Minha luta paracontinuar sóbrio (abstêmio)Cap I -     Lembranças dos bons temposCap II -    Fui chamado de ViadoCap III - ...
contínuo de convidar as minhas parceiras para tomarum Chope ou jantar ou as vezes ir a um baile. Àsvezes convidava para ir...
perfil de um homem nas suas conversas (entre elas),aprendi a nunca atacar uma mulher que eu queriaconquistar ( tomar a ini...
que eu via nelas algum valor feminino ou no mínimobonitas.     Graças as minha bebedeiras, acabei casando. -Casei com uma ...
No dia do meu casamento, recebi a visita de umaex namorada e em frente a minha esposa na saída daigreja, me deu os PESAMES...
qualquer pilantra chega com a cana ele já esta com arapadura pronta. O Terceiro: Saulo é um lider nato éum grande empreend...
você, tenha apenas dó dele ou dela e peça a Deus quea ajude.     Como eu estou casado até hoje e como soumembro de alcoóli...
principalmente meus irmãos esquecessem do que euaprontei. - Isto fazia parte de um golpe. - Porém já naprimeira reunião eu...
pensei: Ah é isto que acontece aqui. Eles nosinduzem a não beber para poder tirar dinheiro usandode uma persuasão. Igual a...
15 horas. Fui a reunião e outra vez fui para a casa. Nodomingo não tinha reunião. Pedi a minha esposaencarecidamente que t...
-Eu tive que mudar todos meus hábitos iniciais paragarantir minha abstinência alcoólica senão eu nãopararia. Foi um alto p...
desesperei. Quando minha filha nasceu eu cheguei ater ódio do neném. Procurei como antes nos temposdo alcoolismo minha psi...
época disse-me que o fundador do grupo não valianada. - Eu acreditei naquele que se punha como meuamigo e dei uma distanci...
por volta de l989 o pau quebrou e quase deu briga -Então entreguei o grupo para este companheiro e osmembros do ESL e diss...
perdi a eleição por 15 a 3 votos. - Agradeci a todos.Quando estava dentro do meu carro um outrocompanheiro perguntou: Cout...
meio retardado que se candidatasse a secretário dogrupo. Ele assim o fez, dei o apoio de um novatogente boa que também est...
obra fomos também para meu sítio. Só que eram duase eu me esquivei bem. Todas disseram a mesmacoisa: EU ACHEI QUE VOCÊ ERA...
Porem, eu sempre via o meu querido mentor sendoatacado sem qualquer motivo era só uma coisa darcerto, lá vinha um encher o...
abstinência . Outro também não conseguia paralisarcom seu alcoolismo. Bebia bebida alcoólica e ia nogrupo tirar gosto com ...
Ou eu me afastava do grupo, ou eu enfrentava todosos tipos de calúnias a meu respeito com falsasreferências.A gang do polí...
ele espera uma chance apenas para te destruir. Não seimporta com o preço e nem de atrapalhar uminocente. No meu caso, por ...
grupo e vi um fazendo o serviço de cafetinagem comentrega a domicílio. - O Grupo endividou-se -Resultado para o exercício ...
Eu achei esquisito e cheguei até a fazer uma carta.Pois o veto de um não atrapalharia a sanção de dois.Então este companhe...
CAPÍTULO IVFui chamado de Ladrão     Eu estava em casa, no meu pequeno escritório,quando o telefone tocou. Era a Fernanda ...
conferir. - Acabando a ligação pra não incomodarminha família, dei as devidas explicações e fuidormir. Porém, não consegui...
Geraldinho é quem guarda o dinheiro. Carmen estavapresente, eu havia convidado o Churrasquinho, emesmo um pouquinho atrasa...
as anotações. - Só que estou sem atividadescomerciais (trabalhando em troca de dinheiro) nomomento e por isto meu dinheiro...
um baixinho que usa o analfabetismo como desculpapara tumultuar um grupo, continua me chamando deLADRÃO. Doido para eu per...
11 -                           35,02 Refrigerantes 18 2 lts11 -                           68,02 conta telefone11 - 2,0512 ...
25 -                   1,78 - copo25 -                   0,60 - suquinho25 - 2,3025 - 2,5526 -                   3,38 - ca...
.BALANCETE DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2005 DO GRUPOLAGOINHA DE AA.Saldo anterior                99,01 - NegativoDESPESASCompra ...
06 -   1,0006 -   5,3507 -   -07 -   2,2008 -   3,2508 -   3,6009 -   2,9510 -   3,8010 -   7,7511 -   -12 -   1,2013 -   ...
31 -                              4,85SOMA                              189,84                            160,54         S...
CAPÍTULO VO que eu penso das pessoas de AACerta vez, quando ainda eu era um novato em AA,minha mãe movida pelo entusiasmo ...
naquela época não aceitou voltar. - Hoje passadosmais de vinte anos, minha mãe já falecida eu dariauma resposta diferente....
Outra passagem interessante, também quando euera um novato em AA. Fiquei tão entusiasmado porconseguir uma coisa que jamai...
qual me disseram que ele não valia nada, era o quemais trabalhava, era ele quem se interessava pelogrupo e eu que não gost...
nós pensamos que fosse. - Poderia eu dar aquicentenas de passagens negativas ou milhares depassagens negativas. Hoje com 2...
sua família e paga pensão e está fora do lar e teve  que voltar para casa de sua mãe. - Eu que tenho um  filho fora do cas...
CAPÍTULO VIUm fato interessante:     Quando em janeiro de 2001 fui caluniado nogrupo União, tinha como concorrente de vota...
seguinte, 2002, também como já disse, me candidateinovamente e ganhei para o cargo de RSG. - Estesenhor se afastou alguns ...
posso e não devo falar mal e nem mesmo pensar malde quem está tentando trabalhar para o AA. - o queeu posso pedir nesta ho...
que se acalma em AA, o sucesso é uma questão detempo.     - Outro fato interessante é do baixinho queajudou-me a reerguer ...
quisesse, votaria em mim. - Nesta hora , lembrei-mede 2001 no grupo União onde eu iria pegar um cargoe no dia que fui pega...
Todos dois hoje estão bem . Porém deixei bem claroque assim que ele reivindicou o Cargo de 1O. RSGlhe dei todo apoio e ain...
