SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
6 erros no design de dashboards
para nunca mais cometer!
Acompanhar os pedidos que chegam na empresa, o recebimento de novos
produtos, o desempenho de cada equipe da empresa e, claro, gerar relatórios
sobre tudo isso: as tarefas de gestão de uma empresa não são simples.
Felizmente, hoje já podemos contar com os dashboards para nos ajudar com
esse trabalho.
Capazes de reunir em uma só tela diferentes métricas, resultados, e
comparativos importantes para o negócio, os dashboards são verdadeiros
aliados para que o empreendedor possa ficar de olho no que realmente
importa em sua empresa. No entanto, alguns erros comuns de design podem
diminuir o potencial dessa importante ferramenta.
Infográficos com formatos pouco funcionais, cores mal utilizadas e até
espaço ocupado por informações pouco relevantes, por exemplo, podem
confundir o usuário e causar problemas para o gerenciamento das equipes –
e até mesmo para a saúde financeira de suas lojas.
Mas não se preocupe: nesse e-book vamos apresentar os 6 erros de design
mais cometidos na criação de dashboards, para que você não cometa
nenhum deles! Quer saber quais são? Então vamos lá.
Sobre este ebook e nossos
dashboards
06
05
04
03
02
01
Não faça as pessoas calcularem ou
adivinharem
Conclusão
Sobre a empresa
Fazer mau uso da cor
Usar cores muito saturadas
Aplicar as mesmas cores para representar diferentes
dados
Utilizar cores aleatórias para simbolizar uma sequência
Forçar o uso das cores da sua empresa
Não acrescentar valores de comparação
Dados comparativos melhoram avaliação
Usar os tipos de gráficos errados
Gráficos em linhas
Gráficos em pizza
Gráficos em colunas
Gráficos em áreas
Gráficos de medidas
Fazer escolhas pobres de layout
Posicionamento correto das informações mais acessadas
Organização de dados relacionados
Informações comparativas
Fazer um dashboard de tamanho único
Quem será o usuário?
Qual será a finalidade daquele dashboard?
Índice
É o lugar onde reunimos todas
as informações importantes
para o negócio de uma maneira
simples e em tempo real.
Um bom dashboard permite que com apenas um "passar de
olhos" você saiba exatamente como seu negócio está e
identifique o que está com problema!
O que NÃO é um Dashboard:
Um quadro com diversos indicadores reunidos.
Um dashboard deve contar uma história em tempo real e
ajudar o processo de decisões de sua empresa
O que é um dashboard?
Resumindo: as necessidades de
um setor são bem diferentes das
necessidades de outros, logo, não
é possível ter um dashboard com
os mesmos tamanhos e
características para todas as
áreas da empresa.
Mas como fazer isso? Como entregar um sistema diferente
para cada um? Simples, atentando a algumas questões
essenciais:
Para o profissional que trabalha na recepção dos produtos, o mais importante é
saber quando o caminhão vai chegar na área de descarga, o que ele está trazendo e
que tipo de equipamento ou quantas pessoas são necessárias para tirar os objetos
de dentro da carroceria.
Já no caso do setor de TI, o que o colaborador precisa saber é quais computadores
estão funcionando nas lojas, quais redes e roteadores estão com problemas e até
mesmo a versão do sistema operacional que cada máquina está usando para que
seja possível atualizá-los regularmente.
01. Fazer um dashboard de formato
único
Quem será o usuário?
Antes de mais nada, para desenvolver
um dashboard específico para cada tipo
de usuário, é preciso saber responder as
seguintes perguntas:
Qual é o cargo que aquela pessoa tem na empresa?
Como é seu fluxo de trabalho?
Qual é o seu grau de envolvimento com a tecnologia?
O que ele sabe a respeito do negócio?
Qual o objetivo do seu processo?
Ao responder tudo isso, você saberá desde as informações que
devem ser priorizadas em cada tela até
o tamanho que os botões da plataforma
devem ter para cada tipo de usuário que
acessá-la.
Qual será a finalidade daquele
dashboard?
Um dashboard não deve servir para apresentar qualquer tipo de
informação geral sobre a empresa. Ele deve mostrar números e
relatórios que tenham alguma finalidade específica, a ser
determinada de antemão. Essa finalidade pode ser:
Ajudar o gerente a ver os pontos mais fracos da equipe
Mostrar para as equipes os seus rendimentos
Indicar aos colaboradores quais são as suas metas
Comunicar o progresso ou o retrocesso de algum aspecto
do negócio
Agora que você já sabe que para cada
usuário e para cada setor da empresa existe
um tipo diferente de dashboard, com
finalidades próprias, é preciso saber como
apresentar essas informações da melhor
maneira possível, fugindo dos layouts de má
qualidade.
informações mal
formatadas geram
interpretações erradas
Em dezembro de 2015, a final da eleição para Miss Universo virou motivo de piada
na internet quando o apresentador do evento confundiu o nome das ganhadoras
fazendo com que a participante colombiana quase levasse o prêmio destinado à
candidata das Filipinas. E qual foi o motivo dessa confusão? A má diagramação do
bilhete com os nomes das finalistas.
Se, até mesmo no campeonato de Miss Universo, ter um bom layout envolve mais
do que beleza, imagine para os nossos dashboards! Brincadeiras à parte, o que
interessa é que uma boa diagramação faz toda a diferença na maneira como você
interpreta os dados do seu dashboard. Por isso, é bom ficar de olho nos seguintes
pontos:
Posicionamento correto das informações mais acessadas
Organização de dados relacionados
Informações comparativas
02. Fazer escolhas
pobres de layout
Posicionamento correto das informações mais acessadas
Nosso movimento orgânico de leitura vai do topo esquerdo da tela até o canto mais baixo da direita. Por isso, é interessante posicionar as informações
mais acessadas onde olhamos primeiro, certo?
Organização de dados relacionados
