Decorreu no dia 27 de Junho de 2015, em Vila Nova da Barquinha, o I seminário do Montepio Militar,
subordinado ao tema - “...
O terceiro orador da manhã, Dr. Pedro Bleck da Silva, descreveu a constituição de montepios e associações
mutualistas e o ...
Encerrou a sessão, o General Carlos Jerónimo que, a título pessoal, dirigiu algumas palavras aos
participantes.
Pelas 17 h...
O SONHO COMANDA A VIDA (*)
Esta foi a frase com que se brindou o Porto de Honra, no Seminário do Montepio Militar em Vila ...
A Comissão instaladora
Tenente-General Rui Fidalgo
Vice-Almirante José Carlos Lima Bacelar
Major-General José Ferreira Pin...
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Seminário 27Jun2015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário 27Jun2015

250 visualizações

Publicada em

Refundação do Montepio Militar

Publicada em: Governo e ONGs
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Seminário 27Jun2015

  1. 1. Decorreu no dia 27 de Junho de 2015, em Vila Nova da Barquinha, o I seminário do Montepio Militar, subordinado ao tema - “Uma oportunidade de Futuro para a Família Militar”. O encontro, divulgado na comunidade militar, constituiu a primeira abordagem de forma organizada, à questão de como apoiar/acautelar o futuro dos militares e das suas famílias, contribuindo para garantir a sua segurança nos domínios social e da saúde. Os trabalhos iniciaram-se com a intervenção, a título pessoal, do General Artur Neves Pina Monteiro, após ter o Dr. Fernando Freire, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha, dirigido algumas palavras de boas vindas, de apoio e de estímulo à Comissão instaladora. Presentes a titulo pessoal, o General José Araújo Pinheiro, o General Carlos Jerónimo, o Vice-Almirante Antonio Rocha Carrilho e o Coronel Nuno Sanfona Paulino. Da parte da tarde, Sua Excelência Reverendíssima, D. Manuel Linda, Bispo das Forças Armadas e das Forças de Segurança, acompanhou o desenvolvimento dos trabalhos. O programa da parte da manhã, teve como tema “O empreendedorismo Mutualista de Génese Militar”, moderado pelo General António Martins Barrento. O primeiro orador, Coronel Nuno Lemos Pires, enquadrou a sua apresentação no tema “Da sociedade de bandos aos direitos das famílias dos Combatentes”, reflectindo sobre o que é a condição militar, os fundamentos que a justificam e o significado que envolve, sintetizando: Os militares nunca ficarão sozinhos; Não podem ser esquecidos; Os seus serão sempre cuidados. A Dra. Ana Patrícia Martins, orientou a sua reflexão, na constituição dos Montepios (séc. XVIII/XIX) e dos seus modelos de funcionamento, apresentando o notável caso do Capitão-de-fragata Daniel Augusto da Silva (1814-1878) e dos “Seus contributos para a viabilidade de planos de pensões dos Montepios de sobrevivência”. Analisou a constituição dos montepios, apresentando tabelas e tábuas com base em análise da evolução da população em termos de natalidade e longevidade.
  2. 2. O terceiro orador da manhã, Dr. Pedro Bleck da Silva, descreveu a constituição de montepios e associações mutualistas e o seu funcionamento e evolução nos séculos XIX e XX. Afirmou que o mutualismo está vivo e a renascer e evocou a memória de militares fundadores do Montepio Geral. Alertou para a grande preocupação que as lideranças das Associações Mutualistas devem ter: a sustentabilidade financeira. Da parte da tarde, decorreu o 2º painel - “Desafios para o século XXI” - moderado pelo Dr. Miguel Pombeiro. O Dr. Antonio Alves Caetano, enviou uma comunicação lida pelo Coronel Nuno Lemos Pires, onde termina com a seguinte mensagem: “…O respeito dos ancestrais princípios de correcta governação do instituto previdenciário a que se vai dar forma jurídica, tem de ser norma intransigente de todos os momentos e de cada hora. Assim, será plenamente satisfeito o meu voto final de Longa Vida ao Montepio Militar!“ O Prof. Doutor Jordi Estivill da Universidade de Barcelona, com o tema “O Passado, Presente e Futuro do Mutualismo”, relevou factos interessantísimos, dos quais destacamos um muito sui generis: o do General de Divisão, Francisco Maria de Sousa Brandão (1818-1892), que publicou em 1857, a obra “Economia Social. Primeira Parte. O trabalho”, quando nada havia sido publicado em Portugal até então, sobre esta temática. Finalmente, o Prof. Doutor Rogério Roque Amaro (ISCTE-IUL), com o tema "Entre a crise e o desinvestimento no Estado Social e o renascimento e a renovação da Economia Social e Solidária - algumas reflexões sobre os montepios militares“, analisou o desafio económico e uma nova forma de garantir a sustentabilidade do Montepio Militar, afirmando que o Marketing e a Marca não têm os mesmos objectivos da economia de mercado e que a “contabilidade” deve ser medida por novos indicadores de sustentabilidade. Alertou os presentes para a complexidade do mutualismo no século XXI, incentivando a abordagem de novos modelos de organização e de funcionamento.
  3. 3. Encerrou a sessão, o General Carlos Jerónimo que, a título pessoal, dirigiu algumas palavras aos participantes. Pelas 17 horas, os trabalhos foram dados por concluídos, seguindo-se um Porto de Honra. Este seminário permitiu a abordagem histórica dos montepios, designadamente dos montepios militares, ficando clara a complexidade da tarefa para a sua constituição. O mutualismo está vivo! São inúmeras as linhas de força e estratégias que condicionam o levantamento do Montepio Militar, mas a persistência, dedicação e entrega, visão, participação solidária de todos, seriedade, clareza de intenções e envolvimento de toda a comunidade militar, na qual se incluem os militares da Guarda Nacional Republicana, permitirão concretizar esta enorme tarefa solidária, necessária e urgente. A actuação de todos os membros da Comissão Instaladora, orientar-se-á pela transparência e dedicação, sem interesses próprios ou de terceiros. Nada nos move que não seja pugnar pela protecção dos militares e das suas famílias, sem conflitos, em complementaridade e cooperação com as instituições que hoje apoiam a família militar e fundamentalmente com a Instituição Militar que devotadamente servimos.
  4. 4. O SONHO COMANDA A VIDA (*) Esta foi a frase com que se brindou o Porto de Honra, no Seminário do Montepio Militar em Vila Nova da Barquinha (27 de Junho de 2015) (*) Do poema “A Pedra Filosofal”, de António Gedeão Mas outros poetas falaram sobre o sonho… "O homem é do tamanho do seu sonho.“ "Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso." Fernando Pessoa “Apesar das ruínas e da morte, Onde sempre acabou cada ilusão, A força dos meus sonhos é tão forte, Que de tudo renasce a exaltação E nunca as minhas mãos ficam vazias.” Sophia de Mello Breyner Andresen Será que o Montepio Militar não passará de um Sonho… Poderia ter começado assim… Mas depois do Seminário de 27 de Junho de 2015… Em especial para os que não estiveram presentes, juntam-se algumas fotos que o nosso estimado camarada de armas – SMor Serrano Rosa - teve a amabilidade de partilhar connosco.
  5. 5. A Comissão instaladora Tenente-General Rui Fidalgo Vice-Almirante José Carlos Lima Bacelar Major-General José Ferreira Pinto Major-General José Inácio de Sousa Major-General Hugo Borges Coronel Carlos Maia de Loureiro Tenente-Coronel Luís Pinhão

×