Carlo Acutis
2
CARLO ACUTIS – A VIDA ALÉM DO LIMITE
A vida além do limite
3
APRESENTAÇÃO
Caríssimos,
Salve Maria!
Apresentamos a tradução disponibilizada do livro “ La
Vita O...
Carlo Acutis
4
Meus sinceros agradecimentos ao autor do livro, Pe.
Francesco Orcchetta SJ e, também, ao Sr. Ferdinando Val...
A vida além do limite
5
NOTA DO TRADUTOR
A oportunidade da tradução deste pequeno, mas
significativo livro sobre o servo d...
Carlo Acutis
6
ÍNDICE
INTRODUÇÃO..................................................................................7
UM SIN...
A vida além do limite
7
INTRODUÇÃO
UM SINAL DE ESPERANÇA
Diante da morte, a esperança de todo homem é colocada à
prova. Ma...
Carlo Acutis
8
aqueles que o encontram, Carlo continua a viver além do limite da
vida. Bastaria fazer uma pesquisa por “Ca...
A vida além do limite
9
1. O EXTRAORDINÁRIO NO ORDINÁRIO
Já antecipamos logo: as linhas que se seguem não são um
elogio a ...
Carlo Acutis
10
A vida pode ser breve e é para todos frágil, mas para Carlo
era vivida em sua plenitude sem desperdiçá-la....
A vida além do limite
11
2. O CAMINHO DE CARLO
Carlo escolhe trilhar o percurso de sua vida como o
homem bíblico. Podia es...
Carlo Acutis
12
come com o Senhor para poder estar com Ele e como Ele. Neste
caminho experimenta o primeiro dever do amor,...
A vida além do limite
13
3. ALGUNS TRAÇOS DA VIDA DE CARLO
Carlo nasce em Londres, a 3 de maio de 1991, e é batizado
a 18 ...
Carlo Acutis
14
grandes projetos. Espanta sua capacidade de entender os segredos
que a informática esconde e que normalmen...
A vida além do limite
15
meios de comunicação informáticos dos quais era um
extraordinário conhecedor, ajudando-nos com gr...
Carlo Acutis
16
Sobre ele, assim diz seu pai: “A
docilidade ao Senhor não se pode
alcançar sem se exercitar na docilidade
...
A vida além do limite
17
Carlo o fazia naturalmente como guiado pelo Senhor. Assim,
gestos aparentemente banais, como um b...
Carlo Acutis
18
antes “a conversão – diz Carlo – não é outra coisa que deslocar o
olhar de baixo ao alto, basta um simples...
A vida além do limite
19
Mesmo o “histórico” porteiro da escola dos jesuítas lembra
a fineza de Carlo, que sempre ia cumpr...
Carlo Acutis
20
Ele gosta de pipa e de desenhos animados, de filmes e
jogos eletrônicos. Ama os personagens de Pokémon; é ...
A vida além do limite
21
4. “A EUCARISTIA É A MINHA AUTOESTRADA
PARA O CÉU”
Para um jovem, a força da vida está contida no...
Carlo Acutis
22
como condições para antecipar sua Primeira Comunhão. Porém,
com uma recomendação: o prelado aconselha à fa...
A vida além do limite
23
A Eucaristia, que significa “ação de graças”, para Carlo tem
dois significados: aquele da comunhã...
Carlo Acutis
24
aos sacerdotes, aos estrangeiros. Carlo leva uma convicção no
coração: “Se vai direto ao Paraíso se se apr...
A vida além do limite
25
comunhão sacramental – acrescenta o Papa Emérito – pode
tornar-se, da nossa parte, um gesto super...
Carlo Acutis
26
A adoração torna-o um companheiro de Jesus. Vive a
essência da espiritualidade jesuíta, cujo símbolo é o n...
A vida além do limite
27
Maria, Mãe da Igreja, em união com o Sacrifício Eucarístico, as
orações e as ações, as alegrias e...
Carlo Acutis
28
5. O APÓSTOLO JOÃO, ÍCONE DE VIDA PARA
CARLO
Se tivéssemos que escolher só uma imagem do Evangelho
à qual ...
A vida além do limite
29
De fato, o coração é o símbolo do centro da pessoa e do amor, e
por este motivo Carlo gostava de ...
Carlo Acutis
30
mais evidente no relato da crucificação. Aos pés da cruz no
Gólgota, de fato, além de Nossa Senhora e das ...
A vida além do limite
31
Para Carlo, era importante imitar “os testemunhos da
caridade”. Ia ao convento dos Frades Capuchi...
Carlo Acutis
32
6. RUMO AO PARAÍSO
Fala-se que a qualidade da morte de cada um reflete a
qualidade da própria vida. Carlo ...
A vida além do limite
33
Sabe que sua vida está terminando, mas aos enfermeiros e
médicos que lhe perguntam como se sente,...
Carlo Acutis
34
7. UM OLHAR PARA ALÉM DA VIDA
Hoje, sobretudo entre os garotos na escola ou nas redes
sociais, é difícil f...
A vida além do limite
35
lugar, como o Senhor ressuscitado nos acompanha e nos salva não
da morte, mas na morte. Por isso ...
Carlo Acutis
36
sua morte? Seu exemplo já é considerado em muitas dioceses
italianas como o símbolo de centros juvenis e c...
A vida além do limite
37
impossível de apagar nesta terra [...], passarei a visitar a tumba
onde repousa Carlo para dizê-l...
Carlo Acutis
38
Muitos sacerdotes consideram-no o Domingos Sávio dos
nossos tempos. Também este aspecto parece um sinal. D...
A vida além do limite
39
distância está o Papa que o educou, João Paulo II, que havia
proclamado o Ano do Rosário (2003-20...
Carlo Acutis
40
8. SUA HERANÇA
Carlo deixa uma dupla herança. Em primeiro lugar, aquela
da sua vida e de seu amor por Jesu...
A vida além do limite
41
descreve-os perfeitamente: 142 painéis que explicam em detalhes
os vários milagres eucarísticos o...
Carlo Acutis
42
junto a alguns movimentos eclesiais, como modelo para os jovens.
Mons. Domenico Sorrentino, bispo de Assis...
A vida além do limite
43
Para ti, Carlo
É o momento
De romper o silêncio
Para dizer-te que a tua vida
É um dom também para...
Carlo Acutis
44
Acompanha seus coetâneos a crescer no coração,
Mantém a mão a quem precisa de ajuda
Espiritual e material....
