7ª Missão Técnica SEMESP
ALEMANHA
01 a 10 de maio de 2015
Munique
• Em Munique ficamos hospedados no hotel Eurostars
e lá tivemos a primeira palestra.
• O Prof. Dr. Nazem Nasciment...
Universidade Técnica de Munique
(TUM)
• Dr. Stefan Marz
• Apresentou a TUM como uma universidade
empreendedora
Tipos de transferência de
tecnologia da TUM
PESSOAS
Conferências
Teses, monografias
COOPERAÇÃO COM EMPRESAS
Contratos de p...
O que fomenta a inovação?
• Dr. Armin Pircher
• Desenvolveu a ideia de que a inovação ocorre
quando efetivamente se obtém ...
PESSOAS
Personalidade
Motivação
TRABALHO
Complexidade
Autonomia
Perfil ou regras de inovação
EQUIPE
Visão
Clima pela excel...
Conhecendo a Alemanha
•Dr. Peter J. Brener
• Trouxe-nos alguns problemas que hoje afligem a
Alemanha. As pessoas da antiga...
Sistema Alemão
• No sistema educacional alemão, cada estado
tem autonomia sobre a legislação e diretrizes da
sua rede, mas...
Sistema Dual
Escola Secundária
• 11-15 anos
As duas séries seguintes após a escola primária fazem
parte da escola secundár...
•O Realschule é considerado uma educação
intermediária. Além das disciplinas comuns,
que têm conteúdos mais aprofundados, ...
Já o Hauptschule é a área com o nível mais baixo.
Mesmo as disciplinas compulsórias têm um
conteúdo mais elementar.
Ele du...
O principal objetivo do Hauptschulen é preparar
somente para outro tipo de escolas
profissionalizantes de segundo grau:
as...
Ginásio
• 15-18 anos
O Gymnasium é considerado o mais completo
e tem o objetivo de levar à universidade.
Na maioria dos es...
Escola
Câmara
de
Comércio
Empresa
Sistema Dual
Aqui é
registrado o
contrato com o
estudante
(CONTRATO DE
ESTUDOS).
•No sistema Dual o aluno estuda 12 semanas por ano e o
restante do tempo é na empresa (Aprender Fazendo).
•A forma como es...
CENTRAL DE ESTÁGIOS
•A Central de Estágios das IES têm de ganhar
outro caráter. Há que se buscar o caminho junto
às empres...
Ensino técnico
•Nossa escola técnica deve buscar a criação de cursos com base
na necessidade das empresas. Há que se reali...
Ações
• Professores indo ao mercado para ver o que
está ocorrendo na prática, atuando junto aos
funcionários das empresas....
Ao completar o Gymnasium, o aluno realiza um
exame chamado Abitur, que permite a entrada
nas universidades alemãs. Nos cur...
Abismo
• A maior parte dos estudantes da educação básica alemã está em
escolas públicas gratuitas - apenas 6% deles freque...
O ensino superior
• Universität - Universidades (Plenas ou
Clássicas) de Pesquisa
• Hochschule (Escolas de Ciências Aplica...
Steinbeis - Hochschule
•Peter Dohm
•Esta é uma instituição diferente das outras
existentes na Alemanha. A nosso ver, a
cap...
Steinbeis - Hochsule
• Cada polo tem um Diretor, que é de fato um empresário.
Ele investe e se responsabiliza pela sustent...
Steinbeis - Hochsule
• Esta unidade da Steinbeis fica em Berlim. Conforme a
informação da direção do polo, em Berlim, é ma...
Steinbeis - Hochsule
• Normalmente na Steinbeis são três dias de
aula, incluindo o sábado. Ou seja, é uma escola
superior ...
Steinbeis - Hochsule
• Prof. Löhn
• A palestra de Löhn destacou quatro aspectos: a
internacionalização, a tecnologia, a qu...
Steinbeis - Hochsule
• TECNOLOGIA
Antes havia um entendimento de que as high
tech seriam para as grandes empresas e as low...
Steinbeis - Hochsule
• Um exemplo que poderíamos usar é o do
futebol. Se não houver clubes “pequenos” como
realizar um cam...
Steinbeis - Hochsule
• QUALIFICAÇÃO
•As empresas necessitam de funcionários
qualificados.