membros que graças a Deus está funcionando emuito bem. Também agradeço aos servidores dogrupo Lagoinha que como um time, c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alcoolismo minha luta para continuar sóbrio - casa do alcoolatra

1.163 visualizações

Publicada em

casa d alcoolatra (31) 3454.74.69

  • Seja o primeiro a comentar

Alcoolismo minha luta para continuar sóbrio - casa do alcoolatra

  1. 1. Minha luta paracontinuar sóbrio (abstêmio)Cap I - Lembranças dos bons temposCap II - Fui chamado de ViadoCap III - Fui chamado de MentirosoCap IV - Fui chamado de Ladrão.Cap V - O que eu penso das pessoas do AACap VI - Um fato interessante Manoel CoutinhoCAPÍTULO ILembranças dos bons tempos Quando cheguei em Alcoólicos Anônimos em1982, tinha uma vida boêmia. Gostava de beberbebida alcoólica sempre acompanhado da presençafeminina. Na verdade a bebida sempre foi umadesculpa para socializar-me. Eu tive o hábito 1
  2. 2. contínuo de convidar as minhas parceiras para tomarum Chope ou jantar ou as vezes ir a um baile. Àsvezes convidava para ir a uma boate ou mesmo numbarzinho. Em todas as ocasiões eu sempre mantive osistema antigo. Eu sempre paguei pelas minhas farrase, quando minhas parceiras levavam acompanhantes,isto antigamente era muito comum, também pagavaas despesas dos acompanhantes. - Não sei se por isto,eu sempre tive a presença feminina para beber.Algumas delas gostavam do tomar um porre comigo.- Também achava que isto fazia parte da vida eenquanto fui novo e bem remunerado eu pensava, quemal tem isto. Ou melhor, isto é que é viver - Portanto,quando cheguei, tinha no mínimo esta bagagem como relacionamento feminino. - Também gostava debeber bebida alcoólica nos fins de semana com meusirmãos mais velhos que se reuniam na casa de minhamãe. Eram , alguns já falecidos, homens que sempreme deram o exemplo da companhia feminina e omais interessante que quando mais novo, adolescenteou criança, sempre os vi acompanhados de mulheresbonitas. - Então pelo exemplo de meus própriosirmãos aprendi a ser gentil, amável delicado e tratarbem as mulheres. Não me lembro de passar falta deuma boa acompanhante na minha vida. - quando saíasozinho, por ter sido criado diretamente com trêsirmãs, aprendi a ser discreto cordial e tambématencioso e, de tanto ver minhas irmãs fazerem o 2
  3. 3. perfil de um homem nas suas conversas (entre elas),aprendi a nunca atacar uma mulher que eu queriaconquistar ( tomar a iniciativa). Bastava que eu mecolocasse numa posição mais fácil de ser conquistadoque elas apareceriam - mais tarde aprendi a observarque o interesse também por um homem bem sucedidoera fatal para uma questão de um bomrelacionamento.. Outro fato também que aprendi comminhas irmãs, foi de nunca ficar conversando fiadosobre um namoro ou relacionamento, isto decepcionaqualquer mulher. O mais interessante é que fuitratado sempre como o caçula, apesar de ser o nonofilho de uma família de dez irmãos, sempre fuichamegado pelos outros , inclusive pela minha irmãmais nova, sempre como o coitadinho da família egostava disto. - minha mãe casou-se duas vezes, soufilho do seu segundo marido. O meu irmão caçula doprimeiro casamento da minha mãe é 10 anos maisvelho que eu e, como já disse , fui criado com trêsirmãs na mesma faixa etária, sendo que a quarta irmãera do primeiro casamento da minha mãe, casada hávários anos e por isto tenho uma sobrinha quetambém regulava idade comigo e minhas outras irmãs- Mas voltando ao assunto, como estava dizendo,sempre tive facilidade no meu alcoolismo comconquistas amorosas. Sempre fiz questão da presençafeminina e sempre, pessoas que eram importantes, 3
  4. 4. que eu via nelas algum valor feminino ou no mínimobonitas. Graças as minha bebedeiras, acabei casando. -Casei com uma moça muito bonita na época, tambémpara o meu grau de instrução ela era mais importante,estava completando seu terceiro curso superior e eumal mal tinha o curso de Técnico de Contabilidade eainda era filha de um Delegado de Polícia famoso, eeu simplesmente achava aquilo a princípio o máximo.Quando caí no meu ridículo, que não precisava nemdela nem de ninguém, já estava noivo e de casamentomarcado. Pensei em não ir no meu casamento mas fuiadvertido pelo meu irmão que nos educou sobre aresponsabilidade que havia assumido perante a todosque me conheciam e uma sociedade, e que uma idéiadesta apenas acabaria com minha própria reputação.Eu deveria cumprir meu compromisso e depoispoderia pedir a separação ou a anulação docasamento se minha idéia persistisse. - Assim acabeimesmo não mais querendo, casando. Casei na Igrejade Santana e a recepção foi no Círio Libanês - Passeia noite de núpcias no Status Motel, que era um dosmelhores na época. - Minha lua de mel fui para oNordeste via litoral de ônibus passando por todascapitais e voltei de avião passando por Brasília.Devo ressaltar que meu alcoolismo acentuou ouprogrediu ainda mais depois do tal casamento ( sóesta passagem daria um grande livro). 4
  5. 5. No dia do meu casamento, recebi a visita de umaex namorada e em frente a minha esposa na saída daigreja, me deu os PESAMES - uma outra exnamorada Gerente de uma grande Loja na Av. SantosDumont saiu me perseguindo para ficar com ela -Visitas em meu escritório de moças bonitas eramquase todos os dias - Telefonemas assim que volteida lua de mel eram todos os dias e às vezes váriasvezes ao dia. - Penso agora que talvez meu modo delevar a vida, gostando de mulheres e as tratando bem, sendo sempre sincero pois nunca fui de escondernada e trabalhando, tentando o tempo todo serhonesto, fez da minha vida de solteiro mesmo namilitança alcoólica uma referência que posso atéchamar de “Sucesso” com meu sexo oposto. Meus filmes preferidos eram e acho que aindasão: MAVERIK (antigo) e E O VENTO LEVOU -observem que nos dois filmes o artista principal éum beberrão , tabagista, jogador, e mulherengo e atécerto ponto um homem de sucesso pelos negócios. -Meu livro preferido é SÃO BERNARDO deGraciliano Ramos - Observem também a gana paracrescer que o nome principal tinha. Porém se deumal no final. Meus heróis continuam sendo meuscinco irmãos mais velhos. O mais velho: Jandirsempre foi bom de briga e nunca levou desaforo paracasa - O Segundo na escala de cima para baixo: Helié o homem mais malicioso que eu conheço. Quando 5
  6. 6. qualquer pilantra chega com a cana ele já esta com arapadura pronta. O Terceiro: Saulo é um lider nato éum grande empreendedor foi quem colocou a mim eas minhas irmãs para estudarem. Graças a ele eu eminhas irmãs somos muito bem casados, é uma mãe.(um dia explico isto). O Quarto: Guaraci ensinou-mecomo ter e não abrir mão das minhas coisas. Portantotudo que tenho aprendi a guardar com ele. O quinto:Emanuel sempre foi criativo é talvez o maisinteligente e mesmo sem recurso ou às vezes malentendido, sempre colocava suas idéias em prática esempre davam certo. Sou casado com a mesma mulher há 25 anos,tenho quatro filhos sendo um fora do casamento e soumembro de alcoólicos anônimos há 23 anos Caberessaltar: nunca interrompi o programa pois sei quenão terei uma segunda chance. Se eu voltar a bebertenho certeza que morrerei. Aliás não tenho medo damorte, apenas não quero virar um farrapo humanopois sinto falta da bebida até hoje e o que eu passei epasso para continuar paralisado com o alcoolismo écoisa de cinema. Parece mesmo mentira. Porém, porsentir na própria pele e tudo acontece comigo mesmo,vejo a necessidade de escrever para informar darreferências e pedir que mesmo se algum dia você forcaluniado, difamado dentro de uma sala de AA,lembre-se: quem está fazendo isto é mais doente que 6
