SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Guiões de leitura orientada
Alves Redol, A Vida Mágica da Sementinha
VERIFICAÇÃO DA LEITURA
Preenche o quadro com elementos relativos ao livro.
Se necessário, consulta a Internet.
Título
Autor
Editor
Coleção
Completa a síntese do conto A Vida Mágica da Sementinha com as palavras ao lado.
Mesmo antes de cair na terra, o seu destino leva-a a ser rou-
bada por um cantor, porquem se apaixona,
e depois por um que a tenta devorar, quase
interrompendo o ciclo de vida que a aguarda. O seu caráter
especial, capaz de amadurecer antes de todas as outras semen-
tes, impede-a de se transformar em e de-
pois em pão, como acontece com outras
com quem partilha da terra, e em , matando
a fome aos trabalhadores que, árdua e alegremente, cuidam
dos campos. Em vez disso, será alvo de ede
experiências, num elogio da ciência e das suas capacidades,
que o autor reserva para o final da narrativa, manifestando
nela a sua esperança no fim da fome através da
de farinha.
http://ainocenciarecompensada.blogspot.com
(Consultado em 12 de outubro de 2011)
COMPREENSÃO DA LEITURA
A obra A Vida Mágica da Sementinha contém vocabulário relacionado com a vida no campo
que talvez não conheças.
Guião de leitura
A.
1.
2.
B.
1.
29
PRETEXTOS 6
Relêoscapítulos1e2,ondeencontrasalgumasdessaspalavras,efazoexercíciodevocabulário
seguinte, associando as palavras da primeira coluna ao seu significado.
Silvado, matagal
Orgulhosa, vaidosa
Objeto perfurante
Rego feito com arado
Trabalho duro
Terra que se lavra para que descanse
Continua a ler o livro para descobrires mais palavras que talvez desconheças. Regista-as no
caderno e consulta o seu significado num dicionário.
Encontras no conto algumas palavras no grau diminutivo.
Lê algumas dessas palavras e indica a base a partir da qual elas foram formadas.
pequerrucha gorducho passarico mimalha vozita
peitilho biquito solinho pardaleco sementinha
Indica o sentido dos diminutivos “pequerrucha”, “solinho” e “biquito”, no conto, assinalando
a opção correta.
a. pequenez
b. referência carinhosa
c. inferioridade
c. referência desrespeitosa
Os nomes dos filhos de alguns animais têm, em alguns casos, na língua portuguesa, uma pa-
lavra própria para indicar a sua pequenez. Associa os nomes de alguns animais aos nomes dos
seus progenitores.
cachorro
potro
bezerro
borracho
pinto
leitão
30
1.1.
1.2.
2.
2.1.
2.2.
2.3.
A 1
B 2
C 3
D 4
E 5
F 6
alqueive
labuta
leiva
aguilhão
ancha
sarça
A 1
B 2
C 3
D 4
E 5
F 6
porco
galinha
pombo
vaca
cavalo
cão
Guiões de leitura orientada
3. Cada animal emite um som diferente. Procura, no conto, os verbos que designam os sons
produzidos pelos diferentes animais aí mencionados. Transcreve-os no infinitivo.
Título do capítulo Nome do animal Verbo
O rapto da Sementinha burro
pisco
O milagre de um rouxinol apaixonado coruja
tentilhão
4. Referem-se, no conto, exemplares da fauna e da flora portuguesa. Transcreve para o quadro
cinco elementos de cada uma dessas classes.
Fauna
Flora
4.1. Considera a sequência seguinte, retirada do capítulo “O grande mistério”, e diz a que classe
geral pertencem os nomes aí utilizados.
Enxofre, fósforo e azoto, potássio e magnésio, sílica e cálcio… E ferro… E manganésio…
5. Considera a sequência seguinte, que encontras na página 22:
(…) o pisco pipilava, muito humilde, no seu peitilho de púrpura (…)
5.1. Qual é o som que se repete?
5.2. Explica a que situação está associada a repetição desse som.
6. O conto é rico em personificações, metáforas e comparações.
6.1. Diz que recursos de linguagem encontras em cada expressão, fazendo as associações.
Gotas de chuva refulgiam como pedras preciosas.
O Sol despertou confuso.
Era uma ferramenta forte, como um quebra-nozes.
Foi o Bago Azul quem retomou o fio da conversa.
O Sol não deixava de apontar as suas lanças de fogo.
As mondinas dizimavam as ervas gulosas.
1
2
A 3
B 4
C 5
6
Comparação
Metáfora
Personificação
31
PRETEXTOS 6
O conto A Vida Mágica da Sementinha está dividido em capítulos.
Escreve uma frase, referindo o que se conta em cada capítulo, de acordo com o modelo.
