Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02

832 visualizações

Publicada em

Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
832
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula05 - cabeamento estruturado - parte 02

  1. 1. Centro Universidade Anhanguera de Campo Grande – Unidade 1 Superint. CENTRO- OESTE Tec. Em Redes de Computadores Aula04 – Cabeamento estruturado – Parte 01
  2. 2. Introdução l O cabeamento estruturado surgiu da necessidade de padronização de instalações de telecomunicações em prédios comerciais, principalmente motivado pelo surgimento das redes locais de computadores, no final da década de 1980 do século passado. l As normas do cabeamento estruturado tiveram papel importante por recomendarem aspectos técnicos visando a padronização dos projetos, instalações e testes de certificação do cabeamento estruturado.
  3. 3. Padronizações l É um acordo desenvolvido por várias partes com a intenção de que todas as partes o cumpram; l É um produto ou serviço com uma quota de mercado significativa. l Entidades formais de padronização: Um padrão é “um documento estabelecido em consenso e aprovado por uma entidade reconhecida, a qual provê, para uso comum e repetido, regras, orientações ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção do grau ótimo de ordem em um dado contexto” (ISO/IEC).
  4. 4. Visão geral de um Sistema de Cabeamento Estruturado numa LAN
  5. 5. MOTIVAÇÃO PARA O CABEAMENTO ESTRUTURADO
  6. 6. Proteção do Investimento
  7. 7. PERFORMANCE DA REDE l A performance não é determinada por sua taxa de transmissão em bits, mas sim pela banda de frequência de operação (Largura de Banda). Devido a isso, foi criado as categorias para os cabos e conectores, onde quanto maior for o numero da categoria, maior é a sua capacidade de transmissão de dados.
  8. 8. CABEAMENTO NÃO ESTRUTURADO l Executado sem um planejamento prévio e não prevê modificações ou expansões futuras e utiliza cabeamento especifico para voz ou dados ou para sistemas de controle, resultando em diversos padrões , topologias, conectores, etc. O custo inicial é baixo, tempo de implementação baixo, contudo, suscetível a problemas se for efetuado alterações na infraestrutura da redes. A relação custo beneficio de um cabeamento não estruturado faz com que não seja viável sua implementação. Contudo, muitas empresas ainda tem utilizado devido ao custo inicial ser muito baixo e sem esquecem das dores de cabeça futuras. l Algumas características: l Não utiliza organização dos cabos, por exemplo não utilizam Patch Panel. l O improviso é constante. l Não tem documentação adequada da rede. l Usa estrutura inadequadas para a passagem dos cabos (Rede elétrica as l Vezes).
  9. 9. CABEAMENTO GENERICO l É flexível, pois permite o uso de varias tecnologias sobre uma mesma infraestrutura. Permite o uso integrado dos sistemas de voz, dados, imagens, e sistemas de controle, permitindo atender a diversos projetos de redes sem sofrer grandes modificações na infraestrutura existente. Os cabos e conectores devem ser padronizados e são utilizados painéis de distribuições para uma melhor organização e administração. Este tipo de cabeamento tem uma relação custo beneficio muito bom e deve prever o “flood wiring” que é a previsão de pontos de rede em todos os locais possíveis nos diversos ambientes, para futuras mudanças ou ampliações. Resumindo as características básicas do cabeamento genérico são: l Flexibilidade no cabeamento. l Flood Wiring. l Painéis de distribuição.
  10. 10. CABEAMENTO TOTAL l Esta é uma solução pouco utilizada na pratica. As mudanças ocorrem com os usuários da rede e não com os equipamentos, ficando assim preservado o cabeamento. Este conceito é mais utilizado em escritórios virtuais. Os custos dessa implantação é bem mais elevado devido ao planejamento mais apurado para que não ocorra mudanças na infraestrutura da rede. Logo os custos iniciais são elevado, mas, os custos posteriores com a rede é insignificante. Um uso desse modelo poderia ser salas de aulas onde o que muda são os usuários e não os pontos da rede ou o cabeamento.
