SYMPOSIUM RESPONSIBLE TOURISM IN DESTINATIONS
BRAZIL 2014
Turismo Responsável: Oportunidades e Desafios na Gestão dos Dest...
SYMPOSIUM
RESPONSIBLE TOURISM IN DESTINATIONS
TURISMO RESPONSÁVEL NOS DESTINOS
BRAZIL 2014
Global Theme
Responsible Touris...
Sra. Carolina Palhares
Sra. Lívia Barros Wiesinieski
JUSTIFICATIVA
Responsabilidade Social Corporativa – RSC tem se desenv...
Responsável ao Turismo de Massa (LANFANT, 1991) foi só a partir de 2002 que o
Turismo Responsável teve uma maior divulgaçã...
Sequencialmente, ampliando as políticas de Turismo Responsável, foi
criado, em 1999, o documento Green Paper on Tourism in...
Percebe-se que as políticas de Turismo Responsável de Cape Town – e em
toda a África do Sul – fornecem um conjunto de info...
incentiva os atores públicos locais a ‘permitir que a cadeia produtiva do turismo
assuma a responsabilidade pelo seu própr...
Um dos grandes problemas que minam a economia global, e o atual
modelo de desenvolvimento, é uma crise generalizada de con...
HISTÓRICO DO EVENTO
Ocorreu em Barcelona de 01-04 de outubro de 2013 o evento RTD7 -
Responsible Tourism in Destinations I...
O EVENTO
O evento brasileiro, denominado 'Symposium on Responsible Tourism in
Destinations Brazil 2014' - desenvolvido em ...
PALESTRANTES
Como Key Speaker confirmado, o Prof. Dr. Harold Goodwin - Presidente
do ICRT - International Centre for Respo...
Green Economy/ Economia Verde visando o
desenvolvimento de uma visão mais crítica que apóie a
efetividade de políticas púb...
EQUIPE E COMISSÕES
A equipe central é composta por alunos, professores do Centro de Excelência
em Turismo, professores do ...
PROGRAMAÇÃO
Dia 28 de abril 2014
Segunda-feira
14h - Abertura Solene – Mesa composta por autoridades e parceiros
instituci...
CONCLUSÃO
A reflexão sobre o turismo responsável possibilitará novos rumos para o
turismo de Brasília, do Distrito Federal...
REFERÊNCIAS E MATERIAL PESQUISADO
Abramovay, R., Voivovic, M., Cardoso, F. and Conroy, M. 2010 Social
Movements and NGOs i...
Bourdieu, P. 1985. The Forms of Capital. In: Richardson, J. (ed.) Handbook of
theory and research for the sociology of edu...
Inclusion in Brazilian Tourism. Design For All Institute of India, v8, n9,
September
Coleman, J. S. 1998. Foundations of s...
title=Creating+Responsible+Tourism+Destinations#New%20Zealand
%20illustrates%20the%20benefits%20of%20responsible%20tourism...
Hardin, G. 1968. The tragedy of the commons. Science, New Series. 162(3859):
1243-1248.
Hall, S. 2002. A identidade cultur...
Jorgensen, D. L. 1998. Participant observation: A methodology for human studies.
London: Sage.
Kalisch, A. 2002 Corporate ...
environmental benefits.
http://www.oecd.org/cfe/tourism/greeninnovationintourismcantriggermajor
economicsocialandenvironme...
Spinola, C. A. 2001. Tourism at the end of the twentieth century – A paradoxical
context (Portuguese). Gestão e planejamen...
UN - United Nations. 2012. The future we want.
http://www.un.org/disabilities/documents/rio20_outcome_document_compl
ete.p...
25
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Symposium turismo responsável nos destinos responsible tourism in destinations brazil 2014 para slide share1a

368 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
368
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Symposium turismo responsável nos destinos responsible tourism in destinations brazil 2014 para slide share1a

  1. 1. SYMPOSIUM RESPONSIBLE TOURISM IN DESTINATIONS BRAZIL 2014 Turismo Responsável: Oportunidades e Desafios na Gestão dos Destinos 28 de abril de 2014 Auditório do Centro de Excelência em Turismo Brasília – DF REALIZAÇÃO NETRAS for All – Núcleo de Estudos em Turismo Responsável, Acessível e Sênior – Inserção econômica e inclusão social para todos NPP – Núcleo de Políticas Públicas CET - Centro de Excelência em Turismo UnB – Universidade de Brasília LETS - Laboratory of Studies in Tourism and Sustaintability CDS - Centro de Desenvolvimento Sustentável UnB - Universidade de Brasília ICRT – Internacional Centre for Responsible Tourism MMU – Manchester Metropolitan University UK – United Kingdom APOIO
  2. 2. SYMPOSIUM RESPONSIBLE TOURISM IN DESTINATIONS TURISMO RESPONSÁVEL NOS DESTINOS BRAZIL 2014 Global Theme Responsible Tourism: Opportunities and Challenges in Destination Management Turismo Responsável: Oportunidades e Desafios na Gestão dos Destinos 28th April 2014 Comissão organizadora: Chairs: Prof. Dr. Gilson Zehetmeyer Borda, Prof. Dr. Harold Goodwin, Prof. Dr. Neio Campos, Profa. MSc. Alessandra Santos, Sra. Carolina Palhares, Profa. Dra. Donária C. Duarte, Profa. Dra. Elenita Nascimento, Prof. Dr. Elimar Pinheiro do Nascimento, Prof. Dr. Everaldo Batista da Costa, Profa. Dra. Helena Costa, Profa. Dra. Iara Brasileiro, Prof. Dr. Luis Carlos Spiller Pena, Profa. Dra. Marutschka Moesch Produção Executiva: Profa. MSc. Alessandra Santos 2
