Um mundo a ganhar: O "Manifesto Comunista" faz
150 anos.
Daniel Aarão Reis Filho - Professor de História Contemporânea da ...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


governamentais e apartidários, que atingiu os continentes: 16 na África, 10 na América
...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


experiências socialistas do século XX, mas de retomá-lo, e de aplicá-lo, sem deixar
bre...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


          No   meio termo entre estes extremos, no centro - esta antipática mas

inesca...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


       Nas    comemorações do centenário, em 1948, a poderosa Internacional

Socialista...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


       E   o elenco impressionante de desafios: a conjugação da proposta

internacional...
Núcleo de Estudos Contemporâneos


ousados propuseram um encontro anual, alternativo e paralelo ao realizado pelos
cultore...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunista

946 visualizações

Publicada em

Artigo do professor Daniel Aarão sobre os 150 anos do Manifesto Comunista

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
946
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Daniel AarãO 150 Anos Manifesto Comunista

  1. 1. Um mundo a ganhar: O "Manifesto Comunista" faz 150 anos. Daniel Aarão Reis Filho - Professor de História Contemporânea da UFF Se Chico Buarque estivesse lá poderia cantarolar: quem não a conhece, não pode mais conhecer, quem jamais a esquece não pode reconhecer. Mas não estaria se referindo à porta-bandeira da escola de samba que virou bacana, e trocou a rua pela galeria, mas ao encontro das diferentes correntes - e tradições - do que foi um dia o movimento comunista internacional. Leninistas, stalinistas, trotskistas, conselhistas, autonomistas, luxemburguistas, maoistas, gramscianos, guevaristas, além de partidários de outros ismos menos cotados: ali estavam eles, e, com eles, as várias - e numerosas - famílias descendentes do pensamento e das referências de K. Marx. Em vez de anátemas, congraçamento, no lugar de injúrias e excomunhões, troca ponderada de reflexões e idéias, não mais a condenação de desvios, em nome da defesa de uma ortodoxia, mas o elogio das diferenças, em prol do pluralismo, transformado em virtude. Há duas ou três décadas, quem poderia imaginar uma reunião assim, congregando tamanha diversidade? Pois aconteceu: o Encontro Internacional de Paris para comemorar os 150 anos de publicação do Manifesto Comunista (1848-1998), realizado entre 13 e 16 de maio passado, promoveu a realização do improvável. A grandeza de alguns números do evento não deixa de impressionar: cerca de 1500 presentes, um terço deles proveniente de mais de 60 países; 37 mesas redondas, com 280 participantes; 349 textos apresentados, publicados em anais que reunirão 12 volumes (10 distribuídos ainda durante o encontro). Cerca de 60 brasileiros participaram, apresentando 31 artigos para o debate. A partir de uma organização francesa - a Espaços Marx -, patrocinada por quase duzentos intelectuais e lideranças políticas sindicais de diferentes concepções e sensibilidades, formou-se uma rede de comitês nacionais, de modo geral não
  2. 2. Núcleo de Estudos Contemporâneos governamentais e apartidários, que atingiu os continentes: 16 na África, 10 na América Latina, 2 na América do Norte, 11 da Ásia, 23 na Europa e 3 na Oceania. Em torno de um pequeno - grande - texto, o Manifesto Comunista, escrito em parceria por K. Marx e F. Engels, há exatamente um século e meio, reuniu-se esta verdadeira massa crítica, com dois objetivos: elaborar diagnósticos renovados a respeito de um sistema considerado de horrores, dominado pelas águas geladas do cálculo egoísta, e debater e propor alternativas: em que direção? com que atores? que emancipação humana? que revolução? Seria verdadeiramente impossível dar conta do conjunto dos debates, mesmo porque havia momentos em que se realizavam simultaneamente diversas mesas redondas, cada qual congregando, em média, sete debatedores, sem contar as perguntas e intervenções de uma platéia inquieta e crítica, também querendo participar e deixar seu recado. Do que me foi possível observar, no entanto, e ressalvada as inevitáveis insuficiências e parcialidade de meu ponto de vista individual, destacaria, para além de incontáveis nuanças, a existência de algumas propostas de abordagem. Não chegam, ou não chegaram, a configurar tendências propriamente ditas, mesmo porque não se tratou, em nenhum momento, de votar decisões ou resoluções. Mas configuram, digamos, sensibilidades diferenciadas. Nomear estas propostas, ou qualificá-las, é um exercício perigoso, sujeito a riscos e a injustiças, sobretudo porque, no futuro, se a realização deste tipo de encontro for retomada, é possível que elas venham ainda a se redefinir, a se decantar, reagrupando-se ou se fragmentando, de acordo com as exigências da conjuntura, as opções tomadas ou os azares da vida. Feitas essas ressalvas, impostas pela elementar prudência, destacaria, pelo seu sentido geral, três grandes conjuntos de interpretações. Um primeiro, bastante minoritário, apresentou-se com uma forte conotação apologética. Para este grupo não se trata de rever criticamente o que Marx disse ou escreveu, nem de atualizá-lo, segundo as exigências do atual momento e das
