O ARGUMENTO DA HÉLICE TRÍPLICE: PONTOS E CONTRA-PONTOS – 2ª parte Prof. Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva 12 de janei...
Linguagens e Culturas Tecnologias Emprendedorismo e Inovação
 
PROJETO NOMES Niterói
Projeto Grael
Projeto Fernanda Keller
Projeto Gugu                                                                                                              ...
Projeto Tatuí
Projeto Gerson
Por Daniel Corrêa de Mattos  Orientador: Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva Dr. Jorge França Dr. José Maurício Capinussú
Por Jacques Araújo Netto Orientador Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva  Dr. Carlos Henrique de Vasconcelos Ribeiro Dr....
PROJETOS SOCIAIS ESPORTIVOS E A FORMAÇÃO DE REDES Orestes Manoel da Silva Orientador: Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva
CRIANÇAS E ADOLESCENTES DO PROJETO “BOXE VIDIGAL”
ESPORTE UNIVERSITÁRIO NO BRASIL: DESDOBRAMENTOS E DESENVOLVIMENTO SOB A ÓTICA DO MODELO TEÓRICO DA HÉLICE TRÍPLICE Por Joã...
EMPREENDEDORISMO DESPORTIVO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O RUNPORTO <ul><li>O objetivo </li></ul><ul><li>Identificar, por meio...
METODOLOGIA <ul><li>Estudo de caso </li></ul><ul><li>Descritivo </li></ul><ul><li>Abordagem qualitativa </li></ul><ul><li>...
MATRIZ DE IMPACTO - PREUSS Visível Invisível Longo prazo Curto prazo
AMBIENTE INTERNO Pontos Fortes Atrai grande número de pessoas para participar dos eventos. Possui base de dados com todos ...
AMBIENTE EXTERNO Ameaças Possibilidade de atentados terroristas. O risco de perda de patrocínios em virtude de aspectos ec...
Interação entre universidade-empresa-governo Pouca interação  com o governo e com a universidade. Atua de forma  laizzer-f...
Modernidade - Meta narrativa utópica <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO  REDENTORES  DA POBREZA, DA MISÉRIA E DO ...
Pós-modernidade - Desconstrutivismo distópico <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO   ÓPIO E /OU INSTRUMENTO DE INTE...
Modernidade Reflexiva/Fluida/Tardia – Automonitoramento reflexivo <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO   REFLEXIVID...
EXPECTATIVAS DA MÍDIA SOBRE O LEGADO DOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016 Antes e após a eleição do Rio de Janeiro como sede dos Jo...
CATEGORIAS Transporte 25% Empregos 15% Meio Ambiente 8% Vias Públicas 8% Turismo 7% Segurança Pública 7% Sinalização da Ci...
 
CONCLUSÕES
A mídia focalizou os  aspectos instrumentais  do legado. As questões  substantivas  ficaram em segundo plano. A mídia deix...
Há de se observar que o instrumental e o substantivo se complementam. No entanto, o foco nos aspectos instrumentais demons...
Ratifica-se, portanto, que  a racionalidade instrumental tem um poder de difusão muito maior que a racionalidade substanti...
É no  campo educacional  que vamos encontrar o espaço para a discussão de valores substantivos. Não apenas na escola; mas ...
Todos os objetivos traçados para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos deveriam ter um  para quê ?, caso contrário, a dimensã...
Esporte Olímpico
Sugestões <ul><li>Ampliar os fóruns de discussão, no sentido de incluir representantes dos governos, das universidades, da...
Sugestões <ul><li>Discutir modelos de projetos sociais esportivos, que incluam também a formação profissional e educaciona...
Sugestões <ul><li>Estimular programas de educação a distância para que, durante o período da vida profissional no esporte,...
Sugestões <ul><li>Discutir políticas que estimulem a aproximação das empresas com as universidades para atuarem na constru...
Sugestões <ul><li>Inaugurar pesquisas que estimulem a criação de áreas esportivas sustentáveis por parte de empresas, com ...
Sugestões <ul><li>O campo é fértil, no entanto, é preciso que a hélice de fato gire e produza a sinergia necessária para q...
Os três espaços <ul><li>CONHECIMENTO </li></ul><ul><li>Neste espaço, efetiva-se a criação de massa crítica a partir do ens...
