SlideShare uma empresa Scribd logo
A TELEVISÃO




Trabalho realizado na       Trabalho realizado por: Adriano Lourinho nº2 12º12
disciplina de História A,
Professor Carlos Vieira                            Diogo Spencer nº5 12º12
Introdução

•   Com a realização deste trabalho pretendemos dar a conhecer a evolução
    da Televisão a nível Mundial, a sua capacidade de conjugar a função de
    difusora de informação com a de entretenimento e a sua influência
    crescente na formação de opinião pública.



•   Iremos também abordar a evolução da Televisão em Portugal, analisando
    o modo como foi introduzida no nosso país, em que moldes se
    estabeleceu e quais foram as áreas de entretenimento onde se destacou,
    bem como alguns factos curiosos.
Desenvolvimento da
                Televisão

•   Apesar de já terem ocorrido algumas experiências, (os Jogos Olímpicos de
    Berlim em 1936, foram a primeira grande emissão televisiva) foi, ainda na
    década de 30, na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos da América, na
    França e na Alemanha que tiveram lugar as primeiras experiências
    Televisivas.



•   O segundo conflito Mundial atrasou os esforços desenvolvidos até então,
    pelo que só após 1945 a Televisão se assume definitivamente como
    grande meio de comunicação ao lado da rádio e do cinema.
Difusão da Televisão
•   Foram os Estados Unidos, que após 1945,
assumiram a liderança dos progressos
tecnológicos relativos à Televisão e que a
tornaram mais atractiva.


•   É nos lares americanos que este meio de
comunicação se difunde com maior rapidez.


•   No final dos anos 60 cada família possui
pelo menos um aparelho e passa uma média
de 6 horas diárias em frente à TV, o dobro de
outros países como a França ou o Japão.


                 Imagem 1 – Gráfico que demonstra o
                 número de aparelhos Televisivos por
                 cada mil habitantes.
A Televisão: papel informativo
         e de entretenimento

•   Além de providenciar ao espectador momentos de lazer, detinha uma
    importante vertente informativa que galvanizava as massas ultrapassando
    nesse aspecto a imprensa e a rádio.



•   A Televisão combinou, assim, o papel de fonte de informação e de
    conhecimento dos grandes acontecimentos internacionais com o
    entretenimento.



•   Durante o horário nobre misturavam-se comédias estereotipadas, as
    famosas “Sitcoms”, e séries dramáticas ou de acção com telenovelas e
    concursos em que os prémios eram em dinheiro.
A Televisão: geradora de
          lucros e mais-valias
•   Nos EUA, onde este meio de comunicação sempre foi gerido por
    interesses privados obedecendo a lógicas de rentabilidade, este tipo de
    programas assumiu desde cedo as lideranças das audiências internas.


•   Muitos deles foram exportados para outros países e contribuíram para a
    disseminação do “American Way of Life”.




                                        Imagem 2 – A famosa série “Get Smart”,
                                        passada nas Televisões Americanas na
                                        década de 60. Aqui retratado está o Agente
                                        86, interpretado pelo actor Don Adams.
A Televisão: transmissão de
        acontecimentos históricos
   •   Acontecimentos como a coroação de Isabel II de Inglaterra em 1953, as
       imagens do assassinato do presidente Kennedy em 1963 ou os primeiros
       passos de Neil Armstrong na Lua em 1969 são alguns exemplos desta
       vertente que procurava dotar o espectador de um maior conhecimento
       sobre aquilo que se passava á sua volta.




Imagem 3 – Coroação da rainha
Isabel II na Abadia de
Westminster (Londres), a 2 de
Junho de 1953. A cerimónia teve a
particularidade de ser a primeira
transmissão Televisiva em directo
para a Europa.
Televisão: meio de comunicação ao
serviço da política e da opinião pública


•   Desde sempre a Televisão foi um motor de difusão de opiniões e de ideias
    que em muito contribuíram para formar uma sociedade informada e
    consciente do que se passava à sua volta.



