Literatas                       Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo                          ...
2    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                        https://lite...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       3 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                              https:...
4     BLA BLA BLA          Exero 01, 5555     Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                           ...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       5Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                                     ...
6    BLA BLA BLA          Exero 01, 5555     Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                            ...
Exero 01, 5555       BLA BLA BLA          7 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                             ...
8   BLA BLA BLA   Exero 01, 5555Terça-feira, 09 de Agosto de 2011                                  https://literatas.blogs...
Revista literatas   edição 5
Revista literatas   edição 5
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista literatas edição 5

1.389 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.389
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista literatas edição 5

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs. sapo.mz Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector Editorial: Eduardo Quive * Maputo * 09 de Agosto de 2011 * Ano 01 * Nº 05 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mz José Inácio Vieira de Melo, Autor dos livros - Códigos do Silêncio - Decifração de abismos - A Infância do Centauro - A Terceira Romaria - RoseiralUm poetano jardimda imensidão“Governo contra pirataria” pg. 3
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEira4 dias de troca de experiênciasDurante quatro dias, a escritora brasileira, Ana Rusche, esteve em contacto coma literatura nacional, interagindo com jovens da Associação Movimento LiterárioKuphaluxa, com escritores e estudantes da capital moçambicana.Ana Rusche, poetisa e romancista da capital económica do Brasil, São Paulo, esteve em Maputo entre osdias 1 e 5 de Agosto corrente, onde orientou uma oficina de criação de dois dias no Centro Cultural Brasil –Moçambique, com a participação de 20 amantes da literatura.A oficina de criação, era orientada sob o tema “Nós que adoramos um documentário” título de uma obra daautora em que se supõe ser um livro de autobiografia.Em Nós que adoramos um documentário, Ana Rusche retrata em três partes, momentos da sua infânciano município lituânio em Ubatubba (1983) a vida adulta na cidade de São Paulo (2009), e prevê o futuro,novamente em Ubatuba (2037).Mas a oficina, não tratava da vida e obra da escritora, mas tinha a ver com a criatividade e imaginação, emtécnicas transmitidas pela orientadora.Ainda na Capital, Ana Rusche orientou uma palestra na Escola Industrial 1º de Maio, a qual contou com apresença de alunos daquela instituição de ensino, e do corpo docente.A palestra tinha como questão de fundo “Porquê ler? Tema que envolveu em conversa com vários estudantes,escritores moçambicanos, levados pelo movimento Kuphaluxa em diversas escolas das cidades de Maputo eMatola, no ano passado.Sobre estas experiências, os participantes moçambicanos, empenharam-se em colher mais subsídios paraaplicar na prática das suas actividades de criação para os diferentes géneros literários. Ana Rusche, escritora brasileira. O Movimento Literário Kuphaluxa, que foi quem se responsabilizou pela organização das actividades com a escritora, deu nota positiva à esta visita que Ana Rusche efectuou com o principal objectivo de conhecer de perto a agremiação. Refira-se que além da capacitação, a escritora brasileira, participou de um sarau cultural no CCBM, na quinta-feira, orientou uma palestra na AEMO sobre as perspectivas da literatura contemporânea brasileira, num painel em que Moçambique esteve representado pelo secretário- geral da AEMO, o qual falou da parte moçambicana no tema. Ana Rusche, ofereceu livros de diversos autores da terra do samba, ao Movimento Kuphaluxa, à Escola Industrial 1º de Maio e à Associação dos Escritores Moçambicanos, visitou a casa de José Craveirinha e entrevistou vários escritores nacionais- Da autoria de Bruno Gaudêncio“Cântico Voraz do Precipício” Carlos Felipe Moisés, Rinaldo de Fernandes, Luis FernandonA pRóxiMA sexta-feira (dia 12 de Agosto), ás 19:30 horas, Emediato, entre outros.o escritor Bruno Gaudêncio lançará na cidade de Campina DuRAnte o lançamento, o livro será apresentado pelo escri-Grande, Paraíba, o livro “Cântico Voraz do Precipício” (Via tor e historiador Jãn Macêdo (também membro do NúcleoLitterarum Editora, 68 pgs. 15 reais) no Centro de Cultura Literário Blecaute) e contará com a apresentação musicale Artes da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), antigo do cantor e escritor Antônio Deah.Museu Assis Chateaubriand, localizado ao lado do Terminal ViA LitteRARuM, editora responsável pela publicação dade Integração. obra, é ainda jovem no mercado (atuando apenas desde 2004), na cidade de Itabuna, estado da Bahia. Entretanto,“CântiCo VoRAz do Precipício” é uma coletânea de contos,produzidos pelo escritor entre os anos de 2006 e 2010.Segundo o autor “São ficções curtas que tratam sobre aexperiência universal da morte, em seus aspectos humanose desumanos, singelos ou inverossímeis. Muitas vezes abor-dadas de maneira quase exótica ou absurda. A coletâneapossui duas sessões. A primeira traz contos mais simples,escritos numa primeira fase. A segunda parte possui contosmais próximos de uma prosa poética”.nAtuRAL De Campina Grande (PB), o escritor Bruno Gaud- neste pouco tempo, já publicou nomes importantes da lit-êncio em 2009 publicou a coletânea de poemas O Ofício eratura baiana e de outras regiões próximas, como Antoniode Engordar as Sombras (Sal da Terra). Seu nome vem Naud Júnior, Georgio Rios e Aleilton Fonseca.destacando na atual literatura paraibana, graças a sua atu- ALéM De Campina Grande, neste segundo semestre o autoração junto aos Núcleos Literários Blecaute e Caixa Baixa pretende lançar o livro em João Pessoa (durante o Agosto(respectivamente de Campina Grande e João Pessoa) e das Letras), em Areia (na ocasião do Festival de Artes depela co-edição da Revista Blecaute, juntamente com seus Areia - Setembro) e em Boqueirão (no Balaio Cultural -amigos Jãn Macedo e João Matias de Oliveira. Novembro). Há ainda possibilidades de lançamento do livro nas cidades de Recife (PE) e Marechal Deodoro (AL).“CântiCo VoRAz do Precipício” traz em sua capa a ilustração o LAnçAMento será um evento gratuito, sendo uma par-do artista plástico gaúcho radicado em São Paulo Guilherme ceria do Núcleo Literário Blecaute conjuntamente comde Faria (nome destacado das artes visuais brasileiras desde o Centro de Cultura e Artes da Universidade Estadual daa década de 1960), contendo ainda, alguns comentários de Paraíba (UEPB).
