Renascimento em Portugal

51.782 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
6 comentários
22 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
51.782
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.727
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.228
Comentários
6
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Renascimento em Portugal

  1. 1. Renascimento em Portugal Raquel Vieira nº 14 Susana Figueiredo nº20
  2. 2. O Renascimento <ul><li>Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI; </li></ul><ul><li>Não surgiu ao mesmo tempo em toda a Europa; </li></ul><ul><li>Com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da actividade humana; </li></ul><ul><li>A atenção é de novo voltada para as grandes obras da antiguidade clássica greco-romana. </li></ul>
  3. 3. Renascimento em Portugal <ul><li>A Chegada a Portugal foi tardia; </li></ul><ul><li>Nasceu da mistura do estilo gótico com as novas inovações do século XV; </li></ul><ul><li>Aparece como forma ornamental associada à arquitectura da última fase do gótico; </li></ul><ul><li>No reinado de D. João I verificava-se o contacto de artistas portugueses com as inovações técnicas e estéticas então emergentes em Itália </li></ul><ul><li>Artistas italianos (ou de formação italiana) eram convidados a trabalhar em Portugal como Francisco Holanda (1517-1584); </li></ul>
  4. 4. O Renascimento e o Manuelino <ul><li>O Estilo manuelino, por vezes também chamado de gótico português tardio ou flamejante, é um estilo arquitectónico que se desenvolveu no reinado de D. Manuel I </li></ul><ul><li>A transição dá-se a partir do último quartel do século XV, revelando novos estilos decorativos á estrutura gótica. </li></ul><ul><li>A arte manuelina afirma-se, principalmente, na decoração da arquitectura, decoração esta exuberante, e pelo ecletismo das temáticas desenvolvidas. </li></ul>Janela manuelina da Sala do Capitulo, Claustro principal do Convento de Cristo, Tomar.
  5. 5. Arquitectura <ul><li>Na arquitectura, o Renascimento atingiu a sua melhor expressão nas obras de João de Castilho (c. 1480-1552) e de Diogo de Torralva (c. 1500-1566) </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Representante máximo da arte manuelina em Portugal; </li></ul><ul><li>Janela de grandes dimensões; </li></ul><ul><li>Decoração com motivos náuticos, motivos vegetalistas e emblemas; </li></ul><ul><li>Assenta sobre uma figura barbada, esculpida rudemente na pedra; </li></ul><ul><li>Entre várias teorias, algumas indicam ser esta figura é um auto-retrato do arquitecto Diogo de Arruda. </li></ul>Janela do Capitulo do Convento de Cristo, em Tomar, Diogo de Arruda.
  7. 7. Pormenores da Janela do Capítulo, Convento de Cristo, Tomar. As esferas armilares e a Cruz de Cristo. Figura com barba onde assenta a janela, envolvido em cordas. O Brasão de Portugal.
  8. 8. <ul><li>Edifício de arquitectura militar/torre; </li></ul><ul><li>O arquitecto da obra foi Francisco de Arruda, que iniciou a construção em 1514 e a finalizou em 1520 ao que tudo indica sob a orientação de Boitaca; </li></ul><ul><li>Construída em homenagem ao santo patrono de Lisboa, S. Vicente; </li></ul><ul><li>Decoração de estilo Manuelino, que simboliza o poder do rei: cordas que envolvem o edifício, rematando-o com elegantes nós, esferas armilares, cruzes da Ordem Militar de Cristo e elementos naturalistas . </li></ul>Torre de Belém , Lisboa, Francisco de Arruda, c. 1515
  9. 9. Parte da sua beleza reside na decoração exterior, adornada com cordas e nós esculpidas em pedra, galerias abertas, torres de vigia no estilo mourisco e ameias em forma de escudos decoradas com esferas armilares, a cruz da Ordem de Cristo e elementos naturalistas, como um rinoceronte, alusivos às navegações.
  10. 10. <ul><li>Obra fundamental da arquitectura Manuelina </li></ul><ul><li>Encomendado pelo rei D. Manuel I; </li></ul><ul><li>A obra iniciou-se em 1502 com vários arquitectos e construtores, entre eles Diogo Boitaca (c.1460-1528) - plano inicial e parte da execução -, João de Castilho (c.1475-1552) - abóbadas das naves e do transepto, pilares, porta sul, sacristia e fachada -, Diogo de Torralva (c. 1500-1566), Jerónimo de Ruão (1530-1601); </li></ul><ul><li>No reinado de D. João III foi acrescentado o coro alto. </li></ul>Mosteiro de Santa Maria de Belém (Jerónimos), Diogo Boitaca, Lisboa, c. 1517
