SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Livro de Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier
Evangelho e
Individualidade
Lição 15
 A cada nova mensagem deste rico livro vem o pensamento de que algoA cada nova mensagem deste rico livro vem o pensamento de que algo
essencial me está sendo ensinado, mesmo ao conhecimento que eu já tinha,essencial me está sendo ensinado, mesmo ao conhecimento que eu já tinha,
um novo olhar está sendo acrescentado. Emmanuel é um professorum novo olhar está sendo acrescentado. Emmanuel é um professor
incomum, nos convida a refletir, mas não nos dá tudo pronto, quer de nósincomum, nos convida a refletir, mas não nos dá tudo pronto, quer de nós
um pouco de esforço a fim de que tenhamos a compreensão própria do queum pouco de esforço a fim de que tenhamos a compreensão própria do que
ele nos está dizendo.ele nos está dizendo.
 Eis, então, que inicia-se nova etapa, nova lição: O Evangelho e aEis, então, que inicia-se nova etapa, nova lição: O Evangelho e a
Individualidade.Individualidade.
 Antes, porém, de adentrarmos nas linhas tão bem escritas por Emmanuel éAntes, porém, de adentrarmos nas linhas tão bem escritas por Emmanuel é
preciso que busquemos algo sobre a questão da individualidade.preciso que busquemos algo sobre a questão da individualidade.
 O vernáculo nos diz que aO vernáculo nos diz que a individualidade éindividualidade é "a característica ou"a característica ou
particularidade do que é individual; Conjunto das qualidades queparticularidade do que é individual; Conjunto das qualidades que
compõe a originalidade, fazendo com que algo ou alguém seja único."compõe a originalidade, fazendo com que algo ou alguém seja único."
 Segundo Augusto Cury: " Há uma grande diferença entre o
individualismo e a individualidade. O individualismo é uma
característica doentia da personalidade, ancorada na incapacidade de
aprender com os outros, na carência de solidariedade, no desejo de
atender em primeiro, segundo e terceiro lugar aos próprios interesses.
Em último lugar, ficam as necessidades dos outros. A individualidade,
por sua vez, está ancorada na segurança, na determinação, na
capacidade de escolha. É, portanto, uma característica muito saudável
da personalidade. Infelizmente, desenvolvemos frequentemente o
individualismo e não a individualidade. (Augusto Cury, in 'Nunca
Desista dos Seus Sonhos' )
 Quem eu sou? Quais as minhas qualidades, potencialidades, virtudes,
defeitos, dificuldades? Como se dá a minha interação com o mundo?
Assumo uma postura única e individual, porém, aprendendo com o
semelhante? Ou tento me adequar aos padrões estabelecidos por nossa
sociedade como características de uma pessoa dita normal?
 Reconhecer-se como um ser único é algo importante a quem está
trabalhando na construção de si mesmo. Grande número de pessoas
apenas vive conforme lhe dizem para viver, é um caminhar conforme o
vento, ausente a reflexão, a percepção de si mesmo, em síntese, é a
ausência ou mesmo o esquecimento do tão necessário do
autoconhecimento.
 Vale a pena aprofundarmos um pouco nesta questão, adentrando
inclusive nos conceitos do Ego e do Self, para tanto compartilho
alguns trechos do artigo escrito por Juliz Zayas, sobre estudos de
Jung:
 "Psicólogo analítico do século XIX, Carl Gustav Jung desenvolveu
diversos estudos na área da psicanálise com foco nas relações entre
consciente e inconsciente e tipos de personalidade. Em seus estudos
inclui a análise do ego e sua função e funcionamento no corpo humano.
 Para Jung, o Ego é parte constituinte da mente humana, como um
processo funcional composto por tudo aquilo que vimos, convivemos e
percebemos. Sendo assim, é muito mais do que o simples “eu”, é a junção
de lembranças, sentimentos e ideias que posicionam nosso
comportamento e nos tornam conscientes.
 Considera que a personalidade é constituída pela junção do ego com aquilo que
chama de “self”, que seria uma parte “suprema” do indivíduo responsável por
mover o ego e sua consciência, este, encarregado de desvendar e interpretar o que
parece inconsciente e desconhecido. Ao contrário do conceito religioso por
exemplo, que define o “desconhecido” como sombras ou trevas e não admite sua
interiorização e desenvolvimento, exteriorizando-os como “personalidades
superiores”.
 A predominância do “self” consiste em uma etapa da “individuação” dos seres,
que ocorre ao longo da vida.
 A análise de psicólogos e estudiosos como Freud, Jung, e outros, descreve essa
formação a partir do momento em que se atua na manipulação do ego desde o
momento em que se nasce. O ego é, então, o contato da mente com a tal “sombra
desconhecida” tomando consciência da atitude e interpretação que se deve ter.
Essa singularidade de entendimento posiciona cada ser humano originalmente na
sociedade e grupo em que vive, sendo de extrema importância para a formação de
seres sociais.
 Para que essa atitude de comportamento e reação “natural” seja cabível a
convivência social, ela limita-se a normas pré-estabelecidas por um
comportamento coletivo, ou seja, as regras comuns se sobressaem sobre as normas
individuais em questão moral. Por conta disso, a individuação é algo pessoal e
primitivo da identidade do ser, porém, fortemente contaminado e guiado pelas
condições externas alteradoras de consciência."
 Importante citar que é justamente a percepção da
individualidade que nos distingue de nossos
irmãos animais. Como nos explicam os espíritos
na questão 598 do Livro dos Espíritos:
 "Após a morte, conserva a alma dos animais a
sua individualidade e a consciência de si mesma?
“Conserva sua individualidade; quanto à
consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe
permanece em estado latente.”
 Presente, então, em nosso estudo os alicerces
para que possamos compreender o que significa a
nossa individualidade, estamos aptos a colocar o
Evangelho em seu caminho, buscando o
entendimento de como este contribui para a nossa
evolução, inclusive para que possamos perceber
se estamos no caminho correto, ou melhor
dizendo, no caminho que o próprio Cristo nos
ensinou.
 Iniciemos com Emmanuel, observando que ele nos dá,
primeiramente, informações negativas, ou seja, ele nos
informa o que o Cristo não fez. Vejamos:
 "Efetivamente,as massas acompanhavam o Cristo, de"Efetivamente,as massas acompanhavam o Cristo, de
perto, no entanto, não vemos no Mestre a personificaçãoperto, no entanto, não vemos no Mestre a personificação
do agitador comum.do agitador comum.
 Em todos os climas políticos, as escolas religiosas,Em todos os climas políticos, as escolas religiosas,
