Autonomia de escola

1.017 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.017
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autonomia de escola

  1. 1. Autonomia de Escola Autonomia versus Heteronomia Independência Isolamento Completo poder Ausência total de qualquer dependência dos outros. Segundo Pinto (1998) o ser humano não é um ser isolado, mas sim intrinsecamente um ser de relação. É importante a inter-relação com os outros para que o aprendente possa assumir um maior controlo na sua aprendizagem. O aprendente não é independente ou pendente, mas sim interdependente. Barroso (1996B) diz nos que: Conceito de autonomia auto governo (onde os indivíduos regulam-se pelas suas próprias regras). “ A autonomia é também um conceito que exprime um certo grau de relatividade: somos mais, ou menos, autónomos; podemos ser autónomos em relação a umas coisas e não o ser em relação a outras. A autonomia é, por isso, uma maneira de gerir, orientar, as diversas dependências em que os indivíduos e os grupos se encontram no seu meio biológico ou social, de acordo com as suas próprias leis.” (Barroso, 1996B, p.17) Barroso (1995B) observa também que o conceito de autonomia de escola envolve duas dimensões; A Jurídico-administrativa que corresponde à competência que os órgãos da escola detêm para tomar decisões das áreas quer administrativa, pedagógica ou financeira. A outra dimensão é a Socio-organizacional, que consiste no jogo de dependência e interdependência que uma organização define no seu meio a sua identidade.
  2. 2. Macedo (1991) afirma que: Autonomia auto-organização. Sistema autónomo O autor refere que se houver uma auto-organização por parte da escola, ou seja, esta ao estruturar-se na realização de objectivos que define, o sistema irá diferenciar-se de outros sistemas com quem tem uma inter-relação, criando assim a sua própria identidade, formando assim um sistema autónomo. O decreto lei 43/89, refere que a autonomia da escola é concretizada através da elaboração de um projecto educativo dentro da escola, constituído e executado de forma participada. O projecto educativo de escola deve levar a escola a ser capaz de identificar-se e relacionar-se com o meio onde se encontra inserido. Assim (Madeira, 1995) “ o projecto educativo deve envolver um conjunto amplo de actores, contribuindo para identificar estas potencialidades e limites que se colocam à acção da escola e à intervenção da comunidade educativa”. Em suma: A autonomia de escola passa pela capacidade da mesma conseguir identificar-se através da sua organização e elaboração do seu projecto educativo de escola que permitirá se diferenciar daquilo que a envolve. Contudo esta capacidade de saber se diferenciar implica que seja capaz de se relacionar e interagir com o meio que a envolve. Autonomia não significa independência, mas sim interdependência. Segundo Barroso (1996C, p.19): “…a autonomia tem de partir da própria dinâmica da escola na construção da sua identidade. Assim, a concepção de autonomia de escola tem de ter em conta a diversidade, pois a transferência para as escolas não devem ser uniforme e decidida globalmente, mas deve ser adequada às diferentes situações existentes.” Fonte: http://rmoura.tripod.com/autonomia.htm Trabalho elaborado por: Catherine Barreto; Cezel Gonçalves e Simone Silva

×