SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Campus SPP
2º ano do Ensino Médio Integrado
Profº MsC. Carlos Augusto Cabral Kramer
1
LEI DE AÇÃO DAS MASSAS
Definição| Determinação Experimental|
A INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO NA VELOCIDADE
2
Muitos fatores influenciam a velocidade de uma reação
química
TEMPERATURA
ÁREA
SUPERFICIAL
CATALISADORES
PRESSÃO
CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES
Peter Waage
C. Maximilian Guldberg
“A velocidade de uma reação é proporcional ao produto
(matemático) das concentrações elevadas às potencias
experimentais determinadas”
1867
EQUAÇÃO DA VELOCIDADE
3
aA + bB cC + dD
V = K[A]x.[B]y
VELOCIDADE
CONSTANTE
CINÉTICA
CONCENTRAÇÕES DOS
REAGENTES
POTÊNCIAS
EXPERIMENTAIS
EQUAÇÃO DA VELOCIDADE
4
2H2(g) + O2(g) 2H2O(g)
V = K[H2(g)]x.[O2(g)]y
Exemplo: Reação de formação da água
DETERMINAÇÃO DAS POTÊNCIAS EXPERIMENTAIS
5
aA + bB + cC dD
V = K[A]x.[B]y.[C]z
Experimento [A], mol/l [B], mol/l [C], mol/l Velocidade de formação de D,
mol/l.s
1 1 1 1 5
2 2 1 1 10
3 1 2 1 20
4 1 1 2 5
Único caminho é estudando a variação das velocidades com as
concentrações
DETERMINAÇÃO DAS POTÊNCIAS EXPERIMENTAIS
6
V = K[A]¹.[B]2.[C]0
Ou resumidamente
V = K[A].[B]2
Experimento [A], mol/l [B], mol/l [C], mol/l Velocidade de formação de D,
mol/l.s
1 1 1 1 5
2 2 1 1 10
3 1 2 1 20
4 1 1 2 5
Avaliando as variações da velocidade com as concentrações, tem-se que a
velocidade dobra ao dobrar a concentração A, logo, x=1,
A velocidade quadruplica ao dobrar B (2² vezes) , logo, y=2 e
A velocidade não é alterado como a alteração da concentração de C, logo, z=0.
Ordem 1 em relação a A,
Ordem 2 em relação a B
Ordem 0 em relação a C
Ordem da reação igual a 3
MECANISMO DAS REAÇÕES
7
Reação
Elementar Não Elementar
Acontecem em apenas uma etapa Acontecem em mais de uma
etapa
Os coeficientes experimentais são
semelhantes aos coeficientes
estequiométricos
Os coeficientes experimentais NÃO
são semelhantes aos coeficientes
estequiométricos
3A + 2B C + 2D (Reação global)
(Acontece em uma etapa)
Logo: V = K[A]³.[B]²
3A + 2B C + 2D (Reação global)
Acontecendo em duas etapas
1ª etapa: 3A Z (etapa lenta)
2ª etapa: Z + 2B C + 2D (etapa
rápida)
Logo: V = K[A]x.[B]y
MECANISMO DAS REAÇÕES
8
2 NO(g) + Br2(g) → 2NOBr(g)
Com a tabela abaixo, encontre o valor da constante cinética
Exemplo 1: Sabendo que a reação abaixo é elementar, determine a lei
de velocidade.
MECANISMO DAS REAÇÕES
9
Exemplo 2: A reação abaixo ocorre em duas etapas. Qual a lei de
velocidade? Determine a constante cinética.
CO + NO2 → CO2 + NO
Etapa 1 (lenta): NO2(g) + NO2(g) → NO3(g) + NO(g)
Etapa 2 (rápida):NO3(g) + CO(g) → CO2(g) + NO2(g)
EXERCÍCIOS
10
01 - Um determinado defensivo agrícola, quando exposto ao meio ambiente, decompõe-se
através de uma reação química. Considerando que a velocidade de decomposição medida em
laboratório apresentou os resultados a seguir:
Analise as afirmativas a seguir:
( ) A decomposição deste defensivo segue
uma cinética de segunda ordem.
( ) O tempo para que a concentração do
defensivo se reduza a valores desprezíveis
independe da sua concentração inicial.
( ) A constante de decomposição do defensivo
é de 0,02mês-1
( ) A velocidade inicial de decomposição do
defensivo é de 0,006g/l/mês para uma
concentração inicial de 0,3g/l.
EXERCÍCIOS
11
02 - O óxido nítrico (NO), produzido pelo sistema de exaustão de jatos supersônicos, atua na
destruição da camada de ozônio através de um mecanismo de duas etapas, a seguir
representadas:
(1) NO(g) + O3(g)  NO2(g) + O2(g);
(2) NO2(g) + O(g)  NO(g) + O2(g)
Assinale as alternativas corretas
( ) A reação total pode ser representada pela equação: O3(g) + O(g)  2O2(g)
( ) No processo total, o NO é um catalisador da reação
( )Sendo V = k [O3][O] a expressão de velocidade para o processo total, a reação é dita de
primeira ordem com relação ao ozônio e ordem 1 para a reação global
EXERCÍCIOS
12
02 - O óxido nítrico (NO), produzido pelo sistema de exaustão de jatos supersônicos, atua na
destruição da camada de ozônio através de um mecanismo de duas etapas, a seguir
representadas:
(1) NO(g) + O3(g)  NO2(g) + O2(g);
(2) NO2(g) + O(g)  NO(g) + O2(g)
Assinale as alternativas corretas
( ) A reação total pode ser representada pela equação: O3(g) + O(g)  2O2(g)
( ) No processo total, o NO é um catalisador da reação
( )Sendo V = k [O3][O] a expressão de velocidade para o processo total, a reação é dita de
primeira ordem com relação ao ozônio e ordem 1 para a reação global
EXERCÍCIOS
13
03 (Fuvest) - Em solução aquosa ocorre a transformação:
Em quatro experimentos, mediu-se o tempo decorrido para a formação de mesma
concentração de I2‚ tendo-se na mistura de reação as seguintes concentrações iniciais de
reagentes:
Esses dados indicam que a velocidade da reação considerada depende apenas da
concentração de:
a) H‚O‚ e I- b) H‚O‚ e H+ c) H2O2 d) H+. e) I-.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Karol Maia
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slidesMicaela Neiva
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasKátia Elias
 