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEiraAgostinho Levieque lança livro em MaputoIntitulada “Gestão de Recursos Humanos e Administração Pública em Moçambique”, a obraserá lançada no próximo dia 11 do mês em curso, no Centro Cultural Universitário grupo de interesses, mas está ao serviço do conjunto dos desenvolvimento, e arriscar-me-ia a dizer, pioneira na preo- cidadãos e facilitando as suas iniciativas, regulando a vida cupação de casar a produção de reputados teóricos interna-Prefácio social, garantindo a segurança e a ordem da comunidade. A eficiência da sua função depende da qualidade dos seus cionalmente consagrados com a realidade moçambicana. “As práticas de gestão de recursos humanos, para serem funcionários e do aproveitamento integral e dinâmico dos eficazes, precisam ser desenvolvidas na dependência e JOSé LuíS CAbAçO recursos humanos de que dispõe. em conformidade com as exigências da cultura”, defendeO senso comum e a História nos ensinam que as capaci- Na presente obra, o autor traça uma radiografia da nossa Levieque. Para muitos, a afirmação parecerá óbvia, masdades do ser humano e o potencial dos solos são o capital bastará olhar em torno, analisarnatural e elementar do indivíduo e organizado (família, as práticas do dia-a-dia das insti-comunidade, nação). De uma forma ou de outra, os proces- tuições públicas, para constatarsos de desenvolvimento se verificaram, e verificam, pela como os critérios contabilísticos emaximização do uso e aproveitamento dessas capacidades burocráticos que caracterizavam ose desse potencial por indivíduos, organizações ou países. velhos “departamentos de pessoal”O fenómeno da pobreza derivou, e deriva, da concentra- ainda sobrevivam, como expressãoção numa minoria do resultado do trabalho e do controle dos fenómenos de resistência àsobre o solo. As razões disso podem ser múltiplas e são do mudança, para os quais o autorconhecimento geral. chama a atenção.Um olhar sobre o passado, remoto e próximo, nos mostra É esse comportamento organiza-que a apropriação e gestão da mais valia da terra e do cional conservador que, na opin-trabalho gera duas dinâmicas em sentidos opostos, a da ião do Dr. Agostinho Levieque,riqueza e a da pobreza, que se tendem a reproduzir e determina a fraca competitividadeafastar, uma vez que, na sua lógica, uma se alimenta da do sector público e as principaisoutra. As abordagens teóricas sobre a capacidade de um ineficiências.equilíbrio pelas sinergias do mercado estão naufragando Após um enquadramento teórico ede forma clamorosa nos escolhos da acumulação desen- histórico, a obra percorre os difer-freada dos nossos dias. entes aspectos que são parte daA crise financeira em curso evidencia o processo de gestão de recursos humanos naantropofagia económico-social que o determinismo mate- Administração Pública em Moçam-rialista de Thomas Hobbes anunciara há quatro séculos. bique: gestão do trabalho e tempo,A Hidra insaciável já começou a devorar as suas cabeças problemas de natureza organiza-menores. cional, globalização e renovaçãoÉ no equilíbrio destas dinâmicas e na salvaguarda do bem tecnológica, importância do pla-comum que ressurge no debate internacional a importân- neamento estratégico, comunica-cia da administração do Estado, como gestor dos interesses ção interna, gestão e negociaçãoglobais das nações. “A questão que se continua a pôr – e de conflitos, análise e descrição dequem a ignorar vai pagar o custo – é a da construção do funções, recrutamento e selecção,Estado, se vista do estreito ponto de vista do Estado mod- carreiras profissionais, avaliação deerno”, afirma Óscar Monteiro. E este autor lembra que a desempenho, formação profission-questão do Estado moderno ultrapassa as acções do nation al, maximização das competênciasbuilding: “para além da construção da identidade nacional, e fidelização dos recursos huma-a organização da coisa pública e da sua boa gestão per- nos.manecem primordiais”. O autor está consciente de queO livro do Dr. Agostinho Levieque tem, como primeiro a gestão de recursos humanos, emérito, o da oportunidade da sua publicação. Num país, neste caso especial dos recursos nacomo o nosso, na extrema periferia do mundo global Administração Pública com uma notável sustentação administração dos serviços que dizem respeito a todos os(somos dos mais pobres, não nos esqueçamos), a adminis- teórica e com uma abordagem que transcende a gestão cidadãos, é matéria que a todos interessa. Por isso, sendotração eficiente e competente da res publica é um bastião técnica dos recursos humanos. Ele recorre a outros ramos uma obra de grande interesse para administradores,da soberania, o instrumento decisivo para fazer da nossa das ciências sociais para enquadrar nos tempos globais gestores, políticos, formadores e alunos, o livro oferece-jovem democracia um processo de participação efectiva e no espaço nacional as suas observações, sugestões e nos um trabalho no qual Levieque consegue – evitando ode todos os moçambicanos. propostas. recurso desnecessário ao jargão técnico – um estilo escor-O Estado tem de representar todos os cidadãos, deve servir Não sendo especialista na matéria, tenho procurado reito e de fácil leitura, sem fazer quaisquer concessões notodos, proporcionando os serviços e recursos para que acompanhar a produção teórica moçambicana na área que respeita ao rigor científico que observa no tratamentotodos, independentemente de suas opiniões e escolhas, das ciências sociais, incluindo as ciências sociais aplicadas. das questões.nele se reconheçam em última análise. O Estado, só exerce De quanto conheço, esta é sem dúvida a mais completa Está de parabéns o Dr. Agostinho Levieque e estamos dea sua função nacional quando não é instrumento de um publicação sobre esta questão tão sensível para o nosso parabéns todos nós, moçambicanosGoverno em acção contra piratariao MinistéRio da Cultura moçambicano lança, em todo o sustentáveis, e valoriza-País, o início de acções de busca e apreensão de fonogramas ção o trabalho dos artis-e videogramas produzidos e comercializados à margem das tas e criadores no País.normas vigentes na República de Moçambique, uma acção estAs ACções pretendem,a ser levada a cabo em estreita colaboração com Procura- igualmente, promover odoria Geral da República, Ministério do Interior, Autori- preceituado no nº 2 dodade Tributária de Moçambique, Inspecção das Actividades Artigo 94 da ConstituiçãoEconómicas, conselhos municipais, Associação dos Músicos da República assim comoMoçambicanos, Sociedade Moçambicana de Autores e com a Lei nº4/2001, de 27 dea Sociedade Moçambicana de Cineastas. Fevereiro sobre DireitostRAtA-se De acções permanentes que pretendem reduzir e de Autor e Direitos Con-erradicar os níveis de pirataria dos fonogramas e videogra- exos, e doutros disposi-mas, excepcionalmente na vertente musical e cinematográ- tivos internos e interna-fica, e ao mesmo tempo, estabelecer uma plataforma para cionais legais relativos aum desenvolvimento das indústrias culturais e criativas esta meteria.