Carlo Acutis - A vida além do limite
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carlo Acutis - A vida além do limite

1.013 visualizações

Publicada em

Apostolado Brasileiro Carlo Acutis o Anjo da Juventude

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.013
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlo Acutis - A vida além do limite

  1. 1. Carlo Acutis 2 CARLO ACUTIS – A VIDA ALÉM DO LIMITE
  2. 2. A vida além do limite 3 APRESENTAÇÃO Caríssimos, Salve Maria! Apresentamos a tradução disponibilizada do livro “ La Vita Oltre il Confine”, de Francesco Orcchetta, sobre o nosso querido Carlo Acutis, já declarado “ Servo de Deus” e que, um dia, subirá à honra dos Altares! A vida deste jovem, que amou tanto a Igreja e ao Santo Padre, deve ser conhecida por todos nós, mas sobretudo pelos jovens perdidos num mundo sem Deus e sem esperança. Para isso surgiu o APOSTOLADO BRASILEIRO – CARLO ACUTIS – O ANJO DA JUVENTUDE e o seu objetivo é justamente este: fazer o Carlo mais conhecido, amado e sobretudo, imitado. Em Carlo os jovens entenderão que é possível a santidade e que a glória e os prazeres desse mundo passam e são palhas ao fogo, folhas ao vento. Poder disponibilizar, agora em português, este livro é, na verdade, uma grande alegria e o imenso contentamento de dever cumprido: levar o Carlo cada vez mais longe!
  3. 3. Carlo Acutis 4 Meus sinceros agradecimentos ao autor do livro, Pe. Francesco Orcchetta SJ e, também, ao Sr. Ferdinando Valcarenghi, da Editora Velar, pela permissão que nos concederam. . Ao Seminarista Wellington de Castro, pela tradução, ao Paulo Vitor Braga, pela diagramação. Ao Carlo Acutis, que nos acompanha do Céu, nossa devoção e amizade. Pe. Marcélo Tenorio
  4. 4. A vida além do limite 5 NOTA DO TRADUTOR A oportunidade da tradução deste pequeno, mas significativo livro sobre o servo de Deus Carlo Acutis surgiu como providência das mãos divinas. Vindo para Roma para estudar Teologia, tratei de entrar em contato com pessoas que fazem aqui na Itália o trabalho de divulgação de sua causa de beatificação. Assim que o livro, escrito pelo padre jesuíta Francesco Occhetta, foi lançado, entrei em contato com a editora e logo surgiu a ideia de traduzi-lo ao português, para que o Brasil pudesse conhecer um pouco mais da história deste jovem garoto apaixonado pelo Senhor, pela Virgem Santíssima e pela Igreja, oferecendo sua doença pelo Santo Padre. Que estas poucas, mas preciosas páginas possam ajudar as almas a desejar aproximar-se um pouco mais de Nosso Senhor Jesus Cristo, algo que Carlo o fez com intensidade no pouco, porém frutífero tempo em que passou entre nós. Wellington de Castro
  5. 5. Carlo Acutis 6 ÍNDICE INTRODUÇÃO..................................................................................7 UM SINAL DE ESPERANÇA..........................................................7 1. O EXTRAORDINÁRIO NO ORDINÁRIO ...........................9 2. O CAMINHO DE CARLO......................................................11 3. ALGUNS TRAÇOS DA VIDA DE CARLO ...........................13 4. A EUCARISTIA É A MINHA ESTRADA PARA O CÉU....21 5. O APÓSTOLO JOÃO, ÍCONE DE VIDA PARA CARLO...28 6. RUMO AO PARAÍSO ..............................................................32 7. UM OLHAR PARA ALÉM DA VIDA....................................34 8. SUA HERANÇA.......................................................................40
  6. 6. A vida além do limite 7 INTRODUÇÃO UM SINAL DE ESPERANÇA Diante da morte, a esperança de todo homem é colocada à prova. Mas não só: quando se trata da doença e da morte de um garoto, a mesma vida humana parece oscilar pelo viés da incompreensibilidade. Porém existem testemunhos que entram na escuridão da razão como um raio de sol e esquentam o coração de quem deixou de ter esperança. A vida de Carlo Acutis é um destes raios de sol. Ou melhor, foi a luz de um relâmpago em uma noite de verão que rompeu a escuridão dos medos e da falta de sentido e permitiu-nos ver o que realmente há além da noite da vida. Carlo adoece aos 15 anos, nos primeiros dias de outubro de 2006. Tudo leva a crer que se trata de uma gripe, mas depois de fazer os exames clínicos, os médicos pronunciam sua diagnose: “É uma leucemia fulminante”. Em 12 de outubro, dia em que é venerada Maria, a mãe do Senhor, Carlo deixa este mundo. Seu corpo é velado por uma peregrinação contínua de pessoas que o conheceram. A Missa de exéquias estava cheia. Os próprios pais dizem que, junto a uma dor terrível, que somente quem gera uma vida pode entender, percebem uma paz que é sinal não de “um fim”, mas de “um con-fim” para viver com seu filho Carlo. E mais: desde o momento em que Carlo deixou este mundo, não param de chegar testemunhos, contos, recordações e e-mails de muitas partes do mundo que têm um denominador comum: para
  7. 7. Carlo Acutis 8 aqueles que o encontram, Carlo continua a viver além do limite da vida. Bastaria fazer uma pesquisa por “Carlo Acutis” para constatar que há mais de 2.500 sites e blogs, em várias línguas, que falam dele. Entre os seus perfis no Facebook existem cerca de 400 mil visitantes. Em suma, estamos diante de milhares de sinais que, mesmo para os mais céticos, nos fazem pensar em uma vida que vai além do limite da própria vida.
  8. 8. A vida além do limite 9 1. O EXTRAORDINÁRIO NO ORDINÁRIO Já antecipamos logo: as linhas que se seguem não são um elogio a um garoto superman. Contarão algumas particularidades, que foram colhidas como um quebra-cabeça de diversas fontes que não se conhecem entre si. São apenas algumas pinceladas de cores dos quinze breves anos de um menino normal, em que tantos outros rapazes podem espelhar-se. Para todos é claro um aspecto: justamente porque viveu uma vida normal, Carlo deixou rastros em muitos corações e isso continua a “provocar-nos” a “sair de nós” e das nossas seguranças e encontrá-lo sem preconceitos e medos. Seu pároco, padre Gianfranco Poma, disse sobre ele: “Era um garoto absolutamente normal, mas com uma harmonia absolutamente especial”.
  9. 9. Carlo Acutis 10 A vida pode ser breve e é para todos frágil, mas para Carlo era vivida em sua plenitude sem desperdiçá-la. Por este motivo repetia: “Todos nascem como originais, mas muitos morrem como fotocópias”. É o convite a não desperdiçar a vida e a buscar a verdadeira felicidade: “A tristeza – dizia – é o olhar voltado a si próprio, a felicidade é o olhar voltado a Deus”. Diante da herança de vida de Carlo, podemos nos perguntar: o que significavam para ele as palavras amor, dor, alegria, sofrimento? Perguntas que nos levam a refletir sobre o que é para nós a morte e por que um jovem morre. Nas palavras do Papa Paulo VI aos jovens, na mensagem de encerramento do Concílio Vaticano II (7 de dezembro de 1965), parece descobrir os traços da sua vida: “Recusai dar livre curso aos instintos da violência e do ódio, que geram as guerras e o seu cortejo de misérias. Sede generosos, puros, respeitadores, sinceros. E construí com entusiasmo um mundo melhor que o atual!”.