“Não adianta ter professores int...
Princípios da Steinbeis
1. Atender ao cliente (Design Thinking);
2. Professores indo às empresas;
3. Independência finance...
Steinbeis
No modelo de Steinbeis não há hierarquia, de acordo
com o seu fundador. Para ele, hierarquia implica
“mandar e n...
Universidade Livre de Berlin
e Humbolt Universität
A Universidade Livre de Berlim (em alemão: Freie Universität Berlin,
ab...
Algumas percepções
A missão nos permitiu verificar a experiência que a
Alemanha tem na relação entre as escolas e as
empre...
Devemos não só valorizar a titulação. Há que se valorizar
também a qualificação. Por esta razão, as escolas deveriam
encon...
Há que se rever a legislação trabalhista no sentido de facilitar
a aprendizagem em conjunto com o trabalho, protegendo
tan...
Desburocratizar as relações entre o aprendiz, a
universidade e a empresa.
As universidades devem se aproximar das empresas...
Carlos Alberto Figueiredo da Silva
cafs@unisuam.edu.br
7ª missão técnica semesp alemanha
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

7ª missão técnica semesp alemanha

180 visualizações

Publicada em

Missão técnica à Alemanha 2015

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

7ª missão técnica semesp alemanha

  1. 1. 7ª Missão Técnica SEMESP ALEMANHA 01 a 10 de maio de 2015
  2. 2. Munique • Em Munique ficamos hospedados no hotel Eurostars e lá tivemos a primeira palestra. • O Prof. Dr. Nazem Nascimento atua no Brasil e mantém laços estreitos com a Alemanha. Conhece bem o sistema de ensino alemão, tendo se doutorado nesse país.
  3. 3. Universidade Técnica de Munique (TUM) • Dr. Stefan Marz • Apresentou a TUM como uma universidade empreendedora
  4. 4. Tipos de transferência de tecnologia da TUM PESSOAS Conferências Teses, monografias COOPERAÇÃO COM EMPRESAS Contratos de pesquisa Projetos em cooperação DIREITOS INTELECTUAIS DE PROPRIEDADE Comercialização Incubação
  5. 5. O que fomenta a inovação? • Dr. Armin Pircher • Desenvolveu a ideia de que a inovação ocorre quando efetivamente se obtém um benefício para a sociedade, com o desenvolvimento de um produto, processo ou metodologia. • Para Pircher, com base em uma revisão de literatura, três pontos se destacam: Pessoas; Trabalho e Equipe.
  6. 6. PESSOAS Personalidade Motivação TRABALHO Complexidade Autonomia Perfil ou regras de inovação EQUIPE Visão Clima pela excelência Clima Externo Objetivos interdependentes
  7. 7. Conhecendo a Alemanha •Dr. Peter J. Brener • Trouxe-nos alguns problemas que hoje afligem a Alemanha. As pessoas da antiga Alemanha Oriental têm vindo para o lado ocidental, despovoando aquela área. • Imigrantes têm se fixado na Alemanha. Entretanto, muitos acabam por não aprender a língua, tendo dificuldade em se integrar. A maioria de imigrantes é de turcos, e talvez seja o grupo com maior dificuldade de integração. É comum, nas escolas, os meninos não respeitarem professoras, em função de uma cultura que desvaloriza o papel da mulher na sociedade.
  8. 8. Sistema Alemão • No sistema educacional alemão, cada estado tem autonomia sobre a legislação e diretrizes da sua rede, mas em quase todo o país o ensino primário termina na quarta série. Escola Primária • 6-10 anos
  9. 9. Sistema Dual Escola Secundária • 11-15 anos As duas séries seguintes após a escola primária fazem parte da escola secundária e são conhecidas como "período de orientação". Durante esses dois anos, o professor acompanha de perto o comportamento e as notas de um estudante. Com base nisso, cabe a ele, no final, recomendar para qual das três "áreas" do ensino médio o aluno irá - as opções costumam não ter volta. Os pais também tomam parte na decisão, porém têm pouca influência.