Antes de entrarmos na questão das redes e do terceiro setor <ul><li>Marcelo Melo e Nelson Marcelino fazem duras críticas à...
POLÍTICAS PÚBLICAS DE ESPORTE E LAZER: O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DO TERCEIRO SETOR Marcelo Paula de Melo <ul><li>Conceito...
<ul><li>A menção a tais conceitos não esclarece muito das concepções e projetos políticos daqueles que o fazem. A disputa ...
<ul><li>Tais considerações indicam como a burguesia, ainda que hegemonizada pela burguesia financeira, tem obtido sucesso ...
<ul><li>Nesse processo a  transmutação do conceito de sociedade civil em “terceiro setor”  pode ser apontada como umas das...
Questões <ul><li>Como está o terceiro setor em Portugal, no que concerne à gestão do desporto? </li></ul><ul><li>No Brasil...
<ul><li>Não é possível separar a atuação dos organismos do chamado terceiro setor na execução das políticas públicas da em...
<ul><li>A educação física é amplamente influenciada por esse momento histórico. A batalha política no campo das idéias apr...
Questões <ul><li>No Brasil, ex-atletas têm se envolvido no terceiro setor e liderado ações no campo desportivo. Como está ...
Questões <ul><li>Este organismo da sociedade civil (ONG, Institutos, Fundações etc.) pode ser considerado como terceiro se...
Pedagogia da hegemonia <ul><li>Intensas campanhas de difusão do trabalho voluntário </li></ul><ul><li>A atuação dos organi...
Questão <ul><li>As ONGs Desportivas estariam a fazer a gestão da pobreza, ao atuarem de maneira focalizada, restrita e com...
Questão <ul><li>No Brasil, há uma explosão do trabalho precário/informal no âmbito das ONGs Desportivas. Isto seria um ind...
Questão <ul><li>Além do aparelho de governo, as ONGs estariam se configurando como os novos aparelhos privados de hegemoni...
Questão <ul><li>Defender o Estado como garantidor de políticas sociais universais não precarizadas e provisórias, configur...
Questão <ul><li>As políticas públicas de esporte e lazer são um lugar privilegiado na disseminação e implementação do proj...
Novo vocabulário <ul><li>P2P (peer-to-peer, par-a-par, pessoa-a-pessoa) </li></ul><ul><li>COOPETIVIDADE (competição + coop...
 
Refazenda – Gilberto Gil <ul><li>Abacateiro acataremos teu ato Nós também somos do mato como o pato e o leão Aguardaremos ...
Pela internet – Gilberto Gil <ul><li>Criar meu web site </li></ul><ul><li>Fazer minha home-page Com quantos gigabytes Se f...
Carlos Alberto Figueiredo da Silva <ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>http://www.carlosfigueiredo.org/   </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O argumento da hélice tríplice 2a parte

1.246 visualizações

Publicada em

Aulas ministradas nos dias 12, 13 e 14 de janeiro de 2012 na Universidade do Porto - Portugal.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.246
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O argumento da hélice tríplice 2a parte

  1. 1. O ARGUMENTO DA HÉLICE TRÍPLICE: PONTOS E CONTRA-PONTOS – 2ª parte Prof. Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva 12 de janeiro de 2012 – Universidade do Porto - Portugal
  2. 2. Linguagens e Culturas Tecnologias Emprendedorismo e Inovação
  3. 4. PROJETO NOMES Niterói
  4. 5. Projeto Grael
  5. 6. Projeto Fernanda Keller
  6. 7. Projeto Gugu                                                                                                                     
  7. 8. Projeto Tatuí
  8. 9. Projeto Gerson
  9. 10. Por Daniel Corrêa de Mattos Orientador: Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva Dr. Jorge França Dr. José Maurício Capinussú
  10. 11. Por Jacques Araújo Netto Orientador Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva Dr. Carlos Henrique de Vasconcelos Ribeiro Dr. José Maurício Capinussú UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
  11. 12. PROJETOS SOCIAIS ESPORTIVOS E A FORMAÇÃO DE REDES Orestes Manoel da Silva Orientador: Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva
  12. 13. CRIANÇAS E ADOLESCENTES DO PROJETO “BOXE VIDIGAL”
  13. 14. ESPORTE UNIVERSITÁRIO NO BRASIL: DESDOBRAMENTOS E DESENVOLVIMENTO SOB A ÓTICA DO MODELO TEÓRICO DA HÉLICE TRÍPLICE Por João Domingos Bezerra Mandarino Orientador: Dr. Carlos Alberto Figueiredo da Silva