  7. 7. você, tenha apenas dó dele ou dela e peça a Deus quea ajude. Como eu estou casado até hoje e como soumembro de alcoólicos anônimos até hoje eu não seiexplicar. Eu só posso informar que nunca quis sercasado, sempre quis ser solteiro e boêmio. Quis terum único filho para ter o gosto de ser pai. Porém asmulheres acharam que eu deveria ter quatro. Naverdade para me prenderem e conseguiram. - Nuncaquis parar de beber. Fui ao Alcoólicos Anônimosapós um dia de bebedeira, quebrei minha casa todamachuquei minha esposa e coloquei em risco as duascrianças (meus filhos) um com um ano e pouco eoutro com alguns meses. Após a ameaça de serinternado pelos meus irmãos e sabia e sei que elesnão falam eles agem, então tentei entrar em AA.Assim que eles esquecessem o que eu fiz eu voltariaa beber. Graças a esta irmandade desde o dia 18 demarço de 1982 nunca mais bebi bebida alcoólica nemusei qualquer tipo de droga.CAPÍTULO IIFui chamado de Viado Quando ingressei em Alcoólicos Anônimos, jáfoi dito, não aceitava que era um alcoólatra.Precisava ficar lá um tempo para que os outros, 7
  8. 8. principalmente meus irmãos esquecessem do que euaprontei. - Isto fazia parte de um golpe. - Porém já naprimeira reunião eu que estava pensando que nãodormiria aquela noite porque não iria ingerir bebidaalcoólica e não tinha em casa nenhum remédio paradormir. Então fui pensando como é que eu voudormir? - Neste dia curiosamente foi a melhor noitede sono da minha vida. Quando chegou umadeterminada hora eu deitei e dormi. Alias, dormi tãobem que acordei muito disposto para trabalhar. Coisaque já há muito tempo não conseguia devido asressacas alcoólicas. Não sei dizer se eu era, fui ouainda sou ambicioso e uma noite de sono bemdormida traz sempre resultados de bom desempenhono trabalho também. Trabalhei até as 17 horas queera a hora que eu começava a beber no BH lanches narua Tupinambás. Eu passei correndo e fui direto parao Ed. Helena Passig onde era o Grupo que eu meingressei. Eu tive forças para não beber por algunsmotivos simples. Eu não podia porque fazia parte deum plano. Outro motivo é que eu estava naquele diamuito bem comigo mesmo e o principal motivo eraque eu tinha aonde ir na hora da minha compulsãoalcoólica. - Fui para a reunião e mais uma vez recebio carinho de todos os companheiros de AA. Algunsainda conversaram comigo após a reunião numcafezinho amistoso servido pelo grupo. - Voltei noterceiro dia e aí percebi que tinha uma sacolinha, e 8
  9. 9. pensei: Ah é isto que acontece aqui. Eles nosinduzem a não beber para poder tirar dinheiro usandode uma persuasão. Igual algumas Seitas religiosasfazem. - Coloquei uma mixaria e fiquei pensando:Coisa esquisita eu não estou com vontade de beber.Eu não sei quem vai ler isto, por isto, por isto vouexplicar de uma vez: Nossa sacolinha é nossa 7A.Tradição. Cada um coloca o que pode para asdespesas de água, luz, aluguel , cafezinho etc. etc.etc. É um simples rateio - É a coisa mais justa que oAA nos oferece uma vez que não aceitamos qualquerdoação de fora. Nisto eu observei que toda pessoaque se preocupa com a 7A tradiçao é muito bemsucedida dentro da Obra. Todo aquele que acha queos outros tem que pagar a parte dele é um dosfracassados de AA. - AA não tem qualquer tipo depatrimônio. Seu maior patrimônio são seus própriosmembros que podem e devem entender que para secrescer na vida temos que assumirresponsabilidades. E, nossa saolinha foi para mim oprincípio de tudo. - Então, como estava dizendo,desconfiei da Obra, aliás eu desconfiava de tudo e detodos. Já estava numa quarta feira e eu havia chegadona segunda feira. Voltei na quinta e neste dia sempreeu ligava para alguém ou alguém me ligava parasairmos e dentro do programa sempre existiu bebidaalcoólica. - Não marquei nada com ninguém nem naquinta nem na sexta. No sábado as reuniões eram as 9
  10. 10. 15 horas. Fui a reunião e outra vez fui para a casa. Nodomingo não tinha reunião. Pedi a minha esposaencarecidamente que trancasse a porta e não medeixasse sair de jeito nenhum. Se eu saísse estariaarriscado de beber. - Assim ela fez. Também estavaacostumado a ir aos domingos na casa da minha mãeencontrar com meus irmãos e também beber. -Também não fui. - A partir destes últimos diascomeçou meu fígado a doer por falta de álcool. Euficava muito nervoso. Comecei a ter um sonoagitado. E salvo engano tive até pesadelos. - Minhaesposa pacientemente levantava e me dava água comaçúcar. - Também meu padrinho de ingresso sugeriuque eu comece algo doce. Uma senhora muitosimpatica disse que eu estava renascendo que era praeu cuidar muito bem de mim mesmo. Que eu eramuito importante. E ainda um espiritualista ( irmãode Obra) disse que eu estava montando num burrobravo que era pra eu segurar firme e não cair. Evárias outras mensagens recebi da compnheirada deAlcoólicos Anônimos - Curioso nesta semana quequando eu pegava o ônibus para ir embora, o pontoque tinha que descer era em frente, do ouro lado darua, do buteco que eu também bebia muito. Nestesprimeiros dias, assim que eu descia ficava e continuade costas para o bar. Se eu olhasse ou alguémchamasse eu estaria arriscando a beber devido meualto grau de alcoolismo e a compulsão era exagerada 10
  11. 11. -Eu tive que mudar todos meus hábitos iniciais paragarantir minha abstinência alcoólica senão eu nãopararia. Foi um alto preço mas valeu e vale a pena -O tempo passou e com pouco mais de um mês deparalisação eu comprei uma motoquinha, uma TT81125 cc - Minha esposa me dava a maior força e paroude beber por minha causa - Tive uma amiga muitobonita, nova , dona de um salão de beleza e minhacliente na contabilidade que também deu a maiorforça. Ela ensinou-me a tomar água mineral gasosacom limão. E todas as vezes que saíamos, isto durouvários meses, a fazer parte em substituição a bebidaalcoólica. Outra moça muito bonita, que foi minhafuncionária, também ficou um tempo sem beber parasair comigo e outra ainda, a gerente da Loja na Av.Santos Dumont. Fazia questão de sair comigo e nãobeber este dia.- Vale lembrar: Eu não queria estarcasado, minha esposa não tinha e ainda não temqualquer aptidão por serviços domésticos, não tempaciência com crianças e não tolera choro de crianças- e os resultados da paralisação do alcoolismoestavam excelentes. Só que comecei a perder osclientes que eu trocava meus honorários por bebidas.Então comecei a preparar documentos paraaposentadorias, para terceiros, do antigo INPS, -Nisto eu comprei um fusquinha amarelo. Porém adivergência conjugal continuava. Quando soube queminha esposa estava grávida de um terceiro filho eu 11
  12. 12. desesperei. Quando minha filha nasceu eu cheguei ater ódio do neném. Procurei como antes nos temposdo alcoolismo minha psicologa, rezei (orei) muito ehoje sem dúvida minha filha é o colírio dos meusolhos. - Cheguei para minha cliente que me deu amaior força com a água mineral gasosa e sisse queiria separar e casar com ela. - Ela então respondeu:Eu não vou destruir lar de ninguém. Eu sou suaamiga e não quero me casar com você! - Graças aestas palavras hoje eu entendo quando uma pessoadesesperada aposta todas suas fichas em umcompanheiro de AA ou quando homem aposta suasfichas em uma companheira de AA e acabam porfazerem um relacionamento amoroso por algumperíodo. Porém graças a esta passagem não admiti atéaos vinte anos de AA que qualquer companheirativesse um relacionamento comigo. Quem vê nooutro companheiro uma esperança não merece abuso.Isto eu aprendi.- Isto começou a gerar conversa. Masa conversa só explodiu quando comecei a trabalharem Comitês de Serviços ou seja, comecei a mecolocar como administrador de grupo. Quando recém chegado em AA, meu cliente setornou secretário em outro grupo. Com a compra deum fusquinha, passei a ir com ele neste grupo econheci um dos fundadores do grup. Este fundadordo grupo era taxado. Meu cliente apesar de novotambém de AA pois não tinha nem seis meses na 12
