O Bosque [em portugues] (por: mel / mcvalenzuela / carlitosrangel)

994 visualizações

Publicada em

(jun.08) História de árvores que traça um paralelo com as crianças
Original de montagem: Mel
tradução em espanhol: M.C. Valenzuela
Reedição Gráfica: Carlos Rangel

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Se trata no de una mera imaginación literaria,sino de esa
    realidad que muchas veces no sabemos ver,pero si dejamos
    que el espíritu que DIOS nos dotó junto al Amor,comprenderemos
    este hermoso mensaje tierno y conmovedor.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Bosque [em portugues] (por: mel / mcvalenzuela / carlitosrangel)

  1. 1. O Bosque Click para continuar
  2. 2. Há algum tempo atrás fui vizinho de um médico, cujo "hobby" era plantar árvores na enorme quinta de sua casa. Foram várias as vezes que pude observar, desde a minha janela, o seu esforço para plantar árvores e mais árvores todos os dias. No entanto, o que mais me chamava a atenção era que ele jamais regava as suas novas plantações.
  3. 3. Notei, após algum tempo, que as suas árvores demoravam muito a crescer. Certo dia, fui ter com ele e perguntei se não tinha receio que as árvores não crescessem, uma vez que ele nunca as regava. Então, o meu vizinho, com um ar orgulhoso, descreveu-me a sua teoria.
  4. 4. Disse-me que se regasse as suas plantas, as raízes acomodar-se-íam à superfície e ficariam sempre à espera da água mais fácil, vinda de cima. Como ele não as regava, as árvores demoraríam mais a crescer, porque as suas raízes tenderíam a enterrar-se mais, em busca de água e das várias fontes de nutrientes que se encontram nas camadas inferiores do solo.
  5. 5. Essa foi a conversa que tive com aquele meu vizinho. Depois fui viver para outro país, e nunca mais o voltei a ver ...
  6. 6. Vários anos mais tarde, ao voltar à minha terra natal, fui dar uma olhada à minha antiga casa. Ao aproximar-me, deparei com um bosque que não existia antigamente. O meu antigo vizinho tinha realizado o seu sonho! Curiosamente, aquele era um dia de vento forte e gelado, estando as árvores da rua com os seus troncos muito arqueados, como se estivessem a resistir ao rigor do Inverno.
  7. 7. No entanto, ao aproximar-me da quinta do médico, notei que as suas árvores estavam direitas. Praticamente não se moviam, resistindo implacavelmente a toda aquela ventania. ... Facto curioso, pensei eu...
  8. 8. As adversidades, pelas quais passaram aquelas árvores, mesmo sendo privadas de água, parecia tê-las beneficiado. É como se tivessem recebido o melhor dos tratamentos. “ Meu Deus, livra os meus filhos de todas as dificuldades e agressões deste mundo”. Todas as noites, antes de me deitar, vou sempre espreitar os meus filhos. Inclino-me sobre as suas camas e observo como têm crescido. Frequentemente rezo por eles. Na maioria das vezes, peço para que as suas vidas sejam fáceis.
  9. 9. Talvez seja altura de mudar de oração. Esta decisão tem a ver com o facto de que é inevitável que os ventos gelados e fortes alcançarão os nossos filhos. Sei que eles encontrarão inúmeros problemas, e agora dou conta que as minhas orações para que as dificuldades não ocorram, têm sido demasiado ingénuas... ... Pois sempre haverá uma tempestade a acontecer em algum lugar ...
  10. 10. Ao contrário do que tenho feito, agora vou pedir para que os meus filhos cresçam com raízes profundas, de tal forma que possam retirar energia das melhores fontes - das mais divinas -, que se encontram nos lugares mais remotos. Faço-o porque, queiramos ou não, a vida é muito difícil.
  11. 11. Pedimos demasiado para não ter dificuldades mas, o que necessitamos é pedir para desenvolver raízes fortes e profundas, de tal modo que quando as tempestades chegarem, e os ventos gelados soprarem, resistamos com valor e não sejamos dominados.
  12. 12. Criação original: Mel Tradução em espanhol: M. C. Valenzuela Música: Yanni: Dance with Wolves F I M Montagem e reedição grafica em espanhol cortesía de Carlos Rangel com conhecimento do seu autor original Santiago de Querétaro, México, Julho.2008 [email_address] Colaboração de Pedro Marques pela tradução para Português Porto, Portugal, Agosto.2008 [email_address] http://www.slideshare.net/carlitosrangel/

×