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
Lista de exercicios   reações de oxidação e reduçãoLista de exercicios   reações de oxidação e redução
Lista de exercicios reações de oxidação e reduçãoProfª Alda Ernestina
 
Propriedades periodicas
Propriedades periodicas Propriedades periodicas
Propriedades periodicas cmdantasba
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrNewton Silva
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoJosé Nunes da Silva Jr.
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsThiago
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesMarilena Meira
 
Físico-química aula 1
Físico-química aula 1Físico-química aula 1
Físico-química aula 1Biomedicina_
 
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaEstrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaProfª Alda Ernestina
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuFernando Abreu
 

Mais procurados (20)

Balanceamento de equações
Balanceamento de equaçõesBalanceamento de equações
Balanceamento de equações
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
Lista de exercicios   reações de oxidação e reduçãoLista de exercicios   reações de oxidação e redução
Lista de exercicios reações de oxidação e redução
 
Propriedades periodicas
Propriedades periodicas Propriedades periodicas
Propriedades periodicas
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Físico-química aula 1
Físico-química aula 1Físico-química aula 1
Físico-química aula 1
 
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaEstrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônica
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 

Semelhante a Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química

Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reaçãoLista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reaçãoColegio CMC
 
Calculo da velocidadedareaçao
Calculo da velocidadedareaçaoCalculo da velocidadedareaçao
Calculo da velocidadedareaçaofrancar francar
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética QuímicaVinny Silva
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaTurma Olímpica
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética químicaEduardo Lima
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfMariaCeclia811680
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químicoCarlos Kramer
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoVinny Silva
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2francar francar
 
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdfFernandaMarcelinoCor
 
Equilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós graEquilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós graCarlos Kramer
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoRosbergue Lúcio
 

Semelhante a Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química (20)

Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reaçãoLista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Calculo da velocidadedareaçao
Calculo da velocidadedareaçaoCalculo da velocidadedareaçao
Calculo da velocidadedareaçao
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Slides_-_Aula_7.pdf
Slides_-_Aula_7.pdfSlides_-_Aula_7.pdf
Slides_-_Aula_7.pdf
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Reacoes quimicas
Reacoes quimicasReacoes quimicas
Reacoes quimicas
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
 
Equilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós graEquilíbrio químico pós gra
Equilíbrio químico pós gra
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 

Mais de Carlos Kramer

A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológico
A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológicoA bioquímica da Fotossíntese - um processo biológico
A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológicoCarlos Kramer
 
Funções Oxigenadas Carboniladas
Funções Oxigenadas CarboniladasFunções Oxigenadas Carboniladas
Funções Oxigenadas CarboniladasCarlos Kramer
 
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladasFunções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladasCarlos Kramer
 
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reaçãoTermoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reaçãoCarlos Kramer
 
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e Calor
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e CalorTermodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e Calor
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e CalorCarlos Kramer
 