  13. 13. época disse-me que o fundador do grupo não valianada. - Eu acreditei naquele que se punha como meuamigo e dei uma distancia no outro senhor. - com opassar do tempo, este meu cliente por não aguentar apressão abandonou o cargo e tudo caia nas costas dofundador do grupo. Eu vendo aquilo, achei umatremenda covardia. Pois ele fazia tudo e tudo quefazia alguém criticava ou reclamava e quando eleoferecia o serviço ninguém fazia. - Que absurdo. - Vique meu cliente estava errado aquele homem era oque eu precisava. Um homem trabalhador eexperiente numa Obra que dava resultados - E, numadas críticas de outros fracassados eu não agüentei, deium tapa não sei se na parede ou na mesa e disse:Fulano, eu estou com você! - Durante o período de1982 até 1987 quando meu querido amigo padrinhosimbólico, companheiro paixão de AA morreu, estegrupo foi um dos mais bem elaborados efreqüentados de BH. - Tudo que nós fazíamos davacerto. Eu jovem e com força. Ele experiente evelhaco para com as outras cobras. Foi a melhorparceria que fiz na vida. - Com a morte destecompanheiro, ninguém se entendia no grupo. Euachava que a responsabilidade da administração tinhaque ser minha. Outro companheiro que na verdadeera um dos que me combatia ele achou que deveriaadministrar o grupo. Chamou alguns membros danossa Central de Serviços e numa reunião de serviços 13
  14. 14. por volta de l989 o pau quebrou e quase deu briga -Então entreguei o grupo para este companheiro e osmembros do ESL e disse: vocês vão acabar com istoaqui. E fui embora - Dei um tempo de 1990 até o ano2000 (dez anos). Aproveitei e fui conhecer e visitaroutros grupos. Neste período sempre trabalhei no12O. Passo e nunca esqueci a 7A tradição. Quandovoltei o grupo estava muito bonito fisicamente masnão tinha reuniões. Tinha apenas um coordenadordormindo debruçado em cima da mesa. Lembrei domeu querido mentor; homem que havia me ensinadoa trabalhar para o AA e vi o fracasso. Perguntei pelocompanheiro que junto de alguns membros do ESLfez questão de pegar o grupo e então soube que hámuito tempo ele não freqüentava mais lá. - Como nãotinha ninguém para coordenar o grupo, pedi a umirmão de obra que tem a mesma idade de abstinênciaque eu para se candidatar e eu o ajudaria como fizcom o falecido fundador do grupo. Ele disse que nãoteria tempo e não podia. Sem outra opção, dispenseitudo que podia e me candidatei para o exercício de2001. Minha surpresa foi no dia da votação. - Eucheguei quase em cima da hora. Havia outro nomeque era exatamente o do meu irmão contemporâneoque disse que não teria tempo. Achei que ele iria meajudar. - Quando começou a reunião percebi quehaveria uma votação e eu estava concorrendo comele. Neste dia compareceram dezoito companheiros e 14
  15. 15. perdi a eleição por 15 a 3 votos. - Agradeci a todos.Quando estava dentro do meu carro um outrocompanheiro perguntou: Coutinho você vai pra onde? - Vou tomar um caldo de mocotó e vou para casa,respondi - Posso ir com você, perguntou - Claro,respondi. - Quando chegamos num bar ele começou ame contar: Coutinho aquela eleição foi toda forjadacontra você. Fulano passou em minha casa, nóspassamos na casa do outro, depois na do outro eassim por diante. Pedimos a todos para não votaremem você pois você ganha as eleições e abandona ogrupo. - Eu quase caí. Nunca havia me candidatado anada. Como eles podem falar isto. Tinha algunsveteranos mas a maioria eram de novatos que naminha ausência de 10 anos nunca me viram trabalharpara aquele grupo. Também por ver a covardia quefaziam com o fundador do grupo, achei que não teriaestômago para suportar tanta covardia. E por istonenhum cargo de comando havia me interessado.Mas, tive participação em toda evolução daquelegrupo. Inclusive com sugestões para melhorar oaspecto físico a ainda ajudei na compra das cadeiras.- Quando que fui difamado e caluniado, voltei afreqüentar o grupo e senti todo o tipo dediscriminação possível. Freqüentei quase todas asreuniões de serviço e nunca qualquer projeto ouproposta meu fui aprovado no exercício de 2001.Quando foi findando o ano, pedi a meu companheiro 15
  16. 16. meio retardado que se candidatasse a secretário dogrupo. Ele assim o fez, dei o apoio de um novatogente boa que também estava vendo o que estavaacontecendo no grupo. Fui atrás de um amigo pedipara ele freqüentar o grupo e me dar seu apoio. Seique só tinha o nome do meu amigo meio retardado noquadro Quando começou a reunião eu coloqueiexatamente na hora meu nome no quadro. Como euhavia xingado os vagabundos que me caluniaram,eles não apareceram. Então na votação, ganhamos eue meu amigo por unanimidade e começamos anovamente reerguer o grupo. O grupo rapidamente cresceu de novo. Noaniversário do gruo de julho fizemos uma reuniãocom a presença de 170 a 200 membros. Novamentetínhamos muitas mulheres no grupo e eu não davamaior atenção fora da sala de AA. Morro de medo deque alguém sáia do seu programa de recuperação porminha causa. Aí começaram as gracinhas: Uma,esperta chegou a dizer que se seu não saísse com elaela voltaria a beber. Quase fizemos sexo, mas depoispercebi que ela era companheira do meu irmãocontemporâneo e foi a desculpa que eu precisava parasair fora. Outra tentou a todo modo me levar paracasa dela. Eu fui uma vez e levei um amigo paraenganá-la. Depois fomos para meu sítio mas o sexopenetração não foi feito. Outra começou a merabiscar e e junto com uma amiga antiga e irmã de 16
  17. 17. obra fomos também para meu sítio. Só que eram duase eu me esquivei bem. Todas disseram a mesmacoisa: EU ACHEI QUE VOCÊ ERA VIADO. -Curioso foi um que tem o tipo de Viado irrustido,apesar de carequinha todos sabem que ele é Gay. Elechegou para mim e disse eu achei que você era viado.O amigo dele que ficava nas esquinas conversandocom ele disse o fulano jura que você é viado. - Eunão tenho nada contra os Gays, mas eu não sou. -Estas brincadeiras de mal gosto só surgiram depoisque eu comecei a fazer parte do comitê de serviços.Aí não agüentei e pela primeira vez fiz sexo com umacompanheira de AA. Isto eu já tinha quase vinte anosde obra. - Parte foi bom porque eles pararam com asbrincadeiras de mal gosto. Parte foi ruim pois todosnós sabemos que se um homem não pode assumiruma mulher ele não deve ficar brincando pois estabrincadeira pode causar danos a sua reputação.CAPÍTULO IIIFui chamado de mentiroso Durante o período de 1982 a 1987 meu Grupo docoração fez um sucesso danado. Como já disse eu erao braço direito do fundador do grupo e tudo que agente fazia dava certo. O Grupo salvou muitas vidas. 17
  18. 18. Porem, eu sempre via o meu querido mentor sendoatacado sem qualquer motivo era só uma coisa darcerto, lá vinha um encher o saco. Saí em 1989 dogrupo por pressão . Voltei em 200l e senti o que eradiscriminação em AA. Quando isto aconteceu faleida vida de quase todos os caluniadores e solicitei quefalassem da minha vida. Ninguém falou. Em 2002assumi o cargo de RSG com mandato para dois anos.Na verdade eu pensava que devido ao fracasso dogrupo eu não conseguiria presenças para as reuniõesem um anos. Porém consegui. Com o sucesso depresenças dos AAs, convidei um grande orador. Umpolítico que tentou fazer de mim um trampolimdentro do AA e eu o deixei na mão. A minhaconsciência é assim mesmo dói por décadas.Aproveitei a oportunidade e pedi a ele que fizesseparte do grupo. Ele continua o mesmo bom oradorporém mal caráter. Durante o Ano de 2002 enquantonão houve disputa política o grupo foi até bem .Lembrando que meu secretário ou melhor osecretário que foi eleito comigo tinha um problemade retardamento mental. Começou a passar mal nofinal de 2002 e salvo engano veio a falecer em 2003.Tive dois afilhados simbólicos: Um chegou no grupoe gostava de ler, aproveitei e repassei para ele todotipo de literatura, explicando e debatendo. Só que eutambém estava fazendo as literaturas neste período eutinha apenas um pouco mais de experiência em 18
