Elegancia corporativa rebranding revolution

439 visualizações

Publicada em

Pessoal, de certo que encontrarão erros em alguns casos mas compreensíveis ao vosso olho. Não é uma publicação final, apenas dou-vos a conhecer o mercado da marca hoje em dia. Foi elaborado para fins académicos mas que no meu ponto de vista pertinente para quem tenciona crescer no mercado de marketing da marca. :) comentem para discutirmos o assunto... ;)))

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
439
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elegancia corporativa rebranding revolution

  1. 1. i s e c | i m ag e m c o r p o r at i va i i an o i i i 2 0 1 3 ELEGÂNCIA corporativa rebranding revolution carnot júnior 1
  2. 2. ELEGÂNCIA corporativa rebranding revolution ISEC 20110039 Carnott Júnior Design e Produção Gráfica Identidade Corporativa II Prof. Alcobia 3 Ano 2013/14 2
  3. 3. biografia Como Design Gráfico e Ilustrador, caracterizo a identidade corporativa o instrutor de planeamento e ações da identidade de uma organização, que tens estado a evoluir na forma de pensar e criar novas ideias de sustentabilidade no mercado. Rebranding É quase impossível nos dias de hoje gerir uma organização da mesma forma e para sempre. As constantes mudanças de mercado levam a fazer determinadas alterações reajustamentos no posicionamento da identidade. Tenciono com as minhas transmitir alguns procedimentos de intervenção dentro de uma organização, de forma a facilitar os mecanismos de comunicação com o cliente e o consumidor a partir de um modelo da marca. Características de Acão Isto, é um plano de intervenção elaborado de acordo com os níveis que nos quais pretendo atuar e comunicar de modo convencional dentro da organização. Considero que dada altura é necessário simplificar a comunicação e clarificar alguns conhecimentos didacticos sobre branding, símbolos e logotipos, e posicionar das principais ocorrências de mercado de uma identidade e a crise da marca. O Kit faz-se acompanhar com um modelo de intervenção “panfleto” um CD information interactive, legos e um plano de intervenção entre a Identidade e o Marketing mais detalhada (ver também texto resumido no final desta brochura). 3
  4. 4. A melhor projeção é olhar o mercado da concorrência e entende-la como desafio a ultrapassar na construção novas identidades sustentáveis ao mercado. 4
  5. 5. INTRODUÇÃO QUEM É O ALVO? ONDE VAIS TE POSICIONAR? A marca forte é aquela que podemos construir e manter perceções atraentes na mente dos consumidores. Isto, não se consegue apenas com campanhas de publicidade e marketing, por mais bem planeadas que sejam. Se a empresa não trabalhar os outros aspetos do branding, como publicidade, gestão da identidade pode ser dinheiro atirado ao lixo. Convém não esquecer que algumas das marcas que mais investiram em grandiosas campanhas já desapareceram do mercado. Porque será?? 5
  6. 6. procecimentos correto e incorreto ORGANIZAÇÃO CONDUTA PLANO ACÇÃO 1 ACÇÃO 2 ACÇÃO 3 ACÇÃO 4 CONTACTO PÚBLICO IMAGEM PRETENDIDA IMAGEM MENTAL REAL Ineficácia Identidade A identidade cultural empresarial ditam a sua conduta, embora também sejam consideradas as informações provinientes do mercado. A conduta pode não corresponder ao plano. A forma como são transmitidos os significados e as mensagens não está de acordo com a identidade. Pode existir má gestão da marca ou uma valorização errada, que provoca erros no discurso. Aplicação A contacto público com as acções pode ser isolado ou parcial. Nas acções encontra-se o design; os ambientes; a publicidade; a qualidade do produto; o serviço a regras laborais; a opinião de funcionários, etc. Descodificação errada Uma má aplicação ou errada selecção de signos compremeteu a imagem mental. Não foi tida em conta a cultura, o contexto ou os signos eram incoerentes. Descodificação O Público descodifica os significados provinientes das diferentes acções em função da sua conduta, do contexto sóciocultural em que se insere e atravéz de assiciações baseadas na sua experiência. 6
  7. 7. CRISE DA MARCA procedimentos incorretos dentro de um plano de gestão da identidade Encurtar caminhos para alcançar objetivos fortes pode tornar fácil a sua queda, devido a falta de coordenadas necessárias que virá a surgir na descodificação ao público. É necessário que haja um controle de conduta e praticar as várias ações que vão assegurar e tornar sólida a sua identidade (Pág. 6). A aplicação: Interpretar e conhecer a personalidade corporativa e de lhe conferir um sentido estratégico, através do discurso gráfico que atribui aos signos de identidade, garantindo a sua presença estável da identidade. Conhecer a realidade e a identidade da empresa. A descodificação: Adaptar o estilo à mensagem, detetando um conjunto de regras mais adequado à organização em causa (em função da sua identidade e do seu posicionamento) e aplica-a ao design da marca gráfica (por exemplo através da forma e da arquitetura da marca) e restantes signos. 7
  8. 8. 8
