Sociedade e Cultura

1.734 visualizações

Publicada em

Sociedade e Cultura no século XX

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.734
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
525
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociedade e Cultura

  1. 1. • Vivia-se em paz; • Grandes progressos na economia; • Desenvolvimento urbano; • Grandes progressos técnicos. Pág. 57 – doc. 3
  2. 2. • Em 1848 reúne a primeira Convenção dos Direitos das Mulheres, em Nova Iorque. • Este movimento americano terminou com a aprovação pelo Congresso Americano em 1919 da Emenda à Constituição que concedia o direito de voto independentemente da raça e do sexo. : • Após um longo período de opressão e discriminação, a passagem do século XIX para o XX ficou marcada pelo recrudescimento do movimento feminista, o qual ganharia voz e representatividade política mais tarde em todo o mundo na luta pelos direitos das mulheres, dentre eles o direito ao voto.
  3. 3. • As décadas de 20 e 30 iriam trazer uma mulher mais destemida e que luta pela sua autonomia: saiu de casa e substituiu os homens nas fábricas, na liderança da casa… • Em Portugal, a primeira mulher a votar foi Carolina Beatriz Ângelo, em 1911. • O direito de voto é alcançado: • Na Austrália em 1901; • Na Finlândia em 1906; • Na Rússia em 1917; • Na Alemanha em 1918; • Na França em 1945….
  4. 4. • A emancipação da mulher também teve reflexos no traje e na moda. A bainha das saias subiu até aos joelhos; as saias passaram a ser justas (travadas); os soutiens substituíram os espartilhos e o corte de cabelo curto (com ondulação permanente e penteado “à garçonne”) vulgarizou-se. • Consciente da sua importância económica, a mulher reivindica direitos iguais aos do homem. • A sua vida e comportamentos alteram-se: sai à noite, bebe, fuma, conduz e até… pilota aviões.
  5. 5. • A Cultura de massas aborda os temas de modo superficial, não exigindo muita capacidade intelectual. • Destinada a ocupar os tempos livres de grande parte da população, é: • dirigida à maioria da população; • difundida pelos mass media; • pretende ser um meio de fuga aos problemas (desejo de evasão); • Recorre à publicidade e à propaganda.
  6. 6. • Embora fosse uma invenção antiga, a imprensa beneficia com o desenvolvimento tecnológico. • Aumenta o número de jornais e revistas, acessíveis a todos. • As notícias, os folhetins e as crónicas atraem o público. • Este desenvolvimento permite o crescimento de um novo tipo de literatura, desde a banda desenhada ao romance policial.
  7. 7. • Dado não exigir conhecimentos de leitura e escrita, a rádio contribuiu para reduzir os conhecimentos entre pessoas instruídas e não instruídas. • A transmissão de música, discursos e durante a 1ª Grande Guerra, de importantes mensagens, mostrou as potencialidades desta nova forma comunicativa.
  8. 8. • O primeiro programa radiofónico foi transmitido em 1906, nos EUA. • A verdadeira expansão da rádio, no entanto, acontece em 1920 e em 1922 existiam já mais de 500 rádios. • Destacam-se as grandes emissoras: NBS (1926); CBS (1929) e BBC (1927). • Em Portugal surge em 1931 o Rádio Clube Português e em 1935 a Emissora Nacional. • A rádio transmitia de tudo: notícias, tempo, música, publicidade… até novelas.
  9. 9. • Inventado em 1895 pelos irmãos Lumiére, tornou-se a “grande fuga ao real”. • Até 1927, com o filme The Jazz Singer, os filmes eram mudos, acompanhados por um pianista. • Inicialmente destinado a um público popular, que aí encontrava forma de esquecer os seus problemas pessoais em breve despertaria uma fascinante atracão sobre o público em geral. • No início as projeções eram mudas, mas depressa a evolução técnica dotou o cinema da sonoridade que lhe daria o triunfo definitivo, como fonte de aventura, romance e diversão.
  10. 10. • Para além das funções de entretenimento, aventura e sonho cedo os estados o tomaram como forma de transmissão de propaganda e impregnação ideológica. Torna-se também um poderoso meio de difusão de modelos socioculturais. • A ida ao cinema representava para os espectadores: • a fuga ao quotidiano; • a fascinação pela imagem; • a atracão pelo filme e seu significado cultural. • Opera-se assim através do cinema uma uniformização social do sonho. • Em Portugal, tal como os outros meios de comunicação também o cinema foi utilizado como instrumentalização política, onde a censura atuava de forma constante.
  11. 11. • Foi na década de 20 que se iniciaram as verdadeiras mega produções, com filmes como Ben-Hur nos EUA, Couraçado Potemkin na URSS. • Em Portugal são várias as produções, na sua maioria pela mão de estrangeiros. No entanto, o desenvolvimento da Ditadura acaba por atribuir aos filmes dos anos 20 a 50 um carácter muito próprio e nacionalista.