  11. 11. CABEAMENTO ESTRUTURADO l É a opção mais indicada para as empresas. Nesse modelo deve se prever a expansão da rede ou movimentação dos pontos de rede. Tem uma excelente relação custo beneficio, com um custo mais elevado no inicio , mas que ao longo do tempo compensa este investimento inicial devido a estabilidade da rede e a facilidade no seu crescimento. Um cabeamento estruturado tem como objetivo ser um ponto multimídia, onde tonar-se possível conectar computadores, sistema de telefônica, alarmes, sistemas de aquecimento, distribuição de vídeo e TV a cabo etc. Antes do cabeamento estruturado, as redes tinham um cabeamento especifico par dados, outro para voz, outro par vídeo, etc.
  12. 12. CABEAMENTO ESTRUTURADO l Maior confiabilidade no cabeamento. l Diminui os custos de mão de obra e de montagem da infraestrutura. l Possibilita ampliações futuras. l Integra diversas aplicações em um único cabeamento. l Define topologias, conectores e cabos para as diversas aplicações da rede. l Possibilita uma vida útil maior para o sistema de cabeamento.
  13. 13. COMPARAÇÃO ENTRE REDE CONVENCIONAL E REDE ESTRUTURADA
  14. 14. COMPARAÇÃO ENTRE REDE CONVENCIONAL E REDE ESTRUTURADA
  15. 15. COMPARAÇÃO ENTRE REDE CONVENCIONAL E REDE ESTRUTURADA
  16. 16. DISPOSITIVOS QUE PODEM SER UTILIZADOS NO CABEAMENTO ESTRUTURADO l O Cabeamento Estruturado não se restringe apenas às Redes de Computadores. Os seguintes dispositivos também podem ser utilizados: l Sistema Telefônico / Ramais de PABX l Redes de Computadores / Computadores Pessoais l Intercomunicação / Sonorização l Televisão / TV a Cabo / CFTV l Controle de Iluminação l Controle de Acesso / Leitores de Cartão l Sistemas de Segurança / Detectores de Fumaça l Controles Ambientais (Ar Condicionado e Ventilação)
  17. 17. TOPOLOGIA BÁSICA l Segundo as normas ANSI/EIA/TIA 568-A E ANSI/EIA/TIA 606, a instalação de um cabeamento divide-se em sete elementos: l Cabeamento Horizontal l Backbone l Área de Trabalho l Sala de Telecomunicações l Sala de Equipamentos l Sala de Entrada de Serviços de Telecom l Administração
  18. 18. SUBSISTEMAS DO CABEAMENTO ESTRUTURADO
  19. 19. CABEAMENTO HORIZONTAL l É constituído dos cabos que ligam o painel de distribuição até o ponto final do cabeamento. Esses cabos formam um conjunto permanente e são denominados cabos secundários. No cabeamento horizontal, trafegam todos os serviços: l Dados l Voz l Vídeo l Controle l Os serviços fornecidos para as tomadas podem ser modificados bastando alterar os Path-cords no painel de distribuição.
  20. 20. CABEAMENTO VERTICAL l É um conjunto permanente de cabos primários que interligam a sala de equipamentos aos armários de telecomunicações e aos pontos de facilidade de entrada.
  21. 21. CABEAMENTO VERTICAL
  22. 22. AREA DE TRABALHO l É o local onde o usuário interage com os equipamentos terminais de telecomunicações. l Esses equipamentos acessam os sistemas por meio de conectores e tomadas. É o ponto final do cabeamento estruturado, onde há uma tomada fixa para a conexão de cada equipamento. Genericamente, a área de trabalho é um ponto final, onde estiver disponível uma tomada para um serviço de rede.
  23. 23. SALAS DE TELECOMUNICAÇÕES l São locais de terminação dos cabos e funcionam como um sistema de administração do cabeamento e alojamento de equipamentos que interligam o sistema horizontal ao backbone. São localizadas normalmente em cada andar, distribuindo os serviços para as áreas de trabalho e dispondo de repetidores e comutadores
  24. 24. SALA DE EQUIPAMENTOS l Ponto da rede no qual estão localizados os equipamentos ativos do sistema bem como suas interligações com sistemas externos. Este local pode ser uma sala especifica, um quadro ou um armário. Costuma-se também instalar neste local o painel principal de manobra ( Main Cross-Connect), que pode ser composto de patch panels, blocos 110,
  25. 25. ENTRADA DA EDIFICAÇÃO l Também conhecido como distribuidor Geral de Telecomunicações (DGT), é o ponto no qual se realiza a interface entre o cabeamento externo e o cabeamento interno da edificação. Normalmente esta alojado no térreo ou no subsolo, tendo dimensões maiores que os Armários de Telecomunicações abrigando os cabos que
  26. 26. PAINEIS DE DISTRIBUIÇÕES l Recebem, de um lado, o cabeamento horizontal que conecta as tomadas individuais. A ativação de cada tomada é feita no painel de distribuição, por intermédio dos path- panels que fazem a conexão dos cabos por meio de patch-cords.

×