Aspectos Epidemiológicos dos Estudos Eletrofisiológicos Realizados no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes STEPH...
Distúrbios do ritmo: <ul><li>Traduzidos  como: </li></ul><ul><ul><li>Palpitação, pausa, tontura, síncope, parada cardíaca ...
Epidemiologia das Arritmias: Bailey D. J. Am Coll Cardiol. 1992. 19(3):41A Gráfico 1: Prevalência do diagnóstico de arritm...
Epidemiologia das Arritmias: Blomström-Lundqvist and Scheinman  et al.  2003 ACC/AHA/ESC Practice Guidelines Tabela 1: Epi...
Estudo Eletrofisiológico: <ul><li>Forma mais extensa e completa do estudo do sistema de condução </li></ul><ul><li>O EEF é...
Incidência de Morte Súbita em Populações Específicas e Números Anuais de Morte Súbita Myeburg RJ (Circulation, 1992) 0  10...
Indicações para EEF: <ul><li>Avaliação do mecanismo, sítio e extensão das lesões na geração de impulso ou da condução elét...
Estudo Eletrofisiológico Invasivo: <ul><li>Utilidade limitada na avaliação de síncope em pacientes sem doença cardíaca est...
Objetivo: <ul><li>Analisar os aspectos epidemiológicos dos estudos eletrofisiológicos realizados no Serviço de Eletrofisio...
Casuística: <ul><li>Período: </li></ul><ul><ul><li>De outubro de 2005 a maio de 2009 </li></ul></ul><ul><li>Analisados pro...
Indicações: Gráfico 2: Tipos de indicações para o EEF
Resultados: <ul><li>Negativo em 28 (58%) pacientes; </li></ul><ul><li>FA não laboratorial e TA sustentada em 4 (8%) pacien...
Resultados: 58% 6% 6% 6% 8% 8% 8% Gráfico 3: Prevalência do diagnóstico pós EEF
Conclusão: <ul><li>O EEF foi capaz de evidenciar arritmias em 21 pacientes (42%) e excluir arritmias significativas em  28...
Obrigada!
Obrigada!
Obrigada!
Obrigada!
Obrigada!
MUSTT Initial Protocol <ul><li>EPS N=2202 </li></ul>Evaluate and Treat Ischemia No Sustained VT Induced N=1435 (65%) Induc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estudo Eletrofisiológico

2.550 visualizações

Publicada em

Aspesctos epidemiologicos de estudos Eletrofisiologicos do Hospital das Clinicas do ES