O que se conta
Os bagos de trigo acordam, depois de umlongo sono, e conversam uns
com os outros.
O rapto da Sementinha
O milagre de um Rouxinol apaixonado
O ladrão escapa-se e a Sementinha cai
Velhas histórias que convém saber melhor
Em poder da Feiticeira
O grande mistério
Ressurreição
Uma menina com tranças
A sementinha é esquartejada
As meninas sementinhas vão à escola
A Asa de Corvo casa-se como os chineses
Um viveiro de sementes e de histórias
Completa o texto sobre as personagens do primeiro capítulo do conto A Vida Mágica da Se-
mentinha com as palavras indicadas na lista ao lado.
A Sementinha vivia nas terras do senhor (1)
e da senhora (2) .
Nessas terras,haviaum animalpaciente,quelavravacom
a charrua, chamado (3) . Na velha
arca, onde estava guardada a (4) ,
haviaum bago resmungão chamado (5)
e um velho grão de trigo muito esperto chamado (6)
.
Relê o capítulo “Velhas histórias que convém saber melhor” e identifica o narrador.
Responde às questões seguintes sobre a ação do conto A Vida Mágica da Sementinha.
10.1. Quem metera a Sementinha e os outros bagos numa arca, durante vários meses?
32
7.
7.1.
8.
9.
10.
Capítulo
Falam os bagos de trigo
Guiões de leitura orientada
10.2. O que aconteceu, para que a Sementinha deixasse a velha arca?
10.3. Por que razão a Sementinha escapou de ser comida pelo Rouxinol?
10.4. Quando a Sementinha foi de novo capturada, o Rouxinol demonstrou-lhe o que sentia por
ela. De que forma?
10.5. Quem era a Feiticeira que aprisionou a Sementinha?
10.6. Enquanto estava prisioneira da Feiticeira, a Sementinha foi sofrendo várias transformações,
que ela não percebia bem. Preenche o quadro, de acordo com modelo.
O que estava a acontecer O que a Sementinha pensava que seria
Quanto mais água bebia, mais sede tinha. A Sementinha pensava que o seu encantamento não teria fim.
O seu interior tornou-se num líquido leitoso e
branco.
Do corpo, saía-lhe um rabinho.
Enquanto uma cauda crescia para baixo, outra
crescia para cima.
O seu corpo transformava-se numa cana frágil.
Nas hastezinhas das raízes nasciam-lhe pelos.
10.7. Quem ajudou a libertar a Terra da água que a invadiu?
10.8. O que acontecera, entretanto, ao Rouxinol?
10.9. Quem é que a Sementinha responsabilizou pelas suas tranças loiras?
10.10. Consideras que a Sementinha teve um trágico destino? Justifica a tua opinião.
11. Justifica o título do conto que acabas de ler.
AEPRT6DP_MAD_03
33
PRETEXTOS 6
PROLONGAMENTO
Descobre os fatores mais importantes para a germinação das sementes fazendo a experiência
seguinte, de acordo com as instruções:
• A turma divide-se em quatro grupos. A cada um é dado um recipiente e várias sementes de
milho.
• O grupo 1 enche o seu recipiente com terra, lança nela as sementes e verifica se as sementes
germinam sem água; o grupo 2 coloca as sementes no seu recipiente, que fecha com uma
tampa, e põe-no num local com luz direta, para verificar se as sementes germinam sem ar;
o grupo 3 enche o recipiente com terra; lança nela as sementes e põe o recipiente num local
escuro, embora com água, para verificar se as sementes germinam sem luz; finalmente, o
grupo 4 enche o seu recipiente com terra húmida e coloca nela as sementes de milho, que
expõe ao ar e à luz solar.
• Durante cerca de duas semanas, enquanto vão lendo a obra A Vida Mágica da Sementinha,
os alunos verificam o que vai acontecendo e registam os dados que observam no caderno
diário.
• No final da experiência, os alunos discutem os resultados observados em cada grupoe elegem
um porta-voz, que apresentará os resultados à turma.
Escreve um texto expositivo, descrevendo a experiência que fizeste e explicando as conclu-
sões a que chegaste, quando, depois de realizada essa experiência, discutiste com os teus
colegas os resultados observados. Planifica previamente o teu texto, para incluires nele a in-
trodução, o desenvolvimento e a conclusão.
34
C.
1.
2.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato   A Reforma Da NaturezaMonteiro Lobato   A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Nádia Rabelo
 
Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013
Marcia Facelli
 
Vidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano RamosVidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano Ramos
Fernanda Pantoja
 
Contos que elevam a alma
Contos que elevam a almaContos que elevam a alma
Contos que elevam a alma
Antonio SSantos
 
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaioLivro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
Rosane Ribeiro
 

Mais procurados (18)

Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato   A Reforma Da NaturezaMonteiro Lobato   A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
 
Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013
 
Monteiro lobato -_Seroes_de_Dona_Benta
Monteiro lobato -_Seroes_de_Dona_BentaMonteiro lobato -_Seroes_de_Dona_Benta
Monteiro lobato -_Seroes_de_Dona_Benta
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
 
As aventuras de joão sem medo imagens
As aventuras de joão sem medo imagensAs aventuras de joão sem medo imagens
As aventuras de joão sem medo imagens
 
Marcadores
MarcadoresMarcadores
Marcadores
 
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanhoMonteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
 
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário deMitos indígenas em macunaíma, de mário de
Mitos indígenas em macunaíma, de mário de
 
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 0559   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
 
Ana Margarida
Ana MargaridaAna Margarida
Ana Margarida
 
Vidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano RamosVidas secas- Graciliano Ramos
Vidas secas- Graciliano Ramos
 
Fabulas de-sempre
Fabulas de-sempreFabulas de-sempre
Fabulas de-sempre
 
Itan dos mais_velhos
Itan dos mais_velhosItan dos mais_velhos
Itan dos mais_velhos
 
Contos que elevam a alma
Contos que elevam a almaContos que elevam a alma
Contos que elevam a alma
 
Proj letura
Proj leturaProj letura
Proj letura
 
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaioLivro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
Livro virtual 4_a professora Rosane trabalhando abrilmaio
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 

Semelhante a 185440982-A-vida-magica-da-sementinha-guiao-1.pdf

Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriososRoteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
RitaGasparCardoso
 
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagemOficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Marlete Outeiro
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
mariacarmcorreia
 
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
Fabiana Esteves
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
Mara Sueli
 

Semelhante a 185440982-A-vida-magica-da-sementinha-guiao-1.pdf (20)

Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
 
Atividades Proalfa
Atividades ProalfaAtividades Proalfa
Atividades Proalfa
 
SÓ FÁBULAS 3.pdf
SÓ FÁBULAS 3.pdfSÓ FÁBULAS 3.pdf
SÓ FÁBULAS 3.pdf
 
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriososRoteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
 