  19. 19. abstinência . Outro também não conseguia paralisarcom seu alcoolismo. Bebia bebida alcoólica e ia nogrupo tirar gosto com cafezinho e biscoito. Euchamei sua atenção e ele com o tempo firmou e virouum grande companheiro. Só que estes dois viraramvítimas do falso político dentro da sala que compersuasão acabou por confundir a cabeça dos dois.Eles são ótimos AAs, porém, com a bagunça quepassaram se negam assim como eu fiz no passado afazer parte de um comitê de serviços. O exercício de2003 dentro do grupo foi um verdadeiro inferno. Avaidade começou a tomar conta de todos novamente.O novato, bom de literatura, eleito para uma funçãoachou que era o responsável pelo grupo porinfluência do político. Um rapaz até honesto,começou a perturbar todas reuniões. O políticochamou um amigo psicopata e este só chegava nogrupo também para perturbar. Fazer bagunça mesmo.O Político com seu carro importado fez umaverdadeira gang. Sempre chamava alguém paracomer macarrão e o persuadia com seus propósitos eobjetivos. - Sempre dei minhas referencias pessoaisdentro do AA. Como é apenas uma terapia de grupo,ninguém precisa provar nada. Porém sempre estive eestou a disposição para mostrar ou se precisar, provaro que falo. Aprendi que o golpe de qualquerfracassando dentro do AA é a fofoca com falsasreferências. - Então eu fiquei na seguinte condição: 19
  20. 20. Ou eu me afastava do grupo, ou eu enfrentava todosos tipos de calúnias a meu respeito com falsasreferências.A gang do político cresceu. Ele para tentar conquistaruma nova ingressante ofereceu e serviu Cerveja semálcool. Daquele dia até hoje a menina não maisvoltou em AA. - Chegou ao ponto de dizer para outranovata que se ela não ficasse com ele era para elasumir do grupo. Ela me contou o caso e foi embora. -A falsa referencia era muita eu só tinha meu próprioexemplo para dar e numa reunião de sala cheiaquando disse que levei quase vinte anos para tercoragem de me relacionar sexualmente com umamulher de AA, levanta um pau mandado, um rapazque é até honesto e diz: Você é um MENTIROSO,você meteu a cara com uma mulher aqui e o casal foiembora. Também meteu a cara com uma loura naesquina. - Até hoje não sei de quem ele falou poisnunca meti a cara com ninguém - Também não seiquem é a loura da esquina. Ele foi persuadido parame difamar. - Passado um tempo chega também umamigo deste rapaz, o viado enrustido, o carequinha ediz: eu sempre achei que você mente na cabeceira demesa. Assim chegaram a dizer por persuasão que euera um mal caráter. Só gente desenformada. Quandoeu faço uma terapia de grupo se eu mentir, eu estareimentindo para mim mesmo. Isto só vai meprejudicar. A pior pessoa do mundo é o despeitado 20
  21. 21. ele espera uma chance apenas para te destruir. Não seimporta com o preço e nem de atrapalhar uminocente. No meu caso, por falta de experiência emcomitê de serviços, acabei pagando caro e meu braçodireito ficou dormente, comecei a passar mal e fuiparar no médico. - Chegando lá, expliquei a bagunçaque estavam fazendo com minha moral e acabandocom o grupo de AA - Ele então sugeriu que ou euabandonasse os serviços ou então teria que ter umapoio de um psiquiatra para tentar amenizar meuschoques emocionais. - Assim pensei em dar oseguinte golpe: Eu passaria meu cargo para o políticoe deixaria ele se virar um tempo, como fiz em 1989. -Quando fui passar, o baixinho que me ajudou areerguer o grupo que apesar de analfabeto era o 2O.RSG, não concordou. E por direito exigiu que fosse oprimeiro. Assim, inverti o jogo, passei a ir nasreuniões de serviço e não deixar nada de pioracontecer ao grupo. Tudo que acontecia de errado euescrevia e distribuía para os membros. Mas um malcaráter não mede danos a terceiros para impor seusmalfeitos. E assim começaram a tentar de todos osmodos não deixarem que eu freqüentasse as reuniõesde serviços e tentaram até me expulsar do grupo etambém tentaram expulsar uma companheira quetambém via a cachorrada e me apoiava. Quase todosnovatos do grupo comprados com brindes e favorespessoais. Chegou um dia entrou uma moça bonita no 21
  22. 22. grupo e vi um fazendo o serviço de cafetinagem comentrega a domicílio. - O Grupo endividou-se -Resultado para o exercício de 2004 tive que assumiro grupo novamente. E, se não faço isto era perigoso ogrupo sofrer uma ação de despejo pois já estavavencendo o terceiro mês de aluguel em atraso. Porémachei e acho que dívidas de grupo de AA éresponsabilidade da consciência coletiva. Quando sefaz reuniões clandestinas a responsabilidade é docomitê de serviços que deixou.- Portanto fuicandidato sozinho. Ninguém quis saber daquilo lá. Euvoltei e assumi “sozinho”. Nenhum grupo de AA deve ser administrado poruma única pessoa. Isto atrapalha a própria pessoa quefaz isto. Estamos na maior democracia do mundo queé um grupo de AA. Portanto, toda e qualquerresolução, decisão ou projeto, deve se ter a aprovaçãoou não dos demais. Toda decisão isolada em AA éburra. Pode até resolver aparentemente mas oresultado sempre é negativo. Então, eu tendo estaconsciência, chamei dois companheiros e propus oseguinte: Eu vou colocar em votação vários projetose terei que faze-los com um pouco de pressa pois ogrupo corre risco de esvaziar. Então que tal assim: eucoloco o projeto no quadro de aviso e vocêsrapidamente aprovam ou não. E assim foi feito. Aprincípio tudo começou a dar certo. Após algunsmeses um dos companheiros começou a vetar todos. 22
  23. 23. Eu achei esquisito e cheguei até a fazer uma carta.Pois o veto de um não atrapalharia a sanção de dois.Então este companheiro de repente achou quebastaria o veto de um para não dar andamento nasidéias. - Eu, percebendo que ele queria apenasaparecer, o grupo sem dívidas, e ainda apossibilidade de dar obrigações para outro, não tivedúvidas. Larguei o cargo e entreguei para os dois.Quando fiz isto, o grupo estava bem, eu estava numaboa fase de estudos das literaturas de AA - Estava emcasa tranqüilo, descansando quando final de 2004 otelefone toca. Era o baixinho o 2O. RSG do grupo docoração dizendo: O companheiro fulano de Tal vaireabrir o Grupo Lagoinha. Vamos lá dar uma forçapara ele. - Fui no Grupo, fizemos uma reunião de seismembros, o tal fulano não apareceu. O senhor queestava com as chaves levantou-as e disse: Seninguém for pegar as chaves vou entrega-las para opadre e acabarei com o grupo. Neste momento minhaconsciência pesou, eu não poderia deixar fechar umgrupo de AA. Então peguei as chaves e disse: deixe-me tentar . Assim em 13 de janeiro de 2005 fizemosjá a primeira reunião da reabertura do grupoLagoinha. 23
  24. 24. CAPÍTULO IVFui chamado de Ladrão Eu estava em casa, no meu pequeno escritório,quando o telefone tocou. Era a Fernanda dizendo queo que ouviu a meu respeito pela boca da Carmen T.ela não agüentaria ficar calada. Carmen havia ditoque segundo comentários no grupo, eu estava tirandodinheiro. Disse também que eu estava tentandomudar as reuniões de serviços de terças para sábadosporque aí não teria ninguém para conferir minhascontas. Também disse que eu estava tirando dinheiropara colocar gasolina na minha moto. Já eram 0:30 hsda madrugada, levei um susto com o que estavaouvindo e comecei a falar alto no telefone. Minhaesposa e meus filhos acordaram e vieram saber o queera. Viram-me aos berros dizendo isto é um absurdo,o que as pessoas de AA tentam fazer com os quetrabalham é coisa nojenta. Nunca precisei roubarnada de ninguém. Aliás, fechei meu escritório paratambém não ser roubado . Não gosto destabrincadeira. O melhor que eu faço é entregar estecargo pois não sou empregado de ninguém e disseainda: As anotações eu já disse para Carmen queestão todas feitas no livro. Era só ela pedir para 24
