Conjugalidades, parentalidades e

402 visualizações

Publicada em

CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E
IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conjugalidades, parentalidades e

  1. 1. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS Miriam Grossi Anna Paula Uziel Luiz Mello (orgs.)
  2. 2. Copyright © dos autores Editora Garamond Ltda Caixa Postal: 16.230 Cep: 20.251-021 Rio de Janeiro – Brasil Telefax: (21) 2504-9211 e-mail: editora@garamond.com.br Projeto Gráfico de Capa e Miolo Anna Amendola Revisão Nina Quiroga Editoração Eletrônica Estúdio Garamond CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE DO SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ. C76 Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis / organizadores Miriam Pillar Grossi, Anna Paula Uziel e Luiz Mello. - Rio de Janeiro : Garamond, 2007. 432p. : 14x21cm. (Sexualidade, gênero e sociedade. Homossexualidade e cultura) ISBN 978-85-7617-121-8 1. Família - Aspectos sociais. 2. Casamento entre homossexuais. 3. Parentesco. I. Grossi, Miriam Pillar. II. Uziel, Anna Paula. III. Mello, Luiz. I. Série. 07-2420. CDD: 306.87 CDU: 392.3 Apoio:
  3. 3. SUMÁRIO INTRODUÇÃO Miriam Grossi, Anna Paula Uziel e Luiz Mello –9– CONJUGALIDADES RESERVA E INVISIBILIDADE: A CONSTRUÇÃO DA HOMOCONJUGALIDADE NUMA PERSPECTIVA MICROPOLÍTICA Antônio Crístian Saraiva Paiva – 23 – INFLUÊNCIA DO PRECONCEITO INTERNALIZADO NA CONJUGALIDADE HOMOSSEXUAL MASCULINA Adriana Nunan – 47 – ENCONTROS AMOROSOS, DESEJOS RESSIGNIFICADOS: SOBRE A EXPERIÊNCIA DO ASSUMIR-SE GAY NA VIDA DE HOMENS CASADOS E PAIS DE FAMÍLIA Eduardo Saraiva – 69 – AMOR E ÓDIO EM RELAÇÕES ‘CONJUGAYS’ Rosangela de Barros Castro – 89 – UNIÕES HOMOSSEXUAIS: ADAPTAR-SE AO DIREITO DE FAMÍLIA OU TRANSFORMÁ-LO? POR UMA NOVA MODALIDADE DE COMUNIDADE FAMILIAR Roger Raupp Rios – 109 – “ISTO É CONTRA A NATUREZA...”: ACÓRDÃOS JUDICIAIS E ENTREVISTAS COM MAGISTRADOS SOBRE CONJUGALIDADES HOMOERÓTICAS EM QUATRO ESTADOS BRASILEIROS Rosa Maria Rodrigues de Oliveira – 131 –
  4. 4. O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO. SOBRE “GENTES REMOTAS E ESTRANHAS” NUMA “SOCIEDADE DECENTE” . Miguel Vale de Almeida – 153 – MATRIMÔNIO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO NA ESPANHA. DO PERIGO SOCIAL À PLENA CIDADANIA, EM QUATRO ESTAÇÕES Luiz Mello – 169 – PARCERIA CIVIL E HOMOPARENTALIDADE: O DEBATE FRANCÊS Anna Paula Uziel e Miriam Grossi – 189 – PARENTALIDADES LA OTRA MAMÁ: MADRES NO BIOLÓGICAS EN LA PAREJA LÉSBICA Florencia Herrera – 213 – PERFORMATIVIDADES DE GÊNERO, PERFORMATIVIDADES DE PARENTESCO: NOTAS DE UM ESTUDO COM TRAVESTIS E SUAS FAMÍLIAS NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS/SC Fernanda Cardozo – 233 – POSSÍVEIS INTERLOCUÇÕES ENTRE PARENTESCO E IDENTIDADE SEXUAL: PATERNIDADE VIVENCIADA POR HOMENS HOMO/BISSEXUAIS André Geraldo Ribeiro Diniz e Cláudia Andréa Mayorga Borges – 253 – “NÃO PODEMOS FALHAR”: A BUSCA PELA NORMALIDADE EM FAMÍLIAS HOMOPARENTAIS Marcos Roberto Vieira Garcia; André Guimarães Wolf; Eliane Vieira Oliveira, Janaína Tizeo Fernandes de Souza; Luana de Oliveira Gonçalves; Mariana de Oliveira – 277 –
  5. 5. A HOMOFOBIA NA REPRESENTAÇÃO DE MÃES HETEROSSEXUAIS SOBRE A HOMOPARENTALIDADE Fernando Silva Teixeira Filho, Lívia Gonsalves Toledo e Pedro Henrique Godinho – 301 – DO PRIVADO AO PÚBLICO: A HOMOPARENTALIDADE NA PAUTA DO JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO Elizabeth Zambrano – 321 – YO OPINO... CONSTRUCCIONES DISCURSIVAS SOBRE LA HOMOPARENTALIDAD Micaela Libson – 341 – IDENTIDADES LÉSBICAS LESBIANIDADE NA TV: VISIBILIDADE E “APAGAMENTO” EM TELENOVELAS BRASILEIRAS Lenise Santana Borges – 363 – IDENTIDADES INTERSECCIONAIS E MILITÂNCIAS POLÍTICAS Vanilda Maria de Oliveira – 385 – FORMAÇÃO DA IDENTIDADE LÉSBICA: DO SILÊNCIO AO QUEER Silvia Gomide – 405 – SOBRE OS AUTORES – 423 –
