Carlos Darcy Alves Bersot TSA.SBA             MD RESPONSÁVEL PELO CET H.F.LAGOAMédico Anestesiologista do Hospital Federal...
Drogas Cardiovasculares: FármacosBetabloqueadoresAlfabloqueadoresAgonistas Alfa e Beta e DopaAntitrombóticosAntiarrít...
TRANSPORTE PASSIVO                1         2         3              4         Fluxo convectivo                       Difu...
TRANSPORTE ATIVO                     Primario                 Secundário                       5             6            ...
Diurético Aumenta a taxa do fluxo de urinaDiurético clinicamenteúteisAumenta a taxa de excreçãode Na+ (natriurese) e Cl-
Na+Cl                                                           H2OHCO3Na+Cl                                              ...
Farmácos Diuréticos     Diuréticos osmóticos       Manitol      UréiaInibidores da anidrase carbônica         Acetazolamin...
Farmácos Diuréticos      Diuréticos tiazídicos         Clorotiazida         Clortalidona         Hidroclorotiazida        ...
Aldosterona             Espironolactona                                           -                        Inhidores da   ...
INIBIDORES DA ANIDRASE     CARBÔNICA     Acetozolamida     Diclorfenamida     Metazolamida
INIBIDORES DA ANIDRASE CARBÔNICA                    Na+                     K+  HCO3-H2O Na+ Cl-                          ...
ANIDRASE CARBÔNICA           Mucosa        Pâncreas     OlhosSistema           gástrica                 Processosnervoso c...
ACETAZOLAMIDA              USOS TERAPÊUTICOSTratamento do edema decorrente de insuficiênciacardíaca congestiva ( + diuréti...
ANIDRASE CARBÔNICA       Humor         Acetazolamina       aquoso                           Humor aquoso                  ...
ACETAZOLAMIDA               USOS TERAPÊUTICOSPara alcalinizar a urinaNo tratamento da intoxicação por salicilatosou barbit...
INIBIDORES DA ANIDRASE CARBÔNICA        EFEITOS ADVERSOS  Trata-se de sulfonaminas aromáticas :  podem provocar discrasias...
Diuréticos de alça  Furosemida  Bumetanida Ácido etacrínico
Diuréticos de alça     Ramo ascendente espesso   Normal               Furosemida     Na +, Cl-, HCO3,      Na +, Cl-,     ...
Diuréticos de alça        HCO3                         Na+                                      Na+        Na+Cl         H...
INDICAÇÕES CLÍNICAS DOS DIURÉTICOS DE ALÇA Nos pacientes com sobrecarga de sais e água  devida a:  - Edema pulmonar agudo...
DIURÉTICOS DE ALÇAINTERAÇÕES FARMACOLÓGICASAminoglicosídicos ( Ototoxicidade)Anticoagulantes ( atividade anticoagulante)Gl...
DIURÉTICOS DE ALÇA : TOXICIDADE  Alcalose metabólica hipocalêmica  Ototoxicidade  Hiperuricemia  Hipomagnesemia  Reações a...
DIURÉTICOS DE ALÇA    CONTRA-INDICAÇÕESFurosemida e butametaminaReatividade cruzada em pacientesalérgicos a sulfonaminas
Diuréticos tiazídicos   Benzotiazida   Clorotiazida   Hidroclorotiazida   Indapamida
DIURÉTICOS TIAZÍDICOSPotássio plasmáticoGlicoseInsulinaColesterolHiperuricemiaHipomagnesemiaImpotência
INDICAÇÕES CLÍNICAS DOS DIURÉTICOS TIAZÍDICOS Na hipertensão. Na insuficiência cardíaca. Para prevenir a formação de cá...
TIAZÍDICOSINTERAÇÕES FARMACOLÓGICASReduzem os efeitos                     Anticoagulantes                     Agentes Uric...
TIAZÍDICOS: TOXICIDADEAlcalose metabólica hipocalêmicae hiperuricemiaDistúrbio da tolerância aos carboidratosHiperlipidemi...
Diuréticos poupadores de potássioInibidores dos canais de Na+ no epitelio renal              Amilorida              Triamt...
Aldosterona         +Na+   K+   H2O   Na+       -         Na+           K+                         Cl                Cl   ...
DIURÉTICOS QUE POUPAM POTÁSSIO          TOXICIDADE     Hipercalemia     Acidose metabólica hiperclêmica     Ginecomastia  ...
DIURÉTICOS OSMÓTICOS     Glicerina     Isossorbida     Manitol     Uréia
DIURÉTICOS OSMÓTICOSSão agentes que são livremente filtradosno gloméruloSofrem reabsorção limitada pelo túbulorenalSão rel...