•   Muitos foram aqueles que inverteram a sua opinião sobre a Guerra do
    Vietname, ao visionarem na Televisão, imagens dos bombardeamentos a
    aldeias Vietnamitas com napalm e a chegada de soldados Americanos em
    caixões.
Televisão: meio de comunicação ao
serviço da política e da opinião pública

•     Cientes do poder informativo da TV os políticos não a negligenciaram.


•     Na campanha presidencial americana de 1960, a Televisão teve um forte
      impacto nos comportamentos eleitorais, podendo dizer-se que o vencedor
      se decidiu nos debates Televisivos directos onde um pujante e
      determinado Kennedy derrota o candidato republicano Richard Nixon em
      baixa forma física.




    Imagem 4 – Família Americana assiste
    ao debate para as presidenciais entre
    John Fitzgerald Kennedy e Richard
    Nixon, a 26 de Setembro de 1960.
A Televisão


Em Portugal…
Televisão em Portugal

•   A Televisão em Portugal surgiu em 1957, sendo um grande fenómeno a
    nível nacional.


•   Inicialmente, as pessoas dirigiam-se aos cafés ou até para casa de
    vizinhos ou familiares que tivessem uma Televisão, uma vez que nessa
    altura nem todas as pessoas tinham possibilidade de adquirir tal aparelho.



•   A Televisão Portuguesa, RTP (canal estatal), inicia as emissões
    experimentais, a 4 de Setembro de 1956, em Lisboa, passando a 7 de
    Março de 1957 a emissão regular. Escusado será dizer que nesta altura a
    Televisão, tal como a restante imprensa, encontrava-se sob a alçada
    censória do regime Salazarista.
Televisão em Portugal
     •   O próprio regime, mais tarde, já com Marcello Caetano como Presidente
         do Conselho, utiliza a Televisão para difundir a sua ideologia. O programa
         Televisivo chamava-se “Conversas em Família” e era, obviamente,
         transmitido na RTP 1. Estreou a 8 de Janeiro de 1969 e a última emissão
         foi a 28 de Março de 1974 a propósito da sublevação militar das Caldas da
         Rainha.


     •   Adivinhava-se já nessa altura que o fim do regime estaria para breve,
         como se veio a confirmar no dia 25 de Abril de 1974.




Imagem 5 - Marcelo Caetano nas “Conversas
em Família” no dia 19 de Novembro de 1971.
Televisão em Portugal




Marcelo Caetano, “Conversas em Família” no dia 28 de Março de 1974, fala sobre a sublevação
                              militar das Caldas da Rainha.
Televisão em Portugal

•   São lançados, posteriormente, três canais:

    •   a RTP2, em Dezembro de 1968;


    •   a RTP Madeira, em Agosto de 1972;


    •   a RTP Açores, em Agosto de 1975.


•   As primeiras emissões a cores começaram em 1976, durante as eleições
    presidenciais.


•   Em Setembro de 1979 são transmitidos os populares “Jogos sem
    Fronteiras” também a cores, por obrigação europeia. No entanto, só em
    Março de 1980 é que começaram as emissões regulares a cores em
    Portugal, com o Festival da Canção RTP.
Televisão em Portugal




Imagem 6 – Transmissão de uma edição     Imagem 7 – Festival da Canção RTP de
dos “Jogos sem Fronteiras” pela RTP 1.   1980, edição ganha pelo cantor José Cid
                                         com a canção “Um grande, grande amor”.
Conclusão

•   Como tivemos oportunidade de verificar, a Televisão desde o seu
    surgimento, até aos dias de hoje, desempenha um duplo papel, o de
    informar e de entreter, revestido de uma grande importância.


•   A Televisão sendo gerida por grupos privados ou públicos, veicula ideais e
    opiniões que em muito contribuem para influenciar os mais variados
    sectores da sociedade. Tendo-lhe sido reconhecida essa capacidade, os
    políticos aproveitaram para fazer uso dela, como foi o caso de por
    exemplo, os debates Televisivos e o programa “Conversas em Família” de
    Marcello Caetano.