  6. 6. INTRODUÇÃO CONJUGALIDADES E PARENTALIDADES NÃO-HEGEMÔNICAS: UM CAMPO EM CONSTRUÇÃO Miriam Grossi, Anna Paula Uziel e Luiz Mello Estamos felizes em, mais uma vez, trazer “a público” o intenso diálogo que viemos produzindo na rede de pesquisadores “Parceria Civil, Conjugalidade e Homoparentalidade” ao longo dos últimos três anos1. Esta coletânea tem sua origem em nosso desejo de ampliar o diálogo que já realizávamos, entre os membros de nossos núcleos de pesquisa e outras pessoas que quisessem compartilhá-lo, alimentando-o com seus próprios saberes. Ao longo da construção da rede, não imaginávamos que encontraríamos e seríamos procurados por tantos pesquisadores, especialmente jovens estudantes de mestrado e doutorado, que estavam trabalhando ou queriam começar investigações sobre o tema. A rede vem permitindo, portanto, a consolidação de um campo de pesquisas já em formação no Brasil e na América Latina, sem que, no entanto, muitos de seus integrantes estivessem em interlocução. Em resposta à ampla chamada que fizemos para a elaboração desta coletânea, recebemos 31 artigos, dos quais selecionamos os mais originais, em suas abordagens oriundas das mais diversas disciplinas e, 1 A rede conta com apoio institucional de Projeto Universal CNPq para o período 2005/2007, o qual prevê a organização da rede, pesquisas comparativas, encontros e publicações sobre a temática de conjugalidades de pessoas do mesmo sexo e parentalidades de pais e mães não heterossexuais. 9
  7. 7. homossexualidade e cultura em particular, da Antropologia, do Direito, da Psicologia e da Sociologia. Centramos nossa seleção em torno dos temas da conjugalidade homoerótica e da homoparentalidade, que são os dois grandes eixos de nossas reflexões na rede. Observamos que especialmente nos últimos anos tem crescido significativamente a quantidade de trabalhos sobre estas temáticas no Brasil e no mundo. Tradicionalmente, o movimento LGTB no século XX, em sua maior parte formado por homens gays, valorizou a expressão do desejo masculino livre, opondo-se à idéia de casal, que era entendida como sinônimo de dominação heterossexual. A ampliação das lutas deste movimento para o campo dos direitos civis no âmbito das famílias, sobretudo em conseqüência da AIDS e do aumento da visibilidade da maternidade lésbica, poderia significar submeter-se ao que muitas vezes se denomina “imperativo heterossexual”. Apesar desta não ser a posição hegemônica dos movimentos LGTB, plurais por excelência, convém destacar que a tensão existente no interior da militância refere-se, com freqüência, aos riscos de reprodução acrítica da heteronormatividade, ainda que no Brasil prevaleça uma luta política fortemente marcada por uma perspectiva integracionista, com gays, lésbicas e travestis reivindicando para si os mesmos direitos assegurados aos cidadãos heterossexuais, sem que isso implique necessariamente um questionamento mais amplo dos significados do modelo de sociedade em que vivemos. Os trabalhos sobre parentalidade e conjugalidade entre pessoas do mesmo sexo contemplam aspectos bastante variados. As pesquisas envolvendo homens gays, por um lado, privilegiam a conjugalidade. Já os estudos sobre mulheres lésbicas têm seguidamente a conjugalidade atrelada à maternidade. Talvez a maior invisibilidade social das relações homoeróticas entre mulheres, aliada à naturalização da maternidade para o gênero feminino, seja uma pista para a compreensão dessa diferença. Os artigos que recebemos assemelham-se, neste sentido, aos da bibliografia mais geral sobre maternidade e paternidade heterossexuais, uma vez que a construção da feminilidade continua bastante associada à maternidade, mesmo quando se considera a maternidade lésbica, tardia ou a opção por não ter filhos. São recentes os textos sobre masculinidade que incluem a paternidade como um aspecto importante a ser considerado, acompa- 10
  8. 8. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS nhando o lento movimento das estatísticas que mostram o crescimento dos casos de guarda compartilhada ou concedida apenas a pais. O livro é dividido em três grandes eixos vinculados aos objetivos de investigação de nossa rede: conjugalidades, parentalidades e identidades. Em cada um deles, reunimos artigos de reflexão mais ampla sobre a temática, bem como resultados de pesquisas de campo. Discutir a conjugalidade LGBT por si só não cria realidades, mas seguramente põe em pauta situações diversas que precisam ser vistas em sua singularidade, ao mesmo tempo em que precisam ser reconhecidas como fenômeno social típico das sociedades contemporâneas, resultado de uma luta política importante que vem sendo