Atividades fábulas
Atividades fábulasAtividades fábulas
Atividades fábulas
 
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagemOficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
EEI 8 - Aula 8 o retorno da vida corporal à vida material
EEI 8 - Aula 8   o retorno da vida corporal à vida materialEEI 8 - Aula 8   o retorno da vida corporal à vida material
EEI 8 - Aula 8 o retorno da vida corporal à vida material
 
Avaliação port 6º__ano (1)
Avaliação port 6º__ano (1)Avaliação port 6º__ano (1)
Avaliação port 6º__ano (1)
 
Avaliação port 6º__ano
Avaliação port 6º__anoAvaliação port 6º__ano
Avaliação port 6º__ano
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
Leitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de textoLeitura e interpretação de texto
Leitura e interpretação de texto
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
Oficina educação infantil 12 de maio de 2015
 
História com recadinho
História com recadinhoHistória com recadinho
História com recadinho
 
Ativ. férias 1º ano
Ativ. férias 1º anoAtiv. férias 1º ano
Ativ. férias 1º ano
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
 
A Magia das Aprendizagens
A Magia das AprendizagensA Magia das Aprendizagens
A Magia das Aprendizagens
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 

Mais de Carla Alves (9)

geografia 7º ano- ficha info.Escalas.pdf
geografia 7º ano- ficha info.Escalas.pdfgeografia 7º ano- ficha info.Escalas.pdf
geografia 7º ano- ficha info.Escalas.pdf
 
percentagens.pdf
 percentagens.pdf percentagens.pdf
percentagens.pdf
 
-Livro-FQ-Leya-2020-pdf.pdf
-Livro-FQ-Leya-2020-pdf.pdf-Livro-FQ-Leya-2020-pdf.pdf
-Livro-FQ-Leya-2020-pdf.pdf
 
Portugues-ª-Ano-Testessss.pdf
Portugues-ª-Ano-Testessss.pdfPortugues-ª-Ano-Testessss.pdf
Portugues-ª-Ano-Testessss.pdf
 
01_FORMAS_ANIMAIS=CM.pdf
01_FORMAS_ANIMAIS=CM.pdf01_FORMAS_ANIMAIS=CM.pdf
01_FORMAS_ANIMAIS=CM.pdf
 
40178810-Teste-Solidos-geometricos.doc
40178810-Teste-Solidos-geometricos.doc40178810-Teste-Solidos-geometricos.doc
40178810-Teste-Solidos-geometricos.doc
 
Onduline placas isolamento_acustico_onduphone_well_2009
Onduline placas isolamento_acustico_onduphone_well_2009Onduline placas isolamento_acustico_onduphone_well_2009
Onduline placas isolamento_acustico_onduphone_well_2009
 
Mapei mapetherm ar1_2009
Mapei mapetherm ar1_2009Mapei mapetherm ar1_2009
Mapei mapetherm ar1_2009
 
Dow fllormate dow pavimentos
Dow fllormate dow pavimentosDow fllormate dow pavimentos
Dow fllormate dow pavimentos
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 