  14. 15. EMPREENDEDORISMO DESPORTIVO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O RUNPORTO <ul><li>O objetivo </li></ul><ul><li>Identificar, por meio de um estudo de caso, as formas de atuação da empresa Runporto, sua relação com os atores da hélice tríplice e a contribuição para a cidade do Porto. </li></ul>
  15. 16. METODOLOGIA <ul><li>Estudo de caso </li></ul><ul><li>Descritivo </li></ul><ul><li>Abordagem qualitativa </li></ul><ul><li>Entrevista de profundidade com o presidente do Runporto, Jorge Teixeira. </li></ul><ul><li>O referencial-teórico metodológico apoia-se no modelo teórico da hélice tríplice (Etzkowitz, 2005, Etzkowitz; Leydesdorff, 1996), no que concerne à análise da sinergia entre universidade-empresa-governo. </li></ul><ul><li>Utilizou-se a matriz de impacto de Preuss (2008), no sentido de analisar o impacto do empreendimento Runporto em relação a aspectos intangíveis. De modo a efetivar a análise do ambiente externo e interno do empreendimento, utilizou-se a metodologia SWOT (Bechara, 2008). </li></ul>
  16. 17. MATRIZ DE IMPACTO - PREUSS Visível Invisível Longo prazo Curto prazo
  17. 18. AMBIENTE INTERNO Pontos Fortes Atrai grande número de pessoas para participar dos eventos. Possui base de dados com todos que já participaram dos eventos, o que permite entrar em contato rapidamente com os cadastrados. Possui um número significativo de pessoas cadastradas. Tem grande capacidade de atrair patrocinadores que permitem o crescimento do projeto. Possui uma equipe administrativa altamente motivada. Possui uma estrutura administrativa enxuta e ágil. Tem conseguido crescer de forma sustentada. Pontos Fracos Apresenta problemas com a equipe de produção executiva nos dias dos eventos, principalmente em relação à falta de concentração.
  18. 19. AMBIENTE EXTERNO Ameaças Possibilidade de atentados terroristas. O risco de perda de patrocínios em virtude de aspectos econômicos mundiais e regionais. Falta de apoio da população. Falta de apoio das instituições governamentais. Oportunidades A crise financeira mundial. A necessidade de signalling de cidades em Portugal. .
  19. 20. Interação entre universidade-empresa-governo Pouca interação com o governo e com a universidade. Atua de forma laizzer-faire , ou seja, nos moldes da hélice tríplice-2 . Seria conveniente a busca por outros parceiros além das empresas privadas. Com efeito, a aproximação com um centro de pesquisa de alguma universidade portuguesa poderia sistematizar e ampliar o conhecimento que já é construído de forma tácita. Os governos também poderiam se tornar aliados importantes, haja vista a importância de signalling , no campo desportivo, o que poderia trazer recursos tangíveis e intangíveis para as cidades. Constata-se que o Runporto tem expandido suas ações para outras cidades portuguesas. A necessidade de signalling das cidades conjuga-se à vocação do Runporto.
  20. 21. Modernidade - Meta narrativa utópica <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO REDENTORES DA POBREZA, DA MISÉRIA E DO ATRASO SÓCIO- ECONÔMICO E CULTURAL. </li></ul>
  21. 22. Pós-modernidade - Desconstrutivismo distópico <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO ÓPIO E /OU INSTRUMENTO DE INTERESSES POLÍTICOS E ECONÔMICOS. </li></ul>
  22. 23. Modernidade Reflexiva/Fluida/Tardia – Automonitoramento reflexivo <ul><li>OS JOGOS OLÍMPICOS E O ESPORTE COMO REFLEXIVIDADE. </li></ul>
  23. 24. EXPECTATIVAS DA MÍDIA SOBRE O LEGADO DOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016 Antes e após a eleição do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, a mídia iniciou um processo de discussão sobre o legado do evento para a cidade. Entre o dia 1º de outubro de 2009 e o dia 31 de dezembro de 2009, a equipe que desenvolveu este estudo catalogou as notícias que abordaram o tema do legado dos jogos para a cidade do Rio de Janeiro. Foram pesquisados os jornais O Globo, O Dia, O Fluminense, Jornal do Brasil e Lance. Num total de 360 edições. O levantamento das expectativas da mídia foi realizado nas edições impressas e também online .