  25. 25. conferir. - Acabando a ligação pra não incomodarminha família, dei as devidas explicações e fuidormir. Porém, não conseguia. - Liguei outra vezpara a Fernanda e fui me encontrar com ela. - Aochegar ela muito inteligente foi tomar uma Coca Colacomigo e calmamente me ouviu e explicou-me o queminha família já havia dito: Se eu não sou de mexerem nada de ninguém, como realmente sou, eu nãodevo me incomodar com isto. Todos nós sabemosque o sucesso de uns incomodam outros e também seeu não tirei nada é só chegar e mostrar para quemquiser as contas, e acabou por acalmar-me quandodisse que eu não devia me incomodar com as pessoase cuidar melhor de mim mesmo. Mesmo confortadocom as palavras ainda saí muito nervoso do nossobate papo. No outro dia quando já estava no grupoLagoinha a Carmen chegou,. Eu quando a vi, tremipor dentro, e disse: Estou muito decepcionado comvocê. Você falou para Fernanda que eu estavaroubando no grupo. E, tentei a todo custo mostrar-lheas contas no final de uma reunião que custou aacabar. - Ela inteligentemente acalmou-me , dizendoque houve uma alteração no diálogo que teve com aFernanda das palavras. Que amanhã, terça-feira,haveria uma reunião de serviços e que poderíamosesclarecer tudo. Custei a esperar o outro dia. - Nooutro dia começamos uma reunião de serviços. Sr. 25
  26. 26. Geraldinho é quem guarda o dinheiro. Carmen estavapresente, eu havia convidado o Churrasquinho, emesmo um pouquinho atrasada, Fernanda apareceu.Estavam também outros novatos e um visitante. -Imediatamente peguei o livro de caixa e fomosconferindo todas as contas. Após conferir, constatou-se que ainda tinha um crédito grupo. Eu só nãoroubei como ainda paguei várias coisas para o grupo.Aí começaram a me acusar de ferir as tradições queeu não deveria pagar nada para o grupo. Aí eu disse:Fui acusado de LADRÃO, agora estou sendo acusadode PAGADOR ?O que aconteceu: Sr. Adilson nosso segundotesoureiro se encanta com uma novata e a novata seencanta com ele. Ele tenta de todos os modos a ajudá-la a paralisar com seu alcoolismo. Ela não conseguiae começou a faltar nas reuniões. Aí chega umveterano xereta de AA,( Vivaldo) destes que nãogosta de trabalhar de jeito nenhum e aconselha o Sr.Adilson a abandonar o cargo. Quando eu vi aquilo,perguntei o que o Sr. Vivaldo estava fazendo. Elerespondeu que estava preservando o novato. Então eudisse agora então você fica no lugar dele. Resultado:Sumiu o nosso tesoureiro e o veterano xereta. -Quando olhei o livro de caixa as anotações do mêsnão estavam sendo feitas. Assim ao invés de pegardinheiro na sacolinha, comecei a passar todo dinheiropara o Sr. Geraldinho e a pagar do meu bolso e fazer 26
  27. 27. as anotações. - Só que estou sem atividadescomerciais (trabalhando em troca de dinheiro) nomomento e por isto meu dinheiro é pouco. Portantofui pagando até que meu dinheiro acabou. Porém,como já disse, anotei tudo. - Quando acabou comeceia fazer alguns vales na possibilidade do grupo com oSr. Geraldinho. Sabia o tempo todo que tinhacréditos. Sr. Geraldinho é semi-analfabeto nãoperguntou nada, não conferiu nada, limitou-se acomentar com alguns membros achando que euestava desviando dinheiro do grupo. A conversaaumentou e deu no que deu. - Se observarem norodapé do balancete de dezembro onde está aprovadoe assinado, verão um símbolo © que diz que foipagamento feito direto pelo Coutinho e não diretopelo caixa. - Também fiz somente o de dezembro omês de novembro e outros anteriores foram feitospelos tesoureiros ou seus responsáveis. Sendo quenovembro quando o dinheiro não deu, eu Coutinhotambém paguei para não faltar o que foi aprovado emreuniões de serviços e/ou pela consciência coletiva dogrupo. Também o mês de novembro foi assinado peloSr. Adilson. Assim sendo, eu só não peguei nada, como fizum trabalho que não era de minha obrigação e aindapaguei algumas contas do meu bolso pra não faltarnada no grupo. - Mesmo assim, após conferido todasas contas e aprovado o balancete de dezembro /2005, 27
  28. 28. um baixinho que usa o analfabetismo como desculpapara tumultuar um grupo, continua me chamando deLADRÃO. Doido para eu perder a cabeça com elepara ele continuar a fazer fofocas em AA. e fama àsminhas custas. Mas vejam o que aconteceu na página5/6 onde falo sobre o rapaz que me chamou deLadrão.BALANCETE DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2005 DO GRUPOLAGOINHA DE AASaldo Anterior: 35,717A. TRADIÇÃO DESPESAS01 - 4,48 - Doação Sr. Geraldinho01 - 4,4101 - 4,48 - açúcar01 - 4,48 - açúcar02 - 6,8602 - 1,10 - milho pipoca03 -3,5503 - 5,00 - Fita impressora03 - 2,3204 - 4,95 - Café / Pa. Higiênico04 - 1,3004 - 10,00 - Contr. Sacola da gratidão04 - 1,10 - pipoca05 - 10,4007 - 8,2108 - 2,90 - Torneira filtro08 - 1,10 milho pipoca08 - 4,77 café08 - 5,3009 - 4,7010 - 6,5011 - 18,00 folha A4 /Fita impressora 28
  29. 29. 11 - 35,02 Refrigerantes 18 2 lts11 - 68,02 conta telefone11 - 2,0512 - 8,20 café pipoca p Higiênico bucha12 - 2,90 copo12 - 7,8014 - 2,90 copo14 - 1,38 toalha de papel14 - 10,50 carvão14 - 82,05 - carne p/ churrasco14 - 4,1514 - 4,0515 - 9,8016 - 2,5016 - 4,4017 - 3,45 café17 - 34,90 - gás17 - 8,4517 - 3,7017 - 2,67 - copo18 - 3,8318 - 3,4019 -3,0020 - 2,65 - óleo / sabão20 - 2,20 - cêra20 - 18,00 - Doação coutinho20 - 45,00 - Doação membros20 - 20,00 - Doação Coutinho21 - 4,3021 - 3,2522 - 4,48 açúcar22 - 1,78 - copo22 - 0,60 - suqinho22 - 5,26 - café p. higiênico22 - 8,1624 - 3,0024 - 4,50 29
  30. 30. 25 - 1,78 - copo25 - 0,60 - suquinho25 - 2,3025 - 2,5526 - 3,38 - café26 - 4,0027 - 4,85 - açúcar27 - 10,00 - Contribuição 2O. Distrito28 - 5,3028 - 0,9029 - 3,93 - café29 - 4,00 - cantoneiras divisória29 - 6,00 - troca segredo e chaves30 - 2,80 - copos30 - 4,3530 - 6,00 - troca segredo e chaves30 - 6,00 - cantoneiras p/ divisória30 - 4,00 - espelhoTOTAL 285,03 TOTAL 384,04ATENÇÃO: SALDO NEGATIVO 99,01NÚMERO DE REUNIÕES 44INGRESSOS E REINGRESSOS 03TROCA DE FICHA 00FRQUENCIA 425obs. O Saldo negativo é devido o aumento das despesas tais como Gás,Cantoneiras p/ Divisórias - troca de segredo e cópia de chaves.Também este mês houve a contribuição da gratidão e o valorarrecadado para o churrasco não cobriu as despesas. - Se o grupo tivercondições pagará o saldo negativo. Senão, o companheiro que fez ocomplemento das despesas abrirá mão e não precisará pagarBelo Horizonte, 10 de dezembro de 2005Sr. Adilson Sr. Geraldinho 30
  31. 31. .BALANCETE DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2005 DO GRUPOLAGOINHA DE AA.Saldo anterior 99,01 - NegativoDESPESASCompra de copos © 9,362 cópias de chaves © 4,00Conta de Telefone © 72,12Pó de café 2,50Compra de pão 3,00Pó de Café © 2,50Suquinho © 2,80Fichas amarelas © 10,00Açúcar © 5,00Compra de pão 3,00Manual de Serviços 14,20Açúcar + S. Bonder 8,00Pó de café (c e b) 2,80Copos 3,26Tirar entulho © 12,00Papel e Fita p/ computador © 18,00 - Soma 160,54 a7 . TRADIÇÃODoação Coutinho 18,0001 - 1,6501 - 3,1002 - 2,7003 - 1,7503 - 5,2504 - 3,8505 - 2,6005 - 5,35 31
  32. 32. 06 - 1,0006 - 5,3507 - -07 - 2,2008 - 3,2508 - 3,6009 - 2,9510 - 3,8010 - 7,7511 - -12 - 1,2013 - -13 - 5,5514 - -15 - 3,4115 - 5,3016 - -16 - 4,7617 - 3,5719 - 5,0019 - 4,7520 - 5,7020 - 4,7821 - 2,5022 - 2,9122 - 3,4523 - 2,1024 - 6,0025 - 5,5025 - 3,2026 - 3,5526 - 3,2027 - -27 - 5,2527 - 6,0228 - 3,1829 - 7,3030 - 4,4630 - 3,9031 - 4,30 32
  33. 33. 31 - 4,85SOMA 189,84 160,54 Saldo 29,30(débito mês anterior) 99,01- Saldo 29,30 Débito de 69,71Onde consta a letra © foi valores pagos pelo companheiro Coutinho e parte já reembolsada pelo grupo.o 2O. Tesoureiro abandonou o cargo e partes dos lançamentos não foram feitos. Outros valores foram pagose ficou como doação. Coutinho fez na medida do possível 33
  34. 34. CAPÍTULO VO que eu penso das pessoas de AACerta vez, quando ainda eu era um novato em AA,minha mãe movida pelo entusiasmo por eu terparalisado com a bebida alcoólica, convidou suasobrinha para ir na nossa casa. Quando ela chegou,minha mãe sabendo que ela tinha também problemascom a bebida alcóolica, convidou-nos a sentar noalpendre de sua casa e puxou o assunto sobre abebida e perguntou a ela se ela não queria fazer comoeu fiz; entrar para Alcoólicos Anônimos. - Suasobrinha então respondeu que já estivera lá e foiaconselhada a beber mais um pouco. - Minha mãenuma expressão de horror, perguntou-me o que euachava daquilo e então eu respondi: - Mãe, tempessoas em AA que fazem inveja a santo. São tãoboas e dedicadas que eu só tenho este exemplo paradar para a senhoras. São pessoas que fazem de tudopara ajudar ao próximo. Porém tem pessoas que nãovalem o que comem. Praticam todos os tipos deabsurdos sobre os mais desinformados ( para nãodizer coitados ) - São verdadeiros demônios. - E,assim convidei a moça para irmos para o AA. Ela 34