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 LITERATuRA MOçAMbICANA 4Um pouco sobre Rui Nogar esCRitoR e político moçambicano, Rui Nogar, pseudónimo de Francisco Rui Moniz Barreto, nasceu a 2 de fevereiro de 1935, em Lourenço Marques (atual Maputo), Moçambique. Fez os estudos primários e secundários em Lourenço Marques e começou a trabalhar como empregado comercial e funcionário de agência de publicidade. Para além disso, exerceu vários cargos como o de deputado da Assembleia Popular, Diretor do Museu da Revolução, Diretor Nacional da Cultura e Secretário-Geral da Associação dos Escritores Moçambicanos. Desde 1964 era militante da Frelimo e foi preso pela PIDE por fazer parte da organização. A obra Silêncio Escancarado (1982) resultou de uma recolha de textos escritos no tempo em que esteve preso. poetA, ContistA, declamador, Rui Nogar colaborou em publicações de imprensa, como Itinerário, O Brado Africano, A Voz de Moçambique, Caliban e África. A sua obra está incluída em várias antologias nacionais e estrangeiras, como Poetas Moçambicanos (1960), Resistência Africana (1975) e No Ritmo dos Tantãs (1991). Rui nogAR morreu em Lisboa, em 1994. FAbIÃO RuI NOgAR O padre da missão falou em Deus. Deus: irmão bom. Falou nos anjos: todos amigos. Falou no céu: oh! céu bom, muito bom. Só não falou nos homens. Homem? Muito complicado mesmo. Todo gente há-de aprender sozinho. É preciso coragem. Coragem e resignação (mas que é “... signação”?). Vida é má. Muito má. Homem também. É preciso aprender sòzinho. Ser bom. Ter bom coração. Quando outra gente faz mal a você é preciso esquecer. É preciso perdoar esse gente. É preciso sofrer. É preciso... Fabião, mufana ainda, o boca muito aberto, os olho muito aberto, mexeu cabeça, mexeu cabeça – compreendeste sim senhor Padre... Padre José passou a mão pela testa, onde as teimosas gotas de suor desfizeram-se, escorrendo por entre os dedos curtos e grossos. Fabião cresceu pouco. Foi tropa: três anos escravo de caqui, corneta e meu sargento. Três anos em que toda mulher chunguila e todo moleque tinha medo do seu cinturão. Fabião era bom. Mas quem sabia? Fabião era soldado. Soldado não é bom: diz moleque, diz mulher. Fabião era bom, mas só ele sabia, mais ninguém. Um dia foi na “Lagoas”. Arranjou mulher de todo gente. Esse mulher estava grosso. Com certeza não viu caqui, não viu cinturão, nem sequer viu Fabião. Sentiu aquele braço forte que segurou ela quando ia cair na escada da cantina. Depois, aquele braço forte seguiu ela até colchão.OS 2 PRIMEIROS POEMAS DA IMPACIÊNCIA Mulher está dormir. Ele não sabe ainda como ela chama. Também não interessa. Ele quando voltar ela não conhece ele. Mas ele também não há-de voltar. Palavra!... Mas Fabião está a gostar dela. [É] pena, dinheiro é pouco. Bem! Fabião segurou dinheiro todo, deixou no colchão e foi RuI NOgAR embora. Mulher de todo gente quando acordar há-de pensar dinheiro caíu do céu. Fabião riu. Lembrou Padre José quando falou no céu. Ih! Céu bom, muito bom mesmo!I Três dia passou. Enfermeiro molungo deu injecção a Fabião porque doença veio. Enfermeiro molungo é bom. Tropa é bom porque tem senhor enfermeiro que cura doença de mulher.Tatuagens de lua Carregador no cais: um ano contratado. Um ano para perder 4 (quatro) amigos. Um ano enorme e pesado, cheio de lembrança de Padre Joséno corpo quente que disse: é preciso sofrer. Ah! Padre José!... Padre José!da mãe-terra Primeiro: Salvador. Caíu no porão de “Congo Maru”. Deitou sangue da boca e dos ouvidos. Não disse mais nada. Também, quando Salvador falava, pouco gente compreendia. Ele falava outra língua. De muito longe. Agora, palavra! todo gente parece querer compreender Salvador.e assim nua nua Agora todo gente gostava saber falar com Salvador. Agora.no leito vermelho Depois Agostinho e Cipriano na mesma semana. Ficou parecia papa de farinha. Assim mesmo. Só pele, com osso pisado lá dentro.virginal ainda Agostinho estava trabalhar debaixo de guindaste n.º 10. Cabo que segura aquele saco todo partiu. Era muito saco. Cheio de cimento. Agostinhoela espera a semente não teve tempo. Não fugiu. Ficou parecia tinha cola nos pés.que tarda a chegar Quando pedreiro vai fazer casa com aquele cimento, há-de ficar casa com pouco sangue de Agostinho. Sangue e vida e medo de Agostinho. Doze e meia. Cipriano está dormir perto chapa de aço. Muito chapa de aço em cima doutro chapa de aço. Passou combóio perto. Chão fezque tarda a chegar assim assim. Chapa de aço que estava em cima mexeu, mexeu e caíu. Mesmo na cabeça de Cipriano. Cipriano não acordou nunca mais. Ele tinha cabeça grande e duro. Quando jogava borracha dava cabeçada com força. Maningue força. Partia sempre cabeça de outro gente. Cipriano nunca mais vai jogar porrada. Nunca mais vai dar cabeçada.II Quando estava quase acabar contrato de Fabião, foi Saúl. Saúl, capataz indígena. Não gritava muito. Não chatiava muito. Carregador gostava dele.Que venham Um dia estava entre dois vagão. Via serviço de contratado. Cantava mesma cantiga de contratado, ih! cantiga de contratado é malcriado. Muitomas não de braços cruzados malcriado mesmo. Diz coisa que não pode dizer. Por isso contratado gostava daquele cantiga. Por isso trabalha bem com cantiga. Lingote de cobre pesa menos. Vida custa menos.aqui amigos Saúl cantava muito bem. Ali perto estava máquina vaivem com manobra. Máquina foi. Escondeu atrás de armazém L. Depois máquina veio.o sexo vermelho da terra Faz barulho. Não deixa ouvir cantiga. Agulheiro não pode segurar máquina. Voz de Saúl, voz de contratado, voz de máquina é um só. Tudolateja de febre e de cio canta mesma cantiga. Máquina galgou cicatriz de linha. Entrou no caminho errado. Saúl canta maningue bem mesmo! Máquina apanhou primeiro vagão da frente. Chocou. Empurrou. No meio Saúl canta ainda. Vagão correu, agarrou barriga de Saúl – cantiga parou agora mesmoé preciso saciá-la no boca de Saúl – e engatou noutro vagão. Barriga de Saúl engatou também. Cantiga parou. Todo gente correu. Ficou ver tripa de Saúl quee depressa baloiça pendurada no engate do vagão. Ambulância gritou e veio levar voz de Saúl. Nunca mais ele vai cantar cantiga de contratado. Cantiga malcriado. Ah! mas a culpa é do cais. Cais não presta. E por isso cantiga é malcriado. E por isso cantiga de malcriado há-de ficar mais malcriadoque venham ainda. Muito mais.sim que venham Fabião quando saíu última vez no Porta Cinco, cuspiu com força para o chão. Fazia frio. Fabião trazia no corpo farrapos de ganga azul desbotada.mas repito não de braços cruzados O céu lá longe era azul também. Azul desbotado. Mineiro do Rand: 16 meses soterrado. Dezasseis meses de medo: o grisú, monstro que não se vê, não se cheira, não se pressente a estoiraraqui amigos a todo o momento. Dezasseis meses! Quem sabe se o amanhã não o é para Fabião? Toneladas de terra equilibram-se sobre as formigas e osaqui homens que as imitam. Num segundo podem transformar-se numa imensa sepultura. Todos sabem isso. Mas são dezasseis meses necessáriosa terra fenece para Fabião e seus companheiros. Libras, pounds irão comprar amanhã casacos de pele de leopardo, calças de bombazine, peúgas e meias dena fome de arados futebol das mais berrantes, sapatos fortes, grosseiros, etc. etc. E depois, lá na terra, a certeza duns braços de mulher.que tardam a chegar Fabião economiza. Não compra máquina de costura em quinta mão, nem bicicleta sem roda, nem outra porcaria. Vai fazer palhota maticada. Pintar porta e janela verde com dois risco amarelo. Machamba pequena. Milho, amendoim e mandioca.que tardam a chegar Dez meses passou. Fabião não pode dormir. Tosse não deixa. Ele de manhã cedo vai fazer curativo. Depois vai outra vez buscar tosse lá dentro da mina. Falta pouco para acabar contrato. Tosse não pára. Fabião quando voltar para terra não vem sòzinho. É capaz mesmo, esse coisa queah! que tardam tanto a chegar acompanha ele, não deixar Fabião chegar no terra. Fazer machamba, palhota maticada com porta e janela verde com dois risco amarelo, semear milho, amendoim, mandioca, arranjar mulher, gastar libra, pound.FiCHA téCniCA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil: Itapema - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 CRÓNICA / CONTO 5 FiLosoFonias rapsódicas gAzA MEu ÚTERO MARCELO SORIANO - bRASIL m.m.soriano@gmail.com AMOSSE MuCAVELE - MATOLA Nota preliminar: Antes de prosseguir À Paulina Chiziane com este artigo, lembro ao leitor que me dirijo à CPLP (Comunidade dos Países de A Província dos meus olhos é uma Língua Portuguesa), portanto, podemos flor que nunca murcha, as suas encontrar gerúndios, futuros do pretérito, folhas estão pintadas