  10. 10. A vida além do limite 11 2. O CAMINHO DE CARLO Carlo escolhe trilhar o percurso de sua vida como o homem bíblico. Podia escolher outros caminhos, talvez mais na moda e passageiros, mas não o fez. Segue a máxima do seu mito da informática, Steve Jobs: “É somente dizendo ‘não’ que podes concentrar-te nas coisas verdadeiramente importantes”. Pelas suas origens e suas capacidades, Carlo podia escolher caminhar como o mítico Narciso, que pela sua vaidade e insensibilidade se enamora de si e se maravilha. É o risco que se corre enquanto se torna homem. Pensar só em si sem pensar nos outros e em Deus. Pelos meios que tinha à disposição, Carlo podia imitar a viagem de Ícaro, que desafia Deus voando rumo ao sol. Fugir de Creta não era uma tarefa muito fácil. Mas Ícaro decide voar como seu pai, Dédalo, a quem desobedece, e vai direto em direção ao sol, extasiado pela velocidade das suas grandes asas. É o caminho de quem pensa que, em vez de obedecer (ob-audire, dar ouvidos), é melhor desafiar Deus e suas leis. O caráter tenaz e genial de Carlo podia fazê-lo empreender uma viagem como a de Ulisses, que luta contra um destino duro e vence muitas provas. Carlo, porém, não escolhe partir e retornar à sua Ítaca, ao lugar de onde havia partido. Escolhe o caminho de Abraão, aquele que obedece ao comando de sair da própria terra e de ir aonde Deus o conduz. É o caminho dos apóstolos, que são chamados a seguir Cristo até Jerusalém. Carlo não deixa de caminhar nem mesmo quando seu corpo é marcado pela doença. Já tinha previsto havia algum tempo: “Morrerei jovem”. Mas não para. Nutre-se da Eucaristia e
  11. 11. Carlo Acutis 12 come com o Senhor para poder estar com Ele e como Ele. Neste caminho experimenta o primeiro dever do amor, estar com o amado até quando cai a noite. O Senhor permanece com Carlo. Fiel à sua aliança, até o momento da sua morte. A compreendê-lo são muitos da sua idade que não o conheceram pessoalmente. À pergunta “O que te toca da vida de Carlo?”, um jovem escreve no Facebook: “Sua extrema humildade; Carlo viveu em uma família muito rica, pelo que nada lhe teria impedido de viver de modo abastado e que lhe teria provocado aquele sentido de soberba, e de sentir-se o primeiro... em vez disso sempre manteve aquele nível de vida e de pensamento ‘pobre’... sempre aberto aos últimos, altruísta a qualquer um, não é pouco no nosso ‘planeta’ atual [...]. Sinto Carlo muito próximo em muitas das minhas necessidades, seja materiais ou espirituais... talvez porque sendo jovem como eu e como tantos outros, é muito próximo das exigências e das problemáticas daqueles de sua idade?”. Seu mundo espiritual parece pertencer a outros tempos: devoção ao Coração de Jesus e a Maria; culto dos anjos e dos santos, sobretudo a São Francisco de Assis e a Santo Antônio de Pádua. Tinha particularmente no coração a fidelidade ao Papa e à Igreja.
  12. 12. A vida além do limite 13 3. ALGUNS TRAÇOS DA VIDA DE CARLO Carlo nasce em Londres, a 3 de maio de 1991, e é batizado a 18 de maio na igreja de Our Lady of Dolours (Nossa Senhora das Dores). Cresce em um contexto familiar sereno e rico. Por motivos de trabalho, em setembro de 1991 a família se muda para Milão e a sua paróquia se torna a Santa Maria Segreta (“do segredo”, “do anonimato”, segundo a história do local). Carlo frequenta as escolas elementares das Irmãs Marcelinas da Praça Tommaseo, em Milão. É lembrado como um garoto alegre e sociável. Como todos os meninos, nem sempre chega preparado, distrai- se durante as aulas mais entediantes, satisfaz-se em achar as desculpas mais originais. Pelas testemunhas que o acompanharam durante os anos da escola elementar, é lembrado por uma característica: faz-se próximo e é generoso. Em 2005, Carlo inscreve-se no liceu clássico “Leão XIII”, a escola dos Jesuítas. Queria frequentar o liceu científico, mas seus pais o convencem a frequentar o clássico. Conclui as médias com “distinto”, mas é durante o ginásio que Carlo realiza alguns
  13. 13. Carlo Acutis 14 grandes projetos. Espanta sua capacidade de entender os segredos que a informática esconde e que normalmente são acessíveis apenas àqueles que completaram os estudos universitários especializados: programa computadores, monta filmes, cria websites, cuida da redação e da paginação de revistas. São de Steve Jobs alguns ensinamentos que Carlo toma para si: “O vosso tempo é limitado, por isso não o desperdicem vivendo a vida de outra pessoa. [...] Ser o homem mais rico do cemitério não me interessa... ir para a cama de noite dizendo que fizemos algo fantástico... é isso que me interessa”. Durante o outono de 2004 amadurece a escolha do serviço: aceita tornar-se vice- catequista nos cursos de preparação para a Crisma e depois se empenha no desenvolvimento e na atualização dos sites da sua paróquia e do Leão XIII, promovendo a realização dos spots de muitas classes para o projeto de voluntariado no âmbito de um concurso nacional. O secretário da Pontifícia Academia Cultorum Martyrum, Pier Luigi Imbrighi, escreve: “Utilizava os modernos
  14. 14. A vida além do limite 15 meios de comunicação informáticos dos quais era um extraordinário conhecedor, ajudando-nos com grande disponibilidade e dedicação à criação do nosso site no vatican.va”. Até mesmo um jovem engenheiro da computação com quem Carlo colaborou recorda-se dele pelo modo como utiliza a internet (como meio para o bem) e como compartilha seus conhecimentos com todos os que lhe pedem ajuda. Quando um dos padres jesuítas propõe à sua classe de participar do itinerário da CVX (Comunidade de Vida Cristã), Carlo levanta a mão e diz: “A mim interessa este itinerário evangélico que o senhor propõe”. É o único de sua sala a responder. Ao Leão XIII deixa uma grande lembrança. Seus companheiros de escola não o esquecem, alguns deles chegaram a abrir páginas no Facebook dedicadas a Carlo. Recordam-no corajoso e livre, capaz de brincar e de sorrir, mas também forte para controlar-se, evitando ofender ou ser vulgar com as meninas. Admirava aos amigos por guardar uma virtude “fora de moda”, a pureza, e um sereno rigor na vida moral. Seu professor de religião do ginásio lembra que, durante uma discussão em sala sobre o tema do aborto, Carlo foi o único a opor-se. Mais ainda: convencia suas amigas a não banalizar o corpo, recordando-lhes que é “o templo do Espírito Santo”. Chegava mesmo a repreender seus amigos para que, no uso da internet, não caíssem nas armadilhas dos sites pornográficos que “hipnotizam” e tornam os adolescentes dependentes. São os anos em que fala aos seus companheiros da importância da vontade e da capacidade de dominá-la.