aproximando-se da legalidade humana, de alguma sorteaproximando-se da legalidade humana, de alguma sorte
partilham da governança, estabelecendo regras espirituaispartilham da governança, estabelecendo regras espirituais
com que adquirem poder sobre a multidão.com que adquirem poder sobre a multidão.
 Jesus, porém, não transforma o espírito coletivo emJesus, porém, não transforma o espírito coletivo em
terreno explorável." Roteiroterreno explorável." Roteiro
 Não se trata aqui de mera informação para introduzir uma idéia, mas um convite a
percebermos que em muitos lugares e em muitos tempos, as escolas religiosas
tentaram trabalhar o coletivo. Dogmas, rituais, "verdades inquestionáveis" que
faziam e, ainda, fazem parte da vivência das pessoas.
 Diz-nos Emmanuel que Jesus não adentrou neste terreno, do espírito coletivo. Isto
é muito interessante e é também um norte para a forma como devemos trabalhar
em nossas casas religiosas. Um a um, o ser possui uma importância e uma forma
única de ver a vida e isto deve ser estimulado, permitido, porém, o único ambiente
em que as pessoas se sentem confortáveis para demonstrar o seu pensamento,
ainda que contrário aos demais, é num ambiente amoroso e fraterno.
 Assim, caminhando em sentido contrário à massificação, o espiritismo deve
incentivar o olhar para si mesmo a fim de que cada ser descubra e desenvolva a sua
individualidade. Deus nos fez únicos.
 Sigamos em frente.
 "Proclamando as bem-aventuranças à turba no monte, não a"Proclamando as bem-aventuranças à turba no monte, não a
induz para a violência, a fim de assaltar o celeiro dos outros.induz para a violência, a fim de assaltar o celeiro dos outros.
Multiplica, Ele mesmo, o pão que a reconforte e alimente.Multiplica, Ele mesmo, o pão que a reconforte e alimente.
 Não convida o povo a reivindicações.Não convida o povo a reivindicações.
 Aconselha respeito aos patrimônios da direção política, naAconselha respeito aos patrimônios da direção política, na
sábia fórmula com que recomendava seja dado “a César osábia fórmula com que recomendava seja dado “a César o
que é de César”." Roteiroque é de César”." Roteiro
 Talvez, numa leitura rápida, possa se pensar que o Cristo nos
convida a aceitar tudo o que nos acontece, mesmo o que é
injusto, sem tentar buscar a justiça e a retidão.
 Em tempos de crise, quando tantas notícias de corrupção nos
são reveladas dia após dia, como não reivindicar? Como não
almejar que o pão possa chegar aos humildes, aos pobres que
são os que mais sofrem com os desvios e roubos que
assombram nosso país.
 A questão é como estamos combatendo estas questões. Este é o
cerne.
 Sem violência, buscando caminhos que agreguem (multiplicação do pão),
caminhos que sejam positivos, trazendo novas formas de se realizarem
estas práticas antigas.
 A crítica é diferente da proposta de solução, do arregaçar as mangas para
ver o que cada um pode fazer dentro de suas possibilidades para resolver
as questões morais que assombram nossas vidas e nossos lares. Os
discípulos informaram que o pão não daria (problema), o Cristo nos
mostrou que para cada problema é necessário buscar uma ação positiva.
Agir com justiça, com retidão, buscando a melhoria de si mesmo para,
então, inspirar que também outros modifiquem o seu modo de viver é uma
forma positiva de encarar o momento negativo que atravessamos.
 Não se trata de um caminho fácil ou rápido, mas o que a lição sugere é que
o trabalho de melhoria é feito um a um e é neste campo que devemos atuar,
a começar em nós mesmos.
 Vejamos mais um trecho da lição:
 "Muitos estudiosos do Cristianismo pretendem"Muitos estudiosos do Cristianismo pretendem
identificar no Mestre Divino a personalidade doidentificar no Mestre Divino a personalidade do
revolucionário, instigando os seus contemporâneos àrevolucionário, instigando os seus contemporâneos à
rebeldia e à discórdia; entretanto, em nenhumarebeldia e à discórdia; entretanto, em nenhuma
passagem do seu ministério encontramos qualquerpassagem do seu ministério encontramos qualquer
testemunho de indisciplina ou desespero, diante datestemunho de indisciplina ou desespero, diante da
ordem constituída.ordem constituída.
 Socorreu a turba sofredora e consolou-a; não seSocorreu a turba sofredora e consolou-a; não se
mostrou interessado em libertar a comunidade dasmostrou interessado em libertar a comunidade das
criaturas, cuja evolução, até hoje, ainda exige lutascriaturas, cuja evolução, até hoje, ainda exige lutas
acerbas e provações incessantes, mas ajudou oacerbas e provações incessantes, mas ajudou o
Homem a libertar-se." RoteiroHomem a libertar-se." Roteiro
 Quando aconselhava seus discípulos, Jesus lhes disse: " Sede, pois, prudentes como
as serpentes, mas simples como as pombas. Mateus 10:16"
 Prudência e simplicidade evitariam muitos disparates, evitariam contendas
desnecessárias e por motivos que não justificam os danos emocionais que geram.
Todas as atividades que realizamos precisam passar por este crivo que o Mestre nos
trouxe: socorro e consolo, com profundo respeito pelo livre-arbítrio de cada um, não
impondo pontos exclusivistas de pensamento a quem quer que seja.
 Emmanuel assevera que Jesus ajudou o Homem a libertar-se. Interessante a grafia da
palavra "Homem" em letra maiúscula, o que isto representa?
 Este texto de Emmanuel nos ajuda compreender:
 Deus eo homem
 Deus criou a Terra, à maneira de um paraíso repleto de
fontes e de flores para as criaturas em evolução.
 O Homem dilapidou-lhe a face, a pretexto de buscar
recursos e cultivá-los para a própria alimentação.
 Deus formou o solo do Planeta com incalculáveis
tesouros.
 O Homem encontrou vestígios de semelhantes riquezas
e bastou isso para escavar-lhe o corpo, apropriando-se
das criações divinas e instalando antagonismos entre
os próprios irmãos para transformá-las em objetos de
 Deus levantou as árvores, destinando-as à proteção da vida.
 O Homem, no entanto, derrubou-as, não apenas a fim de
 aproveitá-las na edificação da própria moradia, segundo as
 finalidades que lhes foram assinaladas, mas simplesmente por
 bagatelas ou para contemplar o espetáculo de pavorosos
incêndios.
 Deus inspirou a formação da dinamite para facilitar a
construção de estradas que favorecessem o intercâmbio entre
os povos.
 O Homem, entretanto, empregou-a na fabricação de bombas
para a destruição de comunidades indefesas.
 Deus plasmou a beleza e a música, a arte e a ciência, da
conjugação das quais nascesse a paz entre todos os seres.
 O Homem inventou planos de hegemonia e fez a guerra que
se alimenta com milhões de vidas, expulsando, vaidosamente,
a paz do ambiente deles mesmos.