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Estudo Eletrofisiológico

  1. 1. Aspectos Epidemiológicos dos Estudos Eletrofisiológicos Realizados no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes STEPHANIE I RIZK , FABRÍCIO S VASSALLO, CARLOS A V LOVATTO, ALBERTO P NOGUEIRA JR., ALOYR SIMÕES JR., EDUARDO G SERPA,  HERMES CARLONI e ALAOR QUEIROZ A. FILHO
  2. 2. Distúrbios do ritmo: <ul><li>Traduzidos como: </li></ul><ul><ul><li>Palpitação, pausa, tontura, síncope, parada cardíaca </li></ul></ul><ul><ul><li>Assintomáticos </li></ul></ul><ul><li>Podem ser diagnosticados utilizando-se uma grande variedade de métodos, e suas indicações dependem do tipo de arritmia que se suspeita </li></ul>
  3. 3. Epidemiologia das Arritmias: Bailey D. J. Am Coll Cardiol. 1992. 19(3):41A Gráfico 1: Prevalência do diagnóstico de arritmia na alta hospitalar
  4. 4. Epidemiologia das Arritmias: Blomström-Lundqvist and Scheinman et al. 2003 ACC/AHA/ESC Practice Guidelines Tabela 1: Epidemiologia das internações por taquiarritmias Arritmias % Fibrilação Atrial 44.8 Flutter Atrial 5.2 TSV 3.8
  5. 5. Estudo Eletrofisiológico: <ul><li>Forma mais extensa e completa do estudo do sistema de condução </li></ul><ul><li>O EEF é útil na estratificação de risco de morte súbita secundária a arritmias </li></ul>
  6. 6. Incidência de Morte Súbita em Populações Específicas e Números Anuais de Morte Súbita Myeburg RJ (Circulation, 1992) 0 10 20 30 % 0 100 200 300 (x 1000) Incidência de MS Nº de MS/ano População adulta Sub-grupo de risco múltiplo Evento Coronariano Prévio FE <30% ou ICC MS Abortada FV/TV Sub-grupo de Alto risco pós-IAM MADIT, MUSTT, MADIT II AVID, CASH, CIDS SCD-HeFT
  7. 7. Indicações para EEF: <ul><li>Avaliação do mecanismo, sítio e extensão das lesões na geração de impulso ou da condução elétrica; </li></ul><ul><li>Esclarecimento dos mecanismos das taqui e bradiarritmias; </li></ul><ul><li>Pesquisa de BAV, Síndrome de Brugada, vias acessórias e outros distúrbios; </li></ul><ul><li>Investigação de síncope e palpitações de origens desconhecidas sem registros eletrocardiográficos; </li></ul><ul><li>Para avaliar terapêutica (ablação); </li></ul>
  8. 8. Estudo Eletrofisiológico Invasivo: <ul><li>Utilidade limitada na avaliação de síncope em pacientes sem doença cardíaca estrutural </li></ul><ul><li>Maior utilidade em pacientes com doença cardíaca estrutural </li></ul><ul><ul><li>Com doença cardíaca 50 - 80% </li></ul></ul><ul><ul><li>Sem doença cardíaca 8 - 50% </li></ul></ul><ul><li>Relativamente ineficaz nas bradiarritmias </li></ul>Brignole M, Alboni P, Benditt DG, et al. Eur Heart Journal 2001; 22: 1256-1306.
  9. 9. Objetivo: <ul><li>Analisar os aspectos epidemiológicos dos estudos eletrofisiológicos realizados no Serviço de Eletrofisiologia Clínica Invasiva do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (HUCAM); </li></ul><ul><li>Identificar as complicações relacionadas ao procedimento. </li></ul>
  10. 10. Casuística: <ul><li>Período: </li></ul><ul><ul><li>De outubro de 2005 a maio de 2009 </li></ul></ul><ul><li>Analisados prontuários de 49 pacientes encaminhados ao ambulatório com indicação de EEF pelo médico assistente (exceto os de classe III) ou pela equipe de arritmologia após avaliação </li></ul><ul><ul><li>25 pacientes do sexo feminino (51,02%) </li></ul></ul><ul><ul><li>Idade média de 43 anos (13 a 84 anos) </li></ul></ul>
  11. 11. Indicações: Gráfico 2: Tipos de indicações para o EEF
  12. 12. Resultados: <ul><li>Negativo em 28 (58%) pacientes; </li></ul><ul><li>FA não laboratorial e TA sustentada em 4 (8%) pacientes cada; </li></ul><ul><li>BAV 2º grau, TRN, TRAV em 3 (6%) pacientes cada; </li></ul><ul><li>Outras arritmias em 4 (8%) pacientes; </li></ul><ul><li>Baixo índice de complicação: 2 (4%) hematomas no local da punção. </li></ul>
  13. 13. Resultados: 58% 6% 6% 6% 8% 8% 8% Gráfico 3: Prevalência do diagnóstico pós EEF
  14. 14. Conclusão: <ul><li>O EEF foi capaz de evidenciar arritmias em 21 pacientes (42%) e excluir arritmias significativas em 28 pacientes (58%). </li></ul><ul><li>O EEF mostrou-se um exame seguro, eficaz, com baixo índice de complicações auxiliando o diagnóstico e a conduta dos pacientes estudados. </li></ul>
  15. 15. Obrigada!
  16. 16. Obrigada!
  17. 17. Obrigada!
  18. 18. Obrigada!
  19. 19. Obrigada!
  20. 20. MUSTT Initial Protocol <ul><li>EPS N=2202 </li></ul>Evaluate and Treat Ischemia No Sustained VT Induced N=1435 (65%) Inducible Sustained VT N=767 (35%) Registry Randomized N=704 (92%) Refused Randomization N=63 (8%) CAD, NSVT, EF < 0.40 Buxton AE. N Engl J Med . 1999;341:1882-90.

×