DIURÉTICOS OSMÓTICOSLIC   LEC   PlasmaH2O                            NaCl                                          NaCl   ...
DIURÉTICOS OSMÓTICOS             água   águaDiuréticos             Edema cerebralOsmóticos              Massa cerebral    ...
DIURÉTICOS OSMÓTICOS           VIAS DE ADMINISTRAÇÃOIsossorbida Via oral (glaucoma agudo oftalmoló-            gicas      ...
DIURÉTICOS OSMÓTICOS          INDICAÇÕES CLÍNICASReduzir a pressão do líquido cefalorraquidianoReduzem transitoriamente a ...
DIURÉTICOS OSMÓTICOS        TOXICIDADEExpansão do volume Extracelular(descompensação em pacientes com ICC)Hipernatremia (p...
ANTI – ARRHYTHMIC DRUGS  Cardiac Arrhythmias:    - 25% treated with digitalis    - 50% anesthetized patients    - 80% pati...
Potencial de membrana em repouso    Na+     Na+  Ca++                            Ca++   140mM   10mM                      ...
1 2  0 mV                                 3          0                                         Correntes de               ...
PA. resposta rápida             PA. resposta lenta  membrana (mV)                 1                                    2  ...
Canal de sódio cardíacoRepouso         Ativado        Inativado    Na +            Na +            Na +    +              ...
Nó SA    Nó AV   Atrio            Nodo AV              Purkinje             Músculo            ventricular                ...
MECANISMOS DE ARRITMOGÊNESEGERAÇÃO ANORMAL DE IMPULSOSRitmo automáticoAutomaticidade normal aumentadaAutomaticidade anorma...
Freqüência do marca-passo sinusal                         normal      20                           Vagal       0          ...
Sistema de condução                        RamificaçãoseptoParede livre                  Condução normal
Sistema de condução                 Impulso para diante obstruídoRamificação                         e extinguido         ...
Sistema de condução        Impulso retrógrado Regiãodeprimida                     Região                             depri...
I. Drugs with direct membrane action (e.g., Na channel blockade       A. moderate phase 0 depression       B. minimal phas...
Fármacos do             Sem                          fármaco               Grupo IA      Grupo IABloqueiam os canais      ...
Fármacos do Grupo IA: Quinidina - ProcainamidaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação              Grupo...
QUINIDINA                   IndicaçõesA tentativa de conversão farmacológica do flutter oufibrilação atriais*Cardioversão ...
QUINIDINAEFEITOS COLATERAIS:GI: Diarréia, naúseas, cefaléiaBloq. : Vasodilataçãosimpática (bloq. musc.) taquicardia sinu...
Procainamida- Derivado do anestésico local procaína- Classe IA, assim como quinidina- Não prolonga o intervalo QT- Interag...
Fármacos do                                   Grupo IB  Grupo IB        Sem                fármaco                        ...
Fármacos do       Grupo IB                                  Grupo IB                              Sem                     ...
Fármacos do Grupo IB: LidocaínaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação                  Grupo IBPeríodo ...
LlDOCAÍNA                       Uso clínicoDeve a lidocaína ser administrada rotineiramente atodos os pacientes com IAM ?R...
LlDOCAÍNA                     Uso clínicoQuando pode ser usada ?Quando taquicardias interferirem gravemente noestado hemod...
Farmacocinética: LidocaínaDose IV:    75-100mg depois 2-4 mg/min por 24-30hDisponibilidade sistêmica (%): BaixoLigado a pr...
LlDOCAÍNAEFEITOS COLATERAIS:Sonolência,     tontura,     dislalia,parestesia, confusão mental, delírio,depressão respirató...
LlDOCAÍNAPRECAUÇÕES:             Idosos       Insuficiência renal     Insuficiência hepática            ChoqueCONTRAINDICA...
Fármacos do             Sem                  Grupo IC      Grupo IC            fármaco                               0 mV ...
Fármacos do         Sem                  Grupo IC      Grupo IC        fármaco                           0 mVBloqueiam os ...
Fármacos do Grupo IC: Flecainida, propafenonaPotentes inibidores do canal rápido de sódioDepressão acentuada da parte asce...
Fármacos do Grupo IC: FlecainidaTaxa máxima de despolarização                                            Grupo ICDuração d...
FlecainidaIndicações:- Taquicardia ventriculares prolongada com com risco  de vida- Taquicardias supraventricular paroxíst...
Fármacos do Grupo II: Antagomistas -adrenérgicosDiminuem a despolarização na fase 4, deprimindoassim ou automatismo prolo...