  9. 9. COMUNICAÇÃO a natureza simiótica A área de conhecimento humano e à prática profissional específica relativa ao ordenamento estético formal de elementos textuais e não-textuais que compõem peças gráficas destinadas à reprodução, com objetivo expressamente comunicacional. As ‘formas da linguagem se constituem no objeto a partir do qual a semiótica investiga os mecanismos de produção do sentido, grande parte dessas mesmas ‘formas’ são a matériaprima a partir das quais o design gráfico dá existência às mensagens (construindo consequentemente seus sentidos). Competência de seleção e combinação dos elementos para a montagem dos arranjos textuais que produzem o sentido das peças comunicativas. “Por semiótica Institucional, deve entender-se o processo espontâneo, artificial ou misto, pelo qual uma instituição produz e comunica o discurso da sua identidade no seu contexto, e motiva uma determinada leitura que determinará a sua própria imagem”. 9
  10. 10. Alterações de uma identidade * * * * Alteração na sua realidade material Componentes da identidade Modificação da comunicação Mudanças na mensagem ao público 10
  11. 11. REDESIGN PROCEDIMENTOS DE MUDANÇAS DA IDENTIDADE VISUAL Das pesquisas feitas atualmente, destacamos que pelo facto das empresas remodelarem as suas identidades visuais, torna um alvo fácil para o deslize ou para o sucesso, isto, independentemente de como são preparadas e elaboradas o plano de mudanças e restauro da marca (Pág.6). No mercado atual mais de 60% das remodelações não foram de acordo com as expectativas devido a falta de entrosamento na reconstrução da imagem, isto porque deve-se a forma como foi descodificada a identidade no processo do seu fluxo de desenvolvimento da identidade. Criar remodelar uma identidade requer entrar dentro do sistema da organização, rever o plano estratégico da organização, isto, possibilitará entendermos melhor os objetivos e criar uma projeção ideal da identidade. Redesign da marca. Conceitos e caracteristicas 11
  12. 12. 12
  13. 13. plano de intervenção identidade e marketing No processo de intervenção, temos que ter em conta os caminhos a traçar, a conduta e a falta de comunicação conforme vimos na página 6. Com isto, existem alguns passos muito importante que nos quais a minha intervenção irá associar em diversos campos dentro do plano de intervenção. 1º Passo - Pontos fundamentais que estarão em todo o processo; o plano estratégico da empresa e o modelo da imagem a implementar, cuja relação resulta numa intersecção que resulta dos interesses da empresa com os do mercado; 2º Passo - Controle da Imagem corporativa, as estratégias e as tácitas; 3º Passo -Estarão envolvidos os objetivos e auditoria. Os valores da identidade e imagem, que serão inseridos em todas as comunicações da empresa (aplicativos, Outdoors, publicidade TV, etc), incluindo elementos da cultura comunicacional que fará previsões de atitudes a adotar na mudança do “cenário”: fusões, crises ou outros problemas passíveis de influenciar a reputação e a imagem. Implementação do modelo de Imagem; Acompanhamento e controlo da implementação; 4º Passo - Movimento circular interativo, capaz de redefinir ou corrigir, através de uma análise de resposta do mercado e possíveis desvios dos objetivos. 13
  14. 14. 14 3- Reformulação dos objectivos globais anteriores à Auditoria Estratégica Global, através de entrevistas com a direcção e com a presidência. Definição de objectivos pontuais a cada departamento e a aplicação da comunicação por objectivos; 4- O director de comunicação transforma os dados do ponto dois, num Plano Estratégico de comunicação Integral, que com base 2- O dispositivo necessário para os aspectos fundamentais da gestão e controlo da imagem corporativa, as estratégias e as tácticas; INVESTIGAÇÃO 1- São os pontos fundamentais que estarão presentes em todo o processo: o plano estratégico da empresa e o modelo da imagem aimplementar, cuja relação resulta numa intersecção que resulta dos interesses da empresa com os do mercado; Caso o director de comunicação não esteja no processo desde início, é neste momento que se irá designar a pessoa para o cargo, embora participar desde início seja muito importante; SISTEMATIZAÇÃO DIAGNÓSTICO IDENTIFICAÇÃO OBJECTIVOS GLOBAIS ORGNIZAÇÃO POLÍTICA DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO MODELO DE IMAGEM PLANO ESTRATÉGICO de comunicação INSTITUCIONAL PROCESSO DE INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO OBJECTIVOS PONTUAIS MERCADOLOGIA PLANO ESTRATÉGICO
  15. 15. 15 7- Quando conveniente, avaliar (por investigadores) como estão a ser percebidas e interpretadas as mensagens; 8- Implementação do Modelo de Imagem, com os instrumentos anteriores (embora a sequência não seja obrigatoriamente esta, pois depende do projecto); 9- Acompanhamento e controlo da implementação, tendo em conta o Modelo; 10- Movimento circular interactivo, capaz de redefinir ou corrigir o Modelo, através de uma análise de correspondências e desvios dos objectivos. nos objectivos globais do modelo, provindo em especial da Identidade e da Cultura. Os valores da identidade e imagem, que serão inseridos em todas as comunicações da empresa, incluindo elementos da cultura comunicacional que fará previsões de atitudes a adoptar na mudança do “cenário”: fusões, crises ou outros problemas passíveis de influenciar a reputação e a imagem. 5- Um balanço relacionado com a logística, procurando atingir um equilibrio entre as acções previstas e os recursos disponíveis, resultando uma planificação detalhada e orçamentada; FEED BACK DE CORREÇÃO TESTES CRIAÇÃO DA IDENTIDADE CORPORATIVA. ALTERAÇÃO CULTURAL IMPUTAÇÃO MEDIÇÃO DOS MERCADOS IMPLEMENTAÇÃO ANÁLISE INVERSÃO TESTES SISTEMAS DE OCMUNICAÇÃO INTERNA CAMPANHAS PROMOCIONAIS E PATROCINIOS
  16. 16. rebranding revolution 16

×