aula sist linfático

17.763 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.763
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.401
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
684
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

aula sist linfático

  1. 1. Sistema Linfático
  2. 2. Sistema Linfático Sistema paralelo ao circulatório, constituído por uma vasta rede de vasos semelhantes às veias (vasos linfáticos), que se distribuem por todo o corpo e recolhem o líquido intersticial que não retornou aos capilares sangüíneos, filtrando-o e reconduzindo-o à circulação sangüínea. É constituído pela linfa, vasos e órgãos linfáticos.
  3. 3. Sistema Linfático
  4. 4. Sistema Linfático • Funções Drenar o excedente intersticial Absorver moléculas de gordura Absorver substâncias com alto peso molecular Defesa do organismo
  5. 5. Sistema Linfático Linfa: líquido que circula pelos vasos linfáticos. Sua composição é semelhante ao plasma sanguíneo, apesar de conter glóbulos brancos dos quais 99% são linfócitos. No sangue os linfócitos representam cerca de 50% do total de glóbulos brancos. A linfa, corresponde ao líquido intersticial que circula dentro dos linfáticos.
  6. 6. Sistema Linfático Os capilares linfáticos estão presentes em quase todos os tecidos do corpo. Capilares mais finos vão se unindo em vasos linfáticos maiores, que terminam em dois grandes dutos principais: o duto torácico (recebe a linfa procedente da parte inferior do corpo, do lado esquerdo da cabeça, do braço esquerdo e de partes do tórax) e o duto linfático (recebe a linfa procedente do lado direito da cabeça, do braço direito e de parte do tórax), que desembocam em veias próximas ao coração.
  7. 7. Sistema Linfático
  8. 8. Capilar Linfático O Capilar Linfático tem a estrutura semelhante ao capilar venoso, mas se diferencia do mesmo por que sua parede apresenta maior permeabilidade o que permite drenar substâncias que não conseguem entrar no capilar venoso
  9. 9. Capilar Linfático
  10. 10. Microcirculação Sendo uma das funções do sistema linfático drenar o excedente intersticial, vejamos então por que há esse excedente. A microcirculação é composta por capilares arteriais, venosos e linfáticos. É neste ambiente que ocorrem as trocas entre o sangue e as células dos tecidos. Isso se deve a: • Ultrafiltração – passagem de substâncias do capilar sanguíneo para o interstício • Absorção Venosa – passagem de substâncias do interstício para o capilar sanguíneo • Absorção Linfática – passagem de substâncias do interstício ao capilar linfático (o que não retorna pelo sangue, retorna pelo linfático para a corrente sanguínea)
  11. 11. Microcirculação
  12. 12. Microcirculação
  13. 13. Microcirculação Ultrafiltração – 100% Absorção Venosa – 90% Absorção Linfática – 10% (excedente) Para que o fluído intersticial seja drenado para o capilar linfático é necessário que a pressão intersticial seja maior que a intra capilar. Desta forma o bom funcionamento da microcirculação está garantido.
  14. 14. Capilar Linfático
  15. 15. Órgãos Linfóides Órgãos linfáticos: amígdalas (tonsilas), baço, linfonodos ( nódulos linfáticos) , timo (tecido conjuntivo reticular linfóide: rico em linfócitos) e medula óssea São órgãos que de forma primária ou secundária participam da produção de linfócitos conseqüentemente do sistema de defesa do organismo
  16. 16. Órgãos Linfóides
  17. 17. Linfonodos Linfonodos ou nódulos linfáticos: órgãos linfáticos mais numerosos do organismo,localizados nos trajetos dos vasos linfáticos sua função é a de filtrar a linfa e eliminar corpos estranhos que ela possa conter, como vírus e bactérias. Nele ocorrem linfócitos, macrófagos e plasmócitos. A proliferação dessas células provocada pela presença de bactérias ou substâncias/organismos estranhos determina o aumento do tamanho dos gânglios, que se tornam dolorosos, formando a íngua
  18. 18. Linfonodos
  19. 19. Linfonodos
  20. 20. Baço Baço: órgão linfático, excluído da circulação linfática, interposto na circulação sangüínea e cuja drenagem venosa passa, obrigatoriamente, pelo fígado. Possui grande quantidade de macrófagos que, através da fagocitose, destroem micróbios, restos de tecido, substâncias estranhas, células do sangue em circulação já desgastadas como eritrócitos, leucócitos e plaquetas. Dessa forma, o baço “limpa” o sangue, funcionando como um filtro desse fluído tão essencial. O baço também tem participação na resposta imune, reagindo a agentes infecciosos. Inclusive, é considerado por alguns cientistas, um grande nódulo linfático.
  21. 21. Baço
  22. 22. Timo Timo: órgão linfático mais desenvolvido no período prenatal, involui desde o nascimento até a puberdade. Em termos fisiológicos, o timo elabora várias substâncias: timosina alfa, timopoetina, timulina e o fator tímico circulante. A timosina mantém e promove a maturação de linfócitos e órgãos linfóides como o baço e linfonodos. Existe ainda uma outra substância, a timulina, que exerce função na placa motora (junção dos nervos com os músculos) e, portanto, nos estímulos neurais e periféricos, sendo considerada grande responsável por uma doença muscular chamada miastenia grave.
  23. 23. Timo
  24. 24. Tonsilas As tonsilas são aglomerados de nódulos linfáticos revestidos apenas de epitélio. Estão localizadas na cavidade bucal, sendo conhecidas como tonsilas palatinas; próximas ao arco palatofaríngeo, na parte posterior da língua, constituindo as tonsilas linguais, e na parte posterior da nasofaringe encontramos as tonsilas faríngeas (adenóide). A função mais característica das tonsilas é a produção de plasmócitos que secretem IgA-secretória para a mucosa, protegendo a mucosa da agressão de micróbios que fazem parte da microbiota normal ou micróbios patogênicos que possam vir junto com os alimentos.
  25. 25. Tonsilas
  26. 26. Medula Óssea A medula como órgão linfóides primário é capaz de formar pro-linfócitos que vem das células totipotentes (leia capítulo I). O Pro- linfócito não é capaz de realizar uma resposta imune, então se dirige aos órgão secundários para se desenvolver. A célula multipotente mielóide e linfoblastos T irão ao timo para formar linfócitos T.
  27. 27. Medula Óssea

×