TabagismoCafé em excesso         Batimentos ectópicos atriais   Ansiedade“Estresse” (dor)Feocromocitoma                   ...
PROPRANOLOL; ATENOLOLEFEITOS COLATERAIS:     INOTROPISMO negativo    CRONOTROPISMO negativo        Bradicardia Sinusal    ...
PROPRANOLOL; ATENOLOLPRECAUÇÕES:              CONTRAINDICAÇÕES:Idosos                      IC c/ VEInsuficiência renal    ...
Fármacos do                  Sem    Grupo III                fármaco                  Grupo III                           ...
Fármacos do            Sem   Grupo III          fármaco                  Grupo III                             0 mVBloquei...
Fármacos do Grupo III: SotalolTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de açãoPeríodo refratário efetivo         ...
Fármacos do Grupo III: AmiodaronaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de açãoPeríodo refratário efetivo      ...
Sotatalol e Amiodarona: Indicações possíveis                   Batimentos ectópicos   Recidivas da FAS>A                  ...
Satalol        AmiodaromaMecanismo de ação      Classes II, III Classes I, III(II, IV)Dose                    Aumentar    ...
Fármacos do Grupo IV: Verapamil - DiltiazemBloqueadores de canais de cálcioDiminuem a corrente de entradaprovocada pelo cá...
Fármacos do Grupo IV: VerapamilTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação                                  ...
Fármacos do Grupo IV: Verapamil - Diltiazem               Indicações terapêuticasSão mais efetivos nas arritmias atrais qu...
BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO               EFEITOS COLATERAIS   VERAPAMIL                      DILTIAZEM      8-10%   ...
BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO  CONTRAINDICAÇÕES          Disfunção VE           Hipotensão         Falência cardíaca   ...
Fármacos do Grupo IV: AdenosinaÉ um nucleosídeo de ocorrência naturalProduz abertura dos canis de potássio e e inibiçãodo ...
Resumo: AntiarritmicosLidocaína.- Uso intravenoso nas taquicardiasventriculares pós infarto ou per-operatórias.Propanolol ...
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Cardiovascular Pharmacology
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cardiovascular Pharmacology

1.580 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cardiovascular Pharmacology

  1. 1. Carlos Darcy Alves Bersot TSA.SBA MD RESPONSÁVEL PELO CET H.F.LAGOAMédico Anestesiologista do Hospital Federal da Lagoa - SUSMédico Anestesiologista do Hospital Universitário Pedro Ernesto-UERJ
  2. 2. Drogas Cardiovasculares: FármacosBetabloqueadoresAlfabloqueadoresAgonistas Alfa e Beta e DopaAntitrombóticosAntiarrítmicosDiuréticosInibidores da ECA e antag.Angio IIAntagonistas dos canais de cálcioGlicosídeos cardíacosVasodilatadoresVasopressinaNitratosInibidores da Fosfodiesterases
  3. 3. TRANSPORTE PASSIVO 1 2 3 4 Fluxo convectivo Difusão desoluto (unitransporte) Difusão mediada (dragagem pelo mediada (facilitada) por solvente) Difusão por canal transportador CCC AAA simplesCCCC AAAA A A A CC AACCCC BB AMembrana celular CC BBB AA B BBB BBBB H2O BBB
  4. 4. TRANSPORTE ATIVO Primario Secundário 5 6 7 Transporte Sintransport Antitransporte ATP-- mediado e (Contransporte) CCC AAA (transporte)CCCC AAAA A CC AACCCC BB A CMembrana celular CC BBB AA B BBB BBBB ATP ADP A A BBB
  5. 5. Diurético Aumenta a taxa do fluxo de urinaDiurético clinicamenteúteisAumenta a taxa de excreçãode Na+ (natriurese) e Cl-
  6. 6. Na+Cl H2OHCO3Na+Cl K+ +H H2O K+ A. ácidos FosfatoGlicose Na+Cl Cl- HCO3 Na+Cl H2O H2O K+ H+ NH2
  7. 7. Farmácos Diuréticos Diuréticos osmóticos Manitol UréiaInibidores da anidrase carbônica Acetazolamina Diuréticos de alça Bumetanida Furosemida Ácido etacrínico Torsemida
