Mosteiro do Pombeiro

1.766 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado pelas alunas Ana Caco e Esmael Mussa no ano lectivo 2010/2011 na Escola Secundária da Portela no âmbito da disciplina de História da Cultura das Artes.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mosteiro do Pombeiro

  1. 1. * Mosteiro de Santa<br /> Maria de Pombeiro<br />Trabalho realizado por:<br />Ana Caco nº 5<br />Esmael nº 13<br />Turma:<br />10º G<br />História da Cultura e das Artes<br />Escola Secundária da Portela<br />
  2. 2. * Introdução<br />Temos como objectivo, ficar a saber a história do Mosteiro de Pombeiro, as suas características, e os seus desenvolvimentos. <br />Esperamos tirar mais aproveitamento com este trabalho. <br />
  3. 3. * Informação do<br /> Mosteiro<br />Tipologia: Igreja/Mosteiro <br />Concelho: Felgueiras <br />Estilo: Românico com influências protogóticas <br />
  4. 4. <ul><li> Segundo a tradição, foi fundado a 1059
  5. 5. Mas na referência documental apontam que foi a 1099.
  6. 6. Foi um dos mais importantes mosteiros de beneditinos </li></ul> -em riqueza e em programa construtivo. <br />
  7. 7. <ul><li>A construção da igreja à obra da Época Românica, foi iniciada no séc. XII.
  8. 8. Mas terminou nas primeiras décadas do séc. XIII
  9. 9. À fachada ocidental do templo foram acrescentadas duas torres</li></ul> -que já estavam erguidas em 1629. <br />
  10. 10. <ul><li> A 14 de Setembro de 1569 o Mosteiro é integrado na Congregação Beneditina
  11. 11. Em 1589, realiza-se uma visita ao Mosteiro, por ordem de Filipe II.
  12. 12. Em 1629, segundo a documentação, nesse ano já estavam erguidas as torres da fachada.
  13. 13. Entre 1719 a 1721, decorreram obras na fachada principal, e na cabeceira.
  14. 14. No ano 1760 começaram as obras de beneficiação da igreja.</li></li></ul><li><ul><li> Tem 2 torres na fachada
  15. 15. Tem 4 tramos
  16. 16. Falso transepto
  17. 17. 3 naves</li></ul> -uma central<br /> -duas laterais<br /><ul><li>Capela-mor rectangular </li></ul> -3 tramos<br /><ul><li> 2 absidíolos ou capelas secundárias
  18. 18. Cobertura:</li></ul> -Abóbada de berço<br /><ul><li> Entrada lateral
  19. 19. Está ligado ao claustro</li></li></ul><li>Ao fundo da nave, há um absidíolo, de planta semicircular que corresponde à construção românica.<br />
  20. 20.
  21. 21. Interior do absidíolo<br />Exterior do absidíolo, com chacorradas e uma fresta.<br />
  22. 22. <ul><li> Duas torres na fachada, rematadas por coruchéus.
  23. 23. Uma rosácea
  24. 24. Duas janelas
  25. 25. O arco do portal principal é abatido</li></li></ul><li>
  26. 26. O portal central tem 5 arquivoltas<br />
  27. 27. Capitéis do portal principal<br />
  28. 28. * Pintura Mural<br /><ul><li> No Mosteiro de Pombeiro conservam-se dois programas de pintura mural: </li></ul> -no absidíolo do lado do Evangelho<br /> -no absidíolo do lado da Epístola<br /><ul><li> O mau estado a que as pinturas da capela lateral do lado da Evangelho chegaram, impossibilita uma apreciação estilística adequada. </li></li></ul><li>A imagem refere-se a uma cena alusiva à vida de São Brás. É de salientar a representação dos<br />animais, à direita.<br />
  29. 29. * Renovação do Mosteiro<br />
  30. 30. <ul><li> A renovação do Mosteiro iniciou-se no ano 1710.
  31. 31. Há três factos da análise do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro:</li></ul> -a permanência de uma planimetria herdada da Idade Média, com três naves, falso transepto e absidíolos; <br /> -a obra é em talha dourada e policromada que povoa esse espaço; <br /> -o clima artístico alcançado através dessa articulação entre arquitectura e artes de interior.<br />
  32. 32. <ul><li> O clima artístico, interiormente, as cores dominantes são o dourado emoldurado por uma luz branca.
  33. 33. Alargaram a capela-mor, porque era de pequenas dimensões e colocaram duas janelas de cada lado para facilitar a entrada de luz, pois a igreja era um pouco escura.
  34. 34. Colocaram frestas nas naves, e pintaram o templo de branco.
  35. 35. Interiormente remodelaram para adaptar a estética barroca</li></ul>Capela-mor<br />
  36. 36. * Conclusão<br />Conseguimos tirar aproveitamento com este trabalho, pois ficámos a saber a sua história, e era o que pretendíamos.<br />Ficamos também a saber a sua cronologia, e o seu desenvolvimento. <br />Sabemos também como está decorada por dentro. <br />Como é a sua planta, e a fachada.<br />Sabemos como foi a sua remodelação, que já vai muito a caminho do estilo gótico. <br />

×