Se você tem duas informações que são diretamente relacionadas, como o total de vendas on-line e o total de vendas na loja, por exemplo, o mais
correto é deixá-las próximas.
Informações comparativas
A organização mais próxima das informações relacionadas também vale
para dados comparativos, como os resultados de venda do mês anterior e do
mês atual. Nesse caso, o ideal é sempre deixar os dados um ao lado do
outro, para ficar ainda mais a comparação.
Como você viu, não é preciso ser um expert em design para saber quando
um layout está pouco funcional. Por isso, não foque apenas na beleza do
sistema, olhe também para a usabilidade dos dados apresentados.
NÃO BASTA SER BOM, TEM QUE
PARECER BOM TAMBÉM!
Apresentar grandes volumes de dados e
fazer comparações entre eles de forma
visual fica mais fácil quando usamos
gráficos, não é mesmo? No entanto, quando
trabalhamos com um dashboard lotado de
informações tão diferentes, é fácil errar na
escolha e optar por alguns tipos de gráficos
não muito eficazes.
Veja a seguir qual é o gráfico ideal para
cada tipo de informação:
03. Usar os tipos de gráficos
errados
Gráficos em linhas
Esse tipo de gráfico é uma ótima opção para mostrar variações numéricas, tanto em períodos curtos como longos. Além disso, esse
formato permite fazer o cruzamento de diferentes informações em linhas, facilitando a visualização das relações entre variáveis.
Gráficos em pizza
O gráfico em pizza é a melhor maneira de
representar as diferentes “fatias” de um
segmento completo, permitindo comparações
sobre um mesmo tema.
Não é um gráfico recomendado para análises no
tempo, ou que seja necessário uma comparação
mais objetivo, pois neste gráfico, comparações de
fatias muito próximas são difíceis de ver,
Gráficos em colunas
Essa modalidade é uma excelente forma de apresentar variações de um mesmo tipo de dado em diferentes fontes, como, por exemplo, um
comparativo do total de vendas feitas em cada loja.
Se utilizarmos a representação de linhas em conjunto com este gráfico, teremos uma excelente forma de avaliar variações entre os
comparativos.
Obs: A paleta de cores em um gráfico é muito importante também, pois o excesso de cores atrapalha a analise objetiva dos resultados, sendo
assim, sempre use uma mesma paleta de cores em um dashboard, usando cores diferentes apenas em situações de alerta ou que seja
necessário chamar a atenção.
Gráficos em áreas
Os gráficos em áreas têm a mesma finalidade dos gráficos de linha, porém, quando usados de forma comparativa, deixam ainda mais evidente a
proporção de cada parte.
Este tipo de gráfico é uma ótima forma de mostrar volumes e evoluções.
Gráficos de medidas
Como uma espécie de termômetro, o gráfico de medida é muito usado quando é preciso transmitir apenas dois aspectos de uma informação
básica, como a queda ou o aumento das reclamações do atendimento.
Reparou como que, em várias dessas opções de gráficos, existe a vantagem de se fazer uma comparação entre diferentes dados? Pois saiba
que não acrescentar esses comparativos ao seu dashboard pode ser um erro que muitas pessoas acabam cometendo.
Gauge
Este é um gráfico de medida que tem o formato parecido com
um velocímetro.
O formato deste gráfico facilita bastante a visão de desempenho, ou seja,
rapidamente o analista consegue identificar a situação de um numero
com o esperado para aquele periodo medidos.
3D
Graficos 3D para algumas pessoas, embelezam a apresentação, mas
na verdade o formato 3D dificulta a analise e o entendimento do que o
gráfico quer passar!
Desenhos, imagens ou qualquer coisa que
tire a atenção!
Um dashboard tem como principal objetivo, ser claro, facil de analisar e
auxiliar a tomar decisões rápidas. Qualquer coisa colocada em um
dashboard de não traga informações ou auxilie na interpretação deve ser
tirado!
Lembre-se que um dasboard é uma ferramenta para melhorar a
comunicação com as pessoas e trazer conhecimento e não distração.
Deixe a sua veia artística para depois!
O que não fazer!Cores, tipos de gráficos, desenhos que não chama a atenção, tudo isso pode gerar uma má interpretação dos números de sua empresa, assim
como tirar a atenção para o foco da analise. Veja alguns exemplos:
Simples, objetivo e informativo!
Desta forma voce tem um dashboard simples, bonito e ao mesmo tempo passa as informações importantes à sua equipe, para que ações
rápidas sejam tomadas.
Qual sorvete é melhor: o de chocolate ou o de
morango?
Bom, tendo em mente que você já deve ter
experimentado os dois sabores, fica fácil
imaginar que tenha uma resposta para essa
pergunta. Porém, como alguém que nunca
provou um sorvete de morango, por exemplo,
conseguiria dar uma resposta?
04. Não acrescentar valores de comparação
Quando seu sistema apresenta um dado sem comparativos (como o total de horas
gastas para a confecção de um produto), aquilo não costuma dizer muita coisa –
a menos, é claro, que aquele usuário do dashboard já esteja familiarizado com
todos os números do seu negócio e segmento de atuação. Sem saber ao certo o
que aquele dado representa, fica mais complicado tomar alguma decisão a
respeito.
Como escolher?
Agora, como escolher a melhor amostragem
a ser comparada em um dashboard? Dentre
as muitas opções que existem, normalmente
as mais usadas são as seguintes:
Gráficos de medidas
- Comparação entre os números atuais do seu negócio x os números considerados como ideais para a empresa
- Comparação de períodos, como as vendas do mês passado x as vendas desse mês
- Comparação de períodos idênticos, como as vendas do mês de junho de 2016 X as do mês de junho de 2015
- Comparação entre métricas, como total de assinaturas realizadas x total de assinaturas canceladas
Definida a amostragem e feita a comparação, basta escolher a melhor cor para representar cada parte das informações! Com
informações comparáveis e uma boa visualização, tudo fará mais sentido para qualquer usuário daquele sistema.