  15. 15. Carlo Acutis 16 Sobre ele, assim diz seu pai: “A docilidade ao Senhor não se pode alcançar sem se exercitar na docilidade aos próprios legítimos superiores. Nisso Carlo era beneficiado por uma graça especialíssima. De fato desde pequeno, quando por algum motivo eu o repreendia, mostrava-se logo obediente e submisso, sem nenhum rancor, e isso embora tivesse uma personalidade forte e vivíssima. Quem conheceu Carlo sempre percebeu uma harmonia particular no seu modo de colocar-se com o próximo. Quantas vezes ouvimos repetir-se a frase ‘Carlo é um garoto especial’! Possuía um dom particular de simpatia, mas esta atitude não explica por si os rastros que deixou em tantos corações. Como nas artes humanas a excelência se obtém por meio de duros e longos sacrifícios, da mesma forma no campo espiritual não se pode ‘elevar-se’ senão pela constância das práticas de fé. Em Carlo – continua o pai – se podia admirar uma contínua e sempre renovada orientação da vontade ao bem. Isso era possível graças ao seu abandono ao Senhor. Seus segredos eram uma firme e sempre renovada vontade de colocar Deus em primeiro lugar e o recurso constante aos tesouros administrados pela Igreja: a Eucaristia e a Confissão. Resultava daí uma personalidade harmoniosa que irradiava uma grande serenidade. O que frequentemente se faz de modo artificial por convenção social,
  16. 16. A vida além do limite 17 Carlo o fazia naturalmente como guiado pelo Senhor. Assim, gestos aparentemente banais, como um bom-dia que repetimos com muita frequência só por formalidade, em Carlo tornavam-se flechas de caridade que tocavam os corações”. Carlo repete sempre: “Os homens se preocupam tanto com a beleza do próprio corpo e não se preocupam com a beleza da própria alma”. Torna-se belo por fora somente se tornando belo por dentro, como diria Santo Agostinho: “Quanto mais cresce em ti o amor, mais cresce em ti a beleza, a caridade é justamente a caridade da alma”. Viver em Deus não é impossível,
  17. 17. Carlo Acutis 18 antes “a conversão – diz Carlo – não é outra coisa que deslocar o olhar de baixo ao alto, basta um simples movimento dos olhos”. Curiosamente a frase do Evangelho que o motiva é a mesma que muda a vida de São Francisco Xavier, patrono das missões: “De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder ou arruinar-se a si próprio?”(Lc 9,25). Eis o que dizia Carlo: “De que adianta ao homem vencer mil batalhas se depois não é capaz de vencer a si mesmo com as próprias paixões corrompidas?” e ainda: “Não o amor próprio, mas a glória de Deus”. O padre Roberto Gazzaniga, animador espiritual dos liceus e encarregado da pastoral escolar do Instituto Leão XIII na época de Carlo, lembra-se do seu exemplo na biografia escrita por Nicola Gori: “Quantas vezes, como padre e operador da pastoral juvenil, me alegrei por ver e ouvir Carlo [quando me dava conta] da sua influência positiva sobre os companheiros [...]. Ainda mais agora que é como a semente entrada na terra para produzir fruto de vida. Poderia apontá-lo e dizer: eis um jovem e um cristão feliz e autêntico. Carlo é um dom, seu nome é pronunciado com respeito e forte saudade. Carlo está aqui e ao mesmo tempo sentimos sua falta”. Sente-se que falta aquela sua coragem ao defender as razões da sua crença mesmo quando lhe causava incompreensões. Ajudava os estrangeiros, os mendigos, os incapazes, os anciãos, as crianças. Preocupava-se com os amigos cujos pais estavam se separando e convidava-os a sua casa para ajudá-lo; na sala de aula, saía em defesa daqueles que tinham mais dificuldade para integrar-se. Em mais de uma ocasião defendeu os menos capazes que eram zombados pelos garotos.
  18. 18. A vida além do limite 19 Mesmo o “histórico” porteiro da escola dos jesuítas lembra a fineza de Carlo, que sempre ia cumprimentá-lo se pela manhã entrava por uma porta secundária. Os amigos que o recordam sublinham que seu testemunho de fé foi contagioso também para a vida deles. Um deles chega a afirmar: “Depois da morte de Carlo, me reaproximei da Igreja e penso que poderia ser graças à intercessão de Carlo”. Carlo gosta de animais: tem dois gatos, quatro cães e muitos peixes vermelhos; seu computador é cheio de fotos deles. É seu amor pela criação que exprime na particular sensibilidade ecológica, toda vez que o levam ao parque recolhe papéis do chão, característica que herdou Michele, o irmão de Carlo (um dos gêmeos, que agora têm quase 2 anos). Manter limpo o ambiente em que vivemos e cuidar da criação é outro segredo de Carlo para viver em harmonia.
  19. 19. Carlo Acutis 20 Ele gosta de pipa e de desenhos animados, de filmes e jogos eletrônicos. Ama os personagens de Pokémon; é muito bom com o Playstation; ama principalmente os filmes de ação e vence os concorrentes nos programas televisivos de quiz. A tecnologia que sabe usar é colocada a serviço da sua vida interior. Um exemplo? No seu computador instala também um programa para “recitar o Rosário”. Poucos dias antes de morrer, mostra com orgulho seu slogan para participar do concurso nacional “Voluntário serás tu!”. Uma frase simples, mas que lembra o valor absoluto para o Evangelho, que não é guardar a própria vida, mas dar a vida pelos próprios amigos (cf. Jo 15,13). Eis a escolha feita no seu coração: “Não eu, mas Deus”, dizia Carlo, que para revolucionar sua vida acrescentou a letra “D” diante do próprio “io” (em italiano, eu é io, e Deus é Dio).