travada cotidianamente por milhões de pessoas em todo o mundo. A falta de visibilidade, cada vez mais combatida, a dificuldade com a nomeação do casal e do vínculo mãe (pai)-filh@s2, o incômodo com a reprodução das normas de gênero, o preconceito e as experiências cotidianas dos sujeitos sustentam a importância da temática. Os quatro primeiros artigos do livro atualizam preocupações no que se refere às conjugalidades que poderíamos reunir sob a rubrica de ‘não-hegemônicas’, refletindo sobre os mecanismos utilizados por homens gays na gestão de suas parcerias amorosas. Em Reserva e invisibilidade: a construção da homoconjugalidade numa perspectiva micropolítica, Antonio Crístian Saraiva Paiva, a partir de sua tese de doutorado em sociologia, traz uma caracterização do ethos íntimo das parcerias homoeróticas masculinas. O autor, ao tratar das regras de convivência amorosa, mostra como se constrói uma ética conjugal. Esse trabalho de confecção da convivência é artesanal e constitui-se da promoção de vínculos que contornam, por exemplo, a escassez de um vocabulário socialmente disponível para codificar a conjugalidade e o amor, bem como a necessidade social de exposição quando se fala da gestão da intimidade dos casais de mesmo sexo. O trabalho aponta, enfim, para a insuficiência da lógica binarista para abordar a territorialidade dessas parcerias. 2 Vários autores desta coletânea optaram por utilizar o @ com objetivo de reunir as desinências de gênero. Apesar de a língua portuguesa fazer seu plural no masculino, alguns autores consideram importante não validar a desigualdade de gênero presente também no idioma. 11
  9. 9. homossexualidade e cultura Com base em sua tese de doutorado no campo da Psicologia, Adriana Nunan problematiza, no artigo Influência do preconceito internalizado na conjugalidade homossexual masculina, os conflitos potenciais entre desejo e norma social e suas conseqüências no âmbito das relações amorosas estáveis entre homens. Para a autora, casais gays e casais heterossexuais seriam, em princípio, indistinguíveis no tocante aos níveis de satisfação proporcionada pela relação e às alegrias e problemas típicos do vínculo conjugal, mas, a partir de entrevistas com homens da cidade do Rio de Janeiro, ela discute se a internalização da culpa ou da vergonha de “ser gay” pode afetar de maneira drástica a qualidade do laço afetivo-sexual e da relação do casal com o entorno social. A partir de uma “etnografia psicanalítica”, Eduardo Saraiva traz, em Encontros amorosos, desejos ressignificados: sobre a experiência do assumir-se gay na vida de homens casados e pais de família, uma leitura estimulante sobre o trânsito identitário e sexual de homens, residentes em Porto Alegre, que passaram a viver suas homossexualidades depois de rupturas legais, simbólicas e afetivo-sexuais com o universo da norma heterocêntrica. Como eixos centrais de sua análise, destacam-se os significados do casamento heterossexual para os entrevistados, o lugar que as categorias paixão e amor têm nos processos de assumir-se homossexual e as formas de construção identitária que permitem aos sujeitos orientar suas vidas a partir de outra inteligibilidade na ordem da masculinidade. Amor e ódio em relações “conjugays”, de Rosangela de Barros Castro, descreve os modos de interação presentes nos relacionamentos íntimos entre parceiros do sexo masculino, focalizando episódios de violência, tema de sua dissertação de mestrado em saúde coletiva. A autora identifica a violência como um fenômeno constitutivo dos laços familiares mas, a partir da análise de oito histórias de vida reunidas em um personagem fictício, aponta a existência de especificidades do universo por ela nomeado como “conjugay”. No âmbito destes relacionamentos afetivos, as análises dos significados de construções identitárias que reproduzem a dicotomia macho-fêmea e das hierarquizações de raça, classe e geração seriam um caminho produtivo para a compreensão das formas de manifestação da violência física e simbólica. 12