Comparativo
Aqui comparamos o ano atual ao ano anterior, e usamos
uma linha, para mostrar o crescimento ou não de um ano
para o outro.
É uma forma simples e objetiva de analisar o
desempenho
Custo X Receita
Neste gráfico, avaliamos Receita X custos, desta forma
fica fácil de entender o quanto os custos impactam na
receita, e também visualizar o crescimento dele.
Há quem prefira a cor azul, vermelha ou
amarela. Porém, na hora de definir as cores a
serem usadas em um dashboard, é necessário
deixar o gosto pessoal de lado em prol da
melhor opção para o seu usuário. Para isso, é
bom evitar alguns erros muito comuns que as
pessoas cometem na hora de escolher as cores
para os seus gráficos e sua plataforma:
05. Mal uso das cores
Ao longo do processo evolutivo, nosso cérebro foi aprendendo a dar muita atenção para cores
fortes e saturadas, como o vermelho – que, não por acaso, é usado em placas de “Pare” e
extintores de incêndio. Por isso, quando você aplica uma cor saturada em um ou vários gráficos
do seu dashboard, aquilo irá chamar mais a atenção do que qualquer outro dado, modificando a
hierarquia das informações. Logo, se essa não a sua intenção, evite esse tipo de cor!
Usar cores muito saturadas
Obs.: Neste Gráfico a cor vermelha
da destaque ao custo, que se aumentar
é ruim.
O jeito correto de fazer!
Aplicar as mesmas cores para representar diferentes dados
Nada mais importante em um dashboard do que consistência. Portanto, se você usou verde para
representar os números do mês atual em um gráfico, não use amarelo para falar do mesmo
mês em outro momento. Para dados iguais, use uma mesma paleta de cores!
O princípio de consistência: se você usou o verde-claro para falar de um determinado mês, ao
apresentar os números das semanas adote um outro tom dessa cor, e não uma cor totalmente
diferente.
Aplicar as mesmas cores para representar diferentes dados
Obs.: Neste Gráfico são usados tons de
azul para representar os faturamentos
de anos diferentes!
O jeito correto de fazer!
Esse é de longe o erro mais cometido pelas
empresas, não é porque o logo do seu negócio é
vermelho que você deva usá-lo em qualquer
oportunidade! Cores chamativas ou muito apagadas,
como cinza claro, são comuns em logos, mas podem
não ajudar em nada a leitura do usuário de seu
dashboard. Portanto, escolha boas cores e não
aquelas que façam referência direta à sua marca.
Forçar o uso das cores da sua empresa
Estes dois gráficos possuem as mesmas
informações:
Vendas Mensais - Ano X Ano
- Um usa cor alaranjada e preto (Cores da empresa)
- Outro usa uma paleta azul, que deixa mais claro que
são dados comparativos.
Conhecido no mundo do design de interação, o
norte-americano Steve Krug é autor do livro
Não me faça pensar!
Uma abordagem de bom senso à usabilidade na
web, um best-seller conhecido por quem
trabalha com web. E é dessa ideia que vem
uma das maiores lições para um bom
dashboard: não faça o usuário pensar demais!
06. Não faça as pessoas calcularem ou
adivinharem!
O principal objetivo de um dashboard é fazer as pessoas terem acesso as informações de forma rápida e objetiva, para que
tomem decisões rápidas!
Um dashboard eficiente gera diagnóstico, ou seja, aponta o máximo possível que o usuário deve fazer.
Observe o gráfico abaixo. Olhando rapidamente ele parece bem claro, sem problemas! Não é!
Seja claro e objetivo!
Iniciando uma análise voce vai perceber que
precisa de mais informações neste gráfico:
- Como estão as vendas? Sem comparativo não
fica claro se está bom ou ruim!
- Quando eu estou melhorando ou piorando?
Quando um gráfico não tem informações suficientes, podem acontecer duas coisas:
1) A pessoa perder tempo indo atrás de mais informações
2) A pessoa tirar suas conclusões com um gráfico incompleto, o que é muito perigoso!
Com esse gráfico agora você consegue uma análise rápida e objetiva, sem interpretações
equivocadas.
Seja claro e objetivo!
Um simples gráfico pode fazer toda diferença, melhorando muito a agilidade e a qualidade das tomadas de decisão, pois só
ter a informação no mercado atual não significa muito!
Aqui você têm o melhor dos dois mundos,
informações claras sem excesso e uma analise
objetiva!
O importante é criar cada dashboard tendo em
mente que a pessoa do outro lado não tem o mesmo
conhecimento que você, portanto, precisa ter todos
os dados detalhados e de fácil visualização. Ao fazer
isso, suas informações serão entendidas por
qualquer colaborador da empresa, desde os gerentes
com anos de casa até recém contratados.
Fazer um dashboard padrão para todos os funcionários da empresa, não saber posicionar
corretamente os dados na tela, errar na hora de escolher um tipo de gráfico, não usar dados
comparativos, adotar cores erradas e até esconder informações importantes do usuário: agora
você já conhece todos esses 6 erros comuns da produção de dashboards, fica mais fácil evitá-los
e aproveitar o máximo dessa ferramenta, certo?
Portanto, nada de misturar cores inadequadas, formas genéricas e dados irrelevantes. Coloque
nossas dicas em prática no seu dia a dia e tome decisões cada vez melhores, com base em tudo
que pode ser muito bem visualizado e identificado no seu dashboard!
Conclusão
Suas informações devem estar
disponíveis, ou elas não valem nada!
Quer ter a sua empresa na palma da
mão? Conheça a Lemon
Com ampla experiência na criação de
dashboards, a Lemon busca informações em
tempo real de seus vários sistemas, serviços,
planilhas e arquivos, e monta gráficos em
painéis customizáveis. E isso tudo direto da
internet, sem precisar instalar nada em seu
computador.
Por isso, se você precisa cruzar diversas
informações, de diferentes lugares, não
quebre a cabeça com outras soluções: venha
falar direto com quem entende do assunto!
Quer conhecer os dashbords da Lemonapp
QUERO !!!