  8. 8. Farmácos Diuréticos Diuréticos tiazídicos Clorotiazida Clortalidona Hidroclorotiazida Indapamida MetolazonaDiuréticos poupadores de potássio Amilorida Espironolactona Triamtereno
  9. 9. Aldosterona Espironolactona - Inhidores da anidrasa Tiazidas Amilorida e carbonica triantereno - - H+ - + - K+ H+ 1 2 4 5 6 Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ DiuréticosDiuréticososmóticos 3 - de alça Cl-- Cl
  10. 10. INIBIDORES DA ANIDRASE CARBÔNICA Acetozolamida Diclorfenamida Metazolamida
  11. 11. INIBIDORES DA ANIDRASE CARBÔNICA Na+ K+ HCO3-H2O Na+ Cl- Acidose metabólica 65% hiperclorêmica HCO3- - Cl Na+ Cl- Cl- pH= ~ 8 HCO3- (++) 35% carga H2O Na+ (+) filtrada K+ (++) Cl- (+) Fosfato
  12. 12. ANIDRASE CARBÔNICA Mucosa Pâncreas OlhosSistema gástrica Processosnervoso central ciliares formação HCO3 (humor aquoso)
  13. 13. ACETAZOLAMIDA USOS TERAPÊUTICOSTratamento do edema decorrente de insuficiênciacardíaca congestiva ( + diurético alça)Glaucoma de ângulo aberto, glaucoma secundárioe no período pré-operatorio no glaucoma de ângulofechadoEpilepsia (rápido desenvolvimento de tolerânçia)Mal-das montanhas agudo (medida profilática)
  14. 14. ANIDRASE CARBÔNICA Humor Acetazolamina aquoso Humor aquoso Pressão Intra-ocular Glaucoma de ângulo aberto, glaucoma secundário e no período pré-operatorioProcessos no glaucoma de ângulo ciliares fechado
  15. 15. ACETAZOLAMIDA USOS TERAPÊUTICOSPara alcalinizar a urinaNo tratamento da intoxicação por salicilatosou barbitúricosEm combinação com HCO3- para mater oequilíbrio eletrolítico
  16. 16. INIBIDORES DA ANIDRASE CARBÔNICA EFEITOS ADVERSOS Trata-se de sulfonaminas aromáticas : podem provocar discrasias sanguíneas , alergias (raros) Acidose metabólica hiperclorêmica Cálculos renais (fosfato de cálcio) Perda renal de potássio Sonolência Parestesias
  17. 17. Diuréticos de alça Furosemida Bumetanida Ácido etacrínico
  18. 18. Diuréticos de alça Ramo ascendente espesso Normal Furosemida Na +, Cl-, HCO3, Na +, Cl-, K+, Ca++, Mg++. HCO3, K+, Ca++,Hipoosmótico Mg++.
  19. 19. Diuréticos de alça HCO3 Na+ Na+ Na+Cl H2O H+ K+ H+ K+ H+ K+ H2O Na+Cl- Alcalose H2O Hipocalêmica Na+ K+ Cl- K+ K+* (25% Carga H2O(+++) + (++)* Na - filtrada) K+ (++) Ca++ (++) Cl (++) H+ (+) Mg++ (++)
  20. 20. INDICAÇÕES CLÍNICAS DOS DIURÉTICOS DE ALÇA Nos pacientes com sobrecarga de sais e água devida a: - Edema pulmonar agudo - Insuficiência cardíaca crônica - Cirrose hepática complicada por ascite - Síndrome nefrótica - Insuficiência renal Na hipertensão, especialmente quando acompanhada por deterioração renal. No tratamento agudo de hipercalcemia
  21. 21. DIURÉTICOS DE ALÇAINTERAÇÕES FARMACOLÓGICASAminoglicosídicos ( Ototoxicidade)Anticoagulantes ( atividade anticoagulante)Glicosídicos digitálicos ( arritmias por digitálicos)Litío ( níves plasmáticos de lítio)Propanolol ( níves plasmáticos de propanolol)Sulfoniluréas (hiperglicemia)AINE ( resposta diurética reduzida)Cisplatina (ototoxicidade)Tiazídicos (sinergismo)
  22. 22. DIURÉTICOS DE ALÇA : TOXICIDADE Alcalose metabólica hipocalêmica Ototoxicidade Hiperuricemia Hipomagnesemia Reações alérgicas Desidratação intensa
  23. 23. DIURÉTICOS DE ALÇA CONTRA-INDICAÇÕESFurosemida e butametaminaReatividade cruzada em pacientesalérgicos a sulfonaminas
  24. 24. Diuréticos tiazídicos Benzotiazida Clorotiazida Hidroclorotiazida Indapamida
  25. 25. DIURÉTICOS TIAZÍDICOSPotássio plasmáticoGlicoseInsulinaColesterolHiperuricemiaHipomagnesemiaImpotência
  26. 26. INDICAÇÕES CLÍNICAS DOS DIURÉTICOS TIAZÍDICOS Na hipertensão. Na insuficiência cardíaca. Para prevenir a formação de cálculos recidivantes na hipercalciúriaidiopática. No diabetes insipidus nefrogênico.