Quando observares a Terra, sofrendo agressões à Natureza e
 Trata-se do Homem
enquanto herdeiro de
Deus, com um papel a
desempenhar sobre si
mesmo e sobre o mundo
que o cerca. Quando usa
a palavra em caixa alta,
Emmanuel nos está
falando não apenas do
homem que conhecemos
e que temos sido, mas do
Homem, integral e pleno,
que ainda seremos.
 Vejamos mais um trecho da lição do livro:
 "Ao apóstolo exclama _ “vem e segue-me.”"Ao apóstolo exclama _ “vem e segue-me.”
 Á pecadora exorta _ “vai e não peques mais”.Á pecadora exorta _ “vai e não peques mais”.
 Ao paralítico fala, bondoso _ “ergue-te e anda”.Ao paralítico fala, bondoso _ “ergue-te e anda”.
 Á mulher sirofenícia diz, convincente _ “a tua fé teÁ mulher sirofenícia diz, convincente _ “a tua fé te
curou”.curou”.
 Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar oPor toda parte, vemo-lo interessado em levantar o
espírito, buscando erigir o templo da responsabilidadeespírito, buscando erigir o templo da responsabilidade
em cada consciência e o altar dos serviços aosem cada consciência e o altar dos serviços aos
semelhantes em cada coração." Roteirosemelhantes em cada coração." Roteiro
 A mensagem que Jesus deixou
para os seus seguidores é modelo
de vida que necessitamos
aprender a utilizar. Somos
ávidos em perceber defeitos e
tecer críticas, Jesus, porém, ao
ver o caído, levantava-o, ao ver
o erro, socorria quem errava,
convidando-o a seguir em frente,
ao doente, promovia a cura. Há
sempre uma ação positiva
diante das lutas e dificuldades
da vida. Não há críticas,
julgamentos, opiniões, apenas
a mão estendida para auxiliar,
fruto de uma alma amorosa
que a todos, indistintamente,
quer bem.
 É neste pensamento que prossegue Emmanuel com a lição:
 "Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar o espírito, buscando"Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar o espírito, buscando
erigir o templo da responsabilidade em cada consciência e o altar doserigir o templo da responsabilidade em cada consciência e o altar dos
serviços aos semelhantes em cada coração.serviços aos semelhantes em cada coração.
 Demonstrando as preocupações que o tomavam, perante a renovaçãoDemonstrando as preocupações que o tomavam, perante a renovação
do mundo individual, não se contentou em sentar-se no trono diretivo,do mundo individual, não se contentou em sentar-se no trono diretivo,
em que os generais e os legisladores costumam ditar determinações...em que os generais e os legisladores costumam ditar determinações...
Desceu, Ele próprio, ao seio do povo e entendeu-se pessoalmente comDesceu, Ele próprio, ao seio do povo e entendeu-se pessoalmente com
os velhos e os enfermos, com as mulheres e as crianças.os velhos e os enfermos, com as mulheres e as crianças.
 Entreteve-se em dilatadas conversações com as criaturas transviadas eEntreteve-se em dilatadas conversações com as criaturas transviadas e
reconhecidamente infelizes.reconhecidamente infelizes.
 Usa a bondade fraternal para com Madalena, a obsidiada, quantoUsa a bondade fraternal para com Madalena, a obsidiada, quanto
emprega a gentileza no trato com Zaqueu, o rico." Roteiroemprega a gentileza no trato com Zaqueu, o rico." Roteiro
 Jesus conversa comigo? Conversa contigo?
De que forma permitimos este intercâmbio
de idéias, sentimentos e vivências?
 O mundo que necessita ser renovado é o
meu mundo individual, o meu íntimo, é lá
que Jesus quer agir como uma jardineiro e
plantar as mais belas flores, porque só
assim, estaremos aptos a exalar o perfume
das criaturas que amam, que querem
pacificar o mundo, que querem se revestir
da esperança e, a cada dia, renovam em seu
querer a vontade de trabalhar no bem.
 Ouçamos o Mestre, sua vida fala-nos tão
alto, mas tão alto, que raras vezes iremos
necessitar de suas palavras, parafraseando
o ditado popular.
 Encerra Emmanuel:
 "Reconhecendo que a tirania e a dor deveriam permanecer,"Reconhecendo que a tirania e a dor deveriam permanecer,
ainda, por largo tempo, na Terra, na condição de malesainda, por largo tempo, na Terra, na condição de males
necessários à retificação das inteligências, o Benfeitornecessários à retificação das inteligências, o Benfeitor
Celeste foi, acima de tudo, o orientador da transformaçãoCeleste foi, acima de tudo, o orientador da transformação
individual, o único movimento de liberação do espírito, comindividual, o único movimento de liberação do espírito, com
bases no esforço próprio e na renúncia ao próprio “eu”.bases no esforço próprio e na renúncia ao próprio “eu”.
 Para isso, lutou, amou, serviu e sofreu até à cruz,Para isso, lutou, amou, serviu e sofreu até à cruz,
confirmando, com o próprio sacrifício, a sua Doutrina deconfirmando, com o próprio sacrifício, a sua Doutrina de
revolução interior, quando disse: “e aquele que deseja fazer-revolução interior, quando disse: “e aquele que deseja fazer-
se o maior no Reino do Céu, seja no mundo o servidor dose o maior no Reino do Céu, seja no mundo o servidor do
todos.” Roteirotodos.” Roteiro
 Esforço próprio e renúncia do próprio "eu", eis as premissas que devem
nortear a nossa vida, trabalhemos por nossa melhoria deixando o
individualismo, no sentido egoístico da palavra, para celebrar o amor e a
fraternidade. Jesus exemplificou servindo, agora espera que seus
trabalhadores sigam seus passos.
A Vida Conta — Maria Dolores
Tempo e nós
  Enquanto o Tempo segue renovando
  Os quadros da existência a que se atrela,
  Indagas, muita vez, alma querida e bela,
  Como vencer na prova a te agredir…
  De tudo quanto aprendo, entre as lições do mundo,
  Dá-me a estrada, na luta a que me vejo exposta,
  Quatro verbos distintos por resposta:
  — Amar e compreender, trabalhar e servir.
  A própria Natureza é um livro aberto…
  Se inquirisses do sol no firmamento
  Como brilhar sem pausa, firme e atento,
  Nutrindo mundos sem se consumir:..
  Ele, decerto, te responderia
  Que o Senhor lhe traçou por alta obrigação
  Cumprir as leis da vida, tais quais são:
  — Amar e compreender, trabalhar e servir.
  Interroguei, um dia, à roseira podada,
  Já que se lhe furtava o véu de rosas
  A pancadas e injúrias espantosas,
  Como devia a pobre reflorir;
  Ela, porém, me disse, humilde e crente:
  — “Enriquecer a Terra é o meu dever
  E, se quero evoluir, necessito aprender
  Amar e compreender, trabalhar e servir.”
  Vejo tratores retalhando o solo,
  Dinamites na serra, a parti-la, de todo,
  Fontes varando tremedais de lodo,
  Árvores venerandas a cair…
  E se busco entender a dor do campo,
  Nesses despojamentos que pesquiso,
  Cada elemento fala que é preciso
  Amar e compreender, trabalhar e servir.
 Assim também, alma fraterna e boa,
  Se trazes sob o Tempo, aflições e problemas,
  Constrói, age, confia, crê, não temas
  E resguarda no peito o anseio do porvir;
  Por mais sofras, não pares, segue à frente,
  Enquanto cada dia surge e avança,
  Eis que o Céu nos repete, através da esperança:
  — Amar e compreender, trabalhar e servir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo do livro Roteiro liçao 11
Estudo do livro Roteiro liçao 11Estudo do livro Roteiro liçao 11
Estudo do livro Roteiro liçao 11Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14Candice Gunther
 