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Capgemini - Oracle Engineered Systems
Capgemini - Oracle Engineered SystemsCapgemini - Oracle Engineered Systems
Capgemini - Oracle Engineered SystemsJohan Louwers
 
Estimation and planning with smart use cases
Estimation and planning with smart use casesEstimation and planning with smart use cases
Estimation and planning with smart use casesRobert de Wolff
 
State of IT Skills Gap 2014 Summary
State of IT Skills Gap 2014 SummaryState of IT Skills Gap 2014 Summary
State of IT Skills Gap 2014 SummaryCompTIA
 
Microsoft CoE case studies
Microsoft CoE case studiesMicrosoft CoE case studies
Microsoft CoE case studiesAndaleeb Wajid
 
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoE
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoEHarshwardhan Damle - Building Microsoft CoE
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoEHarshwardhan Damle
 

Destaque (6)

Capgemini - Oracle Engineered Systems
Capgemini - Oracle Engineered SystemsCapgemini - Oracle Engineered Systems
Capgemini - Oracle Engineered Systems
 
Estimation and planning with smart use cases
Estimation and planning with smart use casesEstimation and planning with smart use cases
Estimation and planning with smart use cases
 
Prudence Technology Company Profile
Prudence Technology Company ProfilePrudence Technology Company Profile
Prudence Technology Company Profile
 
State of IT Skills Gap 2014 Summary
State of IT Skills Gap 2014 SummaryState of IT Skills Gap 2014 Summary
State of IT Skills Gap 2014 Summary
 
Microsoft CoE case studies
Microsoft CoE case studiesMicrosoft CoE case studies
Microsoft CoE case studies
 
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoE
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoEHarshwardhan Damle - Building Microsoft CoE
Harshwardhan Damle - Building Microsoft CoE
 

Semelhante a Ebook Lemon - 6 erros no design de dashboars

Business intelligence x Datamining
Business intelligence x DataminingBusiness intelligence x Datamining
Business intelligence x DataminingLeonardo Holanda
 
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrência
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrênciaUsar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrência
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrênciaDesignPT Agencia Digital
 
Apostila Representante Comercial
Apostila Representante ComercialApostila Representante Comercial
Apostila Representante ComercialRudnei Conceição
 
Análise sobre o ERP MarketUp
Análise sobre o ERP MarketUpAnálise sobre o ERP MarketUp
Análise sobre o ERP MarketUpMiguelWilbert
 
Apresentação do Bluesoft BI
Apresentação do Bluesoft BIApresentação do Bluesoft BI
Apresentação do Bluesoft BIBluesoft
 
Qualytool Dashboards
Qualytool DashboardsQualytool Dashboards
Qualytool Dashboardsdenispesa
 
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expertSamuel Gonsales
 
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócioTaithson Martins, MBA,ITIL,Cobit
 
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIOTaithson Martins, MBA,ITIL,Cobit
 
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?Maria Eduarda Paschoal
 
Curso de dashboard
Curso de dashboardCurso de dashboard
Curso de dashboardSilas Serpa
 
Business Discovery e suas ferramentas
Business Discovery e suas ferramentasBusiness Discovery e suas ferramentas
Business Discovery e suas ferramentasRoberto Oliveira
 
8 d4 curso_dashboard_parte_11
8 d4 curso_dashboard_parte_118 d4 curso_dashboard_parte_11
8 d4 curso_dashboard_parte_11Wesley Fernandes
 
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...Raphael Trotta
 
Guia ferramentas de Marketing Digital
Guia ferramentas de Marketing DigitalGuia ferramentas de Marketing Digital
Guia ferramentas de Marketing DigitalResultados Digitais
 
Guia ferramentas de-marketing_digital
Guia ferramentas de-marketing_digitalGuia ferramentas de-marketing_digital
Guia ferramentas de-marketing_digitalSamtriany Salvaterra
 

Semelhante a Ebook Lemon - 6 erros no design de dashboars (20)

Business intelligence x Datamining
Business intelligence x DataminingBusiness intelligence x Datamining
Business intelligence x Datamining
 
Inquesti - Plataformas de BI
Inquesti - Plataformas de BIInquesti - Plataformas de BI
Inquesti - Plataformas de BI
 
