O que é a gentrificação?
A alteração das dinâmicas da composição de um local,
através de novos comércios de estilo ou preç...
Como diagnosticar a
gentrificação?
1. Mudança econômica – Perda de moradia e comércio acessível
2. Mudança cultural – Perd...
O Caso do Rio de Janeiro
“É uma enorme alegria para a gente, poder
libertar áreas da cidade que estavam tomadas
pelo poder paralelo.”
-- Governador...
“É uma enorme alegria para a gente, poder
libertar áreas da cidade que estavam tomadas
pelo poder paralelo.”

Libertar áre...
O que está acontecendo, na prática?
E daí?
O que define todas as favelas?
1. Bairros que brotam a partir
de uma necessidade não
atendida por habitação
2. Sem regulam...
Qualidades de Desenvolvimento
“Estilo-Favela"
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Moradia acessível em áreas centrais
Moradia perto do tr...
“É um afronto à
arquitetura da
favela”
bit.ly/FavelaModelo
O Que Falta?
Educação
Saúde
Saneamento
Segurança
Segurança Fundiária
Formalização
Material e técnicas de construção
Capaci...
Começe aqui
Serviços
públicos
prestados ou
voltados para
o mercado,
pago por
consumidores

Segurança

Educação/
Capacitaç...
O que está de fato
Serviços
públicos
prestados ou
voltados para
o mercado,
pago por
consumidores

Segurança 
aumento de
a...
Remoção e
Gentrificação
IMPORTANTE!

Moradia à Preços Acessíveis
Em qualquer grande cidade do mundo pelo
menos 20-30% dos moradores não ganham o
s...
Cada Um do Seu Jeito
• Nova Iorque: 10% em moradia pública + política de
controle de alugúeis + novos prédios construídos ...
“De certa perspectiva, favelas como a
Providência, incubadoras históricas do
samba e do funk brasileiro, são verdadeiros
m...
O Potencial de se Criar uma
Cidade Singular
O Rio como exemplo de um urbanismo…
Criativo
Inclusivo
Sustentável
Como seriam...
“Aqui (temos) a
oportunidade de criar uma
experiência de vida para a
humanidade muito boa.”
Possíveis Ações
Informação
• Conscientização sobre processo de gentrificação e como tirar proveito/conduzir
• Educação fin...
“Temos que fazer com que o
morador não precise sair
daqui. Que ele possa ganhar
em cima deste movimento
de forma que não p...
Vozes de Moradores do Vidigal
“Vai melhorar isso aqui.
Mas quem vai estar aqui
para aproveitar?”
“Porque embargaram as obras
dos moradores, mas obras de
hotéis continuam?”
“O que será da identidade
deste lugar? Todo o sangue
que nós derramamos.
Literalmente.”
“A cultura é bem-vinda.
(Mas) até que ponto essa
troca está sendo positiva?”
“Era quase uma vila. Tinha
privacidade no local. Agora
pessoas entram filmando e
fotografando.”
“Minha esperança: Todo mundo
vai estar falando inglês ou
espanhol. Meu medo: Quem é
que vai estar aqui falando o inglês
ou...
“Nunca me imaginei saindo do
Vidigal. Eu amo o Vidigal.”
Não quero perder…
Contato humano. Localidade. Geografia.
Minha casa. Cosmopolita. Atividades para os
meus filhos. Os traba...
Como é que seria o
Rio se nós realmente
reconhecéssemos a
contribuição das
favelas—e seus
moradores—à cidade,
e apoiássemo...
O Rio pode servir de
exemplo para o
mundo. Um novo
padrão de integração
participativa.
Exatamente o legado
necessário com ...
Theresa Williamson
Comunidades Catalisadoras
theresa@comcat.org
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities

698 visualizações

Publicada em

Gentrificação e as Favelas Cariocas - apresentação por Theresa Williamson para o debate do OsteRio, 9 de dezembro de 2013 © Catalytic Communities