  27. 27. TIAZÍDICOSINTERAÇÕES FARMACOLÓGICASReduzem os efeitos Anticoagulantes Agentes Uricosúricos Sulfoniluréias InsulinaAumenta os efeitos Anestésicos Diazoxida Glicosídicos digitálicos Lítio, ViT D
  28. 28. TIAZÍDICOS: TOXICIDADEAlcalose metabólica hipocalêmicae hiperuricemiaDistúrbio da tolerância aos carboidratosHiperlipidemiaHiponatremiaReações alérgicasFraqueza, fatiga, parestesias
  29. 29. Diuréticos poupadores de potássioInibidores dos canais de Na+ no epitelio renal Amilorida TriamterenoAntagonistas do receptor mineralocorticóide Espironolactona
  30. 30. Aldosterona +Na+ K+ H2O Na+ - Na+ K+ Cl Cl - Na+ H2O Cl- K+ + - Cl HAD
  31. 31. DIURÉTICOS QUE POUPAM POTÁSSIO TOXICIDADE Hipercalemia Acidose metabólica hiperclêmica Ginecomastia Insuficiência reanl aguda Cálculos renais
  32. 32. DIURÉTICOS OSMÓTICOS Glicerina Isossorbida Manitol Uréia
  33. 33. DIURÉTICOS OSMÓTICOSSão agentes que são livremente filtradosno gloméruloSofrem reabsorção limitada pelo túbulorenalSão relativamente inertes ao nível farma-cológico
  34. 34. DIURÉTICOS OSMÓTICOSLIC LEC PlasmaH2O NaCl NaCl FSRH2O FS Mg Cl- 2+ H 2O medular Volume H2O (+++) Viscosidade Na2+ (++) K+ (+) Renina Ca2+ (+) Mg2+ (++) PGEs Cl- (+) HCO3- (+) Diuréticos Osmóticos fosfato
  35. 35. DIURÉTICOS OSMÓTICOS água águaDiuréticos Edema cerebralOsmóticos Massa cerebral antes e após neurocirurgia
  36. 36. DIURÉTICOS OSMÓTICOS VIAS DE ADMINISTRAÇÃOIsossorbida Via oral (glaucoma agudo oftalmoló- gicas para emergências de ângulo fechadoManitol Via intravenosa, não é bem absorvido pelo trato gastrointestinal Não metabolizado
  37. 37. DIURÉTICOS OSMÓTICOS INDICAÇÕES CLÍNICASReduzir a pressão do líquido cefalorraquidianoReduzem transitoriamente a pressão intra-ocularUtilizados como adjuvantes na prevenção ou notratamento da oligúria e da anúriaProfilaticamente para a insuficiência renal aguda(cirurgias cardiovasculares, tratamento do câncercom agentes nefrotoxicos, reações transfucionaishemoliticas )- manitol
  38. 38. DIURÉTICOS OSMÓTICOS TOXICIDADEExpansão do volume Extracelular(descompensação em pacientes com ICC)Hipernatremia (perda de água superior)Desidratação
  39. 39. ANTI – ARRHYTHMIC DRUGS Cardiac Arrhythmias: - 25% treated with digitalis - 50% anesthetized patients - 80% patients with AMI  reduced cardiac output  drugs or nonpharmacologic: - pacemaker, cardioversion, catheter ablation, surgery
  40. 40. Potencial de membrana em repouso Na+ Na+ Ca++ Ca++ 140mM 10mM 2mM K+ K+ 4mM 135mM Receptores Cl- Cl- Adrenérgicos EM = -90 mV Muscarínicos 2K+ Adenosina 3Na+ Na+ Ca++
  41. 41. 1 2 0 mV 3 0 Correntes de canais distólicas 4-85 mV Na+ Ca2+ Na+ Na+ Na+ Ca2+Externomembrana ATP ATPInterno K+ Ca2+ K+ K+, Cl- Correntes de canais Bomba Troca
  42. 42. PA. resposta rápida PA. resposta lenta membrana (mV) 1 2 0 Potencial de 0 3 0 -50 3 4 4 -100relativa da membrana 10.0 Na+ Permeabilidade Ca2+ Ca2+ K+ Na+ K+ 1.0 0.1 0 0.15 0.30 Tempo (sec) 0 0.15 0.30
  43. 43. Canal de sódio cardíacoRepouso Ativado Inativado Na + Na + Na + + + m m m RR R h h Droga + Droga Na
  44. 44. Nó SA Nó AV Atrio Nodo AV Purkinje Músculo ventricular P T QRS
  45. 45. MECANISMOS DE ARRITMOGÊNESEGERAÇÃO ANORMAL DE IMPULSOSRitmo automáticoAutomaticidade normal aumentadaAutomaticidade anormalRitmo induzidoPós-despolarizações precocesPós-despolarizações tardias
