O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

01 Introdução a semiótica

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 24 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a 01 Introdução a semiótica (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

01 Introdução a semiótica

  1. 1. Carla Batista Prof. Me. em Design Introdução a semiótica
  2. 2. O estudo das linguagens e dos signos é muito antigo.
  3. 3. Base teórica da semiótica desenvolvida pelo matemático, cientista, lógico e filósofo norte- americano Charles Sanders Peirce (1839-1914).
  4. 4. Vídeo – Entrevista com Peirce 02_Roll of film
  5. 5. Sob o olhar analítico e interpretativo de Lúcia Santaella.
  6. 6. “Somos humanos porque somos simbólicos”. Lúcia Santaella
  7. 7. • A semiótica não é uma ciência que tem um objeto de estudo delimitado. • A semiótica de Peirce é uma das disciplinas que compõem uma ampla arquitetura filosófica concebida como ciência com um caráter extremamente geral e abstrato.
  8. 8. A semiótica tem três ramos: 1. Gramática especulativa (tipos de signos) 2. Lógica crítica (tipos de interferência, raciocínios ou argumentos) 3. Retórica especulativa ou metodêutica (análise dos métodos)
  9. 9. Peirce dedicou toda sua vida ao desenvolvimento da lógica entendida como teoria geral, formal e abstrata dos métodos de investigação utilizados nas mais diversas ciências. A esta lógica ele deu o nome de semiótica.
  10. 10. A semiótica peirceana para estudos empíricos acrescenta que a teoria dos signos é capaz de explicar e interpretar todo o domínio da cognição humana. A semiótica fornece as categorias para a análise da cognição. Hipótese: os signos estão crescendo no mundo.
  11. 11. O aparecimento da ciência semiótica desde o final do século XIX coincidiu com o processo expansivo das tecnologias de linguagem.
  12. 12. Qual é a proposta da semiótica com a gramática especulativa?
  13. 13. Extrair estratégias metodológicas para a leitura e análise de processos empíricos de signos: música, imagens, arquitetura, rádio, publicidade, literatura, sonhos, filmes, vídeos, hipermídia etc. Aplicar a teoria dos signos peirceana não é uma tarefa simples. Semiótica estruturalista nascida da linguística estrutural que depende do método.
  14. 14. A semiótica pode se aplicar na publicidade, embalagens, mídia, arte, vídeos, literatura e instituição. CASE Agência: BBDO & Proximity Malaysia Cliente: KFC
  15. 15. Semiótica - Etmologia Do grego: Semeîon: signo Trata-se da Teoria Geral dos signos
  16. 16. Conceito de Semiótica • A ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. • Teoria da significação. • Teoria geral dos signos.
  17. 17. Conceito de SIGNO Qualquer coisa de qualquer espécie (uma palavra, um livro, uma biblioteca, um grito, uma pintura, um museu, uma pessoa, uma mancha de tinta, um vídeo etc.) que representa uma outra coisa, chamada de objeto do signo, e que produz um efeito interpretativo em uma mente real ou potencial, efeito este que é chamado de interpretante do signo.
  18. 18. Revisando Signo é uma coisa, que representa outra coisa para alguém em determinada circunstância.
  19. 19. Vídeo - Semiótica Peirceana Link: https://www.youtube.com/watch?v=IVROiJRYT0o
  20. 20. SANTAELLA, Lúcia. Introdução. In:___. Semiótica Aplicada. São Paulo: Thomson Learning, 2004. p. XI-XVII.
  21. 21. Atividade sobre a relação das formas geométricas básicas da tríade do design com o repertório individual de cada um. Leitura dos dois primeiros capítulos do livro Elementos da semiótica aplicados ao design (NIEMEYER, 2010). Escrever resumo de um parágrafo do capítulo no sketchbook.

×