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Foreign Affairs 8-page add
  • A situaçãoficarátotalmenteinsustentável.
  • Favela nãoécoisa boa ouruim. Elaé o queé. Énossarealidade de habitaçãoàpreçoacessível.
  • It is this realization that led us to produce a film for Rio+20 entitled Favela as a Sustainable Model, to initiate this dialogueIt would be much more creative, cost-effective and empowering if resources were targeted to participatory integration. That would be an Olympic legacy to be proud of: Rio would offer a model to be applied around the globe. With U.N.-Habitat predicting that 3 billion people will live in slums by 2050, the world could use such leadership.
  • Gentrificação e as Favelas Cariocas - por Theresa Williamson para OsteRio © Catalytic Communities

    1. 1. O que é a gentrificação? A alteração das dinâmicas da composição de um local, através de novos comércios de estilo ou preço incompatíveis com a média do local, entrada de moradores com maior renda, ou investimentos públicos que valorizam a região. Tal valorização é seguida de um aumento de custo de aluguéis, bens e serviços, dificultando a permanência de antigos moradores de renda insuficiente para sua manutenção no local cuja realidade foi alterada.
    2. 2. Como diagnosticar a gentrificação? 1. Mudança econômica – Perda de moradia e comércio acessível 2. Mudança cultural – Perda da especificidade e caráter 3. Mudança social – Perda de valores comunitários
    3. 3. O Caso do Rio de Janeiro
    4. 4. “É uma enorme alegria para a gente, poder libertar áreas da cidade que estavam tomadas pelo poder paralelo.” -- Governador Sérgio Cabral
    5. 5. “É uma enorme alegria para a gente, poder libertar áreas da cidade que estavam tomadas pelo poder paralelo.” Libertar áreas? Mas para quem? E para quê?
    6. 6. O que está acontecendo, na prática?
    7. 7. E daí?
    8. 8. O que define todas as favelas? 1. Bairros que brotam a partir de uma necessidade não atendida por habitação 2. Sem regulamentação externa 3. Estabelecida pelos moradores 4. Evoluindo com base na cultura e no acesso a recursos, empregos, conhecimento e a cidade
    9. 9. Qualidades de Desenvolvimento “Estilo-Favela" • • • • • • • • • • Moradia acessível em áreas centrais Moradia perto do trabalho Baixa verticalidade, alta densidade Orientadas para pedestres Alto uso de bicicletas e transporte público “Uso misto” (moradia e comércio) Arquitetura orgânica Ação coletiva Incubadoras culturais Alta taxa de empreendorismo
    10. 10. “É um afronto à arquitetura da favela”
    11. 11. bit.ly/FavelaModelo
    12. 12. O Que Falta? Educação Saúde Saneamento Segurança Segurança Fundiária Formalização Material e técnicas de construção Capacitação para o trabalho Educação financeira Etc.
    13. 13. Começe aqui Serviços públicos prestados ou voltados para o mercado, pago por consumidores Segurança Educação/ Capacitação/ Creches / Emprego / Educ. Finan. Titulação (Fundo de Posso Coletiva) Formalização do comércio local Receita para Integração Serviços públicos prestados pelo governo, pagos através de impostos Saúde: Clinicas locais Objetivos: Concessionárias de serviços básicos: formalização e pagamentos progressivos Saneamento: esgoto, água, lixo Habitação: acesso à materiais de construção, técnicos 1. Assegurar que os moradores irão tirar proveito do desenvolvimento 2. Criar a capacidade de pagar e partilhar 3. Evitar exploração
    14. 14. O que está de fato Serviços públicos prestados ou voltados para o mercado, pago por consumidores Segurança  aumento de aluguel Concessionárias de serviços básicos: formalização e pagamentos progressivos Formalização do comércio local acontecendo? Serviços prestados pelo governo, através dos impostos pagos para os serviços públicos Moradia Receita para Gentrificação Saúde Conclusão… Educação/ Capacitação / Formação / Empregos / Ed. Financeira Titulação de terras (titulação individual definitiva) Saneamento: esgota, água e lixo O poder público está ativamente financiando a gentrificação nas favelas sob o pretexto de "combate à pobreza"