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrência
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrênciaUsar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrência
Usar Google Benchmarking (Analytics) para analisar concorrência
 
Apostila Representante Comercial
Apostila Representante ComercialApostila Representante Comercial
Apostila Representante Comercial
 
Curso
CursoCurso
Curso
 
Workshop web analytics
Workshop web analyticsWorkshop web analytics
Workshop web analytics
 
Análise sobre o ERP MarketUp
Análise sobre o ERP MarketUpAnálise sobre o ERP MarketUp
Análise sobre o ERP MarketUp
 
Apresentação do Bluesoft BI
Apresentação do Bluesoft BIApresentação do Bluesoft BI
Apresentação do Bluesoft BI
 
Qualytool Dashboards
Qualytool DashboardsQualytool Dashboards
Qualytool Dashboards
 
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert
20130301 white paper modelagem de processos de negócio (bpm)_soft_expert
 
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio
3 maneiras que os dashboards podem impulsionar a produtividade do negócio
 
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO
3 MANEIRAS QUE OS DASHBOARDS PODEM IMPULSIONAR A PRODUTIVIDADE DO NEGÓCIO
 
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?
Como aumentar a produtividade de sua agência de publicidade?
 
Curso de dashboard
Curso de dashboardCurso de dashboard
Curso de dashboard
 
Business Discovery e suas ferramentas
Business Discovery e suas ferramentasBusiness Discovery e suas ferramentas
Business Discovery e suas ferramentas
 
Business Intelligence
Business IntelligenceBusiness Intelligence
Business Intelligence
 
8 d4 curso_dashboard_parte_11
8 d4 curso_dashboard_parte_118 d4 curso_dashboard_parte_11
8 d4 curso_dashboard_parte_11
 
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...
Montar loja virtual - Manual ABSOLUTAMENTE completo para criar sua loja onlin...
 
Guia ferramentas de Marketing Digital
Guia ferramentas de Marketing DigitalGuia ferramentas de Marketing Digital
Guia ferramentas de Marketing Digital
 
Guia ferramentas de-marketing_digital
Guia ferramentas de-marketing_digitalGuia ferramentas de-marketing_digital
Guia ferramentas de-marketing_digital
 

Mais de Cassio Henrique. F. Ramos, CRISC

Mais de Cassio Henrique. F. Ramos, CRISC (15)

Dados vencem crises
Dados vencem crisesDados vencem crises
Dados vencem crises
 
Lemon - Transformando informações em inteligência
Lemon - Transformando informações em inteligênciaLemon - Transformando informações em inteligência
Lemon - Transformando informações em inteligência
 
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
 
Como gerenciar os riscos de seu negócio
Como gerenciar os riscos de seu negócioComo gerenciar os riscos de seu negócio
Como gerenciar os riscos de seu negócio
 
GCN - Gestão de Continuidade de Negócios
GCN - Gestão de Continuidade de NegóciosGCN - Gestão de Continuidade de Negócios
GCN - Gestão de Continuidade de Negócios
 
Gaúchos nas Redes Sociais
Gaúchos nas Redes SociaisGaúchos nas Redes Sociais
Gaúchos nas Redes Sociais
 
Engenharia Social - Pequenas Informações de Grande Importância
Engenharia Social - Pequenas Informações de Grande ImportânciaEngenharia Social - Pequenas Informações de Grande Importância
Engenharia Social - Pequenas Informações de Grande Importância
 
Estratégia pela Mudança
Estratégia pela MudançaEstratégia pela Mudança
Estratégia pela Mudança
 
Desafiando Murphy
Desafiando MurphyDesafiando Murphy
Desafiando Murphy
 
Monitoramento da Marca na Web
Monitoramento da Marca na WebMonitoramento da Marca na Web
Monitoramento da Marca na Web
 
Gestão de Equipes
Gestão de EquipesGestão de Equipes
Gestão de Equipes
 
Gestão Ambiental BS 8555
Gestão Ambiental BS 8555Gestão Ambiental BS 8555
Gestão Ambiental BS 8555
 
Arte de Produzir Melhor
Arte de Produzir MelhorArte de Produzir Melhor
Arte de Produzir Melhor
 
Segurança nas Redes Sociais
Segurança nas Redes SociaisSegurança nas Redes Sociais
Segurança nas Redes Sociais
 
Gestão por Indicadores
Gestão por IndicadoresGestão por Indicadores
Gestão por Indicadores
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGil Giardelli
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxvaniapatriciapimente
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdfEMERSON EDUARDO RODRIGUES
 

Último (6)