  3. 3. Sra. Carolina Palhares Sra. Lívia Barros Wiesinieski JUSTIFICATIVA Responsabilidade Social Corporativa – RSC tem se desenvolvido de forma crescente nos últimos anos permeando empresas públicas e privadas e ampliando a visão das organizações do terceiro setor em variadas áreas de forma global (BORDA, 2009). O Sistema Turismo (BENI, 2012) – como conjunto de organizações e pessoas impactadas por e que impactam o Turismo – tem ampliado suas respostas às demandas dos turistas/viajantes em relação à Responsabilidade Social (COHEN, 2013). Muitos pesquisadores tem demonstrado que os visitantes tem estado mais atentos e percebem valor superior nos negócios do Sistema Turismo que tem incorporado e comunicado adequadamente suas iniciativas de Responsabilidade Social Corporativa (KALISH, 2002; HENDERSON, 2007; WATT, 2013). No Brasil, a cadeia produtiva do turismo tem melhorado o seu planejamento e suas ações relacionadas à Responsabilidade Social Corporativa/Sustentabilidade (ABRAMOVAY ET AL., 2010; COHEN, 2013). Da mesma forma, o Ministério de Turismo vem desenvolvendo uma série de ações e políticas para estimular tanto a demanda quanto a cadeia produtiva a desenvolver ações socialmente responsáveis/sustentáveis (BORDA ET AL, 2013; BRASIL, 2013b; MTUR, 2008). O Turismo Responsável é a linha de turismo - para a sustentabilidade/responsabilidade - que mais tem crescido no mundo (GOODWIN, 2011). Embora tenha havido estudos da Organização Mundial do Turismo desde ao final da década de 80, inicialmente, contrapondo o Turismo 3
  4. 4. Responsável ao Turismo de Massa (LANFANT, 1991) foi só a partir de 2002 que o Turismo Responsável teve uma maior divulgação, foi percebido como sendo necessário para qualquer tipo de negócio e começou a entrar na agenda global (FONT & GOODWIN, 2009). O que é o Turismo Responsável? O conceito que melhor caracteriza o turismo responsável é ‘fazer alguma coisa. É fazer a diferença. É nos destinos que turistas e comunidades locais interagem na natureza local e no ambiente sociocultural. É nos destinos que o turismo precisa ser administrado para que minimize os impactos negativos e potencialize os positivos. A administração do turismo nos destinos não pode ser reduzida à agenda ambiental, é muito importante considerar os aspectos sociais e econômicos que surgem nos destinos’ (GOODWIN ET AL, 2012, p.399). Pode ser resumido na frase: Melhores lugares para viver e melhores lugares para visitar. A África do Sul foi o primeiro país, em 1996, que lançou o White Paper on the Development and Promotion of Tourism in South Africa. Tornou-se o primeiro país a criar políticas públicas incluindo a gestão responsável e sustentável do turismo e escolheu o Turismo Responsável como o seu ‘novo turismo’: ‘Este White Paper propõe o Turismo Responsável como o princípio chave condutor para o desenvolvimento do turismo na África do Sul’. Ele desafia os stakehoders da cadeia produtiva do turismo a assumir suas responsabilidades no desenvolvimento do turismo (GSA, 1996, p.18). O Governo da África do Sul identificou o valor das políticas de Turismo Responsável como o indutor chave para o desenvolvimento do turismo e mostrou que o princípio da responsabilidade ‘implica em uma visão pró-ativa dos parceiros no desenvolvimento da cadeia produtiva do turismo para desenvolver, operar, e gerir o Sistema Turismo de uma forma responsável visando criar vantagem competitiva’ (GOODWIN, 2011, p.7). 4
  5. 5. Sequencialmente, ampliando as políticas de Turismo Responsável, foi criado, em 1999, o documento Green Paper on Tourism in the Western Cape – discutido por mais de 200 representantes da cadeia produtiva do turismo da África do Sul. Dando continuidade ao movimento, em 2001, surgiu o White Paper on Sustainable Tourism Development and Promotion in the Western Cape discutindo as políticas de turismo responsável na busca da sustentabilidade, seguido pela Conference on Responsible Tourism in Cape Town, em 2002 (GSA, 2011). A primeira Conferência Internacional sobre o Turismo Responsável em Cape Town envolveu 280 delegações de 20 países visando discutir como a visão do turismo responsável poderia ser melhor conceptualizada, compreendida e implementada. Como um resultado do evento foi escrita a Cape Town Declaration on Responsible Tourism – um documento cujo conteúdo se tornou a base para o movimento na África do Sul e ajudou muitos países, focalizando as principais características do Turismo Responsável (GOODWIN, 2005). Desde então a África do Sul se tornou uma líder no Turismo Responsável criando e desenvolvendo novas políticas públicas e várias ações de Turismo Responsável1 . Algumas ações atualmente em andamento são The Consumer Protection Act – auxiliando a cadeia produtiva do turismo a ser mais responsável nas práticas de negócios; Cape Town Responsible Tourism How-to Guide – encorajando e motivando os negócios locais a administrar suas operações e comercializar seus produtos e experiências de forma mais responsável; National Minimum Standard for Responsible Tourism – 41 critérios, cobrindo os principais aspectos da responsabilidade/sustentabilidade – divididos em quatro categorias (GSA, 2013). 1 Como exemplos, foi lançado, em 2002, o South African National Responsible Tourism Guidelines, em 2003, The Responsible Tourism Manual and Handbook e, em 2009, o National Minimum Standards for Responsible Tourism. 5
