UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS                                       CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA                      ...
obriga a reaprender a ensinar e a aprender[...]” e a escola não pode ficar isolada darealidade que a cerca.    É chegado o...
adeptos e seguidores e, para isso, é importante a conquista de parcerias com projetosinterdisciplinares e colaborativos.  ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O papel do_professor_frente_às_novas_tecnologias

7.358 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.017
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O papel do_professor_frente_às_novas_tecnologias

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DIGITAL PARA A DIVERSIDADE O PAPEL DO PROFESSOR FRENTE ÀS NOVAS TECNOLOGIAS Carmem Angela Corrêa Araujo Na atual sociedade da informação são muitos os desafios que teremos que enfrentarpara nos transformarmos nos profissionais da modernidade, estudando sempre etrocando experiências com outros colegas, buscando o desenvolvimento dascompetências que deve ter o educador da atualidade. Nesse novo contexto surge a figura do educomunicador que é, ou pelo menos,deve ser alguém que congregue as funções de educador e comunicador. Um profissionalconsciente de seu papel na era da informação e da comunicação. Que percebe aspotencialidades das ferramentas que têm ao seu alcance e faz uso delas para mediar oconhecimento. Alguém que divide com seus alunos o palco da construção de um saberpartilhado. Segundo Soares, “[...]toda relação comunicativa pode transformar-se numarelação educativa e toda ação educativa deveria transformar-se em açãocomunicativa”. Essa comunicação hoje não é mais unilateral, ou pelo menos, nãodeveria ser. O educador precisa assumir uma postura de articulador do conhecimento eestabelecer uma relação de parcerias com seus alunos para que estes se tornemprotagonistas do processo de ensino e aprendizagem. O professor de hoje deve estar sempre em uma incessante busca por novosmodelos, diferentes formatos que possam satisfazer o seu “cliente” que é o aluno. Deacordo com Moran, “Educar numa sociedade em mudanças rápidas e profundas nos
  2. 2. obriga a reaprender a ensinar e a aprender[...]” e a escola não pode ficar isolada darealidade que a cerca. É chegado o momento da escola repensar e redesenhar a prática pedagógica e oscurrículos escolares, incorporando as Tecnologias da Informação e da Comunicação emsuas rotinas escolares. Para isso, é importante que os educadores sejam preparados paraessas mudanças e que possam assumir uma postura aberta e flexível, abusando daousadia e da criatividade. As escolas estão sendo equipadas com as Novas Tecnologias da Informação e daComunicação. Aos poucos, estão sendo oferecidas formações aos professores para autilização dessas ferramentas na sua prática pedagógica, mas isso não basta. SegundoPapert, “Muito mais do que treinamento, é necessário que os professores desenvolvama habilidade de beneficiarem-se da presença dos computadores e de levarem estebenefício para seus alunos” (1994: 70). Com o avanço tecnológico e o advento da Internet, a informação foi democratizadae não se encontra mais restrita ao âmbito escolar. A linguagem das mídias, repleta deimagens, movimentos e sons atrai, principalmente, crianças e jovens que dominam comfacilidade as novas tecnologias, dispensando manuais e treinamentos. Quando essa realidade invadir o mundo da educação, que até o momento ainda éem grande parte, monótono e repetitivo, acontecerá a revolução educacional, despertaráo interesse dos aprendizes e transformará a aprendizagem em algo prazeroso,significativo e, quando realizada por meio de projetos colaborativos, com a parceriaentre alunos e professores, será capaz de provocar uma mudança significativa, formandocidadãos ativos, críticos e criativos para um mercado de trabalho cada vez maisexigente. Até o momento, essas novas propostas de ensino estão recebendo uma respostamuito tímida da escola pela falta de uma política institucional mais ousada, corajosa eincentivadora para as mudanças. Precisamos aprender a ensinar para, com muitaconvicção e segurança, aos poucos, mas com firmeza e determinação, irmos sinalizandoas mudanças por meio de ações pedagógicas inovadoras que irão conquistando mais
  3. 3. adeptos e seguidores e, para isso, é importante a conquista de parcerias com projetosinterdisciplinares e colaborativos. Referências Bibliográficas:MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. p. 73-86. Papiros, 2007.PAPERT, S. A máquina das crianças: Repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.SOARES, Ismar de Oliveira. Uma educomunicação para a ciadadania. Disponível em <http://www.usp.br/nce/wcp/arq/textos/6.pdf> - Acessado às 10h do dia 15/05/2011.

×