  20. 20. A vida além do limite 21 4. “A EUCARISTIA É A MINHA AUTOESTRADA PARA O CÉU” Para um jovem, a força da vida está contida nos seus desejos, que é a capacidade de ir “além das estrelas” para realizar o próprio sonho. Carlo também é movido por um grande desejo: ir “além das estrelas” para estar com Jesus e já participar da sua eternidade. Trata-se de um desejo comum a muitos jovens que não poucas vezes, porém, é sufocado pela vergonha e pelas modas. Carlo, ao contrário, defende seu desejo e para tal cumpre escolhas concretas. O sinal mais eloquente é o de querer antecipar sua Primeira Comunhão. Ficou famosa sua frase: “A Eucaristia é a minha autoestrada para o Céu!”. No encontro com o Corpo de Cristo, reconhecia a direção para onde canalizar seus desejos. É a estrada que inclui a meta. Carlo não diz o porquê, mas o sente no coração e isso lhe basta. Que o desejo pela Eucaristia não era um capricho, isso intui o bispo, Mons. Pasquale Macchi, já secretário pessoal de Paulo VI, que garante pessoalmente sua maturidade e sua formação cristã
  21. 21. Carlo Acutis 22 como condições para antecipar sua Primeira Comunhão. Porém, com uma recomendação: o prelado aconselha à família celebrar o Sacramento em um lugar adequado para privilegiar o recolhimento interior em relação às distrações da festa. Assim, na terça-feira, 16 de junho de 1998, aos 7 anos, Carlo recebe pela primeira vez o Corpo de Cristo, no Mosteiro de Bernaga, em Perego. É um dos “lugares de silêncio” de sua terra, construído no cume de um monte, em que cada palavra escutada adquire significados particulares, como aquelas que Carlo lê antes da celebração, quando atravessa o átrio do convento das Romitas Ambrosianas, onde se encontra pintada a frase de Madre Maria Candida Casero: “Deus me basta”. A partir daquele momento, o será também para ele. Passarão 8 anos – o número 8 para o Novo Testamento é o dia da ressurreição – para que Carlo viva sua Páscoa, a festa da “grande imigração”, como escrevia Fílon de Alexandria. Pelos escritos e pelas reflexões de Carlo, a Eucaristia é antes de tudo o “sacrifício” de Deus em favor do homem. Uma convicção que o leva a ver o mundo com os olhos de Deus: se a vitória parece ser sempre do mais prepotente e do mais armado, para Carlo a Eucaristia faz nascer homens e mulheres novos que têm a força de dar a vida mesmo a quem te dá a morte; de servir e não escravizar; de vencer o mal do mundo carregando-o sobre os próprios ombros. Seu amor pela Eucaristia pode ser expresso em uma frase sua: “Quanto mais recebermos a Eucaristia, mais nos tornaremos parecidos a Jesus, e já nesta terra anteciparemos o gosto do Paraíso”.
  22. 22. A vida além do limite 23 A Eucaristia, que significa “ação de graças”, para Carlo tem dois significados: aquele da comunhão e o da adoração. Por meio da adoração, Carlo vive uma dimensão afetiva importante: silêncio e palavra, escuta e amizade, mistério silencioso e percepção profunda de Deus. Carlo não inventa nada, descobre a força da Eucaristia indo todo dia à igreja fazer adoração. Pode parecer um ato de devoção superado pelo tempo, ao contrário parece dizer aos da sua idade: “Façam como eu” e verão os resultados! O verbo adorar, que literalmente significa “levar à boca” para beijar, o ajuda a viver a mais profunda comunhão com Deus. Assim a força que Carlo irradia, a começar pelo sorriso, nasce da capacidade de viver daquilo que adora. Com Deus no seu coração, e ele no coração de Deus, ensina-nos que se pode tornar uma coisa só. É justamente a força da adoração que faz Carlo compreender que o Corpo de Cristo, além de estar na Eucaristia, está nas pessoas que se amam: pobres, pequenos, forasteiros, enfermos, anciãos, incapazes, pessoas sozinhas. Para Carlo, dar esmolas e ajudar a quantos precisam nasce da capacidade de adorar. O dinheiro que economiza, ele dá aos pobres, aos anciãos, às irmãs de clausura,
  23. 23. Carlo Acutis 24 aos sacerdotes, aos estrangeiros. Carlo leva uma convicção no coração: “Se vai direto ao Paraíso se se aproxima todos os dias da Eucaristia”. Segundo o padre Ennio Apeciti, responsável pelo Serviço pelas Causas dos Santos da Diocese de Milão, Carlo “provoca-nos a amar a Eucaristia, como ele a amou; a ser devoto de Nossa Senhora, como ele o foi; a amar a Igreja, como ele fez”. Na sua espiritualidade, entrelaçam-se elementos de mística e de ascese, de comunhão e de contemplação. Na festa de Corpus Christi em junho de 2012, Bento XVI explicou por que “comunhão e contemplação não podem se separar”. Faz-se comunhão verdadeiramente com Jesus como se faz com outra pessoa: “Devo conhecê-la, saber estar em silêncio perto dela, escutá-la, olhá-la com amor”. Portanto se falta esta dimensão que encontramos na adoração eucarística, “mesmo a própria
  24. 24. A vida além do limite 25 comunhão sacramental – acrescenta o Papa Emérito – pode tornar-se, da nossa parte, um gesto superficial. Ao contrário, na verdadeira comunhão, preparada pelo colóquio da oração e da vida, podemos dizer ao Senhor palavras de confidência”. A mãe conta que Carlo se perguntava frequentemente como tanta gente podia fazer filas intermináveis para assistir a eventos mundanos, como um show de rock, e talvez, mesmo sendo católicos, não encontrassem nunca um tempo para estar cinco segundos em silêncio diante do sacrário, que contém Deus vivo, ao qual devemos a nossa existência. Em vez disso, a adoração produz seus frutos invisíveis que são os que Carlo experimenta e que o apóstolo Paulo elenca nas suas cartas: alegria, paz, serenidade, domínio de si, capacidade de ver longe, não ter medo da morte, viver uma vida para os outros.