  10. 10. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS Particularmente no campo jurídico, desperta a atenção o aumento do número de trabalhos que versam sobre direitos de homossexuais, seja por meio de análises de processos, leis ou acórdãos, seja refletindo sobre os significados das lutas de gays e lésbicas pela redefinição dos marcos legais que os excluem do universo da cidadania. Como se observa nos dois artigos seguintes, quando se trata de pesquisa sobre conjugalidade ou família de homossexuais, a tentativa inicial tem sido compreender o formato dessas famílias ainda constituídas à revelia da lei, em geral por meio da análise de suas possibilidades de inserção nos formatos previstos na legislação vigente ou apontando a necessidade de uma redefinição legal que rompa com as categorias heterocentradas que estão nos princípios estruturadores da concepção hegemônica de família. Neste sentido, o artigo de Roger Raupp Uniões homossexuais: adaptar-se ao direito de família ou transformá-lo? Por uma nova modalidade de comunidade familiar provoca e instiga novo debate, ao convidar o leitor a pensar sobre os princípios que caracterizam a família e ao refletir sobre as implicações da eleição das categorias jurídicas ‘casamento’, ‘união estável’ ou ‘pacto de solidariedade’ para a regulamentação das relações entre pessoas do mesmo sexo. O autor destaca o machismo e o heterossexismo intrínsecos às definições tradicionais de casamento e união estável, mas, também, ressalta os riscos de uma opção de regulamentação de terceira classe. Todavia, em seu entendimento, uma nova figura jurídica a regular as uniões entre pessoas do mesmo sexo pode ser um caminho promissor na transformação do direito de família. Rosa Maria Rodrigues de Oliveira, em “Isto é contra a natureza...”: uma observação de acórdãos judiciais e entrevistas com magistrados sobre conjugalidades homoeróticas em quatro Estados brasileiros, traz resultados preliminares de sua pesquisa de doutorado e aponta que o judiciário brasileiro, apesar de avanços pontuais, não tem assegurado um avanço contundente e inequívoco no reconhecimento legal da dimensão familiar das uniões amorosas entre pessoas do mesmo sexo. A partir de um exaustivo trabalho de campo em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, a autora observa como ainda há uma forte influência da moral cristã nas decisões judiciais e nos posicionamentos de magistrados, o que revela uma urgente necessidade de consolidação de uma justiça efetivamente laica. 13
  11. 11. homossexualidade e cultura Se no campo do judiciário ou da lógica jurídica essas são algumas das questões em efervescência, convém destacar as negociações políticas que se dão em torno da elaboração e da aprovação das leis. No Brasil, ainda estamos às voltas com os debates em torno da aprovação do Projeto de Lei nº 1151/1995, da então deputada Marta Suplicy, que institui a parceria civil registrada entre pessoas do mesmo sexo, tramitando no Congresso Nacional há 12 anos e sob forte oposição de grupos ligados a fundamentalismos religiosos. Por outro lado, desde 2005 a Espanha é um país que tem uma legislação exemplar, ao assegurar direito ao casamento e à adoção a todos os casais, independentemente dos sexos de seus integrantes. Apesar das tensões ainda existentes no cotidiano da vida civil e na aplicação da lei, trata-se de uma mudança significativa de olhar sobre a conjugalidade homossexual, quando comparada à realidade brasileira e da maior parte do mundo, onde a homossexualidade ainda é definida como crime em mais de oitenta países3 São dois os textos que discutem o processo espanhol. O antropólogo Miguel Vale de Almeida, em O casamento entre pessoas do mesmo sexo. Sobre “Gentes remotas e estranhas” numa “sociedade decente” analisa o casamento entre pessoas do mesmo sexo como um símbolo disputado por diferentes campos políticos, a partir da idéia de que a exigência da igualdade no acesso ao casamento constitui um caso original no campo da política sexual. O autor apresenta posicionamentos favoráveis e contrários ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, bem como os que são favoráveis ao direito ao casamento, mas contrários ao casamento em si. Da mesma forma, reflete sobre como essa nova demanda política pode ser pensada a partir dos debates relativos às culturas de relatedness, dos supostos limites da ordem simbólica e do lugar da criança nos processos de reprodução social. Em Matrimônio entre pessoas do mesmo sexo na Espanha. Do perigo social à plena cidadania, em quatro estações, Luiz Mello apresenta resultados preliminares de sua pesquisa comparativa sobre novas famílias e uniões homossexuais na Espanha, Portugal e Brasil. Neste artigo, o autor detalha como se deu o processo de discussão e aprovação da alteração do 3 Notícia de 17/05/2007 http://www.gaybrasil.com.br/notas.asp?Categoria=Radar&Codigo=1845, último acesso em 9 de junho de 2007. 14
