Sistema Nervoso - Prof. Arlei

2.707 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Sistema Nervoso - Prof. Arlei

  1. 1. SISTEMA NERVOSO Prof. Arlei
  2. 2. REGULAÇÃO <ul><ul><li>Sistema Nervoso </li></ul></ul><ul><li>. Resposta elétrica </li></ul><ul><li>. Baseada no Neurônio </li></ul><ul><li>. Resposta rápida </li></ul><ul><li>. Curta Duração </li></ul><ul><ul><li>Sistema Endócrino </li></ul></ul><ul><li>. Resposta Química (hormônios) </li></ul><ul><li>. Baseada nas glândulas </li></ul><ul><li>. Resposta lenta </li></ul><ul><li>. Longa duração </li></ul>
  3. 3. NEURÔNIO
  4. 4. Evolução do Sistema Nervoso <ul><ul><li>Cnidário </li></ul></ul><ul><li>. Sistema Nervoso Difuso </li></ul><ul><ul><li>Platyhelmite, Nemathelminte, Annelida e Arthropoda. </li></ul></ul><ul><ul><li>. Sistema nervoso ganglionar </li></ul></ul><ul><li>Cordões nervosos </li></ul><ul><li>Gânglios (corpos celulares) Gânglio Cerebróide. </li></ul><ul><ul><li>Chordata </li></ul></ul><ul><li>Encéfalo e Medula </li></ul>
  5. 5. Sistema Nervoso Sistema Nervoso Autônomo Simpático e Parassimpático
  6. 6. Sistema Nervoso Central <ul><ul><li>Encéfalo (Crânio) </li></ul></ul><ul><ul><li>Cérebro </li></ul></ul><ul><ul><li>Cerebelo </li></ul></ul><ul><ul><li>Bulbo </li></ul></ul><ul><ul><li>Medula Espinhal </li></ul></ul><ul><ul><li>(Coluna Vertebral) </li></ul></ul>
  7. 7. S. N. C. <ul><ul><li>Encéfalo </li></ul></ul><ul><li>. Cérebro </li></ul><ul><li>Peixe ------ Mamífero </li></ul><ul><li>Subs. Cinzenta (fora) – Corpos de neurônios </li></ul><ul><li>Subs. Branca (dentro) – Axônios e Dendritos </li></ul><ul><li>Funções: Sensoriais, motoras e associativas. </li></ul><ul><li>. Bulbo </li></ul><ul><li>Controle das atividades involuntárias e reflexas. </li></ul><ul><li>. Cerebelo </li></ul><ul><li>Controle das atividades motoras e de equilíbrio. </li></ul>
  8. 8. Sistema Nervoso <ul><li>Sistema nervoso Periférico </li></ul><ul><ul><li>Formado por nervos (axônios e neurônios) e têm como função ligar o sistema nervoso central com o restante do corpo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Gânglios (corpos celulares) – Controle das vísceras. </li></ul></ul>
  9. 10. Sistema Nervoso Autônomo <ul><li>Formado por um conjunto de gânglios (funções independentes da vontade). </li></ul><ul><li>Simpático </li></ul><ul><li>Parassimpático </li></ul>
  10. 11. S. N. A. <ul><li>Sistema Simpático – Acelera batimentos cardíacos (taquicardia), contrai veias e artérias, dilata os brônquios e bronquíolos e pupilas. Mediador químico: Noradrenalina. </li></ul><ul><li>. Sistema parassimpático – Reduz os batimentos cardíacos (braquicardia), dilata veias e artérias, contrai brônquios, bronquíolos e pupila. Mediador: Acetilcolina. </li></ul>
  11. 14. Meninges. Membranas que revestem o Sistema Nervoso <ul><li>Dura-máter </li></ul><ul><li>Aracnóide </li></ul><ul><li>Pia-máter </li></ul><ul><li>Líquor líquido que banha as meninges </li></ul>
  12. 15. Dura-Máter
  13. 16. Aracnóide.Pia-Máter
  14. 17. Aracnóide.Pia-Máter Aracnóide.Pia-Máter Aracnóide.Pia-Máter Aracnóide.Pia-Máter
  15. 18. Sinapses
  16. 19. Neurotransmissores <ul><li>Noradrenalina </li></ul><ul><li>Estrutura da noradrenalina </li></ul><ul><li>A Noradrenalina , também chamada de Noraepinefrina é sintetizada nas fibras nervosas, enquanto a Adrenalina é produzida na glândula supra renal (localizada acima dos rins). </li></ul><ul><li>Mecanismo de ação </li></ul><ul><li>Suas principais ações no sistema cardiovascular estão relacionadas ao aumento do influxo celular de cálcio,e também manter a pressão sangüínea em níveis normais. A saber, vasoconstrição periférica e taquicardia. Tais efeitos são mediados por receptores alfa adrenérgicos. Além de ser um hipertensor. </li></ul><ul><li>Produção </li></ul><ul><li>A noradrenalina é liberada em doses , independentemente da liberação de adrenalina. </li></ul>
  17. 20. Neurotransmissores <ul><li>Adrenalina </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>A adrenalina ou epinefrina é um hormônio , secretado pelas glândulas supra-renais , assim chamadas por estarem acima dos rins. Em momentos de &quot;stress&quot;, as supra-renais secretam quantidades abundantes deste hormônio que prepara o organismo para grandes esforços físicos, estimula o coração , eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrai outros. </li></ul><ul><li>Quando lançada na corrente sanguínea , devido a quaisquer condições do meio ambiente que ameacem a integridade física do corpo (fisicamente ou psicologicamente, medo ), a adrenalina aumenta a frequência dos batimentos cardíacos (cronotrópica positiva) e o volume de sangue por batimento cardíaco, eleva o nível de açúcar no sangue (hiperglicemiante), minimiza o fluxo sanguíneo nos vasos e no sistema intestinal enquanto maximiza o tal fluxo para os músculos voluntários nas pernas e nos braços e &quot;queima&quot; gordura contida nas células adiposas. Isto faz com que o corpo esteja preparado para uma reação, como reagir agressivamente ou fugir, por exemplo. É utilizada também pela medicina em ressuscitações no caso de parada cardíaca ou para aumentar a duração de anestésicos locais devido ao seu efeito vasoconstrictor . </li></ul>
