Slide sobre Brincadeiras, jogos,danças de nossas culturas

812 visualizações

Publicada em

slide para disciplina de Cont. Met. e Prática de Ensino de Educação Física , faculdade Estácio de Sá

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
812
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3.382
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide sobre Brincadeiras, jogos,danças de nossas culturas

  1. 1. BRINCADEIRAS , JOGOS, DANÇAS DE NOSSAS CULTURAS PRODUZIDO POR: CARINA SOARES BARROSO MATRÍCULA:201403075042 DISCIPLINA:CONT. MET. E PRÁTICA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSORA: MÔNICA SILVA FERREIRA MIGUEL FACULDADE : ESTÁCIO DE SÁ
  2. 2. AMARELINHA • 1. Nome(s) do jogo Amarelinha, Marelinha, Academia, Cademia,Sapata, Maré, Avião, Pular Macaco, etc. • 2. País (zona, região) Praticamente em todo o país mas com aparições mais fortes no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Bahia, onde recebem nomes distintos. • 3. Onde se joga (lugar, variações)? Lugares abertos, especialmente em contato com a Natureza.
  3. 3. • 4. Como se joga (regras)? Cada jogador, possuidor de uma pedrinha na mão, tem a missão de ir do “inferno” ao “céu” (do início ao fim) passo a passo. Começa no “inferno” e atira a pedra no número 1, vai pulando até o “céu” – alternando uma e duas pernas de acordo com o desenho traçado no chão e não pisando na casa onde está a pedra – e retorna ao “inferno” retirando o objeto da casa 1. Segue fazendo o mesmo para a casa 2, a casa 3e assim por diante até que erre e passe a vez para o outro participante. Quem fizer todo o trajeto primeiro é o vencedor (versão mais tradicional com o gráfico semelhante a foto acima). • 5. Quem joga (crianças, jovens,tod@s, em escolas, bairros)? Principalmente crianças e jovens, em escolas ou espaços públicos. • 6. Materiais necessários (comprados, confeccionados) Não é necessário nenhum material específico além de uma pedrinha e um desenho feito no chão.
  4. 4. • 7. Ditado, coro ou canção que acompanha Não há canções para acompanhamento. Em algumas localidades se improvisamoutras de domínio público enquanto se executa a brincadeira. Nas grandes cidades pode ter o acompanhamento de música já gravada (aparelho de som). • 8. Esse jogo revela a cultura local? Como? Por que? A amarelinha original tinha mais de cem metros e era usada como exercício de treinamento militar pelo Império Romano. Os soldados corriam sobre a amarelinha para melhorar as habilidades com os pés. Ao chegar em nosso país, no período colonial, foi assumindo diferentes formatos segundo a região e a comunidade na qual se instalava. O uso das palavras “céu” e “inferno”, por exemplo, demonstra que a localidade tinha forte apelo religioso e a brincadeira ensinava como se portar durante a vida. Em outros lugares surgiam as palavras mundo, natureza, lua, sol, para designar os espaços de começo e fim da atividade, sempre tendo grande relação coma realidade local.
  5. 5. ESCRAVO DE JÓ • 1. Nome(s) do jogo Escravos de Jó • 2. País (zona, região) Aparece em várias zonas do Brasil mas prevalece nas regiões mais pobres do país, onde provavelmente surgiu – norte e nordeste. • 3. Onde se joga (lugar, variações)? Espaços abertos ou fechados onde caiba uma roda de pessoas sentadas.