  12. 12. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS Código Civil espanhol, que assegura aos casais de gays e lésbicas acesso a direitos conjugais e parentais em igualdade de condições com os casais heterossexuais. Destaca, ainda, o posicionamento dos movimentos LGBT e de organizações ligadas à Igreja Católica nos debates, o papel decisivo do Governo Zapatero, na Espanha, e as disputas partidárias e judiciais, assim como apresenta os principais documentos, estudos e investigações acadêmicas produzidas no âmbito do processo de discussão da nova lei. Ao analisarem o percurso legislativo francês, em Parceria Civil e Homoparentalidade: o debate francês, Anna Paula Uziel e Miriam Grossi põem em evidência os principais impasses e dificuldades que compuseram o cenário da discussão sobre o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo no final da década de noventa. Em seu texto, analisam os debates parlamentares e as discussões políticas em torno da lei do pacto de solidariedade (PaCS), aprovada em 1999. Destacam o papel dos intelectuais neste debate, apontando diferentes posições teóricas em torno da questão da conjugalidade, da família e da reprodução social. As discussões sobre parentalidade de gays, lésbicas e travestis vêm recebendo grande destaque nas pesquisas recentes e têm sido um dos pontos fulcrais nos debates políticos e teóricos sobre direitos civis de gays, lésbicas e transgêneros. Para muitos defensores de uma concepção de família centrada na norma heterossexual, a adoção de crianças por casais de pessoas do mesmo sexo seria uma ameaça à sociedade e, no extremo, à própria espécie, por colocar em xeque valores supostamente fundantes da noção de humanidade, ancorados na ordem de gênero. Por outro lado, são exaustivos os estudos e pesquisas que mostram como crianças socializadas por casais de pessoas do mesmo sexo não são em praticamente nada diferentes daquelas socializadas por casais de pessoas de sexos diferentes, o que levou a Associação Americana de Psicologia (APsA) e Antropologia (AAA), fundadas em farta bibliografia, a aprovar resoluções em que afirmam a oposição a qualquer discriminação baseada na orientação sexual dos pais em assuntos relativos à adoção, custódia de filhos, regime de visitas e serviços de saúde reprodutiva. Neste contexto, a segunda seção do livro, integrada por sete artigos, traz reflexões sobre questões ligadas ao cotidiano de famílias homoparentais, acompanhando a tecitura de suas tramas por meio dos olhares de seus próprios pro- 15
  13. 13. homossexualidade e cultura tagonistas, particularmente mães lésbicas, e também de outros atores sociais, como mães heterossexuais e mídia impressa. Na perspectiva comparativa antropológica, o artigo de Florencia Herrera, La Otra Mamá: madres no biológicas en la pareja lésbica, aborda duas pesquisas de campo, no Chile e na Espanha, sobre mães lésbicas. A autora mostra como as questões que emergem na maternidade lésbica raramente se constituem como tal na heterossexualidade, que naturaliza a maternidade. Apesar da vulnerabilidade do lugar da “outra mamãe”, visto que sua existência não encontra amparo legal, sobretudo quando há separação conjugal, as entrevistadas vivenciam experiências intensas de maternidade. Apesar de viverem em conjugalidade homoerótica, entre as entrevistadas não é unânime a idéia de que a maternidade possa ser exercida pelas duas parceiras. Herrera constata que o contato mais ou menos precoce com a criança, ter responsabilidade sobre o seu cuidado e o reconhecimento familiar contribuem para a maior ou menor participação de ambas no lugar de maternidade. Com Performatividades de gênero, performatividades de parentesco: notas de um estudo com travestis e suas famílias na cidade de Florianópolis/SC, Fernanda Cardozo traz, com base em sua monografia de graduação em