalhadores em certos órgãos vitais, como os pulmões (ao respirar ar contaminado), os olhos (a partir do contato com partículas ou salpicos de líquidos corrosivos), a cabeça (por meio das quedas de materiais diversos), a pele e o tronco (por conta da exposição ao calor, frio ou aos agentes de alguma forma danosos à saúde), e assim por diante. Os EPIs, portanto, são categorizados conforme as áreas que visam proteger e quanto aos riscos que esperam afastar, o que determina, para cada agente, um formato e material diferente. É assim que existirão diversos itens para a proteção da cabeça, do tronco, dos olhos, de ouvidos, o resguardo respiratório, mãos e bra- ços, pernas e pés, ou até contra quedas em altura. Que tal ver alguns exemplos nesse sentido, para que você possa conhecer um pouco melhor os EPIs?
  8. 8. 8 Nesse caso, podem ser usados os óculos de segurança, máscaras de Soldador, escudos faciais e as viseiras. Esses EPIs têm como objetivos principais a proteção contra respingos dos produtos químicos e metal fundido, poeira, projéteis, gás e vapor, radiação, entre outros agentes. Quem for escolher o EPI deve se certificar que seu material de fabricação apresenta a combinação certa para resistir aos impactos e se encaixar aos usuários adequadamente. Proteção dos Olhos
  9. 9. 9 As opções de EPIs para a proteção dessa área vital do corpo humano são feitas para protegê-la contra impactos de instrumentos pontiagudos ou robustos, que- da de objetos, além de impedir que os cabelos possam se emaranhar em certos locais e máquinas. Os capacetes ou as boinas de proteção acabam protegendo também parte do rosto e ombros, que estiverem, por acaso, no caminho dos agentes e itens em queda. Alguns capacetes podem incorporar certos tipos de viseiras ou proteção auditiva, mas o trabalhador deve adicionar lenços no pesco- ço ou outros tipos de proteção quando forem operar serviços com solda e alguns materiais químicos, por exemplo. Proteção de Cabeça
  10. 10. 10 Existem grandes problemas quando os trabalhadores respiram poeiras miúdas, vapores tóxicos e gases, ou ficam expostos por longo período a ambientes onde exista pouco oxigênio. Então, os EPIs que oferecem resguardo para a respiração podem passar desde as máscaras simples e descartáveis até os respiradores de meia face ou face inteira. Deve-se ficar atento, porque há respiradores eficazes apenas para uma gama limitada de substâncias. O cilindro que contém o oxigênio deve ser checado sempre nos casos quando esse EPI deverá ser empregado, porque a falta de oxigênio pode levar à perda mo- mentânea de consciência e a outros problemas mais graves posteriormente. Se a indicação for o uso de respiradores com filtros, deve-se ter em mente que esses materiais têm vida limitada. Busque as orientações do fabricante para saber o melhor momento para substituir tais peças e cumprir a reposição mais adequada. Proteção Respiratória
  11. 11. 11 Os mais conhecidos EPIs para a proteção da audição são os abafadores de ruídos e os tampões. Esses protetores auriculares são importantes para que não haja surdez progressiva quando os trabalhadores estão invariavelmente em contato com máquinas que produzem ruídos em altos decibéis. Proteção Auditiva
  12. 12. 12 Os perigos que podem determinar os EPIs para proteção de tronco são varia- dos: a exposição a temperaturas extremas (calor e frio), respingos de metal fundido e agentes químicos, a chance de ter contato com sprays nocivos ou vazamentos de materiais prejudiciais à saúde humana, poeira contaminada, adversidades climáticas, e muitas outras circunstâncias. Por isso a necessi- dade do bom uso de macacões convencionais ou descartáveis, aventais ou roupas com sinais de alta visibilidade. A escolha de materiais pode incluir retardadores de chama, antiestática, cota de malha, tecido impermeável, coletes salva-vidas e outros apetrechos de se- gurança e precaução. É importante que o equipamento seja do tamanho ade- quado para a pessoa que vai utilizá-lo, de modo que se mantenha confortável durante o trabalho. Proteção de Tronco
  13. 13. 13 Nesse caso, há diversos tipos de luvas que podem cobrir apenas as mãos do usuário ou seguir até seus antebraços, além de alguns tipos de mangotes de res- guardo. Os trabalhadores irão usar esses dispositivos para se proteger de agen- tes abrasivos, temperaturas extremas, cortes e perfurações, impactos, produtos químicos, choques elétricos, infecções cutâneas, contágio de doenças e outros casos. O tipo de risco vai estabelecer, sobretudo, o material da luva e do mangote, que podem ser feitos de PVC, látex, Raspa, Vaqueta, algodão, entre outros materiais. Isso vai depender também da destreza e da habilidade a ser desenvolvida na ativi- dade, se é o manuseio meticuloso de materiais, carregamentos de itens pesados ou a operação com máquinas, por exemplo. É importante dizer que os cremes de proteção não são confiáveis para substituir essa categoria de EPIs. Proteção de Mãos e Braços
  14. 14. 14 O uso de botas, coturnos e outros calçados podem evitar enormes problemas nos espaços de trabalho. Os usuários podem evitar escorregões e topadas, cortes e perfurações. Ficarão mais protegidos também de pisos molhados, eletrostática, queda de objetos, produtos abrasivos e respingos de metais fun- didos e substâncias químicas. Os calçados podem ser feitos de va- riados materiais e ter ou não biquei- ra de metal na ponta. Além disso, o usuário poderá usar também meias grossas, polainas, legging e outras formas de ampliar a proteção. Isso depende das diferentes condições às quais o trabalhador estará exposto. Além de saber quais os EPIs necessá- rios, você deve proporcionar o melhor treinamento à sua equipe, veja algu- mas dicas: Proteção de Pés e Pernas