  25. 25. Carlo Acutis 26 A adoração torna-o um companheiro de Jesus. Vive a essência da espiritualidade jesuíta, cujo símbolo é o nome de Jesus, selado sobre a hóstia. A igreja que mais representa sua espiritualidade é a de Jesus de Roma, a igreja-mãe da Companhia de Jesus. Neste espaço litúrgico encontram-se as grandes referências sobre as quais se funda a fé de Carlo: a grande hóstia central com as iniciais IHS, Iesus Hominum Salvator (Jesus Salvador dos Homens); o sentido teológico da nave central pintada por Baciccia, em que o Céu e a terra se entrelaçam; o quadro original do Sagrado Coração, descrito por Santa Margarida Maria Alacoque, de quem Carlo era devoto. A oração ao Coração de Jesus era aquela que Carlo fazia: “Coração Divino de Jesus, eu te ofereço por meio do Coração Imaculado de
  26. 26. A vida além do limite 27 Maria, Mãe da Igreja, em união com o Sacrifício Eucarístico, as orações e as ações, as alegrias e os sofrimentos deste dia, em reparação dos pecados e pela salvação de todos os homens, na graça do Espírito Santo, na glória do Divino Pai”. Carlo é fiel também ao sacramento da Reconciliação. Confessa-se para valorizar o bem que se cumpre e reconhecer o mal que lhe coloca obstáculos. Conhece o ensinamento do apóstolo Paulo: o mal se vence com o bem. A confissão semanal torna-se para Carlo como um exercício espiritual em que toda vez faz um propósito para caminhar mais livre: corrigir um defeito ou fazer crescer uma virtude particular etc. Dizia: “O menor defeito mantém-nos ancorados à terra da mesma forma como acontece com as bolas de encher, que são seguradas em baixo por meio do fio que se tem em mãos”. É repleta de verdade e beleza uma de suas imagens: “O balão, para subir, precisa descarregar os pesos, assim a alma, para elevar-se ao Céu, precisa tirar mesmo os pequenos pesos que são os pecados veniais”.
  27. 27. Carlo Acutis 28 5. O APÓSTOLO JOÃO, ÍCONE DE VIDA PARA CARLO Se tivéssemos que escolher só uma imagem do Evangelho à qual Carlo esteve particularmente ligado, seria aquela do apóstolo João, o discípulo predileto, que apoia sua cabeça sobre o coração do Senhor durante a última Ceia. Enquanto os outros discípulos discutem sobre quem é o maior, João é aquele que diz “quero estar contigo” e que repousa a cabeça no peito de Jesus. Carlo via neste gesto uma prefiguração do chamado universal de todos os homens a tornar-se também “discípulos prediletos” do Senhor por meio de uma autêntica vida eucarística.
  28. 28. A vida além do limite 29 De fato, o coração é o símbolo do centro da pessoa e do amor, e por este motivo Carlo gostava de lembrar o sinal que nos deixou o Senhor no milagre eucarístico de Lanciano, onde a hóstia transformada em carne mostrou ser, segundo diversos cientistas, uma secção do miocárdio, do mesmo grupo sanguíneo encontrado no Sudário de Turim. Para Carlo, João mostra-nos naquele gesto como também nós podemos entrar em intimidade com Jesus, tornando-nos “almas eucarísticas”, “almas adoradoras”. “É maravilhoso – dizia Carlo – porque todos os homens são chamados a ser, como João, discípulos prediletos, bastar se tornarem almas eucarísticas, permitindo a Deus operar em nós aquelas maravilhas que só Ele pode fazer! Contudo quer a livre adesão da nossa vontade. Deus não gosta de forçar ninguém. Quer o nosso livre amor”. Carlo também dizia que este chamado a tornarmo-nos íntimos discípulos de Jesus por meio do encontro com o Senhor da Eucaristia é ainda
  29. 29. Carlo Acutis 30 mais evidente no relato da crucificação. Aos pés da cruz no Gólgota, de fato, além de Nossa Senhora e das mulheres piedosas, estava João, o discípulo amado. Mas aquele sacrifício da cruz ocorrido há 2 mil anos se atualiza de modo incruento em todas as Missas celebradas todos os dias. Daqui o ensinamento de Carlo: como João, também nós podemos associar-nos àquele mesmo sacrifício da cruz e assim demonstrar nosso amor a Deus. Não podemos ignorar o convite de Jesus a unir-nos a Ele na Eucaristia. Dizia: “O Senhor, com o seu sacrifício na cruz, nos salvou, isso deve suscitar em nós sentimentos de amor e gratidão infinita”. Em nível teológico, a espiritualidade de Carlo evidencia muito o aspecto sacrifical que não diminui o aspecto comunitário da Eucaristia, mas lhe atribui o sentido justo. Eis como Bento XVI descreve esta dinâmica na Deus Caritas est: o amor daquele que quer verdadeiramente amar “[o amor a Deus] procura, ao invés, o bem do amado: torna-se renúncia, está disposto ao sacrifício, antes procura-o. Carlo imita João, mas não ignora a dinâmica perversa introduzida por Judas justamente durante a última ceia, que continua a dividir o coração dos homens de todos os tempos. Diz: “O dinheiro é só pedaço de papel: o que conta na vida é a nobreza de ânimo, ou seja, o modo com que se ama a Deus e se ama o próximo”. Vive sobriamente, mantém o essencial, não quer ter dois pares de calçado, briga com seus pais, que querem lhe comprar um segundo. Padre Giulio Savoldi, capuchinho, ainda se recorda de quando Carlo dava suas economias à mesa dos pobres ou para as missões.
  30. 30. A vida além do limite 31 Para Carlo, era importante imitar “os testemunhos da caridade”. Ia ao convento dos Frades Capuchinhos de Viale Piave, em Mião, para venerar os corpos de dois frades santos: Daniel de Saramate, morto de lepra no Brasil por ter ajudado leprosos, e frei Cecilio Cortinovis, que queria imitar padre Daniel, mas é deixado pelos seus superiores na portaria, e daquele lugar dava de comer aos pobres que batiam à porta do convento. Carlo os têm como duas sementes de amor utilizados pelo Senhor para fazer nascer a Obra São Francisco, que distribui todo dia comida a 2.500 pobres, remédios e roupas. Diante daquela obra, Carlo não deixava de encantar-se e empenhava-se a sustentá-la, sensibilizando família e amigos.
  31. 31. Carlo Acutis 32 6. RUMO AO PARAÍSO Fala-se que a qualidade da morte de cada um reflete a qualidade da própria vida. Carlo é prova disso. Quando em outubro de 2006 se adoece e descobre que é acometido por uma leucemia fulminante (do tipo “m3”), que destrói os glóbulos vermelhos do sangue mais rápido do que sua produção no corpo, diz à mãe no hospital: “Daqui não saio mais”. As palavras que “entrega” como herança aos pais espantam e comovem: “Ofereço todos os sofrimentos que deverei padecer ao Senhor pelo Papa e pela Igreja, para não passar pelo Purgatório e ir direto para o Céu”. Pede para receber o sacramento da Unção dos Enfermos e quer que lhe estejam próximas a mãe e a avó, que passam aqueles últimos dias no hospital São Geraldo de Monza, sem nunca deixá- lo.
  32. 32. A vida além do limite 33 Sabe que sua vida está terminando, mas aos enfermeiros e médicos que lhe perguntam como se sente, responde: “Bem. Tem gente que está pior”. À noite não dorme por causa das dores, mas à enfermeira que lhe pergunta se deseja ter a mãe por perto, para sentir-se menos sozinho, Carlos diz para não acordá-la: “Ela também está tão cansada e se preocuparia ainda mais”. Seu coração para de bater às 6h45 do dia 12 de outubro de 2006. Atualmente repousa no cemitério de Assis.