  6. 6. • 4. Como se joga (regras)? Dispostos ao redor de uma mesa ou sentados no chão em roda, os jogadores pegam uma pedra cada um. Ao ritmo da música cantada, entregam sua pedra ao companheiro dadireita. Em determinados momentos da letra, não a soltam e a trazem de volta. Osmovimentos são repetidos só ao som da música solfejada. Depois em silêncio, apenasmantendo o ritmo. Voltam, então, a cantar. • 5. Quem joga (crianças, jovens,tod@s, em escolas, bairros)? É uma brincadeira realizada por todas as faixas etárias, em diferentes espaços e ocasiões.Nos ambientes educacionais é amplamente difundida e utilizada para trabalhar diversosaspectos infantis e juvenis – através de adaptações. • 6. Materiais necessários (comprados, confeccionados) Apenas são necessárias latas, tampinhas, pedras ou qualquer outro pequeno objeto. Um para cada participante.
  7. 7. • 7. Ditado, coro ou canção que acompanha “Escarvos de Jó, jogavam caxangá, tira, põe, deixar ficar... Guerreiros com guerreiros,fazem zigue, zigue, zá”. • 8. Esse jogo revela a cultura local? Como? Por que? Há controvérsias a respeito da origem, do significado e da letra do jogo. A letra do jogofazia alusão aos escravos que juntavamcaxangá (uma espécie de crustáceo). De Jóera como se chamavam os escravosdomésticos ('pacientes” como o tal Jó daBíblia): cozinheiras, costureiras,amas-de-leite, etc. Na língua banto, njóquer dizer casa. Em outra versão, dizemque era como os escravos se conversavamem momentos de descanso, tramando fugasdas fazendas para Quilombos e decidindo asestratégias para realizar as ações sem seremcompreendidos por seus patrões. Diferençasa parte, em todas as teses, há a referência ao período escravista brasileiro que perdurou de 1500 a 1888 oficialmente.
  8. 8. • Alguns brinquedos, jogos e brincadeiras tradicionais entre as crianças brasileiras têm origens surpreendentes. Vêm tanto dos povos que deram origem à nossa civilização (o índio, o branco, o negro), como até mesmo do longínquo Oriente. Atualmente, no mundo cada vez mais urbanizado, industrializado e informatizado, a tendência é que muitas das brincadeiras tradicionais percam espaço nas preferências infantis. Mesmo assim, jogos e brinquedos como a peteca, a amarelinha, a ciranda, a pipa e a cama de gato têm valor cultural inestimável, e o lugar dessas brincadeiras no folclore já está garantido.
  9. 9. • Peteca Quando os portugueses chegaram no Brasil, encontraram os índios brincando com uma trouxinha de folhas cheia de pequenas pedras, amarrada a uma espiga de milho, que chamavam de Pe?teka, que em tupi significa "bater". A brincadeira foi passando de geração em geração e, no século 20, o jogo de peteca tornou-se um esporte, com regras e torneios oficiais.
  10. 10. • Cama-de-gato A cama-de-gato é uma brincadeira com barbante. Consiste em trançar um cordão entre os dedos das duas mãos e ir alterando as figuras formadas. Provavelmente de origem asiática, a brincadeira é praticada em diversas partes do mundo. Uma versão mais moderna é trançar um elástico com as pernas.
  11. 11. • Cinco Marias Também chamada de três Marias, jogo do osso, onente, bato, arriós, telhos, chocos, nécara etc. O jogo, de origem pré-histórica, pode ser praticado de diversas maneiras. Uma delas é lançar uma pedra para o alto e, antes que ela caia no chão, pegar outra peça. Depois tentar pegar duas, três, ou mais, ficando com todas as peças na mão. Na antiguidade, os reis praticavam com pepitas de ouro, pedras preciosas, marfim ou âmbar. No Brasil, costuma ser jogado com pedrinhas, sementes ou caroços de frutas, ossos ou saquinhos de pano cheios de areia
  12. 12. • Pipa Pipa, papagaio, arraia, raia, quadrado, pandorga... As pipas apareceram na China, mil anos antes de Cristo, como forma de sinalização. Sua cor, desenho ou movimento poderia enviar mensagens entre os campos. Os chineses eram peritos em construir pipas enormes e leves. Da China elas foram para o Japão, para a Índia e depois para a Europa. Chegaram no Brasil trazidas pelos portugueses. Os tipos de pipa mais conhecidos são o de três varas, o de cruzeta e o de caixa. Para confeccioná-las bastam algumas folhas de papel, varinhas e linha.