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoPalestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoJose Ferreira Almeida
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Leonardo Pereira
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Candice Gunther
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoRoseli Lemes
 
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"Jorge Luiz dos Santos
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Candice Gunther
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoRicardo Azevedo
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigosgmo1973
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
 
Estudo do livro Roteiro liçao 11
Estudo do livro Roteiro liçao 11Estudo do livro Roteiro liçao 11
Estudo do livro Roteiro liçao 11
 
Muitas Moradas
Muitas MoradasMuitas Moradas
Muitas Moradas
 
Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19Estudo do livro Roteiro lição 19
Estudo do livro Roteiro lição 19
 
Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16Estudo do livro Roteiro liçao 16
Estudo do livro Roteiro liçao 16
 
Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34Estudo do livro Roteiro lição 34
Estudo do livro Roteiro lição 34
 
Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18Estudo do livro Roteiro liçao 18
Estudo do livro Roteiro liçao 18
 
Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14
 
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoPalestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35Estudo do livro Roteiro lição 35
Estudo do livro Roteiro lição 35
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
 
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"
MOVIMENTO ESPÍRITA "Joeirar o Trigo"
 
Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32Estudo do livro Roteiro lição 32
Estudo do livro Roteiro lição 32
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
 
Roteiro lição 31
Roteiro lição 31Roteiro lição 31
Roteiro lição 31
 
O Poder da Vontade
O Poder da VontadeO Poder da Vontade
O Poder da Vontade
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
 
Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01Espiritismo e mediunidade 01
Espiritismo e mediunidade 01
 
Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro, lição 15

Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalBruno Carrasco
 
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdfJiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdfHubertoRohden2
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1Leonardo Pereira
 
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfJiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfHubertoRohden2
 
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdfJiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdfHubertoRohden2
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAlexandre Rudalov
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - AutoaprimoramentoSérie Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - AutoaprimoramentoRicardo Azevedo
 
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdf
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdfJiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdf
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdfHubertoRohden2
 
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdf
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdfO_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdf
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdfVIEIRA RESENDE
 
curso-de-meditacao-transcendental
 curso-de-meditacao-transcendental curso-de-meditacao-transcendental
curso-de-meditacao-transcendentalRe David
 
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdfJiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdfHubertoRohden2
 
A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013marquione ban
 

Semelhante a Estudo do livro Roteiro, lição 15 (20)