  33. 33. Carlo Acutis 34 7. UM OLHAR PARA ALÉM DA VIDA Hoje, sobretudo entre os garotos na escola ou nas redes sociais, é difícil falar sobre a vida após a morte. Desde quando Nietzsche, em sua obra A Gaia Ciência, proclamou “Deus está morto!”, como pensar no pós-morte como um encontro e plenitude da vida? Contudo aqui não estamos mais diante da ideia de um filósofo que condicionou gerações, mas da vida de um garoto que põe novamente em discussão nossas convicções de não crentes. Se hoje se quer afastar a morte com a estética e a eterna juventude, a vida de Carlo ensina-nos a olhar a morte no contexto da eternidade de Deus. Nas suas atitudes, na relação com seus amigos, no uso dos meios que possui, Carlo tem claro um aspecto: o bem maior para um rapaz não é uma vida longa, um “sobreviver” infinito; o essencial não está em não morrer, mas em viver já uma vida ressurgida. A eternidade já havia entrado na vida de Carlo muito antes da sua morte; havia entrado com sua vida de fé e com os gestos do amor cotidiano. A separação transformou também a relação de Carlo com os pais, que são testemunhas dos milhares de sinais que as pessoas contam sobre o filho. A própria mãe, com muita humildade, reconhece que a vida de fé de Carlo mudou a vida da família, fazendo-a reaproximar-se da fé. Para ela, o filho “foi um salvador”. É certo que o podemos considerar também um intercessor. Após quatro anos da sua morte, os pais de Carlo tiveram dois gêmeos, Francesca e Michele. A força dada aos pais afunda suas raízes no testemunho da Igreja, que na história testemunho, em primeiro
  34. 34. A vida além do limite 35 lugar, como o Senhor ressuscitado nos acompanha e nos salva não da morte, mas na morte. Por isso sabem que “devolver” um filho a Deus significa colaborar com um projeto divino, que os chama a oferecer sua vida na Igreja para o mundo. Tudo isso não reduz a dor nem mesmo é uma forma compensadora à sua ausência terrena, mas simplesmente ressalta o bem que está fazendo o testemunho de Carlo. Na Carta Apostólica Salvifici doloris, João Paulo II, comentando um trecho de São Paulo, afirma: “Aquele que sofre em união com Cristo completa com seu sofrimento o que falta aos sofrimentos de Cristo [...]. Cristo em um certo sentido abriu o próprio sofrimento redentor a todo sofrimento do homem” (n. 24). Neste sentido, então, mesmo a morte de Carlo é o fim da contingência do homem e o início de uma relação nova, não mais espaço-temporal, com o mundo, na espera da salvação final. Certo, aquela que expomos é uma interpretação vista com os olhos da fé. Mas se não fosse assim, como interpretar os milhares de e-mails ou de contatos que toda semana chegam à família para testemunhar uma presença de Carlo que vai além da
  35. 35. Carlo Acutis 36 sua morte? Seu exemplo já é considerado em muitas dioceses italianas como o símbolo de centros juvenis e centros vocacionais. Mesmo no Brasil, neste período de preparação para a próxima Jornada Mundial da Juventude, muitos são os que o propõem como modelo em quem se inspirar. Citemos dois exemplos. Em outubro de 2011, um jovem pároco da Diocese de Cartago, em Costa Rica, escreve à mãe de Carlo: “Quero lhe contar, cheio de alegria, como conheci seu filho. No início de setembro de 2011 sonhei que um rapaz adolescente, com um grande sorriso, vem ao meu encontro no lugar em que confesso e me diz: gostaria de conhecer todos os teus amigos. Eu lhe pergunto: por quê? Responde-me: para contar o que Deus fez comigo. Depois desaparece da minha vista. O sonho repetiu-se por 3 vezes. Não sabia qual explicação dar! Eu me dizia: Deus me dará uma resposta. Assim, em 21 de setembro (dia em que a Igreja recorda o chamado de São Mateus), visitando o centro de pastoral vocacional da minha diocese, vejo uma fotografia de Carlo Acutis. O mesmo garoto que me visitava nos meus sonhos! Então meus olhos se encheram de lágrimas e o meu coração de uma paz e uma alegria que não posso explicar. Assim li a vida de Carlo e agora para mim é tudo claro”. E acrescenta: “Logo nascerão numerosos testemunhos e curas milagrosas”. Um homem de negócios relata: “Domingo passado (22 de abril de 2012) visitei a igreja de São Frediano em Cestello, em Florença, e fiquei impressionado com a imagem de Carlo que estava quase a esperar-me... não pude fazer outra coisa que me aproximar para ler a história triste e luminosa de um garoto a quem ‘bastaram’ só 15 anos de vida para deixar um rastro
  36. 36. A vida além do limite 37 impossível de apagar nesta terra [...], passarei a visitar a tumba onde repousa Carlo para dizê-lo apenas obrigado por tudo de precioso que me deu”. Além disso, a vida de Carlo está questionando o coração dos seus contemporâneos. Um rapaz escreve no seu blog: “Depois de ter conhecido sua história é impossível não se perguntar sobre como vivemos nossa fé na vida, justamente pelo fato de que não temos o álibi que seja uma figura distante, de outros tempos”. E acrescenta: “Mas onde estava eu naquele período, o que eu fazia? [...] Este rapaz nasceu depois de mim, morreu primeiro, e olha aonde soube chegar!”. Nas numerosas cartas que chegam à família, não faltam testemunhos de conversão e também alguns casos de cura que deverão, porém, ser atentamente avaliados pela Igreja.