  35. 35. naquela época não aceitou voltar. - Hoje passadosmais de vinte anos, minha mãe já falecida eu dariauma resposta diferente. Falaria assim: Mãe o AA épara quem quer ou precisa. Se a pessoa acha que nãotem problemas com alcoolismo, então achamos queela deveria beber mais um pouco. Porém se ela temproblemas e não está conseguindo paralisar, mesmocom todas as dificuldades, ela deveria continuartentando. - Pessoas boas ou más em AA, hoje paramim, continuaria eu dizendo, é uma coisa normal etem em todos os lugares. - Não se deve ir para o AAapegando-se a outro ser humano. A mensagem de AAé para todos distribuída igualmente numa terapia degrupo. Também as literaturas são iguais para todos.Nossa sétima tradição, que é um rateio entre osmembros para as despesas é um bem, é como aterapia em grupo: é um bem coletivo que vai daconsciência de cada um. Porém todos os lugares domundo onde há um grupo de pessoas, tem quem sedestaca mais pelo valor que dá ao grupo e temaqueles que se agrupam porque não tem outra opçãoou às vezes não tem o que fazer. Quem não quer ounão precisa ou quem quer continuar bebendo bebidaalcoólica tem mais é que se afastar do AA mesmo omais rápido possível antes que atrapalhe arecuperação de quem está tentando paralisar comalcoolismo com todas suas forças. A senhora nãoacha também? - 35
  36. 36. Outra passagem interessante, também quando euera um novato em AA. Fiquei tão entusiasmado porconseguir uma coisa que jamais tive esperanças. - Eupensei que fosse morrer bebendo. Hoje peço a Deusque me deixe pelo menos como estou. Então, quandopercebi que tinha eu paralisado com o meualcoolismo eu fique muito entusiasmado. E comeceipor minha conta por anúncios em jornais. Na época oextingo Jornal de Minas, um jornal até certo pontofraco porém dava resultados. - E, ainda caí nabesteira de sugerir ao já falecido Zé Alberto parapedir que colocassem uma placa de AlcoólicosAnônimos na Central de Serviços. - Foi quandorecebemos a visita de um antigo da central, destestodo poderoso e disse que o AA não tinha que terplacas não. Que não punha anúncios também não esem citar meu nome em cabeceira de mesa só faltoume chamar de santo o resto tudo ele falou, -Passaram-se os anos e foi criado o CTO para ajudarou auxiliar os membros na divulgação dos seusgrupos. Nossa central tem uma enorme placa e o todopoderoso continua trabalhando lá. E, por último.gostaria de dar um exemplo de sucesso pela raça -Também ainda novato em AA. - Fui ingressado noGrupo Tarde Azul no centro de nossa cidade. Acabeipor convite de um cliente meu a visitar um grupinhopequeno no bairro Bonfim (Grupo União ) comalguns meses percebi que o fundador do grupo ao 36
  37. 37. qual me disseram que ele não valia nada, era o quemais trabalhava, era ele quem se interessava pelogrupo e eu que não gosto e não admiro pessoas deduas caras, comprei, como já disse, ainda novato, abriga dele. Eu sabia que eu iria continuar dependendoe freqüentando o AA. Se eu ver uma covardia e nãome manifestar é porque sou tão atoa quantos os quefazem a covardia. Então, como estava dizendo,comprei a briga deste irmão e durante o período de1982 a 1987 enquanto este meu amigo foi vivo estegrupo foi simplesmente um sucesso. - E parte destesucesso foi minha petulância. Vou explicar: Eu eracontador na época. Sempre gostei de Marketing ousempre fiz a divulgação dos meus negócioscomerciais. Portanto sempre tinha cartões de visitasnos meus negócios particulares. Aí, sugeri ao falecidoOtacílio que fizéssemos um Clichê e colocássemos alogomarca de Alcoólicos Anônimos nos cartões devisitas do Grupo. Quando cheguei com o clichêpronto lembro-me dele dizer; “COUTINHO, ELESVÃO ME CRUSIFICAR”. O tempo passou e depoisdaquela época parece que todos os cartões de visitasusam a marca do AA e soube que há alguns anosatrás esta marca foi liberada para todos os grupos. Todas as vezes que me envolvi com pessoas deAA eu me decepcionei. Principalmente os que ajudeicom o 12O. passo. Mais cedo ou mais tarde a máscaracairá e veremos que a pessoa não é bem aquilo que 37
  38. 38. nós pensamos que fosse. - Poderia eu dar aquicentenas de passagens negativas ou milhares depassagens negativas. Hoje com 23 anos de trabalhoscom outros alcoólicos, me julgo até uma pessoaexperiente. Porém, sou apenas um alcoólico emrecuperação. Se eu for pagar pelo que ganhei em AA,nem que seu nascesse mais duas vezes eu pagaria. Seeu pudesse cobrar alguma coisa de nada adiantaria. Então eu penso o seguinte: Todos os alcoólicosquando começam no AA, vão passar por umatransformação Toda transformação que pode ser acurto, médio ou a longo prazo, é lógico, vai ter suasmodificações ou adaptações. Toda modificação coma paralisação do alcoolismo será para melhor sehouver um programa espiritual, ou por exemplos deboa conduta. - Caso qualquer um membro antigo quecomece a usar o AA como fonte de ataque a outros,este fatalmente pagará pelos seus atos. Nenhummembro de AA deve cobrar nada. Apenas entregarnas mãos do Poder SuperiorAlguns exemplos esquisitos: O veterano que me atacou em cabeceira de mesa, acabou por ajudar-me muito pois fui cuidar para que meus filhos não virassem alcoólatras como eu sou. Porém este senhor teve que ingressar seu filho em AA O rapaz que me caluniou como eu estava metendo a cara com as mulheres de AA. curiosamente perdeu 38
  39. 39. sua família e paga pensão e está fora do lar e teve que voltar para casa de sua mãe. - Eu que tenho um filho fora do casamento, neste mesmo período consegui a guarda compartilhada do meu filho e ele graças a Deus mora comigo. O Rapaz que finge de analfabeto para chamar-me de ladrão. Passou e passa por uma humilhação própria. Ninguém disse nada. Porém sua própria esposa e seus meninos pegaram coisas dos outros dentro do grupo. E, todo o grupo sabendo disto. foi convidado a devolver o que sua família pegou. Quanto as mulheres que insinuaram que eu era viado, uma já morta pelo alcoolismo, outra que não firma no programa, outra, a que agora tem certeza que não sou, está firme no programa, eu deixo um beijo. Quanto ao homem que insinua que sou viado, deixo um abraço pois todos sabem que ele é homossexual. Se ele finge que não é, é porque tem vergonha e deve ser um péssimo exemplo para sua própria classe. Se ele tem vergonha, porque não procura um médico especialista?Em resumo: Eu não tenho que pensar nada deninguém. O melhor que eu faço é cuidar da minhavida. Se alguma pessoa com problemas alcoólicosprecisar, é minha obrigação repassar minhasexperiências. Seja por palavras, escrita ou mesmo porexemplos de sucesso. - Um beijo a todas pessoas quelutam contra o alcoolismo. - 39
  40. 40. CAPÍTULO VIUm fato interessante: Quando em janeiro de 2001 fui caluniado nogrupo União, tinha como concorrente de votação umcompanheiro que se ingressou praticamente nomesmo período meu, um contemporâneo, o qual euhavia solicitado que se candidatasse e eu o ajudariaassim como fizera uma vez com o fundador do grupo.- Eu não tinha estômago para comitê de serviços - Eledisse que não teria tempo e quando foi no dia daeleição, este senhor concorreu comigo numa eleiçãoforjada para ele ganhar. - Após eu saber que a eleiçãofoi forjada, eu o chamei de descarado e fui acabeceira de mesa e disse alto claro e em bom tom e,depois para outros continuei dizendo que o apelidodele no grupo era IMPRESTÁVEL. Nunca se dispôsa fazer nada pelo grupo. - Com a eleição deste meucontemporâneo e minha perda por 15 votos a 3, eusabendo que havia sido covardemente rejeitado poroutros veteranos fracassados, destes que não fazemnada e querem comandar o grupo, inteligentementecomecei a participar de todas as reuniões de serviços.Como também já disse, todos meus projetos ousolicitações eram vetados. - No exercício do ano 40