  12. 12. • A música globaliza-se, com a descoberta da rádio e a invenção dos discos. • Os Jogos Olímpicos tornam-se no verdadeiro exemplo do desporto mundial. • O futebol e o automobilismo transforma-se em verdadeiros desportos de massas….
  13. 13. • No séc. XX, o desporto tornou-se o espetáculo favorito das grandes multidões, em parte graças à recuperação dos Jogos Olímpicos pelo Barão de Cobertain (1896 – Atenas). • O desporto torna-se o escape perfeito para libertar tensões, incluindo as sociais. • A cobertura dada pela imprensa aos grandes acontecimentos desportivos, transforma-os também, num fenómeno de massas. • Tal como na antiguidade, distinguir-se pela sua capacidade desportiva, torna-se uma forma de distinção social. • Os desportistas são verdadeiros ídolos da população.
  14. 14. • Cresceu o sentimento de que a literatura e a arte tinham uma missão social a cumprir. • A Depressão económica produzida pelos excessos do capitalismo liberal proporcionou novas motivações e novos temas: as temáticas psicológicas ligadas à vida interior eram agora desinteressantes para os escritores dos anos 30. • A literatura passa a associar as preocupações com os novos problemas sociais e políticos: • os protagonistas tornam-se tipos sociais. • o tema fundamental era a luta entre pobres e ricos. • Destacam-se escritores como Marcel Proust ou Hemingway.
  15. 15. • Passou a haver a consciência de que a certeza era impossível, o que conduz a uma abandono do racionalismo, da certeza positivista e a adoção do relativismo e da incerteza, em que o conhecimento passou a ser subjetivo. • O Relativismo torna-se uma nova conceção de ciência, que aceita o mistério, a desordem, a probabilidade como partes integrantes do conhecimentos. • Abre-se caminho para novas possibilidades e com isso, para novas descobertas. • Na Medicina estudam-se as células, descobre-se a penicilina e a insulina… • Na química, Madame Curie é a primeira mulher a receber um Nobel.
  16. 16. • Max Planck provou que não é possível obter-se um conhecimento exato das partículas de matéria, sendo impossível prever o que irá acontecer; • Shrodinger teoriza a equação que conduz ao desenvolvimento da Física Quântica; • Rutherford descobre o átomo; • Einstein deu início à teoria da relatividade, que negava a característica absoluta do espaço e do tempo, afirmando que dependiam um do outro, eram relativos. • Estabelece-se a teoria do big bang e da formação da terra.
  17. 17. • As Ciências Humanas também conhecem avanços, desde a Nova História à Psicanálise de Freud. • Método de pesquisa que incide na análise de sonhos e de pensamentos, a psicanálise defende que os comportamentos humanos são comandados por impulsos inconscientes, que resultam da história de vida do individuo. • Segundo Freud, a psique humana estrutura-se em três níveis distintos: • O consciente (Ego) – pequena parte da mente; • O subsconsciente (Superego) – inibidor do ego com sentimentos de culpa (sexo, sonhos, religião) que podem passar para o consciente; • O inconsciente (Id) – zona obscura, irracional, na mente humana, que o indivíduo não controla e da qual não tem consciência, mas que se manifesta, no comportamento.
  18. 18. • Influência das novas conceções científicas, também a arte e a literatura se transformam. É a época do modernismo, rompimento com a arte tradicional.
  19. 19. Temática: a prostituição, a miséria, o medo, a angústia e a revolta, o drama interior do homem. A sua função primária era denunciar ou criticar estas situações. Principais autores: Van Gogh e Edward Munch foram os precursores. Outros autores foram Auguste Macke ou Otto Dix Características: • Deformação intencional das imagens visuais, • Apresentação de um mundo dramático e apaixonado. • Em França o expressionismo não teve grande projeção.
  20. 20. Contexto: Desenvolve-se em França, em paralelo com o expressionismo. Temática: variada, retratos, paisagens... Principais autores: Matisse, Derain, Braque, Vlaminck e Dufy Características: Adopção de uma paleta impressionista na qual associavam a cor à luz, de uma forma quase agressiva. Para Matisse, seria a "perspetiva do sentimento", nas quais os planos se aproximavam. Realce dos contornos com traços negros, desligando a cor da própria figura.
  21. 21. Contexto: A primeira manifestação cubista ocorre em 1907 com a obra "Les Demoiselles d'Avignon“. Temática: O homem e tudo o que o rodeia. Principais autores: desenvolvido por Picasso e Braque na primeira década do século XX. Características: Rutura com a forma tadicional de representação ilusória do objeto no espaço, rebatendo-o de forma a que as diferentes faces do seu volume possam ser mostradas simultaneamente. Desenho anguloso e geométrico, substituindo a tradicional técnica da perspetiva pela sensação de volume (formas volumétricas) dando uma sensação tridimensional.
