HIS05 movimentos de_resistencia

170 visualizações

Publicada em

EDUCAÇAO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
170
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HIS05 movimentos de_resistencia

  1. 1. 1) Leia com bastante atenção a poesia abaixo, escrita pela poetisa Cida Araújo, em Novembro de 1999: A história que o Brasil não contou Pouco me ensinaram a escola e a sociedade sobre minha verdadeira história. Sobre minhas raízes, realidade. Ao me falarem da escravidão, ressaltaram o poder dos senhores e a submissão do negro. Falaram-me das correntes, do tronco, da chibata, dos porões... Não me falaram da resistência, das lutas, da organização. Deixaram margem para que eu pensasse que o negro era um idiota, que aceitaria tudo calado. Ao me falarem das plantações de café, dos canaviais, das minas e dos casarões, não me falaram da sua força, da sua inteligência, da sua capacidade de fazer um país com a força de seus braços. Chegaram a afirmar que o negro era preguiçoso. Só trabalhava para não apanhar. Ao me falarem de sua identidade, contaram-me que eles chegavam aos montes, em navios negreiros, Marcados a ferro como animais. Vendidos em feiras como mercadorias. Não me falaram que o negro tinha alma, sangue, raízes. Ao me falarem de sua fé, diziam apenas que eram supersticiosos, feiticeiros, cultuavam Deuses pagãos. Não me falaram de sua religião, de sua fidelidade a um Deus vivo, cultuado com danças, cantos, gestos e rituais. Não me falaram da alegria do povo negro ante o reconhecimento, que podiam contar com o senhor de todas as histórias. Ao me falarem da beleza definiram-na assim: Ter traços finos, cabelos lisos e pele clara era ser bonito. Ter traços fortes, cabelos anelados, pele escura era ser feio. Não me falaram que o negro tem seu cheiro, sua característica. Sua ginga, um olhar, um brilho especial.
  2. 2. Que o negro cabeça erguida, encanta! Que o negro, é lindo! Ao me falarem da sua cultura... Aí, eu tenho vontade de chorar! Nada me falaram. Fizeram-me pensar que o negro era uma folha atirada ao vento. Não me falaram que o negro tem um sangue diferente. Sangue quente, nobre, forte, bonito. O regente de seu corpo, de sua cultura. Uma energia que enobrece a sua arte. Que faz vibrar. Que faz cantar. Que faz dançar. Que faz surgir sons especiais dos objetos simples e banais. Falaram-me muito da Princesa Isabel. Pouco, ou nada, de Zumbi dos Palmares. Fizeram-me sentir tristeza por ser negra. Fizeram-me sentir vergonha por ser negra. Em meu corpo moreno, mulato, pardo, existe a pigmentação que define a minha origem, Em minha alma vibrante, meu espírito silencioso. Em minhas veias vigorosas, corre o sangue de meus ancestrais. Sangue africano. Sangue baiano. Sangue negro. A pigmentação que define a minha raça! Quinhentos anos de Brasil! Quinhentos anos de resistência! “... Ao me falarem das plantações de café, dos canaviais, das minas e dos casarões, não me falaram da sua força, da sua inteligência, da sua capacidade de fazer um país com a força de seus braços...” a) A que período da história do Brasil o trecho acima faz referência? Explique. ___________________________________________________________________________ b) Qual era o papel desempenhado pelo negro neste período da história do Brasil? Dê exemplos. ___________________________________________________________________________ c) Os negros foram importantes neste período da história do Brasil? Justifique sua resposta.
  3. 3. ___________________________________________________________________________ “... Falaram-me muito da Princesa Isabel. Pouco, ou nada, de Zumbi dos Palmares...” a) Quem foi a Princesa Isabel? b) Qual a relação da princesa Isabel com a população negra? ___________________________________________________________________________ c) Quem foi Zumbi dos Palmares? ___________________________________________________________________________ d) Qual a relação do Zumbi dos Palmares com a população negra? ___________________________________________________________________________ e) A autora demonstra uma certa tristeza, uma certa insatisfação por lhe terem falado tanto sobre a Princesa Isabel e pouco, ou nada, sobre Zumbi dos Palmares. Explique o por quê, baseando-se em seus conhecimentos sobre a escravidão da escravatura e os movimentos de resistência. ___________________________________________________________________________ “...Quinhentos anos de Brasil! Quinhentos anos de resistência!...” a) Explique o trecho acima. ___________________________________________________________________________

×