  3. 3. Núcleo de Estudos Contemporâneos experiências socialistas do século XX, mas de retomá-lo, e de aplicá-lo, sem deixar brecha para leitura revisionistas. A velha pecha, cara a todas as ortodoxias, reapareceu constantemente neste tipo de discurso. Algumas heranças tradicionais são aqui reafirmadas e reivindicadas: o proletariado como classe revolucionária, por excelência, o partido de vanguarda, o recurso à violência, a revolução anti-capitalista, retomando-se o sentido das que forma realizadas ao longo deste nosso breve século, embora admitindo-se inovações devidas a particularidades de tempo e de lugar. De modo geral, mas nem sempre, os seus partidários provinham de partidos comunistas que se mantiveram no poder, o que não deixa de ser paradoxal, considerando os experimentos altamente heterodoxos (revisionistas no sentido próprio da palavra), de que são palco tais países, adotados seja por convicção (caso chinês), seja pela pressão das circunstâncias (caso cubano). Num outro registro - e num outro extremo do espectro que se constitui no Encontro – um segundo grupo apareceu aberto a todo o tipo de revisões e aggiornamentos. Para os participantes deste conjunto, respeitadas as reflexões teóricas básicas de Marx, que ninguém pretendeu desafiar, as novas alternativas anti-capitalistas do século XXI devem, sem desprezar a presença e a força do proletariado, incluir novos atores; imaginar outras formas de luta (das quais deve estar excluído o recurso à violência); prever a participação de uma pluralidade de forças sociais e político-partidárias; comprometer-se radicalmente com a democracia e os valores democráticos, condenando-se, assim, as tradições associadas aos partidos marxistas leninistas; e, finalmente, mas não menos importante, compreender o processo de afirmação do socialismo como algo que se desdobra a longo prazo: certas vozes chegaram mesmo, efetuando comparações com a história do capitalismo, a falar em um processo multisecular, proposição que dificilmente obteria o entusiasmo dos que atualmente têm fome e sede de justiça (no sentido próprio e figurado). Integravam este grupo muitos partidos comunistas europeus, entre os quais, surpreendendo pela abertura, o próprio partido comunista francês, que, sob a batuta de R. Hue, seu atual líder, foi uma das principais formações políticas a emprestar apoio e a sustentar com recursos a organização do encontro.
  4. 4. Núcleo de Estudos Contemporâneos No meio termo entre estes extremos, no centro - esta antipática mas inescapável metáfora, quando se trata de debates políticos - um conjunto ainda pouco definido, tateando veredas, uma nebulosa. Não tem compromisso com uma recuperação esclerosada de Marx, mas ainda considera seu legado essencial como diagnóstico do sistema capitalista atual e como previsão do futuro. Está disposta a repensar a revolução anti-capitalista, mas não se dispõe a abandoná-la como conceito. Não se entusiasmando pela violência em si mesma, não aderiu à teses pacifistas. Incorporando os valores democráticos, insiste em demarcar-se dos que já não querem adjetivá-los. Assim, este grupo assume pontos de vista dos dois extremos, podendo configurar-se, no futuro, como síntese ou como pântano, tudo vai depender de sua capacidade em formular caminhos teoricamente originais e socialmente mobilizadores, ou seja, politicamente eficazes. Reuniram-se nesta abordagem indivíduos e grupos de diversa procedência, entre os quais os trotskistas da Liga Comunista francesa, à procura de uma identidade entre o dogmatismo puro e duro e um revisionismo que teria ido longe demais no abandono de premissas e princípios considerados ainda atuais. Uma análise comparada com as anteriores comemorações cinqüentenárias da publicação do manifesto evidenciaria significativos contrastes. Com efeito, quando completou os primeiros 50 anos, em 1898, a social-democracia internacional vivia tempos de ouro. Solidamenteagrupados naentão chamada Segunda Internacional, tendo já excluído de seu seio tendências rivais, como a anarquistas, com seus líderes e teóricos irmanados em torno de uma certa vulgata do marxismo, onde predominava o partido social-democrata alemão e seu principal teórico, K. Kautski, os partidos socialistas acreditavam ter o futuro nas mãos e a história desdobrava-se segundo as previsões daqueles que imaginavam conhecê-la cientificamente. As lutas sociais, as conquistas políticas e materiais, a progressão eleitoral, a rede de instituições formada (jornais, bancadas parlamentares, organizações de mulheres e de jovens, sindicatos e partidos), tudo indicava amanhãs que cantavam, promissores. Nunca pareceu tão certo, apesar das dificuldades que ninguém negava, que o mundo marchava para o socialismo.