  11. 11. Escultura <ul><li>A escultura renascentista foi mais praticada por mestres estrangeiros, ou por mestres portugueses educados no estrangeiro. Os mestres, atraídos pelo cosmopolitismo que lhes oferecia Lisboa, deslocavam-se para cá e eram requisitados quer por reis, bispos e outros mecenas. </li></ul><ul><li>Nesta estilo artístico destacam-se Nicolau de Chanterenne (act. 1516-1551), João Ruão (act. 1528-1580) e Filipe Hodart (act. 1529-1536). </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Nicolau de Chanterenne foi um escultor e arquitecto de origem francesa que desenvolveu grande parte da sua obra em Portugal de 1517-1551. </li></ul><ul><li>Trabalhou em Coimbra, no Mosteiro de Santa Cruz perto do centro produtor de uma das pedras calcárias mais utilizadas na época em escultura: a célebre pedra de Ançã . </li></ul>Ecce Homo , Nicolau de Chanterenne, Claustro do Silêncio do Mosteiro da Santa Cruz de Coimbra, c. 1525
  13. 13. <ul><li>Filipe Hodart (1490-1536) era um escultor francês activo em Espanha e Portugal. Existem poucos documentos a seu respeito, mas dos poucos que existem há um contracto em Coimbra. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>João de Ruão foi um dos escultores mais influentes do Século XVI em Portugal. Foi um dos artistas mais influentes do seu tempo, nomeadamente pela formação de escultores e decoradores e disseminação das suas obras pelo País, em particular na zona Centro. </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Deposição de Cristo no Túmulo autor: João de Ruão datação: 1535 d.C. 1540 d.C. dimensões: altura: 2,22m largura: 2,25m </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  15. 15. Pintura <ul><li>A pintura foi a arte que reflectiu, em primeiro lugar, o novo movimento, já que nos quadros manuelinos, quase sempre as figuras são do gótico-tardio, de origem flamenga, enquanto os espaços em que elas se situam são renascentistas. </li></ul>Grão Vasco c. 1511-1515 . Assunção da Virgem (pormenor). Óleo sobre madeira de carvalho, 132x104 cm. Museu Nacional da Arte Antiga, em Lisboa
  16. 16. <ul><li>Vasco Fernandes (1475-1542), mais conhecido por Grão Vasco, provavelmente nasceu em Viseu. Trabalhou na oficina de Jorge Afonso, em Lisboa, em 1514. É considerado o principal nome da pintura portuguesa quinhentista. </li></ul><ul><li>Algumas das suas Obras: “ A Adoração dos Magos ”, “ Santa Luzia ” (Museu Nacional de Soares Reis, no Porto), “ A Ceia ” (Museu Grão Vasco, em Viseu), “ A Assunção da Virgem ” (Museu Nacional da Arte Antiga, em Lisboa) “ S. Pedro ” Museu de Grão Vasco Viseu, Portugal </li></ul>Assunção da Virgem c. 1511-1515, óleo sobre madeira 132 x 104 cm Museu Nacional da Arte Antiga, em Lisboa
  17. 17. <ul><li>Cristóvão de Figueiredo activo entre 1515 e 1543 , pintor do século XVI do qual se têm referências documentais de 1515 a 1643. Trabalhou a mando do cardeal-infante D. Afonso e celebrizou-se por pintar quadros sacros . </li></ul>Exaltamento da Santa Cruz - Cristóvão de Figueiredo c. 1530, óleo sobre madeira Museu Nacional de Machado de Castro Coimbra, Portugal
  18. 18. Deposição no Túmulo - Cristóvão de Figueiredo c. 1530, óleo sobre madeira 182 x 155,5 cm Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal Cristo Deposto da Cruz - Cristóvão de Figueiredo c. 1530, óleo sobre madeira 143,5 x 124 cm Patriarcado, Lisboa, Portugal
  19. 19. Gregório Lopes , nascido em 1490 e falecido provavelmente em 1550, considerado um dos pintores portugueses mais significativos do século XVI. Algumas das suas Obras: “Casamento de Nossa Senhora”, “Visitação”, “Presépio”, “Fuga para o Egipto”, “Martírio de S. Sebastião”, “A Virgem, o Menino e Anjos num Jardim” (Museu Nacional de Arte Antiga Lisboa, Portugal), “Degolação de S. João Baptista” (Igreja de S. João Baptista, Tomar, Portugal). Adoração dos Magos - Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa)
  20. 20. Bibliografia <ul><li>História da Cultura e das Artes 11º, Paulo Simões Nunes, Lisboa Editora; </li></ul><ul><li>Património da Humanidade em Portugal, João Paulo Sacadura/ Rui Cunha, 1 volume – monumentos, Verbo; </li></ul><ul><li>http://www.infopedia.pt/$cristovao-de-figueiredo </li></ul><ul><li>http://www.eps-penalva-castelo.rcts.pt/projs/pena_jov/edicoes/2000_04/vasco.htm </li></ul><ul><li>http://www.answers.com/topic/filipe-hodart-1?cat=entertainment </li></ul><ul><li>http://www1.ci.uc.pt/artes/6spp/v1.html#Grao_Vasco </li></ul><ul><li>http://www.guiadacidade.pt/portugal/?G=monumentos.ver&artid=13998&distritoid=11 </li></ul><ul><li>etc.… </li></ul>

×