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 

Ebook Lemon - 6 erros no design de dashboars

  • 1. 6 erros no design de dashboards para nunca mais cometer!
  • 2. Acompanhar os pedidos que chegam na empresa, o recebimento de novos produtos, o desempenho de cada equipe da empresa e, claro, gerar relatórios sobre tudo isso: as tarefas de gestão de uma empresa não são simples. Felizmente, hoje já podemos contar com os dashboards para nos ajudar com esse trabalho. Capazes de reunir em uma só tela diferentes métricas, resultados, e comparativos importantes para o negócio, os dashboards são verdadeiros aliados para que o empreendedor possa ficar de olho no que realmente importa em sua empresa. No entanto, alguns erros comuns de design podem diminuir o potencial dessa importante ferramenta. Infográficos com formatos pouco funcionais, cores mal utilizadas e até espaço ocupado por informações pouco relevantes, por exemplo, podem confundir o usuário e causar problemas para o gerenciamento das equipes – e até mesmo para a saúde financeira de suas lojas. Mas não se preocupe: nesse e-book vamos apresentar os 6 erros de design mais cometidos na criação de dashboards, para que você não cometa nenhum deles! Quer saber quais são? Então vamos lá. Sobre este ebook e nossos dashboards
  • 3. 06 05 04 03 02 01 Não faça as pessoas calcularem ou adivinharem Conclusão Sobre a empresa Fazer mau uso da cor Usar cores muito saturadas Aplicar as mesmas cores para representar diferentes dados Utilizar cores aleatórias para simbolizar uma sequência Forçar o uso das cores da sua empresa Não acrescentar valores de comparação Dados comparativos melhoram avaliação Usar os tipos de gráficos errados Gráficos em linhas Gráficos em pizza Gráficos em colunas Gráficos em áreas Gráficos de medidas Fazer escolhas pobres de layout Posicionamento correto das informações mais acessadas Organização de dados relacionados Informações comparativas Fazer um dashboard de tamanho único Quem será o usuário? Qual será a finalidade daquele dashboard? Índice
  • 4. É o lugar onde reunimos todas as informações importantes para o negócio de uma maneira simples e em tempo real. Um bom dashboard permite que com apenas um "passar de olhos" você saiba exatamente como seu negócio está e identifique o que está com problema! O que NÃO é um Dashboard: Um quadro com diversos indicadores reunidos. Um dashboard deve contar uma história em tempo real e ajudar o processo de decisões de sua empresa O que é um dashboard?
  • 5. Resumindo: as necessidades de um setor são bem diferentes das necessidades de outros, logo, não é possível ter um dashboard com os mesmos tamanhos e características para todas as áreas da empresa. Mas como fazer isso? Como entregar um sistema diferente para cada um? Simples, atentando a algumas questões essenciais: Para o profissional que trabalha na recepção dos produtos, o mais importante é saber quando o caminhão vai chegar na área de descarga, o que ele está trazendo e que tipo de equipamento ou quantas pessoas são necessárias para tirar os objetos de dentro da carroceria. Já no caso do setor de TI, o que o colaborador precisa saber é quais computadores estão funcionando nas lojas, quais redes e roteadores estão com problemas e até mesmo a versão do sistema operacional que cada máquina está usando para que seja possível atualizá-los regularmente. 01. Fazer um dashboard de formato único
  • 6. Quem será o usuário? Antes de mais nada, para desenvolver um dashboard específico para cada tipo de usuário, é preciso saber responder as seguintes perguntas: Qual é o cargo que aquela pessoa tem na empresa? Como é seu fluxo de trabalho? Qual é o seu grau de envolvimento com a tecnologia? O que ele sabe a respeito do negócio? Qual o objetivo do seu processo? Ao responder tudo isso, você saberá desde as informações que devem ser priorizadas em cada tela até o tamanho que os botões da plataforma devem ter para cada tipo de usuário que acessá-la. Qual será a finalidade daquele dashboard? Um dashboard não deve servir para apresentar qualquer tipo de informação geral sobre a empresa. Ele deve mostrar números e relatórios que tenham alguma finalidade específica, a ser determinada de antemão. Essa finalidade pode ser: Ajudar o gerente a ver os pontos mais fracos da equipe Mostrar para as equipes os seus rendimentos Indicar aos colaboradores quais são as suas metas Comunicar o progresso ou o retrocesso de algum aspecto do negócio Agora que você já sabe que para cada usuário e para cada setor da empresa existe um tipo diferente de dashboard, com finalidades próprias, é preciso saber como apresentar essas informações da melhor maneira possível, fugindo dos layouts de má qualidade.
  • 7. informações mal formatadas geram interpretações erradas Em dezembro de 2015, a final da eleição para Miss Universo virou motivo de piada na internet quando o apresentador do evento confundiu o nome das ganhadoras fazendo com que a participante colombiana quase levasse o prêmio destinado à candidata das Filipinas. E qual foi o motivo dessa confusão? A má diagramação do bilhete com os nomes das finalistas. Se, até mesmo no campeonato de Miss Universo, ter um bom layout envolve mais do que beleza, imagine para os nossos dashboards! Brincadeiras à parte, o que interessa é que uma boa diagramação faz toda a diferença na maneira como você interpreta os dados do seu dashboard. Por isso, é bom ficar de olho nos seguintes pontos: Posicionamento correto das informações mais acessadas Organização de dados relacionados Informações comparativas 02. Fazer escolhas pobres de layout
