O tempo das reformas religiosas parte 1

3.838 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.838
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.533
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O tempo das reformas religiosas parte 1

  1. 1. O Tempo dasReformas ReligiosasA REFORMA PROTESTANTE
  2. 2. Indicadores de aprendizagem Integrar a Questão das indulgências, no ambiente de crise da igreja católica (D)
  3. 3. A Igreja estruturou-se como um verdadeiro Estado, sua força e influênciatornaram-na a maior proprietária de terras da Europa. Lembra-se que nessaépoca a terra era a principal fonte de riqueza. O particularismo medievaldobrava-se ao universalismo católico. Enfim a influência da Igreja foi marcantena vida medieval: a elaboração da cultura desenvolveu um espaço mental emque o conhecimento do mundo e de si mesmo pressupunha a tarefa deencontrar em toda parte a ordem de Deus. E tal atitude mental se refletia noesforço por simbolizar, por ordenar a natureza, o espaço e o tempo, segundoas leis de Deus. Deus criador do mundo, pôs no firmamento dois grandesastros para o iluminar- o Sol, que presidia o dia, e a Lua, que presidia a noite.Na Terra, instituiu duas altas dignidades: o Papado, que reina sobre asalmas, e a realeza, que domina os corpos. Mas a primeira é bem superior àsegunda. Aquino, História das sociedades 1-Em que bases, a Igreja católica alicerçava o seu poder?
  4. 4. No século XVI, a autoridade e prestígio da Igrejacomeçam a ser fortemente abalados e contestados a difusão do Humanismo contribuiu para desenvolver o movimento de contestação à Igreja Thomas More Erasmo de Roterdão
  5. 5. • A veracidade de alguns dos ensinamentos da Igreja é posta em causa, devido ao espírito crítico1 dos renascentistas (exemplo: Geocentrismo). • Invenção da Imprensa (Gutenberg) = difusão da Bíblia, surgindo novas interpretações.2 • boa parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina católica e demonstrava falta de preparo para3 funções religiosas.
  6. 6. Eis os soberanos Pontífices, oscardeais e os bispos (…). Hoje(…) estes pastores não fazemnada senão alimentar-se bem.Deixam o cuidado do rebanho aopróprio Cristo (…). Esquecem queo nome de bispo significalabor, vigilância (…). Estasqualidades servem-lhes paradeitar mão ao dinheiro (…). Se ossoberanos Pontífices, que estãono lugar de Cristo, seesforçassem por imitá-lo na suapobreza, nos seus trabalhos, nasua sabedoria, na sua cruz e nodesprezo da vida (…) não seriamos mais infelizes dos Homens? Erasmo de Roterdão, O Elogio da Loucura.
  7. 7. “Quando a moeda tilintar a alma vai para o Céu!” “Indulgência é a remissão da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa, que o fiel, devidamente disposto e em certas e determinadas condições, alcança por meio da Igreja, a qualdistribui e aplica o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos. ”
  8. 8. • A corrupção e a imoralidade dos membros do alto clero eram frequentes • Os membros do alto clero, nomeadamente os papas, comportavam-se como1 príncipes e levavam uma vida de luxo e ostentação • O acesso aos altos cargos eclesiásticos, devido aos elevados rendimentos que proporcionavam, era muitas vezes atribuído (e mesmo comprado) a familiares2 • Muitos membros do clero prosseguiam uma vida imoral (vários tinham, aliás, mulher e filhos, contrariando o voto de celibato) • Simonia = Para ganhar dinheiro, o alto clero iludia a boa-fé de milhares de cristãos comercializando relíquias religiosas, em geral falsas. • Indulgências = Venda do perdão dos pecados. Mediante pagamento, destinado a3 financiar obras da Igreja, os fiéis poderiam comprar a “salvação eterna”.
  9. 9. Em que consistiu aReforma Protestante?
  10. 10. A mais forte contestação à situação da Igreja deu-se na Alemanha Sob liderança de Martinho Lutero inicia-se um movimento conhecido como “REFORMA PROTESTANTE”
  11. 11. O que são as indulgências?
  12. 12. Esta “venda de indulgências” gerou, muita contestação:
  13. 13. “Quando a moedatilintar a alma vai para o Céu!”
  14. 14. Lutero ataca a venda de indulgências. Indignado afixa nas portas da Catedral de Wittenberg as “Noventa e cinco teses contra a venda de indulgências” Leitura da pág. 106
  15. 15. Lutero afixou na porta da catedral de Wittenberg as “95 teses contraas indulgências”. Neste documento, Lutero condenava a venda dasindulgências a troco de dinheiro e demonstrava que a capacidadepara conceder o perdão dos pecados não pertencia ao Papa, mas aDeus. Foi, por isto, perseguido e excomungado (expulso da Igreja)em 1521. Em sinal de revolta, Lutero queimou publicamente a bulade excomunhãoExcomungado pelo Papa, restou a Lutero reunir forças para impor adoutrina que acabava de criar – o luteranismo.As ideias de Lutero deram início a uma nova doutrina – OPROTESTANTISMO – que rapidamente se difundiu nos países doNorte da Europa, embora com algumas variantes doutrinárias.

×