  10. 10. •O Realschule é considerado uma educação intermediária. Além das disciplinas comuns, que têm conteúdos mais aprofundados, essa área também costuma ter aulas de uma segunda língua estrangeira e informática. •Ela vai até o décimo ano e, após a conclusão, o aluno precisa realizar um teste para ganhar um certificado chamado Mittlere Reife, que permite entrar em instituições de um tipo de ensino profissionalizante, chamado Fachoberschulen. Esse modelo também faz parte da escola secundária e dura dois anos.
  11. 11. Já o Hauptschule é a área com o nível mais baixo. Mesmo as disciplinas compulsórias têm um conteúdo mais elementar. Ele dura até o nono ano e o aluno o termina com 15 anos, quando recebe o Hauptschulabschluss (nesse caso é necessário fazer testes). Além das disciplinas comuns, há também específicas dessa área, como Arbeitslehre, que dá aulas teóricas sobre o mercado de trabalho, semelhante ao modelo de "career education“ da educação britânica.
  12. 12. O principal objetivo do Hauptschulen é preparar somente para outro tipo de escolas profissionalizantes de segundo grau: as Berufsfachschulen. Um detalhe importante: alunos das outras áreas também podem se matricular nessas instituições, ainda que não seja o costume.
  13. 13. Ginásio • 15-18 anos O Gymnasium é considerado o mais completo e tem o objetivo de levar à universidade. Na maioria dos estados, apenas os alunos com as melhores notas entram em instituições desse tipo. Mas há casos como o da cidade de Berlim, em que 30% dessas vagas são sorteadas, independentemente do desempenho do aluno.
  14. 14. Escola Câmara de Comércio Empresa Sistema Dual Aqui é registrado o contrato com o estudante (CONTRATO DE ESTUDOS).
  15. 15. •No sistema Dual o aluno estuda 12 semanas por ano e o restante do tempo é na empresa (Aprender Fazendo). •A forma como essas semanas ocorre varia. Pode ser uma semana de aula e outra na empresa, ou um módulo de 4 semanas, principalmente em áreas em que só há uma escola e as empresas distantes. •Ou ainda, uma aula por semana. Tudo isto ocorre com um contrato assinado entre o aluno e a Câmara de Indústria e Comércio, pois é esta que regula o contrato do aluno com a empresa. No início, o aluno ganha cerca de 300 euros, podendo chegar a 700 euros no final. Não é obrigatório para o aluno ficar na empresa depois de formado.
  16. 16. CENTRAL DE ESTÁGIOS •A Central de Estágios das IES têm de ganhar outro caráter. Há que se buscar o caminho junto às empresas para realimentar os conteúdos escolares. A relação deve ser muito mais intensa, buscando desenvolver a confiança entre as partes. •Os processos avaliativos devem ser também desenvolvidos nas empresas com o apoio da Central de Estágios.
  17. 17. Ensino técnico •Nossa escola técnica deve buscar a criação de cursos com base na necessidade das empresas. Há que se realizar encontros diretos com as empresas e levantar as reais necessidades. •O desenvolvimento da confiança e o trabalho cooperativo entre a ETUS e as Empresas é fundamental para inovarmos nessa área. •Várias profissões no Brasil são exercidas sem a preparação desses profissionais em escolas técnicas. Desde as atividades mais simples às mais complexas podem ser ancoradas em cursos na Etus. •Toda a área da Zona Oeste tem de ser estimulada a participar de cursos tecnológicos, seja em nível superior ou médio. •Há que se levantar o perfil desejado pelas empresas. Encaminhar lista de competências e deixar espaço para que as empresas insiram novas competências.