  46. 46. Freqüência do marca-passo sinusal normal 20 Vagal 0 simpático - 20mV - 40 - 60 - 80 Segundos
  47. 47. Sistema de condução RamificaçãoseptoParede livre Condução normal
  48. 48. Sistema de condução Impulso para diante obstruídoRamificação e extinguido Região deprimida Condução decrescente eCondução normal bloqueio do impulso anterógrad
  49. 49. Sistema de condução Impulso retrógrado Regiãodeprimida Região deprimidaImpulso retrógrado conduzido Circuito de reentrada através da região deprimida estabelecido
  50. 50. I. Drugs with direct membrane action (e.g., Na channel blockade A. moderate phase 0 depression B. minimal phase 0 depression, usually shorten repolarization C. marked phase 0 depression, little effect on repolarizationII. Sympatholytic drugsIII. Drugs that prolong repolarizationIV. Calcium channel blockersFor a less arbitrary classification based on arrhythmogenic mechanisms and potentially vulnerable parameters, see the report of the Task Force of the Working Group on Antiarrhythmias of the European Society of Cardiology, Circulation 84: 1831-1851, 1991
  51. 51. Fármacos do Sem fármaco Grupo IA Grupo IABloqueiam os canais 0 mVde sódio abertos ouinativadosTaxa de associação Fase 0 Fase 3Intermediária com INa Período IK refratárioos canais de sódio efetivoEncurtam a despolari- - 85 mVção na Fase 0Prolongam o potencial Na+ Ca2+ Na+ Ca2+de ação L. ext.Diminuem a condução L. int. K+ K+
  52. 52. Fármacos do Grupo IA: Quinidina - ProcainamidaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação Grupo IAPeríodo refratário efetivoCondução AVContratilidade
  53. 53. QUINIDINA IndicaçõesA tentativa de conversão farmacológica do flutter oufibrilação atriais*Cardioversão química,deve-se combiná-la a verapamilou digoxina ( para impedir a maior condução pelonódulo AV quando a freqüência atrial se reduz e oefeito anticolinérgico se evidencia)Eficaz, mas não é fármaco ideal para diminuir asrecidivas de taquicardias supraventriculares etaquicardias ventriculares recorrentes
  54. 54. QUINIDINAEFEITOS COLATERAIS:GI: Diarréia, naúseas, cefaléiaBloq. : Vasodilataçãosimpática (bloq. musc.) taquicardia sinusal eVc NAV ( taxa ventricular no FA)Hipersensibilidade: febre, rash cutâneo,plaquetopenia, agranulocitose, hepatite, lúpusPró-arritmias: Taquicardia sinusal, Torsadesde pointes, mortalidade.
  55. 55. Procainamida- Derivado do anestésico local procaína- Classe IA, assim como quinidina- Não prolonga o intervalo QT- Interage menos com os receptores muscarínicosIndicações:- Arritmias supraventriculares e ventriculares Utilizada na prevenção em taquicardias ventriculares agudas (infarto agudo de miocárdio)- Pode efetuar cardioversão da fibrilação atrialEfeitos colaterais:-Hipotensão á administração IV-Limitar uso rolar a 6 meses (lúpus)
  56. 56. Fármacos do Grupo IB Grupo IB Sem fármaco Fase 3IK Lidocaína INa Fenitoína Fase 0 INa Período refratário efetivo Mexiletina Tocainida Na+ Ca2+ Na+ Ca2+ L. ext. L. int. K+ K+
  57. 57. Fármacos do Grupo IB Grupo IB Sem fármacoBloqueiam os canais Fase 3 IKde sódio abertos ouinativados INaApresentam rápida Fase 0taxa de associação INa Períodocom os canais de sódio refratário efetivoEncurtam a repolariza-ção na Fase 3 Na+ Ca2+ Na+ Ca2+Diminuem a duração L. ext.do potencial de ação L. int. K+ K+
