Artesanato da amazônia

2.264 visualizações

Publicada em

Poucas imagens, lembrando que a variedade é gigantescas.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artesanato da amazônia

  1. 1. ARTESANATO DA AMAZÔNIA Cerâmica , colares, pulseiras, anéis, brincos, gargantilhas, utensílios domésticos e peças decorativas.
  2. 2. CERÂMICA MARAJOARA. É a quarta fase arqueológica da Ilha do Marajó. Segundo Heloisa Alberto Torres, a cerâmica Marajoara evoluiu na própria região e tem como origem a arte dacestaria com seus lindos traçados. É também considerada como a fase de maior desenvolvimento, onde encontramos as cerâmicas mais belas e decoradas. Faz parte da tradição policrônica (conjunto de várias cores). Foi uma Fase exuberante com variedades de decoração. Utilizavam sempre as cores preta e vermelho sobre o branco. Os Mounds ou cemitérios arqueológicos da cerâmica Marajoara, estão localizados, nos campos da metade oriental do Marajó, tendo o lago Ariri como centro. Existe uma variedade muito grande de peças, citaremos algumas urnas: zoomorfas, antropomorfas e antropozoomorfas, para sepultamentos secundários; igaçabaspara guardaralimentos e água; tangas, peças ritualísticas, estatuetas.
  3. 3. CERÂMICA TAPAJÔNICA.  É considerada uma das mais lindas do mundo; é uma representação da fauna amazônica. Foi descoberta por Kurt Nimuendaju em 1923 que teve informação sobre a mesma por um padre alemão que era seu amigo, cujo nome é desconhecido. O grupo indígena Tapajó, localizavase na foz e ao longo do afluente da margem direita do Amazonas - O Rio Tapajós. Apenas a cerâmica restou para testemunhar sua história. Essa belíssima cerâmica se inclui na tradição Inciso Ponteada (1.000 a 1.500 A.D.) e nelas vamos encontrar uma peculiaridade: não existiam urnas funerárias. Esse povo tinha outra cultura, pois não enterravam seus mortos. Existia uma cabana mortuária, onde deixavam o corpo em uma rede com seus pertences a seus pés, até se deteriorarem por completo. Os ossos que restavam eram lavados, moídos e colocados em vinho, para ser bebido pelos familiares do morto e o resto da tribo, por ocasião da festa ritualística. Existem inúmeros tipos de vasos de cerâmica tapajônica. Citaremos alguns mais representativos: vaso de gargalo, vaso de cariátides, pratos, estatuetas, cachimbo.
  4. 4. CERÂMICA MARACÁ.  Foi Ferreira Pena, quem encontrou essa cerâmica, nas lapas de um afluente do Rio Maracá na região da Serra do Laranjal, no Amapá, em 1871. São urnas zoomorfas, antropozoomorfas e tubulares. Quase todas encontradas com ossos ou fragmentos de ossos, eram fechadas por finos cordões enfiados em orifícios, unindo o corpo da urna com a tampa. Eram lacrados por uma espécie de cimento. Essas urnas não estavam enterradas e sim dispostas em certa ordem sobre o solo das grutas. Muitas foram destruídas pelos animais ou pelas raízes das árvores. Algumas peças apresentavam pinturas e decoração. Ferreira Pena diz que a origem dessa cerâmica é dos Caraíbas, já Ladislau Neto diz que os Maracás são os antepassados dos Marajoaras. A cerâmica Maracá não faz parte das tradições ceramistas existentes. Ela é classificado como fase não filiada.
  5. 5. CERÂMICA ICOARACI.  O Distrito de Icoaraci, é o maior centro produtor e divulgador da cerâmica indígena amazônica. No centro do distrito fica o bairro do Paracuri, onde se concentram cerca de 90% da comunidade de ceramistas. São inúmeras oficinas e olarias, alinhadas uma ao lado da outra, por toda a extensão do bairro. No distrito e arredores existem grandes quantidades e variedades de argila em cores e texturas diferenciadas, o que provavelmente, explica a milenar tradição da cerâmica local. Uma tradição que, aliás, se reporta, em alguns aspectos, à cultura indígena, que, na origem, se transmitia de mãe para filha e, contemporaneamente, é passada de pai para filho. Mas a importância da mulher no processo de produção de cerâmica se mantém: enquanto os homens cuidam da fabricação de peças no torno, elas se encarregam da modelagem manual e acabamento, com texturas diferenciadas. Algumas vezes, participam da queima das peças. Até os anos 60, em Icoaraci se produziu a cerâmica de olaria telhas, tijolos, alguidares, potes e filtros, entre outras peças. Antes, havia apenas dois ou três ceramistas fazendo trabalhos artísticos. Entre eles, o "Cabeludo", que retratava pessoas no cotidiano.
  6. 6. RITA PROSSI BIOJOIAS & ACESSÓRIOS DA AMAZÔNIA.

×