  22. 22. Contexto: desenvolveu-se na Europa e nos Estados Unidos a partir de 1915. Temática: Este movimento constituiu uma reação contra as formas tradicionais de produção artística e contra o próprio sistema ainda ligado ao academismo e à produção objetual, de sentido mercantilista. Principais autores: Marcel Duchamp, Man Ray, Hanz Arp e Tristan Tzara. Características: Traduzindo o espírito coletivo de destruição, de angústia e de niilismo que a guerra imprimiu a muitos países do mundo, consistia no uso de objetos comuns e banais, retirados do seu contexto tradicional e então considerados arte.
  23. 23. Contexto: está intimamente ligado à teoria freudiana do inconsciente, que Breton estudara, e à sua técnica de «associação livre», de modo a iludir o controlo do consciente. Temática: O onírico, o irreal, o mundo dos sonhos. Principais autores: Joan Miró, Max Ernst, André Masson, Salvador Dali e René Magritte Características: tal como o dadaísmo, é um movimento que pretende substituir a realidade e a representação do mundo real, pela visão deformada, gerada no sonho e no inconsciente.
  24. 24. Contexto: a arte abstrata tem origem nas diversas reações ao Impressionismo e desenvolve-se entre 1913 e 1933. A primeira obra totalmente abstrata foi pintada por Kandinsky. Principais autores: Kandinsky, Piet Mondrian e Delaunay Características: liberdade da cor e do traço, enquadradas num entendimento filosófico e orgânico da pintura. Pretendia-se fazer com que as obras transcendessem a aparência do quotidiano, de modo a encontrar nelas uma realidade nova, oculta, mas profunda.
  25. 25. Contexto: O manifesto de Filippo Marinetti é a apologia do novo ritmo de vida dinâmica das máquinas, do trabalho. Marinetti dizia “o espaço e o tempo morreram ontem. Os elementos essenciais da nossa arte serão a coragem, a ousadia e a revolta”. Principais autores: Filippo Marinetti, Giacomo Balla Características: Exalta-se o movimento, a força e a velocidade.
  26. 26. • Primeira Geração – ORPHEU • Agitar, subverter, difundir as novidades europeias. • Incorporação das propostas das vanguardas. • Segunda Geração – PRESENÇA • Movimento mais crítico. • “arte pela arte”. • Terceira Geração – NEORREALISMO • Denunciar as injustiças sociais. • Apelo à consciência e luta de classes.
  27. 27. • Após as destruições da guerra, os Governos viram-se na necessidade de reerguer edifícios e de realojar os seus cidadãos. • Era necessária uma construção simples, barata e digna. • Surge o Funcionalismo: conjunto de soluções arquitetónicas inovadoras que marca o inicio de uma arquitetura verdadeiramente moderna. • Características do funcionalismo geral: • prioridade do plano urbanístico sobre o projeto arquitetónico, • rendibilização do terreno (quantidade e qualidade), • racionalização das formas arquitetónicas, • recurso à tecnologia industrial - progressiva industrialização de objetos da vida diária (ex. Montagem de cozinhas ou casas-de-banho). • conceção da arquitetura e da produção industrial qualificada como condicionantes do progresso social.
  28. 28. • Le Corbusier - arquiteto e pintor suíço - considerava a arquitetura o ponto de encontro entre a atividade do engenheiro e a poesia plástica do escultor. • Walter Gropius - alemão, pai da escola da Bauhaus, onde se ensinava também pintura e design. Escola muito ativa, tornou-se alvo dos nazis que a consideravam subversiva. O objetivo da Bauhaus era a obra de arte total. “o edifício no qual não existem quaisquer barreiras entre as artes estruturais e as artes decorativas”. • Segundo Walter Gropius a planta da obra não deve circunscrever-se num retângulo rígido. Deve fazer-se uma ligação entre o interior e o exterior. O edifício deve estar ligado diretamente ao terreno natural circundante. Privilegiam-se as paredes e os ângulos de vidro.
  29. 29. • Frank Lloyd Wright é o principal vulto deste movimento. Para ele, a construção devia fazer-se de dentro para fora. A casa devia ser um abrigo, lugar de recolhimento e meditação, espaço perfeitamente inserido na paisagem, mas isolado do meio ambiente de modo a que os seus habitantes não perdessem a intimidade (o exemplo perfeito é a casa da cascata). • Óscar Niemeyer, arquiteto brasileiro, segue estes princípios e realiza uma verdadeira revolução na arquitetura do seu país. • Adotou as linhas curvas, criando edifícios de grande beleza arquitetónica, mas totalmente distintas do traçado racional europeu e mesmo Norte Americano.

×