  6. 6. Percebe-se que as políticas de Turismo Responsável de Cape Town – e em toda a África do Sul – fornecem um conjunto de informações, documentos e estrutura para o desenvolvimento estratégico e organizado do Sistema Turismo. O Reino Unido também tem crescido no Turismo Responsável. Desde a metade dos anos noventa, duas ONGs inglesas - Voluntary Service Overseas (VSO) and Tearfund – começaram uma campanha por um turismo mais ético, buscando conseguir uma maior consciência do viajante/turista e desafiando os operadores turísticos em relação a suas práticas. Em 2000, a Association of Independent Tour Operators (AITO) – em torno de 150 empresas – em sua maioria, administradas pelo próprio dono – adotaram uma política organizacional de Turismo Responsável. In 2002, uma pesquisa realizada na cadeia produtiva do turismo com turistas/viajantes confirmou que eles estavam preocupados com os impactos causados em seus destinos turísticos e solicitavam mais informação sobre esses impactos (GOODWIN, 2012). O Reino Unido tem desenvolvido políticas e iniciativas de Turismo Responsável desde 2002; a AITO vem desenvolvendo o lado empresarial/privado da cadeia produtiva do turismo no Reino Unido. Porém, somente nos últimos anos o governo do Reino Unido tem ampliado as suas ações de Turismo Responsável (GOODWIN, 2009). No documento UK Government Tourism Policy está prescrito: ‘É essencial que cada sistema gestor de turismo local seja responsável por um turismo genuíno’ (UK, 2011, p. 21). E continua: ‘É vital que a gestão pública de turismo local seja responsiva e responsável em relação às empresas e atrativos turísticos que eles foram criados para servir’ (UK, 2011, p. 24). Como exemplo, o documento tem uma seção sobre Ensuring Financial Sustainability que estimula a participação da comunidade na distirbuição dos recursos públicos. Ele 6
  7. 7. incentiva os atores públicos locais a ‘permitir que a cadeia produtiva do turismo assuma a responsabilidade pelo seu próprio futuro’ (UK, 2011, p. 5). Em outubro de 2013, em Barcelona, o gerente de Gestão de Destinos do Visit England – Jason Freezer - apresentou os últimos avanços de Turismo Responsável no Reino Unido. Alguns exemplos de outros países que tem políticas e ações de Turismo Responsável são Nova Zelândia, Gambia, Polônia, Australia, India/Kerala, França – Tourisme Responsible et Solidaire, Holanda, Israel, Tanzania, USA/Florida e Dinamarca, além de outros (TRAVIS, 2011; TRTP, 2013). O evento tem como tema Turismo Responsável/Sustentável - como um caminho para a Green Economy/Economia Verde. Conceituando Green Economy/Economia Verde a UNWTO cita o conceito da UNEP (2011, p. 16) como aquela que ‘resulta em bem estar humano aumentado e equidade social, enquanto reduz significativamente os riscos ambientais e escassez ecológica'. Esse conceito é interessante pois coloca o social (e não o ambiental) - o ser humano - no centro da economia verde. De forma semelhante, o sociólogo e economista Ignacy Sachs (criador do conceito de ecodesenvolvimento - precursor do desenvolvimento sustentável), em palestra na Universidade de Brasília, em 2011, afirmou: 'Nós devemos lembrar que - embora o ambiental seja importante - o social é o centro do desenvolvimento sustentável'. A UNEP continua (p.16): 'O Relatório sobre Economia Verde da ONU demonstra que o processo de tornar as economias mais verdes não é um empecilho ao crescimento, mas certamente uma nova forma de desenvolvimento, capaz de criar empregos decentes, reduzir a pobreza e enfrentar os grandes desafios ambientais’. 7
  8. 8. Um dos grandes problemas que minam a economia global, e o atual modelo de desenvolvimento, é uma crise generalizada de confiança - em relação a vários atores públicos e privados (BORDA, 2007). Em um sistema social, econômico, ambiental, onde as pessoas reduzem a sua confiança na sua forma de organização, uma reorganização que seja verdadeira e procure aumentar o bem estar das pessoas pode aumentar o nível de confiança e melhorar as relações entre as pessoas - reduzir a desigualdade, a centralidade do econômico - minimizar a pobreza e aumentar as relações de respeito e uso com a natureza (BORDA, 2009; SHARPLEY, 2009). UNWTO (2011, p.1) destaca o turismo: ‘O Turismo é um dos dez setores econômicos que se crê possíveis de rapidamente alavancar a transição para uma economia verde inclusiva e sustentável’. E conclui: 'Tornar os negócios turísticos mais sustentáveis vai estimular o crescimento da indústria, criar mais e melhores empregos, maiores retornos de investimento, beneficiar o desenvolvimento local e contribuir para a