  • 8. Posicionamento correto das informações mais acessadas Nosso movimento orgânico de leitura vai do topo esquerdo da tela até o canto mais baixo da direita. Por isso, é interessante posicionar as informações mais acessadas onde olhamos primeiro, certo? Organização de dados relacionados Se você tem duas informações que são diretamente relacionadas, como o total de vendas on-line e o total de vendas na loja, por exemplo, o mais correto é deixá-las próximas. Informações comparativas A organização mais próxima das informações relacionadas também vale para dados comparativos, como os resultados de venda do mês anterior e do mês atual. Nesse caso, o ideal é sempre deixar os dados um ao lado do outro, para ficar ainda mais a comparação. Como você viu, não é preciso ser um expert em design para saber quando um layout está pouco funcional. Por isso, não foque apenas na beleza do sistema, olhe também para a usabilidade dos dados apresentados.
  • 9. NÃO BASTA SER BOM, TEM QUE PARECER BOM TAMBÉM! Apresentar grandes volumes de dados e fazer comparações entre eles de forma visual fica mais fácil quando usamos gráficos, não é mesmo? No entanto, quando trabalhamos com um dashboard lotado de informações tão diferentes, é fácil errar na escolha e optar por alguns tipos de gráficos não muito eficazes. Veja a seguir qual é o gráfico ideal para cada tipo de informação: 03. Usar os tipos de gráficos errados
  • 10. Gráficos em linhas Esse tipo de gráfico é uma ótima opção para mostrar variações numéricas, tanto em períodos curtos como longos. Além disso, esse formato permite fazer o cruzamento de diferentes informações em linhas, facilitando a visualização das relações entre variáveis. Gráficos em pizza O gráfico em pizza é a melhor maneira de representar as diferentes “fatias” de um segmento completo, permitindo comparações sobre um mesmo tema. Não é um gráfico recomendado para análises no tempo, ou que seja necessário uma comparação mais objetivo, pois neste gráfico, comparações de fatias muito próximas são difíceis de ver,
  • 11. Gráficos em colunas Essa modalidade é uma excelente forma de apresentar variações de um mesmo tipo de dado em diferentes fontes, como, por exemplo, um comparativo do total de vendas feitas em cada loja. Se utilizarmos a representação de linhas em conjunto com este gráfico, teremos uma excelente forma de avaliar variações entre os comparativos. Obs: A paleta de cores em um gráfico é muito importante também, pois o excesso de cores atrapalha a analise objetiva dos resultados, sendo assim, sempre use uma mesma paleta de cores em um dashboard, usando cores diferentes apenas em situações de alerta ou que seja necessário chamar a atenção.
  • 12. Gráficos em áreas Os gráficos em áreas têm a mesma finalidade dos gráficos de linha, porém, quando usados de forma comparativa, deixam ainda mais evidente a proporção de cada parte. Este tipo de gráfico é uma ótima forma de mostrar volumes e evoluções.
  • 13. Gráficos de medidas Como uma espécie de termômetro, o gráfico de medida é muito usado quando é preciso transmitir apenas dois aspectos de uma informação básica, como a queda ou o aumento das reclamações do atendimento. Reparou como que, em várias dessas opções de gráficos, existe a vantagem de se fazer uma comparação entre diferentes dados? Pois saiba que não acrescentar esses comparativos ao seu dashboard pode ser um erro que muitas pessoas acabam cometendo. Gauge Este é um gráfico de medida que tem o formato parecido com um velocímetro. O formato deste gráfico facilita bastante a visão de desempenho, ou seja, rapidamente o analista consegue identificar a situação de um numero com o esperado para aquele periodo medidos.
  • 14. 3D Graficos 3D para algumas pessoas, embelezam a apresentação, mas na verdade o formato 3D dificulta a analise e o entendimento do que o gráfico quer passar! Desenhos, imagens ou qualquer coisa que tire a atenção! Um dashboard tem como principal objetivo, ser claro, facil de analisar e auxiliar a tomar decisões rápidas. Qualquer coisa colocada em um dashboard de não traga informações ou auxilie na interpretação deve ser tirado! Lembre-se que um dasboard é uma ferramenta para melhorar a comunicação com as pessoas e trazer conhecimento e não distração. Deixe a sua veia artística para depois! O que não fazer!Cores, tipos de gráficos, desenhos que não chama a atenção, tudo isso pode gerar uma má interpretação dos números de sua empresa, assim como tirar a atenção para o foco da analise. Veja alguns exemplos:
  • 15. Simples, objetivo e informativo! Desta forma voce tem um dashboard simples, bonito e ao mesmo tempo passa as informações importantes à sua equipe, para que ações rápidas sejam tomadas.
  • 16. Qual sorvete é melhor: o de chocolate ou o de morango? Bom, tendo em mente que você já deve ter experimentado os dois sabores, fica fácil imaginar que tenha uma resposta para essa pergunta. Porém, como alguém que nunca provou um sorvete de morango, por exemplo, conseguiria dar uma resposta? 04. Não acrescentar valores de comparação
  • 17. Quando seu sistema apresenta um dado sem comparativos (como o total de horas gastas para a confecção de um produto), aquilo não costuma dizer muita coisa – a menos, é claro, que aquele usuário do dashboard já esteja familiarizado com todos os números do seu negócio e segmento de atuação. Sem saber ao certo o que aquele dado representa, fica mais complicado tomar alguma decisão a respeito. Como escolher? Agora, como escolher a melhor amostragem a ser comparada em um dashboard? Dentre as muitas opções que existem, normalmente as mais usadas são as seguintes:
  • 18. Gráficos de medidas - Comparação entre os números atuais do seu negócio x os números considerados como ideais para a empresa - Comparação de períodos, como as vendas do mês passado x as vendas desse mês - Comparação de períodos idênticos, como as vendas do mês de junho de 2016 X as do mês de junho de 2015 - Comparação entre métricas, como total de assinaturas realizadas x total de assinaturas canceladas Definida a amostragem e feita a comparação, basta escolher a melhor cor para representar cada parte das informações! Com informações comparáveis e uma boa visualização, tudo fará mais sentido para qualquer usuário daquele sistema. Comparativo Aqui comparamos o ano atual ao ano anterior, e usamos uma linha, para mostrar o crescimento ou não de um ano para o outro. É uma forma simples e objetiva de analisar o desempenho Custo X Receita Neste gráfico, avaliamos Receita X custos, desta forma fica fácil de entender o quanto os custos impactam na receita, e também visualizar o crescimento dele.