Potencialidades biotecnológicas de microalgas
Potencialidades biotecnológicas de microalgasPotencialidades biotecnológicas de microalgas
Potencialidades biotecnológicas de microalgasCarlos Kramer
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseCarlos Kramer
 
Reações de oxidação backup
Reações de oxidação backupReações de oxidação backup
Reações de oxidação backupCarlos Kramer
 
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação química
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação químicaInfluência da eletronegatividade no caráter da ligação química
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação químicaCarlos Kramer
 
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo fritoProdução e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo fritoCarlos Kramer
 
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatEstabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatCarlos Kramer
 
Breve históricos da Química orgânica
Breve históricos da Química orgânicaBreve históricos da Química orgânica
Breve históricos da Química orgânicaCarlos Kramer
 
Minicurso de Estereoquímica de com
Minicurso de Estereoquímica de comMinicurso de Estereoquímica de com
Minicurso de Estereoquímica de comCarlos Kramer
 
Tipos de ácidos graxos
Tipos de ácidos graxosTipos de ácidos graxos
Tipos de ácidos graxosCarlos Kramer
 
Carros movidos a bateria
Carros movidos a bateriaCarros movidos a bateria
Carros movidos a bateriaCarlos Kramer
 

Mais de Carlos Kramer (16)

A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológico
A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológicoA bioquímica da Fotossíntese - um processo biológico
A bioquímica da Fotossíntese - um processo biológico
 
Funções Oxigenadas Carboniladas
Funções Oxigenadas CarboniladasFunções Oxigenadas Carboniladas
Funções Oxigenadas Carboniladas
 
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladasFunções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
 
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reaçãoTermoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
 
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e Calor
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e CalorTermodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e Calor
Termodinâmica: Primeira Lei, Trabalho e Calor
 
Potencialidades biotecnológicas de microalgas
Potencialidades biotecnológicas de microalgasPotencialidades biotecnológicas de microalgas
Potencialidades biotecnológicas de microalgas
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido base
 
Reações de oxidação backup
Reações de oxidação backupReações de oxidação backup
Reações de oxidação backup
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação química
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação químicaInfluência da eletronegatividade no caráter da ligação química
Influência da eletronegatividade no caráter da ligação química
 
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo fritoProdução e análise de biodiesel do óleo frito
Produção e análise de biodiesel do óleo frito
 
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via RancimatEstabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
Estabilidade oxidativa do Biodiesel e óleos Vegetais, via Rancimat
 
Breve históricos da Química orgânica
Breve históricos da Química orgânicaBreve históricos da Química orgânica
Breve históricos da Química orgânica
 
Minicurso de Estereoquímica de com
Minicurso de Estereoquímica de comMinicurso de Estereoquímica de com
Minicurso de Estereoquímica de com
 
Tipos de ácidos graxos
Tipos de ácidos graxosTipos de ácidos graxos
Tipos de ácidos graxos
 
Carros movidos a bateria
Carros movidos a bateriaCarros movidos a bateria
Carros movidos a bateria
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptMrciaVidigal
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 