redução da pobreza, ao mesmo tempo que ampliará a conscientização e apoio para o uso sustentável dos recursos naturais’. O turismo tem crescido 5% em 2013 (UNWTO, 2013) e o Secretário Geral da ONU, Ban Ki Moon disse: (28.09.2012) que ‘o turismo pode ajudar a enfrentar os desafios das mudanças climáticas e liderar uma tendência global em direção à Economia Verde’. Essas são algumas das razões pelas quais cremos que o evento é bastante significativo globalmente mas, principalmente para o Brasil que tem tido redução na confiança global, ultimamente. O turismo, como um dos setores intensivos em pessoas, pode ser um dos líderes no caminho para a Green Economy. Assim a participação do Ministério do Turismo – como co-organizador do evento é fundamental desde que o Mtur vem crescendo firmemente em suas ações visando um Turismo mais Responsável/Sustentável. 8
  9. 9. HISTÓRICO DO EVENTO Ocorreu em Barcelona de 01-04 de outubro de 2013 o evento RTD7 - Responsible Tourism in Destinations International Conference VII (sétima edição mundial do evento), onde foi solicitado que o Brasil – em especial o NETRAS-ALL – Núcleo de Estudos em Turismo Responsável, Acessível e Sênior para Todos – do Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília organizasse um evento internacional de Responsible Tourism in Destinations – em Brasília – em Abril de 2014. Esse é o evento mundial do Turismo Responsável - a linha de turismo para a sustentabilidade que mais tem crescido no mundo (focado na RSE - Responsabilidade Socioambiental Empresarial) devido a sua metodologia ligada às práticas organizacionais. Fomos convidados a organizar esse evento – uma edição especial - no Brasil - em 28 de Abril de 2014 - em Brasília. Conversamos, em primeiro lugar, com os pesquisadores de nosso núcleo (20 pesquisadores - entre alunos, pesquisadores nacionais e internacionais) e eles aceitaram esse grande desafio. Todos nós estamos trabalhando desde já para o evento como voluntários. Nossos núcleos de pesquisa - o NETRAS for ALL - Núcleo de Estudos em Turismo Responsável, Acessível e Sênior para todos, o NPP – Núcleo de Políticas Públicas, o NEEP – Núcleo de Estudos Estratégicos e Prospectivos (do Centro de Excelência em Turismo – CET – UnB) e o LETS – Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (do Centro de Desenvolvimento Sustentável – CDS) vão coordenar o evento em conjunto com nossos patrocinadores. 9
  10. 10. O EVENTO O evento brasileiro, denominado 'Symposium on Responsible Tourism in Destinations Brazil 2014' - desenvolvido em parceria com o ICRT - International Centre for Responsible Tourism - United Kingdom (coordenador mundial do Movimento do Turismo Responsável, ligado à MMU – Manchester Metropolitan University - UK), é um evento para conscientização e estímulo da cadeia produtiva do turismo no Brasil ao desenvolvimento de ações práticas mais responsáveis/sustentáveis – focado na cadeia produtiva do turismo – aí incluída as áreas públicas, as organizações privadas (principalmente as pequenas e medias empresas da cadeia produtiva do turismo), bem como ONGs e a Universidade. Acontecerá no Auditório do Centro de Excelência em Turismo. FILOSOFIA Sendo o evento focado na responsabilidade, não haverá cobrança individual e do grupo e estão sendo buscados parceiros visando um evento ‘Cashless’. PÚBLICO-ALVO Gestores da Cadeia Produtiva do Turismo - primária e secundária, Gestores das Organizações Públicas ligadas ao Turismo, Universidades, ONGs e Universidades Corporativas. PARCEIROS Ministério do Turismo e Secretaria de Turismo do Distrito Federal 10
  11. 11. PALESTRANTES Como Key Speaker confirmado, o Prof. Dr. Harold Goodwin - Presidente do ICRT - International Centre for Responsible Tourism – Manchester Metropolitan University – UK. OBJETIVOS E RESULTADOS ESPERADOS Geral O evento tem como objetivo principal a maior conscientização e conhecimento sobre o Turismo Responsável – considerado uma tendência mundial e a percepção de suas ligações e importância para a transição em direção a uma maior sustentabilidade e à Green Economy/Economia Verde. Específicos Para tanto, foram traçados cinco objetivos específicos: (1) Verificar o nível de conhecimento do que é o Turismo Responsável (2) Destacar e discutir o Turismo Responsável como metodologia no caminho em direção à Green Economy/Economia Verde; (3) Abordar as áreas relacionadas ao Turismo Responsável; (4) Gerar conhecimentos, troca de informações, ampliação de redes de contato e de pesquisa, ampliação dos negócios voltados para o Turismo Responsável na cadeia produtiva local do turismo negócios. Refletir, a partir da identificação desses fatores, quais aqueles que as políticas públicas de inclusão social deveriam considerar para obter resultados mais satisfatórios. Com este trabalho espera-se: 1) Ampliar o conhecimento sobre os fatores que influenciam o desenvolvimento do Turismo Responsável em busca da 11