•   Por fim, podemos referir que hoje em dia, e apesar da concorrência da
    Internet, a Televisão continua a ser um meio de comunicação com muita
    expressão, capaz de agregar os mais diversos sectores da sociedade e
    capaz de corresponder aos desejos e gostos de todos eles, com uma
    variedade imensa de programas e iniciativas.
Bibliografia
•   O tempo da História, 2ª Parte, Porto Editora, páginas 186-187


•   http://pt.wikipedia.org/wiki/Televis%C3%A3o_em_Portugal


•   http://eusouogatomaltes.blogspot.pt/2011/08/televisao-e-familia-o-que-sugere-uma.html


•   http://ideas.time.com/2012/10/02/the-real-problem-with-televised-debates-the-viewers/


•   http://www.tcontas.pt/pt/apresenta/expo_vr/modulo08-2.html


•   http://luxos.info/entretenimento-olho-vivo-estreia-na-fox-2/


•   http://www.rtp.pt/rtpmemoria/?t=Jogos-Sem-
    Fronteiras.rtp&article=2271&visual=2&layout=19&tm=48


•   http://fes80.no.sapo.pt/


•   http://zerohora.clicrbs.com.br//rbs/image/14326024.jpg

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Evolução da televisão
Evolução da televisãoEvolução da televisão
Evolução da televisão
 
Televisão
TelevisãoTelevisão
Televisão
 
A historia da televisão
A historia da televisãoA historia da televisão
A historia da televisão
 
Televisão portuguesa
Televisão portuguesaTelevisão portuguesa
Televisão portuguesa
 
A Evolução da televisão
A Evolução da televisãoA Evolução da televisão
A Evolução da televisão
 
História da TV no Brasil
História da TV no BrasilHistória da TV no Brasil
História da TV no Brasil
 
A televisao
A televisaoA televisao
A televisao
 
evolução tecnologica dos mass media
evolução tecnologica dos mass mediaevolução tecnologica dos mass media
evolução tecnologica dos mass media
 
Radiojornalismo
RadiojornalismoRadiojornalismo
Radiojornalismo
 
A radio
A radioA radio
A radio
 
Apresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abrilApresentação 25 de abril
Apresentação 25 de abril
 
MASS MEDIA
MASS MEDIAMASS MEDIA
MASS MEDIA
 
Cultura de Massas
Cultura de MassasCultura de Massas
Cultura de Massas
 
Trabalho sobre os telemoveis
Trabalho sobre os telemoveisTrabalho sobre os telemoveis
Trabalho sobre os telemoveis
 
Censura em Portugal
Censura em PortugalCensura em Portugal
Censura em Portugal
 
Mass Media
Mass MediaMass Media
Mass Media
 
Os Loucos anos 20
Os Loucos anos 20Os Loucos anos 20
Os Loucos anos 20
 
História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádio
 
Telemoveis
TelemoveisTelemoveis
Telemoveis
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 

Destaque

Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFP
Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFPEstudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFP
Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFPRafael Felipe Santos
 
A história do rádio
A história do rádioA história do rádio
A história do rádioVera Carvalho
 
Evolução do design digital
Evolução do design digitalEvolução do design digital
Evolução do design digitalMarconi Pacheco
 
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1suzymusa
 
A História Da Internet
A História Da InternetA História Da Internet
A História Da InternetBugui94
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicaçãojrfcarvalho
 

Destaque (8)

Tv e Educação
Tv e EducaçãoTv e Educação
Tv e Educação
 
Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFP
Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFPEstudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFP
Estudo da Evolução e Transformação da TV by Google DFP
 
A história do rádio
A história do rádioA história do rádio
A história do rádio
 
Evolução do design digital
Evolução do design digitalEvolução do design digital
Evolução do design digital
 
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
 
Rádio
RádioRádio
Rádio
 
A História Da Internet
A História Da InternetA História Da Internet
A História Da Internet
 
Meios de comunicação
Meios de comunicaçãoMeios de comunicação
Meios de comunicação
 

Semelhante a As origens da Televisão

Apresentação antropologica e cultura midiática
Apresentação antropologica e cultura midiáticaApresentação antropologica e cultura midiática
Apresentação antropologica e cultura midiáticavitor valieri
 