  58. 58. Fármacos do Grupo IB: LidocaínaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação Grupo IBPeríodo refratário efetivoCondução AVContratilidade Sem fármaco
  59. 59. LlDOCAÍNA Uso clínicoDeve a lidocaína ser administrada rotineiramente atodos os pacientes com IAM ?Resposta é cada vez não (freqüência atualmente baixada fibrilação ventriculaor, devido ao uso terapia trombo-litica e do bloqueio beta)Deve a lidocaína ser usada rotineiramente antes detentar-se a desfibrilaçào de taquicardias ventricularesResposta é não - quaisquer beneficios são canceladospela maior demora na realização da desfibrilação
  60. 60. LlDOCAÍNA Uso clínicoQuando pode ser usada ?Quando taquicardias interferirem gravemente noestado hemodinâmico de pacientes com IAM(especialmente quando já em uso de -bloqueadores)e durante cirurgia cardíaca ou anestesia geralQuando não se deve usar lidocaína ?“Profilaticamente ou na presença de bradicardia oubradicardias mais taquiarritmias ventriculares, quandose necessita de atropina (ou marcapasso) e não delidocaína
  61. 61. Farmacocinética: LidocaínaDose IV: 75-100mg depois 2-4 mg/min por 24-30hDisponibilidade sistêmica (%): BaixoLigado a proteínas plasmáticas: 60%Faixa terapêutica: 1,4-5 g/ml; tóxico > 9g/mlMedia-vida: 1,2-2 hVia de excreção: Hepática
  62. 62. LlDOCAÍNAEFEITOS COLATERAIS:Sonolência, tontura, dislalia,parestesia, confusão mental, delírio,depressão respiratória, convulsão, Bradicardia, hipotensão Febre, rash cutâneo, choque anafilático
  63. 63. LlDOCAÍNAPRECAUÇÕES: Idosos Insuficiência renal Insuficiência hepática ChoqueCONTRAINDICAÇÕES: Insuficiência hepática GRAVE Hipersensibilidade Bloqueio AV SEVERO
  64. 64. Fármacos do Sem Grupo IC Grupo IC fármaco 0 mV Flecainida Fase 0 Fase 3 Propafenona INa IK Período Moricina* refratário efetivo - 85 mV Na+ Ca2+ Na+ Ca2+* propriedades das L. ext.classes IC e IB”mistas” L. int. K+ K+
  65. 65. Fármacos do Sem Grupo IC Grupo IC fármaco 0 mVBloqueiam os canaisde sódio abertos ouinativados Fase 0 Fase 3Apresentam lentataxa de associação INa IK Períodocom os canais de refratário efetivosódio - 85 mVDiminuem acetuada-mente a despolari- Na+ Ca2+ Na+ Ca2+zação na Fase 0 L. ext. L. int. K+ K+
  66. 66. Fármacos do Grupo IC: Flecainida, propafenonaPotentes inibidores do canal rápido de sódioDepressão acentuada da parte ascendente dopotencial de ação cardíacoEfeito inibitório sobre condução His - Purkinje,com alargamento do QRSReduzem acentuadamente a duração do potencialde ação tão -somente das fibras de Purkinge dei-xando inalterada aquela do miocardio circunvezinoOs efeitos pró-arrítmicos limitam o uso
  67. 67. Fármacos do Grupo IC: FlecainidaTaxa máxima de despolarização Grupo ICDuração do potencial de açãoPeríodo refratário efetivoCondução AVContratilidade Sem fármaco
  68. 68. FlecainidaIndicações:- Taquicardia ventriculares prolongada com com risco de vida- Taquicardias supraventricular paroxística, incluído arritmias WPW e flutter o u fibrilação atriais paroxís- ticos em pacientes com uma patologia estruturalEfeitos colaterais:Agravamento de arrítmia ventriculares em 5-12%Tontura, visão borrada, cefaléia e náuseaContraindicada na ausência de TV ou TSV com risco devida, Bloqueio de ramo direito e hemibloqueio anterioresquerdo e síndrome de doença sinusal.