  12. 12. Green Economy/ Economia Verde visando o desenvolvimento de uma visão mais crítica que apóie a efetividade de políticas públicas de turismo que visem inclusão social, inserção econômica, redução da pobreza, e melhoria da experiência do turista nos destinos brasileiros – em especial no destino Distrito Federal/Brasília; 2) Compartilhar e discutir os resultados com a comunidade acadêmica, por meio da participação em eventos científicos no Brasil e no exterior, ao longo do trabalho e ao seu final; 3) Apresentar os resultados do Evento às instituições públicas nacionais, e distritais de Turismo, bem como à cadeia produtiva privada do turismo visando o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas de turismo responsável 4) Divulgar na Mídia escrita, falada, televisiva, eletrônica e outras, publicações convencionais e eletrônicas, anais do evento, além de publicar os resultados nos meios acadêmicos permanentes, nacionais e internacionais. QUESTÕES A SEREM RESPONDIDAS NO DESENVOLVIMENTO DO EVENTO Questões a serem respondidas no desenvolvimento do Evento: Quais são as ações e políticas dos Governos Nacional e Local no Turismo Responsável? O que cada ator da cadeia produtiva está fazendo e pode fazer relacionado ao Turismo Responsável? Que ações de responsabilidade os turistas e residentes podem desenvolver? 12
  13. 13. EQUIPE E COMISSÕES A equipe central é composta por alunos, professores do Centro de Excelência em Turismo, professores do Centro de Desenvolvimento Sustentável e de outras áreas da Universidade de Brasília. Comissão Organizadora: Chairs: Prof. Dr. Gilson Zehetmeyer Borda, Prof. Dr. Harold Goodwin, Prof. Dr. Neio Campos, Profa. MSc. Alessandra Santos, Sra. Carolina Palhares, Profa. Dra. Donária C. Duarte, Profa. Dra. Elenita Nascimento, Prof. Dr. Elimar Pinheiro do Nascimento, Prof. Dr. Everaldo Batista da Costa, Profa. Dra. Helena Costa, Profa. Dra. Iara Brasileiro, Prof. Dr. Luis Carlos Spiller Pena, Profa. Dra. Marutschka Moesch Produção Executiva: Profa. MSc. Alessandra Santos Sra. Carolina Palhares Sra. Lívia Barros Wiesinieski 13
  14. 14. PROGRAMAÇÃO Dia 28 de abril 2014 Segunda-feira 14h - Abertura Solene – Mesa composta por autoridades e parceiros institucionais – Reitor UnB, MMU-UK, CET, CDS, MTur, SETUR-DF UnB/CET –Magnífico Reitor Prof. Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo e Prof. Dr. Neio Campos Apresentação Cultural – Hino Nacional - Cultura do Brasil 14h10 - Palestra Dr. Harold Goodwin – Presidente ICRT – International Centre for Responsible Tourism – Taking Responsibility for Tourism – Assumindo a Responsabilidade pelo Turismo – Mesa – Prof. Dr. Gilson Zehetmeyer Borda 15h10 - Cases de Sucesso sobre o tema no Brasil – Práticas de Sucesso – - - Sr. Wilken Souto – Ministério do Turismo – Case “Site Dinâmico Acessibilidade” – Mesa Profa. Ariadne Pedra Bittencourt - 15h30 - Profa. Helena Araújo Costa – Responsabilidade e Sustentabilidade nos Destinos – Mesa - Profa. Dra. Marutschka Martini Moesch 16h10 Coffee Brake – Apresentação Cultural 16h40 – Palestra Profa. Dra. Mariana Aldrigui Carvalho – O Papel da Educação no Turismo Responsável: Experiências de Sucesso - Mesa – Prof. Dr. Elimar Pinheiro do Nascimento 17h40 – Prof. Dr. Harold Goodwin – Responsible Tourism in Destinations: Cases, Opportunities and Challenges – Turismo Responsável nos Destinos: Experiências de Sucesso, Oportunidades e Desafios – Mesa Profa. Dra. Elenita Nascimento 18h40 - Mesa de Encerramento – Autoridades e Parceiros – CET, MTUR, SETUR, - Prof. Dr. Neio Campos e Profa. Dra. Donária Coelho Duarte - Encerramento 14
  15. 15. CONCLUSÃO A reflexão sobre o turismo responsável possibilitará novos rumos para o turismo de Brasília, do Distrito Federal e do Brasil. Se houver comprometimento da cadeia produtiva pública e privada buscando maior responsabilidade social nos negócios, melhor distribuição da renda gerada pelo turismo, a inclusão social e inserção econômica de pessoas que hoje estão excluídas via treinamento e contratação no turismo, o evento terá atingido seu objetivo de sensibilização e propulsor de um novo turismo. Nas pesquisas de campo realizadas até aqui, tem-se percebido que os entrevistados – embora nem todos conheçam adequadamente o conceito de turismo responsável, desejam uma maior responsabilidade social corporativa das organizações privadas e públicas bem como uma ampliação da responsabilidade ambiental. O turismo responsável é um chamado à ação. Responsabilizar-se pelas suas ações na busca do caminho da Green Economy, da sustentabilidade, da ética e dos valores humanos centrais. A inserção do Turismo Responsável nas políticas públicas de Turismo do Brasil e do Distrito Federal, além de outras áreas do país, é um primeiro passo no caminho para a inclusão da sociedade civil – bem como a ampliação da participação da cadeia produtiva – na formulação e nos resultados das políticas públicas de Turismo no Brasil. Esse conjunto de ações poderá ajudar na inclusão social, na luta do Brasil contra a pobreza (FISCHER ET AL, 2010) e em ações de turismo voltadas para a economia verde. Ou como foi discutido no Fórum do Turismo da Cúpula dos Povos – Rio+20 – 2012 – o desenvolvimento de ‘um outro turismo (BORDA ET AL., 2012; TFPS, 2012) – turismo para todos – visitantes e residentes. Onde os destinos sejam percebidos pelos residentes como melhores lugares para se viver e pelos turistas como melhores lugares para visitar. 15