  18. 18. Ações • Professores indo ao mercado para ver o que está ocorrendo na prática, atuando junto aos funcionários das empresas. • Encaminhar carta às empresas para retificar ou ratificar competências. • Realizar fóruns com as empresas NA DIMENSÃO DO ENSINO - PROJETO CONEXÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA
  19. 19. Ao completar o Gymnasium, o aluno realiza um exame chamado Abitur, que permite a entrada nas universidades alemãs. Nos cursos em que a demanda pelas vagas é maior que a oferta, a pontuação nesse exame é usada como critério de admissão. A maioria das instituições de ensino superior na Alemanha é pública, e em 10 dos 16 estados do país as universidades são gratuitas. No restante, são pagas e custam em média 500 euros por semestre. •http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/170/ modelo-alemao-234959-1.asp
  20. 20. Abismo • A maior parte dos estudantes da educação básica alemã está em escolas públicas gratuitas - apenas 6% deles frequentam instituições privadas. Segundo uma pesquisa realizada em 2008 pelo governo federal, 20% dos estudantes frequentam escolas do tipo Hauptschule , 27% estão em Realschulen, 6% nas instituições que reúnem essas duas áreas e 35% no Gymnasium . Contudo, mesmo que a definição do percurso de um aluno seja feita muito cedo, há maneiras de migrar entre essas áreas. Alunos com as melhores notas do Hauptschulen podem solicitar a admissão no décimo ano do Realschule . E os alunos com as melhores notas no Realschule conseguem entrar em uma instituição chamada Fachgymnasien, que oferece entre dois e três anos do conteúdo ensinado no Gymnasium - o intuito é prepará-los para o exame Abitur. A disparidade na qualidade de educação dessas três áreas é grande. A edição de 2003 do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) aponta que o aproveitamento médio dos alunos do Hauptschule foi de 428 pontos. Já no Realschule essa média chegou a 510 pontos, enquanto no Gymnasium foi de 587 pontos.
  21. 21. O ensino superior • Universität - Universidades (Plenas ou Clássicas) de Pesquisa • Hochschule (Escolas de Ciências Aplicadas e Técnicas) • Escolas de Artes
  22. 22. Steinbeis - Hochschule •Peter Dohm •Esta é uma instituição diferente das outras existentes na Alemanha. A nosso ver, a capacidade empreendedora de seu criador, Prof. Löhn, foi fundamental para que esta instituição ganhasse espaço na Alemanha. •Trata-se de uma escola de nível superior (Hochshule), cuja sede fica em Baden.... e conta com 50 polos. http://www.steinbeis.de/de/experten/steinbeis-hochschule-berlin.html
  23. 23. Steinbeis - Hochsule • Cada polo tem um Diretor, que é de fato um empresário. Ele investe e se responsabiliza pela sustentabilidade do negócio, remetendo à sede o percentual acordado. • Este polo da Steinbeis tem 50 funcionários e 15 professores. • Esta escola entrou num nicho na Alemanha. A média de idade dos alunos era de 48 anos e hoje está na casa dos 38 anos. Isto significa que muitos desses alunos não tiveram oportunidade de cursar o ensino superior quando jovens.
  24. 24. Steinbeis - Hochsule • Esta unidade da Steinbeis fica em Berlim. Conforme a informação da direção do polo, em Berlim, é mais fácil abrir uma instituição de ensino. • Cada estudante deste instituto tem um projeto na empresa em que trabalha. • O projeto é trabalhado de maneira contínua. De fato, este aluno presta consultoria para a empresa junto à Steinbeis. • Existem problemas a serem resolvidos, então, a empresa define quem serão os alunos e paga para que eles façam a faculdade. • É UM PROJETO INTEGRADOR CONTÍNUO
  25. 25. Steinbeis - Hochsule • Normalmente na Steinbeis são três dias de aula, incluindo o sábado. Ou seja, é uma escola superior para o aluno trabalhador, utilizando a filosofia do sistema dual. • Um exemplo interessante é a parceria com uma equipe de futebol alemã. Os jogadores fazem o curso superior e se preparam para depois da carreira futebolística.
  26. 26. Steinbeis - Hochsule • Prof. Löhn • A palestra de Löhn destacou quatro aspectos: a internacionalização, a tecnologia, a qualificação e o financiamento. • INTERNACIONALIZAÇÃO As empresas têm de estar no mundo inteiro. • FINANCIAMENTO A dissociação entre o mundo das empresas e o mundo do mercado de capitais está se fortalecendo. A conscientização pela própria empresa já não existe.
  27. 27. Steinbeis - Hochsule • TECNOLOGIA Antes havia um entendimento de que as high tech seriam para as grandes empresas e as low tech para as pequenas, isto não existe mais. A computação vai mudar todas as empresas. Quem vai ganhar? Aqueles que têm estrutura de comunicação e indústria 4.0. Não se pode ter grandes empresas apenas. As pequenas são fundamentais no processo, mas elas necessitam de inovação.