  37. 37. Carlo Acutis 38 Muitos sacerdotes consideram-no o Domingos Sávio dos nossos tempos. Também este aspecto parece um sinal. De fato Carlo era muito próximo à figura de Dom Bosco, visita seus aposentos em Turim mais de uma vez, gosta muitíssimo de um famoso ensinamento seu: “O ócio, diz o Espírito Santo, é o pai de todos os vícios, e a ocupação combate-os e vence-os todos”. Mons. Enrico Dal Covolo, na sua recordação sobre Carlo publicada pelo L’Osservatore Romano em 17 de outubro de 2007, cita um ensinamento de Dom Bosco vivido por Carlo: “Sê sempre alegre; faz bem os teus deveres de estudo e de piedade; ajuda teus companheiros”. Sente próxima Maria. Reconhece-a como a bendita entre as mulheres. É fascinado pelas histórias das aparições em Lourdes e Fátima. Visita estes lugares com seus pais e aos amigos mostra os vídeos daqueles santuários que descrevem a vida de Bernadete ou dos três pastorinhos de Fátima. Medita as palavras que Nossa Senhora dirige a Bernadete, e depois aquelas a Lúcia, Jacinta e Francisco, perguntando-se o que significam para ele. Impressiona- lhe muito o relato feito pelos três pastorinhos sobre a visão que tiveram do inferno cheio de almas e sobre o fato de que uma amiga deles que morrera havia pouco tempo deveria permanecer no purgatório até o fim dos tempos. Decide recitar todo dia o Rosário, com as orações sugeridas por Nossa Senhora. O Rosário que recita cotidianamente inclui a oração ensinada por Maria em 13 de julho de 1917 aos três pastorinhos de Fátima: “Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, socorrei principalmente as que mais precisarem da vossa misericórdia”. Pela oração do Rosário quer oferecer sua jornada pela salvação de toda a humanidade. Para ajudá-lo a
  38. 38. A vida além do limite 39 distância está o Papa que o educou, João Paulo II, que havia proclamado o Ano do Rosário (2003-2004) e o da Eucaristia (2004-2005), pouco antes de morrer. Carlo dizia que com a proclamação destes dois anos dedicados a Maria e ao sacramento da Eucaristia, o Papa João Paulo II deixou-nos seu verdadeiro testamento espiritual e sua mais importante herança. Para Carlo, a Eucaristia e a Virgem Maria, como no sonho de Dom Bosco, são os pilares sobre os quais deveria apoiar-se a vida de todo cristão.
  39. 39. Carlo Acutis 40 8. SUA HERANÇA Carlo deixa uma dupla herança. Em primeiro lugar, aquela da sua vida e de seu amor por Jesus, que a mãe, Antonia, resume com estas palavras: “Desde pequeno, sobretudo depois de sua Primeira Comunhão, Carlo nutria uma amizade pessoal com o sacrário, com quem se confidenciava. Por isso nunca faltou ao encontro diário com a Missa, o Rosário e a adoração eucarística”. Durante a permanência em Santa Margarida Ligure, pouco antes de morrer, diz à mãe: “Devo fazer-me padre”. Mas a mãe – que o havia ensinado a rezar a Missa quando era menor – responde- lhe: “Isso não te posso dizer”. A outra grande herança de Carlo são suas exposições, entre as quais recordamos aquela dos milagres eucarísticos. Em 2002, visitando as mostras do Meeting de Rimini, Carlo é inspirado a promover uma exposição sobre os milagres eucarísticos aprovados pela Igreja. Um trabalho cansativo que envolve também seus pais por cerca de dois anos e meio. A primeira mostra é organizada na Basílica de São Carlos em Corso, em Roma. Sucessivamente vai a países de todos os continentes. O site www.miracolieucaristici.org
  40. 40. A vida além do limite 41 descreve-os perfeitamente: 142 painéis que explicam em detalhes os vários milagres eucarísticos ocorridos em 17 países, desde o de Lanciano àquele de Escorial, de Daroca a Bolsena etc. Os efeitos espirituais que a exposição gerou eram imprevisíveis às vésperas. Muitos párocos pedem para ajuntar a mostra em um catálogo; a apresentação está a cargo seja do Cardeal Angelo Comastri, arcipreste da Basílica Papal Vaticana e vigário-geral de Sua Santidade para a Cidade do Vaticano, seja de S. E. Mons. Raffaello Martinelli, então chefe do Escritório Catequético da Congregação para a Doutrina da Fé. Desde aquele momento a exposição, se nos é lícito dizê-lo a partir dos resultados, “está fazendo milagres”. Foi exposta nos cinco continentes. Só nos Estados Unidos, graças à ajuda dos Cavaleiros de Colombo, da The Cardinal Newman Society e da The Real Presence Association and Education, com patrocínio do Cardeal Edmond Burke, foi hospedada em milhares de paróquias e em mais de 100 universidades. Foi promovida por algumas conferências episcopais, entre as quais a filipina, a argentina, a vietnamita etc.; entrou mesmo na China. O Santuário de Fátima a expôs por ocasião do centenário de Francisco Marto. Resumindo, o rastro de Carlo continua a fazer falar os principais folhetins nacionais e diocesanos; também o programa A sua immagine (à sua imagem) transmitido em 3 de julho de 2011, dedicou a ele um episódio (que pode ser revisto no site www.carloacutis.com) por ocasião da preparação ao Congresso Eucarístico Italiano. Outro fenômeno que não para de crescer é como a figura de Carlo é tomada por muitas dioceses italianas e estrangeiras,
  41. 41. Carlo Acutis 42 junto a alguns movimentos eclesiais, como modelo para os jovens. Mons. Domenico Sorrentino, bispo de Assis – Nocera Umbra – Gualdo Tadino, em 27 de setembro de 2009, inaugurou o primeiro oratório de Assis, dedicando-o a Carlo. Em suma, uma sinfonia de vozes e de testemunhas que não se conhecem entre si e que estão levando adiante, cada um ao seu modo, “a fama de santidade” que a Igreja poderia reconhecer com o tempo, graças ao Evangelho da sua vida, que Carlo nos deixou escrito. Vidas como a de Carlo despertam nossa consciência, frequentemente adormecida pelo cotidiano, para levantar o olhar e ver o horizonte da vida no ponto em que a linha do fim deixa espaço à vida que há além do limite. Na Bíblia está escrito: “Brilham em seus postos as estrelas, palpitantes de alegria; ele as chama e elas respondem: ‘Eis-nos aqui’, cintilando de alegria para aquele que as fez” (Bar 3,34-35). Carlo continua a brilhar de alegria para nós. Em novembro de 2012, o Cardeal Arcebispo de Milão deu início aos atos preliminares para a Causa de Beatificação do Servo de Deus Carlo Acutis.
  42. 42. A vida além do limite 43 Para ti, Carlo É o momento De romper o silêncio Para dizer-te que a tua vida É um dom também para a nossa. Vivestes como um raio de sol, Um “relâmpago da Sua vida”, Que iluminou a história. Fiel à oração e à Eucaristia, Pronto para ajudar quem precisa, Generoso em pôr a serviço as próprias capacidades. Esperanças e medos pela tua enfermidade, Inquietudes e certezas depois da tua partida, E dias de espera para poder encontrar-te de novo. Onde estás, depois de haver passado o limiar do confim? Com Quem estás, depois de tê-Lo amado tanto assim? Em muitos lugares da terra se fala de ti. Ajuda-nos a crer,
  43. 43. Carlo Acutis 44 Acompanha seus coetâneos a crescer no coração, Mantém a mão a quem precisa de ajuda Espiritual e material. E quando a caducidade do tempo Nos mortificar e as noites se prolongarem Intercede por nós, Carlo. Quem nos gerou Continua a ser por nós Esperança certa de salvação Em quem se fez crucificar por Amor.

×