  13. 13. CANTIGAS DE RODAS Desde a canção Ciranda, Cirandinha até pular amarelinha ou brincar de pique- esconde, muitas das brincadeiras que a turminha moderna curte já encantavam crianças há mais de um século. Que tal um passeio pela história dos brincadeiras e brinquedos antigos no Brasil? Os primeiros brinquedos e brincadeiras das crianças brasileiras eram ligados à vida natural, como banhos de rio e passeios no mato. Nessa época papais e mamães índios faziam para seus filhos brinquedos como arco e flecha, petecas, bolas e bonecos de barro cozido. Depois, com a colonização do país pelos portugueses, surgiram pipas de papel, bodoques e dominós. Entre as formas de diversão mais apreciadas pela meninada, merecia destaque o teatro de marionetes. A presença dos escravos negros trouxe as cantigas de ninar e importantes personagens do nosso folclore, como o saci-pererê, a mula-sem-cabeça, a cuca, o lobisomem e tantos outros.
  14. 14. • Ciranda A famosa dança infantil, de roda, conhecida em todo o Brasil, teve origem em Portugal, onde era um bailado de adultos. O Semelhante a ela é o fandango, baile rural praticado até meados do século XX no interior do Rio de Janeiro (Parati) e São Paulo, em que homens e mulheres formavam rodas concêntricas, homens por dentro e mulheres por fora. Os versos que abrem a ciranda infantil são conhecidíssimos ainda hoje: "Ciranda, cirandinha/ Vamos todos cirandar/ Vamos dar a meia volta/ Volta e meia vamos dar". De resto, há variações regionais que os complementam como "O anel que tu me deste/ Era vidro e se quebrou./ O amor que tu me tinhas/ Era pouco e se acabou".
  15. 15. CAPOEIRA • A história da Capoeira confunde-se com a própria história do Brasil, pois é nela que vamos encontrar as primeiras manifestações. A Capoeira surgiu do negro cativo buscando sua identificação cultural frente ao sistema da escravidão em um ambiente adverso à sua aceitação junto à sociedade dominante. Há sessenta anos a capoeira ainda era considerada ilegal, reprimida pela polícia. Essa situação gerou um ambiente propício ao desenvolvimento da sua versatilidade.
  16. 16. • A Capoeira é brincadeira, é um jeito de lutar jogando, rindo, dissimulando. Tem evoluído nos últimos cinqüenta anos, saiu das sendas da marginalidade e passou a ser praticada em academias, clubes e sua presença, obrigatória em espetáculos diversos. Tratando-se de uma cultura popular, a transmissão de conhecimentos de geração em geração vem ocorrendo de forma verbal e através da própria realização da arte. Sua expressão popular faz parte do vasto e rico legado da cultura brasileira e contém elementos de educação, arte, luta, esporte, terapia, assim como dança, lazer, folclore, história, ginástica, etc.
  17. 17. • A arte na Capoeira se faz presente através da música, do ritmo, do canto, da expressão corporal, da criatividade de movimentos e da presença cênica. A luta representa sua origem e sobrevivência através dos tempos na sua forma mais natural, como um instrumento de defesa pessoal genuinamente brasileiro, e uma estratégia de resistência ao aniquilamento de uma cultura. Como modalidade esportiva, ela possui elementos que se identificam culturalmente com seus praticantes, despertando o interesse da comunidade em geral. A sua prática, como forma de lazer e recreação, representa eventos conhecidos na comunidade como "rodas de capoeira", sendo evidente os seus efeitos terapêuticos em termos educacionais, ocupacionais e de reabilitação.
  18. 18. VÍDEO SOBRE CAPOEIRA
  19. 19. VÍDEO DE UMA APRESENTAÇÃO DE CAPOEIRA(MACULELE E RODA)

×