Lesão Ulcerada em Dorso Lingual

9.787 visualizações

Publicada em

Caso clínico discutido nos seminários de casos clínicos da Sociedade Brasileira de Estomatologia www.estomatologia.com.br

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.787
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
73
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lesão Ulcerada em Dorso Lingual

  1. 1. Discussão de Casos SOBE Sociedade Brasileira de Estomatologia <ul><li>Caso Clínico 03 </li></ul><ul><li>Cassius Torres-Pereira </li></ul><ul><li>Prof. da Disciplina de Estomatologia Curso de Odontologia da UFPR </li></ul><ul><li>Cleto Piazzetta </li></ul><ul><li>Prof. da Disciplina de Estomatologia Curso de Odontologia da UFPR </li></ul><ul><li>Allan Giovanini </li></ul><ul><li>Prof. da Disciplina de Estomatologia Curso de Odontologia do UnicenP </li></ul><ul><li>Alunas Colaboradoras: Deborah Leticia de Souza Pereira </li></ul><ul><li>Juliana Maria Toledo de Andrade </li></ul>
  2. 3. Caso Clínico <ul><li>Paciente do gênero masculino </li></ul><ul><li>Idade: 52 anos </li></ul><ul><li>Raça: leucoderma </li></ul><ul><li>Ex-trabalhador da área rural </li></ul>
  3. 4. Caso Clínico <ul><li>Queixa principal: </li></ul><ul><ul><li>Lesão no dorso da língua há 2 meses; </li></ul></ul><ul><ul><li>Dor durante a deglutição; </li></ul></ul><ul><ul><li>Dor na língua; </li></ul></ul><ul><ul><li>Emagreceu 8 kg nos últimos meses por não conseguir comer; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não consegue realizar higiene bucal </li></ul></ul>
  4. 5. Caso Clínico <ul><li>História dental: </li></ul><ul><ul><li>Arcada superior: prótese total; </li></ul></ul><ul><ul><li>Arcada inferior: vários dentes foram extraídos e há presença de várias raízes residuais. </li></ul></ul><ul><li>História médica: </li></ul><ul><ul><li>Paciente referiu ter contraído malária em 2 oportunidades e também leishmaniose.  </li></ul></ul>
  5. 6. Caso Clínico <ul><li>Hábitos nocivos e higiênicos: </li></ul><ul><ul><li>Há 2 anos atrás bebia com maior freqüência; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tabagista há 35 anos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Só escova os dentes à noite; </li></ul></ul><ul><ul><li>Higiene oral precária. </li></ul></ul><ul><li>Exame intra-bucal: </li></ul><ul><ul><li>Massa nodular, com bordos de coloração esbranquiçada, séssil, acompanhada por ulcerações, no dorso da língua. </li></ul></ul>
  6. 9. Caso Clínico <ul><li>Procedimentos: </li></ul><ul><ul><li>Exame clínico e anamnese; </li></ul></ul><ul><ul><li>Biópsia incisional </li></ul></ul>
  7. 10. Patologista Prof. Allan Giovanini - UnicenP Coloração H.E. Aumento 100X
  8. 11. Patologista Prof. Allan Giovanini - UnicenP Coloração H.E. Aumento 100X
  9. 12. Patologista Prof. Allan Giovanini - UnicenP Coloração H.E. Aumento 400X
  10. 13. Exame microscópico Processo inflamatório granulomatoso contendo células gigantes multinucleadas tipo corpo estranho* (aumento 100 X) *Núcleos dispostos aleatoriamente no citoplasma
  11. 14. Exame microscópico Processo inflamatório granulomatoso contendo células gigantes multinucleadas tipo corpo estranho (aumento 100 X)
  12. 15. Exame microscópico Célula gigante – no interior verifica-se o fungo Paracoccidiodomicosis brasiliensis (mostrado na seta), circundado por inúmeros macrófagos do tipo epitelióide ( aumento 400X)
  13. 16. Caso Clínico <ul><li>Resultado do exame histopatológico: </li></ul><ul><ul><li>Fragmento de mucosa revestida por epitélio pavimentoso estratificado paraqueratinizado exibindo hiperplasia pseudo-epiteliomatosa e exocitose; </li></ul></ul><ul><ul><li>Na submucosa verifica-se tecido conjuntivo denso, pelo qual permeia intenso processo inflamatório crônico contendo células gigantes multinucleadas e corpos fúngicos. </li></ul></ul>
  14. 17. Radiografia pulmonar <ul><li>: </li></ul>
  15. 18. Radiografia pulmonar
  16. 19. Caso Clínico <ul><li>Tratamento: </li></ul><ul><ul><li>Itraconazol 120 comprimidos (2 comprimidos por dia, após o almoço, por 6 meses) </li></ul></ul><ul><ul><li>Albendazol 400 mg 2 comprimidos (1 comprimido por dia e repetir 1 semana depois). </li></ul></ul>
  17. 20. Aspecto clínico 3 meses após início do tratamento
  18. 21. Aspecto clínico 3 meses após início do tratamento
  19. 22. Paracoccidioidomicose <ul><li>Referências Bibliográficas: </li></ul><ul><ul><li>BARBOSA W, Daher RR. Blastomicose sul-americana (Paracoccidioidomicose). In: Veronesi, R. Doenças infecciosas e parasitárias . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1991. p.634-45. [ Medline ] </li></ul></ul><ul><ul><li>DANTAS AM, Curi R, Silva JBG, Paiva LM. Blastomicose sul-americana. Relato de um caso com uveíte granulomatosa e oftalmoplegia externa incompleta . Rev Bras Oftalmol 1973;32:61-8. [ Medline ] </li></ul></ul><ul><ul><li>RATTO OR. Lesões pulmonares: aspectos clínicos e funcionais . In: Del Negro G, Lacaz CS, Fiorillo AM. Paracoccidioidomicose. São Paulo: Sarvier, 1982:161-9. [ Medline ] </li></ul></ul><ul><ul><li>MUNIZ, Maria Angélica Soares et al . Paracoccidioidomicose pulmonar: aspectos na tomografia computadorizada de alta resolução . Radiol Bras .,  São Paulo,  v. 35,  n. 3,  2002.  Disponível em: http://www.scielo.br </li></ul></ul><ul><ul><li>DEL NEGRO, G. MELO E ALBUQUERQUE, F.J. & PIMENTA DE CAMPOS, E. - Localização nervosa da blastomicose sul-americana . Rev. Hosp. Clin. Fac. Med. S. Paulo, 9 : 64-80, 1954. </li></ul></ul><ul><ul><li>RESTREPO, A. & JIMÉNEZ, B.E. - Growth of Paracoccidioides brasiliensis yeast phase in a chemically defined culture medium . J. clin. Microbiol., 12: 279-281, 1980 </li></ul></ul><ul><ul><li>NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A.,2004. </li></ul></ul>
  20. 23. Estomatologia [email_address] Cassius C. Torres-Pereira Doutor em Estomatologia PUC-RS Especialista em Periodontia USP-Bauru

×