Romantismo

322 visualizações

Publicada em

Slide do grupo de portugues . Romantismo primeira geração

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
322
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo

  1. 1. ROMANTISMO Manoel : Goncalves dee magalhaes Gui : Goncalves dias Slide 15 16 e 17 Vandirlan O resto zagury
  2. 2. GONÇALVES DE MAGALHÃES 13 de agosto de 1811 Rio de janeiro 10 de julho de 1882 (70 anos) Roma Ocupação: Medico Professor Politico Diplomata Poeta Ensaísta
  3. 3. GONÇALVES DE MAGALHÃES • Ingressou em no curso de medicina, diplomando-se em 1832. • Europa, com a intenção de se aperfeiçoar em medicina. No mesmo ano estreou com "Poesias" • É nomeado professor de Filosofia do Colégio Pedro II • Foi secretário de Caxias no Maranhão. • Entrou para a carreira diplomática brasileira. 1828 1833 1838 1838 a 1841 1847
  4. 4. GRANDE OBRA Tornou se importante na literatura brasileira por ter publicado "Suspiros poéticos e saudades”. Marcando assim o inicio do romantismo brasileiro. Suspiros poéticos e saudades 1836
  5. 5. OBRAS Antonio José ou o Poeta e a Inquisição 1839
  6. 6. A Confederação dos Tamoios OBRAS Cultivou a poesia de caráter nacionalista Esta obra lhe valeu agitada polêmica com José de Alencar, relativa à visão de cada autor sobre o índio, ambas bastante fantasiosas. 1857
  7. 7. GONÇALVES DE MAGALHÃES Sua maior importancia está no fato de ter sido o introdutor do romantismo no brasil, não obstante suas obras serem consideradas fracas pela critica literária.
  8. 8. GONÇALVES DIAS Antônio Gonçalves Dias (Caxias, 10 de agosto de 1823 — Guimarães4 , 3 de novembro de 1864) foi um poeta, advogado, jornalista, etnógrafo e teatrólogo brasileiro.5 Um grande expoente do romantismo brasileiro
  9. 9. Antônio Gonçalves Dias nasceu em 10 de agosto de 1823, no sítio Boa Vista, em terras de Jatobá.Morreu aos 41 anos em um naufrágio do navio Ville Bologna, próximo à região do baixo de Atins, nabaía de Cumã4 , município de Guimarães. Advogado de formação, é mais conhecido como poeta e etnógrafo, sendo relevante também para o teatro brasileiro, tendo escrito quatro peças. Teve também atuação importante como jornalista.5 Era filho de uma união não oficializada entre um comerciante português com uma mestiça6 , e estudou inicialmente por um ano com o professor José Joaquim de Abreu, quando começou a trabalhar como caixeiro e a tratar da escrituração da loja de seu pai, que veio a falecer em 1837. BIOGRAFIA
  10. 10. ele é famoso por ter escrito o poema "Canção do Exílio" — sem dúvida, um dos poemas mais conhecidos da literatura brasileira GRANDE OBRA
  11. 11. O GRANDE AMOR: ANA AMÉLIA A poesia 'Ainda uma vez — adeus!', bem como as poesias 'Palinódia' e 'Retratação', foram inspiradas por Ana Amélia Ferreira do Vale, cunhada do Dr. Teófilo Leal, ex- condiscípulo do poeta em Portugal e seu grande amigo. Gonçalves Dias viu-a pela primeira vez em 1846 no Maranhão.
  12. 12. Os Timbiras OBRAS O poema apareceu dedicado À magestade do muito alto e muito poderoso principe o Senhor D. Pedro II, Imperador constitucional e defensor perpétuo do Brazil, segundo Gonçalves havia sido uma promessa feita ao Imperador. Dom Pedro II por sua vez estava disposto a pagar uma boa quantia ao poeta que realizasse um poema que representasse a nação, do outro lado do oceano, os literatos Europeus também alimentavam a ideia de um poema nacional brasileiro.
  13. 13. OBRAS I-Juca-Pirama “aquilo que deve ser morto”. O poema relata a história de um guerreiro tupi sobrevivente e fugitivo da destruição na costa que cai aprisionado por uma tribo antropófaga dos Timbiras e que deve ser sacrificado conforme o rito. Antes dos sacrifícios o chefe Timbira propõe que àquele que vai ser morto deve cantar às suas façanhas para que os bravos Timbiras tenham maior gosto em sacrificá-lo; e assim inicia o seu canto:
  14. 14. primeiro e único barão de Santo Ângelo (Rio Pardo, 29 de novembro de 1806 — Lisboa, 30 de dezembro de 1879), foi um escritor do romantismo, político e jornalista , pintor, caricaturista, arquiteto, crítico e historiador de arte, professor e diplomata brasileiro. MANUEL JOSÉ DE ARAÚJO PORTO-ALEGRE
  15. 15. Porto-Alegre estudou pintura inicialmente com o francês François Thér e com os cenógrafos Manuel José Gentil e João de Deus.5 Mudou para o Rio de Janeiro em janeiro de 1827, para matricular-se na Escola Militar do Rio de Janeiro.4 Estando, porém, a escola fechada, em férias, e como tinha noções de pintura e desenho (tendo sido, inclusive, pintor de cenários de teatro), matricula-se na Academia Imperial de Belas Artes, na qual foi aluno de Jean Baptiste Debret.4 BIOGRAFIA
  16. 16. Em 25 de julho de 1831, graças a uma subscrição de Evaristo da Veiga2 , Porto- Alegre viaja para Paris, em companhia de seu mestre e amigo Debret, que deixava definitivamente o Brasil5 . Na Europa, estuda na Escola de Belas Artes de Paris5 e viaja pela Itália, onde estuda com o arqueólogo Antonio Nibby.5 Viaja para a Inglaterra, Países Baixos e Bélgica com o poeta Gonçalves de Magalhães.5 Volta para o Rio de Janeiro em maio de 1837 e passa a desenvolver atividades variadas como professor de desenho, poeta e, inclusive, crítico e historiador de arte, área na qual também é considerado como fundador da disciplina no Brasil.5 CARREIRA
  17. 17. Porto-Alegre foi o primeiro artista a publicar uma caricatura no Brasil, em 1837.5 Entre 1837 e 1839, de volta de sua viagem à Europa, Manuel de Araújo Porto-Alegre produziu uma série de litografias satíricas que eram vendidas em unidades separadas nas ruas do Rio de Janeiro. A primeira, intitulada A campainha e o cujo, circulou em 14 de dezembro de 1837, vendida por 160 réis, mas não fora assinada (sua autoria só seria reconhecida posteriormente) e apresentava Justiniano José da Rocha, diretor do jornal Correio Oficial, ligado ao governo, recebendo um saco de dinheiro. A PRIMEIRA CHARGE E A CARREIRA NAS LETRAS
  18. 18. Nesse mesmo ano, o artista escreveria a peça Prólogo dramático, podendo, pois, ser considerado, sem grande margem de erro, o primeiro dramaturgo brasileiro, já que tanto o Barroco como o Arcadismo, além da fase inicial do próprio Romantismo, foram, na literatura, movimentos eminentemente poéticos. Ajudou Gonçalves de Magalhães na criação da revista Niterói, em 1836, e fundou com Joaquim Manuel de Macedo e Gonçalves Dias a revista Guanabara', em 1849, que abrigaram os grupos iniciais do Romantismo no Brasil.2 REVISTA
  19. 19. OBRAS DE ARTES

×