de variadas expressões etnocêntricas, familiares cores, cores que reflectem vários a certos leitores, porém, inusitadas a sentimentos, sentimentos que nos tranquilizam, carregados de tanta outros. Oxalá, que esta peculiaridadeemoção, fazendo-nos re(viver) nesta ponte de afectos que liga-nos de não seja pretexto para correções, mas para integrações e enriquecimentos léxicosum passado glorioso à um presente nostálgico. e culturais entre nós. Marcelo Soriano. Santa Maria - RS - BR. 14/07/2011.Nestes ultimamentes a minha querida Gaza anda desalmada, carecede amor, falta-lhe uma voz amiga, pois Os Ventos do Apocalipse 1. A QuintA estAção abocanharam a sua felicidade e o medo cobriu-lhe o tecto. Embarquei nesta vida, recém nascido, embrulhado no manto brancoDorme um sono secular, vive um pesadelo milenar, a natureza ageadado1trancou-lhe as portas, e ela aceitou estar encarcerada em Mabalane, do Inverno. Pela Primavera, vi tapetes vermelhos de flores multicores senão se interessou em contratar um advogado, muito menos procurar desenrolarem.ajuda dos amigos, ficou no silêncio das grades da sua angústia, nem a Chegado o Verão, as madrugadas quentes traziam mosquitos com suas amplas luasmim que num passado não muito distante juntos plantamos coqueirais cheias amarelas. E o Outono, ah o Outono! Um caminho de folhas secas delatandode amor. osQuando cheguei a Província que tanto me esperava, constatei que algo lentos passos do caminhante. Dizem, no murmúrio dos córregos lajeados da Bocamudou, o casebre transformado em Castelo, repleto de seguranças, doempregados domésticos, e.t.c. uma prisão domiciliária, creio que ela Monte*, que existe uma Quinta Estação, mas ela está fora do tempo; fora doconseguia me ver, daí descobri a 8ª Cor do Arco-íris. mundo...Bati a porta a 1ª,2ª,3ª vez e ninguém respondeu, mas de longe Dizem, em seus sussurros de correntes cristalinas tamborilando nas pedras: “Avia-se monte de gente a circular no quintal, o meu último sentido Quintadespertou-me da letargia que me assombrava. Estação brilha nos olhos d’água, onde se banham nuas as Almas puras dosOh pobre de mim, nas grandes casas já não se bati a porta, toca-se cardumesa campainha, a resposta veio à uma velocidade da luz, em seguida abençoados”.vieram os serviçais e atenderam-me. (*) Boca do Monte é um distrito pertencente ao Município de Santa Maria, Estado-Com quem o senhor deseja falar? - Perguntaram-me do Rio Grande do Sul,-arrepiado de medo, e a tremelicar de incerteza, dei a seguinte Brasil. Localiza-se no oeste da cidade. O local era habitado por indígenas queresposta – com dona da casa. chamavam a região de-quem é o senhor? Pois a senhora está a dormir, ela quando encontra- Caá-Yurú, que significa “Boca do Mato”, dando origem, mais tarde, à atualse neste estado não gosta de ser incomodada, espero que entendas, denominação.podes vir mais tarde? Se assim o achar conveniente, mas contudodeixe-nos com o seu nome.De longe ouvia-se uma voz feminina, a perguntar oh José creio que 2. LetRAs VisuAisera o nome do homem que estava a me atender – não veio alguémme precisar?-tem aqui um senhor que precisa da senhora – respondeu o José-manda-o entrar -disse ela.A sua voz planta respeito e felicidade no povo que a circunda, apesardela não desfrutar dos mesmos. O corpo dela guarda segredosmilenares tal como As mumias, os seus olhos são uma verdadeira caixade surpresas, sei que quando cruzarem-se com os meus explodiramcomo a bomba atómica que destrui Hiroshima e Nagasaki.E os seus estilhaços irão cair nas mãos da potência do nosso amor,sobrevoarão à caminho do futuro nas asas das Andorinhas, tenhocomigo uma pá para poder cavar os compartimentos do seu coração, - Frase em Código QR2: “ Não sei-te. Talvez-nos. Feliz-nos”.bem sei que Gaza é de poucas palavras e muitas acções, diferente de outras mulheres que sonham, Gaza vive, idealiza e concretiza.Chegado a sala de visita onde ela estava sentada.Pode sentar -disse ela com olhos boquiabertos, em seguida aproximou-se de mim e deu-me um abraço do tamanho do mundo, os empregados 3.MonóLogosdomésticos ficaram bastante surpresos, pois nunca tinham visto O póstuMos CoMAlegre Canto da Perdiz, instalou-se o silêncio, a realidade tinha traços QuintAnA - pARte V de ficção.Sabes há muito que precisa de conversar consigo, volvidos 12 anos “Autodidata é um ignorantetive a oportunidade de estar perto de ti, dada as circunstâncias desta por conta própria.”auto-estrada da vida ,ora quando vinhas ao meu encontro não me Mário Quintanaencontravas e quando fazia o mesmo você estava em constantesviagens ,e neste instante nos encontramos. [Poemavivo]A sociedade em que estou inserida nela esta contra a nossa relação Eu a ele:amorosa, agitava-me para te deixar, te esquecer, cortar os laços quenos une.-aquela provinciana não é digna do seu amor – diziam eles. Poeta! Ainda ontem, vi um poema vivo que batia dentro da gaveta como um coraçãoDavam-me dissolventes e eu resistia sempre, tal como fez o que pedia para sair.ngungunhane, assim transformei a minha palavra em flecha e o [ParLarvas]amor que uiva dentro de mim num arco. Saiamos deste lugar, pois Ele a mim:algo diz de mansinho que este lugar tem alguma coisa de nefasta,caso continuemos sentados nesta mesa onde estamos sentados com Ver e ouvir... Verbos que se acasalam na magia íntima do verbo Ler. Poema é corpo.os garfos e as facas que mal sabem dançar Niketche e muito menos Poesia é vida. Independente do tempo que durmam ali, no sarcófago da gaveta, ossabem falar a nossa língua o nosso changana. Creio que de tanta inveja casulos esquecidos pelos poetas verdes, sempre hão de ressuscitar com a inquietudeeste lugar pode vir a restaurar estes nossos sentimentos ambulantes das asas coloridas dos seus insetos juvenis. dando-lhes um outro ar.-Princesa vamos – disse eu. (3.) ContinuA nA pRóxiMA eDição...- Para onde meu amor – respondeu ela ___________________Vamos sentar na esteira do rio Limpopo a sós, para melhor escutarmos Código QR é um código de barras em 2D que pode ser facilmente lidoA Balada do Amor ao só do vento usando qualquer celular moderno. Esse código vai ser convertido em uma pedaço de texto (interativo) e/ou um link que o celular os identifica.
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6 - discurso dirEctoUm Poeta no Jardim da Imensidão MAuRíCIO MELO JÚNIOR, LIMA TRINDADE, Certamente, é luta árdua – e vã – ter controle exato sobre o que se desafio do poeta, hoje, transmudar pedras em pétalas, fazendo prevalecer VITOR NASCIMENTO Sá, MARIANA IANELLI E escreve e impor-lhe uma linha coerente, uma espinha dorsal, por assim o amor e a beleza sobre o golpe de violência? IgOR FAguNDES dizer. Coube a você decidir que rumo a escritura tomaria durante todo o processo ou os poemas se impuseram, um a um, ordenando-se Roseiral - o mundo encarnado pela seiva das José Inácio Vieira de Melo acaba de lançar seu quinto livro de poesia: Rosei- acidentalmente? Até que ponto, essa seleção e ordenamento foram rosas escarlatesral. Cantado por Myriam Fraga, Astrid Cabral, Maria da Conceição Paranhos e intencionais e conscientes?Eliana Mara Chiossi nos textos da contracapa, orelha e posfácio, o poeta faz JIVM – O segredo que a rosa preserva alimenta a minha fome de desco-de seu universo um imenso jardim. Vermelho. E lança pedras como se fossem berta, a minha sede de beleza. Hápétalas. Com a mesma disposição de Davi frente ao gigante, alça sua voz algum tempo, afirmei em umasingular sobre os telhados do mundo. Nesta entrevista, ele nos fala de suas entrevista que poesia para mim éinfluências, processo criativo, sonhos, sertões, inveja e muitos outros assuntos salvação. É nisso que acredito. Alémligados à arte de escrever e viver. Paremos para ouvi-lo. de uma questão de fé, é também uma constatação, pois sem a poesia MAURÍCIO MELO JÚNIOR – Seu novo livro, Roseiral, seguindo