  41. 41. seguinte, 2002, também como já disse, me candidateinovamente e ganhei para o cargo de RSG. - Estesenhor se afastou alguns dias. Depois começou a darpalpites nos serviços do secretário do grupo. Com adoença e consequentemente o falecimento do nossosecretário ele assumiu o grupo. E desde esta épocapara cá tem sido o grande servidor do grupo União.Entre tapas e beijos, já se passaram mais de 5 anos enosso antigo imprestável virou um homem de linhade frente. Trabalhador responsável, agradecido e fielaos princípios de AA. Quando no exercício do ano de 2003 ondeentrei em atrito com um veterano metido a político ese dizia com mais de trinta anos de abstinência, ondeme fez perder a cabeça por achar que todas novataseu entravam no grupo deveriam ser cantadas por eleinclusive fazendo outros novatos de quebra galho noserviço de cafetinagem com entrega ã domicílio.Nesta época também o grupo estava indo para trêsmeses de aluguel em atraso. Na hora de passar ocargo, aliás, passou até antecipado em novembro,pagou todos os aluguéis em atraso do seu bolso.Como eu não aceitei a dívida para o grupo por tertido reuniões clandestinas sem que a consciênciacoletiva do grupo participasse, este companheiroacabou por ficar no prejuízo. Ele pagou sozinho. -Passado mais três anos, soube agora que ele secandidatou e foi eleito no grupo Tarde Azul. Eu não 41
  42. 42. posso e não devo falar mal e nem mesmo pensar malde quem está tentando trabalhar para o AA. - o queeu posso pedir nesta hora é que Deus ponha umpouco de juízo na cabeça deste meu irmão, que elepare com esta paranóia de companheiras de AA e quecontinue com suas palestras, principalmente os 12Passos do qual ele explica tão bem. Estou torcendopelo sucesso dele. Outro caso interessante foi do novato quecomeçou a caluniar-me dentro do grupo. Disse que eutinha metido a cara com uma mulher de AA e que omarido dela tinha saído com a companheira que eumeti a cara e foi embora do grupo. Que perdeu suafamília e foi morar com a mãe de novo. - Estecompanheiro eu empurrei o Grupo União nele e nooutro. Nele porque ele deixou o outro comandar semdar sua devida palavra na hora certa. No outro porqueele estava brincando com coisa séria. - Então, algunsmeses depois que este companheiro assumiu o grupo,o outro o deixou na mão. - Ele não conseguiu enchero grupo União, mas manteve as portas abertas e ascontas em dia. É Assim mesmo, agora estecompanheiro, julgo eu, tem experiências o bastantepara comandar qualquer grupo de AA pois o grupoUnião é um dos grupos mais difíceis de administrar.Então, dou os parabéns para este companheiro e estoutorcendo pelo sucesso dele em AA. - Aliás depois 42
  43. 43. que se acalma em AA, o sucesso é uma questão detempo. - Outro fato interessante é do baixinho queajudou-me a reerguer o grupo União, quando eu saíele fez questão de assumir o cargo de 1O. RSG. Pediuque apoiássemos o companheiro que iria assumir ogrupo Lagoinha. O companheiro não apareceu eacabei por assumir os trabalhos deste grupo. Ele, obaixinho, prometeu apoiar-me a abandonou o grupo. -Depois começou a atacar-me, fazer motins e até adesanimar novatos com tanta conversa fiada. - Porémé o único que se interessa em assumir o grupo. - Naúltima discussão, quando ficamos sabendo que suaesposa e suas crianças teriam pegado as coisas deoutra pessoa no grupo e que por isto nosso zeladorhavia entregados as chaves, começamos um bateboca e ele continuou chamando-me de Ladrão. - Fuiembora, dei uma volta para não brigar com ele. Masele prometeu vir na reunião de serviços e assumir ogrupo se eu entregasse as chaves para ele e tirassetodos meus pertences do grupo. Sendo assimconcordei parcialmente e após sua saída, comuniqueio fato aos outros membros que chegaram no grupo.Todos sem exceção concordaram em me ajudar epediram para não passar o cargo para ele quedeveríamos fazer uma votação no dia que elechegasse e quem quisesse votaria nele quem não 43
  44. 44. quisesse, votaria em mim. - Nesta hora , lembrei-mede 2001 no grupo União onde eu iria pegar um cargoe no dia que fui pegar havia uma votação de mentirapara eu não trabalhar no comitê de Serviços. -Sendo assim, lavei a cara e liguei para o baixinho edisse que ninguém queria que eu passasse o grupopara ele. Que todos queriam que houvessem umavotação. Como já haviam feito comigo uma covardiadesta anteriormente, eu não poderia cometer talabsurdo de quando ele fosse pegar eu armaria umavotação sabendo que ele iria perder. E, assim oconvidei para ir no grupo na segunda feira paraconversarmos pois a reunião de serviços seria naterça feira. - Quando ele chegou, eu já estava nogrupo no final da reunião de recuperação da tarde.Acabou a reunião e começamos a conversarcalmamente. Então repeti e expliquei que o queaconteceu comigo em 2001 eu não poderia fazer comele. Eu não tenho duas caras, mas se todos me pedempara ficar mais um pouco, eu também não posso virara cara para meu grupo pois isto também pode saircaro para mim. - Ele aproveitou e reclamou quequando eu deixei o cargo de RSG ao invés de passarpara ele eu ofereci o cargo a outro veterano, opolítico. - Eu então expliquei que minha maiorpreocupação era com ele. O Político deveria assumirum grupo para saber o tamanho da responsabilidade,assim como eu fiz com o que me caluniou também. 44
  45. 45. Todos dois hoje estão bem . Porém deixei bem claroque assim que ele reivindicou o Cargo de 1O. RSGlhe dei todo apoio e ainda eu o acompanhei em todasas reuniões de serviços. A ainda naquela época eudeixei os trabalhos que haviam iniciados no grupoLagoinha e fui correndo acudir o grupo União queestava com dívidas. - Também não esqueci deagradecer as centenas de novatos que ele já trouxepara o AA - Ele pensou um pouco. acalmou-se. Pedipara ele coordenar a reunião da noite. Ele coordenoumuito bem, a reunião foi ótima - ele devolveu o quesua esposa e suas crianças pegaram e pediudesculpas. E disse ainda que agora ele era pai e mãe.Os filhos são de outra esposa que está na militânciaalcoólica e passou a guarda dos filhos para ele. E suaesposa atual tem problemas mentais. Além destes, tivemos vários outros trabalhadoresque estão lutando. Eu agradeço também ocoordenador do grupo Novo Caminho, e ocoordenador do grupo Porto Seguro. Continuo aagradecer os trabalhadores do 2O.Distrito quesimplesmente deram um show nos exercícios de 2004e 2005 onde tivemos um MCD altamente competentee não posso esquecer de sua equipe de trabalhos.Também um tal de Brasil, homem honesto honradoque ajudou no ESL, acabou por candidatar-se comoMCD e ganhou para o próximo biênio. Não possoesquecer de agradecer as moças do CTO e demais 45
  46. 46. membros que graças a Deus está funcionando emuito bem. Também agradeço aos servidores dogrupo Lagoinha que como um time, continuamos atrabalhar para Deus e, é claro, mostrar resultados.Aliás, bons resultados. Então, eu fico pensando: após toda aquelaconfusão, nasceram vários trabalhadores dispostos aajudarem o AA. 0 AA é assim mesmo, é um local deluta contra o alcoolismo. Às vezes achamos queestamos certos e às vezes achamos que erramos, só otempo mostra que muitas vezes errados, estamoscertos e certos estamos é errando. Nesta horaqualquer pessoa que fica parada acaba por seprejudicar e prejudicar aos outros. Temos que colocarDEUS NO CORAÇÃO e ir à luta. Portando,parabéns aos novos servidores do AA. Após estes relatos, cheguei a conclusão que eudevo entregar, se o baixinho ainda quiser, o grupoLagoinha. Já trabalhei um ano neste grupo e lutei trêsanos por outro grupo. E ainda passei por um ano dediscriminação. São 5 anos de luta pelo meu queridoAA. Eu não sou dono de nada em AA. Assim comome ajudam hoje, no começo ninguém queria ajudar.Portanto qualquer pessoa que se interessar emtrabalhar para o AA, na minha opinião, deverá serdado a oportunidade. 46

×