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.Andressa Azevedo
 
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptx
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptxUni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptx
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptxKelvin Sousa
 
A História da Publicidade na TV no Brasil
A História da Publicidade na TV no BrasilA História da Publicidade na TV no Brasil
A História da Publicidade na TV no BrasilCarolinaVenturini2
 
História da TV.pptx
História da TV.pptxHistória da TV.pptx
História da TV.pptxocg50
 
midias e meios de comunicao - radio.pdf
midias e meios de comunicao - radio.pdfmidias e meios de comunicao - radio.pdf
midias e meios de comunicao - radio.pdfwarosay680
 
Evolução tecnológica de mass media
Evolução tecnológica de mass mediaEvolução tecnológica de mass media
Evolução tecnológica de mass mediammmclementina
 
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2mmmclementina
 
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2mmmclementina
 
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrp
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrpCCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrp
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrpDiego Moreau
 
Aula 12 4 P P A D 2009 2
Aula 12 4 P P A D 2009 2Aula 12 4 P P A D 2009 2
Aula 12 4 P P A D 2009 2Ney Queiroz
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1Diedro Barros
 
Aula 12 4 rpan_2010_2
Aula 12 4 rpan_2010_2Aula 12 4 rpan_2010_2
Aula 12 4 rpan_2010_2Ney Queiroz
 

Semelhante a As origens da Televisão (20)

Apresentação antropologica e cultura midiática
Apresentação antropologica e cultura midiáticaApresentação antropologica e cultura midiática
Apresentação antropologica e cultura midiática
 
Radio e tv
Radio e tvRadio e tv
Radio e tv
 
Radio e tv
Radio e tvRadio e tv
Radio e tv
 
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.
Grupo Brainstorm - Introdução às Profissões em comunicação.
 
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptx
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptxUni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptx
Uni. 5 - Cap. 2 - Redes de Comunicação e Informação I.pptx
 
Mídias e meios de comunicação rádio
Mídias e meios de comunicação   rádioMídias e meios de comunicação   rádio
Mídias e meios de comunicação rádio
 
A História da Publicidade na TV no Brasil
A História da Publicidade na TV no BrasilA História da Publicidade na TV no Brasil
A História da Publicidade na TV no Brasil
 
Uma história do rádio
Uma história do rádioUma história do rádio
Uma história do rádio
 
A Historia da Televisão
A Historia da TelevisãoA Historia da Televisão
A Historia da Televisão
 
História da TV.pptx
História da TV.pptxHistória da TV.pptx
História da TV.pptx
 
midias e meios de comunicao - radio.pdf
midias e meios de comunicao - radio.pdfmidias e meios de comunicao - radio.pdf
midias e meios de comunicao - radio.pdf
 
Evolução tecnológica de mass media
Evolução tecnológica de mass mediaEvolução tecnológica de mass media
Evolução tecnológica de mass media
 
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
 
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
Evolução tecnológica de mass media [guardado automaticamente]2
 
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrp
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrpCCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrp
CCA0781 introducaoasprofissoesemcomunicacaoav2jornalrp
 
Aula 12 4 P P A D 2009 2
Aula 12 4 P P A D 2009 2Aula 12 4 P P A D 2009 2
Aula 12 4 P P A D 2009 2
 
Panorama da TV-1.pptx
Panorama da TV-1.pptxPanorama da TV-1.pptx
Panorama da TV-1.pptx
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 1
 
Aula 12 4 rpan_2010_2
Aula 12 4 rpan_2010_2Aula 12 4 rpan_2010_2
Aula 12 4 rpan_2010_2
 