  16. 16. REFERÊNCIAS E MATERIAL PESQUISADO Abramovay, R., Voivovic, M., Cardoso, F. and Conroy, M. 2010 Social Movements and NGOs in the Construction of New Market Mechanisms, Economic Sociology, v11, n2, March Aristotle. 2011.Aristotle’s Nicomachean Ethics. Chicago: The University of Chicago Press. Beni, M. C. (org.) 2012. Tourism: Strategic planning and management capacity – regional development, production net and clusters (Portuguese). Barueri – Brazil: Manole. Borda, G. Z. 2007. Organizational social capital: trust in superior educational institutions of Brasília (portuguese). Unpublished doctoral dissertation (Sociology), University of Brasília, Brasília. Borda, G. Z. 2009. Trust Relations Adding Value: social & environmental success cases (Portuguese). In J. A. B. Félix & G. Z. Borda, (Eds.). Communication management and social & environmental responsibility: A new vision of marketing and communication for sustainable development (portuguese): 179-215. São Paulo: Editora Atlas. Borda, G. Z., Duarte, D. C., & Serpa, A. B. 2013. Tourism for all: accessibility and social inclusion in Brazil – The case of Socorro (São Paulo state) tourism destination. International Critical Tourism Studies Conference V, Sarajevo: 1- 17. Borda, G. Z. & Nascimento, E. P. 2011. Organizational Social Capital: Trust and Social Value (Portuguese). Polêm!ca.10: 103–114. Bourdieu, P. 1979. La distinction. Critique sociale du jugement. Paris: Les éditions de Minuit. Bourdieu, P. 1993 (Org.) Les misères du monde. Paris: Seuil. 16
  17. 17. Bourdieu, P. 1985. The Forms of Capital. In: Richardson, J. (ed.) Handbook of theory and research for the sociology of education: 241-258. New York: Greenwood Press. BRAZIL. Planalto. 2013a. Program recruits volunteers to help 12,000 spectators, tourists and media during the FIFA 2013 Cup of Confederations (Portuguese). http://www2.planalto.gov.br/imprensa/noticias-de-governo/programa-…r- torcedores-turistas-e-imprensa-durante-a-copa-das-confederacoes. Accessed 10th July 2013. BRAZIL. Planalto 2013b. National Tourism Plan 2013-2016 has goal to put Brazil among the world's largest tourism economies (Portuguese). http://www2.planalto.gov.br/imprensa/noticias-de-governo/plano-nac… eta-de-colocar-brasil-entre-maiores-economias-turisticas-do-mundo. Acessed 18th July 2013. Brito, B. R. 2009. The tourist and the traveller: Contributions to the conceptualization of alternative and responsible tourism (Portuguese). Atas do IV Congresso Português de Sociologia. Coimbra. Buarque, C. 1993. O que é apartação? São Paulo: Brasiliense. Buhalis, D & Costa, C. 2006. Tourism management dynamics: Trends, management and tools. Oxford: Elsevier Butterworth-Heinemann. Bursztyn, I. & Bartholo, R. 2012. The process of commercialization of communitary- based tourism in Brazil: challenges, potencialities and perspectives (Portuguese). Revista Sustentabilidade em Debate. Brasília, 3(1): 97-116, January/June. Chambers, E. 1999. Native tours: The anthropology of tourism and travel. Prospect Heights, IL: Waveland. Cohen, D. 1994. Les infortunes de la prosperité. Paris: Julliard. Cohen, R. 2013. Inclusive Tourism: International Perspectives, Accessibility and 17
  18. 18. Inclusion in Brazilian Tourism. Design For All Institute of India, v8, n9, September Coleman, J. S. 1998. Foundations of social theory. Cambridge: Harvard University Press. Cook, R. A., Yale, L. J. and Marqua, J. J. Tourism: the business of travel. New Jersey: Prentice Hall, 2006. Culler, J. The semiotics of tourism. In: Culler, J. Framing the sign: Criticism and its institutions. Oklahoma: University of Oklahoma Press, 1994. Davidson, R. 1992. Tourism in Europe. London: Pitman Publishing. DiMaggio, P. J. 2001. The twenty-first-century firm: Changing economic organization in international perspective. Princeton: Princeton University Press. Duarte, D. C. & Borda, G. Z. 2012. RTD6–International Conference on Responsible Tourism 2012, São Paulo:1. Fischer, R., Maginnis, S., Jackson, W., Barrow, E. & Jenarenaud, S. 2010. Linking conservation and poverty reduction: Landscapes, people and power. London: Earthscan. Font, X. & Goodwin, H. 2009. Progress in responsible tourism. Oxford: Goodfellow Publishers. Frey, N. & George, R. 2010. Responsible tourism management: The missing link between business owners' attitudes and behaviour in the Cape Town tourism industry. Tourism management. 31(5): 621-628. Fúster, L. H.1991. Historia general del turismo de masas. Madrid: Aliança Editorial. Gil, A. C. 1991. Methods and techniques of social research (Portuguese). São Paulo: Atlas. Goodwin, H. 2005. Responsible Tourism and the Market. International Centre for Responsible Tourism. Occasional Paper (4). November, 2005. Goodwin, H. 2009. Creating Responsible Tourism destinations. http://www.insights.org.uk/articleitem.aspx? 18