a trilha de eu não conseguiria sobreviver.sua obra, é um diálogo entre o moderno e o arcaico. O que esperar de novo Também professo a beleza, masnesta conversa já tão antiga? nem sempre os aspectos positivos de um determinado assunto, sejam JOSÉ INÁCIO VIEIRA DE MELO – Embora compreenda “que o novo sempre a grandeza, a novidade e a beleza,vem”, os anseios por novidades a qualquer custo não me atraem. Ainda mais conseguem emoldurar a expressãoquando me lembro dos versos de Sierguei Iessiênin, que dizem “Se morrer, que se originou no eu poético. O quenesta vida, não é novo,/ Tampouco há novidade em estar vivo”. O que me me leva a pensar que não existemfaz recordar também de um velho adágio popular: “Abaixo do céu e acima assuntos poéticos e assuntos nãoda terra, não há nada de novo”. poéticos. Tudo cabe na poesia, do O que busco é dizer as coisas de uma forma que ao menos soe pessoal. preço do feijão até as tragédias queBusco expressar meus sentimentos de uma maneira que possam despertar assolam a humanidade. O triste fimemoções no outro, mas quando o faço, não penso no outro. Faço poesia por de Heitor, dedicado pai de famíliauma necessidade vital. Claro que existe uma preocupação estética. E nesse e guerreiro ideal, pelas mãos doaspecto, como você já observou, dialogo com a tradição. Penso que ninguém implacável e furioso Aquiles, nãocria uma obra do nada. Por mais inovadora que ela seja, sempre apresentará tira a beleza dessa passagem dapontos de convergências com outras preexistentes. Acredito mesmo que as epopéia de Homero.referências sejam salutares para que se possa criar algo valoroso. Quanta ‘obra Por falar em beleza, lembrei-mede vanguarda’ não perdura mais que uma semana? A cada esquina aparece de Rainer Maria Rilke, quando dizum poeta que se intitula ‘inventor’. Isso só acontece porque esses vanguar- nas Elegias de Duíno: “Pois o belodosos, que buscam a novidade desesperadamente, não leem. Uns porque não é/ Senão o início do terrível”.não gostam de ler, outros para não verem suas ‘obras’ serem influenciadas. E quantas vezes nos deparamosE, por conta dessa ignorância, apresentam pastiches de quinta categoria do JIVM – Sua pergunta é curiosa, porque o Roseiral surgiu de um perplexos e assustados diante de uma situação, ou mesmo depois deque já foi feito a cem ou duzentos anos. sonho, de um lance de pétalas. Os ventos dadaístas, anunciados ler um poema ou depois de ver um filme, e dizemos: Que coisa terrível! Eu, particularmente, não acredito em escritor que não lê literatura. Van- no poema “A casa dos meus quarenta anos”, visitaram-me numa E é como se disséssemos: Que beleza! O Raimundo Fagner cantava paraguarda para mim tem que ser como Dom Quixote. E foi dessa conversa tão certa noite, lá na Pedra Só, minha roça, e me vi como um condenado a minha adolescência uns versos de Antonio Brandão que me marcaramantiga entre Cervantes e José Lins do Rêgo que surgiu o Capitão Vitorino. a fazer versos bem diferentes dos que estão presentes na minha muito: “Beleza só depois de uma sangria desatada”. Não que seja maso-Foi da conversa antiga de Lima Barreto com Cervantes que surgiu Policarpo produção anterior. E, logo de cara, o nome se impôs: Roseiral (Ah, quista, mas o sofrimento chega e entra sem pedir licença. Mesmo assim,Quaresma. E foi assim, sem querer inventar a rosa, que surgiu o meu Roseiral. quantas críticas sofri por causa desse título!). E os poemas só falavam é preciso reagir e abraçar a tarefa de transformar pedras em pétalas. SóEm um diálogo com os poetas que admiro e com os que vou conhecendo em rosas, em mulheres, em sangue, em pedras. Logo em seguida, que os olhares estão presos na vitrine, as pernas correndo atrás do carrona minha caminhada pela existência. Ah, nada como uma prosa boa para soube que um amigo, dos tempos de adolescência, havia cometido novo, o pensamento está se especializando em conhecer cada vez maisdespertar a poesia da vida! suicídio com um tiro, de revólver calibre 38, na cabeça. Na hora veio sobre cada vez menos. E aí não há espaço para essa discussão. Então, só a imagem de uma rosa de sangue brotando violentamente da sua uma pedrada certeira para despertar a aurora das ideias. LIMA TRINDADE – Você não inventa a rosa, mas anuncia, desde a epígrafe face. E pensava num belo roseiral escarlate nascendo em cima dede Gertrude Stein, que a rosa vive e respira independente de nossas vontades, um lajedo. Era uma loucura e eu não sabia que rumo daria para essa IGOR FAGUNDES – Tanto em seus poemas quanto na entrevista, nestas suase que podemos, sim, olhar a rosa, sentir o seu odor e colher, por meio de produção. O engraçado é que boa parte desses poemas foi feita com respostas que jamais deixam de trazer o calor e o sol de um poema, como se tambémnossos sentidos, seus múltiplos significados. Poderíamos afirmar, então, que versos medidos, visitando desde as redondilhas até o alexandrino e, o fossem, ouvimos a voz dos deuses a saltar de sua boca. Em geral, quando umvocê re-inventa a rosa? Que sua rosa é uma e nenhuma mulher, é começo e principalmente, o decassílabo. poeta dialoga vigorosamente com os mitos gregos, e assumindo que seria o seufim, amor e morte, matéria e sonho, paraíso e danação? No capítulo “Roseiral” há seis sonetos brancos. Mas, se algum caso, de imediato a crítica apressada o qualificaria (depreciativa ou elogiosamente) JIVM – Embora tudo – nos tempos e pelos tempos – seja tão semelhante, purista – defensor rigoroso da predominância do decassílabo heróico como erudito – poeta para poetas e não para o povo. Mas, de repente, temos umcada momento é singular. A cada instante construímos relações que vão e perseguidor das rimas raras – pegar esses poemas para ler, vai ficar José Inácio Vieira de Melo entre algarobeiras da roça, entre o sertão e o agrestecompondo o que somos. Somos uma invenção que está constantemente a apavorado, porque, além de colocar simultaneamente no mesmo brasileiros, a chamar palavras como quem chama a seus bois, tão capaz de abraçarse reinventar. Nesse sentido, o Roseiral é invenção e re-invenção. A epígrafe soneto o decassílabo heróico, o decassílabo de gaita galega, o de e comover um não-letrado quanto uma fazenda de gado o é. Um José Inácio Vieirainicial do livro, como você bem observa, aponta para isso, que uma rosa é arte maior, o sáfico e o de inclinação provençal, evito os preciosismos de Melo a lembrar-nos que falar em gregos nada tem de impopular e letrado, setão-somente uma rosa, mas é também toda a possibilidade de criação. É o professorais. Dialogo com a tradição, mas não pretendo ser Olavo ali, entre os rapsodos e cantores da Grécia, tudo é corpo e oralidade, palpitandoJardim do Éden, do qual nos fala aBíblia, é o Jardim das Delícias, de Bosch, o Bilac. Ao invés de ficar queimando as pestanas para fazer pastiche de entre os homens comuns, ou melhor, incomuns. Já lhe perguntaram, aqui, acerca daJardim das Acácias, do Zé Ramalho, são meus jardins dos Mandacarus e das quinta categoria dos poetas que me antecederam, estou explorando convergência entre o moderno e o arcaico; contudo, penso que toda esta mitologiaAlgarobeiras e, finalmente, é Roseiral – o jardim da imensidão. Eu me invento e experimentando. Estou fazendo meu caminho. não apenas desfaça tal dicotomia ao derrubar a linearidade do tempo na revelaçãodentro desse Roseiral. Suas rosas são brasas. Suas pétalas, pedras que jogo na Paralelo a esse acontecimento das rosas, surgiram uns poemas do que permanece contemporâneo, isto é, um presente jamais ultrapassável. Paracabeça de Deus e de quem estiver pela frente, para que jorre a seiva escar- extremamente agressivos, despudorados e violentos, que tinham além dessa dimensão temporal, imagino que, em seus versos, punge também alate e assim eu possa ver o mundo encarnado. Para além de uma elegância endereço