  15. 15. 15 • Certifique-se de que a trabalhador que for utilizar o EPI tenha consciência de por que tal dispositivo é ne- cessário, quando usar, como seria sua reparação ou substituição, além de saber identificar as falhas para solicitar uma solução; • Treine e instrua os colaboradores a usarem o EPI corretamente e veja se eles estão fazendo isso do modo certo, incluindo os gerentes e supervisores na formação dos trabalhadores; • É importante que os usuários estejam com seus EPIs ao longo de todo o tempo em que estão expos- tos ao risco, o que significa que não se devem permi- tir isenções ou regalias por “apenas alguns minutos”; • Verifique regularmente se o EPI está sendo usado e investigue os incidentes que dificultam ou tornam desconfortáveis seu uso, e tente resolvê-los; • Coloque sinalizações e avisos para lembrar o uso dos EPIs naqueles lugares onde eles são obrigatórios; • Analise se o EPI está sendo bem cuidado e devi- damente guardado quando não está em uso, a fim de mantê-los conservados e limpos por mais tempo, seguindo sempre as recomendações do fabricante; • Conte com o apoio de bons fornecedores de ma- teriais e EPIs na hora de substituí-los, a fim de que as peças de reposição coincidam em qualidade com as outras que tem na empresa. Proteção de Pés e Pernas
  16. 16. 16 A escolha
  17. 17. 17 Como escolher o EPI ideal No momento de escolher os EPIs mais adequados para sua empresa, dois crité- rios básicos têm que ser levados em conta: o grau de proteção exigido e a adequa- ção do dispositivo à situação com a qual se depara, o que incluirá fatores como praticidade de uso e custo de manutenção, por exemplo. A quantidade de EPIs pode variar conforme o tamanho de sua equipe, mas, prin- cipalmente, de acordo com a rotatividade das peças e itens ao longo de um perío- do determinado. É importante fazer esses cálculos com muita calma, para fazer encomendas significativas e suficientes. Estude de forma minuciosa os perigos que rondam os espaços laborais em sua empresa ou indústria e, a partir desses mapas de riscos, determine quais são os EPIs mais adequados para a proteção dos seus trabalhadores. E não se esqueça, quando for selecionar os EPIs: • Escolha os produtos de boa qualidade e que estejam garantidos pelo INME- TRO e autorizados com o Certificado de Aprovação (CA) emitido pelo Ministé- rio do Trabalho e Emprego (MTE); • Selecione o equipamento que combina com o usuário, considerando-se o ta- manho, formato e peso, além das particularidades do trabalhador; • Permita que os funcionários ajudem a escolher os EPIs — o que os fará mais propensos a usá-los; • Peça orientações para seu Técnico de Segurança do Trabalho ou outros pro- fissionais que te atendam nessas questões dentro de sua empresa.
  18. 18. 18 Conclusão
  19. 19. 19 O que podemos concluir Se você se antecipar e começar, desde já, a escolher os EPIs adequados ao seu pessoal e aos riscos inerentes à atividade que sua empresa exerce, você poderá estar impedindo vários problemas legais e várias dores de cabeça no futuro. Há um grupo de EPIs mais indicado para cada modelo de empresa, cada atividade, tipo de risco e cada área do corpo a ser protegida. Por isso, é essencial pesquisar, tirar dúvidas e avaliar todas as opções disponíveis no mercado. Com os equipamentos certos e de qualidade assegurada, você vai proteger seus funcionários e manter a sua empresa em dia com a legislação. Conte conosco para o que for preciso. Um grande abraço e fique conosco! Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
  20. 20. 20 Quem Somos Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta Uma indústria que atua desde 1998 no mercado de EPIs de Raspa e Vaqueta de Couro Bovino e possuímos uma estrutura sólida e confiável, constituída por pro- fissionais experientes e com know how de quem realmente conhece as necessi- dades e particularidades dos mercados que utilizam nosso tipo de matéria prima. Produzimos Aventais de Raspa e Vaqueta, Blusão de Raspa, Calça de Raspa, Ca- puz de Raspa, Luvas de Raspa e Vaqueta, Mangote de Raspa, Manta de Raspa, Ombreira de Raspa e Perneira de Raspa e nossos produtos são encontrados em mais de 1.100 pontos de venda em todo território nacional. Buscamos oferecer sempre a melhor relação custo/benefício em todas as nossas operações. Estamos acompanhando as tendências mundiais e isso nos ajuda na entrega de valor para você, nossa verdadeira razão de existir. E não só apenas tendências do mercado de EPIs, mas tendências corporativas, de vendas e de marketing, ele- mentos essenciais para o setor. Este e-book é parte da nossa estratégia de entregar conteúdo relevante de alto nível de informação e conhecimento e tem como objetivo influenciar o sucesso de nosso público, ou seja, Você. É nesse contexto que convidamos Você a estar junto com a gente! Faça parte dessa Revolução no Mercado de EPIs! Cliqueaquieassine nossoBlog Acompanhe-nosnasRedesSociais FaleConosco
  21. 21. 21 Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta Rua Heráclito Lacerda, 663, Jardim Nova Bocaina 17240-000 – Bocaina – SP Tel.: (14) 3666.2046 – Fax: (14) 3666.3563 contato@zanel.com.br agênciacomunica360 InboundMarketing•AutomaçãodeVendas

×