antropologia, reflexões referentes à sua pesquisa antropológica a respeito das relações familiares e das formas de parentalidades e de conjugalidades presentes entre travestis da cidade de Florianópolis. A pesquisa buscou identificar os lugares que as travestis ocupam na trama familiar segundo a distribuição de papéis sociais por gênero, visto sua corporificação ser marcada por uma ambigüidade de gênero. A autora chama a atenção, ainda, para a necessidade de um olhar para além da tensão masculino/feminino, que condenaria as travestis a um universo do desconhecido, tamanhas as semelhanças nos seus cotidianos conjugal e familiar em relação aos “não-travestis”. Em Possíveis interlocuções entre parentesco e identidade sexual: paternidade vivenciada por homens homo/bissexuais André Geraldo Ribeiro Diniz e Cláudia Andréa Mayorga Borges buscam conhecer os fatores psicossocias presentes na construção da identidade paterna em homens que mantêm relações sexuais com outros homens. Com esse objetivo, fazem uma crítica à patologização da homossexualidade e discorrem sobre a dimensão cultural da sua construção. Ao refletirem sobre o lugar 16
  14. 14. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS central da paternidade nas representações da masculinidade, @s autor@s relatam estratégias utilizadas por pais homossexuais nas relações com seus filhos com vistas a diminuir a carga de preconceito que lhes atinge. Ao mesmo tempo, apontam que esses pais, apesar das representações sociais negativas da homopaternidade, vivenciam seu papel parental como uma experiência gratificante e maravilhosa. Marcos Roberto Vieira Garcia, André G. Wolf, Eliane V. de Oliveira, Janaína Tizeo F. Souza, Luana Oliveira e Mariana de Oliveira apresentam uma pesquisa com casais de lésbicas que criam filhos em “Não podemos falhar”: a busca pela normalidade em famílias homoparentais, destacando as formas pelas quais as mesmas lidam com as pressões sociais para reproduzirem o modelo de família hegemônico. A discussão sobre a normalidade das famílias homoparentais instaura uma linha divisória entre aquelas que estariam e as que não estariam aptas a educar crianças. Fenômenos muito semelhantes aos que acontecem com casais heteros foram evidenciados, como, por exemplo, a centralidade da parentalidade na vida dos sujeitos, deixando de lado outros aspectos de sua existência. Por outro lado, a temática da discriminação e da revelação da orientação homossexual também apareceram com certa ênfase. Em uma perspectiva do campo da psicologia, A homofobia na representação de mães heterossexuais sobre a homoparentalidade, de Fernando Silva Teixeira-Filho, Lívia Gonsalves Toledo e Pedro Henrique Godinho, é uma pesquisa realizada por meio de questionários aplicados a mães de crianças de escolas particulares em uma cidade do interior do Estado de São Paulo. O objetivo da pesquisa foi compreender como essas mulheres heterossexuais vêem a maternidade lésbica. Para isso, foram colhidas informações sobre orientação sexual, entrada na vida sexual, papéis de gênero na família de origem e compreensão a respeito da homossexualidade. Com esses dados, foi possível cruzar informações sobre seus valores, marcas religiosas, sociais, culturais e o aparecimento de homofobia, a falta de conhecimento sobre o tema e a incorporação de sentidos difundidos no senso comum sobre homossexualidade e parentalidade. Do privado ao público: a homoparentalidade na pauta do jornal Folha de São Paulo, de Elizabeth Zambrano, trata da construção da “homoparentalidade” enquanto uma questão social, a partir da análise de matérias 17
  15. 15. homossexualidade e cultura publicadas no jornal Folha de São Paulo. Evidenciando a transformação no tratamento dado pelo jornal à temática da homossexualidade de um modo geral, o texto mostra, mais especificamente, onde e como se situam as discussões sobre conjugalidade e parentalidade na relação com o movimento social. O trabalho analisa a legitimidade concedida a diversos atores que dão parecer sobre o assunto, discutindo aspectos técnicos e morais dos argumentos, tendo como pano de fundo a importância da mídia na construção do debate sobre temas sociais. Escrito por Micaela Libson, “Yo opino...” Construcciones discursivas sobre la homoparentalidad