certo: o patriarcalismo que sempre esteve de sentinela, dimensão espacial desta mítica que entrevê na terra particular e brasileira, a terraasséptica, busco colocar em meus versos a força do animal humano, persigo a massacrar as diferenças e moldá-las à sua imagem e semelhança. universal. No lugar específico, o sem-lugar que abisma todas as terras. Quero, comos aromas e os matizes do barro em que foi moldado. Na mesma linha do despudor, surgiram uns poemas eróticos que eu tudo isso, chegar a uma questão: à sua habilidade de tornar o José Inácio particular Há um poema no livro, intitulado “Invenção da poesia”, que explicita bem jamais imaginei que teria coragem de publicar. e distinto em um Vieira de Melo universal, indistinto, abismal, de maneira que aas proporções do Roseiral, a partir da estrofe inicial, que diz “Pele vestida, dis- Como pode perceber, no começo não houve nenhuma possi- história de vida do indivíduo que escreve se apresente em seus poemas com tal força,tribuída e refeita,/ parto para o princípio do labirinto”. Mas, logo em seguida, bilidade de ordenação, pois os poemas surgiram em grupos e aos que ela mesma se torna um mito, uma mitologia para nós e em nós, seus leitores. Oafirma: “Parto e principio o labirinto”. O Roseiral é um jardim, porém o seu borbotões. Com o passar do tempo – meses e meses – é que fui homem que escreve não se transforma apenas em um eu lírico que o transfigura ouelemento ordenador não é a plenitude, é a inquietação. É a busca da origem, percebendo que determinado poema não cabia naquele conjunto, dele diverge. O eu lírico também transforma este homem em certa divindade – noda Rosa Mística, que inicia quando partimos à procura do princípio do labir- mas se adequava ao outro. E a arrumação ficou de tal maneira que os sentido grego e, portanto, originário. Afinal, tanto “A casa de meus quarenta anos”into. Acontece que, quando partimos, damos início ao nosso labirinto. O meu capítulos desenvolvem um andamento, como se estivesse fazendo quanto “A calçada dos meus quinze anos” parece valer como oráculo para todos osRoseiral é um labirinto. E, como não preciso de justificativa, “parto,/ que a um percurso, que começa no terreiro de pedras e que leva ao jardim, que com seu Delfos se consultam. Diante disso, gostaria de saber se acredita que,peripécia não é chegar,/ que o coração só tem um fim:/ ao som do coro das labirinto escarlate por onde se faz a travessia para alcançar a calçada em toda arte, o biográfico, para ser poesia, precisa deixar de sê-lo e, a partir daí, quesereias/ cantar o ciclo da origem”. da juventude e, finalmente, chegar à casa da maturidade. Mas acho discutisse até que ponto a potencialização, ou a superlativação, ou a transmutação de também que cada capítulo, ou mesmo cada poema, pode ser lido uma biografia contribuem para a mitificação da figura não do poeta, mas do homemAstrid Cabral e eliana Mara Chiossi avaliam separadamente, sem que haja necessidade de traçar um roteiro. que se lhe antecipa e nele se eleva.esteticamente o mais novo livro de Vieira deMelo MARIANA IANELLI – Vejo que o poeta que anunciava a calmaria, JIVM – Rapaz, você foi longe... Mas eu estou aqui bem pertinho de uma em A infância do Centauro, agora se descobre, em Roseiral, no centro algarobeira, sentido a brisa do sertão. Confesso que para mim é um tanto VITOR NASCIMENTO SÁ – A leitura de Roseiral deixa evidente uma pre- de uma vertigem. Nesse magma de criação, destruição, recriação, o difícil explicar por qual mecanismo minha vida se apresenta na minhaocupação em concatenar os poemas de um modo que a obra se torne poema, ainda que muitas vezes assuma o tom imprecatório, ainda poesia. Mas, por outro lado, fica bem fácil quando sei que, para mim,uma espécie de organismo coeso, ou pelo menos se assemelhe a isso. Essa assim, é uma rosa, uma revanche da vida. Não será este o grande não existe um José Inácio das obrigações cotidianas e, em separado,impressão nos é transmitida tanto no campo formal como no temático. um Vieira de Melo poeta. Eu sou José Inácio Vieira de Melo por inteiro.
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7 Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 7Sou completamente poeta, embora saiba que não seja um poeta se jogassem no abismo e bradassem humanamente. Talvez aí houvesse Nikos Kazantzakis, em Carta a El Greco, sobre o dever de “reconciliar os irrec-completo, pois sempre há searas a conhecer. Sinto que sou poeta algum indício de liberdade para criar uma poesia que desperte emoção onciliáveis” e arrancar do fundo de si mesmo “as espessas trevas ancestrais25 horas por dia. Não consigo dissociar minha vida da minha poesia. no leitor. para delas fazer luz”. Kazantzakis se referia aos antepassados que combatiamSei que existem poetas bem mais competentes que eu, com uma Mas nem tudo está perdido. Apesar de achar que é muito cedo para se dentro dele, a terra e o fogo: “bons camponeses” por parte de mãe, “corsáriosobra mais consolidada que a minha, que não fazem o estardalhaço falar em singularidade, existem poetas aflorando no alvorecer desse novo sanguinários” por parte de pai. Gostaria, na verdade, que você comentasseque eu faço. Ficam ali, recolhidos na tranquilidade, para lembrar de milênio que são avatares (para usar uma palavra que está em circulação). um pouco sobre esse conflito interno, se ele existe, e como você o reavalia,Wordsworth, e poucos sabem do seu ofício de poeta. Eu não. Por Poetas que não mataram a criança e que preservam suas humanidades. agora, tendo cumprido mais este “ciclo da origem” que sua voz, já desde osonde passo, deixo o rastro do poeta. E mesmo os que não entendem Não pense que sou apocalíptico. Apesar do momento caótico em que primeiros poemas de Roseiral, profetizava.bem do que se trata dizem logo: “ele é poeta”, sem que haja nenhuma vivemos, comungo com Nietzsche quando afirma que “somente quemintenção de valoração. tiver o caos dentro de si, poderá dar luz a grande estrela bailarina”. JIVM – Eu cresci marcado pelo signo da diferença. Somos cinco irmãos. Vivo pensando a poesia que me é possível o tempo inteiro. Mas, Todos homens. Sou o terceiro. Na verdade, sou o sétimo, visto que minhapor mais intensa que seja essa relação, por mais próxima que seja do VITOR NASCIMENTO SÁ – Entre as pedras que são atiradas no poeta, mãe teve nove filhos. Cinco vingaram. Pois bem, a partir de meus sete anos,que sou, ainda assim, não é o que sou. Esse sujeito que está o tempo obviamente, há a crítica negativa daqueles que resolveram se colocar o refrão que mais escutei, e que perdurou até os 20 anos, quando vim morartodo dentro da minha poesia, que se parece tanto comigo, sou eu na vida como seus adversários poéticos, se é que isso faz algum sentido. na Bahia, foi: “– Esse menino é todo diferente dos outros!” E foi com setemesmo tentando me autenticar dentro do poema, dentro da arte. Quem acompanha de perto sua produção – seja a publicação dos cinco anos que tive de descer do fusca e ficar sozinho na entrada da fazenda,Mas, ainda assim é uma representação. É um eu lírico idealizado, que livros (incluindo Roseiral), seja a realização dos eventos literários e culturais que distava uns três quilômetros da sede. Eu até hoje me lembro do meuvai pedir bênção aos mitos, sobretudo os gregos e hebraicos, para se ou a sua atuação na internet – sabe que há aqueles que vivem espreitando pasmo e do imenso abandono que senti. Meu avô Moisés, quando soube,perpetuar dentro de uma tradição. Não que o biográfico não esteja seus passos e fazendo um esforço tremendo para negar tudo, infamar saiu correndo ao meu encontro...presente, mas há um somatório de referências, há enxertos de ficção ao máximo. Por outro lado, se levarmos em conta a idade de sua poética Na adolescência, quando estudava em Maceió e passava os finais deque