185440982-A-vida-magica-da-sementinha-guiao-1.pdf

  • 1. Guiões de leitura orientada Alves Redol, A Vida Mágica da Sementinha VERIFICAÇÃO DA LEITURA Preenche o quadro com elementos relativos ao livro. Se necessário, consulta a Internet. Título Autor Editor Coleção Completa a síntese do conto A Vida Mágica da Sementinha com as palavras ao lado. Mesmo antes de cair na terra, o seu destino leva-a a ser rou- bada por um cantor, porquem se apaixona, e depois por um que a tenta devorar, quase interrompendo o ciclo de vida que a aguarda. O seu caráter especial, capaz de amadurecer antes de todas as outras semen- tes, impede-a de se transformar em e de- pois em pão, como acontece com outras com quem partilha da terra, e em , matando a fome aos trabalhadores que, árdua e alegremente, cuidam dos campos. Em vez disso, será alvo de ede experiências, num elogio da ciência e das suas capacidades, que o autor reserva para o final da narrativa, manifestando nela a sua esperança no fim da fome através da de farinha. http://ainocenciarecompensada.blogspot.com (Consultado em 12 de outubro de 2011) COMPREENSÃO DA LEITURA A obra A Vida Mágica da Sementinha contém vocabulário relacionado com a vida no campo que talvez não conheças. Guião de leitura A. 1. 2. B. 1. 29
  • 2. PRETEXTOS 6 Relêoscapítulos1e2,ondeencontrasalgumasdessaspalavras,efazoexercíciodevocabulário seguinte, associando as palavras da primeira coluna ao seu significado. Silvado, matagal Orgulhosa, vaidosa Objeto perfurante Rego feito com arado Trabalho duro Terra que se lavra para que descanse Continua a ler o livro para descobrires mais palavras que talvez desconheças. Regista-as no caderno e consulta o seu significado num dicionário. Encontras no conto algumas palavras no grau diminutivo. Lê algumas dessas palavras e indica a base a partir da qual elas foram formadas. pequerrucha gorducho passarico mimalha vozita peitilho biquito solinho pardaleco sementinha Indica o sentido dos diminutivos “pequerrucha”, “solinho” e “biquito”, no conto, assinalando a opção correta. a. pequenez b. referência carinhosa c. inferioridade c. referência desrespeitosa Os nomes dos filhos de alguns animais têm, em alguns casos, na língua portuguesa, uma pa- lavra própria para indicar a sua pequenez. Associa os nomes de alguns animais aos nomes dos seus progenitores. cachorro potro bezerro borracho pinto leitão 30 1.1. 1.2. 2. 2.1. 2.2. 2.3. A 1 B 2 C 3 D 4 E 5 F 6 alqueive labuta leiva aguilhão ancha sarça A 1 B 2 C 3 D 4 E 5 F 6 porco galinha pombo vaca cavalo cão
  • 3. Guiões de leitura orientada 3. Cada animal emite um som diferente. Procura, no conto, os verbos que designam os sons produzidos pelos diferentes animais aí mencionados. Transcreve-os no infinitivo. Título do capítulo Nome do animal Verbo O rapto da Sementinha burro pisco O milagre de um rouxinol apaixonado coruja tentilhão 4. Referem-se, no conto, exemplares da fauna e da flora portuguesa. Transcreve para o quadro cinco elementos de cada uma dessas classes. Fauna Flora 4.1. Considera a sequência seguinte, retirada do capítulo “O grande mistério”, e diz a que classe geral pertencem os nomes aí utilizados. Enxofre, fósforo e azoto, potássio e magnésio, sílica e cálcio… E ferro… E manganésio… 5. Considera a sequência seguinte, que encontras na página 22: (…) o pisco pipilava, muito humilde, no seu peitilho de púrpura (…) 5.1. Qual é o som que se repete? 5.2. Explica a que situação está associada a repetição desse som. 6. O conto é rico em personificações, metáforas e comparações. 6.1. Diz que recursos de linguagem encontras em cada expressão, fazendo as associações. Gotas de chuva refulgiam como pedras preciosas. O Sol despertou confuso. Era uma ferramenta forte, como um quebra-nozes. Foi o Bago Azul quem retomou o fio da conversa. O Sol não deixava de apontar as suas lanças de fogo. As mondinas dizimavam as ervas gulosas. 1 2 A 3 B 4 C 5 6 Comparação Metáfora Personificação 31
