Artigo mpa

201 visualizações

Publicada em

Ácidos graxos leite

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo mpa

  1. 1. Artigo MPA Dietary fatty acid intervention of lactating cows simultaneously affects lipid profiles of meat and milk. (Journal of the Science of Food and Agriculture - Wiley Online Library) Alunos: Caroline, Giane, Lucas e Taís. Terceiro ano do curso de Engenharia de Alimentos UEPG – Matérias-primas agropecuárias
  2. 2. Sumário • Abreviações • Introdução • Objetivos • Métodos • Resultados • Discussão • Conclusão
  3. 3. Abreviações • Ácidos graxos (FA); • Ácidos graxos monoinsaturados (MUFA); • Ácidos graxos poliinsaturados (PUFA); • Ácidos linoléicos conjugados (CLA); • Ácidos graxos saturados (SFA); • Ácido vacênico (VA); • Ácido eicosapentaenóico (EPA); • Ácido docosa-hexaenóico (DHA); • Ácido linoléico (LA).
  4. 4. Carne e leite • Fonte completa de proteínas é aquela que fornece todos os aminoácidos essenciais. Alguns exemplos de fontes completas de proteínas são carne, leite, ovo, ave, peixe e queijo.
  5. 5. Introdução • Dietas ocidentais  carne e leite; • Fontes de energia; • Macronutrientes, minerais e vitaminas.
  6. 6. Introdução Outros nutrientes importantes: • Proteínas de alto valor biológico; • Ácidos graxos essenciais – ω3, ω6, PUFA e CLA; – Esses são os determinantes do perfil nutricional da carne e outros produtos consumidos diariamente. Reconhecidos pelos benefícios à saúde.
  7. 7. Introdução Fatores que afetam a composição nutricional: • Raça; • Sexo; • Taxa de crescimento; • Idade; • Alimentação, dieta; • Estação do ano; • Metabolismo microbiano de FA no rúmen.
  8. 8. Introdução • Há vários estudos que demonstram ser possível manipular as quantidades e qualidade dos FA na carne e no leite por inserção na dieta; • Aumentar: ω3, C18 : 1trans-11 VA, CLAcis-9,trans-11; • Diminuir: SFA.
  9. 9. Como implementar Suplementar pasto, silagem e legumes com: • Concentrados de óleo vegetal, peixe, linhaça, colza e algas. No caso do leite já foi comprovado o crescimento de VA e CLAcis-9,trans-11 quando suplementa-se com óleo vegetal e de peixe a dieta de vacas em lactação.
  10. 10. Objetivo do artigo • Caracterizar como a dieta é incorporada e acumulada na carne e no leite das vacas leiteiras. • Até a produção desse artigo, só havia um artigo sobre o perfil de ácidos graxos da carne e do leite bovino por interferência na dieta; • Este estudo apresenta o impacto de diferentes dietas na implementação de ácidos graxos, focando na qualidade do produto e perfil nutricional.
  11. 11. Materiais Acesso livre a água e ordenha duas vezes ao dia.
  12. 12. Métodos
  13. 13. Métodos • Como saber qual AG estava presente? – Primeiramente foram separados via cromatografia gasosa capilar, aliada a espectroscopia de infravermelho. – Separados de acordo com a classe da saturação: • Σ ω-3: C18:3, C18:4, C20:3, C20:5, C22:5, C22:6; • Σ ω-6: C18:2, C18:3, C20:6, C20:3, C22:2, C22:4; • Monoinsaturados
  14. 14. Resultados Tabela 3 - composição de nutrientes,parâmetros de qualidade de carne (pH, cor, maciez), não foram afetados pela intervenção dietética de vacas da raça Holandesa. Quanto ao conteúdo da produção de leite, as proteínas permaneceram inalterados, bem como, o teor de gordura.
  15. 15. • Tabelas 4 e 5 - composição lipídica relativa do músculo e gordura do leite sugerem que o ácido esteárico e o ácido oléico foram acumulados no tecido do músculo. • Maiores quantidades relativas deC18: 1trans isômeros foram encontradas em LINA (Óleo de linhaça suplementado com algas) e SUNA (óleo de girassol rico em DHA) comparado com SAT (grupo saturado por suplemento de gordura). • Quantidades significativamente maiores de VA e quantidades reduzidas de ácido oléico foram detectados em SUNA comparado com SAT.
  16. 16. Resultados • Maiores concentrações de DHA foram detectadas em óleo vegetal/algas (LINA,SUNA) de gordura saturada. • Comparativamente, o menor n-6/n-3 FA relação foi calculado para amostras do LINA , mas n-6/n-3 índices de FA, SAT, SUNA, bem como músculo LINA grupo.
  17. 17. Resultados • Em relação ao leite, as quantidades relativas de cada SFA, bem como a soma dos SFA foram significativamente reduzido em óleo vegetal/ suplementação algas. • Enquanto que as concentrações de C18: 1trans isômeros, ácido oléico, e MUFA foram significativa-mente elevados.
  18. 18. Resultados • Óleo de linhaça/suplementado de algas aumentou a quantidade de ácido α-linoléico, C18: 4n-3, EPA, DHA, bem como n-3 FA. • O óleo de girassol/suplementado de algas teve elevadas quantidade de LA, bem como n-6 FA. Comparativamente, o índice mais baixo foi obtido FA n-6/n-3 para amostras de leite LINA.
  19. 19. Conclusão • O trabalho mostrou que a manipulação da dieta de ácidos graxos nas vacas em lactação alterou o perfil dos ácidos graxos do leite e em menor extensão da carne. Não afetou as características da qualidade da carne. O óleo de linhaça suplementado com a alga aumentou significativamente as concentrações do ácido linolênico e do DHA (ambos Omega 3) na carne e no leite, apesar disso ser benéfico ao consumo humano, a concentração desses ácidos graxos não são nem suficientes para atender o nível de consumo diário nem para rotular carne e leite desses animais como fontes benéficas de ácidos graxos.
  20. 20. Conclusão • Então, a dieta com ácidos graxos alterou o perfil dos ácidos graxos do leite, e não tanto o da carne (não prejudicou a qualidade da carne) a partir das respostas dos tecidos específicos.

×