  69. 69. Fármacos do Grupo II: Antagomistas -adrenérgicosDiminuem a despolarização na fase 4, deprimindoassim ou automatismo prolongando a condução AVe diminuindo a freqüência cardíaca e a contratilidadeTem um conceito positivo na redução da mortalidadepós-IMIndicações:- Taquicardias sinusais inadequadas ou indesejadas- Taquicardias atriais paroxísticas provocadas por emociones ou pelo exercício- Arritmias ventriculares induzidas pelo exercício- Arritmias do feocromocitoma- Síndrome de prolongamento hereditário QT
  70. 70. TabagismoCafé em excesso Batimentos ectópicos atriais Ansiedade“Estresse” (dor)Feocromocitoma Não na SA Anestésicos WPW Exercícos TSVP TV 1 prolongada simpático Batimentos ectópicos ventriculares isquemia Profilaxia pós-infarto
  71. 71. PROPRANOLOL; ATENOLOLEFEITOS COLATERAIS: INOTROPISMO negativo CRONOTROPISMO negativo Bradicardia Sinusal Bloqueio AVSNC: Fadiga, depressão, sonolência, alucinações e pesadelos Broncoespasmo
  72. 72. PROPRANOLOL; ATENOLOLPRECAUÇÕES: CONTRAINDICAÇÕES:Idosos IC c/ VEInsuficiência renal BradicardiaInsuficiência hepática Sinusal severaRetirar lentamente Bloqueio AVpodendo precipitar Asmaangina ou IAMHipoglicemiaDiabetes mellitus
  73. 73. Fármacos do Sem Grupo III fármaco Grupo III 0 mV Fase 3 Amilodarona* Fase 0 Satalol* INa IK Período refratário Bretílio efetivo - 85 mV Na+ Ca2+ Na+ Ca2+* propriedades das L. ext.classes IC e IB”mistas” L. int. K+ K+
  74. 74. Fármacos do Sem Grupo III fármaco Grupo III 0 mVBloqueiamos canais Fase 3 Fase 0de potássio INa IK PeríodoProlongam a refratário efetivorepolarização - 85 mVna Fase 3 sem Na+ Ca2+ Na+ Ca2+alterar a Fase 0 L. ext. L. int. K+ K+
  75. 75. Fármacos do Grupo III: SotalolTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de açãoPeríodo refratário efetivo Grupo IIICondução AVContratilidade Sem fármaco
  76. 76. Fármacos do Grupo III: AmiodaronaTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de açãoPeríodo refratário efetivo Grupo IIICondução AVContratilidade Sem fármaco
  77. 77. Sotatalol e Amiodarona: Indicações possíveis Batimentos ectópicos Recidivas da FAS>A - - - WPW TSVP - TV - prolongadaProfilaxia pós-infarto - - Batimentos ectópicos -
  78. 78. Satalol AmiodaromaMecanismo de ação Classes II, III Classes I, III(II, IV)Dose Aumentar Carga, dep. reduz.TVS ++ ++FA recorrente + ++Arritmias WPW + ++TV incessante ++ ++Pós-infarto inicial +,+/0 ++Pós-infarto tardio ++ ++Pró arritmia tarsades 4% tarsades ou outras pró-arritmias 2-5%Outros efeitos fadiga,bradicar- muito comuns 75%adversos dia, dispnéia com dose >400 mg
  79. 79. Fármacos do Grupo IV: Verapamil - DiltiazemBloqueadores de canais de cálcioDiminuem a corrente de entradaprovocada pelo cálcio, resultando Grupo IVna diminuição da taxa de despola-rização espontânea da fase 4 eretardandamento da condução em tecidos dependentesde correntesde cálcio , como o nó AVInibem a condução de canis lentosatravés do nódulo AV Sem fármaco
  80. 80. Fármacos do Grupo IV: VerapamilTaxa máxima de despolarizaçãoDuração do potencial de ação Grupo IVPeríodo refratário efetivoCondução AVContratilidade Sem fármaco
  81. 81. Fármacos do Grupo IV: Verapamil - Diltiazem Indicações terapêuticasSão mais efetivos nas arritmias atrais que nasventricularesÚtiles no tratamento da taquicardia supra ventricularreentrante e na redução da freqüência ventricular dosflutter e fibrilação atriais ( mas não nas arritmias da WPW)
  82. 82. BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO EFEITOS COLATERAIS VERAPAMIL DILTIAZEM 8-10% 2-5%Importante:ContratilidadeModerada: Hipotensão, Discreta: hipotensão,bloqueio AV, edema edema, bloqueio AVDiscreta: Cefaléia, e depr. cardíaca constipação
  83. 83. BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO CONTRAINDICAÇÕES Disfunção VE Hipotensão Falência cardíaca Bloqueio AV severo
  84. 84. Fármacos do Grupo IV: AdenosinaÉ um nucleosídeo de ocorrência naturalProduz abertura dos canis de potássio e e inibiçãodo nódulo AS e especialmente do nódulo AVIndicaçõesA principal indicação é TSV com complexos estrei(Taquicardia reentrante nodal AV. Taquicardias AVWPW)Efeitos colaterais:Apresenta biaxa toxicidade, poren cuasa rubor, dono peito e hipotensão
  85. 85. Resumo: AntiarritmicosLidocaína.- Uso intravenoso nas taquicardiasventriculares pós infarto ou per-operatórias.Propanolol e atenolol.- Uso oral nastaquicardias supra por “stress”, Uso venosonas taqui. Ventric. Pós infarto.Amiodarona e Soltalol.- Uso oral o IV emtaquiarritmias atriais e ventricularesDisopiramida e quinidina.- Efeito atropínico.Uso na fibrilação atrial.Verapanil e Diltiazem.- Uso nas taquiarritmiassupraventriculares e fibrilação atrial

×