superlativizam o biográfico e potencializam o mito. A partir daí, a (aproximadamente uma década) sua fortuna crítica é imensa e chove semana e as férias no interior, o fato de gostar de usar cabelos grandes – ah,figura humana é investida por uma couraça do imaginário, pelo poder comentários elogiosos de nomes consolidados. Como é viver, poetica- como sinto saudades dos caracóis dos meus cabelos – distanciou-me aindada criação, que pode lhe conferir heroísmo e até mesmo o deificar. O mente, assim, entre a simpatia de tantos e a extrema ojeriza de alguns? O mais de meu pai, uma vez que fiquei impossibilitado de sentar à mesa nahomem que sou, e que se diz poeta o tempo inteiro, não consegue que você aguarda desses opostos com o lançamento de Roseiral? sua presença durante alguns anos. É aquela coisa lá do poema “Banquete”.acompanhar o eu poeta na escalada rumo às esferas do delírio, por Não é muito fácil falar dessas coisas. Pois é! Mas, para tentar limpar o sen-maior que seja a sua vigília. No entanto, as pedras que são atiradas JIVM – Olha, não tenho do que me queixar. Minha poesia tem mere- timento, só enfrentando tudo isso. E oRoseiral veio na medida, passandono poeta, essas recebo todas. Em dobro, até. cido a atenção de nomes significativos da literatura brasileira, das mais o passado na lâmina. No que se refere aos mitos, sempre achei que são coisas do povo. diversas vertentes e de diferentes gerações, como você bem observou. Quero deixar bem claro que meu pai é um referencial de inteligência eDe um lugar para outro, de uma época para outra, mudam-se os Vai longe o tempo em que eu tinha uma preocupação em conseguir uma de conquistas. O que ele queria era que eu o acompanhasse na sua lutanomes, mas são as mesmas figuras mágicas que vêm atender as editora para publicar meus livros. Hoje em dia, os convites são vários. desenfreada para vencer na vida. Se a minha história parece difícil, a sua énecessidades de milagres e de punições das tribos, dos povos. Apesar Na verdade, tenho aberto portas para outros poetas publicarem seus muito mais: criado por uma tia desde os dois anos, começou a trabalhar nado diálogo com os mitos gregos, sinto-me um poeta de inclinação livros por editoras que garantem, ao menos, uma boa distribuição. E é infância, frequentou escola por menos de um ano em sua vida, casou aos 18bíblica, um pastor de nuvens e de versos. Os meus livros anteriores bom lembrar que estamos falando de poesia, gênero que não desperta com uma menina de 14 que, desde os 11, era órfã de mãe. E me ofereceramdevem tributo ao poeta Davi, o salmista. Já neste Roseiral, os Cânticos o interesse da grande maioria das editoras, por conta da falta de leitores do que tiveram – o abandono – e muito mais do que não tiveram: a pos-dos Cânticos de Salomão são uma referência mais próxima. A seiva e, consequentemente, pela falta de consumidores. sibilidade de estudar e muito afeto também. Esclareço que, nesse ínterim,das rosas escarlates do Roseiral trouxe um novo tônus para minha Existe, no estado da Bahia, meia dúzia de pobres diabos que, movidos comecei a ter problemas com bebidas alcoólicas. E durante duas décadaspoesia. (dos 13 aos 33 anos) a barra foi pesadíssima, e causei muitos problemas. Você, Mariana, além de poeta brilhante, é uma leitora extraordinária. MAURÍCIO MELO JÚNIOR – Tenho uma visão até óbvia de sua Mostra o compasso certo desse Roseiral: “reconciliar os irreconciliáveis”.poesia: a forte presença da terra, do semear. E isso é um jeito meio Eu, revestido por você do mito de Telêmaco, combato a tirania patriarcalesquecido pelos poetas contemporâneos, tão urbanos e violentos. que subjuga as diferenças, que massacra suas crias e, tal qual Procusto,Você é sertão, só que se conhece uma infinidade de sertões metafóri- molda o outro às suas medidas. Desse modo, a figura do Pai – que podecos – Zé Limeira, João Rosa, Zé de Alencar, Rachel, Mestre Graça, ser entendida como o deus, como o pai, o patrão, o governante – recebe deCabral –, enfim, onde se localiza sua geografia íntima? volta a coroa de espinhos que impõe ao filho. Depois de cumprir a travessia das rosas escarlates e de suas inúmeras pedras, sinto-me aceitando cada vez JIVM – Pois é, o sertão é o mundo, como nos ensina o Mestre Rosa. mais a minha condição de poeta. Em relação à família, pais e irmãos, estouPor outro lado, o bardo cantador Elomar traz notícias de um sertão muito distante. Parece-me que é a melhor maneira de sentir saudade e deprofundo, de dentro. A minha geolírica situa-se nessas plagas das ser tratado com respeito. No mais, tenho dois filhos – Moisés e Gabriel –quais falam João Guimarães Rosa e Elomar Figueira Mello. Um sertão que são luz em minha vida. Que alegria despertam em meu ser! E com queíntimo, de dentro, tão intenso, que faz com que para onde eu olhe facilidade alimentam a criança que existe em mim!vislumbre o sertão planetário do poeta Gerardo Mello Mourão, a roçade estrelas de José Chagas e de Jorge de Lima. O sertão cósmico de JIVM: “Há algo de perdição nessa busca, porque sei que nunca vou estarRoberval Pereyr e de Antonio Brasileiro. satisfeito, sei que o que procuro estará sempre se escondendo detrás da A minha geografia íntima é abismal e localiza-se no terreiro do árvore seguinte, do prédio seguinte e até mesmo na minha sombra”meu ser – bem longe da balbúrdia dos modismos. Deitado nas relvasde Whitman, de dia pastoreio nuvens – de Pessoa e de Davi – no curral IGOR FAGUNDES – Disseste que, para o Roseiral, não aguarda nada, queda imensidão azul. À noite, do balanço da rede, cultivo as estrelas não é de esperar. No entanto, muitos leitores esperavam um novo livro seu.nos labirintos de Borges, que trazem brilho, inquietação, suspiro, Para além do que o inspirou a escrever e das elucubrações críticas que aquiinspiração. O sopro lírico de Drummond e de Ruy Espinheira Filho. fizemos, o que, em suma, afinal, podemos todos – os que já o leram e osCada estrela tem nome de poeta – Bandeira, Lorca, Kaváfis, Rilke, que ainda não o leram – esperar de sua poesia? E será que José Inácio nãoMurilo – e faz parte de uma constelação. Misturam-se e renovam-se. por uma inveja corrosiva, estão empenhados em difamar a minha pessoa espera nem por mais poesia em sua vida? Será que já não está chocandoMorrem e renascem. E continuam. Tantas e tantas. Os que citamos e e de desmerecer a minha produção poética. Esquecem de trabalhar (e outros livros antes mesmo de este novo circular pelo Brasil? Tu nos deixamais Herberto Helder, Cecília Meireles, Alberto da Cunha Melo, Maria passam a roubar), esquecem de suas famílias (que, por sua vez, procuram querendo mais poemas, mais livros, José Inácio...da Conceição Paranhos, Francisco Carvalho, Myriam Fraga, Wilmar alento em outros braços), esquecem de si próprios (alguns têm até o álibiSilva, Mariana Ianelli, José Alcides Pinto, Astrid Cabral, Alexandre de serem loucos) e se dedicam completamente ao José Inácio Vieira de JIVM – Quando falei que não aguardo nada para o Roseiral, quis dizerBonafim e vários outros. Melo. Não sabem, coitados, o quanto contribuem para que, cada vez mais, que não sou de ficar criando expectativas. Gosto de sair por aí, espalhando meus versos ganhem espaço. minha poesia. Não publico um livro e fico com ele dentro de casa, velando-o, LIMA TRINDADE – Sinto que a ocupação desses diversos topos – Para o Roseiral não aguardo nada. Não sou de esperar. Gosto do movi- esperando que algum crítico extraordinário venha descobrir o gênio quecomo no caso do sertão (interior e exterior) e do urbano, da mistura mento, do ritmo, de andar, de fazer as coisas acontecerem. Por enquanto, sou. Não acredito nisso. Nem tampouco fico na esperança de ganhar aquelede matizes eruditas e populares, da influência da cultura de massa há oito lançamentos marcados: Aracaju, Belo Horizonte, Salvador e