  • 19. Há quem prefira a cor azul, vermelha ou amarela. Porém, na hora de definir as cores a serem usadas em um dashboard, é necessário deixar o gosto pessoal de lado em prol da melhor opção para o seu usuário. Para isso, é bom evitar alguns erros muito comuns que as pessoas cometem na hora de escolher as cores para os seus gráficos e sua plataforma: 05. Mal uso das cores
  • 20. Ao longo do processo evolutivo, nosso cérebro foi aprendendo a dar muita atenção para cores fortes e saturadas, como o vermelho – que, não por acaso, é usado em placas de “Pare” e extintores de incêndio. Por isso, quando você aplica uma cor saturada em um ou vários gráficos do seu dashboard, aquilo irá chamar mais a atenção do que qualquer outro dado, modificando a hierarquia das informações. Logo, se essa não a sua intenção, evite esse tipo de cor! Usar cores muito saturadas Obs.: Neste Gráfico a cor vermelha da destaque ao custo, que se aumentar é ruim. O jeito correto de fazer!
  • 21. Aplicar as mesmas cores para representar diferentes dados Nada mais importante em um dashboard do que consistência. Portanto, se você usou verde para representar os números do mês atual em um gráfico, não use amarelo para falar do mesmo mês em outro momento. Para dados iguais, use uma mesma paleta de cores! O princípio de consistência: se você usou o verde-claro para falar de um determinado mês, ao apresentar os números das semanas adote um outro tom dessa cor, e não uma cor totalmente diferente. Aplicar as mesmas cores para representar diferentes dados Obs.: Neste Gráfico são usados tons de azul para representar os faturamentos de anos diferentes! O jeito correto de fazer!
  • 22. Esse é de longe o erro mais cometido pelas empresas, não é porque o logo do seu negócio é vermelho que você deva usá-lo em qualquer oportunidade! Cores chamativas ou muito apagadas, como cinza claro, são comuns em logos, mas podem não ajudar em nada a leitura do usuário de seu dashboard. Portanto, escolha boas cores e não aquelas que façam referência direta à sua marca. Forçar o uso das cores da sua empresa Estes dois gráficos possuem as mesmas informações: Vendas Mensais - Ano X Ano - Um usa cor alaranjada e preto (Cores da empresa) - Outro usa uma paleta azul, que deixa mais claro que são dados comparativos.
  • 23. Conhecido no mundo do design de interação, o norte-americano Steve Krug é autor do livro Não me faça pensar! Uma abordagem de bom senso à usabilidade na web, um best-seller conhecido por quem trabalha com web. E é dessa ideia que vem uma das maiores lições para um bom dashboard: não faça o usuário pensar demais! 06. Não faça as pessoas calcularem ou adivinharem!
  • 24. O principal objetivo de um dashboard é fazer as pessoas terem acesso as informações de forma rápida e objetiva, para que tomem decisões rápidas! Um dashboard eficiente gera diagnóstico, ou seja, aponta o máximo possível que o usuário deve fazer. Observe o gráfico abaixo. Olhando rapidamente ele parece bem claro, sem problemas! Não é! Seja claro e objetivo! Iniciando uma análise voce vai perceber que precisa de mais informações neste gráfico: - Como estão as vendas? Sem comparativo não fica claro se está bom ou ruim! - Quando eu estou melhorando ou piorando? Quando um gráfico não tem informações suficientes, podem acontecer duas coisas: 1) A pessoa perder tempo indo atrás de mais informações 2) A pessoa tirar suas conclusões com um gráfico incompleto, o que é muito perigoso!
  • 25. Com esse gráfico agora você consegue uma análise rápida e objetiva, sem interpretações equivocadas. Seja claro e objetivo! Um simples gráfico pode fazer toda diferença, melhorando muito a agilidade e a qualidade das tomadas de decisão, pois só ter a informação no mercado atual não significa muito! Aqui você têm o melhor dos dois mundos, informações claras sem excesso e uma analise objetiva! O importante é criar cada dashboard tendo em mente que a pessoa do outro lado não tem o mesmo conhecimento que você, portanto, precisa ter todos os dados detalhados e de fácil visualização. Ao fazer isso, suas informações serão entendidas por qualquer colaborador da empresa, desde os gerentes com anos de casa até recém contratados.
  • 26. Fazer um dashboard padrão para todos os funcionários da empresa, não saber posicionar corretamente os dados na tela, errar na hora de escolher um tipo de gráfico, não usar dados comparativos, adotar cores erradas e até esconder informações importantes do usuário: agora você já conhece todos esses 6 erros comuns da produção de dashboards, fica mais fácil evitá-los e aproveitar o máximo dessa ferramenta, certo? Portanto, nada de misturar cores inadequadas, formas genéricas e dados irrelevantes. Coloque nossas dicas em prática no seu dia a dia e tome decisões cada vez melhores, com base em tudo que pode ser muito bem visualizado e identificado no seu dashboard! Conclusão
  • 27. Suas informações devem estar disponíveis, ou elas não valem nada!
  • 28. Quer ter a sua empresa na palma da mão? Conheça a Lemon Com ampla experiência na criação de dashboards, a Lemon busca informações em tempo real de seus vários sistemas, serviços, planilhas e arquivos, e monta gráficos em painéis customizáveis. E isso tudo direto da internet, sem precisar instalar nada em seu computador. Por isso, se você precisa cruzar diversas informações, de diferentes lugares, não quebre a cabeça com outras soluções: venha falar direto com quem entende do assunto! Quer conhecer os dashbords da Lemonapp QUERO !!!