    15. 15. Remoção e Gentrificação
    16. 16. IMPORTANTE! Moradia à Preços Acessíveis Em qualquer grande cidade do mundo pelo menos 20-30% dos moradores não ganham o suficiente para pagarem moradia à preço de mercado. Como resultado, toda cidade bemsucedida do mundo desenvolve uma forma de responder à essa demanda obrigatória por moradia.
    17. 17. Cada Um do Seu Jeito • Nova Iorque: 10% em moradia pública + política de controle de alugúeis + novos prédios construídos com 20% das unidades para baixa-renda • Santiago: 20% moradores recebem subsídios para casa própria • Zurich: 30% da população mora em cooperativas • Londres: 24% recebe aluguel social, além da habitação pública (17% p/ Inglaterra) • Hong Kong: 49% da população mora em habitação pública • Singapura: 90% da população mora em habitação pública
    18. 18. “De certa perspectiva, favelas como a Providência, incubadoras históricas do samba e do funk brasileiro, são verdadeiros modelos do que Paes defende: são diversas, densas, organicamente desenvolvidas com habitações acessíveis -o oposto do Minha Casa Minha Vida.” – Michael Kimmelman
    19. 19. O Potencial de se Criar uma Cidade Singular O Rio como exemplo de um urbanismo… Criativo Inclusivo Sustentável Como seriam as favelas do Rio com investimento, justiça e criatividade?
    20. 20. “Aqui (temos) a oportunidade de criar uma experiência de vida para a humanidade muito boa.”
    21. 21. Possíveis Ações Informação • Conscientização sobre processo de gentrificação e como tirar proveito/conduzir • Educação financeira – preparando moradores para investirem, venderem, ou tirarem empréstimos com responsabilidade Exploração • Rede comunitária “Cama e Café” • Qualificação de mão de obra local – e.g. Guias locais, cursos de línguas • Proporcionar apoio para investimentos pelos próprios moradores – e.g. investimento em quartos para aluguel • Comércio local à preços acessíveis Proteção • Zoneamento mixto – comércio para várias faixas de renda • Estratégias de titulação coletiva – políticas que mantêm “favelas como moradia à preço acessível” • Promoção da cultura local – empregar ações afirmativas que caracterizam a população
    22. 22. “Temos que fazer com que o morador não precise sair daqui. Que ele possa ganhar em cima deste movimento de forma que não perca a identidade.”
    23. 23. Vozes de Moradores do Vidigal
    24. 24. “Vai melhorar isso aqui. Mas quem vai estar aqui para aproveitar?”
    25. 25. “Porque embargaram as obras dos moradores, mas obras de hotéis continuam?”
    26. 26. “O que será da identidade deste lugar? Todo o sangue que nós derramamos. Literalmente.”
    27. 27. “A cultura é bem-vinda. (Mas) até que ponto essa troca está sendo positiva?”
    28. 28. “Era quase uma vila. Tinha privacidade no local. Agora pessoas entram filmando e fotografando.”
    29. 29. “Minha esperança: Todo mundo vai estar falando inglês ou espanhol. Meu medo: Quem é que vai estar aqui falando o inglês ou espanhol?”
    30. 30. “Nunca me imaginei saindo do Vidigal. Eu amo o Vidigal.”
    31. 31. Não quero perder… Contato humano. Localidade. Geografia. Minha casa. Cosmopolita. Atividades para os meus filhos. Os trabalhos sociais. Convívio com vizinhos. Cultura popular e local – pagode, funk, a cervejinha. A identidade da favela. As relações sociais. A espacialidade. Relação forte de vizinhança. A localização. Minha história, minha identidade. Cultura de acolher “quem vem.” A paisagem. Sua essência. Amizade entre moradores. Poder visitar a orla, conviver com pessoas do mundo inteiro.
    32. 32. Como é que seria o Rio se nós realmente reconhecéssemos a contribuição das favelas—e seus moradores—à cidade, e apoiássemos seu futuro desenvolvimento de forma que honrasse o conhecimento e história de seus moradores? Fotos: Maria Buzanovsky
    33. 33. O Rio pode servir de exemplo para o mundo. Um novo padrão de integração participativa. Exatamente o legado necessário com a ONU prevendo 1/3 da humanidade em assentos informais até 2050.
    34. 34. Theresa Williamson Comunidades Catalisadoras theresa@comcat.org

    ×