  24. 25. CATEGORIAS Transporte 25% Empregos 15% Meio Ambiente 8% Vias Públicas 8% Turismo 7% Segurança Pública 7% Sinalização da Cidade 5% Negócios 5% Saúde 3% Transparência Política 3% Saneamento Público 3% Reassentamento de Famílias 3% Internet Banda Larga 2% Segurança Privada 2% Construção Civil 2% Reciclagem do Lixo 2% Restauração da Cidade 2%
  25. 27. CONCLUSÕES
  26. 28. A mídia focalizou os aspectos instrumentais do legado. As questões substantivas ficaram em segundo plano. A mídia deixou a distância a discussão sobre valores, ética e estética, potencializando os aspectos técnicos, econômicos e utilitários do legado.
  27. 29. Há de se observar que o instrumental e o substantivo se complementam. No entanto, o foco nos aspectos instrumentais demonstra a necessidade de se estabelecer um novo marco nas discussões sobre o legado dos jogos para a cidade. O movimento olímpico fundamenta-se em valores substantivos . Esta é uma questão de fundo e que a racionalidade instrumental não dá conta.
  28. 30. Ratifica-se, portanto, que a racionalidade instrumental tem um poder de difusão muito maior que a racionalidade substantiva . Na qualidade de megaevento, os legados ocorrem tanto no tangível quanto no intangível .
  29. 31. É no campo educacional que vamos encontrar o espaço para a discussão de valores substantivos. Não apenas na escola; mas concomitantemente no trabalho, na família, na rua, na mídia, no cotidiano. São esses valores substantivos, que poderão arquitetar até mesmo elementos instrumentais, mas não o oposto .
  30. 32. Todos os objetivos traçados para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos deveriam ter um para quê ?, caso contrário, a dimensão instrumental não encontrará a sua finalidade, a sua razão de ser.
  31. 33. Esporte Olímpico
  32. 34. Sugestões <ul><li>Ampliar os fóruns de discussão, no sentido de incluir representantes dos governos, das universidades, das empresas/indústrias e da sociedade. </li></ul>
  33. 35. Sugestões <ul><li>Discutir modelos de projetos sociais esportivos, que incluam também a formação profissional e educacional, além da iniciação ao esporte. </li></ul>
  34. 36. Sugestões <ul><li>Estimular programas de educação a distância para que, durante o período da vida profissional no esporte, os atletas possam também se preparar para o mercado de trabalho quando encerrarem suas carreiras esportivas. </li></ul>
  35. 37. Sugestões <ul><li>Discutir políticas que estimulem a aproximação das empresas com as universidades para atuarem na construção, gestão e desenvolvimento de parques esportivos. </li></ul>
  36. 38. Sugestões <ul><li>Inaugurar pesquisas que estimulem a criação de áreas esportivas sustentáveis por parte de empresas, com incentivo governamental. </li></ul>
  37. 39. Sugestões <ul><li>O campo é fértil, no entanto, é preciso que a hélice de fato gire e produza a sinergia necessária para que sonhos se concretizem. </li></ul>
  38. 40. Os três espaços <ul><li>CONHECIMENTO </li></ul><ul><li>Neste espaço, efetiva-se a criação de massa crítica a partir do ensino, da pesquisa e da extensão, transformando o conhecimento tácito em conhecimento explícito. </li></ul><ul><li>CONSENSO/DISSENSO </li></ul><ul><li>Neste espaço, diferentes atores se aproximam, de modo a produzir sinergias criativas. </li></ul><ul><li>INOVAÇÃO </li></ul><ul><li>Aqui as ações cooperativas entre atores da HT gerariam a inovação. </li></ul>
  39. 41. Antes de entrarmos na questão das redes e do terceiro setor <ul><li>Marcelo Melo e Nelson Marcelino fazem duras críticas às ideias apresentadas até aqui. No livro Poder público. terceiro setor e controle social: interfaces na construção de políticas de esportes e lazer , estes autores afirmam que existe uma reconfiguração do movimento neoliberal no esporte e no lazer. </li></ul>