Tv
TvTv
Tv
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 

Último (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 

As origens da Televisão

  • 1. A TELEVISÃO Trabalho realizado na Trabalho realizado por: Adriano Lourinho nº2 12º12 disciplina de História A, Professor Carlos Vieira Diogo Spencer nº5 12º12
  • 2. Introdução • Com a realização deste trabalho pretendemos dar a conhecer a evolução da Televisão a nível Mundial, a sua capacidade de conjugar a função de difusora de informação com a de entretenimento e a sua influência crescente na formação de opinião pública. • Iremos também abordar a evolução da Televisão em Portugal, analisando o modo como foi introduzida no nosso país, em que moldes se estabeleceu e quais foram as áreas de entretenimento onde se destacou, bem como alguns factos curiosos.
  • 3. Desenvolvimento da Televisão • Apesar de já terem ocorrido algumas experiências, (os Jogos Olímpicos de Berlim em 1936, foram a primeira grande emissão televisiva) foi, ainda na década de 30, na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos da América, na França e na Alemanha que tiveram lugar as primeiras experiências Televisivas. • O segundo conflito Mundial atrasou os esforços desenvolvidos até então, pelo que só após 1945 a Televisão se assume definitivamente como grande meio de comunicação ao lado da rádio e do cinema.
  • 4. Difusão da Televisão • Foram os Estados Unidos, que após 1945, assumiram a liderança dos progressos tecnológicos relativos à Televisão e que a tornaram mais atractiva. • É nos lares americanos que este meio de comunicação se difunde com maior rapidez. • No final dos anos 60 cada família possui pelo menos um aparelho e passa uma média de 6 horas diárias em frente à TV, o dobro de outros países como a França ou o Japão. Imagem 1 – Gráfico que demonstra o número de aparelhos Televisivos por cada mil habitantes.
  • 5. A Televisão: papel informativo e de entretenimento • Além de providenciar ao espectador momentos de lazer, detinha uma importante vertente informativa que galvanizava as massas ultrapassando nesse aspecto a imprensa e a rádio. • A Televisão combinou, assim, o papel de fonte de informação e de conhecimento dos grandes acontecimentos internacionais com o entretenimento. • Durante o horário nobre misturavam-se comédias estereotipadas, as famosas “Sitcoms”, e séries dramáticas ou de acção com telenovelas e concursos em que os prémios eram em dinheiro.
  • 6. A Televisão: geradora de lucros e mais-valias • Nos EUA, onde este meio de comunicação sempre foi gerido por interesses privados obedecendo a lógicas de rentabilidade, este tipo de programas assumiu desde cedo as lideranças das audiências internas. • Muitos deles foram exportados para outros países e contribuíram para a disseminação do “American Way of Life”. Imagem 2 – A famosa série “Get Smart”, passada nas Televisões Americanas na década de 60. Aqui retratado está o Agente 86, interpretado pelo actor Don Adams.
  • 7. A Televisão: transmissão de acontecimentos históricos • Acontecimentos como a coroação de Isabel II de Inglaterra em 1953, as imagens do assassinato do presidente Kennedy em 1963 ou os primeiros passos de Neil Armstrong na Lua em 1969 são alguns exemplos desta vertente que procurava dotar o espectador de um maior conhecimento sobre aquilo que se passava á sua volta. Imagem 3 – Coroação da rainha Isabel II na Abadia de Westminster (Londres), a 2 de Junho de 1953. A cerimónia teve a particularidade de ser a primeira transmissão Televisiva em directo para a Europa.
  • 8. Televisão: meio de comunicação ao serviço da política e da opinião pública • Desde sempre a Televisão foi um motor de difusão de opiniões e de ideias que em muito contribuíram para formar uma sociedade informada e consciente do que se passava à sua volta. • Muitos foram aqueles que inverteram a sua opinião sobre a Guerra do Vietname, ao visionarem na Televisão, imagens dos bombardeamentos a aldeias Vietnamitas com napalm e a chegada de soldados Americanos em caixões.