  19. 19. title=Creating+Responsible+Tourism+Destinations#New%20Zealand %20illustrates%20the%20benefits%20of%20responsible%20tourism. Accessed 25th September 2013. Goodwin, H. 2011. Taking responsibility for tourism. Leeds – United Kingdom: ICRT. Goodwin, H., Font, X. & Aldrigui, M. 2012. 6th Conference on Responsible Tourism in Destination. Conference Report. Revista brasileira de pesquisa em turismo. 6(3): 398-402. Goodwin, H., Francis, J. 2003. Ethical and responsible tourism: Consumer trends in the UK. In: Journal of vacation marketing. 9(3): 271-284. Graham, D. W. (2009) Representation and knowledge in a world of change. In: Enrique Hülsz Piccone (ed.), Nuevos ensayos sobre Heráclito. Actas del segundo symposium Heracliteum. Ciudad de México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2009. Granovetter, M. 1973. The strength of weak ties. The american journal of sociology. 78 (6): 1360 – 1380. GSA - Government of South Africa. 1996. The development and promotion of tourism in South Africa. http://www.info.gov.za/whitepapers/1996/tourism.htm. Accessed 29th September 2013. GSA – Government of South Africa. 2001. White Paper on sustainable tourism. Development and Promotion in the Western Cape. http://www.westerncape.gov.za/Text/2004/1/whitepapertourism.pdf Accessed 24th July 2013. GSA - Government of South Africa. Responsible Tourism. 2011. http://www.tourism.gov.za/CurrentProjects/ResponsibleTourism/Pages/Inform ation.aspx. Accessed 24th July 2013. GSA – Government of South Africa. 2013. http://www.responsiblecapetown.co.za/. Accessed 29th July 2013. 19
  20. 20. Hardin, G. 1968. The tragedy of the commons. Science, New Series. 162(3859): 1243-1248. Hall, S. 2002. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed, São Paulo: DP&A. Henderson, J. 2007. Corporate social responsibility and tourism: Hotel companies in Phuket, Thailand, after the Indian Ocean tsunami, International Journal of Hospitality Management, v26, n1, pp. 228-239, March Hildebrand, C.H. 2012. Kant and moral responsibility. MA Thesis. Department of Philosophy. Ottawa, University of Ottawa. Holloway, J.C. 1998. The business of tourism. Harlow: Longman. Hurtel, Virginie & Lacassagne, Marie-Françoise 2011. Parents’ Perceptions of Their Involvement in Their Child’s Sport Activity: a propositional analysis of discourse. Journal of Language and Social Psychology. 30(4): 421–439. http://jls.sagepub.com/. Accessed 6th September 2013. IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Cidades. http://www.ibge.com.br/cidadesat/index.php. Accessed 16th June 2013. Irving, M. A. 2009. Reinventing the reflection about community-based tourism: is innovating possible? In: Bartholo, R.; Sansolo, D. G. & Bursztyn, I. (orgs). Community-based tourism: Diversity of views and Brazilian experiences (Portuguese). Rio de Janeiro: Letra e Imagem: 108-122. ITF-STD - International Task Force on Sustainable Tourism Development. 2012. Green Passport. http://www.unep.org/resourceefficiency/Portals/24147/scp/tourism/activities /taskforce/pdf/fact%20sheets%20pdf/-green_passport.pdf. Accessed 8th June 2013. Joaquim, G. 1997. From identity to sustainability or the emergency of responsible tourism (Portuguese). Sociology – problems and practices (Portuguese). 23: 71-100. Jordan, B. 1996. A theory of poverty & social exclusion. Cambridge: Polity Press. 20
  21. 21. Jorgensen, D. L. 1998. Participant observation: A methodology for human studies. London: Sage. Kalisch, A. 2002 Corporate futures: social responsibility in the tourism industry. London: Tourism Concern. Leal, G. F. 2011. Social exclusion and breakdown of social ties: Critical analysis of the contemporary debate (Portuguese). Florianópolis – Brazil: UFSC. Lenoir, R. 1989. Les exclus: Um français sur dix. Paris: Seuil. Lohmann, G. and Dredge, D. 2012. (Eds.) Tourism in Brazil: Environment, management and segments. London: Routledge. Mauss, M. 2012. Essai sur le don: Forme et raison de l’échange dans les sociétés archaiques. Paris: PUF. Meneses, R. D. B. & Reis, A. M. M. G. 2009. Responsibility according to Kant and to Lévinas: Between the concepts and the foundations (Portuguese). Ágora filosófica. Year 9, n.2, July/December. Minayo, M. C. S., Delandes, S. F. & Gomes, R. 2012. Investigación Social: teoría, método y creatividad. Buenos Aires: Editora Lugar. Morin, Edgard. 2008. On complexity (Advances in systems theory, complexity, and the human sciences). New York: Hampton Press. MTUR - Brazilian Ministry of Tourism (2008a) Accessible tourism: Introduction to an inclusive trip (Portuguese). http://www.turismo.gov.br. Accessed 28th May 2013. MTUR (2008b) General law of the tourism number 11.771/08, from 17th September 2008 (Portuguese). http://www.turismo.gov.br/. Accessed 18th July 2013. Nascimento, E. P. 1994. Hipóteses sobre a nova exclusão social: Dos excluídos necessários aos excluídos desnecessários. Cadernos do CRH. 21: 29-47. OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. 2012. Green innovation in tourism can trigger major economic, social and 21