  40. 42. POLÍTICAS PÚBLICAS DE ESPORTE E LAZER: O PAPEL DO PODER PÚBLICO E DO TERCEIRO SETOR Marcelo Paula de Melo <ul><li>Conceitos são apropriados por forças políticas com projetos de sociedade muitas vezes antagônicos. </li></ul><ul><li>Cidadania, formação humana, trabalho, sociedade civil, Estado, entre outros, têm sido alvo de intensas disputas políticas (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  41. 43. <ul><li>A menção a tais conceitos não esclarece muito das concepções e projetos políticos daqueles que o fazem. A disputa semântica, longe de ser algo de menor relevo na luta política, pode indicar o grau de consolidação da hegemonia de uma determinada classe e suas frações em torno do seu projeto de sociedade (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  42. 44. <ul><li>Tais considerações indicam como a burguesia, ainda que hegemonizada pela burguesia financeira, tem obtido sucesso na busca do consenso em torno do atual projeto histórico, o neoliberalismo, tomado não apenas como uma série de mudanças econômicas, mas um novo reordenamento do projeto societário capitalista, incidindo nos mais variados planos da sociabilidade, buscando adequar o conjunto da população às suas bases principais (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  43. 45. <ul><li>Nesse processo a transmutação do conceito de sociedade civil em “terceiro setor” pode ser apontada como umas das dimensões e características centrais do atual projeto histórico dominante (MONTAÑO, 2002, NEVES, 2005, DURIGHETTO, 2005). A aceitação da lógica de atuação do chamado terceiro setor implica na aceitação e naturalização do processo de delegação da execução das políticas sociais ao conjunto de organismos na sociedade civil, ainda que guardadas as especificidades de cada tipo de organismo, como uma ONG, Fundação empresarial, Associação de moradores, sindicatos ou outros (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  44. 46. Questões <ul><li>Como está o terceiro setor em Portugal, no que concerne à gestão do desporto? </li></ul><ul><li>No Brasil, temos visto um crescimento exponencial de ONGs, Institutos, Fundações etc., no campo do desporto. Como está isto em Portugal? </li></ul>
  45. 47. <ul><li>Não é possível separar a atuação dos organismos do chamado terceiro setor na execução das políticas públicas da emergência do projeto neoliberal de novo tipo. São processos que estão intimamente ligados, ainda que não reconhecidos pelos partidários do terceiro setor. A defesa apaixonada por parte dos organismos internacionais do capital como Banco Mundial (1997), Garrison, (2000), UNESCO/ONU (2003), ou então dos teóricos intimamente ligados ao projeto neoliberal não deve ser ignorada (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  46. 48. <ul><li>A educação física é amplamente influenciada por esse momento histórico. A batalha política no campo das idéias apresenta-se como um dos principais campos de manifestação da penetração dos postulados neoliberais. É possível observar um grande aumento das iniciativas privadas no que se refere à execução e implementação de ações sociais em diversas áreas . Sejam ONGs, Fundações e Institutos empresariais, de artistas e atletas, todos parecem estar imbuídos da chamada missão social. Isto tem se dado no exato momento em que a natureza de atuação do Estado capitalista se altera (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  47. 49. Questões <ul><li>No Brasil, ex-atletas têm se envolvido no terceiro setor e liderado ações no campo desportivo. Como está isto em Portugal? </li></ul><ul><li>Por que, no Brasil, as políticas públicas têm privilegiado a parcerias com ONGs em vários setores e principalmente no desporto? </li></ul>
  48. 50. Questões <ul><li>Este organismo da sociedade civil (ONG, Institutos, Fundações etc.) pode ser considerado como terceiro setor? </li></ul><ul><li>O que é o terceiro setor? </li></ul>
  49. 51. Pedagogia da hegemonia <ul><li>Intensas campanhas de difusão do trabalho voluntário </li></ul><ul><li>A atuação dos organismos da sociedade civil no campo do trabalho em “parceria” com os organismos do capital </li></ul><ul><li>Abandono da noção de direito social </li></ul><ul><li>Educação para o consenso </li></ul><ul><li>A atuação do que se convencionou chamar de Organização não-governamental (ONG) </li></ul><ul><li>Despolitização e repolitização pelo consenso em torno do projeto societário dominante. </li></ul><ul><li>A explosão do número de organizações na sociedade civil a partir dos anos 1990 e sua vinculação direta à implementação de políticas sociais no bojo do projeto neoliberal de novo tipo (MELO, 2007, passim). </li></ul>