  • 9. Televisão: meio de comunicação ao serviço da política e da opinião pública • Cientes do poder informativo da TV os políticos não a negligenciaram. • Na campanha presidencial americana de 1960, a Televisão teve um forte impacto nos comportamentos eleitorais, podendo dizer-se que o vencedor se decidiu nos debates Televisivos directos onde um pujante e determinado Kennedy derrota o candidato republicano Richard Nixon em baixa forma física. Imagem 4 – Família Americana assiste ao debate para as presidenciais entre John Fitzgerald Kennedy e Richard Nixon, a 26 de Setembro de 1960.
  • 11. Televisão em Portugal • A Televisão em Portugal surgiu em 1957, sendo um grande fenómeno a nível nacional. • Inicialmente, as pessoas dirigiam-se aos cafés ou até para casa de vizinhos ou familiares que tivessem uma Televisão, uma vez que nessa altura nem todas as pessoas tinham possibilidade de adquirir tal aparelho. • A Televisão Portuguesa, RTP (canal estatal), inicia as emissões experimentais, a 4 de Setembro de 1956, em Lisboa, passando a 7 de Março de 1957 a emissão regular. Escusado será dizer que nesta altura a Televisão, tal como a restante imprensa, encontrava-se sob a alçada censória do regime Salazarista.
  • 12. Televisão em Portugal • O próprio regime, mais tarde, já com Marcello Caetano como Presidente do Conselho, utiliza a Televisão para difundir a sua ideologia. O programa Televisivo chamava-se “Conversas em Família” e era, obviamente, transmitido na RTP 1. Estreou a 8 de Janeiro de 1969 e a última emissão foi a 28 de Março de 1974 a propósito da sublevação militar das Caldas da Rainha. • Adivinhava-se já nessa altura que o fim do regime estaria para breve, como se veio a confirmar no dia 25 de Abril de 1974. Imagem 5 - Marcelo Caetano nas “Conversas em Família” no dia 19 de Novembro de 1971.
  • 13. Televisão em Portugal Marcelo Caetano, “Conversas em Família” no dia 28 de Março de 1974, fala sobre a sublevação militar das Caldas da Rainha.
  • 14. Televisão em Portugal • São lançados, posteriormente, três canais: • a RTP2, em Dezembro de 1968; • a RTP Madeira, em Agosto de 1972; • a RTP Açores, em Agosto de 1975. • As primeiras emissões a cores começaram em 1976, durante as eleições presidenciais. • Em Setembro de 1979 são transmitidos os populares “Jogos sem Fronteiras” também a cores, por obrigação europeia. No entanto, só em Março de 1980 é que começaram as emissões regulares a cores em Portugal, com o Festival da Canção RTP.
  • 15. Televisão em Portugal Imagem 6 – Transmissão de uma edição Imagem 7 – Festival da Canção RTP de dos “Jogos sem Fronteiras” pela RTP 1. 1980, edição ganha pelo cantor José Cid com a canção “Um grande, grande amor”.
  • 16. Conclusão • Como tivemos oportunidade de verificar, a Televisão desde o seu surgimento, até aos dias de hoje, desempenha um duplo papel, o de informar e de entreter, revestido de uma grande importância. • A Televisão sendo gerida por grupos privados ou públicos, veicula ideais e opiniões que em muito contribuem para influenciar os mais variados sectores da sociedade. Tendo-lhe sido reconhecida essa capacidade, os políticos aproveitaram para fazer uso dela, como foi o caso de por exemplo, os debates Televisivos e o programa “Conversas em Família” de Marcello Caetano. • Por fim, podemos referir que hoje em dia, e apesar da concorrência da Internet, a Televisão continua a ser um meio de comunicação com muita expressão, capaz de agregar os mais diversos sectores da sociedade e capaz de corresponder aos desejos e gostos de todos eles, com uma variedade imensa de programas e iniciativas.
  • 17. Bibliografia • O tempo da História, 2ª Parte, Porto Editora, páginas 186-187 • http://pt.wikipedia.org/wiki/Televis%C3%A3o_em_Portugal • http://eusouogatomaltes.blogspot.pt/2011/08/televisao-e-familia-o-que-sugere-uma.html • http://ideas.time.com/2012/10/02/the-real-problem-with-televised-debates-the-viewers/ • http://www.tcontas.pt/pt/apresenta/expo_vr/modulo08-2.html • http://luxos.info/entretenimento-olho-vivo-estreia-na-fox-2/ • http://www.rtp.pt/rtpmemoria/?t=Jogos-Sem- Fronteiras.rtp&article=2271&visual=2&layout=19&tm=48 • http://fes80.no.sapo.pt/ • http://zerohora.clicrbs.com.br//rbs/image/14326024.jpg