  22. 22. environmental benefits. http://www.oecd.org/cfe/tourism/greeninnovationintourismcantriggermajor economicsocialandenvironmentalbenefits.htm. Accessed 12th June 2013. Onfray, M. 2007. Théorie du voyage. Poètique de la geographie. Paris: Le livre de Poche. Panrotas. 2013. Brazil received 5.7 million foreigners in 2012 (Portuguese), http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/mercado/brasil-recebeu-57- milhoes-de-estrangeiros-em-2012_87635.html. Accessed 23th July 2013. Rambaud, P. 1980. Tourisme et village: Un débat de societé. Sociologia ruralis, 4(XX: 232-249). Arsen: Ed. Goreum. Ritchie, B. W., Burns, P. & Palmer, C. 2005. Tourism research methods: Integrating theory with practice. Oxfordshire: CABI Publishing. Rousseau, J. J. Les Confessions. In: Oeuvres complètes : I. Gallimard: Bibliothèque de La Pléiade, 1996. Sachs, I. 2009. The third edge: In search to ecodevelopment (Portuguese). São Paulo: Companhia das Letras. Sharpley, R. 2009. Tourism development and the environment: Beyond sustainability? London: Earthscan. Simmel, G. 1992. Soziologie: Untersuchungen über die formen der vergesellschaftung. Ed. von O. Rammstedt, Frankfurt: Suhrkamp. [1908], Leipzig: Duncker & Humblot. SNV – Netherlands Development Organisation. 2009. The market for responsible tourism products: with a special focus for Latin America and Nepal. http://www.responsibletravel.org/resources/documents/reports/The %20Market%20for%20Responsible%20Tourism%20Products.pdf. Accessed 23th August 2013. 22
  23. 23. Spinola, C. A. 2001. Tourism at the end of the twentieth century – A paradoxical context (Portuguese). Gestão e planejamento: Revista do departamento de ciências sociais aplicadas da UNIFACS. 3, Salvador – Brazil: Editora. Stevenson, N., Airey, D., Miller, G. Tourism policy making: The policymakers’perspectives. http://epubs.surrey.ac.uk/1118/1/fulltext.pdf. Accessed 10th September 2013. Swarbrooke, J. 1999. Sustainable tourism management. Wallingford – UK: CABI. Swedberg, R. 2007. Principles of economic sociology. Princeton: Princeton University Press. TFPS - Tourism Forum from Peoples Summit. 2012. Declaration Tourism, Sustainability and Future (Portuguese). http://turismoefuturo.webnode.com/sobre-nos/. Accessed 14th February 2013. Tocqueville, A. 1990. Democracy in America. II. New York: Vintage Books. Travis, A. S. 2011. Planning for tourism, leisure and sustainability. Oxfordshire: CABI. TRTP – The responsible tourism partnership. 2013. Responsible tourism around the world. http://responsibletourismpartnership.org/RTWorld.html. Accessed 28th September 2013. UK – United Kingdom. 2011. Government tourism policy. https://www.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_dat a/file/78416/Government2_Tourism_Policy_2011.pdf. Accessed 28th August 2013. UN – United Nations. 1948. Universal human rights declaration. Adopted and proclaimed by resolution 217 A (III) - UN General Assembly 10th December 1948 (Portuguese). http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf. Accessed 19.09.2013. 23
  24. 24. UN - United Nations. 2012. The future we want. http://www.un.org/disabilities/documents/rio20_outcome_document_compl ete.pdf. Accessed 18th August 2013. UNEP – United Nations Environment Programme. 2011. Towards a Green Economy: Pathways to Sustainable Development and Poverty Eradication. http://www.unep.org/greeneconomy/LinkClick.aspx? fileticket=VwbPK0ombTM%3d&tabid=29846&mid=34149&language=en-US. Accessed 10th November 2013. UNWTO. 2012. Destination wetlands: Supporting sustainable tourism. Madrid: Secretariat of the Ramsar Convention on Wetlands & World Tourism Organization. UNWTO. 2013a. Ethics and social dimensions of tourism. http://ethics.unwto.org/en/content/accessible-tourism. Accessed 27th February 2013. UNWTO. 2013b. UNWTO Annual Report 2012. http://www2.unwto.org/en/publication/unwto-annual-report-2012. Accessed 25th August 2013. UNWTO/UNEP. 2012. Tourism in the Green Economy. http://www.unep.org/greeneconomy/LinkClick.aspx? fileticket=VwbPK0ombTM%3d&tabid=29846&mid=34149&language=en-US Accessed 11th November 2013. Valladares, L. 2007. The ten commandments of participant observation. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online], 22(63): 153-155. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 69092007000100012&lng=en&nrm=iso. Accessed 5th September 2013. Watt, H. 2013 Responsible Tourism and Local Government in South Africa, Progress in Responsible Tourism, v2, n2, pp62-68, September 24
  25. 25. 25

×