  18. 21. Neurotransmissores <ul><li>Acetilcolina </li></ul><ul><li>é um composto orgânico liberado na corrente sangüínea pela ação dos nervos parassimpáticos . A contração dos músculos ocorre devido a liberação desta substância pelas ramificações do axônio . Os nervos Simpáticos tambem produzem a acetilcolina, mas nao apenas ela, também a noradrenalina, diferentemente do parassimpatico Na mente , apresenta importante desempenho nas funções cognitivas superiores , tais como a aprendizagem e a memória. </li></ul>
  19. 22. Sinapses Comunicação entre os neurônios
  20. 23. Ações do Sistema Nervoso <ul><li>Arco Reflexo </li></ul>
  21. 24. O impulso nervoso A membrana plasmática do neurônio transporta alguns íons ativamente, do líquido extracelular para o interior da fibra, e outros, do interior, de volta ao líquido extracelular. Assim funciona a bomba de sódio e potássio , que bombeia ativamente o sódio para fora, enquanto o potássio é bombeado ativamente para dentro.Porém esse bombeamento não é eqüitativo: para cada três íons sódio bombeados para o líquido extracelular, apenas dois íons potássio são bombeados para o líquido intracelular
  22. 25. Bomba de Sódio e Potássio
  23. 26. Bomba de sódio e potássio
  24. 27. Bomba de sódio e potássio
  25. 28. Em repouso a membrana da célula nervosa é praticamente impermeável ao sódio, impedindo que esse íon se mova a favor de seu gradiente de concentração (de fora para dentro);  porém, é muito permeável ao potássio, que, favorecido pelo gradiente de concentração e pela permeabilidade da membrana, se difunde livremente para o meio extracelular. Bomba de sódio e potássio
  26. 29. Bomba de sódio e potássio <ul><li>Em repouso: canais de sódio fechados. Membrana é praticamente impermeável ao sódio, impedindo sua difusão a favor do gradiente de concentração.Sódio é bombeado ativamente para fora pela bomba de sódio e potássio.Como a saída de sódio não é acompanhada pela entrada de potássio na mesma proporção, estabelece-se uma diferença de cargas elétricas entre os meios intra e extracelular: há déficit de cargas positivas dentro da célula e as faces da membrana mantêm-se eletricamente carregadas. </li></ul>
  27. 30. Bomba de sódio e potássio <ul><li>O potencial eletronegativo criado no interior da fibra nervosa devido à bomba de sódio e potássio é chamado potencial de repouso da membrana , ficando o exterior da membrana positivo e o interior negativo. Dizemos, então, que a membrana está polarizada .   </li></ul>Meio Interno Meio Externo
  28. 31. Bomba de sódio e potássio <ul><li>Ao ser estimulada, uma pequena região da membrana torna-se permeável ao sódio (abertura dos canais de sódio). Como a concentração desse íon é maior fora do que dentro da célula, o sódio atravessa a membrana no sentido do interior da célula. A entrada de sódio é acompanhada pela pequena saída de potássio. Esta inversão vai sendo transmitida ao longo do axônio, e todo esse processo é denominado onda de despolarização </li></ul>Meio Externo Na+ Na+ Na+ + Meio Interno K+ K+ --
  29. 32. &quot;lei do tudo ou nada&quot; . <ul><li>A aplicação de uma despolarização crescente a um neurônio não tem qualquer efeito até que se cruze o limiar e, então, surja o potencial de ação. Por esta razão, diz-se que os potenciais de ação obedecem à &quot;lei do tudo ou nada&quot; . </li></ul>
  30. 33. Bomba de sódio e potássio
  31. 34. Condução Saltatória <ul><li>Axônios com menor diâmetro necessitam de uma maior despolarização para alcançar o limiar do potencial de ação. Nesses de axônios, presença de bainha de mielina acelera a velocidade da condução do impulso nervoso. Nas regiões dos nódulos de Ranvier , a onda de despolarização &quot;salta&quot; diretamente de um nódulo para outro, não acontecendo em toda a extensão da região mielinizada (a mielina é isolante). Fala-se em condução saltatória e com isso há um considerável aumento da velocidade do impulso nervoso.   </li></ul>

×