O SELF EM EXPANSAO VISÃO JUNG e JOANA.pptx
O SELF EM EXPANSAO VISÃO  JUNG e  JOANA.pptxO SELF EM EXPANSAO VISÃO  JUNG e  JOANA.pptx
O SELF EM EXPANSAO VISÃO JUNG e JOANA.pptx
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoal
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
O que é iniciação Científica
O que é iniciação CientíficaO que é iniciação Científica
O que é iniciação Científica
 
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdfJiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Despertar da Sensibilidade.pdf
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfJiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
 
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdfJiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Luz Que Não se Apaga.pdf
 
Cg jung desenvinfantil
Cg jung   desenvinfantilCg jung   desenvinfantil
Cg jung desenvinfantil
 
Jesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da AtraçãoJesus e a Lei da Atração
Jesus e a Lei da Atração
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - AutoaprimoramentoSérie Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
Série Evangelho no Lar - Cap. 23 - Autoaprimoramento
 
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdf
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdfJiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdf
Jiddu Krishnamurti - Perguntas e Respostas.pdf
 
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdf
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdfO_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdf
O_proposito_universal_da_existencia_Cura_Autocura.pdf
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
curso-de-meditacao-transcendental
 curso-de-meditacao-transcendental curso-de-meditacao-transcendental
curso-de-meditacao-transcendental
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdfJiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Essência da Maturidade.pdf
 
A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013A caminho da campanha da fraternidade 2013
A caminho da campanha da fraternidade 2013
 

Mais de Candice Gunther

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RiveCandice Gunther
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCandice Gunther
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCandice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Candice Gunther
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerCandice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Candice Gunther
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Candice Gunther
 

Mais de Candice Gunther (17)

Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max RivePoesias Maria Dolores - Serie Max Rive
Poesias Maria Dolores - Serie Max Rive
 
A obra de Chico Xavier
A obra de Chico XavierA obra de Chico Xavier
A obra de Chico Xavier
 
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - SabedoriaCarta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
Carta aos Corintios com Emmanuel - Sabedoria
 
Dissensões
Dissensões Dissensões
Dissensões
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
 
Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39Estudo do livro Roteiro lição 39
Estudo do livro Roteiro lição 39
 
Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38Estudo do livro Roteiro lição 38
Estudo do livro Roteiro lição 38
 
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
Estudo do livro Roteiro liçãoo 37
 
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie TurnerPoesias de Maria Dolores - Serie Turner
Poesias de Maria Dolores - Serie Turner
 
Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33Estudo do livro Roteiro lição 33
Estudo do livro Roteiro lição 33
 
Viver com misericórdia
Viver com misericórdiaViver com misericórdia
Viver com misericórdia
 
Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30Estudo do livro Roteiro lição 30
Estudo do livro Roteiro lição 30
 
Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28Estudo do livro Roteiro, lição 28
Estudo do livro Roteiro, lição 28
 
Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26Estudo do livro Roteiro lição 26
Estudo do livro Roteiro lição 26
 
Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25Estudo do livro Roteiro, lição 25
Estudo do livro Roteiro, lição 25
 
Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21Estudo do livro Roteiro lição 21
Estudo do livro Roteiro lição 21
 
Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17Estudo do livro Roteiro lição 17
Estudo do livro Roteiro lição 17
 

Último

EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfFrancisco Baptista
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...edsonjsmarques
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2emprego2
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (10)

EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 

Estudo do livro Roteiro, lição 15

  • 1. Livro de Emmanuel Psicografia de Chico Xavier Evangelho e Individualidade Lição 15
  • 2.  A cada nova mensagem deste rico livro vem o pensamento de que algoA cada nova mensagem deste rico livro vem o pensamento de que algo essencial me está sendo ensinado, mesmo ao conhecimento que eu já tinha,essencial me está sendo ensinado, mesmo ao conhecimento que eu já tinha, um novo olhar está sendo acrescentado. Emmanuel é um professorum novo olhar está sendo acrescentado. Emmanuel é um professor incomum, nos convida a refletir, mas não nos dá tudo pronto, quer de nósincomum, nos convida a refletir, mas não nos dá tudo pronto, quer de nós um pouco de esforço a fim de que tenhamos a compreensão própria do queum pouco de esforço a fim de que tenhamos a compreensão própria do que ele nos está dizendo.ele nos está dizendo.  Eis, então, que inicia-se nova etapa, nova lição: O Evangelho e aEis, então, que inicia-se nova etapa, nova lição: O Evangelho e a Individualidade.Individualidade.  Antes, porém, de adentrarmos nas linhas tão bem escritas por Emmanuel éAntes, porém, de adentrarmos nas linhas tão bem escritas por Emmanuel é preciso que busquemos algo sobre a questão da individualidade.preciso que busquemos algo sobre a questão da individualidade.  O vernáculo nos diz que aO vernáculo nos diz que a individualidade éindividualidade é "a característica ou"a característica ou particularidade do que é individual; Conjunto das qualidades queparticularidade do que é individual; Conjunto das qualidades que compõe a originalidade, fazendo com que algo ou alguém seja único."compõe a originalidade, fazendo com que algo ou alguém seja único."
  • 3.  Segundo Augusto Cury: " Há uma grande diferença entre o individualismo e a individualidade. O individualismo é uma característica doentia da personalidade, ancorada na incapacidade de aprender com os outros, na carência de solidariedade, no desejo de atender em primeiro, segundo e terceiro lugar aos próprios interesses. Em último lugar, ficam as necessidades dos outros. A individualidade, por sua vez, está ancorada na segurança, na determinação, na capacidade de escolha. É, portanto, uma característica muito saudável da personalidade. Infelizmente, desenvolvemos frequentemente o individualismo e não a individualidade. (Augusto Cury, in 'Nunca Desista dos Seus Sonhos' )
  • 4.  Quem eu sou? Quais as minhas qualidades, potencialidades, virtudes, defeitos, dificuldades? Como se dá a minha interação com o mundo? Assumo uma postura única e individual, porém, aprendendo com o semelhante? Ou tento me adequar aos padrões estabelecidos por nossa sociedade como características de uma pessoa dita normal?  Reconhecer-se como um ser único é algo importante a quem está trabalhando na construção de si mesmo. Grande número de pessoas apenas vive conforme lhe dizem para viver, é um caminhar conforme o vento, ausente a reflexão, a percepção de si mesmo, em síntese, é a ausência ou mesmo o esquecimento do tão necessário do autoconhecimento.
  • 5.  Vale a pena aprofundarmos um pouco nesta questão, adentrando inclusive nos conceitos do Ego e do Self, para tanto compartilho alguns trechos do artigo escrito por Juliz Zayas, sobre estudos de Jung:  "Psicólogo analítico do século XIX, Carl Gustav Jung desenvolveu diversos estudos na área da psicanálise com foco nas relações entre consciente e inconsciente e tipos de personalidade. Em seus estudos inclui a análise do ego e sua função e funcionamento no corpo humano.  Para Jung, o Ego é parte constituinte da mente humana, como um processo funcional composto por tudo aquilo que vimos, convivemos e percebemos. Sendo assim, é muito mais do que o simples “eu”, é a junção de lembranças, sentimentos e ideias que posicionam nosso comportamento e nos tornam conscientes.
  • 6.  Considera que a personalidade é constituída pela junção do ego com aquilo que chama de “self”, que seria uma parte “suprema” do indivíduo responsável por mover o ego e sua consciência, este, encarregado de desvendar e interpretar o que parece inconsciente e desconhecido. Ao contrário do conceito religioso por exemplo, que define o “desconhecido” como sombras ou trevas e não admite sua interiorização e desenvolvimento, exteriorizando-os como “personalidades superiores”.  A predominância do “self” consiste em uma etapa da “individuação” dos seres, que ocorre ao longo da vida.  A análise de psicólogos e estudiosos como Freud, Jung, e outros, descreve essa formação a partir do momento em que se atua na manipulação do ego desde o momento em que se nasce. O ego é, então, o contato da mente com a tal “sombra desconhecida” tomando consciência da atitude e interpretação que se deve ter. Essa singularidade de entendimento posiciona cada ser humano originalmente na sociedade e grupo em que vive, sendo de extrema importância para a formação de seres sociais.  Para que essa atitude de comportamento e reação “natural” seja cabível a convivência social, ela limita-se a normas pré-estabelecidas por um comportamento coletivo, ou seja, as regras comuns se sobressaem sobre as normas individuais em questão moral. Por conta disso, a individuação é algo pessoal e primitivo da identidade do ser, porém, fortemente contaminado e guiado pelas condições externas alteradoras de consciência."
  • 7.  Importante citar que é justamente a percepção da individualidade que nos distingue de nossos irmãos animais. Como nos explicam os espíritos na questão 598 do Livro dos Espíritos:  "Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma? “Conserva sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece em estado latente.”  Presente, então, em nosso estudo os alicerces para que possamos compreender o que significa a nossa individualidade, estamos aptos a colocar o Evangelho em seu caminho, buscando o entendimento de como este contribui para a nossa evolução, inclusive para que possamos perceber se estamos no caminho correto, ou melhor dizendo, no caminho que o próprio Cristo nos ensinou.
  • 8.  Iniciemos com Emmanuel, observando que ele nos dá, primeiramente, informações negativas, ou seja, ele nos informa o que o Cristo não fez. Vejamos:  "Efetivamente,as massas acompanhavam o Cristo, de"Efetivamente,as massas acompanhavam o Cristo, de perto, no entanto, não vemos no Mestre a personificaçãoperto, no entanto, não vemos no Mestre a personificação do agitador comum.do agitador comum.  Em todos os climas políticos, as escolas religiosas,Em todos os climas políticos, as escolas religiosas, aproximando-se da legalidade humana, de alguma sorteaproximando-se da legalidade humana, de alguma sorte partilham da governança, estabelecendo regras espirituaispartilham da governança, estabelecendo regras espirituais com que adquirem poder sobre a multidão.com que adquirem poder sobre a multidão.  Jesus, porém, não transforma o espírito coletivo emJesus, porém, não transforma o espírito coletivo em terreno explorável." Roteiroterreno explorável." Roteiro