traz uma análise do discurso sobre homoparentalidade, a partir das cartas dos leitores do jornal argentino La Nación, entre 2002 e 2005, período de emergência da lei que reconhece a relação entre pessoas do mesmo sexo em Buenos Aires e de discussão do projeto de lei de união civil, em nível nacional, que versa, entre seus temas, sobre herança e adoção. A autora mostra como o modelo da heteronormatividade obrigatória gera um sistema hierárquico de valor sexual e marca o pensamento daqueles que expressam suas crenças no jornal. Para Libson, tais crenças podem ser classificadas a partir de diferenciados graus de negatividade associados à família homoparental e a cada uma delas corresponde um núcleo argumentativo diferenciado. Tradicionalmente, os trabalhos sobre homossexualidade discutem a questão da identidade, largamente complexificada a partir dos estudos que privilegiam uma perspectiva de análise queer. Os artigos escolhidos para compor esta seção trazem reflexões de pesquisador@s da rede que, desde seu início, compartilharam conosco suas pesquisas, enriquecendo o debate mais específico sobre conjugalidade e parentalidade entre mulheres. Lenise Santana Borges, em Lesbianidade na TV: visibilidade e “apagamento” em telenovelas brasileiras, analisa as representações da lesbianidade na mídia televisiva no Brasil, com base em quatro telenovelas exibidas pela Rede Globo, a partir de uma perspectiva analítica da psicologia social discursiva de base construcionista e dos estudos de gênero. Interessa à autora investigar como a lesbianidade passa de tema proscrito, indizível e transgressor ao universo das questões para as quais se atribui uma relativa visibilidade e busca-se o estatuto de normalização. Borges situa as representações televisivas da lesbianidade na fronteira entre a estratégia política e o espetáculo. Por outro lado, destaca a não 18
  16. 16. CONJUGALIDADES, PARENTALIDADES E IDENTIDADES LÉSBICAS, GAYS E TRAVESTIS univocidade da mídia e, ao mesmo tempo, seu importante papel na construção de repertórios homossexuais para públicos variados, com ênfase crescente em representações positivas dos vínculos amorosos entre mulheres. Vanilda Maria de Oliveira, em Identidades interseccionais e militâncias políticas, discute os significados que a militância feminista negra de Goiânia concede à lesbianidade, analisando as tensões que o encontro com mulheres lésbicas produz. A autora destaca a “intersecção identitária” para ressaltar a importância de se considerar a interação entre dois ou mais eixos de subordinação, sob risco de reforçar a subinclusão. Para isso, percorre as principais questões do debate LGBT no Brasil, bem como se alimenta das discussões sobre racismo e outras tão caras ao campo do movimento feminista e do movimento de mulheres. O paradoxo que se expressa nas lutas entre a submissão ao estabelecido e os discursos de resistência no tocante às identidades atravessam este campo de trabalho, militância e reflexão. Por fim, Silvia Gomide, em Formação da identidade lésbica: do silêncio ao queer, discute percursos da construção da identidade lésbica, a partir de sua dissertação de mestrado em comunicação. A autora mostra como a constituição desta identidade parte de um padrão heterossexista e passa por diversas interpretações até chegar aos estudos gays e lésbicos e à teoria queer, a qual propõe a mudança de uma “política de identidade por uma política da diferença”, apostando na complexidade da sexualidade. É instigante a argumentação construída por Gomide, que dialoga com autoras centrais do pensamento lésbico-feminista e mostra a complexidade de questões que estão longe de serem respondidas consensualmente, por mais que aparentemente sejam óbvias, como por exemplo: O que é ser lésbica? Quais as vantagens e desvantagens sociais de adotar uma identidade lésbica? Seria politicamente importante assumir uma identidade lésbica? A leitura desta coletânea é um convite e um desafio. Por um lado, apresenta um panorama do que vem sendo pesquisado no Brasil, na Argentina, no Chile, na Espanha e na França, estimulando o leitor a conhecer como este campo está se constituindo. Por outro, um dos principais desafios é ampliar pesquisas e debates conceituais que façam o campo amadurecer e avançar. 19

×