  • 4. PRETEXTOS 6 O conto A Vida Mágica da Sementinha está dividido em capítulos. Escreve uma frase, referindo o que se conta em cada capítulo, de acordo com o modelo. O que se conta Os bagos de trigo acordam, depois de umlongo sono, e conversam uns com os outros. O rapto da Sementinha O milagre de um Rouxinol apaixonado O ladrão escapa-se e a Sementinha cai Velhas histórias que convém saber melhor Em poder da Feiticeira O grande mistério Ressurreição Uma menina com tranças A sementinha é esquartejada As meninas sementinhas vão à escola A Asa de Corvo casa-se como os chineses Um viveiro de sementes e de histórias Completa o texto sobre as personagens do primeiro capítulo do conto A Vida Mágica da Se- mentinha com as palavras indicadas na lista ao lado. A Sementinha vivia nas terras do senhor (1) e da senhora (2) . Nessas terras,haviaum animalpaciente,quelavravacom a charrua, chamado (3) . Na velha arca, onde estava guardada a (4) , haviaum bago resmungão chamado (5) e um velho grão de trigo muito esperto chamado (6) . Relê o capítulo “Velhas histórias que convém saber melhor” e identifica o narrador. Responde às questões seguintes sobre a ação do conto A Vida Mágica da Sementinha. 10.1. Quem metera a Sementinha e os outros bagos numa arca, durante vários meses? 32 7. 7.1. 8. 9. 10. Capítulo Falam os bagos de trigo
  • 5. Guiões de leitura orientada 10.2. O que aconteceu, para que a Sementinha deixasse a velha arca? 10.3. Por que razão a Sementinha escapou de ser comida pelo Rouxinol? 10.4. Quando a Sementinha foi de novo capturada, o Rouxinol demonstrou-lhe o que sentia por ela. De que forma? 10.5. Quem era a Feiticeira que aprisionou a Sementinha? 10.6. Enquanto estava prisioneira da Feiticeira, a Sementinha foi sofrendo várias transformações, que ela não percebia bem. Preenche o quadro, de acordo com modelo. O que estava a acontecer O que a Sementinha pensava que seria Quanto mais água bebia, mais sede tinha. A Sementinha pensava que o seu encantamento não teria fim. O seu interior tornou-se num líquido leitoso e branco. Do corpo, saía-lhe um rabinho. Enquanto uma cauda crescia para baixo, outra crescia para cima. O seu corpo transformava-se numa cana frágil. Nas hastezinhas das raízes nasciam-lhe pelos. 10.7. Quem ajudou a libertar a Terra da água que a invadiu? 10.8. O que acontecera, entretanto, ao Rouxinol? 10.9. Quem é que a Sementinha responsabilizou pelas suas tranças loiras? 10.10. Consideras que a Sementinha teve um trágico destino? Justifica a tua opinião. 11. Justifica o título do conto que acabas de ler. AEPRT6DP_MAD_03 33
  • 6. PRETEXTOS 6 PROLONGAMENTO Descobre os fatores mais importantes para a germinação das sementes fazendo a experiência seguinte, de acordo com as instruções: • A turma divide-se em quatro grupos. A cada um é dado um recipiente e várias sementes de milho. • O grupo 1 enche o seu recipiente com terra, lança nela as sementes e verifica se as sementes germinam sem água; o grupo 2 coloca as sementes no seu recipiente, que fecha com uma tampa, e põe-no num local com luz direta, para verificar se as sementes germinam sem ar; o grupo 3 enche o recipiente com terra; lança nela as sementes e põe o recipiente num local escuro, embora com água, para verificar se as sementes germinam sem luz; finalmente, o grupo 4 enche o seu recipiente com terra húmida e coloca nela as sementes de milho, que expõe ao ar e à luz solar. • Durante cerca de duas semanas, enquanto vão lendo a obra A Vida Mágica da Sementinha, os alunos verificam o que vai acontecendo e registam os dados que observam no caderno diário. • No final da experiência, os alunos discutem os resultados observados em cada grupoe elegem um porta-voz, que apresentará os resultados à turma. Escreve um texto expositivo, descrevendo a experiência que fizeste e explicando as conclu- sões a que chegaste, quando, depois de realizada essa experiência, discutiste com os teus colegas os resultados observados. Planifica previamente o teu texto, para incluires nele a in- trodução, o desenvolvimento e a conclusão. 34 C. 1. 2.