Último (15)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 

Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química

  • 1. Campus SPP 2º ano do Ensino Médio Integrado Profº MsC. Carlos Augusto Cabral Kramer 1 LEI DE AÇÃO DAS MASSAS Definição| Determinação Experimental|
  • 2. A INFLUÊNCIA DA CONCENTRAÇÃO NA VELOCIDADE 2 Muitos fatores influenciam a velocidade de uma reação química TEMPERATURA ÁREA SUPERFICIAL CATALISADORES PRESSÃO CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES Peter Waage C. Maximilian Guldberg “A velocidade de uma reação é proporcional ao produto (matemático) das concentrações elevadas às potencias experimentais determinadas” 1867
  • 3. EQUAÇÃO DA VELOCIDADE 3 aA + bB cC + dD V = K[A]x.[B]y VELOCIDADE CONSTANTE CINÉTICA CONCENTRAÇÕES DOS REAGENTES POTÊNCIAS EXPERIMENTAIS
  • 4. EQUAÇÃO DA VELOCIDADE 4 2H2(g) + O2(g) 2H2O(g) V = K[H2(g)]x.[O2(g)]y Exemplo: Reação de formação da água
  • 5. DETERMINAÇÃO DAS POTÊNCIAS EXPERIMENTAIS 5 aA + bB + cC dD V = K[A]x.[B]y.[C]z Experimento [A], mol/l [B], mol/l [C], mol/l Velocidade de formação de D, mol/l.s 1 1 1 1 5 2 2 1 1 10 3 1 2 1 20 4 1 1 2 5 Único caminho é estudando a variação das velocidades com as concentrações
  • 6. DETERMINAÇÃO DAS POTÊNCIAS EXPERIMENTAIS 6 V = K[A]¹.[B]2.[C]0 Ou resumidamente V = K[A].[B]2 Experimento [A], mol/l [B], mol/l [C], mol/l Velocidade de formação de D, mol/l.s 1 1 1 1 5 2 2 1 1 10 3 1 2 1 20 4 1 1 2 5 Avaliando as variações da velocidade com as concentrações, tem-se que a velocidade dobra ao dobrar a concentração A, logo, x=1, A velocidade quadruplica ao dobrar B (2² vezes) , logo, y=2 e A velocidade não é alterado como a alteração da concentração de C, logo, z=0. Ordem 1 em relação a A, Ordem 2 em relação a B Ordem 0 em relação a C Ordem da reação igual a 3
  • 7. MECANISMO DAS REAÇÕES 7 Reação Elementar Não Elementar Acontecem em apenas uma etapa Acontecem em mais de uma etapa Os coeficientes experimentais são semelhantes aos coeficientes estequiométricos Os coeficientes experimentais NÃO são semelhantes aos coeficientes estequiométricos 3A + 2B C + 2D (Reação global) (Acontece em uma etapa) Logo: V = K[A]³.[B]² 3A + 2B C + 2D (Reação global) Acontecendo em duas etapas 1ª etapa: 3A Z (etapa lenta) 2ª etapa: Z + 2B C + 2D (etapa rápida) Logo: V = K[A]x.[B]y
  • 8. MECANISMO DAS REAÇÕES 8 2 NO(g) + Br2(g) → 2NOBr(g) Com a tabela abaixo, encontre o valor da constante cinética Exemplo 1: Sabendo que a reação abaixo é elementar, determine a lei de velocidade.
  • 9. MECANISMO DAS REAÇÕES 9 Exemplo 2: A reação abaixo ocorre em duas etapas. Qual a lei de velocidade? Determine a constante cinética. CO + NO2 → CO2 + NO Etapa 1 (lenta): NO2(g) + NO2(g) → NO3(g) + NO(g) Etapa 2 (rápida):NO3(g) + CO(g) → CO2(g) + NO2(g)
  • 10. EXERCÍCIOS 10 01 - Um determinado defensivo agrícola, quando exposto ao meio ambiente, decompõe-se através de uma reação química. Considerando que a velocidade de decomposição medida em laboratório apresentou os resultados a seguir: Analise as afirmativas a seguir: ( ) A decomposição deste defensivo segue uma cinética de segunda ordem. ( ) O tempo para que a concentração do defensivo se reduza a valores desprezíveis independe da sua concentração inicial. ( ) A constante de decomposição do defensivo é de 0,02mês-1 ( ) A velocidade inicial de decomposição do defensivo é de 0,006g/l/mês para uma concentração inicial de 0,3g/l.
  • 11. EXERCÍCIOS 11 02 - O óxido nítrico (NO), produzido pelo sistema de exaustão de jatos supersônicos, atua na destruição da camada de ozônio através de um mecanismo de duas etapas, a seguir representadas: (1) NO(g) + O3(g)  NO2(g) + O2(g); (2) NO2(g) + O(g)  NO(g) + O2(g) Assinale as alternativas corretas ( ) A reação total pode ser representada pela equação: O3(g) + O(g)  2O2(g) ( ) No processo total, o NO é um catalisador da reação ( )Sendo V = k [O3][O] a expressão de velocidade para o processo total, a reação é dita de primeira ordem com relação ao ozônio e ordem 1 para a reação global
  • 12. EXERCÍCIOS 12 02 - O óxido nítrico (NO), produzido pelo sistema de exaustão de jatos supersônicos, atua na destruição da camada de ozônio através de um mecanismo de duas etapas, a seguir representadas: (1) NO(g) + O3(g)  NO2(g) + O2(g); (2) NO2(g) + O(g)  NO(g) + O2(g) Assinale as alternativas corretas ( ) A reação total pode ser representada pela equação: O3(g) + O(g)  2O2(g) ( ) No processo total, o NO é um catalisador da reação ( )Sendo V = k [O3][O] a expressão de velocidade para o processo total, a reação é dita de primeira ordem com relação ao ozônio e ordem 1 para a reação global
  • 13. EXERCÍCIOS 13 03 (Fuvest) - Em solução aquosa ocorre a transformação: Em quatro experimentos, mediu-se o tempo decorrido para a formação de mesma concentração de I2‚ tendo-se na mistura de reação as seguintes concentrações iniciais de reagentes: Esses dados indicam que a velocidade da reação considerada depende apenas da concentração de: a) H‚O‚ e I- b) H‚O‚ e H+ c) H2O2 d) H+. e) I-.