  5. 5. Núcleo de Estudos Contemporâneos Nas comemorações do centenário, em 1948, a poderosa Internacional Socialista já estava em farrapos, e o que restava dela, depois da II Guerra Mundial, não autorizava previsões otimistas. O bastão passara à URSS e seu partido comunista, no auge do prestígio, depois do papel essencial que haviam desempenhado na vitória sobre o nazi-fascismo. Tendo-se expandido pela Europa Central, e às vésperas de um triunfo tão inesperado quanto espetacular na China, com partidos fortalecidos em várias partes do mundo, os comunistas apresentavam-se, e eram considerados, os herdeiros do pensamento revolucionário de Marx. Em um ou dois anos, o mundo socialista passaria a congregar 1/3 da população mundial, a solidariedade entre os diversos partidos era, como então se costumava dizer, granítica. Agora sob a direção de J. Stalin, o maquinista da locomotiva da história, o mundo continuava marchando triunfalmente para o socialismo e para o comunismo. Passados mais cinqüenta anos, o panorama mudou outra vez, e radicalmente. A social-democracia recobrou força mas já não tem nenhum compromisso com a destruição do capitalismo. O movimento comunista agora é que se encontra em farrapos, esmigalhado. Desapareceu a poderosa URSS e o trem da história descarrilou em alguma curva do caminho. Seu maquinista, outrora glorioso, é figura execrada, dentro e fora do movimento socialista. Do dogma à tolerância. O monolitismo cedeu o lugar ao pluralismo. A ditadura à democracia. O socialismo deixo de ser algo que se prevê de acordo com as leis da história. Na melhor das hipótese, passou a ser uma aposta. Incerta, como toda a aposta. Possível, mas não necessária. É sob este signo que se realizam os debates dos 150 anos da publicação do Manifesto Comunista. Será necessário enfrentar questões espinhosas, de resto levantadas por ocasião do Encontro Internacional em Paris. Ainda em forma de balanço, dois problemas: como uma teoria emancipatória pode engendrar tanto terror, e em larga escala? Depois de tantos crimes cometidos em seu nome, este nome, comunista, ainda é possível mantê-lo, do ponto de vista de uma alternativa ao capitalismo?
  6. 6. Núcleo de Estudos Contemporâneos E o elenco impressionante de desafios: a conjugação da proposta internacionalista, única alternativa à globalização atualmente em curso, com o respeito pelas particularidades regionais e nacionais. A investigação sobre a configuração do político numa sociedade socialista. A reabilitação da utopia como invenção, mas ancorada no cotidiano vivido pelos comuns dos mortais. As metamorfoses do trabalho (o capitalismo enterrou seus coveiros?), as incertezas do progresso, os desafios ecológiocos, a chamada exclusão de parcelas crescentes da humanidade dos benefícios possíveis da nossa época (visto de um outro ângulo, não seria esta uma forma, perversa, é verdade, de inclusão destas parcelas?). Algumas carências chamaram a atenção, pedras no caminho. Por exemplo, a rarefação de jovens. Marx e Engels tinham menos de trinta anos, quando escreveram o Manifesto há 150 anos. Lenin tinha 47 em 1917, mas era afetuosamente chamado pelos camaradas de o Velho. De modo geral, a liderança bolchevique estava na casa dos 30 anos. O mesmo em relação à liderança chinesa, quando começou a Longa Marcha, ou em relação aos revolucionários cubanos em 1959. No Encontro de Paris, os quarentões poderiam ser considerados garotões. Em mais de uma Mesa, cinqüentões eram benjamins. Nada a opor à participação da terceira idade, mesmo porque os progressos da medicina estão mesmo alongando a expectativa de vida, e a velhice, tão desvalorizada pelo capitalismo, pode ser fonte de sabedoria. Mas é intrigante a ausência da juventude. Numa Mesa destinada a discutir os novos atores de uma possível revolução, formada por pessoas acima dos quarenta anos, nenhuma menção foi feita aos jovens. Como se uma luz amarela tivesse se acendido. Se continuar assim, há o risco de não haver comemorações pelos 200 anos do Manifesto. Também foi discreta a participação da segunda metade do céu: das 253 contribuições já publicadas, apenas 37 eram de autoria feminina, e 14 somente de não européias. Dos 31 textos de brasileiros, 4 de mulheres. Sem jovens e mulheres, que futuro terá a revolução? Desafios à espera de respostas. Que serão formuladas (ou não) em próximos encontros. Alguns sugeriram novas reuniões, bi-anuais. Outros, mais prudentes, de três em três anos. Os mais
  7. 7. Núcleo de Estudos Contemporâneos ousados propuseram um encontro anual, alternativo e paralelo ao realizado pelos cultores do capitalismo em Davos, na Suíça, um Davos vermelho. Nada ainda decidido, mas ficou o consenso de que, pelo menos, uma rede de associações Espaços/Marx, deve ser criada. Ao acompanhar esta saga. Afinal, não são tantos assim os textos que resistem bravamente a 150 anos de existência.

×