cinco prêmio tão desejado pela maioria. Eu corro atrás. Mesmo parado, dentroem todas as esferas, do surgimento de novas configurações políticas cidades do Vale do Jiquiriçá. De modo que não tenho tempo para de casa, estou sempre pensando numa maneira de levar meus versos aoe comportamentais – marca a literatura contemporânea e também desperdiçar com as bobagens dessa meia dúzia de delinquentes. outro, através do mundo virtual.a sua poética, que não escolhe um único ponto de vista, mas múlti- Quanto aos que apreciam minha poesia, só posso dar garantia de queplos. Você concorda com essa afirmação? Enxerga singularidade na Rainer Maria Rilke: uma referência para o estarei sempre buscando... Buscando o verso que esteja afinado com meuprodução dos poetas desse início de século? autor de Roseiral sentimento, buscando a poesia de cada momento. Há algo de perdição nessa busca, porque sei que nunca vou estar satisfeito, sei que o que pro-nietzsche: “somente quem tiver o caos MARIANA IANELLI – No poema “Fuga”, um dos primeiros do livro, você curo estará sempre se escondendo detrás da árvore seguinte, do prédiodentro de si poderá dar luz à grande fala do momento em que “o homem chega dentro da criança” e aparecem da esquina e até mesmo na minha sombra. Eu vivo a poesia. Sinto que, aestrela bailarina”. os “sonhos - fuzilados no horizonte”. O poeta, aí, não apenas antecipa sua cada momento, ela apresenta-me uma nova face, ela inventa uma nova fuga, mas anuncia, creio eu, todo um processo de enfrentamento e assimi- paisagem, ela me tira do chão e me conduz pelas esferas do delírio. Sinto JIVM – A contemporaneidade jogou o ser no cerne do caos. Vive- lação de forças contrárias que viremos a acompanhar ao longo de todo que tenho um sorriso triste, mas a poesia me tira do sério, me deixa bobo,mos num globalitarismo que coloca todos em um suposto pé de o livro. Esse conflito com um “patriarcalismo”, como você mesmo disse, me deixa desse jeito que estou agora, fora do tempo, fora de mim. Comple-igualdade, que relativiza as culturas em nome de uma cultura global. poderia ser compreendido, a meu ver, como uma batalha que se passa tamente eu. E isto é o que há de melhor.Mas sabemos que isso tudo é uma falácia. O que se percebe mesmo internamente, uma batalha que, por ser sanguínea, abrasadora, desperta Escrevo pouco, uma média de 25 poemas por ano. O Roseiral saiu e jáé a imposição de uma cultura dominante que determina comporta- também seu correlato subversivo de erotismo e paixão. Sob esse ponto tenho no meu matulão umas três dezenas de poemas inéditos. Claro quementos e estabelece padrões. de vista, pode ser que nesta “odisseia”, título, aliás, de uma das seções outros livros virão. E vai ser assim até o último dia de minha existência. Sinto A poesia, como toda arte, questiona, subverte, mostra possi- do volume, o poeta se transmude não em Ulisses mas em Telêmaco, em que a poesia é minha vidabilidades para novos caminhos. E não é de se estranhar que, nesses busca do pai, para enfrentá-lo, numa viagem poética rumo às origens quetempos de indagação, o paradoxo seja a melhor afirmação a se ofer- põe a salvo a criança dentro do homem. Na seção “A calçada dos meus Esta entrevista foi publicada na revista Correio dasecer. Não há muito que filosofar. Ninguém vai ficar se perguntando quinze anos”, que concentra os poemas talvez mais significativos dessa“quem sou eu?” no momento em que perde um braço. Mas o pior batalha, a representação do banquete ocorre em três poemas, um deles Artes, Abril/2010, Ano LXI, na cidade de João Pessoa,de tudo é que a maioria dos poetas – tão intrincados nos estudos intitulado “Canibal”, o que me faz pensar novamente em um processoculturais – está sem caminhos. Então, esses poetas, preferem ficar de assimilação poética, e por que não dizer, de transubstanciação, como na Paraíba. Foi distribuída nas bancas de revista comousando palavras soltas, mecânicas. Assemelham-se tanto aos robôs indicam os versos do poema “Vampiro”: “Sim, beberei teu sangue / quãoque os computadores parecem mais sensíveis. Seria preferível que saboroso é o vinho / que corre em tuas veias”. Isto me lembra o que dizia encarte do jornal A União, no dia 25 de abril de 2010.
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 09 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo...O Morto Auto-quotidiano SilênciosEDuARDO QuIVE JAPONE ARIJuANE - MAPuTO PEDRO Du bOIS - bRASIL Para minha avó, Tanto conversamos esposa segunda do meu pai, Há vezes que a tristeza faz me muito feliz em silêncio mãe de dois irmãos meus Quando triste lembro a felicidade vivida seus olhos perguntam respondo olhares e falecida Nunca da tristeza que vivo. mágoasUm bando de dor se excitou, Felicidade é bem compreendida tristezasLágrimas em versão dos hinos celestes, irasBuscavam o momento do adeus último. quando se esta triste raivasDiante de mim, estava a nova habitante do além Minha vida é o lado feliz da tristeza surdas maneirasDo poente de nos fazer entenderDo fim não estarmos juntos.Da noite que não amanhece.De dolorosoNascia no escancaro,A tumbaO túnel do abrigo na morte.Mais uma vida se rendera aos deuses assassinos Tu e eu…Desta vezFoi em Junho.Aos meus olhosA pirâmide esquivou-se do mortífero Setembro… Ericson Maque - LichingaQuem sobrou….Quem sobrou? Somos dois…O que ficou? Existo para… Não existo sem…… A maldita que engolirá a minha mãe?A peste que cobiça o meu pai? Nascemos alguresO próximo é desconhecido Nem antes nos conhecíamosMas existeE a peste o levará para onde quiser O gosto por elogios Juntos lá vamos Nas escuras da incomensurável ambiguidade ALFREDO bENzANE - MAPuTO Das nossas vidas, vão os nossos desabafos. Há coisas que eu gosto de ouvir Que dão-me auto-estima e põem-me a sorrir recolha do texto: Mukurruza Dão-me um eu que não conheço E me deixam a viajar num espaço tão lindoIDENTIDADE DO SOL Eu gosto de ouvir elogios verdadeiros O Povo De ouvir adjectivos que engordam frases belas Sejam curtos ou longos Eles me engordam, e através deles ultrapasso problemasALbERTO ARAÚJO - MAPuTO Eu tenho gosto de dizer obrigado após elogio Um ente desponta, Direccionado ao meu espírito e não o físico E aponta o que é ser belo, Gosto de ouvir como ele é simpático E da beleza nascem palavras. Fico alegre e com um enorme prestígio MukuRRuzA - LIChINgA Singrando pela alma Eu gosto de ouvir “como ele é quão bom” Vão-se as palavras entintadas e solfejadas, De ser chamado louco (A um povo humilde por aí…) As quais o tempo fez produzi-las quando a felicidade me consome Quando me engolem por inteiro Certas, se fazem fato central de uma vida. e deixam me sem fome I Por esse motivo nunca as Trilho sem querer sou bomba de risos Maldito tempo difícil, deixarão adormecidas no cais, Soam balas encravadas nas paredes, Aneladas a tristezas e angústias Eu gosto de ouvir Acordam banhadas de sangue no rosto. Tampouco dá guarida aos proveitos do que se fez. Num trabalho sem esperar ouvir “és forte” É terrível sacrificar se pela humanidade escolhida! E estudando, um suave “és muito inteligente” Apenas o querer que, as palavras ditas no papel Sejam viajadas através do tempo, Os elogios vêm de atividades boas II Fazendo-se cantigas no coração de quem ama Passam por quem vê os fazeres No irreparável cuspo da guerra, Assim o tornando um ser meramente feliz. Com distino de quem as faz Há um denomino que lhes enche De tristezas e lágrimas Os elogios mudam a qualquer um De caras secas e pálidas! Dão auto-estima e mais bondade Trazendo a realidade para quem não a conhece Quem a aceita se disliga do Satanás III E vive completamente a eternidade De suor nudez Deita (se) milhares pelo avermelhado chão. Eu gosto de ouvir elogios E tudo em volta fica encarnado! E faço tanto para ouvi-los. IV Pátria se atormenta E de baixo de sol escaldante Vai o povo sonhando liberdade!

×