  • 9.  Não se trata aqui de mera informação para introduzir uma idéia, mas um convite a percebermos que em muitos lugares e em muitos tempos, as escolas religiosas tentaram trabalhar o coletivo. Dogmas, rituais, "verdades inquestionáveis" que faziam e, ainda, fazem parte da vivência das pessoas.  Diz-nos Emmanuel que Jesus não adentrou neste terreno, do espírito coletivo. Isto é muito interessante e é também um norte para a forma como devemos trabalhar em nossas casas religiosas. Um a um, o ser possui uma importância e uma forma única de ver a vida e isto deve ser estimulado, permitido, porém, o único ambiente em que as pessoas se sentem confortáveis para demonstrar o seu pensamento, ainda que contrário aos demais, é num ambiente amoroso e fraterno.  Assim, caminhando em sentido contrário à massificação, o espiritismo deve incentivar o olhar para si mesmo a fim de que cada ser descubra e desenvolva a sua individualidade. Deus nos fez únicos.
  • 10.  Sigamos em frente.  "Proclamando as bem-aventuranças à turba no monte, não a"Proclamando as bem-aventuranças à turba no monte, não a induz para a violência, a fim de assaltar o celeiro dos outros.induz para a violência, a fim de assaltar o celeiro dos outros. Multiplica, Ele mesmo, o pão que a reconforte e alimente.Multiplica, Ele mesmo, o pão que a reconforte e alimente.  Não convida o povo a reivindicações.Não convida o povo a reivindicações.  Aconselha respeito aos patrimônios da direção política, naAconselha respeito aos patrimônios da direção política, na sábia fórmula com que recomendava seja dado “a César osábia fórmula com que recomendava seja dado “a César o que é de César”." Roteiroque é de César”." Roteiro
  • 11.  Talvez, numa leitura rápida, possa se pensar que o Cristo nos convida a aceitar tudo o que nos acontece, mesmo o que é injusto, sem tentar buscar a justiça e a retidão.  Em tempos de crise, quando tantas notícias de corrupção nos são reveladas dia após dia, como não reivindicar? Como não almejar que o pão possa chegar aos humildes, aos pobres que são os que mais sofrem com os desvios e roubos que assombram nosso país.  A questão é como estamos combatendo estas questões. Este é o cerne.
  • 12.  Sem violência, buscando caminhos que agreguem (multiplicação do pão), caminhos que sejam positivos, trazendo novas formas de se realizarem estas práticas antigas.  A crítica é diferente da proposta de solução, do arregaçar as mangas para ver o que cada um pode fazer dentro de suas possibilidades para resolver as questões morais que assombram nossas vidas e nossos lares. Os discípulos informaram que o pão não daria (problema), o Cristo nos mostrou que para cada problema é necessário buscar uma ação positiva. Agir com justiça, com retidão, buscando a melhoria de si mesmo para, então, inspirar que também outros modifiquem o seu modo de viver é uma forma positiva de encarar o momento negativo que atravessamos.  Não se trata de um caminho fácil ou rápido, mas o que a lição sugere é que o trabalho de melhoria é feito um a um e é neste campo que devemos atuar, a começar em nós mesmos.
  • 13.  Vejamos mais um trecho da lição:  "Muitos estudiosos do Cristianismo pretendem"Muitos estudiosos do Cristianismo pretendem identificar no Mestre Divino a personalidade doidentificar no Mestre Divino a personalidade do revolucionário, instigando os seus contemporâneos àrevolucionário, instigando os seus contemporâneos à rebeldia e à discórdia; entretanto, em nenhumarebeldia e à discórdia; entretanto, em nenhuma passagem do seu ministério encontramos qualquerpassagem do seu ministério encontramos qualquer testemunho de indisciplina ou desespero, diante datestemunho de indisciplina ou desespero, diante da ordem constituída.ordem constituída.  Socorreu a turba sofredora e consolou-a; não seSocorreu a turba sofredora e consolou-a; não se mostrou interessado em libertar a comunidade dasmostrou interessado em libertar a comunidade das criaturas, cuja evolução, até hoje, ainda exige lutascriaturas, cuja evolução, até hoje, ainda exige lutas acerbas e provações incessantes, mas ajudou oacerbas e provações incessantes, mas ajudou o Homem a libertar-se." RoteiroHomem a libertar-se." Roteiro
  • 14.  Quando aconselhava seus discípulos, Jesus lhes disse: " Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas. Mateus 10:16"  Prudência e simplicidade evitariam muitos disparates, evitariam contendas desnecessárias e por motivos que não justificam os danos emocionais que geram. Todas as atividades que realizamos precisam passar por este crivo que o Mestre nos trouxe: socorro e consolo, com profundo respeito pelo livre-arbítrio de cada um, não impondo pontos exclusivistas de pensamento a quem quer que seja.  Emmanuel assevera que Jesus ajudou o Homem a libertar-se. Interessante a grafia da palavra "Homem" em letra maiúscula, o que isto representa?
  • 15.  Este texto de Emmanuel nos ajuda compreender:  Deus eo homem  Deus criou a Terra, à maneira de um paraíso repleto de fontes e de flores para as criaturas em evolução.  O Homem dilapidou-lhe a face, a pretexto de buscar recursos e cultivá-los para a própria alimentação.  Deus formou o solo do Planeta com incalculáveis tesouros.  O Homem encontrou vestígios de semelhantes riquezas e bastou isso para escavar-lhe o corpo, apropriando-se das criações divinas e instalando antagonismos entre os próprios irmãos para transformá-las em objetos de
  • 16.  Deus levantou as árvores, destinando-as à proteção da vida.  O Homem, no entanto, derrubou-as, não apenas a fim de  aproveitá-las na edificação da própria moradia, segundo as  finalidades que lhes foram assinaladas, mas simplesmente por  bagatelas ou para contemplar o espetáculo de pavorosos incêndios.  Deus inspirou a formação da dinamite para facilitar a construção de estradas que favorecessem o intercâmbio entre os povos.  O Homem, entretanto, empregou-a na fabricação de bombas para a destruição de comunidades indefesas.  Deus plasmou a beleza e a música, a arte e a ciência, da conjugação das quais nascesse a paz entre todos os seres.  O Homem inventou planos de hegemonia e fez a guerra que se alimenta com milhões de vidas, expulsando, vaidosamente, a paz do ambiente deles mesmos.  Quando observares a Terra, sofrendo agressões à Natureza e
  • 17.  Trata-se do Homem enquanto herdeiro de Deus, com um papel a desempenhar sobre si mesmo e sobre o mundo que o cerca. Quando usa a palavra em caixa alta, Emmanuel nos está falando não apenas do homem que conhecemos e que temos sido, mas do Homem, integral e pleno, que ainda seremos.
