Mesa redonda acolhimento institucional - Apresentada em 5ªCIPC

565 visualizações

Publicada em

Apresentação de parte dos resultados da dissertação sobre as políticas de identidade encontradas no acolhimento institucional.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mesa redonda acolhimento institucional - Apresentada em 5ªCIPC

  1. 1. Da docilidade à marginalidade: Políticas de identidade no acolhimento institucional. Catarina Decome Poker Mestre em Psicologia Social pela PUC/SP
  2. 2. Introdução Será apresentado parte dos resultados da pesquisa feita na dissertação de mestrado: O que eu fiz com o que as instituições fizeram de mim? A história de Molly e sua luta por emancipação frete às políticas de acolhimento institucional.
  3. 3. Aspectos gerais • Como objetivo buscou-se entender como a identidade de pessoas acolhidas vai se constituindo/reconstituindo entre a práxis, a orientação técnica e o que é previsto enquanto direito? • E também, quais são as possibilidades emblemáticas de superar algumas prescrições que foram encontradas tanto na literatura quanto nas narrativas de Molly
  4. 4. Aspectos gerais Para isso... Foi feito um aprofundamento das políticas de identidade instituídas no processo de acolhimento.
  5. 5. Aspectos gerais • Do ponto de vista psicossocial, a instituição de acolhimento é a mediadora entre a criança e a sociedade. • Essa mediação é permeada pelas políticas públicas com um referencial histórico atrelado a construção social da infância acolhida e dão corpo as ações e ideologias.
  6. 6. Categoria de análise • Estudo de identidade proposto por Ciampa (1987/2011); • Uma visão dinâmica de individuo como produto e produtor da sociedade; • Sintagma: Identidade é metamorfose em busca de emancipação;
  7. 7. Categoria de análise • Políticas de Identidade: _ Linha traçada por alguém que fala, a ser adotada (Ciampa, 2002) _ Essa linha pode ser traçada pelo exogrupo ou intragrupo; _ Constante tensão pela busca de emancipação de um grupo, ou alinha-lo aos imperativos sistêmicos.
  8. 8. Categoria de análise • Identidade Política: _ Capacidade de se representar por meio de um processo reflexivo; _ É manifesta por meio de um projeto político (que pode ser coletivo) _ Um agir de modo não previsto pelas convenções.
  9. 9. A história de Molly Uma jovem de 21 anos, morou dos 10 aos 17 anos em uma instituição de acolhimento, que atende crianças do 0 aos 18 anos, separados por gênero em quartos coletivos.
  10. 10. A história de Molly Justificativa da escolha pelas narrativas de Molly: Por trazer contribuições substanciais para o desvelamento das políticas de identidade ao longo do processo de acolhimento institucional.
  11. 11. A história de Molly Docilidade – A primeira política de identidade: • A linha a ser seguida é a da gratidão e docilidade, pois gozam de um privilégio ao estarem na instituição; • A instituição é uma ótima “mãe”, melhor até do que as educadoras; • Para crianças institucionalizadas, advindas de famílias pauperizadas, apenas garantir os aspectos materiais é suficiente;
  12. 12. A história de Molly Docilidade – A primeira política de identidade: • deformidade da concepção de criança como sujeito de direitos, ao significar a experiência de estar acolhido como um privilégio; • banalização do sentimento de perda; • Molly nega a primeira política de identidade, pois teve pessoas no seu passado que deram mostras de afeto.
  13. 13. A história de Molly Marginalidade – A segunda política de identidade: • O adolescente não tem mais jeito, será um marginal. • Desmoralização do eu, para que com isso cedesse a obediência às normas; • Começa a ser responsabilizada – A instituição proveu tudo, foi você que não soube aproveitar;
  14. 14. A história de Molly Busca pela superação das políticas de identidade • A “ adolescente- rebelde” faz um projeto de vida: Não ser aquilo que os outros diziam que ela iria ser. • Por meio dos seus padrinhos e professoras da escola é reconhecida como adolescente sujeito de direitos; • Começa a denunciar os abusos da instituição, como o desvio de verba, castigos abusivos, e tentativa de um diretor de molestar as meninas;
  15. 15. Considerações Finais: Quanto ao método: • Pensar no acolhimento institucional por meio das narrativas de história de vida pode auxiliar a refletir sobre as práxis pelo viés da sobredeterminação do sujeito, devolvendo a sua expressão.
  16. 16. Considerações Finais: Quanto as políticas de identidade: • Não possibilitam a autonomia para a chegada da maioridade e a retomada da dignidade da criança pela busca da sua expressão e auto-reconhecimento; • Apenas justificam e funcionamento da instituição.
  17. 17. Considerações Finais: Quanto aos fragmentos emancipatórios: • O reconhecimento de pessoas da comunidade e as professoras da escola da condição de criança como sujeito de direitos possibilitou a busca pela autonomia. • E também, os primeiros esboços da identidade política de Molly.
  18. 18. Considerações Finais: • É fundamental a abertura das instituições para que a criança tenha a comunidade como possibilidade de ter outras pessoas significando a sua experiência; • A desconstrução destas políticas para garantir de fato o reconhecimento pelos seus direitos; • E pessoas que possam reconhecer a criança acolhida como representante de si mesma para expressar as suas ausências, emergências e necessidades.
  19. 19. “ [...] é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar a criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência discriminação, exploração, violência crueldade e opressão. (Constituição de 1988, art.227.)
  20. 20. Contato: Catarina Decome Poker e-mail: catarinadecome@gmail.com

×