  50. 52. Questão <ul><li>As ONGs Desportivas estariam a fazer a gestão da pobreza, ao atuarem de maneira focalizada, restrita e competitiva, favorecendo a penetração e expansão das atividades voltadas para a mais valia relativa, apoiando muitas vezes a expropriação de conquistas de cunho universalizante e o direito ao desporto para todos? </li></ul>
  51. 53. Questão <ul><li>No Brasil, há uma explosão do trabalho precário/informal no âmbito das ONGs Desportivas. Isto seria um indício do processo radicalizado de subsunção do trabalho ao capital apontado por Virgínia Fontes, mesmo em áreas onde a penetração e expansão da mais valia relativa não era tão intensa? </li></ul>
  52. 54. Questão <ul><li>Além do aparelho de governo, as ONGs estariam se configurando como os novos aparelhos privados de hegemonia (ou sociedade civil)? </li></ul><ul><li>Estado = aparelho de governo + aparelhos privados de hegemonia (sociedade civil)? </li></ul>
  53. 55. Questão <ul><li>Defender o Estado como garantidor de políticas sociais universais não precarizadas e provisórias, configurando direitos sociais como educação, saúde, esporte, lazer, assistência social, significa uma postura de esquerda ou neoliberal? </li></ul>
  54. 56. Questão <ul><li>As políticas públicas de esporte e lazer são um lugar privilegiado na disseminação e implementação do projeto neoliberal de terceira via? </li></ul><ul><li>A atuação do terceiro setor no campo desportivo enfraquece ou fortalece o direito ao desporto para todos? </li></ul>
  55. 57. Novo vocabulário <ul><li>P2P (peer-to-peer, par-a-par, pessoa-a-pessoa) </li></ul><ul><li>COOPETIVIDADE (competição + cooperação) </li></ul><ul><li>DESCONSTRUÇÃO RECRIATIVA (refazendo, refazenda, desprogramando) </li></ul><ul><li>CO-CRIAÇÃO (rede) </li></ul><ul><li>EMPREENDIZAGEM (aprender empreendendo) </li></ul><ul><li>ABUNDÂNCIA DISTRIBUÍDA </li></ul><ul><li>CO-LABOR-ATIVA </li></ul>
  56. 59. Refazenda – Gilberto Gil <ul><li>Abacateiro acataremos teu ato Nós também somos do mato como o pato e o leão Aguardaremos brincaremos no regato Até que nos tragam frutos teu amor, teu coração Abacateiro teu recolhimento é justamente O significado da palavra temporão Enquanto o tempo não trouxer teu abacate Amanhecerá tomate e anoitecerá mamão Abacateiro sabes ao que estou me referindo Porque todo tamarindo tem o seu agosto azedo Cedo, antes que o janeiro doce manga venha ser também Abacateiro serás meu parceiro solitário Nesse itinerário da leveza pelo ar Abacateiro saiba que na refazenda Tu me ensina a fazer renda que eu te ensino a namorar Refazendo tudo Refazenda Refazenda toda Guariroba </li></ul>
  57. 60. Pela internet – Gilberto Gil <ul><li>Criar meu web site </li></ul><ul><li>Fazer minha home-page Com quantos gigabytes Se faz uma jangada Um barco que veleja </li></ul><ul><li>Que veleje nesse informar Que aproveite a vazante da infomaré Que leve um oriki do meu orixá Ao porto de um disquete de um micro em Taipé </li></ul><ul><li>Um barco que veleje nesse infomar Que aproveite a vazante da infomaré Que leve meu e-mail até Calcutá Depois de um hot-link Num site de Helsinque Para abastecer </li></ul><ul><li>Eu quero entrar na rede Promover um debate Juntar via Internet Um grupo de tietes de Connecticut </li></ul><ul><li>De Connecticut de acessar O chefe da Mac Milícia de Milão Um hacker mafioso acaba de soltar Um vírus para atacar os programas no Japão </li></ul><ul><li>Eu quero entrar na rede para contatar Os lares do Nepal,os bares do Gabão Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular </li></ul><ul><li>Que lá na praça Onze tem um videopôquer para se jogar... </li></ul>
  58. 61. Carlos Alberto Figueiredo da Silva <ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>http://www.carlosfigueiredo.org/ </li></ul>

×