  28. 28. Steinbeis - Hochsule • Um exemplo que poderíamos usar é o do futebol. Se não houver clubes “pequenos” como realizar um campeonato? No Rio ainda temos quatro grandes, em São Paulo uns seis, mas o que dizer dos outros estados. Os campeonatos só existirão no nível estadual se os pequenos inovarem a ponto de apresentarem grandes equipes, inovadoras equipes. Isto faz com que todos progridam.
  29. 29. Steinbeis - Hochsule • QUALIFICAÇÃO •As empresas necessitam de funcionários qualificados. “Não adianta ter professores inteligentes e isto não ser aproveitado pela universidade”. “Um país é idiota quando investe em ciência e as empresas não se aproveitam disso”.
  30. 30. Princípios da Steinbeis 1. Atender ao cliente (Design Thinking); 2. Professores indo às empresas; 3. Independência financeira (sem subvenção do governo); 4. Modelo descentralizado
  31. 31. Steinbeis No modelo de Steinbeis não há hierarquia, de acordo com o seu fundador. Para ele, hierarquia implica “mandar e não fazer”. Em um modelo descentralizado as Lideranças têm de “saber fazer”. O aluno para estudar nesta escola têm de ter um projeto para resolver um problema real da empresa onde atua. Normalmente é a empresa que paga o curso. O palestrante deu um exemplo da AUDI, que pagou o doutoramento de um aluno, para que um problema da empresa fosse solucionado.
  32. 32. Universidade Livre de Berlin e Humbolt Universität A Universidade Livre de Berlim (em alemão: Freie Universität Berlin, abreviatura corrente: "FU Berlin") é uma das mais prestigiadas universidades da Alemanha e da Europa continental. Distingue-se pelo seu caráter moderno e internacional. É a maior das quatro universidades de Berlim. A pesquisa na universidade está focalizada nas Humanidades e nas Ciências Sociais, assim como nas Ciências da Saúde e nas Ciências Naturais. Fundada em Berlim Ocidental durante o início da Guerra Fria, o seu nome (Universidade Livre) refere-se ao fato de a Universidade Humboldt, mais antiga, ter ficado em Berlim Oriental, parte da cidade controlada pelas forças comunistas soviéticas. A Humbolt foi inspiração para as modernas universidades, pois foi a primeira a encarar a pesquisa e o ensino como indissociáveis. O autor Henry Etzkowitz chama a isto de A Primeira Revolução Acadêmica.
  33. 33. Algumas percepções A missão nos permitiu verificar a experiência que a Alemanha tem na relação entre as escolas e as empresas. Na Alemanha há uma diferenciação clara entre Universidades e Escola Superiores Técnicas. Existe valorização pela sociedade alemã do ensino técnico e uma grande confiança entre escolas e empresas, isto não ocorre no Brasil.
  34. 34. Devemos não só valorizar a titulação. Há que se valorizar também a qualificação. Por esta razão, as escolas deveriam encontrar caminhos para ter em seus quadros: profissionais com grande conhecimento do mercado de trabalho. Há que se fortalecer a relação entre a universidade e a empresa no Brasil. A ideia de o aluno de graduação ter um projeto logo no início da formação merece ser apreciada. Se no mestrado e no doutorado ele tem de ter um projeto, por que não na graduação? Levar os professores para contactar diretamente os empresários. Verificar os problemas reais das empresas e trazer para a universidade.
  35. 35. Há que se rever a legislação trabalhista no sentido de facilitar a aprendizagem em conjunto com o trabalho, protegendo tanto as empresas, as universidades, alunos aprendizes e os trabalhadores. Intensificar a credibilidade e integração entre a Academia e a Empresa, onde ambos abram suas portas um para o outro. Focalizar essa relação na dimensão da responsabilidade social das empresas, diminuindo-se as restrições e regras para o envolvimento do jovem aprendiz.
  36. 36. Desburocratizar as relações entre o aprendiz, a universidade e a empresa. As universidades devem se aproximar das empresas cuja missão esteja em consonância com sua missão. Definir como política a contratação de professores com experiência de mercado.
  37. 37. Carlos Alberto Figueiredo da Silva cafs@unisuam.edu.br

×