  • 18.  Vejamos mais um trecho da lição do livro:  "Ao apóstolo exclama _ “vem e segue-me.”"Ao apóstolo exclama _ “vem e segue-me.”  Á pecadora exorta _ “vai e não peques mais”.Á pecadora exorta _ “vai e não peques mais”.  Ao paralítico fala, bondoso _ “ergue-te e anda”.Ao paralítico fala, bondoso _ “ergue-te e anda”.  Á mulher sirofenícia diz, convincente _ “a tua fé teÁ mulher sirofenícia diz, convincente _ “a tua fé te curou”.curou”.  Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar oPor toda parte, vemo-lo interessado em levantar o espírito, buscando erigir o templo da responsabilidadeespírito, buscando erigir o templo da responsabilidade em cada consciência e o altar dos serviços aosem cada consciência e o altar dos serviços aos semelhantes em cada coração." Roteirosemelhantes em cada coração." Roteiro
  • 19.  A mensagem que Jesus deixou para os seus seguidores é modelo de vida que necessitamos aprender a utilizar. Somos ávidos em perceber defeitos e tecer críticas, Jesus, porém, ao ver o caído, levantava-o, ao ver o erro, socorria quem errava, convidando-o a seguir em frente, ao doente, promovia a cura. Há sempre uma ação positiva diante das lutas e dificuldades da vida. Não há críticas, julgamentos, opiniões, apenas a mão estendida para auxiliar, fruto de uma alma amorosa que a todos, indistintamente, quer bem.
  • 20.  É neste pensamento que prossegue Emmanuel com a lição:  "Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar o espírito, buscando"Por toda parte, vemo-lo interessado em levantar o espírito, buscando erigir o templo da responsabilidade em cada consciência e o altar doserigir o templo da responsabilidade em cada consciência e o altar dos serviços aos semelhantes em cada coração.serviços aos semelhantes em cada coração.  Demonstrando as preocupações que o tomavam, perante a renovaçãoDemonstrando as preocupações que o tomavam, perante a renovação do mundo individual, não se contentou em sentar-se no trono diretivo,do mundo individual, não se contentou em sentar-se no trono diretivo, em que os generais e os legisladores costumam ditar determinações...em que os generais e os legisladores costumam ditar determinações... Desceu, Ele próprio, ao seio do povo e entendeu-se pessoalmente comDesceu, Ele próprio, ao seio do povo e entendeu-se pessoalmente com os velhos e os enfermos, com as mulheres e as crianças.os velhos e os enfermos, com as mulheres e as crianças.  Entreteve-se em dilatadas conversações com as criaturas transviadas eEntreteve-se em dilatadas conversações com as criaturas transviadas e reconhecidamente infelizes.reconhecidamente infelizes.  Usa a bondade fraternal para com Madalena, a obsidiada, quantoUsa a bondade fraternal para com Madalena, a obsidiada, quanto emprega a gentileza no trato com Zaqueu, o rico." Roteiroemprega a gentileza no trato com Zaqueu, o rico." Roteiro
  • 21.  Jesus conversa comigo? Conversa contigo? De que forma permitimos este intercâmbio de idéias, sentimentos e vivências?  O mundo que necessita ser renovado é o meu mundo individual, o meu íntimo, é lá que Jesus quer agir como uma jardineiro e plantar as mais belas flores, porque só assim, estaremos aptos a exalar o perfume das criaturas que amam, que querem pacificar o mundo, que querem se revestir da esperança e, a cada dia, renovam em seu querer a vontade de trabalhar no bem.  Ouçamos o Mestre, sua vida fala-nos tão alto, mas tão alto, que raras vezes iremos necessitar de suas palavras, parafraseando o ditado popular.
  • 22.  Encerra Emmanuel:  "Reconhecendo que a tirania e a dor deveriam permanecer,"Reconhecendo que a tirania e a dor deveriam permanecer, ainda, por largo tempo, na Terra, na condição de malesainda, por largo tempo, na Terra, na condição de males necessários à retificação das inteligências, o Benfeitornecessários à retificação das inteligências, o Benfeitor Celeste foi, acima de tudo, o orientador da transformaçãoCeleste foi, acima de tudo, o orientador da transformação individual, o único movimento de liberação do espírito, comindividual, o único movimento de liberação do espírito, com bases no esforço próprio e na renúncia ao próprio “eu”.bases no esforço próprio e na renúncia ao próprio “eu”.  Para isso, lutou, amou, serviu e sofreu até à cruz,Para isso, lutou, amou, serviu e sofreu até à cruz, confirmando, com o próprio sacrifício, a sua Doutrina deconfirmando, com o próprio sacrifício, a sua Doutrina de revolução interior, quando disse: “e aquele que deseja fazer-revolução interior, quando disse: “e aquele que deseja fazer- se o maior no Reino do Céu, seja no mundo o servidor dose o maior no Reino do Céu, seja no mundo o servidor do todos.” Roteirotodos.” Roteiro
  • 23.  Esforço próprio e renúncia do próprio "eu", eis as premissas que devem nortear a nossa vida, trabalhemos por nossa melhoria deixando o individualismo, no sentido egoístico da palavra, para celebrar o amor e a fraternidade. Jesus exemplificou servindo, agora espera que seus trabalhadores sigam seus passos.
  • 24. A Vida Conta — Maria Dolores Tempo e nós   Enquanto o Tempo segue renovando   Os quadros da existência a que se atrela,   Indagas, muita vez, alma querida e bela,   Como vencer na prova a te agredir…   De tudo quanto aprendo, entre as lições do mundo,   Dá-me a estrada, na luta a que me vejo exposta,   Quatro verbos distintos por resposta:   — Amar e compreender, trabalhar e servir.   A própria Natureza é um livro aberto…   Se inquirisses do sol no firmamento   Como brilhar sem pausa, firme e atento,   Nutrindo mundos sem se consumir:..   Ele, decerto, te responderia   Que o Senhor lhe traçou por alta obrigação   Cumprir as leis da vida, tais quais são:   — Amar e compreender, trabalhar e servir.
  • 25.   Interroguei, um dia, à roseira podada,   Já que se lhe furtava o véu de rosas   A pancadas e injúrias espantosas,   Como devia a pobre reflorir;   Ela, porém, me disse, humilde e crente:   — “Enriquecer a Terra é o meu dever   E, se quero evoluir, necessito aprender   Amar e compreender, trabalhar e servir.”   Vejo tratores retalhando o solo,   Dinamites na serra, a parti-la, de todo,   Fontes varando tremedais de lodo,   Árvores venerandas a cair…   E se busco entender a dor do campo,   Nesses despojamentos que pesquiso,   Cada elemento fala que é preciso   Amar e compreender, trabalhar e servir.  Assim também, alma fraterna e boa,   Se trazes sob o Tempo, aflições e problemas,   Constrói, age, confia, crê, não temas   E resguarda no peito o anseio do porvir;   Por mais sofras, não pares, segue à frente,   Enquanto cada dia surge e avança,   Eis que o Céu nos repete, através da esperança:   — Amar e compreender, trabalhar e servir.